1. Spirit Fanfics >
  2. Como Você Explica Esse Rolê? >
  3. Entre saudades e paixão ardente

História Como Você Explica Esse Rolê? - Capítulo 1


Escrita por: Blink_Haruno

Notas do Autor


Olá, minhas cerejeiras tudo bem com vocês? Espero que sim, bom eu vim trazer essa história que eu já estava preparando a muito tempo e quero muito que vocês gostem 💕

Capa maravilhosa: @Dyamoon (@Sunivers)

Capítulo 1 - Entre saudades e paixão ardente


Aquela manhã de sexta feira soava tranquila, poucos carros passando pelas ruas, as lojas com os movimentos razoáveis, enfim, tudo nos conformes. Entretanto, Mark se sentia frustrado pois queria sair com seus amigos e se divertir ou melhor, o que o Tuan quer mesmo é se encontrar com seu chinês, o que na visão dele, é o cara mais lindo e gostoso que já conheceu. Para ele, o Wang é mil e uma utilidades. 

O Tuan precisava dar um jeito para conseguir sair sem o pai dele o tentar segui-lo, isso porque o Tuan mais velho era muito rígido principalmente quando o assunto é seu filho. Não que Jackson seja do estilo vagabundo ou sem valor, a implicância de seu pai era mais por o chinês ter um jeito mais bad boy e por ser grafiteiro. O Wang nunca negou ter sentimentos pelo mais novo, para provar isso, o mesmo sempre que passava na loja de floricultura, dava um desenho do rosto de Mark.

Tirando seus amigos, a única pessoa que sabia do "namoro" deles era sua mãe. A mais velha sempre apoiou Mark com Jackson, pois ela sabe que o chinês é um bom rapaz e que nunca ia fazer algo para machucá-lo. A senhora Tuan só teme com a reação de seu marido quando descobrir, entretanto, que se seu filho está feliz ela também fica.

— Mark meu filho, está tudo bem? — questiona sua mãe segurando um buquê que encomendaram — estou te chamando faz uns cinco minutos.

— Desculpa mãe, é que estou no tédio imenso — diz o Tuan colocando seus cotovelos no balcão para se apoiar.

— Isso é tédio mesmo ou tem outro nome? — A mais velha perguntou arqueando a sobrancelha.

Mark não conseguia nem esconder que estava com saudades do seu chinês, e sua mãe sabia muito bem disso.

— Ah, está bem. Quero meu Jack aqui — respondeu o rapaz com a voz manhosa fazendo sua mãe rir, adorando o jeito fofo do filho.

— Isso só vai acontecer quando seu pai deixar você namorar — fala a mais velha lembrando desse detalhe.

— Aff, mas papai nunca vai apoiar isso. Sabe como ele é rígido — Disse Mark abaixando a cabeça, sua mãe vai em sua direção e segura seu queixo.

— Mark, sabe que não pode ficar escondendo isso pelo resto da vida — asseverou sua mãe e continuou —, eu apoio muito a relação de vocês, só que, vai chegar uma hora que vocês terão que dizer que estão juntos.

O Tuan sabia que sua progenitora estava certa, porém, Mark também tem medo da reação de seu pai quando for descobrir sobre o acontecimento. O garoto dos cabelos castanhos ama muito seu velho, mas às vezes a proteção exagerada acaba atrapalhando a vida dele. 

— Mãe, vamos voltar a trabalhar. Depois a gente volta no assunto — Falou o Tuan sorrindo, assim ambos voltaram a trabalhar tranquilamente. 

Ambos voltaram a trabalhar normalmente aquela manhã, mas Mark ainda continuava nas nuvens. Começou a arrumar alguns buquês para levar as casas que encomendaram, mas havia um com nome nada comum por ser coreano, quer dizer, uma sigla o chamou atenção do norte americano. O arranjo encomendado era de flores delicadas, nada como rosas ou tulipas, são flores que na qual o rapaz ama.

Elas possuíam detalhes brancos e rosa claro, do jeitinho mais fofo e delicado possível. A sigla assinada era WJ, e o endereço fica próximo a casa do chinês mas para Mark poderia ser coincidência, porém resolveu perguntar a sua mãe para ter certeza.

— Mãe — chamou o Tuan — quem encomendou essas flores? Alguém novo da cidade?

— Deve ser meu filho — diz a mais velha — leva já elas pois preciso terminar outros arranjos, assim adianto tudo para levar à tarde — disse a senhora Tuan arrumando os outros buquês.

