História Como (não) lidar com uma paixão - Capítulo 1


Escrita por:

Visualizações 234
Palavras 3.205
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, LGBT, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


E aí, bebês?

Seguinte, tô bem insegura com essa fic maaaaas decidi fazer mesmo assim porque eu gostei desse plot que veio pra mim por um acaso. Então eu plotei rs.
Essa é a primeira short fic que tô postando e o medo de fazer merda tá gritando. Mas vai dar certo (eu espero).
Perdoem qualquer errinho meu e boa leitura.

Espero que gostem!

Capítulo 1 - Cap. 1 - O aluno novo e ciúmes


    Yoongi é meu melhor amigo há dez anos e, acredite, pretendo mantê-lo por perto por muito mais anos. Não lembro como foi nossa primeira conversa e nem em que momento nós realmente começamos a nos falar. Lembro que ele foi transferido para o mesmo primário que eu na metade do ano letivo, o que eu achei estranho. Ele chegou de outra cidade e veio parar na mesma sala que eu. Mas não pense que foi amizade à primeira vista (nem sei se isso existe, mas tudo bem), eu já tinha meus amiguinhos de classe e por isso nem liguei muito para a presença daquele menino branquelo e magricela. Porém, eu não o ignorava. Olha, eu era uma criança tímida na época então o máximo que eu falava com pessoas novas seria um “oi” e morria aí. Isso se a pessoa não quisesse continuar a conversa. E foi exatamente o que Yoongi não fez depois de um tempo. Como eu já disse, não lembro como foram esses primeiros momentos, minha memória é péssima. No entanto, posso dizer que depois de Yoongi ter resolvido falar mais do que um “oi” comigo ficamos amigos. E aos poucos esses amigos foram se tornando inseparáveis.

    Talvez por sorte, ou pela graça do destino, sempre ficamos na mesma sala de aula no decorrer dos anos. Onde eu ia, ele ia comigo e vice versa. Já passamos por incontáveis grupinhos de amigos e quando esses grupos se separavam, nós continuávamos os juntos. Nós moramos perto um do outro. Às vezes eu sentia que morava mais na casa dele do que na minha própria. Sua mãe me ama e adora quando eu estou lá, acha que eu sou um bom exemplo para o filho. Minha mãe também gosta muito de Yoongi, ela acha que ele é um bom exemplo para mim. Mal imaginam elas as coisas que já aprontamos juntos. Iludidas.

    Que amizade forte, alguns falavam. Mas, como minha mãe fala, nem tudo são flores. É claro que já brigamos, brigamos feio a ponto de passarmos um tempo separados. Motivos bestas causaram isso, mas felizmente conseguimos nos resolver.

    Apesar de gostarmos da mesma maioria das coisas, nós ainda temos alguns aspectos diferentes. Eu sou mais ativo, animado, às vezes elétrico até demais. Diferente de quando eu era menor, gosto de fazer amizade e muitas vezes sou bem comunicativo. Já Yoongi é mais na dele e quieto boa parte de tempo. Mas quem vê aquele garoto sério e com a cara fechada, não pensa no idiota brincalhão que ele pode ser. Vive fazendo brincadeiras e gracinhas. Quando se junta comigo então, imagine as risadas escandalosas.

    Eu, Jung Hoseok, não poderia querer um melhor amigo melhor do que Min Yoongi. Nada vai mudar isso.

    Agora vamos para o outro lado da história. E talvez o motivo de eu estar fazendo esse relato.

 

   Estamos no último ano da escola. Finalmente. Já posso até ouvir o som das trombetas tocando em comemoração ao adeus que eu vou dar a esse inferno e o abrir de portas para um inferno maior que é a faculdade. Voltando ao foco.

    Era mais um dia normal em que meu melhor amigo me acompanhava para o primeiro dia de aula do novo ano letivo. Entramos na nossa sala e eu avisto um ser novo naquele local cheio de rostos conhecidos. Um cara sentado sozinho no fundo. Logo Yoongi também o notou.

    - Olha só, carne nova. - ele disse me cutucando.

