História Como (NÃO) Amar Min Yoongi? - Capítulo 3


Escrita por: e luagguk

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Cnamy, Comedia Romantica, Hopega, J-hope, Jikook, Jung Hoseok, Kookmin, Min Yoongi, Namjin, Ódio No Amor, Sope, Suga, Yoonseok
Visualizações 83
Palavras 2.178
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oioioi pessoas lindaas szsz
Como estão?!

Aqui quem vos fala é a luna, trouxe mais um capítulo dessa fic delicinha aqui ^^

Encontro vocês nas notas finais <3

Capítulo 3 - 3. Não o provoque


[...]


Bem, não é como se eu fosse um gênio que olha para alguém e já sabe tudo sobre aquela pessoa. Na verdade, isso é o que eu costumo chamar de opinião. E sim, eu tenho uma opinião muito bem formada do branquelo sem noção que é Min Yoongi.

Sem noção porque é ridículo se achar o “fodão” apenas por ser o mais popular. Tudo bem que quando se é popular automaticamente você se torna o fodão. Mas, poxa, ninguém olha pro coração, não? E a boa índole, onde fica?


Lá na baixa da égua.


Prepotente, sínico, convencido, apático, frio e tem um sorriso muito bonito, não posso negar.

O sorriso compensa pelo menos um quarto da falta de educação. Ou talvez seja apenas implicância minha com ele pelas vezes que já me fez passar raiva sem nem mesmo falar comigo.


Pois é, nem mesmo a distância é suficiente quando se é odiado pelo universo.


Se vacilar, Yoongi é só um rostinho bonito com um belo sorriso e que tem o ego inflado a cada elogio que recebe de meninas atiradas.


Senti a mão pesada de  Namjoon colidir com minha nuca. Agora você imagine, uma pessoa que tem o dom de destruir tudo com apenas um dedo te dar um tapa.


— Se a intenção não era quebrar o meu pescoço, tenho más notícias. — murmurei após praticamente gritar um “ai”, chamando a atenção de todos para mim.


A bichinha escandalosa aqui nem sempre consegue conter os gritos. Desculpa, sociedade!


Mas é incrível a capacidade que tenho de fazer o que não quero sem querer. Saca?!

A última coisa que eu queria ali era chamar a atenção do grupinho sem futuro para mim. E olha só o que eu fiz!


Dei um sorriso forçado e, tentando parecer indiferente quanto à situação, apenas arrastei o idiota ao meu lado até um lugar qualquer para nos sentarmos, com a certeza de que me arrependeria por estar pulando a parte de escolher nossos lugares.


Qual é, a escolha dos lugares é uma questão importante e crucial, que deve ser feita com total calma e atenção. 

Uma relação entre não ficar muito atrás e nem muito na frente, longe dos sem futuro, perto dos inteligentes e fora da visão do professor – eu e o Park ainda precisamos passar de ano e Namjoon é um filho da pu... não, a senhora Kim também é legal. Enfim, ele vem com um papo furado de “se eu passar cola vocês nunca irão aprender de verdade. Vão estudar.”, e ainda tem a audácia de nos chamar de vagabundos, acreditam?!

Que tipo de amigo ele é?

Tudo bem que o que ele diz é verdade, mas ele é um egoísta de qualquer forma.

Por quê? Porque eu quero, oras.


Sentamos – eu sentei nós dois – em qualquer lugar mesmo, não sem antes devolver na mesma intensidade o olhar que Yoongi me lançava.

Podia estar cometendo um erro ao encará-lo? Claro que sim. Mas esse branquelo tem uma mania de me encarar apenas para me provocar!


Alerta, amigos, caso você se encontre em uma situação como essa, feche os olhos, porque o cara não é um basilisco, mas consegue ter um olhar mortal.


— Aí, qual é, venham aqui. — a voz de Jimin me pareceu ainda mais irritante que o normal.

Olhei para o lado a fim de buscar uma salvação em Namjoon, mas dei de cara com uma expressão nada legal vinda do loiro.


E eu sinceramente não sei em que lixão consegui esses amigos.


- Venham aqui! - Park chamou de novo, ainda mais insistente. Tive certeza que o baixinho conteve a palavra de afeto – vulgo algum insulto ou xingamento – a nós dois.


Revirei os olhos e levantei em um suspiro. Meti um belo de um sorriso falso na cara e me virei, indo em direção a eles. Claro que só decidi ir porque eu já fui o último a ficar sabendo do tal namoro. Eu também não precisava ser – talvez já fosse – o último a conhecer o menino biscoito. Namjoon veio logo atrás de mim.


Por que eu sentia que era o único incomodado com a situação? Qual é, estamos falando do grupinho do Min!


