1. Spirit Fanfics >
  2. Como uma folha de outono - Yoonmin >
  3. As últimas folhas do outono - único

História Como uma folha de outono - Yoonmin - Capítulo 1


Escrita por: Lysss_

Notas do Autor


Olá, jovens mancebos!
Eu estava tentando escrever algumas coisas dai resolvi escrever sobre: um amor mal resolvido. E aqui está, esta Yoonmin um pouco triste, mas muito significativa para mim. Esta estória carrega uma mensagem e um sentimento que eu mesmo sinto, de ser uma folha de outono caindo. Vão entender quando lerem 💙🧡
Boa leitura 💛✨

Capítulo 1 - As últimas folhas do outono - único


Fanfic / Fanfiction Como uma folha de outono - Yoonmin - Capítulo 1 - As últimas folhas do outono - único

Não sei amar pela metade. Não sei viver de mentira. Não sei voar de pés no chão. Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma para sempre.” – Clarice Lispector.

 

 

 

 

Seul parecia mais triste e vazia do que nunca. As últimas folhas do outono que caíam mortas no chão pareciam estar felizes por se juntarem às suas outras milhares companheiras que tiveram o mesmo fim. Elas voam pela cidade, quase despercebidas, até que uma criança se aventura em cima de um monte delas e elas se espalham pelo chão tomando rumos desconhecidos.

Enquanto estão vivas, estão presas na sua árvore mãe, mantendo-se vivas durante 3 estações inteiras. Então chega o bendito outono, e elas caem e deixam seu conforto de casa para vagarem pelo mundo, sem muita importância para nada nem ninguém.

Eu me sinto uma folha de outono despencando. Vagando sem rumo pelo mundo, dependente do vento para me guiar. Depois de 3 estações, sofrendo com o frio intenso, com o sol me queimando, até chegar a brisa suave e cheia de vida da primavera, finalmente chego ao meu destino final: despencar daquilo que achei que era um tormento para vagar sem sentido pelo mundo dando lugar para outras novas folhas nascerem.

O mais doloroso disso é saber que não aproveitei a minha primavera. Odeio primaveras. São gloriosas e nos deixam encantados com sua beleza, fazem que queiramos ficar para sempre naquele instante, mas então o verão chega e nós secamos por dentro e por fora. Mas a verdade é que eu preciso de apenas mais um dia de primavera, só mais um. Um dia que eu possa aproveitar como não fiz quando tive a oportunidade.

Queria mais um dia para me despedir sem tristeza, mais um dia para olhar nos olhos da minha primavera e abraça-la e dizer o quanto o amo...

Fecho meus olhos, na tentativa de evitar mais pensamentos parecidos. Eu sou como uma folha de outono despencando, estou prestes a despencar para sempre, me tornar companhia do vento.

Quando enfim volto a abrir meus olhos, vejo a fumaça de ar que se forma conforme minha respiração. À frente, miro nas pernas cobertas por um sofisticado tecido social.

- Pensei que nunca mais o veria na minha vida.

- É sempre bom rever os amigos. Como está, Jimin?

Ele se senta ao meu lado no banco velho que já viveu milhares de reencontros, mas esse em especial não é um reencontro comum.

- Estou bem, e você? – sua voz me fez sentir uma enorme nostalgia dos lindos momentos de primavera.

- Eu poderia fingir e dizer que estou bem, mas você me conhece. No entanto, não estou triste, essa fase já passou.

- Entendo. – Jimin esconde suas mãos no casaco grosso por causa do frio. – Aceita tomar um café com um... velho amigo?

- Jimin... nós...

- Yoongi, para com isso. Eu não estou aqui para brigarmos. Na verdade demorei muito para me recuperar de tudo que aconteceu e quero te entender.

- Não. Você entendeu, porque eu já fui claro até demais. Vir aqui em busca de algo que já está cicatrizado é uma perda de tempo.

Ele não disse nada por muito tempo. Não conseguia encará-lo, porque certamente cairia no fundo de um poço escuro e vazio, nem chorar conseguiria e isso se tornaria mais angustiante ainda. As cicatrizes do passado já não doem tanto, mas a lembrança dos momentos bons continuam ali para me lembrar do que precisei abdicar.

- Eu te peço uma última chance, Yoongi. Se você sente um pingo de ressentimento, saudade e amor pelo que vivemos, conversa comigo. Me explica. Olha nos meus olhos, por favor...

Seu tom calmamente suplicante me destrói por completo. Engulo em seco e respiro fundo.

- Tudo bem – me levanto sem encará-lo.

Andamos em silêncio pelo parque na pequena estrada em direção a saída. Ouço apenas nossos passos enquanto meu coração parece querer sair do peito. Tantas coisas aconteceram, tantos sentimentos que precisei empurrar para o fundo do meu coração e tudo parece querer se destruir agora.

- Vamos entrar – ele diz abrindo a porte da cafeteria.

