1. Spirit Fanfics >
  2. Como sorvete de chocolate ou baunilha (Stray Kids) >
  3. Uma noite marcante

História Como sorvete de chocolate ou baunilha (Stray Kids) - Capítulo 25


Escrita por: Honey171

Notas do Autor


🍯| Roii gente, voltei ^^
🍯| Eu quero agradecer de coração pelos 31 favs 🥺🥺🥺💖💖💖 Muito obrigada mesmo, significa muito para mim e para você, que está lendo isso, receba o meu abraço virtual *abraço* <3
🍯| Não vou enrolar tanto então me desculpem qualquer erro e boa leitura 🍨🍦

Capítulo 25 - Uma noite marcante


Fanfic / Fanfiction Como sorvete de chocolate ou baunilha (Stray Kids) - Capítulo 25 - Uma noite marcante

CAPÍTULO 25

Uma noite marcante

…por que eu me sinto assim...

 

A comida do Han e da Yeji estava simplesmente perfeita! Parecia ser feita por deuses… o Menu dos Deuses!

Depois do almoço eles foram cuidar da louça enquanto eu e Chaery fomos preparar as coisas para irmos para o mar, como planejado. O único problema foi que... começou a chover. E não era chuva de verão, era uma chuva de tempestade mesmo!

— O céu está preto, acho que não vai acabar tão cedo assim. — digo olhando para fora.

— Ai meu Deus, as janelas estão abertas! — Chaery diz e saímos correndo para fechar todas as janelas da casa.

— Conseguimos. — fizemos um “hi 5” depois de evitar que a casa ficasse alagada.

— Terminamos! — Yeji diz e os 3 chegam na sala, onde estávamos. — Como não vamos sair tão cedo, que tal jogarmos algo?

— Boa! — Han diz e se joga no sofá. 

(...)

A tarde foi divertida! Nós jogamos Uno, Detetive, Dobble, entre muitos outros. Inclusive, já havia parado de chover, mas os jogos estavam tão legais que resolvemos deixar o mar para o dia seguinte mesmo. O tempo passou rápido e logo a janta chegou. A comida estava divina novamente e como todos acordamos cedo para a viagem, estávamos muito cansados. O sono foi chegando em todos e assim cada um foi para o "seu quarto".

Mas sinceramente, era uma noite com um insuportável calor, eu sabia que não iria conseguir dormir muito. Por mais que a chuva tivesse dado uma refrescada no ar, ela já parou faz horas e eu ainda sofria com a temperatura. A minha janela se encontrava completamente aberta e o ar condicionado estava ligado, mas mesmo assim eu continuava com calor.

Será uma longa noite!

(...)

Eu já não tinha mais nada para fazer no meu celular, que inclusive acabou a bateria, e ele era a única coisa que eu tinha para me distrair e entreter.

Ótimo!

Só fico deitada encarando o teto até que uma pessoa me vem à mente: Han! Quando eu não conseguia dormir, mesmo que não fosse um dia de calor, ele sempre me ajudava a pegar no sono.

Abro a porta do meu quarto silenciosamente e caminho nas pontas dos pés até a porta de seu quarto. Quando estou prestes a abrir a sua porta, me lembro da possibilidade dele já estar dormindo.

E agora? Não tinha pensado nisso antes!

Quer saber? Irei abrir silenciosamente e se ele estiver dormindo só irei embora e fingir que nada aconteceu.

Estendo a minha mão até a maçaneta e me assusto ao perceber que ela se abriu do outro lado. A porta se abre, revelando um Han que esfregava os olhos.

— Ya, agora eu entendo o motivo de você não gostar dos dias de calor. Não consigo dormir de jeito nenhum. — ele diz.

— Bem-vindo ao meu mundo. — dou uma pausa. — Vamos ficar juntos até pegarmos no sono? — sugiro e ele aceita.

Vamos até o meu quarto por decisão do pedra, papel ou tesoura e nos sentamos na janela, onde acreditávamos que fosse o local mais fresco. Deixamos a luz apagada, sendo iluminados somente pela luz da lua.

