1. Spirit Fanfics >
  2. Como eu era antes de você >
  3. Conversa

História Como eu era antes de você - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Bom eu demorei por que eu estou com um pouco de bloqueio de criatividade, e tem certas coisas que eu não tô sabendo expressar. Tive uma ajuda de uma pessoa e agradeço você por isso

Mais em fim, espero que gostem e desculpa qualquer erro

Capítulo 3 - Conversa


Fanfic / Fanfiction Como eu era antes de você - Capítulo 3 - Conversa

A reunião nunca foi tão tediosa, já estava me dando sono. Assim que Cat, minha secretária, entra com o café faço um sinal para que a mesma me traga uma xícara.

Como sempre, os acionistas estavam em uma guerra entre si, algo que eu nunca consegui entender, mais estou me esforçando ao máximo.

- Atenção aqui, por favor - A sala finalmente fica silenciosa e eu me levanto - As finanças da empresa estão caminhando como esperávamos, as pessoas nunca procuraram tanto por nossos produtos como agora, portanto, todos os contratos devem ser minuciosamente analisados. Se focarmos em apenas nosso ego invés do que realmente importa aqui, vamos acabar com uma enorme dor de cabeça por causa de um contrato com uma empresa irresponsável. Então eu vou reler tudo com calma, enviar por email e depois marcamos outra reunião, ok? -Todos concordam, mas eu sei que eles estão fazendo pouco caso - Certo, reunião encerrada.

A sala volta a ser preenchida por vozes e eu me sento na cadeira passando a mão pelos cabelos e fechando os olhos na tentativa de me apaziguar.

Eu estou muito cansada, uma única coisa que quero é minha casa e dormir o dia inteiro, não vou aguentar mais um minuto aqui. Sinto minha cabeça doer incessantemente, além dos meus pés que latejam de desconforto. Decido que o melhor para minha saúde é ir embora, apesar do grande acúmulo de relatórios, é emails que tenho para ler.

- Senhorita S/n? - Cat coloca sua mão leve sobre meu ombro, enquanto me sacode calmamente, levanto minha cabeça e olho para figura à minha frente. Sempre achei seus olhos escuros charmosos, e depois que conheci sua personalidade fofa e risonha percebi como olha-la só trazia mais atenção para a mesma.

-Sim? -respondo.

-Está precisando de algo? A senhora está bem? - pergunta Cat, com um ar de preocupação.

- Estou sim Cat, estou precisando ir para casa, se não minha cabeça vai explodir -Ela me entrega um copo com café e um tomo um longo gole.

- Ok, eu passo tudo por email para senhora. A reunião foi bem cansativa, confesso que eu no seu lugar não daria conta - diz a loira com um sorriso brincalhão no rosto.

- Eu estou me esforçando o máximo que posso, mais confesso que é bem mais cansativo - Me levanto e aperto levemente as bochechas de Cat, a qual me dá um sorriso gentil.

Me despeço da minha secretária e saio da sala de reunião. Vou em direção a minha sala logo que entro na mesma desligo o computador, pego minha bolsa e vou em direção ao elevador assim que as portas se abrem eu tiro meus sapatos, que alívio! Parece que eu tirei um peso das minhas costas. As portas do elevador se abrem e algumas pessoas entram e me cumprimentam com entusiasmo, de alguma forma eu era como celebridade para os funcionários, eu retribuo dando um sorriso enquanto saio do local.

Chegando na recepção me deparo com a cena: Mari pegando delicadamente a pequena Sun no colo acordando Lola, a mais velha, que dormia desajeitada no sofá.

- Já vai? - Mari me olha arqueando uma das sombrancelhas. Sinto o cheiro agradável e natural que ela tinha, e que eu gosto tanto.

- Sim, minha cabeça vai explodir e meus pés estão doendo tanto .. - digo lamentando mais uma vez.

-Iria pedir um favor, mais tudo bem, vejo o seu estado deplorável - diz Mari, sorrindo minimamente.

- O que foi? - Pergunto preocupada.

- Você poderia levar as meninas para casa?

- Aah - Dou um sorriso sem jeito - Eu levo sim, elas estão dormindo acho que não vai dar tanto trabalho assim.

- Ok, vou te ajudar a levar elas até o estacionamento - fala Mari já agindo com suas falas, e eu agradeço.

....

Assim que eu parei meu carro no estacionamento do prédio, tiro o sinto de segurança e bebo um pouco de água da garrafa. Olho para as meninas que dormiam desajeitadas e dou um sorriso, então saio do carro, pego Sun no colo e tento acordar Lola, porém minha tentativa falha, a garota não acordava por nada.