O ambiente era silencioso, não havia mais que dez pessoas no lugar. Depois que fizemos o pedido, Jimin voltou a falar:

- Como você esteve nos últimos anos? Eu descobri que você havia voltado para Seul através do Jungkook...

- Vocês ficaram juntos? Depois que tudo acabou. – perguntei receoso, com medo da resposta que sempre me pareceu tão clara.

- Não, Yoongi. Eu nunca conseguiria ficar com ele, você sabe disso. – assenti rapidamente. Pode ser egoísmo, mas estou feliz por dentro. – Já que não quer falar sobre você, eu falo sobre mim. – ele retoma quando nossos cafés finalmente chegam. Como sempre, ele escolheu seu café gelado, enquanto eu sempre amei o clássico capuccino com chantilly – Eu consegui a vaga que sempre quis na universidade e agora sou professor de design e estou terminando meu doutorado... Também mudei de casa, num condomínio perto daqui.

- Jimin – finalmente olho nos seus olhos. Eles estão tão brilhantes como quando nos conhecemos. Passam um certo arrependimento, mas em sua boca há um sorriso suave e quase perceptível – não faz assim. Não torna tudo mais dificil... – meus olhos se encheram de lágrimas instantaneamente. Não conseguia segurar, vê-lo tão perto, mas tão longe. Tanto tempo que esperei revê-lo e acertar as coisas, me livrar desses demônios que me consome. Agora estou aqui, fraco e chorando na sua frente. Jimin veio até mim sem cerimônia e me puxou para um abraço forte. Ele respirava tão descompassadamente quanto eu, mas me senti em casa finalmente, como se meu lar sempre será o mais próximo do seu coração.

- Vamos para a minha casa – disse por fim.

Eu o segui sem protestos, talvez por estar necessitando de sua presença ou porque realmente não tenho outro lugar para ir. Ele me levou até seu carro seguimos por algumas ruas até entrar em um condomínio com casas muito parecidas de tamanho médio. Assim como toda Seul, a grama do quintal das casas estavam cheias de folhas que seguiam o vento fielmente. Paramos na garagem de sua casa e ele me levou até dentro. O lugar era bem espaçoso e tinha muito do seu estilo mais sofisticado com vasos decorativos e quadros muito bem-posicionados. As paredes com uma cor azul acinzentado deixavam a casa triste e séria, no entanto os móveis compensavam com modernidade.

- Esse lugar é a sua cara mesmo – disse me sentando timidamente no sofá tão macio que poderia morar aqui.

Tirando seu casaco e sentando-se ao meu lado, Jimin me encarou com aquele seus belos olhos cristais, encostou as mãos pequenas no meu rosto quente e disse:

- Você não tem ideia de quanta saudade eu senti de nós.

De tantas palavras que ele poderia usar, ele parece tê-las escondido porque sabia que me faria despencar completamente. Meu coração parecia querer sair do meu peito e fugir para bem longe dele, mas meu corpo parece ter sentido o peso de suas palavras.

Quando eu fui embora anos atrás, para deixar o caminho livre para Jungkook, não pensei que me custaria tantos anos até que eu pudesse superar o erro que eu mesmo cometi. Jimin poderia ser feliz com ele, poderia viver sem brigas, sem dificuldades financeiras, mas eu sei, e ele também, que somos a primavera um do outro. No fundo não importa o quanto discutíamos, o mais importante era que sempre nos perdoávamos e não cometíamos o mesmo erro de novo. Minha insegurança falou mais alto, sabendo que não poderia ser o namorado que Jimin merecia. Mas agora eu sei que nada disso importa de verdade. Nós éramos felizes, e, assim como quando nos conhecemos, sinto o mesmo frio na barriga e uma vontade enorme de sentir seus lábios.

E nós nos beijamos, não o suficiente para matar a saudade, mas não importa mais. Eu não me sinto mais caindo. Aquela manhã nublada e fria, tão propicia para a tristeza se instalar, ou talvez uma despedida adequada, na verdade se tornou mais propicia para uma reconciliação, um abraço apertado, um beijo quente e cheio de saudade.

Eu era como uma folha de outono caindo, mas escolhi me tornar uma árvore completa, uma árvore que, por mais que mude suas estações, está sempre ali, viva e fincando cada vez mais suas raízes na terra. Meu lar é e sempre será a minha primavera e, mesmo que dure três estações para revê-la, eu estarei ali, firme e me fortalecendo. Talvez seja esse o segredo. Encontre sua primavera, aquilo que te faz ansiar e não te desanima por mais que mil invernos sem calor e secos se passem ou mil outonos mortos e deprimentes. E te faça deixar de ser uma pequena folha de outono sem vida caindo para seguir o vento e se torne uma árvore robusta e cheia de folhas que vem e vão.


Notas Finais


Espero que tenham gostado! Comentem o que acharam, por favor e favoritem ai pra eu saber se gostaram 💛
Então, vocês se sentem como uma folha de outono caindo?...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...