1. Spirit Fanfics >
  2. Como na primeira vez - versão de teste >
  3. O show

História Como na primeira vez - versão de teste - Capítulo 3



Capítulo 3 - O show


Tudo havia se escurecido. Apenas um pequeno clarão avermelhado era visto ao fim do corredor. As paredes estavam destorcidas e inclinadas e os quadros estavam completamente negros. Fred tentara correr, mas não saiu do lugar. Sentiu uma presença vindo por trás, mas não podia se virar. Quando essa coisa iria tocá-lo, todas as luzes se acenderam, revelando um corredor multicolorido. Os quadros adotaram vida e começaram a se movimentar constantemente, formando desenhos psicodélicos com suas cores fluorescentes. A presença que Fred sentira havia sumido por completo. Agora ele estava sozinho, de frente para uma porta branca, sem maçaneta, sem nada. Estava entreaberta e uma luzinha vermelha saía pelo vão. O garoto a empurrou, abrindo-a com extrema facilidade. A luz era cegante, e um barulho agudo vinha de dentro do cômodo. Fred caminhou em direção à salinha enquanto a luz ia se esvaindo, revelando um pequeno quarto de criança, com bichos de pelúcia no chão e várias formas geométricas na parede. O pequeno berço parecia intocado, com almofadas fofas e um pequeno urso negro posicionado de lado, recostado na grade. O bichinho estava empoeirado e cheirava a mofo. Tudo parecia ter sido deixado daquele jeito à muito tempo, talvez anos. O barulho agudo ficara mais alto com a medida em que Fred se aproximava. Vinha do fundo do quartinho amarelo. O garoto andou lentamente até o local de onde o som vinha, e se separou com um pequeno dispositivo esbranquiçado. Parecia com um rádio. O barulho estava chiado, mas era possível ouvir, claramente, o choro de um bebê. Ele sentiu a presença se aproximando novamente e, dessa vez, conseguiu virar-se para trás.


Fred pulara em desespero, acordando do sono profundo. Estava sentado torto na cadeira que, por sorte, era confortável o suficiente para não deixá-lo com dores terríveis. A luz do sol batia em seu rosto, já eram oito da manhã. "Nunca" pensou "nunca mais vou ficar acordado por tanto tempo assim". Tudo que mais desejava naquele momento era uma enorme xícara de café preto. Ainda estava muito cansado e sua cabeça latejava levemente. Fred se espreguiçou, ainda na cadeira, e observou os cadernos por cima da mesa. Tinha feito muitas e muitas anotações, e sabia que toda aquela quantidade não seria necessária. Ele se levantou e desceu as escadas, a fim de buscar seu tão amado café. Não tinha ninguém na cozinha, provavelmente seus tios estavam trabalhando naquele exato momento. Preparou o café bem depressa e subiu para o quarto novamente. A luz do sol estava cada vez mais forte na janela de Fred, e iluminava todo o quarto. O clima estava extremamente agradável.


Fred Sentou-se na cama, se lembrava vagamente de seu sonho estranho. Não havia entendido absolutamente nada. Deu uma golada no café "Preciso me arrumar logo.. vou chegar atrasado."


Ele só se importava em chegar cedo o suficiente para não perder a prova. De resto, não dava a mínima. Estava cansado e preocupado.


"Se eu ver o Tristan novamente... Não sou capaz de fazer nada, foda-se".


Tomou um banho e vestiu suas roupas casuais. Pegou o casaco que estivera pendurado atrás da porta e saiu de casa. Ed nunca chegava atrasado, portanto já estaria na escola.


Se ganhasse um dólar por cada pessoa que o encarasse na entrada da escola, estaria milionário. Não havia uma única pessoa sequer que não olhasse para Fred, que estava assustado com tantos olhares para cima de si. Nunca tinha sido tão observado assim. Alguns cochichavam, outros riam baixinho. Fred foi o mais rápido que pôde até dentro do colégio, onde procurou por Tristan em cada canto, até encontrá-lo em uma sala vazia.


_O que você fez? _ Fred disse, tremendo de raiva.


_ Nada _ O maior respondeu em tom de deboche. _ Só acabei soltando umas coisinhas por aí...


_O que... Você... Que merda você falou?