— Aqui o céu é lindo, né? — ele diz olhando para fora e faço o mesmo.

De fato, ele não estava errado. Na cidade, o céu fica completamente escuro e são raros os pontos de luz que vemos no céu.

Já aqui, o céu parece uma luminária de tantas estrelas que conseguimos ver! Acho que era a noite estrelada mais bela que vi em toda a minha vida!

— Sabe, olhar esse céu me lembra de você. — ele me olha e faço o mesmo, agradecendo mentalmente por estar escuro e ele não ver o tom avermelhado que tenho certeza que meu rosto ganhou.

— Por quê? 

— Olhe e veja!

Encaro novamente o céu estrelado, o mais belo de todos. Mas mesmo assim não entendo...

— Eu acho que esse céu é brilhante e bonito demais para ser comparado comigo. — revelo e rio de leve.

— Sério? Eu diria o exato oposto. Eu acho que as estrelas brilham até que pouco comparado a você.

Eu achava que ele estava brincando, mas percebi que estava errada ao ver seu rosto sério...

Meu coração dispara com essas palavras.

Ele realmente quis dizer isso?!

Não lembro o exato momento em que ele começou a fazer meu coração acelerar ou meu rosto ficar vermelho, mas me lembro muito bem que fiquei surpresa já que achava que só Jeongin conseguia fazer isso comigo. Mas é normal, não é? Não tem nada demais, certo? Só temos amizade! Só isso!

— Você vive me dizendo coisas bonitas e eu nunca agradeço... Então obrigada de verdade, por todas elas. — olho nos seus olhos, cor de caramelo refletidos no sol e cor de chocolate fresco no escuro, com um brilho único. — E... a sua beleza interna também nem se compara ao universo que temos. — digo depois de tanto pensar.

— Obrigado mas... sou tão feio assim por fora?

Começo a rir no momento em que ele diz isso.

— Ya, eu estava te elogiando! Para mim, a beleza interna é a que mais importa, ela sim reflete a identidade de cada pessoa. — digo ao fundo do som das ondas batendo nas rochas, fazendo um som relaxante.

— Eu concordo com você... — dá uma pausa. — mas eu sou bonito por fora também, não? — diz provocativo.

— É sim, é sim. — digo sem olhá-lo.

— De verdade?

— Sim. — digo e não estava mentindo, admito que ele realmente é bonito.

— Uou, a Misuk me chamou de bonito? Estou me sentindo privilegiado agora!

— Palhaço! — digo rindo e dou um leve tapa em seu braço.

— Você...

— Hum?

— Você é bonita tanto por dentro quanto por fora.

Uma sensação boa me preenche e eu sorrio sem esforços. Penso em dizer algo que já refleti por muito tempo e resolvo falar de uma vez por todas:

— Eu tenho muita sorte de ter te conhecido, Han. Muito obrigada por existir.

Talvez tenha sido só uma impressão minha, mas percebi a sua pele um pouco mais... rosada?! Mesmo no escuro eu vi? Então ele me viu vermelha também? Mas espera... eu deixei ele vermelho?

Eu nunca havia o visto corado… como eu fiz isso?

Ele pareceu surpreso de eu ter dito isso mas é algo que eu sempre quis dizer a ele, só tinha vergonha e esperava o momento certo, no caso foi agora, sentia isso.

— Eu me sinto muito feliz com você por perto. — fala e abre um sorriso sem os dentes. — Obrigado por existir também, Misuk.

Essas palavras dele ficarão marcadas para sempre em minha memória. Na minha percepção, dizer “obrigado por existir” tem o mesmo impacto e valor de dizer "eu te amo". Não estou dizendo que as duas significam as mesmas coisas, estou dizendo que são duas expressões muito fortes e que qualquer um gostaria de ouvir pelo menos uma vez na vida. Elas têm um valor grande e é basicamente agradecer pela pessoa ter nascido e ser como ela é. E também é uma forma de dizer que tem uma grande consideração por ela.

Sem perceber, já estávamos abraçados.