— Esses são meus amigos. São meio idiotas às vezes, mas o… é, não tem nada que compense. — cerrei os olhos encarando Jimin, tentando ignorar as risadas dos outros.


Ah, mas se eu pego esse anão eu piso nele com tanto gosto quanto quando se pisa em merda!

Será possível? Passa alguns minutos com o grupinho do mal e já fica afrontoso desse jeito?


O moreno ao lado dele ria com aqueles dentes grandes que ele tinha. Não era feio não. Na verdade era muito gato, se Park Jimin me permite dizer. Tinha uma cara de criança, nem parecia que havia maldade ali. Mas já ouviram aquele ditado “as aparências enganam”? Pois é... e podem enganar muito bem. Vejam pelo menino Jimin: quando você olha pra essa criança, nunca imagina as coisas demoníacas que ele é capaz de fazer!


O sem noção que chamo de amigo tinha a mão entrelaçada com a do moreno. Seria fofo, se não fosse meloso demais para meu amargo coração.

Afinal, é impossível não ter um coração amargurado quando você sente, todos os dias, a angústia de ter cometido um erro tão grande – e que agora me parece irreversível – na hora de escolher as amizades.


— Hoseok e Namjoon. — apontou para nós. Eu mantinha a classe, claro, e o sorriso forçado que não saía de meus lábios nem se eu quisesse. — Esse é o Jungkook! — se pronunciou olhando para o namorado e sorrindo igual a um bobalhão.

E ainda tinha coragem de nos chamar de idiotas.


— Prazer... — Namjoon sorriu e Jungkook apenas sorriu de volta.


E ali, mal conheci e já não fui com a cara. Onde já se viu, quando falam “prazer em conhecer” você é obrigado a responder, mesmo que automaticamente, um belo “o prazer foi meu”, e não sorrir como se fosse engraçado!


— Os outros vocês já conhecem, né?


— Infelizmente... — pronunciei entredentes, ainda sorrindo, ao desviar o olhar para Yoongi. 

Acontece que todos conheciam “os outros”. Os populares... como não conhecer.


Na realidade eu gostaria de nunca tê-los visto na vida. Mas eu já mencionei que o universo me odeia?


O sorriso sínico que brincava nos lábios de Yoongi me fez querer arrancá-lo de lá com uma tesoura de jardinagem. 

Exagero? Talvez...


— Quer dizer que os perdidos querem se juntar a nós?


— Mas nem ferrando! — apressei-me em responder a pergunta debochada do “líder” do grupinho.


Surpreendi-me ao receber um olhar repreensivo do Jimin e uma cotovelada — que a propósito doeu muito — do Namjoon.


Mas o que se passa na mente desses dois cabeças de vento?


— Ignora ele, esse daí tem uns probleminhas, não fala coisa com coisa. — o sorrisinho forçado que Jimin deu após fazer um gesto com o indicador ao falar que tenho problemas me fez precisar conter a vontade de esganá-lo ali mesmo.


A propósito, por que não o fiz ainda?

Ah, claro. Não vou sujar minhas mãozinhas de veludo com isso. Além do mais, matar animais é crime! 


Voltando, mas nem ferrando que eu ia entrar para aquele grupo. Não mesmo! Inclusive, esqueci de apresentá-los.

Sabe, eles nem mereciam ser citados aqui. Mas vocês precisam entender porque eu me recuso a participar dessa sacanagem que é o grupo deles, então vamos lá:


Min Yoongi — devo começar pelo pior deles? Acho que sim. Não, não, melhor deixar para o final.


Kim Seokjin — um rostinho angelical, belo sorriso, os cabelos loiros sedosos. O  cara é um poço de amor, nem sei o que está fazendo lá. Bom, pelo menos isso é o que todos pensam. Repito: “as aparências enganam”, meus queridos. Abram os olhos porque o poço de amor pode ser o vale dos infernos. Certeza que é tudo uma farsa. Jin tem a confiança de praticamente todos os professores e é um dos queridinhos do diretor. Notas boas, pais milionários... etc.


Yoongi deve usá-lo para conseguir seus títulos de popularidade com a direção da escola, como ser capitão do time, por exemplo.


Jeon Jungkook — melhor amigo do branquelo, um rostinho de bebê, olhos grandes – não só os olhos, a cara toda! –, alto e malhado. Digo, o cara estava de uniforme e eu tava vendo os músculos do braço dele! Uniforme, cara! Mas o que falar desse ser que mal conheço e já desconsidero pacas?! Ok, não é para tanto. Talvez ele apenas seja sincero e, ao invés de mentir falando que foi um prazer nos conhecer, apenas preferiu não comentar e evitar “ferir nossos sentimentos”. O guri é dentuço, narigudo e bochechudo. Mas parece que tudo isso só o deixa extremamente fofo! Qual é, eu tenho uma pequena desproporcionalidade no nariz e já me chamam de ladrão de oxigênio! Certo, talvez em algum momento eu queira guardá-lo em um potinho.