_Ei, ei, ei, cachorrinho! _ Levantou as mãos à altura do rosto e balançou _ Calminho aí. Você não pode falar assim comigo _ Tristan sorriu arrogantemente para Fred, que estava com mais raiva ainda. _ Eu só quero te dar um gostinho... Uma ideia do que pode acontecer caso você me desobedeça. Eu espalhei pra escola inteira que o Fredinho se veste como uma garotinha... Aliás, eu também tenho uma dessas fotos, caso precise. _ Fred ficou em choque _ Mas pode se acalmar. Eu não mostrei pra ninguém. Mas caso você faça algo errado...


_Por que você está fazendo isso? _ Evitava, com sucesso, as lágrimas. E se segurava para não bater no garoto à sua frente. O punho cerrado tremia violentamente.


_Por diversão _ Tristan riu _ Gosto de ver menininhas como você aterrorizadas.


_ Como... Você conseguiu as fotos? _ Fred, que havia virado o rosto para esconder as lágrimas que começaram a escorrer, mal pôde perceber que Tristan ficara desconcertado com a pergunta.


_ Eu tenho... Contatos. _ Disfarçou.


_ Contatos... _ "Você nem sabe ler" pensou _ Certo... E como eu... Me livro dessa?


_Eu já disse antes. Favores.


Fred havia entrado na sala de aula, onde o professor já estava presente, distribuindo as provas. Se desculpou pelo atraso e se sentou ao fundo. A prova não estava difícil, muito pelo contrário, Fred tinha certeza que passara. Todo o esforço da noite anterior não teria sido em vão.


Saiu da sala assim que entregou seu teste para o professor. Foi apressado para fora, e acabou se esbarrando com Ed, que entraria naquela mesma sala para sua aula.


_ Foi mal. Não te vi aí _ Fred se desculpou


_ Tudo bem. Você se atrasou hoje. O que houve?


_ Dormi muito tarde. Virei a noite estudando, mas consegui fazer a prova, pelo menos.


_ Não faça isso de novo. _ Ed dissera _ Agora preciso ir pra aula. Te vejo na saída.


_ Até mais...




O gato azulado desfilava pelo telhado enquanto observava atentamente as pessoas que por ali passavam. Dava voltas e depois voltava para o mesmo local. Sempre observando. Sempre atento. Seus olhos brilhavam e os pelos se arrepiavam conforme as pessoas iam se aproximando.


O vento frio soprava as folhas das árvores, que pareciam dançar entre si, num ritmo único e harmônico. Jeffrey, sentado em sua escrivaninha, apreciava a calmaria que estava ao lado de fora. Tudo parecia mais tranquilo agora. Estava preenchendo formulários para possíveis faculdades. Queria entrar o mais rápido possível, já que finalizara todo o ensino superior. Mas já estava cansado, e resolveu se estirar na janela do quarto. Não pôde deixar de notar o gato se esgueirando pelo parapeito, observando-o atentamente, como se visse algo através de seus olhos. Amon se aproximou mais, ficando de frente para Jeff. Ambos ficaram se encarando por longos segundos, até que o garoto resolveu acariciar o animal, que recebeu o carinho com gosto, ronronando e zanzando em torno das mãos do mesmo. O gato pulou pela janela, entrando no quarto. Sentou-se na cama de Jeff, que o acompanhou.


_ Me surpreende você ainda estar... Inteiro, depois de tantos anos. Parece que não envelheceu nada. Como vai a vida, amiguinho? _ Jeff riu de si mesmo e tornou a fazer carinho no gato _ Como se você fosse responder.


"Não é uma coisa tão impossível assim" Jeff ouviu. Pensou ter imaginado a voz, mas não se parecia nem um pouco com a de sua cabeça. O gato desceu rapidamente da cama e saiu do quarto, desaparecendo pelo jardim logo em seguida.


_ Eu tô ficando maluco.


A escola estava mais agitada do que o normal. Os adolescentes tagarelavam sem limites, e os professores estavam alegres. Logo as férias chegariam e todos teriam um merecido descanso. Fred era constantemente perseguido pelos 'amigos' de Tristan, que só o obedeciam por medo. A cada canto que ia, um capanga ia atrás. Mas, por sorte, Catherine era ameaçadora o suficiente para o salvar.