    - Credo, falando assim parece até um canibal. - reclamei.

    - Quem garante que eu não sou? - me lançou um sorriso desafiador.

    - Fica longe da minha carne. - me cobri com os braços lhe fazendo uma careta. E começamos a rir.

    - O que acha de dar as boas vindas a ele? - ele me conhecia, eu tinha uma grande mania de ser o primeiro a cumprimentar os alunos novos, aliás, aquele não era o primeiro novato a chegar na nossa turma. E como sempre, o Min ia comigo.

    Fomos nos aproximando do estranho que parecia distraído demais observando um formiga que caminhava sobre sua mesa para perceber que estávamos indo até si. Sentei na cadeira a sua frente e Yoongi sentou no meu colo. Só então ele foi nos notar.

    - Olá, seja bem vindo ao tártaro. Espero que se dê bem aqui. - iniciei a conversa lhe oferecendo um sorriso amigável. Ele estava um pouco tímido mas riu da minha comparação.

    - Qual seu nome? - o garoto em cima de mim foi mais direto.

    - Olá, meu nome é Kim Taehyung. - se curvou levemente.

    - Ow, sem formalidades. Não precisa disso. - Yoongi falou e Taehyung assentiu envergonhado.

    Passou-se alguns segundos em que ficamos somente nos encarando, o que foi estranho. E como sempre, decidi falar a primeira coisa que veio na minha cabeça.

    - Você gosta de Harry Potter?

    A partir dessa simples pergunta, foram surgindo mais outras e risadas junto com  reações animadas foram nos dominando. De repente o professor chegou e a aula começou, porém eu continuei ali com Taehyung enquanto Yoongi foi para o seu lugar na minha frente. Tentamos conversar discretamente durante a aula, o que não deu muito certo pois o professor ficava nos chamando atenção. O Kim se mostrou uma pessoa legal desde essa primeira conversa e me fez querer conhecê-lo mais ainda.

    Os dias foram se passando e fomos avançando para uma amizade feita em pouco tempo. Eu falava mais com ele do que Yoongi. Na minha cabeça, ele apenas estava sendo Yoongi, pois não era como eu que ficava fazendo amizades por aí, e tenho certeza que na cabeça dele eu estava apenas sendo Hoseok.

    Meses passando e eu continuava com Taehyung. E com Yoongi, claro. Apesar de conversar muito com o novato, ele não me falava muitas coisas pessoais. Até que um dia isso mudou, pois eu ficava insistindo de um jeito (pelo menos na minha cabeça) sutil. Afinal eu já o considerava um grande amigo e queria saber mais sobre ele e como estava. Durante o intervalo de um dia qualquer, Taehyung soltou a língua. A princípio, o Kim falou de sua família, depois mais sobre a cidade de onde ele vinha, já que foi transferido por conta do trabalho de seu pai, falou de seus amigos e por fim, falou de si mesmo.

    - Eu sou gay, Hoseok. - me disse baixinho. Talvez ele esperasse uma reação diferente, pois se surpreendeu com o que eu disse em seguida.

    - Nossa, que legal! - lhe disse e voltei a tomar meu suco de caixinha olhando-o atentamente, esperando que ele me falasse mais fatos sobre si.

    Naquele dia, depois dessa conversa, eu fiquei pensando. Lembrei de Yoongi. Ele é o tipo de pessoa que chama atenção sem precisar pedir por isso. Ou seja, ele conseguia o que queria(na maioria da vezes, não vamos generalizar) simplesmente por possuir aquele rostinho bonito e personalidade quase única. Uma vez lhe perguntei sobre suas preferências. Foi apenas mais uma vez em que Yoongi me surpreendeu.

    - Se estiver por aí e o interesse bater, eu tô pegando. - me respondeu bem direto, como sempre.

    Eu pensei em mim mesmo. Nunca cheguei a ter uma certeza, uma base concreta. Ok, eu já havia dado uns beijinhos de vez em quando, meninas, meninos. Nada muito sério e nada demais. Posso contar três pessoas e meia nisso. Três e meia pois uma não deu muito certo. Prefiro não lembrar disso.

