História Como (NÃO) Vigiar o seu namorado - Imagine Jungkook - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Black Pink
Personagens Jennie, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jisoo, Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Lisa, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Rosé
Visualizações 238
Palavras 2.880
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Famí­lia, Festa, Fluffy, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Cheguei. Eu disse que não iria demorar. Não irei falar muito aqui porque eu acabei de acordar e ainda estou meio grogue de sono. Então tenham uma boa leitura e comentem o que acharam do capítulo. Um beijo.

Capítulo 3 - Aliança dos perdedores e uma pequena discussão


Fanfic / Fanfiction Como (NÃO) Vigiar o seu namorado - Imagine Jungkook - Capítulo 3 - Aliança dos perdedores e uma pequena discussão

— Ai, meu Deus! Você não pode estar falando sério! — murmurou Jisoo, enquanto mastigava um pedaço de bolo de amendoim.

Jennie sentiu vontade de ri das migalhas que voavam da boca da amiga. Acompanhá-la a uma confeitaria de doces era sempre uma experiência divertida.

— Nunca falei tão sério em toda a minha vida. Foi incrível! — Jennie sentiu o rosto ruborizar de vergonha só de contar o que aconteceu na noite passada.

— Bem, pelo menos dessa vez você tomou uma atitude e até que enfim violentou o cara.

Jennie deu um tapinha no braço de Jisoo.

— Eu não violentei ninguém!

— Não, mas bem que queria.

— Foi mais como…

— Não minta pra mim, sua piranha! Eu te conheço muito bem. Ele tem aquela coisa de bad boy. Fiquei surpresa por você não ter enroscado as pernas, a boca e tudo mais no corpo dele antes.

— Meu Deus, Jisoo, você fala como se eu fosse uma mulher da vida.

— Mulher da vida? Que termo é esse? — Ela lançou um olhar cético para Jennie.

Então, as duas deram uma risadinha. A de Jennie se transformou em uma gargalhada escancarada, quando viu Jisoo soprar um pedaço de amendoim para fora da boca, fazendo com que voasse para dentro do copo de suco de um homem que estava a apenas alguns centímetros de onde elas se encontravam.

Jisoo fingiu que nada aconteceu e voltou a degustar seu bolo tranquilamente.

— Você não pode contar isso para ninguém. Nós estamos mantendo o nosso relacionamento em segredo — explicou, referindo-se à ______. Ela era a senhorita perfeitinha. Jennie detestava o jeito ingênuo e bonzinho da garota. Aquilo a dava nos nervos de tão irritante que era. Ela sempre perguntava a Jeongguk o que de especial ele havia visto nela.

— O ninguém em especial por acaso se chama ______ e namora o garoto por quem você é apaixonada?

Jennie suspirou. Era difícil para ela falar sobre esse assunto. Felizmente, agora tudo estava resolvido. Ela não precisava mais dividir o Jeon com ninguém.

Até porque, tudo seria da maneira como sempre deveria ser. Só não podia impedir que uma terceira pessoa saísse machucada dessa história.

— Eu não quero mais falar sobre esse assunto — sorriu animada. — Vamos falar do seu relacionamento agora.

Foi a vez de Jisoo ruborizar. Ela mastigou mais um pedaço de bolo antes de contar os melhores momentos que passou ao lado do namorado.

                          ****

______ costumava ser uma pessoa bem realista, apesar de positiva. Mas aquela ideia ficou martelando em sua cabeça por um bom tempo, tanto que ela nem ao menos prestava atenção na pequena discussão que estava acontecendo bem a sua frente.

— Isso é loucura! — Lisa repetiu aquelas palavras pela milésima vez. Ela simplesmente não podia acreditar no plano ridículo de Rose. E desde quando ______ e a princesinha dos Park's eram amigas? Ela tentava entender isso desde o instante em que ______ ligou para o seu celular, pedindo que ela a encontrase na casa da ruiva.

— Uma loucura que pode dar certo — rebateu Rose, dando de ombros para a falta de interesse de Lisa, na realidade, ela não estava nem aí para a opinião dela.

— Ela não é magrinha demais para se passar por um homem? Por mais que alguns garotos sejam magros, um cara da idade de ______ já aparenta ter um pouco de virilidade. Além do mais, ela é baixinha — Bambam resolveu dizer depois de ficar quinze minutos calado, apenas ouvindo a discussão de Lisa e Rose. Ele ainda não sabia como essas duas não haviam partido para a ignorância. Estava na cara que as duas não se gostavam.

