História Como Um Paraíso Escuro - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Jared Leto
Personagens Jared Leto, Personagens Originais
Tags 30 Seconds To Mars, 30stm, Aluna, Amor Proibido, Bailarina, Ballet, Jared Leto, Original, Personagem Original, Pianista, Proibido, Romance, Sadomasoquismo, Sexo
Visualizações 78
Palavras 2.917
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


E ainda no dia das crianças, um presente. 🎁

Primeiro de tudo, muito obrigada a quem favoritos esta história e apesar das poucas palavras deram um chamce para o que está por vim.

Esta sendo um prazer enorme escreve-la pois apesar de talvez poucos saberem eu sou uma adoradora dos Letos e claro da banda.

Acho que daqui pra frente vocês poderão e surpreender, até porque quem já acompanha minhas histórias sabe que eu não gosto muito de trabalhar em cima de "Eu ja sabia".

Tenho outras histórias em andamento e por isso a publicação não será tão rápida quanto gostaria, mas assim mesmo sempre estarei por aqui. Aliás, burlei minha ordem para postar logo a continuação e não deixa-los apenas com o prólogo.

!!LEIAM AS NOTAS FINAIS!!

Coloquei alguns links para ajudar vocês com alguns detalhes de percepção.

Boa leitura. 📖💜

Capítulo 2 - O Paraíso é um céu colorido com as chamas do Inferno


Fanfic / Fanfiction Como Um Paraíso Escuro - Capítulo 2 - O Paraíso é um céu colorido com as chamas do Inferno

Capitulo I



Os dias dentro desta instituição passavam insistentemente vagarosos, o que chegava a ser fatídico.

Minha cabeça era sempre rodeada de grandes problemas, e tudo apenas piorava pela constatação de que eu não poderia resolve-los da forma que inquietantemente gostaria. Mas o pior de todos eles, nestes últimos seis meses, era aquela maldita garota.

Ah, sim, uma bendita garota de dezessete anos.

Por sorte, ou não, sempre estavamos rodeados por outras pessoas. Ela sempre era muito simpática, dando-se bem com todos a sua volta, porém, como nada é perfeito, essa em especial parecia sempre amedrontada por algo. Foram inúmeras as vezes em que eu percebia o seu comportamento mudar e seu semblante feliz torna-se um tanto assustado, e isso sempre acontecia com alguma mensagem que chegava em seu celular.

Sua família era bem conhecida aqui na cidade no ramo empresarial dos vinhos. Família italiana. Mas na grande maioria de vezes quem a buscava era seu irmão, já aqui é um Instituto interno, isso apenas acontecia aos finais de semana, quando temos período de visitas ou saída. Eu estava prestando mais atenção do que deveria em uma aluna, uma forma um tanto imprudente, mas ela era diferente.

Hoje seria dia de apresentação no renomado Royal Albert Hall. Aquele lugar foi o primeiro local aqui em que eu toquei na Europa. Até porque eu atravessei o Oceano Atlântico para esta aqui hoje, deixando para trás minha mãe aos cuidados do meu irmão mais velho, que era também aquele que eu considerava meu melhor amigo e a quem eu contava sempre tudo. Ele era um pé no saco as vezes e importunava, mas também tentava me ajudar. Shannon sabia sobre Ella, em partes apenas, e já achava um absurdo eu está reparando na beleza da garota. Se ele soubesse que eu reparei em muito mais e o que minha mente suja pensa em fazer com ela, ele surtaria.

– Senhor Leto...? – A voz da própria tentação me chamou. O jeito que essa sua cordialidade soa em seus lábios... Droga, Jared! – A senhorita Charlotte está na sala dos espelhos e pediu para que o chamasse.

Ella estava encostada na porta, segurando apenas sua bolsa diagonal da Gucci enquanto me encarava com aqueles olhos minuciosos e ao mesmo tempo intensos. Era engraçado como uma garota poderia ter tanto poder sem ao menos se esforçar. E isso me fez sem querer descer meus olhos até seu nariz delicado, depois para os seus lábios pecaminosos e grossos, e então cheguei em seu pescoço exposto e alvo que apenas possuia uma gargantilha dourada com um pequeno pingente de olho grego no centro.

Hoje ela estava apenas com uma regata colada ao corpo na cor preta, deixando seus seios aparentemente médios, que pensando bem poderiam caber perfeitamente nas minhas maos, à mostra.

