1. Spirit Fanfics >
  2. Como Manipular Uma Garota >
  3. A garota da porta barulhenta

História Como Manipular Uma Garota - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


oi gente 👉🏻👈🏻 eu fiquei muito insegura em postar essa fic pq não tenho certeza sobre ela, mas ao mesmo tempo amo muito o plot, então decidi tomar coragem.

Eu corrigi, mas não quer dizer que não tenha algum erro, então já peço desculpas.

Ah, o plot foi inspirado no meu vizinho 😍

Capítulo 1 - A garota da porta barulhenta


Chae Won bateu na madeira com força e se levantou da escrivaninha.

Como até em épocas de provas essa louca tem disposição para fazer isso? Pensou antes de suspirar.


A garota nunca teve lá muita paciência, mas já estava no limite, não aguentava aquelas malditas festas que se repetiam quase todos os dias.


Park Chae Won. A sorte de nascer com o sobrenome Park não era para todos.

A pequena já nasceu sabendo que veio para o mundo para ser alguém no mínimo influente, seja onde estivesse. Tudo sempre esteve ao seu dispor, a família tinha status e muito dinheiro para dar uma vida perfeita para herdeiros como ela e o irmão mais novo.


Sempre muito estudiosa, nunca teve alguma nota baixa, além de tocar qualquer tipo de instrumento clássico, e falar várias línguas. A famosa riquinha da nobreza clichê.

E obviamente não foi nada complicado para Chae Won entrar na curso de economia na faculdade. Na verdade, ela sequer precisou de esforços.

Sua inteligência sempre fora aclamada, conquistando até mesmo prêmios.

Ao ingressar no curso de economia, logo seu avô lhe deu uma casa de dois andares linda. O mesmo queria antes dar algo como uma mansão em um bairro nobre, mas Chae Won o impediu alegando que deveria conseguir isso com o seu esforço.

Agora que já estava adulta, com sua própria casa e no caminho de se formar, mal acreditava que teria de aguentar uma vizinha como Hyejoo.


Diferente da Park, Son Hyejoo não teve a mesma sorte de nascer em uma família rica, então sempre correu atrás de seus sonhos sozinha, sem sequer uma mão para lhe ajudar.


Desde pequena a garota já era esportiva, estava sempre entre a média e vendia biscoitos para ajudar a mãe que sempre cuidou da mesma sozinha.

Sua mãe não tinha tantas condições de lhe dar uma vida á qual sempre sonhou em dar, mas também trabalhava muitas horas e dava o seu melhor como uma imagem materna.


A Son teve de aprender a fazer as coisas sozinhas já que sua mãe passava a maior parte do tempo trabalhando.


Mesmo que não tivesse o mesmo material de outros alunos ricos, fez de tudo para alcançar a faculdade de moda, a qual sempre sonhou.


Sua mãe trabalhou duro e com muito esforço, deu a filha uma casa muito acolhedora perto da universidade para que ela tivesse mais privacidade.


Hyejoo sempre se mostrou popular entre os colegas, e na faculdade não foi diferente, já que era líder do time de basquete e suas festas lotavam.


Não tinha nada contra a vizinha, diferente de Chae Won que sentia um ódio imenso por ela.


Precisava manter suas notas para continuar como presidente do grêmio da faculdade, não poderia deixar que nada lhe atrapalhasse! A Park tinha sangue nos olhos quando se tratava de perder a presidência do grêmio estudantil.


Já estava em seu limite, precisava parar aquela garota barulhenta, então se dirigiu até a casa de mesma em passos pesados enquanto bufava de raiva. Bateu na porta da vizinha com a maior força que conseguia naquele momento, fazendo uma Hyejoo com uma latinha de alguma bebida alcoólica abrir a porta.


— Chae Won? Você por aqui? Não esperava a visita da ilustre líder do conselho estudantil aqui. — Hyejoo disse, claramente bêbada, mas ainda sã o suficiente para perceber a fúria da outra.