— Roupas masculinas costumam ser mais folgadas, isso pode ajudar a disfarçar, além do mais, já vi vários rapazes baixinhos e magrelos por aí — Rose discordou. — ______ tem traços bem femininos, mas ela sempre teve um estilo meio macho. Até cheguei a pensar que era ela o homem da relação e não Jeongguk. — debochou, fazendo com que Bambam e Lisa caíssem na risada. Foi nesse momento que ______ saiu do transe em que estava e no mesmo instante fechou a cara, lançando um olhar zangado em direção a Rose.

Os três continuaram o debate a respeito do plano de Rose, nem mesmo se importavam com a expressão fechada de ______. Era como se ela nem estivesse ali.

— Ela terá que ficar longe de banheiros femininos por um tempo — comentou Lisa.

— Com o tempo ela se acostuma. Agora precisamos dar início ao nosso plano — ao dizer isso ela fez uma careta. — Desculpe. Eu quis dizer o meu plano. — dei enfase no “meu.”

Lisa e Bambam reviraram os olhos. Depois de meia hora calada, ______ finalmente decidiu se pronunciar pela primeira vez.

— Galera, só porque deu certo em um filme para adolescentes, não significa que possa acontecer o mesmo na vida real. Até porquê, nada é tão simples como nos filmes.

Como foi que eu acabei fazendo parte dessa loucura mesmo? Ah, sim. Quando eu decidi deixar o meu orgulho de lado e aceitar a ajuda de Rose. Eu só não esperava que ela viria com a ideia mirabolande de me transformar em um homem. E ainda por cima me convencer a incluir outras pessoas na história. É claro que a primeira pessoa que passou pela minha cabeça foi Lisa, ela é a minha melhor amiga, mas foi uma surpresa descobrir que Bambam era o melhor amigo de Rose. Eu nem sabia que ela tinha amigos. ______ conversava consigo mesma. Presa em seus próprios pensamentos.

— Não, não! Essa é uma ideia brilhante! — exclamou Bambam, fazendo ______ dar um fim aos seus questionamentos internos. — Confesso que no início eu fui contra por achar que esse plano não iria dar certo. Mas agora eu vejo que essa é a melhor solução.

_____ ficou em silêncio, tentando processar as palavras do mascote do time da escola. Nesse momento, a porta do quarto de Rose foi aberta, e no instante seguinte o ambiente foi preenchido por uma voz rouca.

— Ei vocês podiam pelo menos considerarem o fato de me convidarem para a reuniazinha de vocês.

______ ficou paralisada, com as bochechas ficando rosadas enquanto observava o rosto de Park Jimin. Ela temia que o amigo do namorado tivesse ouvido alguma coisa a respeito do assunto que ela e os ouros três estavam discutindo dentro do quarto. Isso seria a sua morte, para não dizer o fim da sua vida social — que já não era muito boa, diga-se de passagem — e ficaria pior se Jimin espalhasse para toda Coldwater High School que ela estava pensando em se disfarçar de homem para poder vigiar o namorado e descobrir se ele estava tendo um caso com outra garota. Ela viraria motivo de piada e sua dignidade seria jogada no fundo do poço da vergonha alheia enquanto as inimigas davam risada da sua cara.

Seria definitivamente o seu fim.

Jimin encarou ______, surpreso. Ele nem ao menos havia notado a garota sentada na cama da irmã. Não sabia que as duas eram tão próximas para que Rose permitisse a entrada de ______ em seu quarto. Ela era extremamente irritante com essa coisa de decidir quem era ou quem não era digno de pisar no seu santuário — o que ao ver do Park, não passava de uma atitude ridícula — para não dizer infantil.

— Oi, ______ — comprimentou ele, sem deixar de fitá-la.

— O que você quer, pigmeu? — perguntou Rose com rispidez e um leve tom de ironia. Ela odiava quando o irmão entrava no seu quarto sem bater.

Os músculos ao redor do queixo de Jimin se tensionaram e suas sobrancelhas ruivas se ergueram um pouco, como se ele estivesse a desafiando a continuar a chamá-lo desse jeito. Rose respondeu somente com um sorriso debochado, e Jimin moldou um sorriso torto e sexy em seus lábios.

Park Jimin era o segundo da lista dos caras mais populares da escola depois de Jeongguk. Possuía cabelos ruivos com uma franja que lhe caía por cima dos olhos castanhos chocolate, era baixo e com ombros largos. Seu dedo indicador era um pouco torto por ter sido quebrado em uma briga, e ficou um pouco desalinhando depois que sarou. Ele não fugia de brigas, mas nunca havia sido suspenso. Com excessão de um ou outro “deslize”, como Taehyung e Jeongguk costumavam falar, ele não era um aluno modelo: suas notas nas provas nunca passavam de “C .” As pessoas sempre se perguntavam como ele ainda conseguia se manter no time de futebol com as péssimas notas.

