História Cómo Me Ves - Capítulo 30


Escrita por: e Giovanna_Melo

Postado
Categorias Sou Luna
Visualizações 18
Palavras 1.017
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura ❤

Capítulo meu e da Gi!

Capítulo 30 - "Pode me prender"


Dia da festa

Pov. -A

Vejo Eva arrastar Âmbar para fora da festa e percebo que é a hora de agir, Me esquivo entre as pessoas e entro em um quartinho escondido, abri a primeira gaveta da mesa e pego a arma que nós deixamos ali por precaução. Pego o celular e início uma chamada.

- Preciso que pegue a Eva.

- Mas Por que eu?

- Você acha que eu aguento com a garota, ela é pesada.

- Tá bem, o que eu faço depois?

- Leva ela pro porão, tenho planos para ela.

- Okay

Ando de volta para a festa tentando passar despercebida enquanto caminho até o porão. Entro no mesmo soltando um espirro, maldita poeira. Pego uma cadeira e é uma corda me sento na cadeira e espero que cheguem com Eva.

- Qual o problema desses riquinhos? - Esbraveja - Eles são segos? Não são capazes nem de ver que estou carregando uma vadia desacordada nos braços.

- Isso é melhor pra gente! Assim eles nem desconfiam de nós. Coloque ela aí.

Amarro seu corpo na cadeira e busco um copo de água jogando em seu rosto. A mesma começa a tossir.

- Olá Evazinha - Digo com sarcasmo e aponto a arma para sua cabeça.

- Eu gostava de você até - Ela suspira e sinto meu Coração doer, trato logo de afastar esse sentimento - Eu sei que vai sentir minha falta - Seus olhos marejam - Só saiba que você nunca vai conseguir conviver com a culpa. Então me mate de uma vez e acaba com essa tortura. - Ela soluçava, minha mão cedeu por um momento mas logo voltei a firmala.

- Por que você tinha qur dar com a língua nós dentes?

- Depois que terminar o que tem que fazer comigo voce vai entender, é sufocante, dor de mais para uma pessoa aguentar.

Posiciono a arma e a destravo, Eva suspira.

- Adeus, foi bom te conhecer! - Ela sorriu melancólica

Eva respirou fundo e fechou os olhos, puchei o gatilho e logo o som surdo do tiro pode ser ouvido, a cabeça dela caiu, depositei um último beijo em seus cabelos vermelhos como forma de despedida. Ela foi uma grande amiga.

Meu peito doía e meus pulmões pareciam não funcionar, eu estava sufocando de culpa.

- Coloque ela na caixa preciso sair.

Peguei o telefone fazendo outra ligação.

- Já terminei com a Eva, agora é sua vez. Pegue a Luna e jogue na caixa. Eu tenho que sair. Preciso resolver algumas coisas.

- Mas...

- Tchau

Desligo a ligação e saio correndo esbarrando em todos, Sinto a agua molhar minha pele ao passar pela porta dos fundos e continuo a correr até cair de joelhos na grama molhada. Grito o mais alto que posso e sinto meus pulmões arderem, me deito na grama olhando para o céu negro sem nenhum Estrela e deixo as lágrimas virem.

        Tempo atual

       POV Autora

  -Entao ....é isso?-Ramiro quebra o silêncio que que estava no ar.

Os amigo se encontravam na delegacia enquanto os pais conversavam com o o Delegado.

-Acho que sim-Gaston murmurou

-Agora que Eva tá morta...não tem mais -A?-Ramiro questionou os amigos.

-Eu ainda acho   que isso não  acabou-Matteo comentou abraçando Luna de lado.

-Eva me disse....ela não era a única ali.Tinha mais gente-Luna afirmou.

-E lá vamos nós de novo-Ambar bufou.

O delegado voltou com os pais de todos.Mas algo ali não estava certo.

Os pais de Luna e Âmbar  estavam cabisbaixos.

-Senhorita Luna,está detidida -o Delegado soltou a bomba.

Imediatamente os amigos se levantaram assustados.

-Como assim?-ele se alarmou.

-Alem de ser suspeita de ter matado Eva...está sendo acusada de outro homicídio-Ele explicou vendo a cada de assustada da Valente.

-Minha irmã é inocente delegado-Ambar tentou defender a irmã.

-Surgiu uma denuncia da parte da Senhora Lúcia Medeiros.

Luna rolo os olhos .

-Eu não conheço ninguém com esse nome,do que essa doida tá me acusando?

-De ter atropelado o marido dela a um ano,de ter negado socorro , fugiu  deixando um pai de família pra morrer,a senhora matou  Robert Medeiros .

  

Luna sentiu como se tivesse sido atingida por um soco no estômago,as mãos começaram a tremer,ela não piscava, apenas olhou para o delegado desesperada.

Eles descobriram.

 

Ela pensou.

Matteo não compreendendo o que se passava tocou o ombro da namorada.

-Voce está bem?-ele perguntou baixo tocando os cabelos dela.

Luna fechou os olhos e deixou lágrimas caírem.

  Imediatamente ela juntou os braços e estendeu para o delegado pegando todos se surpresa.

-Pode me prender.

-Luna!o que está fazendo?você é inocente-Simon questionou assustado com a atitude da amiga.

-Me perdoem-ela disse antes do legado algema-la.

Ela virou uma última vez e viu a mãe de Ambar que considerava como mãe chorando inconformada,seu pai tinha  decepcao, era isso que ele tinha ba cara .

Seus amigos a olhavam confusos e surpresos,Âmbar tinha um olhar triste enquanto chorava agarrada em Simon,e por último ela olhou para Matteo.

Ele parecia uma estátua,paralisado,vendo sua namorada sendo presa por dois assassinatos..

O delegado não esperou mais nada,a puxou e a saiu levando.

Ela não tinha escapatoria,tinha 18 anos a poucos meses.Ja era de maior.

Ela faria de tudo para provar sua inocência,não tinha matado Eva.

Mas por outro lado ela tinha matado um pai de família por conta de sua irresponsabilidade.

  Então ela lembrou de como tudo aconteceu.Cada momento,como se fosse um filme passando em sua cabeça.

   Flash back on

   Luna Valente tinha acabado de sair de uma festa ,tinha bebido um pouco estava animada,animada até demais.

  Ela pegou o carro sozinha,já que Âmbar tinha desaparecido.Ela ligou o carro e saiu em alta velocidade.

  Ligou o rádio em uma música eletrônica.

    Estava com pressa,queria chegar em casa logo,pisou mais fundo no acelerador.

  Ela não sabe como,mas um homem surgiu no meio da pista,ela bem que tentou pisar no freio...mas já era tarde.

     O carro acertou o homem em cheio .

Desligou a música.

Tirou o cinto,parou de respirar por um breve momento,ela tinha atropelado um homem.

Ela  simplesmente não se mexia  .

Ela pensou em ver se ele estava bem.

Mas não foi,ela foi covarde.

  Ficou com medo de alguém a ver ali.Imagina o que diriam dela se descobrissem isso.Ela respirou fundo colocou o cinto e saiu daquele lugar de ré.

Lá viu pelo retrovisor o corpo estirado do homem no chão.

Mas não ligou.

   Luna Valente agiu como uma vadia sem coração naquela noite


Notas Finais


Espero que tenham gostado!
Comentem e favoritem...
Muitas revelações estão por vir


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...