— Hyejoo, você poderia baixar o volume do som? Eu estou tentando estudar, e existem crianças e idosos morando nessa rua, tenha respeito por eles.

Ela não estava mentindo sobre isso, toda a vizinhança não suportava mais as festas diárias.

Sem contar nas vezes em que a mãe de Jisung, uma criança com Transtorno do Espectro do Autismo, contou a Park sobre as diversas crises do filho por conta do barulho exageradamente alto.


— Ei relaxa, Chae! Temos que aproveitar a vida quando jovens, não acha? Vem pra festa. — Aquelas palavras fizeram a garota que já estava furiosa, contar até três mentalmente para não brigar fisicamente com uma universitária bêbada.


— Hyejoo, hoje eu não estou para brincadeiras. — Alertou a garota que deu uma risadinha.


— Então vamos fazer assim, você entra na festa, deixa eu aproveitar mais dez minutos e depois eu desligo e mando todo mundo embora, o que acha? Você vai estar dentro da minha casa para confirmar que realmente eu parei.


— Eu não vou esperar mais nenhum minuto, eu realmente preciso estudar. — Insistiu sem demonstrar um pingo de interesse na proposta.


— Vamos lá, Park! Ou prefere que eu aumente o som? — Aquela garota estava fazendo a sanidade da mais velha ir ladeira abaixo, mas não poderia se esperar menos de uma jovem naquele estado.

— Tudo bem Hyejoo, você me promete que vai desligar? — Se deu por vencida, já se arrependo da sua escolha.

— Prometo! Vem. — Puxou a mão da outra rapidamente, fechando a porta logo em seguida.

   [...]


Chae Won acordou com uma dor de cabeça horrível antes mesmo de abrir os seus olhos, e quando abriu, entrou em desespero ao notar que estava deitada no sofá da sala de Hyejoo. Àquela que estava lotada de copos descartáveis, papel higiênico, pacotes de salgadinhos, latinhas de cerveja e pirralhos da faculdade.

Precisava escapar daquela situação o mais rápido possível, então se levantou ligeiramente, se segurando nos móveis por estar com sua cabeça latejando de dor e correu para fora da casa da mais nova.


— Onde eu estava com a cabeça quando fiz isso? — Disse após fechar a porta de sua casa e logo gritou de raiva.

Sabia que havia perdido a cabeça, porém não lembrava como e nem quando isso aconteceu consigo.



  [...]


Segunda feira, dia da prova de Chae Won.

A única coisa que ela pensava era sobre o quão tinha sido louca ao se deixar levar por uma festinha de universitários desocupados.

Pegou sua mochila rosa bebê e se despediu de Cherry, sua cachorrinha da raça Cavalier King Charles Spaniel.

Cherry, uma cachorrinha baixinha, com o pelo mais lindo e bem cuidado que alguém poderia conhecer.

Estava ao lado de sua dona desde muito nova. Quando Chae Won fez 10 anos, seus pais reconheceram a responsabilidade da filha e como a mesma precisava de uma companhia por conta de sua relação difícil com o irmão.

A companheira já estava envelhecendo, mas continuava como era quando filhote, uma cachorra esperta, energética, curiosa e carinhosa. Com um olhar angelical e acolhedor, sempre consolou Chae Won em seus piores momentos. A dona não poderia imaginar vivendo sem sua fiel companheira.

A Park seguiu até a entrada da casa, checando sua casa antes de trancar a porta e ir até seu carro, um lindo Bugatti Chiron branco que ganhou de seu vô ao ser admitida na faculdade.

Dirigindo o carro até o prédio da sua universidade, colocou a cabeça para fora da janela. Amava sentir o vento enquanto dirigia.

Tudo parecia certo demais, até ouvir uma buzina alta que até a assustou.

— O que você pensa que tá fazendo, filha da puta? — Disse um motorista para um carro que estava para bater no seu.

— Lava esse pau seboso antes de falar sobre a minha mãe!

Chae Won olhou rápido para o carro e arregalou os olhos ao ver a cabeça de Hyejoo no banco do motorista, xingando o moço que parecia no seu limite.