_ Deem o fora daqui _ Apareceu, repentinamente, na frente de Kenneth e Agnes, que incomodavam Fred intensamente _ Não ouviram? _ A garota baixinha puxou o amigo, que estava se fazendo de difícil, e foram os dois embora _ Tá tudo bem?


_ Tá. Tá sim... Obrigado por se livrar deles pra mim. Como você consegue?


_ Eu não faço ideia. A gurizada só tem medo de mim _ "pra caralho", Fred pensou. _ Mas, eaí? O pessoal está planejando sair no início das férias, um tipo de festinha, ou alguma outra coisa. A gente queria saber se você tá afim de ir..


_ Seria uma boa. Não ando saindo muito. _ Respondeu, animado.


_ E, dessa vez, pro seu bem, não vai ter nem um pingo de álcool.


_ Ah, que pena_ ironizou _ Mas eu tenho certeza que vai ser bem daora.


_É, espero que sim. Agora eu tenho que ir. Tchau!


_Tchau!


A aula acabara rapidamente e Fred fora correndo para casa o mais depressa possível, junto de Ed, que tentava acompanhar seu ritmo.


_Será que você pode ir mais devagar? _ Disse Ed, ofegante. _Por que tá com tanta pressa?


_Nada não. _ Fred continuava na mesma velocidade, mas Ed conseguiu se apressar e o fez parar.


_Você tá bem diferente esses dias. O que tá acontecendo?


_Não é nada, eu já disse. _ O garoto olhara para o chão.


Ed revirara os olhos e continuou falando:


_Você sabe que pode me contar as coisas, né?


_Eu sei.. é só que... Ele voltou. _ seus olhos se encontraram por alguns segundos. _ E a ficha ainda não caiu. As coisas estão estranhas agora.


_Já se passaram seus anos. Não se pode esperar que as coisas continuem iguais. Você.. ainda gosta dele?


_Esse é o problema. Eu não faço idéia. Quer dizer... Existe a possibilidade. _ Os garotos voltaram a andar, dessa vez mais devagar.


_Mas isso ainda não explica a pressa pra chegar em casa...


_Ah, Ed, eu tenho tantas coisas pra contar. Podemos falar disso em casa? É um assunto meio... Estranho pra se falar no meio da rua


_Tá certo, só não vai me enrolar, hein! _ Ed colocou o braço em torno do pescoço do primo e continuaram andando.


Naomi e Giovanna estavam em casa, jogando videogame na sala de televisão. Alguma espécie de jogo de luta que Fred desconhecia, mas que as duas sempre jogavam juntas.


_Oi mãe! _ Ed dissera ao chegar na sala.


_Ah, oi Ed. Oi Fred. _ Fred acenou e sorriu para a tia, enquanto Giovanna nem se mexia. _Como foi na escola hoje?


_Foi bem. A prova não estava tão difícil. _ Fred apenas concordou com um "é". O garoto estava em sua fase monossilábica, o que incomodava profundamente o tio que, por sorte, não estava em casa. _Nós vamos subir agora. Descemos daqui a pouco, tá?


_Tá bom.


_Como você consegue fazer isso? _ Já estavam no andar de cima, quando Fred disse.


_Fazer o que?


_ Por que eu disse que iria te contar? Como você fez isso? Bruxaria?


_Tambem fiquei surpreso por você ceder tão facilmente._ Ed riu. _ Vamos no meu quarto.


_Certo. _ Ambos foram em direção ao quarto de Ed, que ficava ao fim do corredor. _Eu não sei como falar isso. É loucura. Quanto mais eu penso, mais idiota eu me sinto. _Fred sentou-se na cama do primo, enquanto o mesmo fechava a porta do quarto. _Antes de tudo, eu quero que você prometa manter tudo isso só entre nós.


_Eu prometo.


_De dedinho?


_De dedinho. _ Ed puxou sua cadeira e Sentou-se de frente para o primo. Fred contara cada mínimo detalhe que se lembrava do dia da festa. Contara tudo, menos sobre Tristan. E Ed ouvia atenciosamente.


_Nem fodendo... _Foi a primeira coisa que Ed disse_ não creio. _ Fred apenas colocou as mãos sob o rosto e começou a rir. Achava super engraçada a reação do primo. _Olha, eu tô realmente surpreso. Nunca imaginei uma coisa dessas vinda de você, nem mesmo bêbado.