- Merda, e agora? - Retruco comigo mesma e olho a procura de alguém que eu conheça e que possa me ajudar. Vejo na entrada do estacionamento uma moça que usava uma blusa preta e uma saia colada no corpo azul que destacava suas curvas, ela andava tão elegante mas sua aparência era de uma adolescente de 18 anos.

Vou chamar por ela.

- Ei moça? - Ela para perto de um carro prata que aparentemente era seu, e não estava tão longe de mim.

- Sim? - Ela me olhou e deu um sorriso simpático.

-E-eu não queria incomodar é.. eu estou com um problema e queria pedir sua ajuda - ela, que não havia tirado o sorriso simpático do rosto se aproxima.

- Claro, com o que posso ajudar?

-Eu tenho que subir com essas crianças, mais ela - Me refiro a Lola - não acorda e eu não vou conseguir levava até lá em cima junto com a bebê

– Aah sim, eu ajudo você sim. Me dá a bebê - Ela se aproxima e pega a bebê fazendo um carinho na cabeça da mesma, em nenhum momento ela deixa sua elegância. Ok pode ser errado? Sim, não poderia confiar nela e dar a Sun, vai que ela sai correndo e rouba a criança. Laila e Mariana me mataria, mas não consiguiria levar as duas de uma vez.

- Muito obrigada senhora. Eu não ia conseguir levar elas duas até lá em cima sozinha, obrigada. - agradeço a mulher que agora me olhar com uma expressão de confusa.

- Não me chame de senhora S/n, e não tem problema estou sempre disposta a ajudar as pessoas - Ela sabe o meu nome - Prazer sou Kim Heeli e um prazer conhecê-la.

- O prazer é todo meu senhor... digo Heeli - Ela dá um sorriso. Depois se estabeleceu um silêncio entre nós, ela deixou Sun e nos despedimos. Levo a Lola até meu quarto e a deito na cama e coloco um travesseiro ao lado para que ela não caia da cama, volto para sala e pego a bebê Sun. As duas se abraçam enquanto dormem, uma cena realmente fofa.

Fico pensando que deve ser tão bom ter um filho, óbvio que algumas vezes deve ser difícil cuidar de alguém, mas saber que foi você que geral aquele ser deve ser uma sensação muito boa. Entro no box do banheiro pensando nisso e acabo rindo de mim mesma, como poderia ter filhos se nem namorado tenho?

Termino o meu banho coloco um pijama, desço as escadas e procuro na caixa de remédios algo que eu possa tomar para aliviar a minha dor de cabeça, assim que acho a pílula volto para o quarto e me deito ao lado das bebês.

Minha cama era grande, então sem problemas para dormir com mais dois seres ao meu lado. Entre meus devaneios caio no sono, sem perceber.

....

Acordo e vejo uma figura de mulher ao meu redor, era Mari e ao seu lado Laila, que segurava sua bebê no colo. Lola já estava com seu aparelho eletrônico em mãos.

- Você acordou - Mari disse entusiasmada.

- Estou cansada, são que horas? – falo com a voz lenta e um pouco rouca.

- 20:45 – diz a mesma, olhando para o celular -você dormiu muito.

- Verdade – digo, e vou rolando para o outro lado da cama onde se encontra Laila- Oi Laila, tudo bem? Como foi a viagem?.

- Estou bem sim, foi tudo bem, vim pegar as meninas, elas deram trabalho?

- Não - Dou um sorriso - Foi tudo tranquilo

- Ok obrigada s/n, eu vou lá - Fala indo em direção a saída - E você, juízo - Ela da um tapa na testa da Mari.

- Doeu - A mais nova passa a mão na testa fazendo movimentos circulares

- Mais foi para doer mesmo - Laila da as costas e Mari pega a mãozinha de Lola que acompanha a mesma cantarolando alguma música que estava sendo passado na tela do aparelho

Mari acompanhou a Laila até a porta e eu voltei a me deitar e fechei meus olhos, o sono já estava batendo novamente

- Mais oque? - Mari chega no quarto e puxa minha coberta

- Ei - Levantei indignada com a audácia dela

- Eu quero conversar sério com você - Ela senta na ponta da cama e joga a coberta em minha direção

