1. Spirit Fanfics >
  2. Como (Não) Tentar ser Notado - Johnil >
  3. O1. Amigos Desde Infância...?

História Como (Não) Tentar ser Notado - Johnil - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Sumida voltouu, desculpem pela demora com a atualização da fanfic, a vida mesmo em quarentena tá difícil viu... 😅

Aqui vos trago a atualização da fanfic de antigo nome Notice Me com tudo novo, chique né?

Eu ampliei a história, mostrando agora o passado de nossos queridos protagonistas, bora ver? 💛

Capítulo 1 - O1. Amigos Desde Infância...?


Fanfic / Fanfiction Como (Não) Tentar ser Notado - Johnil - Capítulo 1 - O1. Amigos Desde Infância...?


• Amigos Desde Infância...? •

─ Parte O1 de O2

────────────•


Encarava as crianças que brincavam no playground e pelo gramado da escola com um semblante inquieto, gostaria de parar de ser tímido pelo menos uma vez na vida.

Ei, você dos cabelos acastanhados sentado no banco! o coreano olhou na direção de quem o chamava, era uma criança de cabelos loiros com um grande sorriso juntamente com mais algumas companhias. vem brincar com a gente!

Nunca se sentiu tão animado em sua vida, ajeitou seu cachecol de listras vermelhas e correu até o local onde crianças brincavam com areia, porém devido à   um súbito empurrão antes de pular pela rampa que separava a areia do gramado fora diretamente ao chão, ralando os joelhos.

Como você é trouxa, Taeil, acha mesmo que a gente vai querer brincar com um esquisitão como você? Se manca. sorriu ironicamente para si, enquanto ouvia os risos das crianças.

Esquisitão! Esquisitão! Esquisitão! as vozes que rondavam em sua cabeça o insultando, queria pará-las mas era impossível com aquela roda de crianças que o sufocava e os machucados em seus joelhos que o incomodavam.

"Faz parar, faz parar por favor!" implorava enquanto fechava os olhos com força e tentava tampar seus ouvidos, esperando alguém aparecer e o salvar.

Yuta corta essa, para de ser um babaca com qualquer um que quer! um silêncio pairou por alguns segundos. Ei, você está bem? sentiu cutucadas em seu braço, fazendo-o olhar para a figura e destampar os ouvidos voltando ao som tranquilo das crianças rindo.

Uma figura de cabelos escuros e lábios chamativos o encarava preocupado, finalmente um herói veio o socorrer.


[...]


Você ‘tava é doido? O Nakamoto não é boa companhia, trata de tomar cuidado com quem quer fazer amizades! o garoto bebericava uma caixinha de suco de laranja enquanto encarava os esparadrapos em ambos seus joelhos, com certa curiosidade do porquê o garoto tê-lo ajudado.

John Seo, o garoto mais bonito do sexto ano em sua sala o defendeu, cuidou de seus machucados, o deu suquinho e estava logo à sua frente o dando sermões. Existia rolê mais aleatório que esse?

Ei! ‘tá me ouvindo? despertou de seus pensamentos encarando o garoto, dava calafrios só de olhar para o mesmo com seu semblante sério de sempre. Taeil assentiu com a cabeça, não satisfazendo o Seo. não sabe falar, garoto?

É c-claro que eu sei falar... sua mão que segurava a caixinha tremia de medo, iria levar outra surra, afinal?

Poderia me dizer seu nome de uma vez então?

Taeil, Moon Taeil. pela primeira vez não gaguejou na frente de alguém.

Moon... gostei, vou te chamar de Lua, até podemos ser amigos se quiser. sorriu para si, o fazendo ficar vermelho. o que há? ‘Tô te envergonhando?

Não! N-não é nada. sorriu inocentemente. Por surpresa até para si, o  americano chegou até perto de si para ver seu cachecol, sorrindo logo em seguida.

Você fica fofo com esse cachecol, nunca deixe de o usar. encarava o belo sorriso do garoto, mas o clima entre ambos foi cortado pelo alto sinal que soou por todo o jardim da escola, acarretando a correria das crianças para dentro. vem Lua, não vou te deixar sozinho mais.

Por algum motivo, aquele garoto mexia consigo. Não poderia ser amor, sua mãe ensinara a si que era errado um garoto amar a outro mais do que uma amizade. O Moon desejava que aquelas batidas tão rápidas em seu coração fossem apenas frescura de uma nova amizade à caminho.


[...]


Os anos se passaram rapidamente e a amizade de ambos foi se desenvolvendo junto com o secreto amor que Taeil sentia pelo garoto, que ficava mais encantador e chamativo em toda a escola a cada ano. Mas aí é que estava um probleminha...

