1. Spirit Fanfics >
  2. Como o amor é doce >
  3. O outro lado da moeda

História Como o amor é doce - Capítulo 4



Notas do Autor


Este capítulo começa na visão de Alexy.
Desculpem a demora e boa leitura!

Capítulo 4 - O outro lado da moeda


Fanfic / Fanfiction Como o amor é doce - Capítulo 4 - O outro lado da moeda

P.O.V Alexy

Ontem me peguei pensando se aquela garota não me odiava por eu ser bi. Isso seria um motivo – criminoso – para ela não querer falar comigo. Mas algo, lá no fundo, me fazia pensar que tinha um motivo diferente.

Abri os olhos com dificuldade. Acordar de manhã nunca foi complicado para mim, mas hoje foi. Andei lentamente até o banheiro, lavando meu rosto e escovando meus lindos dentinhos brancos em seguida.

Voltei ao meu quarto e vesti uma jaqueta jeans, uma blusa branca e uma calça laranja. Você, caro leitor, pode achar brega, mas eu não acho. Então cala a sua boca e só continua lendo.

Sai do quarto, batendo rapidamente na porta do meu irmão gêmeo e entrando em seguida, vendo toda a bagunça de seu quarto, bem, eu poderia o julgar? Não né, afinal, meu quarto também é uma zona, mas é menos que o dele. Fui até o mesmo e o balancei, vendo ele resmungar e cobrir sua cabeça com o cobertor, sem ter o que fazer, o empurrei da cama, o ouvindo exclamar um som de dor.

— Porra, Alexy! — Disse alto, tirando o cobertor de si e olhando para mim com olhos cheios de ódio.

— Da próxima vez, acorda quando eu te balançar! — Falei, saindo do quarto dele batendo a porta, logo o ouvindo me xingar baixinho. — Xinga na minha cara!

— Vai se foder! — Gritou, jogando um objeto na porta. Provavelmente uma pelúcia de um daqueles joguinhos dele.

— Não! — Retruquei, saindo do lugar e descendo as escadas para a sala.

Chegando lá, só vi o café da manhã pronto e um bilhetinho da mamãe escrito:

Tive que trabalhar mais cedo hoje, então preparei o café da manhã! O suco tá na geladeira. XOXO

Me sinto uma criancinha quando ela faz nosso café da manhã.

Pego meu pratinho com um croissant e um suco de laranja. Não faço questão de chamar o Armin de novo.

— Eu deveria faltar hoje. Vou fingir estar doente e você fala para a diretora que eu estou doente. — Disse Armin, visivelmente chegando.

— Eu não. — Respondi, ainda comendo, bebendo um pouco de meu suco.

— Que tipo de irmão é você?! Se fosse ao contrário, faria questão de te ajudar, você me odeia?! — Disse, caindo no chão dramaticamente.

— Calma maninho! — Falei, comendo o resto da minha comida.

Ele murmurou algo que eu não escutei e foi comer também.

[...]

Chegamos na escola depois de minutos andando. Nossa casa não é nem um pouco longe, então é difícil ter motivos para não ir.

Entro na sala com meu material (vulgo livro e caneta) e sento ao lado do meu irmão, como sempre.

Mas, do nada:

— Ei, Alexy. — Diz uma voz feminina. Virei para ver quem era.

Misaki.

Misaki e eu fomos amigos por muito tempo, até ano passado. Nossa amizade começou a ficar um pouco... abusiva. Ela não queria que eu fizesse amizade com nenhuma garota, e isso era meio assustador. Era como se ela quisesse ser a única amiga que eu tinha.

E fomos nos afastando aos pouquinhos. Acabar com uma amizade do nada não era do meu feitio.

— Oi, Misaki... — Falei, relutante, pedindo ajuda de Armin com o olhar que estava ao meu lado, mas apenas o ouvi mexer seus lábios falando “se ferra aí otário”, eu definitivamente odeio ele.

— Tudo bem com vocês? — Perguntou, intercalando seu olhar entre eu e Armin.

— Sim, tá tudo bem sim, eu tenho que ir agora, fazer algo! — Armin deu uma desculpa esfarrapada, para poder sair dali o mais rápido possível, lancei um olhar cheio de ódio, aquilo era uma vingança?!

— Espera, Armin! Eu preciso falar com você. — Disse, segurando seu braço, fazendo nós dois ficarmos surpresos. — A sós. — Completou.

— Ahn?! — Exclamamos ao mesmo tempo, isso é algum tipo de conexão de gêmeos?

— Então né, eu já vou indo. — Falei, me distanciando dos dois e rindo após receber um olhar de “não vai não” do Armin, acho que o jogo virou.

Andei pela escola, perguntando-me o que eu poderia fazer, talvez ir para o pátio? Enquanto andava, encontrei Alexia e Ishi, a garota nova, as duas estavam conversando e, Alexia, vendo que eu estava ali, dirigiu seu olhar para mim por alguns segundos, mas desviou, voltando a prestar atenção no que Ishi falava. Suspirei, ela parecia me odiar, até tive esperança de que ela iria falar comigo, fui bobo.

Decidi dar uma volta completa na escola. Admito que preferia ter matado aula para passear pela cidade e gastar todo o meu precioso dinheiro em roupas, mas sinceramente às vezes aprender alguma coisa não é tão ruim assim. Bom humor é um dos meus pontos fortes, e nada pode atrapalhar ele hoje.