Meu corpo reagia a esses pensamentos de forma tão rápida, que me incomodava.

Eu agradeci em silêncio por estar sentado e poder cruzar as pernas e esconder o volume que cresceu involuntariamente por baixo do pano azul em minha calça social.

– Senhor? – Apenas percebi sua proximidade quando ela já estava parada em frente ao piano com um sorriso pequeno e tímido. – Eu também gostaria de me desculpar por ontem. Eu sei que o fiz esperar muito e acabei não aparecendo, mas eu tive um imprevisto enorme. – Suas mãos mexiam de forma nervosa enquanto ela me encarava. – Eu juro que não vai acontecer outra vez.

Era ridículo a forma com que eu fazia um esforço sobrenatural para manter meus olhos acima do seu pescoço e não escorre-los para suas pernas bem torneadas dos treinos e expostas pelo shrot jeans. Não eram imensamente grossas, eram exatas para o seu tamanho.

– Senhorita Valentini, diga a professora Esme que eu estarei la em dois minutos. – Recuperei meu estado e voltei, mesmo que superficialmente, a ser o Jared profissional e sério que sempre fui. – E quanto à sua falta de pontualidade ou ao seu desaparecimento sem comunicado prévio, espero apenas que não aconteça novamente.

– Claro, Senhor Leto. – Ella parecia incomodada com algo e sua voz denunciava um tanto de desespero. – Então... Ainda vai continuar a me ajudar com meus ensaios extras? – Seus olhos que antes encaravam o piano branco Stainway, que alias era um dos melhores, e, meu.

– A senhorita Charlotte pediu para que eu a acompanhasse em seus treinos extras para que obtivesse melhor desempenho na apresentação, então, não desonrarei meus compromissos. – Arrumei a tampa do piano em sua posição inicial, fechado-o, e levantei arrumando a parte de cima do meu costume em azul royal. – Contudo, se a senhorita não começar a ter pontualidade e compromisso com o que estou me dedicando a fazer, encerrarei nosso trato.

Ella ficou pequena em minha frente. Ela deveria ter em torno de uns um metro e sessenta e sete de altura em confronto com os meus um e setenta e oito, a deixando abaixo do meu queixo.

– Eu prometo que não vou mais fazer isso e também vou ser a melhor bailarina dessa apresentação. – Ela mordeu o lábio inferior de forma nervosa enquanto me encarava com aquelas íris claras.

– Assim é como eu espero.

Antes mesmo de que a menina pudesse falar mais alguma coisa, coloquei minhas mãos dentro do bolso e passei por ela indo em direção à porta.

O pior de tudo era que por um pouco de falta de ética, ou talvez muita para ser bem sincero, eu e a professora francesa de dança, Charlotte Esme, tínhamos um caso. Apenas um sexo casual, mas que eu conseguia entender que para ela aquilo em alguma chance remota poderia evoluir para algo mais sério, um compromisso.

Quando estava perto da sala de espelho, como era chamada a sala oficial de treinos, percebi de longe as menina Ella se retrair e encarar a tela do seu smartphone de forma pensativa enquanto seus dedos pareciam ficar brancos na ponta de tão apertados.

– Esta tudo bem, senhorita Valentini? – Perguntei e um tom mais alto para que ela me ouvisse de onde estava.

Rapidamente ela virou para mim e escondeu o celular no bolso. Parecia espantada e nervosa. Seus olhos ora me encaravam, ora desviavam para suas mãos agarradas à alça grossa da bolsa.

– E-Eu... Bem, eu apenas recebi uma resposta inesperada e um tanto idiota para ser bem sincera e... – Depois de falar rapidamente sem pausas ela me encarou. – Eu tenho que ir. Até depois Senhor Leto.

A observei sair como um furacão e como um rato fugindo de ser pego. O que será que Ella escondia? Pensei por muitas vezes em drogas ilícitas, alcoolismo, tabagismo, problemas psiquiátricos e assim por diante, mas nunca obtive provas algumas. Talvez na verdade eu nunca tenha ido atrás das respostas, ou talvez eu necessito manter distância da sua vida.

– Jared?

Charlotte, uma morena de pele clara e um corpo naturalmente bem recheados nos lugares corretos. Nos começamos a sair depois de alguns meses e até então estamos juntos. Mas estava sendo frustrante o fato que o prazer não era mais o mesmo, o desejo estava escapando e única coisa que me fazia sentir extremamente excitado era o pecado inocente de dezessete anos.