Johnny, Johnny será que dá ‘pra me ouvir? ‘Tô tentando te falar da tarefa de matemática faz mais de cinco minutos!   cutucava insistentemente o americano que conversava com alguns garotos populares da escola.

Depois de tamanha insistência, o Seo olhou para si com irritação, o fazendo perder o posto de raiva rapidamente.

Muito obrigado Taeil, não fez mais que a sua obrigação de meu melhor amigo. pegou as folhas de tarefa da mão do garoto dando uma piscadela. até depois da aula!

Deu um sorriso sacana e correu até chegar nos garotos que caminhavam até a quadra. Taeil os encarava com decepção.

O que não faço por amor, não é, Johnny? suspirou, colocando as mãos nos bolsos de sua blusa vermelha e chutando o ar, pensativo e andando até o jardim da escola vendo a presença de alguns alunos que conversavam.

Os playgrounds continuavam magicamente intactos, tudo continuava igual no mesmo dia que Johnny falou pela primeiravez consigo.

Sentia saudades da total atenção do Seo sobre si antes do nono ano, era tudo tão incrível e mágico e despencou rapidamente.

Desde aquele dia, o garoto de cabelos escuros sempre o acompanhou, o protegendo dos garotos bobos de sua escola que insistiam em caçoar de si.

Moon Taeil! Seu imbecil onde tu tava, garoto? Fiquei revirando a escola ‘pra te achar. sentiu um enorme peso em suas costas, levando um susto de seu amigo Winwin.

Sicheng, já te disse que minhas costas não são brinquedo ‘pra você querer quebrar toda hora, criatura! esticou as mesmas, gemendo de dor.

Desculpa é que você não sabe o babado, venha cá, homem. puxou o amigo até o banco mais próximo, olhando em volta para checar a segurança do local. sabe o Chittaphon? O garoto bonitão do segundo ano que já tentou falar ‘pro Seo que gosta dele mas você o empurrou na fonte na outra festa de fim de an-

Sim eu sei, ele deve me odiar mas pelo menos ele desistiu de falar o que sente depois do mico que passou na frente de todo mundo. riu das custas do tailandês na fatídica noite, parando subitamente com o semblante sério do chinês. fala logo.

Então, ele vai tentar de novo contar o que sente mas dessa vez afastado de onde vai ter a festa, o que tu faz agora, amado? o mesmo encômodo em seu coração voltou como no ano passado.

Iria novamente ter uma chance de perder Johnny para outro alguém? Teria que pensar em um plano rapidamente além de jogar o tailandês na fonte ou talvez até em um aquário cheio de enguias elétricas.

Simples, meu amigo Sicheng.


[...]


Só admitir o que sente por ele antes do Chittaphon, Taeil? É sério isso? Quer que eu coloque uma cerejeira perto de vocês dois ‘pra dar uma romantizada, caralho? já na sala de aula, o acastanhado irritava o Moon com tal ideia absurda.

Dá ‘pra se acalmar, por favor? Tem uma ideia melhor do que a sua de colocar seu maldito número de celular no dinheiro ‘pro Yuta? ‘Tá a fim de receber nude de outro velho?

Não precisa me lembrar~ choramingou enquanto bagunçava seus fios de cabelo, só queria conquistar o durão aluno do segundo ano que trabalhava na cafeteria perto da escola todas as noites.

Calma meu Sicheng, provável que ele contribua com a festa do sábado, vai que dessa vez dá certo e ele não dá seu número ‘pra um velho qual- calma Winko não chora pelo amor de Deus!

Depois de alguns minutos de aula, o garoto de cabelos escuros nem reparou na quantidade de vezes que mordia o topo de sua caneta enquanto encarava o relógio posto acima do quadro negro onde o professor escrevia números e letras incompreensíveis.

Nada entrava em sua cabeça depois da novidade que Winwin o contara, Johnny o preocupava desde já.

Além de não ter mais os mimos do mais velho, ser maltratado diariamente e ter que fazer suas tarefas, outro alguém queria assumir seu futuro posto. Tudo o que vem conquistando para conseguir o amor do americano iria água a baixo.

— Pensando no seu grande triunfo com fontes, Taeil? perguntou, arrastando sua mesa e cadeira para mais perto do amigo.

— Dá ‘pra parar de graça? Só quero me concentrar em matemática.

— Estranho, porque ‘tô te vendo desenhar o Johnny desde o começo da aula nesse teu caderno que já deve estar uma baderna de desenhos dele.