Lisa sentiu-se corar ao fitar o rosto perfeito do rapaz. Jimin era seu crush quando ela tinha doze anos. Foi uma fase passageira, pois ela percebeu que o Park a enxergava somente como a sua parceira na aula de química, e que isso nunca iria mudar. E, embora ele fosse um cara bastante atraente, Lisa agia normalmente quando estava perto dele porque sabia que não havia a menor chance de ele enxergá-la como qualquer outra coisa além de uma simples colega de classe.

— Sei que pareço causar esse efeito nas mulheres, mas será que você podia tentar não me olhar como se eu fosse um pedaço de carne?

Bom, nem sempre ela conseguia passar despercebida.

Lisa soltou uma gargalhada irônica.

— Vai sonhando, tampinha.

— O que é que vocês estão fazendo, por falar nisso?

______ achou que o interesse de Jimin em querer saber a resposta para essa pergunta era porque ele tinha descoberto o plano de Rose, e isso fez com que ela se desesperasse.

— Não estávamos armando nenhum plano, eu juro! — começou com a sua confissão imediatamente e Bambam e Lisa a fitaram completamente incrédulos. Rose soltou um baixo “idiota”, não acreditando que uma garota que só tirava notas boas na realidade pudesse ser tão burra. — Eu apenas queria ajuda para poder tirar as minhas dúvidas. Você não pode me crucificar por isso. Eu sou humana e sempre cometerei erros. Sou carne fraca! Carne totalmente fraca! Por favor, não conte a ninguém. — implorou com o rosto queimando de vergonha.

Jimin estava com os olhos arregalados, tentando entender o que ______ estava querendo dizer. Ele não havia compreendido nenhuma palavra que havia saído da sua boca.

— O quê? — foi tudo que conseguiu dizer.

O que Jeongguk viu nessa garota?

Ela é completamente louca.

— É que ______ queria saber como um homem se sente ao fazer sexo pela primeira vez. Eu estava prestes a tirar as duvidas dela quando você chegou — foi a única coisa em que Bambam conseguiu pensar. Ele se sentia extremamente sem graça ao falar sobre aquilo com outro homem, mas não tinha outro jeito de tirar ______ da enrascada que ela mesma se meteu.

Um sorriso malicioso nasceu nos lábios de Jimin e ele imediatamente voltou os seus olhos para ______.

— Então quer dizer que o Jeongguk finalmente vai se enturmar — foi tudo que ele disse antes de sair do quarto, rindo que nem um bobo, como se tivesse acabado de receber a melhor notícia do século.

Bambam afundou no colchão ao lado de ______. Ele se sentia aliviado por Jimin ter acreditado em sua mentira.

— Da próxima vez que você pensar em abrir a boca, eu vou fazê-la engolir a merda da minha privada.

______ ficou assutada com a ameaça de Rose. Ela sabia que a garota era capaz de fazer isso e muito mais. Por isto, ela decidiu tomar uma decisão a respeito do plano da ruiva.

— Eu aceito me trasformar em um homem.

Por que eu acho que isso soou tão errado?

Rose e Bambam abriram um sorriso vitorioso. ______ encarou Lisa, esperando que a amiga dissesse alguma coisa. Se ela fosse contra a sua decisão, não havia mais nada que ela pudesse fazer. ______ amava demais a amiga para correr o risco de perder a sua amizade por conta de um plano arriscado.

Lisa suspirou.

— Bom, sejamos honestos: vai dar merda, mas se der muita merda, pelo menos ninguém pode dizer que a gente não tentou — Lisa sorriu, quebrando o silêncio enquanto andava até ______. — Olha esse bando de perdedores aqui, contando com você, claro, e me diz: o que é um peido pra quem já está coberto de bosta, certo? Vamos criar o melhor homem que Coldwater inteira já viu.

Bambam soltou um resmungo de protesto, mas foi totalmente ignorado.

______ sentiu, então, que estava prestes a embarcar em uma loucura, e que o seu carma havia apenas começado. Olhou para todos e só pôde pensar em uma coisa:

Se tudo der errado, desejo me mudar para marte.

                          ****

O céu estava claro, e o ar tinha um leve cheiro de almíscar e eucalipto. Quando ______ terminou de limpar a parte interna do carro de seu pai, ficou abismada com a quantidade de cachimbos e saquinhos de jujubas de frutas vermelhas que havia encontrado. ______ gostava do cheiro de tabaco do cachimbo de Robert. Era adocicado, fumacento, fazia com que ela recordasse dos dias que ia passar o inverno na casa de fazenda dos avós. Ela amava rolar no tapete quentinho da sala de estar e do fogão a lenha.

Tomara que o inverno chegue logo.