– Achei que não iria vir, meu bem. – A voz manhosa dela me dava arrepios, mas não de uma forma boa. – Achei que Ella tivesse te devorado.

– Me devorado? – Repeti. – E em que momento e por que acharia isso?

– Quem, de todas as alunas e até alunos, professores e qualquer outra ocupação possível, não iria querer um pedaço do pianista Leto? – Charlotte se apoiou em mim, rondando meu pescoço com seus braços cumpridos e em seguida me beijando.

Não era de se esperar que aos poucos eu me cansasse dela, assim como de todas as outras. Eu não era um canalha, apenas não atirava relacionamentos sérios. Não saberia conduzir isso.

Me afastei dela ser forma sutil e educada arrumando logo em seguida meu cabelo com os dedos, penteando-os.

– Não podemos fazer isso agora.

– Por que não? – Esme cruzou os braços em frente ao peito.

– Você leciona a mais tempo do que eu e a mais ainda nesta instituição e ainda assim me faz uma pergunta tola como esta?

– Estamos a quatro meses aproximadamente juntos. Poderíamos estar a essa altura namorando. – Constatou. – Eu gosto de você Jared. Qual seria o problema?

Eu não esperava por essa. Pelo menos não agora. Como eu podeis agir mediante a tanta pressão desnecessária se não com minha melhor maneira.

– Eu nunca prometi nada além disto que nos temos, Esme. – Chama-la pelo sobrenome tornou-se um hábito quando estava nervoso ou estressado, e ela sabia. – Eu sempre fui sincero em quando dizia não abrir exceções para relacionamento.

– Mas poderia dar certo...

Toquei seu ombro direito em um gesto de pedido para que não prosseguisse.

– Acho que já cometemos um erro imenso ao começar isso. – Não podemos fazer algo ainda pior. Até porque – Olhei em meu Hublot, constatando que passava-se do horário que eu deseja esta na rua para não chegar com atraso ao espetáculo. – Estamos atrasados e devemos ir.

– É isso? Eu me declaro e você simplesmente não a importa? – Para uma mulher de trinta anos ela estava agindo como quem tivesse doze. – Eu esperava pelo menos um motivo plausível mas...

– Mas não existem, Esme. Eu apenas não desejo um relacionamento. – Virei de gostas e antes de sair ainda terminei. – E o que tínhamos, também não passará mais do que profissional a partir de agora.

Ainda pude ouvir vários palavrões palavrões e xingamentos em sua língua natal enquanto andava até as escadas do quarto andar. É, este prédio tinha em seu total dez andares em uma construção vasta. Estava um pouco perto da entrada da cidade em uma área cercada por mansões da alta sociedade.

Hoje Ella não faria parte da apresentação por esta ainda abaixo da média esperada em seu desenvolvimento na performance. Não que ela não fosse uma ótima aluna, mas seu desempenho parece ter despencando do dia para noite. Charlotte comentou que as vezes achava que a pequena poderia esta até mesmo se mutilando por nunca aceitar tomar banho ou se trocar junto a outras meninas. Além de as vezes aparecer com roupas inadequadas para a estação de verão, como moletons.

As vezes está vida sozinho aqui Londres pareça chata ou solitária, já que moro sozinho em um duplex próximo também ao Instituto. Mas no fundo eu sinto alívio e liberdade de não precisar em momento algum dar satisfação ou ate busca-la. Eu era feliz assim.

Assim que cheguei a garagem entrei em um sedan prateado da Chrysler, meu orgulho de 300 C, simplesmente um dos melhores e o qual eu batalhei muito para conseguir. Ele era o meu companheiro e a quem eu dedicava meu tempo em alguns momentos pessoais para limpeza. De la fui direto para casa e fiz todo o meu processo de higiene e escolha de roupas. Eu especialmente comprei uma roupa de gala para tocar, em tom cor de petróleo, feito sob medida. Arrumei meu cabelo em um topete como de costume e bem alinhado, e passei minha marca registrada, minha essência de Encre Noire, um dos perfumes amadeirados que eu mais gostava, por ter presença e ser forte causando imponência.