— Por que você tem esse costume idiota de ficar vendo as minhas coisas, Sicheng?   o fuzilou com o olhar, que deu de ombros.

— Me desculpa mas tenho que saber tudo o que se passa com meu fiel best e até mesmo como vai o seu material todo desenhado com o Seo gostosão. envergonhado, bateu no ombro do amigo que tentava se defender enquanto ria.

— Senhor Moon Taeil, algum problema aí com o senhor Sicheng? — todos os olhares inclusive de Johnny foram direcionados para si, o deixando em um pânico interno.

— N-não é nada, professor, me desculpe por atrapalhar. — encarou seu caderno, constrangido. Iria dar umas boas palmadas no chinês mais tarde.


[...]


— Não sei não, Winko, eu ‘tô é começando a achar que o Chittaphon deve ficar com o Johnny de uma vez, eles com certeza farão um par ideal. — saboreava um pedaço de chocolate enquanto encarava o teto de seu quarto com uma grande preocupação nas costas.

— Cala a boca, Taeil! Para de graça que você consegue sim, afinal, você conhece o Johnny muito bem da conta. — jogou o chinelo do Moon na direção do mesmo, que se defendeu rapidamente.

— Ei, você tem razão. — sorriu abobadamente. — aquele garoto nem deve ter ideia que o Johnny é especialista em dança e piano, sonha em ser veterinário, em visitar a Itália e... — parou ao ver o acastanhado esboçando um olhar de surpresa sobre si — que foi?

— Taeil, você não percebeu o quanto sabe sobre ele? O Ten mal tem chance contra você, isso comprova que você pode e deve ficar com o Seo. — apontou a caneta na direção do amigo com um semblante encorajador.

— Sei não, sou estabanado demais, não sei cozinhar, não sei tocar nenhum instrumento e ele já disse várias vezes que nunca levaria nada a sério, que sempre seríamos "melhores amigos". — fez gestos de aspas.

— Mas você sabe cantar muito bem e disso sei graças ao natal passado, poderia até fazer uma serenata na frente da casa dele junto com alguns mexicanos, seria tão fofo. — o coreano riu.

— Não seja imbecil. Aliás, o que faz aí que demora tanto ‘pra terminar? — com curiosidade, levantou indo até sua escrivaninha e observando a carta em mãos do amigo que mais parecia um versículo da bíblia.

— Acha que o Yutinha vai gostar? Tenho certeza que isso vai convencê-lo.

— Sonha garoto! — revirou os olhos, indo até o seu banheiro e deixando um Sicheng indignado.

No dia seguinte, o garoto mal conseguia enxergar direito o que fazia. O Dong havia inventado de sair para comprar roupas para si e ao Moon pois segundo ele "Deve-se ficar muito elegante em um encontro com a pessoa amada".

Depois de muitas visitas em lojas — e as muitas vezes que Winwin tivera que acordar o garoto que dormia nos sofás das lojas — resolveram tomar um café antes de voltar para casa e se arrumarem para o dia de amanhã.

— O café daqui me deixa tão maravilhado, obrigado por pagar por tudo, Taeil.

— Não acho que seja só o café que te agrade, Winko. — o chinês encarava o loiro que limpava a bancada do caixa em completa atenção, suspirando com um sorriso. — amanhã vai ser o dia, meu amigo.

— Sei. — deu uma pequena risada antes de bebericar mais um pouco de café de sua xícara.

Tennie, Johnny hyung! É bom ver vocês dois aqui novamente, pelos livros em mãos voltaram da escola. — o garoto, mesmo longe do caixa e de costas para o mesmo, ouviu o diálogo.

A dupla que menos esperava ver no dia e juntos estavam na mesma cafeteria que os amigos.

— Winnie! E... Taeil, olá ‘pra vocês dois. Tudo bem se eu e o Johnny hyung nos sentarmos com vocês? — Taeil lançou um olhar de pânico para o amigo que tinha a mesma expressão.

— Ah, claro que podem, se sintam a vontade. — deram espaço para ambos se sentaram, ficando Ten ao lado de Winwin e Johnny o de Taeil. O coreano fuzilou com o olhar o loiro, que fez um semblante de "fazer o quê".

O clima não andava nada bem, Sicheng encarava provocadamente o japonês do caixa que ignorava seus olhares, o de cabelos acizentados estava concentrado em seu celular e os (não tão) amigos permaneciam em um silêncio ameaçador.

— E então... Taeil. — o tailandês desligou o celular em mãos e olhou animadamente para o Moon. — ‘tá com ânimo ‘pra me jogar na fonte da escola de novo?