Suspirou. Em seguida, pegou o balde e a mangueira, ensaboando a maior parte do carro, quando chegou a hora de lavar o teto, tudo o que conseguiu fazer foi se encharcar e derrubar a esponja uma dúzia de vezes. Não importava por qual lado ela tentasse chegar lá em cima, sempre dava errado.

Xingando, começou a tirar os pedacinhos de grama e terra da esponja. Queria arremessá-la bem longe no mato. Frustrada, acabou jogando a esponja de volta no balde.

— Tá parecendo que você precisa de ajuda.

______ deu um pulo. Jeongguk estava de pé a menos de um metro dela, as mãos metidas nos bolsos do jeans desbotado. Os olhos negros brilhavam sob a luz do sol.

A aparição repentina de Jeongguk a assustou. Não tinha nem ouvido ele chegar.

— Ei — ela disse, assumindo uma informalidade. — Não me ligou ontem à noite.

Ela sabia que quando o namorado não ligava para ela, era porque ele havia saído para algum lugar. Ou porque estava ocupado com alguma coisa.

— Estava ocupado. Não vai me dar um beijo?

Ela não deu.

— Visitar a casa de Jennie deve fazer com que você fique realmente bastante ocupado.

Um relampejo momentâneo de surpresa nos olhos de Jeongguk confirmou a sua intuição: ele havia ido a casa de Jennie na noite passada pela segunda vez.

— Quer me contar o que foi fazer na casa dela? — perguntou num tom ligeiramente hostil.

— Está com ciúmes, amor?

— Talvez eu não tivesse ciúmes se você não me desse uma razão para ter — retrucou. — O que você estava fazendo na casa dela?

— Resolvendo uns assuntos.

______ ergueu as sobrancelhas.

— Eu não sabia que você e Jennie tinham assuntos para resolver.

— Nós temos, mas é só isso. Assuntos.

— Se importa em explicar?

Havia uma dose pesada de alegações comprimidas entre as suas palavras.

— Está me acusando de algo?

— Eu deveria?

Jeongguk geralmente era um expert em esconder suas emoções, mas a linha da sua boca se apertou.

— Não.

— Se estar na casa dela ontem à noite era tão inocente, por que você está tendo tanta dificuldade em explicar o que estava fazendo lá?

— Não estou tendo dificuldade — ele disse, cada palavra medida com cuidado. — Não estou te contando porque o que eu estava fazendo na casa de Jennie não tem nada haver conosco.

Aquilo havia sido a gota d'agua. Como ele podia pensar que essa história não tinha nada haver com os dois? ______ não podia acreditar no que havia acabado de ouvir.

Dominada pela raiva, ela disse as seguintes palavras:

— Não quero falar com você hoje. É melhor ir embora.

— Está me expulsando? — ele disse, seu tom era sombriamente descrente. Talvez até mesmo irritado. — Eu vim conversar com você. Se você se acalmar, eu consigo fazer isso. Mas parece que você vai ter um ataque de histeria a qualquer instante, não importa o que eu diga.

______ estreitou os olhos.

— Tenho direito de ficar nervosa. Você acha legal saber por outra pessoa que o seu namorado frequenta a casa de outra?

Jeongguk sacudiu a cabeça em descrença.

— Eu não acredito que estamos discutindo por conta de uma bobagem dessas — riu sem humor enquanto corria as mãos pelo cabelo. — Passo aqui amanhã. Tenha um bom dia. — acrescentou de forma curta, se dirigindo até a porta do cercado.

— Então é isso? Você vai fugir na nossa primeira discussão?

Jeongguk parou abruptamente e caminhou na direção de ______.

— Você está louca — ele inclinou o queixo de ______ para cima e plantou um beijo rápido e bruto nos lábios dela. — E eu também por não conseguir ficar chateado com você. Mesmo colocando em duvida a minha fidelidade.

______ permaneceu calada. Ela errou em deixar os sentimentos falarem mais alto, mas não era como se ela pudesse evitar. Agora sentia-ss envergonhada ao fitar o rosto do namorado.

Jeongguk suspirou. Sabia que ______ estava se sentindo culpada e que ela não falaria com ele por conta disso, a conhecia tão bem. Afinal, eles cresceram juntos, namoram desde os quatorze anos.

— Vamos esquecer isso, está bem? — Ele a viu balançar a cabeça e sorriu. — Eu quero que confie em mim.

______ apenas concordou. Mas no fundo ela sabia que o sentimento de desconfiança não iria passar tão facilmente enquanto ela não descobrisse toda a verdade.

Mas ela iria descobrir. Nem que para isso precisasse virar homem.


Notas Finais


Me sigam: @Yato-Gami1


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...