Mark, sem questionar novamente, fez o que sua mãe pediu. Saiu do estabelecimento e foi caminhando nas ruas de Seul indo ao endereço. Enquanto andava nas calçadas, o norte americano pensava em uma maneira de se encontrar com Jackson pois estava morrendo de saudades dele já que havia mais de duas semanas que não se viam e motivo é uma pessoa: o Senhor Tuan.

O mais velho sempre se gabava para as pessoas o quanto era inocente e que nunca seu filho ia se envolver com um "marginal", essa era palavra que ele se referia ao chinês . O que ele não sabia era que Mark aprendeu pelo menos duas coisas: o que Jackson faz não é vandalismo ou pichação como seu pai diz e sim um protesto em forma de arte e que sua primeira noite de sexo foi com o Wang. Não que isso fosse algo errado ou um crime, mas para o senhor Tuan, seria um cúmulo.

Quando Mark volta para a realidade, começa a chegar no endereço da encomenda, ele olha para as casas para tentar achar o número da residência até que sentiu alguém o abraçando por trás, na hora tomou um susto deixando as flores cair no chão, entretanto reconheceu o dono do perfume amadeirado.

— Amor! — exalta Mark e se vira para abraçar o chinês — que susto, quer me matar do coração? 

— Claro que não, só fiquei com saudades — diz Jackson beijando a bochecha do Tuan e abraçando a cintura do mesmo — mas e aí? Você está bem? Alguém te incomodou?  

— Não meu amor, ninguém me incomodou, estou bem e morrendo de saudades — diz o Tuan distribuindo vários beijos no rosto do Wang.

A cada beijo depositado no rosto do Wang, era uma risada gostosa que Mark escutava, logo os selinhos se tornaram algo intenso. Jackson olhou fixamente para a íris escura do Tuan e desceu seu olhar até a boca rosinha e pequena do mais novo e sem aviso, atacou os lábios do mesmo. Ambos não aguentavam tanta saudade que sentiam, a forma de mostrar esse sentimento era o beijo. O ósculo era calmo e demorado, mas o mais novo não tardou em colocar seus braços envolta do pescoço alheio do chinês para sentir mais daquela intensidade. O mais velho não ficava para trás, a cada chupada na língua, era um aperto mais forte na cintura fina do outro.

Naquele momento não estavam se importando se estava na rua para todo mundo ver, só queriam aproveitar aquilo sozinhos, só os dois. O beijo começou a esquentar um pouco, até que param o ósculo para respirar. Sorriram um para o outro e se abraçaram novamente, Jackson encostou seu nariz no pescoço de Mark e cheira a região fazendo o Tuan se arrepiar. O mesmo nem imagina da tamanha saudade que o chinês estava daquele perfume.

— Mark, quero te fazer um convite — diz o chinês pegando as mãos do garoto a sua frente — ,que tal a gente fazer um cinema? 

— Fazer um cinema? Tipo, literalmente criar um? — indaga Mark arqueando a sobrancelha desconfiado — Jackson, o que você está tramando? 

— Nada gatinho, só quero fazer algo diferente para nós dois — diz Jackson beijando as costas das mãos do Tuan que ficou sem graça — mas e aí? Topa? 

— Está bem, eu topo — fala Mark dando um beijo na bochecha do chinês — que horas e onde te encontro?

— Pode ser às 20:00, minha moto vai estar estacionado na esquina da sua casa, não quero que seu pai fique empatando a gente — disse Jackson fazendo bico, Mark achava fofo.

 — Tá bom então, até mais tarde — fala Mark dando um selinho no Wang, mas antes de ir embora, ele questiona — espera, foi você que encomendou as flores? 

— Bem, seu pai tomou seu celular então foi o único jeito que achei para te ver — diz Jackson roubando um selinho e saindo deixando Mark bobinho.

____________________________________

Já estava quase no horário que Mark marcou para se encontrar com o Wang, claro depois de muita insistência. Isso porque seu pai ficou desconfiado da vontade do Tuan de querer sair, assim repentinamente. Lógico que ele teve ajuda de sua mãe e de seus dois amigos, BamBam e Jin, ambos inventaram que era aniversário de um amigo comum deles, e que vão comemorar em uma pizzaria que tinha ali perto. 

Os três amigos saíram da casa de Mark, e foram caminhando alguns metros jogando conversa fora.

— Mas e aí Mark, está ansioso para o cinema improvisado? — indaga BamBam cutucando o amigo.

— Estou, e não vou negar, eu também quero mais que assistir um filme — diz Mark com sorriso malicioso e começa a rir.