    No entanto, esse beijinhos só rolaram por causa do meu melhor amigo que sempre me arrasta para as festas que ele frequenta junto com amigos que eu não curto muito. Não que eles tenham rolado sem a minha vontade, mas se dependesse totalmente de mim, essa boquinha aqui ainda estaria intacta. Apesar do meu comportamento, muitas vezes, hiperativo, eu ainda prefiro uma tranquila noite de videogame na casa de Yoongi do que uma barulhenta noite de festa na casa de alguém que eu não conheço.

    No final de tudo, preferia pensar que eu era como Yoongi só que com menos fogo.

   Voltando a Taehyung, lembrei também do que ele havia me dito sobre nunca ter falado daquele segredinho para nenhum de seus amigos, que eu havia sido o primeiro. Me senti honrado, realmente tocado. Me arrisco a dizer emocionado. Era um sentimento de que eu era importante e por algum motivo ele tinha confiado em mim para compartilhar algo íntimo seu. A lágrima chega a escorrer só de lembrar.

    Taehyung confiava em mim de verdade. E após aquela conversa, parecia que nós havíamos nos aproximado mais ainda. Eu estava feliz com aquilo. Mas nem todos estavam.

   Talvez, só talvez, eu acabei deixando o Min um pouco de lado. Eu estava empolgado com a nova companhia e às vezes me esquecia do outro. Porém eu não percebia. Somente em um dia em que o Kim faltou a aula sabe-se lá o porquê, que eu fui saber.

    Assim que vi Yoongi no começo da aula, pulei em seu pescoço, quase nos derrubando por conta do outro ser mais baixo que eu.

    - Ora, ora. Olha só quem se lembrou de mim. - falou carregado de sarcasmo, mas não me afastou de si. Eu que o fiz.

    - Como assim? - perguntei confuso.

    - Ah, esqueci que você é tão lerdo assim que não percebe que me abandonou.

    - Ei, eu não te abandonei. Por que eu faria isso?

    - Talvez porque achou um amiguinho melhor do que eu. Aliás, onde está ele? - falou procurando alguém atrás de mim.

    -  Ele quem? - eu ainda estava confuso e ele se estapeou na testa.

    - Misericórdia, eu não sabia que o seu nível de lerdeza tinha aumentado assim. - continuei encarando-o esperando uma resposta. - Taehyung! Onde está ele?

    - Ah, ele faltou.

    - Oh, por isso veio falar comigo. Entendi. - foi caminhando até se sentar em sua carteira. Eu lhe segui.

    - Mas eu não. - ele riu. - Por que está com raiva? - ele riu mais.

    - Que merda, você não sabe nem brincar. - deu um chute fraco em minha canela. - Não estou com raiva, só estava fingindo. Porém, você é tão lesado que não serve para brincar.

    - Ah, é? Procura outro amigo então. - cruzei os braços virando o rosto.

    Pude ouvir sua risada e sentir ele me puxando para um abraço estranho, já que ele estava sentado e eu em pé na sua frente. Correspondi o abraço.

    - Agora me explica por que estava fingindo raiva. - falei.

    - Você está passando muito tempo com Taehyung e me esquecendo, droga. - disse e eu o afastei para lhe olhar o rosto.

    - Ah, era isso? - ele assentiu. - Desculpa, hyung, eu não me toquei disso. - me senti constrangido de ter feito aquilo de verdade.

    - Hum, não vai ter problema se não fizer isso de novo. - falou sério. Essa era a maneira de Yoongi de demonstrar que está magoado comigo. Mas no fundo eu sempre sei que ele me perdoa.

    - Nossa, tá parecendo meu pai falando.

    - Tô falando sério.

    - Sim, senhor. - ri e fui me sentar também. - Então é por isso que você finge não gostar dele? - ele parou um pouco antes de me responder e deu de ombros.

    - Eu não estou fingindo isso.

    - O que quer dizer? - às vezes até eu mesmo me assusto com a minha lentidão.

    - Eu não gosto dele. - foi claro.

    Inacreditável.