Coloquei música no meu MP3 – sim, eu ainda uso. – e botei o fone em meus ouvidos.

— Alexy! — Ouvi abafadamente. Tive que retirar a música e sair da minha vibe.

— Oi Rosa! — Respondi, um pouco desnorteado.

Rosalya também é uma das minhas grandes amigas. Paramos de nos falar na escola por causa de você-sabe-quem, mas ainda trocamos mensagens às vezes.

Ela veio com seus longos cabelos brancos presos em um coque, um vestido branco com detalhes pretos que acabavam antes dos joelhos e uma bota preta.

— Estava pensando nas férias! Poderíamos ir para a praia e comer vários petiscos e tomar banho de mar! Ah, seria tão legal! — Disse, como se estivesse imaginando tudo com as mãos em seu rosto.

— Acho que você iria também querer ficar de mãos dadas com seu namorado. — Falei.

— Para não segurar vela é só você arrumar alguém também, oras.

— Falar é fácil.

O inferno – vulgo sinal – tocou e nós fomos para a sala de aula.

Chegando lá, vi Armin sentado com... Castiel? Sério, Castiel? Por que diabos ele está sentado com esse cara?

Sentei no meu lugar e vi que Misaki estava ali, sentada ao meu lado. Ah, acho que já entendi o que ela queria conversar.

— Vamos sentar juntos hoje? Ah, que legal — Falei.

— Sim! Faz tempo que não passamos um tempo juntos na aula. — Disse animada, assento sorrindo nervoso e olhei para Armin, que sorria maldosamente olhando para mim. Ótimo irmão.

A aula começou e tentei prestar atenção, mas era consideravelmente difícil, sabendo que Misaki estava me encarando.

Sinceramente, não a odeio, nunca odiei, eu sempre gostei dela, ela sempre foi alguém que eu gostava da companhia, mas agora... bom eu já falei disso, não tem motivo pra ficar falando de novo, não é mesmo?

Se passou o tempo devagar, talvez por eu ficar percebendo o olhar de Misaki sobre mim algumas vezes, ou talvez pela aula chata... bem provável que tenha sido dos dois.

[...]

Fugi na hora do almoço, indo ao banheiro. Entrei rápido e lavei meu rosto, esfregando os olhos. Bocejei, saindo e olhando para os lados.

Me direcionei à cantina. Tinha dito para ela que iríamos nos encontrar lá, e agora estou fadado. Pelo menos Armin estará lá para me dar apoio moral.

Peguei minha bandeja, colocando tudo que há de bom no meu prato.

Fui para a mesa e me sentei ao lado do meu irmão, começando a comer.

Na fila, vi as duas garotas pegando a comida e saindo, como de costume. Não comiam aqui... talvez Alexia tenha se infiltrado na cabeça da novata e colocado pensamentos ruins sobre a gente, fazendo que nós sejamos vilões e ela seja boazinha. Não que isso seja algo que possa acontecer, mas não sei que tipo de pessoa ela é!

Ok, tô delirando. Mas isso explicaria porque ela ficou próxima de Ishi. Isso é horrível, acho que eu deveria avisar ela.

— Alexy? Tudo bom? É a primeira vez que não sou eu quem tá no mundo da lua.

— É que eu estava pensando n... — Antes que eu terminasse de falar, percebi que Misaki estava ali. — Naquele filme que a gente viu ontem. — Inventei.

— Que fi- — Dei uma cotovelada no braço dele, que olhou pra mim perguntando o porquê daquilo, rapidamente apontei com o olhar pra Misaki. — Aaaaah, aquele filme! Muito bom viu.

— Qual? — Perguntou, tentando descobrir se aquilo era algum tipo de mentira esfarrapada.

— Pantera Negra! — Falei

— Demolidor! — Armin falou na mesma hora.

— Hum? — Misaki tentou entender o porquê de falarmos filmes diferentes.

— Demolidor! — Falei tentando consertar

— Pantera Negra! — Disse provavelmente com a mesma intenção que a minha.

ESSE CARA É BURRO OU SE FAZ?!

— Assistimos dois, ai né. — Arranjei alguma desculpa, rindo nervosamente em seguida.

— Entendi... — Disse desconfiando e se levantando segurando seu copo de suco de laranja. — Eu já volto tá, anjinho? — Disse sorrindo para mim.

A garota saiu da cantina e eu apenas comecei a dar tapinhas nele, que foram revidados, fazendo assim uma cena hilária de briga entre tapas nas mãos, ok, somos idiotas demais.

— Vê se deixa eu falar da próxima vez, imbecil!

— Agradeça! Eu poderia muito bem falar que a gente não assistiu nenhum filme! — Retrucou Armin, rindo em seguida, me fazendo rir e parar com a briguinha.

— Você, como meu irmão, tem a obrigação de me ajudar. — Falei, comendo.

— Aí, Alexy, cansei de você. — Falou ele, terminando de comer e indo embora.

— Para onde diabos você vai? — Perguntei, intrigado.

— Jogar! — Sorriu, com o PsP em mãos.

Mas que legal, me deixar sozinho.

Comi devagar. E, por um momento, parei para pensar no que Misaki tinha ido fazer. Ela pode parecer meio psicopata às vezes, mas de qualquer jeito, somos amigos.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...