— Ué, cadê o Mark tô certinho? — questiona Jin tirando sarro do amigo.

A conversa dos amigos era contagiante, a cada qualidade que Mark falava do chinês os amigos acabavam zoando dele, mas sempre o apoiaram um ao outro independente da situação. Durante o caminho viram Jackson encostado na moto estacionada junto a Yugyeom na outra. Saíram da conversa ao avistar os garotos, ambos sorriram a eles.

— Jackson, cadê o Namjoon? Você não falou que ele ia tá aqui? — pergunta Jin intrigado, pois o Wang afirmou que o Kim estaria ali.

— Ele pediu pra avisar que foi resolver um imprevisto, mas pra esperar ele no centro com a Moonbyul — fala Jackson a Jin, enquanto abraça o Tuan.

— Vou matar o Namjoon, a sorte dele que já estou perto do centro, senão ele seria um homem morto — diz Jin irritado, o que fez os presentes rirem com sua fala — bem, vou indo, não quero ser a vela de vocês não.

Jin se despede dos amigos e sai indo de encontro com Moonbyul. Enquanto isso, Jackson e Mark trocaram alguns beijos intensos, envolvendo suspiros, arfares e mão boba vinda do chinês. Só pararam quando sentiu um pigarro do Yugyeom para chamar atenção do casal.

— A gente tá aqui ainda, calma aí — diz Yugyeom ao casal e Mark fica constrangido, tinha esquecido deles — aqui Jackson, a chave do porão se você perder, se considere morto.

— Relaxa, não vou perder. Amanhã mesmo eu vou devolver — diz o Wang subindo na moto dando o capacete ao Mark e o mesmo sobe também — e vocês dois? Não vão dar um rolê? 

— A gente vai ficar aqui um pouco, depois nós saímos — diz o Kim abraçando a cintura do tailandês que depositava selos na bochecha do mais alto.

Jackson então deu a partida na moto e saíram dali até o local. A brisa que o vento trazia, tinha uma sensação boa, Mark adorava o clima frio e calor ao mesmo tempo. O rapaz de pele alva, abraçava as costas do Wang, para ele o chinês foi uma das melhores coisas que tem em sua vida e não se arrepende de ter se envolvido com ele, mesmo seu pai não apoiando esse relacionamento. 

Mark lembra da primeira vez que se conheceram, foi numa roda amigos mesmo. Era aniversário do Namjoon, o mesmo havia convidado os amigos próximos e foram em uma balada para comemorar. Jackson na época era intercambista, mas dominava muito bem o coreano e o inglês. E durante a festa, ambos trocaram olhares profundos, logo o chinês acabou tendo interesse pelo rapaz.

Com o passar do tempo, foram ficando até que decidiram engatar um romance, entretanto, ainda tinha o pai do Tuan, que sempre tacha Jackson como "má influência" ao filho, mesmo assim não quiseram desistir. Mark sempre acreditou que seu pai vai aceitar o seu relacionamento e poderá escutar o que chinês tem para dizer. O mais velho é teimoso demais para ouvir outras pessoas.

Depois de um caminho de 20 minutos, chegaram ao destino. O porão que Yugyeom falava, era de uma oficina meio velha onde o mesmo usava para as aulas de dança com o namorado. Jackson estacionou a moto com cuidado e desligou com a chave e esperou Mark descer para logo seguida ser ele. Adentraram pela porta do fundo do estabelecimento e o Wang tranca a mesma para ninguém aparecer de surpresa e acende a luz revelando um cinema montado por ele.

O cinema improvisado era algo um tanto rústico, mas Jackson se esforçou para deixar romântico. O mesmo pegou um telão que tinha na sua casa que sua mãe usava para dar aula, pois a mesma era professora. Cobriu a tela com um pano da cor vinho e fez mesmo no chão, e para as cadeiras, o Wang colocou várias almofadas pretas e as deixou entre o tecido.

Nas paredes tinha alguns piscas-piscas e enfeites para soar mais charmoso. Mark olhava tudo aquilo como uma verdadeira obra de arte. 

— E aí? O que achou? — pergunta Jackson coçando a nuca de nervosismo.

— Simplesmente — Mark deu uma pausa para continuar — encantador. Você fez tudo isso sozinho? 

— Tive uma ajuda extra, entretanto, fico feliz que tenha gostado — diz o Wang pegando na mão do Mark para se sentar nas almofadas — tira o tênis e fica com as meias, vai ser mais confortável.