    - Como assim?! Você se deu bem com ele nos primeiros dias. Vocês até se falam bastante de vez em quando.

    - Mas isso não quer dizer que eu gosto dele. Eu aturo, é diferente. - Min Yoongi merece o prêmio de cobra do ano. Não conhecia esse seu lado falso.

    - Ah, mas isso vai mudar.

    - O que pretende fazer, hein? - me desafiou.

    - Vocês dois se tornarem amigos, sem falsidade. - enfatizei bastante o “sem”. - Você mais do que ninguém devia saber que eu odeio essas coisas.

    - Tá, foi mal. Queria que eu fizesse o quê? Fiz isso porque ele é seu amigo.

    - E futuramente, seu também. - conclui observando-o rolar os olhos. - Qual é, você vai descobrir que esse seu desgosto por ele é somente ciúmes dessa pessoa maravilhosa que sou eu. - me olhou de lado. - Eu nunca te trocaria por ninguém, hyung. - ele sorriu.

    - Claro, o que seria de você sem a minha presença exuberante alegrando e colorindo sua vida? - falou passando uma das mãos pelos cabelos pretos.

    - Exagerado. - o sinal tocando iniciando o horário de aulas nos fez interromper nossa conversa.

    Eu estava decidido a fazer aquilo. Tornar meus dois amigos, amigos também. E foi o que eu comecei a pôr em prática no dia seguinte.

    Nunca pensei que seria tão fácil cumprir minha missão. Antes da aula começar, saí puxando Yoongi até onde Taehyung estava. O joguei para sentar na cadeira em frente ao outro e me sentei na mesa mais próxima. Taehyung nos cumprimentou com um dos seus belos sorrisos retangulares. Fofo. A cobra Min também sorriu como se estivesse super feliz de estar ali - algo que eu sabia que ele não estava.

    - Bom dia, meus queridos amigos. - falei com entusiasmo.

    - Como alguém consegue ficar tão alegre e animado a essa hora da manhã? - retrucou Yoongi.

    - Não, é? Só você mesmo, hyung. - concordou o outro rindo.

    - Ah, que ótimo os dois se juntaram contra mim. Muito bom. - bati uma palma meio alta. - Então, fiquem aí. Eu tenho que buscar uma coisa na coordenação. Volto já. - o mais velho me lançou um olhar de desespero e eu o ameacei silenciosamente saindo do local.

    Exatamente 15 minutos foi o tempo que eu levei até voltar à sala e quando eu entrei lá, vi que meu plano tinha dado certo. Como eu disse, foi mais fácil do que eu pensei que seria. Encontrei os dois conversando animadamente e gargalhando alto. Fiquei orgulhoso do meu feito. Esse desgosto que Yoongi sentia era apenas frescura e um pouco de ciúmes, eu sabia.

    - Vejo que a conversa está boa, não é? - finalmente param de falar para me notarem do lado deles. - Quero me sentar, aula já vai começar. - apontei para o lugar em que o mais velho estava sentado, lugar esse que eu costumava sempre sentar, na frente de Taehyung.

    - Você pode sentar no meu lugar? Só por hoje. - Yoongi me pediu fazendo uma cara de pidão. Ponderei por um tempo e fiz o que ele queria.

    - Só hoje.

    E esse “só hoje”, foi se repetindo por vários dias.

    Não achei tão ruim, afinal meu plano havia dado certo. No começo.

    O que eu planejei não envolvia o fato de os outros dois me esquecerem quase completamente. Ok, eu posso estar exagerando, porque, enfim, sou eu. Mas meu grande amigo que reclamou tanto de que estava sendo trocado por outro alguém, estava fazendo o mesmo comigo!

    Entretanto, eu procuro não me incomodar. Qual é, eu sou alguém maduro o suficiente para saber lidar com esse tipo de situação. Pode ser só questão de tempo.

    Ou eu posso me intrometer só pouco. Porque eu mereço atenção também.

    Os dois estavam lá, sentadinhos, um de frente para o outro, como se a conversa que estavam tendo fosse a coisa mais importante do mundo. Traidores.