— Não sei se eles se encaixam.. — a voz dele também era bonita, mas o que disse estragou a amizade. — Parecem muito...  avoados. — referiu-se a mim e a Namjoon.

Abri a boca com a audácia dessa criança, e se antes queria guardá-lo em um potinho agora só quero quebrar o potinho na cabeça dele!


Aliás, que carambas é avoado?


— E vocês são os incríveis, né?! — debochei. — Os incríveis idiotas.


— Cuidado com o que diz... — Jin alertou com um sorriso ladino.


Ah, quer dizer que eles podem nos insultar e somos obrigados a ficar calados?

Se eu rodo a minha baiana aqui ninguém me segura!


— Ou o quê?

Eu sinceramente não sei de que buraco tirei coragem pra falar aquilo. Mas com certeza foi satanás querendo ver a minha desgraça que fez aquilo sair da minha boca.


— Hobi... — a voz de Jimin pedindo para que eu parasse não adiantou muito quando o pálido deu um passo em minha direção, ficando na minha frente.


E eu lhes apresento:

Min Yoongi — o cara é um defunto. Pele branca – até demais —, um rostinho fofo, sorriso doce, cabelos castanhos. Baixinho, poucos centímetros maior que o Jimin. Não só o líder do grupinho do mal, mas também se acha o rei da porra toda — talvez até seja, com todo esse “swag”. Mas ele não chega muito longe com essa arrogância que tem. Consegue ser tudo de ruim e tudo de bom ao mesmo tempo... para os outros, claro, porque para mim, se o cara tem algo de bom é no intestino. Falando do intestino delgado, claro. 

Pode ter o mais penetrante olhar.

E, nesse momento, eu vos alerto — novamente: Não o olhe nos olhos.


Yoongi me encarava a poucos centímetros de distância.

Meu orifício trancou, não tô nem brincando.


— Quer descobrir? — a voz rouca e desafiadora me fez tremer na base.

Apesar da diferença de tamanho – sou mais alto, obrigado – o olhar ameaçador me fez vacilar.


Não sabia se desviava o olhar ou continuava o enfrentando. Mas depois de um tempo percebi que não conseguiria desviar nem se quisesse.


Antes que eu pudesse formular com a minha mente, que consegue ser ainda mais lerda pela manhã, uma resposta digna de “turn down for what”, o sinal tocou e o som estridente me fez dar um pulinho de susto.

A risada divertida do Yoongi me fez odiar-me. Não sou lá a pessoa mais corajosa do mundo, mas se assustar com o som do sino? Até eu fiquei indignado comigo mesmo.


Outros alunos começaram a entrar e sentar.

E, bom, lá se foi a oportunidade de dar uma boa resposta para o branquelo convencido e de escolher um lugar decente para sentar.


O professor entrou e cada um foi para seu lugar. Como imaginei, o Park foi se sentar perto do namorado e precisei ficar ouvindo os resmungos de Namjoon por eu tê-lo arrastado para aquela cadeira.


Surpreendi-me quando, durante a aula, um papel amassado brotou na minha mesa. Olhei para trás dando de cara com Yoongi e o sorriso ladino dele. Revirei os olhos e desamassei o papel, revelando um garrancho o qual precisei me esforçar para ler.

Me senti um analfabeto funcional por ler três vezes não entender bulhufas do que estava escrito. Precisei quase pedir os óculos de um nerd esquisitão que estava sentado na minha frente.


Mas eu já estava até com medo de que aquilo não fosse uma frase, mas sim palavras com significados malígnos. Você sabe do que eu tô falando, né? O lance de filme de terror o qual sempre tem o personagem burro que fala o pacto “sem querer” e liberta o capiroto.


Mas o que eu li ali foi tão assustador quanto. Pelo menos para mim.

Não, não foi nenhum “te pego na saída”. Mas foi quase isso...


“Eu vou te mostrar.”


Não sabia exatamente o que Min Yoongi queria me mostrar. Afinal, eu não respondi se queria descobrir, ué!


Eu apenas respirei fundo comecei a rezar os meus ave marias pra ver se pelo menos Deus me livrava dessa.


E aqui lhes deixo outro ensinamento, meus queridos amigos…


          3. Não o provoque.


Notas Finais


Uouuuu pessoal, o que estão achando da fic?
Como diz minha omma SOLTEM O VERBO!! podem falar, sem medo, eu e a Junkin somos uns amores rs

Ficaremos postando nos finais de semana, ok?! Então, até o próximo amores <3

July, agora é com você!

Se quiserem nos conhecer melhor: @Min_lunna @Effis

Bye ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...