O senhor rabugento ignorou as palavras da universitária e arrancou com seu carro para longe.

— Tentei fazer ele deixar você passar primeiro, mas acho que não deu muito certo... — A mais nova disse e abriu um sorriso pequeno.

Chae Won apenas olhou para os lados perdida e continuou dirigindo como antes fazia, deixando a Son para trás.

— Ei, Chae Won, volta aqui! Eu preciso falar com você! — gritou de seu carro, tentando acompanhar a velocidade do carro da Park, que acelerava cada vez mais.

Quem olhava a cena nunca adivinharia que eram duas universitárias e não duas crianças brigando.

Por sorte de uma e azar da outra, a mais velha conseguiu ser mais rápida e chegar na faculdade primeiro.

— Oi, Chae... — Soojin tentou cumprimentar a amiga, mas não deu tempo, pois seu braço foi agarrado com rapidez.

Chae Won correu rápido até a sala de aula segurando a amiga, até pareciam duas crianças enquanto a mais velha corria e a outra tentava acompanhar seus passos.

Lee Soojin era a melhor amiga da Park desde que tinham 3 anos de idade.

Soojin também nasceu em uma família rica, o que facilitou a amizade delas. Ambas famílias queria manter status, então andavam apenas com pessoas que eram similares em questão de classe social.

Soojin fazia o mesmo curso que Chae Won e as duas ficaram muito felizes foram admitidas.

A foto delas juntas na entrada do prédio do curso era a foto de parede no celular de ambas.

— Você poderia me explicar o que foi aquilo? — A amiga disse, tentando recuperar o fôlego por correr tanto.

— Eu fiquei muito encrencada! — Exclamou em resposta.

 As melhores amigas se sentaram em uma classe e a menor contou sobre o que havia acontecido ontem, tirando uma risada interminável da Lee.

  [...]  

— Tem certeza que não quer uma carona? — A menor perguntou a Soojin.

— Hoje o motorista vem me buscar, eu vou passar para pegar a Hyewon e a Jiheon na escola. — Respondeu e se despediu da amiga.

Hyewon, ou Zoa como gostava de ser chamada, era a irmã mais nova de Soojin.

A pequena tinha apenas 14 anos e era muito doce, sempre mostrando para todos o seu interesse em ser uma futura cantora de k-pop, que nem sua melhor amiga de infância, Jiheon.

 [...]     

— Hyejoo? — Jihan chamou sua atenção.

A verdade era que Hyejoo estava muito área e seus amigos já estavam suspeitando que tinha algo de errado.

— Hã? — respondeu confusa.

— Hoje você está área, aconteceu algo? — Chaeyoung perguntou e os outros concordaram com ela.

       — Eu preciso falar com alguém, mas essa pessoa tá fugindo de mim desde hoje de manhã... — Respondeu sem ânimo.

Chaeyoung, Jihyo, Hyejoo, Junkyu e Wooseok eram o clássico grupo de amigos populares.

Era incrível que mesmo com tantas pessoas nesse grupinho, eles ainda se dessem bem sem exclusão.

Cada um tinha uma personalidade totalmente oposta que diferenciava todos.

Lee Chaeyoung do curso de Economia, era muito hiperativa, mas muito medrosa e sempre pensava nas consequências de tudo.

Fruto de uma traição, o pai não quis lhe assumir, então sua mãe a deixou em um orfanato ainda bebê porque não teria condições de suprir suas necessidades.

Com 3 anos foi adotada por duas mulheres incríveis que foram as melhores mães que alguém poderia ter.

Han Jihyo do curso de Engenharia, ou como preferia, Jihan, uma menina muito doce e prestativa. Pensava mais nos outros do que em si mesma.

Vinha de uma família religiosa, então acabou por seguir os conceitos de sua família e se batizou em uma igreja cristã. Não frequentava nenhuma igreja por não aguentar o ódio descarado que todas tinham por pessoas que não seguiam os seus padrões.