_Nem eu... Mas agora as coisas ficaram um pouco estranhas entre a gente... Eu e Jeff, eu digo. Não sei o que fazer! Ah! _ Ele se jogou na cama, de costas, fazendo drama.


_Então... Pelo que eu tô vendo _ Fred esgueirou-se para ver Ed melhor _ você ainda gosta dele...


_Eu não acredito...


_É um pouco óbvio, Fred. Nem precisa tentar argumentar.


_Eu sou péssimo nisso. _ Fred disse.


_No que?


_Em gostar de alguém…






_É tão exaustivo... _ Jeff dissera à irmã, que o ajudava a preencher as últimas inscrições. _ Eu sei que é legal entrar pra faculdade, e tals... Mas ainda assim cansa. Imagina do quando eu estiver lá? Vai ser pior.


_Pelo menos você não teve que passar pelo ensino médio. É... Como posso dizer? Ah, sim. O inferno. _Sarah disse, tentando ajudar o irmão.


_Espero me dar bem...


_Você vai. Confio no seu potencial. Qual sua preferência de faculdade?


_Univetsidade da Columbia. Ou então a de Toronto. _ Respondeu, esperançoso.


_Quanto mais perto, melhor. Não quero mais ficar longe de você.


_Nem eu.




Fred estava terminando sua lição de física, quando alguém abriu, brutalmente, a porta de seu quarto.


_Eu preciso de você! _ Ed disse, entrando no quarto. _Eu preciso, tipo, muito. Muito mesmo.


_Seu cavalo! _ Fred levou um susto, e disse coma mão no peito. _ O que foi dessa vez?


_É o show. A Cate não vai poder cantar, e só faltam dois dias. O baixo. Você sabe tocar baixo. E você canta! Por favor... É só isso que eu te peço...


_Calma, calma! Não precisa falar tão rápido_ Fred tentara acalmá-lo. _Você quer que eu cante no show?


_É. É isso_ Ed parecia muito preocupado.


_Tudo bem. Vou ver o que posso fazer. _ Antes que Fred pudesse continuar, Ed o abraçou.


_Já te disse que é meu primo preferido?


_Um milhão de vezes... Ai.._ Após se soltar do abraço, Ed dissera:


_Preciso te passar a lista de músicas.


_Musicas? Pensei que fosse só uma. _ Fred estava surpreso.


_São cinco.


_Nem ferrando... Não sei se sou capaz de decorar isso tudo em dois dias...


_Você deve conhecer pelo menos duas. Mas é tempo o suficiente.


_Mas... Por que a Cate não vai poder cantar? _ Fred girou a cadeira para ficar de frente ao primo, que se sentou na beira da cama.


_Ah, ela tá gripada. Não vai conseguir cantar. Disse que está com dor de garganta.


_Tadinha. Espero que melhore logo.


_Também. Mas, voltando ao assunto, acho que o único problema com as músicas vai ser aprender a tocar no baixo. Fora isso, tá tudo bem. Bateria, guitarra, baixo, teclado e vocal... Ok, tá tudo bem..


_Certo. Me passa as músicas, eu vou treinar. Só para de pensar nisso por enquanto. Você vai ficar maluco. _Fred dizia.


_Tá. Eu vou. Eu... Eu vou te mandar as músicas e.. Já tô indo. _ O garoto se levantou e foi em direção a porta, já ia sair quando disse _. Obrigado. Você salvou minha vida. ,_ E saiu.


Fred ficara observando o loiro sair do quarto, enquanto voltava sua cadeira ao lugar onde estava antes. Poucos minutos depois, Fred recebera uma mensagem do primo. Era a lista de músicas. O mesmo passara para un pequeño papel e começou a pesquisar. Já conheciam três das cinco músicas, o que facilitaria muito.


O garoto passara a tarde inteira treinando, já estava aperfeiçoando. Nunca imaginou que aprenderia duas músicas tão rapidamente.


_Vai ser moleza. _ Pensou em voz alta.


Os días se passaram depressa. Fred treinara todos os dias, por aproximadamente quatro horas, em média.