Fui novamente para o carro e em seguida cheguei no local. Era tão lindo e perfeito que a cada passo que eu dava enchia-me com a sensação ímpar de orgulho. Estava aonde estava por muita luta e sempre me lembraria de como era e como cheguei a ser o pianista que sou.

Faltava uma hora para que tudo começasse, então lá estávamos, todos da academia reunidos, arrumando os últimos detalhes e então Ella apareceu um pouco pálida alguns minutos depois. Saiu jogando sua bolsa em algum canto enquanto conversava com a Esme. Por mais que minha curiosidade batesse forte, ao fim eu preferi ficar longe. Mas para o meu azar, ela que se aproximou.

– Senhor Leto, trouxe para que se hidrate antes que comece. – Olhei para a sua mão que carregava uma garrafa de água mineral e outra um copo de pequeno de cristal. – Antes que me pergunte, fiquei encarregada de lhe auxiliar enquanto não for escalada. Ordens da Charlotte.

– Eu não preciso de auxílio.

– Então diga isso a ela. – Um choque percorreu as pontas dos meus dedos quando sua mão fina e macia tocou a minha a abrindo e depositando o copo ali. – Eu so estou seguindo ordens. – Ella abriu a garrafa e colocou até a metade de água. – Então por favor, me ajude a ajudar.

– Eu não... – Olhei para ela e vi seu desespero enquanto suplicava silenciosamente para que eu o fizesse. – Quer saber, tudo bem. Água é ótima pra o organismo.

– Obrigada...

Vi seu rosto queimar em vermelho quando sem perceber eu estava bebendo lentamente a água e meu copo mas não retirava meus olhos do dela. Era uma mistura de atração física faiscante, quase palpável.

Desviei o olhar para outra coisa de uma forma naturalmente espontânea, ou nem tanto e tentei me concentrar no concerto. Hoje a apresentação seria O Quebra Nozes. Todas as meninas estavam com vestimentas vermelhas em detalhes dourados, assim como os detalhes no cabelo em coques perfeitos. Uma delas chamava-se Chloe Foster, loira e nada sutil quando tratava-se de mostrar interesse. Era patético como uma menina como ela não dava o mínimo respeito ao sobrenome que carregava, já que seus pais eram médicos e donos de uma clínica muito famosa na cidade.

Quando podia, Chloe sempre procurava esta a frente de Ella ou ate mesmo fazia esforço fora do comum para chamar atenção para si.

– Estão chamando o senhor. – Ella chamou minha atenção com um sorriso enorme no rosto. – Vocês ir ao começa em breve e precisam esta nos seus lugares.

– Claro. – Assenti e me levantei. – Obrigada, senhorita Valentini.

Passaram-se quinze minutos e então tudo começou.

As meninas entraram em grupos de três formando cinco grupos distintos enquanto apenas cinco meninos entravam. O som melodioso do piano deixava toda a apresentação suave, mais suave na verdade.

Ficamos em torno de uma hora de apresentação contando com os quatro intervalos a tivemos para mudas de roupas ou cenário.

Como a apresentação ocorria na frente, eu e mais alguns musicistas tocavam à lateral. Dali eu podia ver perfeitamente nos bastidores a pequena Afrodite encarar tudo com atenção enquanto suas amigas dançavam. Seu sorriso em puro fascínio a deixava ainda mais encantadora.

Ao final do espetáculo, todos resolveram sair para comemorar. Como dali todas estariam liberadas para seguirem para suas casas, Lee, a oriental do grupo disse que havia preparado uma festa e que estávamos todos convidados. Eu sinceramente preferiria não ir, mas seus pais insistiram e minha educação não permitia recusar.

– Vamos Ella! – Lee tentava convence-la de ir. – A gente pode até fazer aquilo de novo...

As duas não podiam me ver ou ate mesmo saber que eu estava ali, já que estávamos do lado de fora eu ja estava dentro do meu carro, que era coberto por vidro cem por cento.

– Mas e se alguém perceber?

– Somos melhores amigas. Quem acharia alguma coisa?

– A Charlotte vai esta por lá e... – Ela olhar direto par o meu carro e por um momento achei que seus olhos estavam nos meus, mas seria impossível. Até que seu olho foi de encontro ao da amiga. – Jared... Ele vai esta lá e ele é muito atento a tudo. Se ele perceber, pode acabar contando.

– O gostosão vai esta la com meus pais.

– É que... Ás vezes parece que ele está sempre me observando como se anotasse cada pequeno defeito.