Encaixo a minha cabeça em seu ombro e sinto o seu doce aroma de baunilha. Sim, aquela baunilha única e que nunca foi simples e como qualquer outra.

Minha vontade era ficar em seus braços até dormir… isso se eu conseguisse, é claro.

— O sono tá vindo? — ele diz no meio do abraço.

— Mais ou menos.

— Sou tão entediante assim? — ele ri de leve.

— Não, palhaço. É só que a sua companhia é tão boa que eu me esqueço do incômodo que o calor me causa.

Nos separamos do abraço e o encaro. 

— O que foi? — digo ao ver a sua cara, ele estava sério e parecia um pouco triste.

— Só imagino como deve ser horrível para você, passando meses sem dormir direito por causa da temperatura. — ele demonstra preocupação por mim e sorrio.

— Não é tão ruim, na verdade é só nos dias que estão muito calor, muito calor mesmo! Tipo hoje, que daria para fritar um ovo na calçada. Mas tem outros dias em que o ventilador ou o ar condicionado dão conta. Daí eu consigo dormir! 

Tiro uma risada sua e acabo sorrindo.

Mas em meio a tudo isso, acabo lembrando que ele já tem uma alguém especial e não sei o motivo, mas meu coração se aperta um pouco por isso. Talvez porque... ela é sortuda demais.

Eu me sinto um pouco para baixo quando penso que algum dia quem estará sorrindo, rindo e compartilhando os melhores momentos do seu lado não será eu…

Mas por que eu me sinto assim? Eu sempre soube que alguma hora isso irá acontecer, não? 

— Aconteceu algo, Mi?

— Não foi nada. — forcei um sorriso.

(...)

Ficamos aproveitando a companhia um do outro e tinha momentos que ríamos tão alto que eu ainda não sei como o resto não acordou com o barulho.

Minha cabeça estava em seu colo enquanto recebia macios cafunés. Ainda estávamos naquela janela.

— Uau, viramos a noite mesmo. — ele diz enquanto observávamos o sol aparecer aos poucos.

— Acho que essa é a primeira vez que vejo o sol nascendo. — revelo.

— Eu também.

— É lindo. — me levanto, me sentando ao seu lado, depois apoio minha cabeça em seu ombro.

Tiro o meu celular do bolso e tiro uma foto do céu. A coloração era surpreendente e nem parecia real de tão bela!

— Para ficar registrada a nossa primeira vez vendo o nascer do sol, ainda mais juntos! — coloco no modo selfie e ele passa o braço pelo meu ombro, me aproximando mais dele. Agora que percebi que quando ele faz isso eu sempre sinto leves tsunamis no estômago… Enfim, tiro várias fotos assim, algumas com caretas haha.

Guardarei todas elas com o maior carinho.

Nos olhamos por um tempo e acabamos bocejando ao mesmo tempo. Rimos automaticamente.

— Acho que conseguiremos dormir agora. — ele diz rindo. — Te vejo mais tarde! — faz um sinal com os dedos na testa. 

— Até! Ah e... — ele se vira para me ouvir. — obrigada pela companhia. — sorrio.

— Até parece a gente faz meses atrás, agradecendo o outro por qualquer coisa que acontecia. — ele ri. — Não precisa me agradecer, fazemos isso direto, não? E como seu melhor amigo, é o meu dever não te deixar sozinha por horas! Agora vou indo, boa noite! Ou talvez bom dia agora? — ri e sai.

Me jogo na cama e fecho meus olhos. Sorrio por tudo o que aconteceu nessas horas. Han é tão delicado e fofo comigo que me sinto especial. Muito especial mesmo. 

Lembro dos nossos diálogos e conversas e sorrio para mim mesma, mas em seguida sinto uma única gota escorrer pela minha bochecha...

Algum dia não serei eu com quem você compartilhará esses momentos...

 


Notas Finais


🍨| Espero que tenham gostado e confiram minhas outras histórias/fics também!! 💖💖
🍦| Curiosidade: eu escrevi esse cap em uma noite que eu estava sem sono e com calor KKKKK Acho que escrevi antes mesmo do capítulo do jogo e do início da viagem kkkkkkkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...