_Tá preparado? _ Ed perguntava, enquanto os outros terminavam de se arrumar.


_Eu tô. E você? Tá menos nervoso?


_Não. Eu sei que não é nosso primeiro show mas, Ainda assim, é assustador. Você não acha? Quer dizer... É o SEU primeiro show.


_Tem razão. Eu é que deveria estar nervoso, né? Mas vai dar tudo certo, pode confiar. _ Fred deu um soquinho no ombro do rapaz, que sorriu em resposta. _ Temos um minuto. Todos prontos? _ Se dirigiu para Jhon e Eve, que acentiram.


O locutor os chamou, anunciando que era para eles irem para o palco. Os quatro garotos, animas, se dirigiram para o local, onde cada um se posicionou em seu devido lugar e prepararam os instrumentos. As luzes foram apagadas e os holofotes acesos. A música finalmente teria início. Começaram a tocar e ,Fred, a cantar segundos depois.


"Happiness, hit her like a train on a track


Coming towards her, stuck still no turning back


She hid around corners and she hid under beds


She killed it with kisses and from it she fled


With every bubble she sank with a drink


And washed it away down the kitchen sink [...]"


A música transbordava por cada canto naquele imenso salão. As pessoas dançavam e cantavam juntos. Estava tudo perfeito, talvez melhor que o imaginado. Ed e os outros ficaram impressionados com a voz de Fred, que não parecia nem um pouco desconfortável, apesar de ser sua primeira vez cantando em público. Eve e Ed trocaram um olhar de aprovação, seguidos por Jhon, que estava cada vez mais animado. As pessoas não paravam de dançar, e Fred estava feliz por isso. Sua primeira vez em um palco estava sendo espetacular. Uma sensação incrível que jamais sentira antes. O entusiasmo da banda só aumentavam na medida em que iam tocando as músicas. Fred e Ed dividiam o vocal. As vezes Eve e Jhonatan também cantavam, mas como backing vocals. Minutos depois terminaram de tocar, estavam exaustos, mas felizes.


_Fred, você foi incrível! _ Eve dizia, satisfeita, já atrás do palco. _ Nunca imaginei que você cantaria tão bem assim.


_Obrigado _ Respondeu, sem jeito _ Vocês foram ótimos. _ Antes que pudesse acrescentar algo, ouviram uma batida na porta e Jhonatan fora atender.


_Oi Greg! _ Ele disse. O garoto alto e loiro o cumprimentou e logo foi em direção aos demais.


_Cara, vocês foram incríveis! _Ele sorria.


_Ah, que bom que você gostou! Não sabia que viria. _ Ed disse.


_Arranjei uma horinha e consegui vir. Jamais perderia o show de vocês. Aliás, notei que a Cate não veio.


_Ela ficou doente, não pôde cantar. _ Eve acrescentou _ Mas o Fred aqui salvou nossa pele _ Disse, apontando para o garoto, que estava um pouco tímido. _Acho que vocês não se conhecem né?


_Ainda não _ o garoto loiro disse.


_Fred, esse é o Greg. Um amigo nosso que nos ajuda muito com os shows.


_É um prazer..


Os cinco jovens ficaram conversando por um bom tempo, até que um funcionário chegou na sala, dizendo que o local fecharia em breve.


_Melhor irmos.. _ Ed disse.


_Certo_ os demais concordaram._ Vamos marcar um dia para sairmos _ Eve dissera para Greg _ Aposto que os meninos vão adorar!


_Claro, vamos marcar..


_Até mais, Greg! _ Jhon se despediu, e os jovens se retiraram da sala, por exceção de Fred, que fora impedido por Greg.


_Então você é primo do Eddy... Foi bom te conhecer.


_Ah, o prazer foi meu. Talvez possamos nos ver de novo, como a Eve disse.


_É, sim. Espero que seja logo. Ah, já sei. Me empresta seu celular. _ Greg dissera, sorridente.


_Tá bom. _ Fred entregou o aparelho para o mesmo, que parecia digitar algo.


_Toma. É meu número. Me ligue quando puder. Agora vou te liberar.


_Obrigado_ Disse, um pouco vermelho_ Até mais!


_Tchau!



Notas Finais


Espero que tenham gostado!

Escrito por: Fefe


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...