– Ou talvez reparando nas suas qualidades... Que aliás estão bem atribuídas. Andou malhando?

As duas riram e se afastaram indo em direção a uma BMW branca estacionada, aonde na frente estava o senhor e a senhora Yoshida, pais da Lee.

De algum modo está festa parecia uma péssima armadilha da vida.

Fomos todos em direção à tua nobre de Londres, aonde a casa, ou melhor dizendo mansão dos Yoshidas já nos aguardava com uma bela recepção.

Não havia ninguém a mais do que eles e alguns poucos pais de alunas, eu e alguns integrantes da companhia, as alunas e os empregados.

Eram em torno das onze e meia da noite e eu acreditava que aquilo não pararia tão cedo, até porque mal havia começado. As meninas se dispersaram, com algumas indo para as mesas dispostas no jardim, outras indo para a piscina e Ella, como eu já esperava, sumiu com a amiga.

Minha curiosidade era infernal.

O que essas duas estavam aprontando?

Resolvi deixar de lado tudo que minha mente atordoada quisesse pensar em relação à Ella e prosseguir degustando um saboroso Domain, especialmente aberto para nós. Era um Cote De Beaune muito saboroso e de excelentíssimo bom gosto.

Mais de uma hora depois percebi após algumas conversas e distrações que a filha dos anfitriões já estava de volta, mas Ella ainda não havia voltado. Foi o estopim para que eu me intrigasse novamente, mas para que eu mantivesse minha mente no lugar, fui até a cozinha e busquei água com uma das empregadas e fui em direção ao banheiro, que na verdade eu não sabia aonde era. Era tudo perfeitamente grande em um estilo um tanto oriental contemporâneo com bastantes tons pastéis, vermelhos, azuis.

Quando reparei estava ao fim do corredor do lado de dentro e nada do banheiro. No momento que ia dando a volta para retornar para me informar ouvi um barulho.

– Desculpe, não quis andar por ai mas não achei aonde poderia ser o...

Assim que terminei de empurrar uma porta corrida que já estava entreaberta, me assustei.

– Ella...




Continua...


Notas Finais


O que acharam? Espero que não tenham ficado entediados e desistam de mim.

Aqui tenho alguns detalhes que gostaria de esclarecer: Algums Links para vocês acompanharem também e terem referência.
Costume: é uma peça de roupa aonde terno e calça social são um conjunto. Ou seja, cor e tecidos iguais. Roipa do Jared. https://www.google.com.br/search?client=ms-android-samsung&tbm=isch&q=vestimenta+costume+wm+cinza&spell=1&sa=X&ved=0ahUKEwi8rqnW5-vWAhUFEJAKHdZWCx4QvwUILSgA&biw=360&bih=560&dpr=1.5#imgrc=xEtC1sw0wMqLYM:
Hublot: é a marca de um relógio, que aliás é bem cara. Nosso Jared tem poder. https://www.google.com.br/search?q=hublot&client=ms-android-samsung&prmd=sinv&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjR1ZCo5-vWAhXCjZAKHaG6A5sQ_AUIEygC&biw=360&bih=560#imgrc=PybMPnJYQjXCdM:
Chrysler é uma marca de carro importada. Quem me conhece sabe que eu amo carros e motos. 300C é ótimo. https://www.google.com.br/search?q=chrysler+300c&client=ms-android-samsung&prmd=isvn&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjttOry5uvWAhWHjZAKHRdrAj0Q_AUIEigB&biw=360&bih=560#imgrc=mGTT4rxxkktkvM:
Stainways&Sons é uma marca renomada de pianos. Deixo a critério de vocês e a sua imaginação..


Links de outras histórias minhas:

Submeta-se - (Original/ Lobos).
https://spiritfanfics.com/historia/submeta-se-9330146

Beijo Escarlate - (Diabolik Lovers).
https://spiritfanfics.com/historia/beijo-escarlate-9310195

I Am A House On Fire - (Joker e Harley/ Alternativo)
https://spiritfanfics.com/historia/i-am-a-house-on-fire-8405791

To Aways Forgive Me - (Harley e Joker)
https://spiritfanfics.com/historia/to-aways-forgive-me-7580096

I'm Hot For You In Every Way - (Bruce e Harley)
https://spiritfanfics.com/historia/im-hot-for-you-in-every-way-7824078


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...