- Hum, eu tô um pouco cansada - Me aproximo da mesma - Mais pode falar

- Sabe qual e o problema? Você vive cansada não tem tempo para si mesma, não sai de casa. Sua vida só e trabalho e casa, poxa s/n você tá se prendendo nesse trabalho como se fosse a última coisa do mundo. No seu cargo anterior você quase não tinha tempo para muitas coisas mais sempre dava um jeito mais agora, você só fica com a cara no notebook eu te chamo para sair. Não pode por que tá trabalhando, venho na sua casa eu fico jogada por que você tá trabalhando, as vezes quando saímos você leva seu notebook e faz oque? Trabalha - Ela se levanta irritada - Eu sinto falta da época que você tinha tempo de poder curtir você e tão jovem, tem tanta coisa para viver mais você tá fazendo isso da pior maneira possível - Mari volta a se sentar na ponta da cama e passa as mãos sobre os cabelos e depois coça os olhos

- Mari, eu sei.... Mais eu preciso me esforçar para conseguir meus objetivos olha aonde eu estava agora olha aonde eu estou, eu consegui conquista muitas coisas me esforçando. Tudo bem que eu posso sim estar exagerando mais pensa comigo, se eu não desse o melhor de mim e deixasse tudo em relação a empresa para última hora como ficaria? Meu tempo seria muito mais corrido do que está sendo agora, eu gosto sim de sair com você. Eu só queria que você entendesse um pouco o meu lado, eu quero ser conhecida por algo que eu tenha me tornado. Claro que eu não penso em ficar na empresa para sempre, eu quero me formar em outra coisa. Como você acha que eu me sinto quando vou a rua e sou conhecida pela menina adotada por uma família rica e famosa, eu queria uma vez poder dizer o meu nome sem ao mesmo alguém dizer ele logo de cara. Quero ser conhecida de outra forma e para isso por enquanto eu tenho que me esforçar estudar e trabalhar muito - Seguro suas mãos e seus olhos enchem de lágrimas e ela se levanta novamente

- Não e questão de você ser adotada ou não poder dizer o seu nome, mais sim questão de você estar se prendendo muito ao trabalho as vezes deixar o trabalho de lado um pouco faz bem. Você e tão linda e inteligente, e uma pessoa ótima. Eu entendo que você quer ser conhecida de outra maneira mais também se sobrecarregar e um assunto totalmente diferente. Imagina quando você tiver um namorando ou algo semelhante, ele vai querer sair e você? Vai estar trabalhando - Por um lado eu parei para pensar e realmente ela tem razão - Vocês sempre vão brigar por esse erro, que você não tá sabendo lidar. Quando você tiver um filho, ele vai querer atenção você vai estar ocupada, fazendo oque? Trabalhando.... Sinto falta de quando a gente saia e você ficava no meu pé "Mari não bebe muito você não pode", " Garota você só me dá trabalho", "Mariana cuidado", "Mariana por que você e assim?" - ela começou a passar as mãos pelos cabelos igual eu faço, e imitar minha voz também - Isso sim que era bom, agora do jeito que você tá vivendo e errado - Me levanto e vou até ela a abraçando e sinto suas lágrimas caírem no meu ombro. Eu entendo o lado dela, eu deixei muitas coisas para trás depois que comecei a trabalhar. Nunca fui de sair mais sempre ia para ver ela feliz, e sei que agora nesse momento ela precisa mais de mim do que nunca

- Não precisa chorar, eu vou fazer de tudo para estar perto de você como era antes. Não vou dizer que vou sempre sair com você, mais prometo que vou me esforçar e deixar o trabalhado de lado - Me afasto um pouco e a olho, seus olhos estavam vermelhos e isso deu um pouco de claridade em seu olho escuro. Sua boca estava um pouco inchada e seu rosto todo vermelho

- Eu sei que você não vai deixar o trabalho de lado facilmente - Solto uma gargalhada e a mesma me abraça novamente - Eu só sinto a sua falta

- Eu também sinto a sua - Me separo dela e vou até o closet e a mesma me segue. Me senti tão pequena perto dela, mais pequena do que eu já sou. Quem vê a Mari toda durona nem imagina que ela e como uma flor, tem que ter todos os cuidados possível para que ela não murche - Vai indo para o banheiro, vou pegar uma toalha limpa e uma roupa para você - Ela prende o cabelo em um coque e me dá as costas

Pego uma toalha limpa, e uma calça moletom e uma blusinha de alça. Antes de sair do closet olho para parede aonde tinha uma foto minha e da Mari quando a gente foi em um shopping e dou um sorriso largo. Vou até o banheiro do meu quarto mais ela não estava ali, saio do banheiro e vou indo em direção ao corredor com tudo em mãos entro no banheiro da casa e a mesma estava dentro do box cantando uma música não conhecida por mim. Dou um sorriso é ela me olha sento na tampa do vaso sanitário e começamos a conversar, ela não se importava de me ver ali conversando com ela enquanto se banhava e muito menos eu

Esse e uns dos momentos que eu realmente senti falta


Notas Finais


Até o próximo<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...