    Os dois são da sonserina, eu devia saber que se dariam bem. E como sempre, o pobre lufano, vulgo Jung Hoseok, fica como figurante no filme, ou na pior das hipóteses, morre.

    Fui me aproximando furtivamente deles e me sentei em cima da mesa que separava as duas cadeiras que eles ocupavam. Logicamente, isso atraiu seus olhares para mim.

    - Então… - comecei. - O que os dois melhores amigos estão falando? - os dois me fitaram e depois trocaram olhares.

    Pensei na opção de ser sutil, mas isso não combinava comigo. Eu tinha que jogar na lata.

    - Ah, estamos falando de uma festa que vai rolar esse final de semana. - falou Taehyung animado abrindo um dos seus típicos sorrisos.

    - Essa festa vai ser incrível! - o traidor maior concluiu ainda mais animado. Como eu já disse, Yoongi é um cara festeiro. Se deixar, ele vai para uma festa em cada fim de semana. E pelo o que eu já sabia, Taehyung também gostava desse tipo de coisa. Mais um ponto para eles.

    - E vocês vão? - nem sei bem porquê perguntei, eu já sabia a resposta.

    - Vamos! - responderam em uníssono. Ah, que ótimo.

    Eu fiquei calado enquanto eles continuavam o papo sobre a tal festa, parece que vai ser uma rave. Na verdade, eu não sei qual é o conceito de rave. Tenho que lembrar de pesquisar depois.

    Eles estavam tão animados que não notaram a minha não-sutileza. Droga.

     - Por que vocês não me chamam para ir também? - perguntei já impaciente. Novamente, eles trocaram olhares como se eu tivesse dito a coisa mais absurda do mundo.

    - Você quer ir para a festa? - Yoongi estava desacreditado.

    - Jung Hoseok quer ir para uma festa? - Taehyung também se encontrava surpreso.

    - Desde quando você gosta de festas a ponto de querer ir conosco? - aquele hyung está me tirando do sério.

    - Desde de que vocês começaram a me excluir de tudo! - gritei.

    E como se eu estivesse acabado de contar a piada mais engraçada do século, os dois ali explodiram em risadas. Foram tantas que vi o Min enxugando os cantos dos olhos. Afinal, qual era a graça?

    - Aigoo, tão fofo. - Taehyung apertou-me as bochechas com ambas as mãos. Senti meu rosto esquentar sem nenhum motivo aparente.

    - O que é fofo? - questionei confuso.

    - Você aí. Com ciúmes. - Yoongi tocou levemente a ponta do meu nariz. - É verdade o que dizem.

    - O quê?

    - O mundo dá voltas. - sorriu vitorioso para mim. Realmente uma cobra venenosa.

    - Não precisa ficar assim, hyung. Eu não vou roubar Yoongi hyung de você. - ele não cansa de dar esses sorrisos quadriculares tão bonitinhos?

    Acho que pela primeira vez em toda minha amizade com o Min, senti ciúmes de verdade. Claro que eu já senti ciúmes bobos de si outras vezes, eu até mesmo fingi para dar uma de dramático, afinal Yoongi tem vários amigos que eu não faço muita questão de conhecer. Mas eu nunca me senti tão ciumento quanto nesse momento.

    Porém, eu não sabia se esse sentimento era realmente por ele.

    Eu não me importava em dividir meu melhor amigo com outras pessoas, na maior parte do tempo. Então, por que eu estou sentindo isso agora?

    O sinal para a aula tocou e, pela primeira vez em duas semanas, Yoongi me deixou voltar ao meu lugar.

    Olhei para o baixinho que sentou-se à minha frente e me virei um pouco para olhar para Taehyung. Ele me olhou de volta e sorriu. Rapidamente me voltei para frente encarando a minha mesa. Senti meu coração acelerar, novamente sem motivo.




 

    O que está acontecendo comigo?


Notas Finais


É isto.
Eu já tenho o próximo capítulo pronto, só faltam alguns ajustes, assim que eu terminar eu posto aqui.
Espero que tenham gostado e que me acompanhem nessa ficzinha <3
Até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...