E como, ele queria enfiar aquela carinha fofa na água da fonte até ele apagar com direito a platéia vulgo Johnny.


[...]


Por pouco, Taeil não explodiria graças ao tailandês e seu humor irritante. Claro que levou na brincadeira e a animação seguiu alguns minutos depois até Johnny dizer que precisava ir e Ten também.

Enquanto Johnny, Taeil e Chittaphon saíam da cafeteria depois de pagar, Sicheng caminhou animadamente até o caixa e colocando os braços no balcão, impedindo o japonês de continuar arrumação e o fazendo respirar fundo antes de o olhar com calma fingida.

— O que foi agora, Sicheng? ‘Tá afim de levar outro fora ‘pra tua coleção, é? — a irritação do japonês apenas serviu de combustível para o Dong se apaixonar mais.

— Eu queria é começar uma coleção dos beijos que vou dar em você quando finalmente namorarmos, não vai demorar muito já que me olha toda hora no intervalo. — o loiro revirou os olhos.

— É que me preocupo sobre os garotos que você anda, pois o senhor BongMin se amarrou em você no outro dia. — sorriu vitorioso ao ver o chinês engolir em seco.

As mãos escondidas atrás de si que seguravam a carta tremiam, ela poderia ficar para o dia de amanhã.

— Corta essa Nakamoto, não sou a fim de velhos nojentos, sou totalmente yutassexual. — deu uma piscadela, irritando ao loiro.

— Boa noite senhor Chanseok, gostaria de conhecer melhor o meu amigo Sicheng? — o garoto se virou apavorado para o idoso que acabara de entrar na cafeteria com um sorriso bizarro sobre si.

— Até amanhã, Yuta! — o garoto correu para fora, deixando o homem confuso e o Nakamoto com um grande sorriso satisfeito.

Enquanto esperavam o tailandês usar o banheiro e Winwin paquerar o japonês, Johnny e Taeil encaravam as ruas movimentadas em silêncio.

— Você parou de falar comigo, Taeil. — depois de alguns minutos, o americano se pronunciou. Pela ausência de seu apelido, sugeriu que o Seo estava deveras desapontado.

— Talvez seja por causa dos seus amigos populares imbecis. — encarou o chão enquanto cruzava os braços devido ao frio.

— Agora você culpa as minhas amizades? Não é minha culpa se sem motivo algum várias pessoas vem falando comigo.

— Quer saber? Na verdade é sim! Quem manda você pelo menos não avisar ao seu amigo de longa data que iria abandoná-lo com antecipação? — encarou o Seo, que o fuzilava com um olhar indignado.

— Eu nunca te abandonei Taeil, será que tudo isso é porque tem ciúmes de minhas amizades?

— Eu ‘tô é pouco me fodendo com suas amizades, se vai me abandonar como meus pais fizeram então me abandona de uma vez! — um estalo ecoou, o Moon foi acertado com um tapa certeiro em sua bochecha, o deixando em choque.

— Não ouse meter seus pais em nossos problemas, pare de se vitimizar tanto!

— Se acha que eu me vitimizo tanto, então por que não acha alguém melhor tipo o Chittaphon? — era como se toda a sua preocupação tivesse sido liberada pela sua boca, o deixando com o sentimento de leveza que parecia desaparecer com o tempo.

Encarava seus pés sem fôlego, dava para sentir o semblante pesado do Seo sobre si e se envergonhava em ousar encará-lo novamente depois de desabafar.

Antes que o questionasse sobre suas palavras, Sicheng saiu da cafeteria assustando a dupla e quase cambaleando em direção de Taeil.

— Taeilzinho ‘vamo embora daqui logo ou vou virar janta de velhote! — puxou o coreano pela blusa às pressas.

— Adeus, Johnny. — dizer tais palavras e ver o semblante magoado do americano fez seu coração em pedaços. Correu sendo guiado pelo Dong que não parava em puxá-lo a caminho de sua casa.

Já mal sabia qual rumo tomar, o rumo que seu coração desejava em admitir o que sentia por Johnny ou honrar a sua dignidade e nunca mais encará-lo novamente.



Notas Finais


Treta atrás de treta, vamos ver o que vai acontecer na última parte dessa fanfic cheirosa

O que acharam da atualização na fanfic? Mimos são sempre bem-vindos! 💛😄

Lavem sempre as mãos, levem álcool em gel para onde forem e sempre se mantenham informados sobre como se prevenir do coronavírus, prezo pela saúde de todos vocês! 😍😍

Obrigada por lerem até aqui e até breve! 💛💛


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...