Kim Wooseok do curso de Arquitetura era a pessoa mais estressada que alguém poderia conhecer, sempre mostrando rebeldia e egoísmo quando se tratava de magoar alguém para manter a si mesmo.

Todos poderiam dizer que ele tinha a clássica síndrome de Regina George.

Na verdade, o que muitos não sabiam era que ele também era uma pessoa muito doce e que amava sua família. Cuidou e sustentou seus 3 irmãos mais novos sozinho a vida toda porque o seu pai tinha problemas com álcool e sua mãe fugiu de casa quando Wooseok ainda era pequeno, deixando todos os seus filhos para trás.

Kim Junkyu do curso de Medicina Veterinária era paquerador e manipulador, ficava com quase todas as garotas — e garotos as vezes — da universidade.

Ficava com todos para conseguir certos benefícios, como comida grátis no restaurante do pai da Mina, notas altas na prova da senhorita Dawon, entre outras coisas.

Veio de uma família pobre que dependeu do dinheiro que Junkyu ganhava sendo modelo infantil por muito tempo.

Ele acabou aprendendo com o tempo como se conseguia as coisas manipulando alguém.

Hyejoo até precisou piscar duas vezes e se perguntar se estava sóbria quando avistou a garota que procurava desde manhã.

Ficou curiosa quando viu outra pessoa ao lado de Chae Won, mas logo deduziu ser uma amiga dela.

Wooseok seguiu o olhar de Hyejoo e apontou para os outros amigos, tentando mostrar que descobriu quem a amiga estava procurando tanto.

— Quem é a menina do lado da Chae Won? Ela é bem bonita até. - Perguntou Junkyu.

— O nome dela é Soojin, nós temos algumas aulas juntas. - Chaeyoung respondeu. — É, ela é muito bonita, mas nem pense em fazer algo com ela, a garota é muito inocente e você não vai estragar isso.

— Só porque gosto de ficar com algumas pessoas, não quer dizer que não possa querer pegar ela. Eu só fiz um elogio — Rebateu, se sentindo ofendido.

— Nem vem Minho, todo mundo sabe como é! — Jihyo se meteu no meio.

— Desculpa gente, mas eu preciso ir! — Hyejoo saiu do transe ao ver que Soojin já havia ido embora.

Correu até Chae Won e passou o braço pelos seus ombros.

— Oi gatinha, por que fugiu de mim o dia inteiro? — Perguntou enquanto Chae Won tentava tirar os braços pesados de seus ombros

— Não enche Hyejoo, eu preciso ir para casa estudar já que você não me deixou fazer isso ontem.

— Pois eu preciso da sua ajuda.

— Eu não vou te ajudar em merda nenhuma, você sabe muito bem que me ferrou hoje, tive sorte saber sobre a matéria.

— Você conhece o Seungwoo, certo? — Hyejoo questionou e Chae Won se segurou para não xingar a menina.

— Ele é meu primo emprestado, o que tem ele? — É, mas ainda dava trégua para as palavras da maior.

— Preciso que me ajude a conquistar ele! Faz tempo que eu o vejo pela faculdade e ele faz meu tipo, mas eu nunca consigo chamar atenção desse gatinho. — A Park jurou sentir um refluxo com as palavras da mais nova.

— Eu não vou te ajudar a conquistar o meu primo!

— Que pena, então eu acho que o jornal da universidade vai adorar receber essas fotos...

A mais nova tirou seu celular do bolso e mostrou uma foto um tanto quando comprometedora.

Era uma foto da festa de ontem, onde Chae Won estava brincando de verdade ou desafio e virando um copo de vodka inteiro em sua boca.

Não era possível que isso teria acontecido, a Park não se lembrava disso.

Chae Won não sabia jogar verdade ou desafio.


Notas Finais


eu não gostei muito desse capítulo, mas eu juro que os outros tão bem melhores, tá?

vcs viram que existem personagens que são menores de idade na vida real, então não esperem putaria

valeu, fui


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...