Mark fez o que o chinês pediu e deixou seu tênis em canto do porão. Jackson foi até o outro lado e o rapaz de pele alva viu um microondas e o Wang colocando algo dentro, provavelmente deve ser a pipoca e uma geladeira.

— De onde surgiu esse microondas e essa geladeira? — indaga Mark com um semblante divertido.

— O Yugyeom que trouxe esses, claro com ajuda, mas ele sempre fala que é útil quando ensaia com BamBam — diz Jackson trazendo consigo a pipoca e duas garrafinhas de refri e senta ao lado do namorado.

— Entendi — dita Mark se apoiando no chinês — que filme vamos assistir?

Segundas Intenções, já ouviu falar? — pergunta Jackson colocando suas mãos nas coxas do namorado e acariciando a região.

— Não, nunca assisti — diz Mark depositando sua mão em cima da mão do Wang — o que filme fala? Tipo, por que o título? 

— É uma garota que pretende ser virgem até se casar, ela acaba entrando sem querer num jogo sexual, é diabólico com seus irmãos de criação — diz Jackson simplista, mas olha para Mark e ri com sua expressão, os olhos do rapaz de pequeno estavam grandes pois a arregalou os mesmos — calma não é nada macabro, envolve romance e drama ao mesmo tempo, e esse filme foi um clássico nos anos 2000.

— Ai que susto, pensei que fosse terror — disse Mark colando a mão no peito — coloca o filme então— Jackson se levantou e foi até o projetor que tinha instalado atrás deles, colocou o filme e voltou a se sentar. 

O filme começa a passar normalmente, óbvio que logo de início não teria muita cena "exposta" ou "explícita", se podemos dizer assim. O chinês até pensou que Mark não ia curtir por conta do título, mas o norte americano estava gostando, ele realmente foi o clássico dos anos 2000, entretanto, poucas pessoas se lembram dele.

As cenas estavam rolando normalmente, até que uma delas foi mais quente. A personagem está deitada de lado e começa a abrir um dos botões da camisa em que a mesma vestia para provocar o rapaz que estava do outro lado. O personagem vai em direção a moça e beija os seios dela, e solta uns arfares.

Nesse momento, Jackson estava ao lado do Tuan, ele desceu suas mãos até as coxas do namorado e ficou acariciando e apertando ao mesmo tempo, logo Mark suspira com o toque do chinês. O Wang então, se vira e fica bem perto do pescoço branquinho do norte americano e deposita alguns beijos molhados e rapaz de pele alva solta um gemido baixinho e manhoso, o que fez o membro do mais velho despertar de uma vez.

Mark, que também estava excitado, subiu e sentou em cima do colo chinês e ambos começaram a se beijar loucamente. O ósculo obtinha luxúria, desejo e tesão, a sincronização das línguas pareciam uma dança perfeita, e ambas as bocas se encaixavam perfeitamente. O ambiente do local, cheirava a sexo. A tensão sexual entre o casal era mais profunda que qualquer outra coisa.

Jackson amava ver os lábios finos do Tuan a ficarem inchados por causa do beijo. O desejo de tê lo só para si, aumentava ainda mais.

Durante o beijo, Jackson aperta a cintura do namorado com força e logo desceu suas mãos até a bunda do mesmo e apalpou com precisão o que o Tuan gemer arrastado contra sua boca. Com o ósculo se intensificando, Mark começa a rebolar no colo do Wang bem devagar e em cima do pélvis já dura ainda coberto pelo tecido da calça. Entretanto, o chinês incentiva o garoto a ir um pouco mais rápido. As suas mãos ajudam nos movimentos. 

Ambas as bocas buscavam habilidosamente o contato a mais, pois queriam suas línguas enroscadas uma na outra em uma perfeita dança sensual e de roubar-lhe o fôlego do casal. 

Jackson então desceu sua boca até o pescoço de Mark e depositou beijos molhados e chupões que com certeza estariam roxos no outro dia. Ambos só pararam para tirar a blusa e a jaqueta que o Tuan vestia. O Wang tira a vestimenta do namorado e depois a dele e volta a morder a região sensível do garoto, que a cada mordida e chupão que Jackson dava, era um gemido manhoso e melodia aos ouvidos do outro. 

 — J-Jack — chamou Mark atraindo a atenção do chinês — coloca sua boca em outro lugar? Hum…?— diz o Tuan mordendo o lóbulo da orelha do Wang que esse suspirou pelo contato.

— A onde meu gatinho quer que eu coloque a boca? — indagou Jackson com a voz sensual e rouca, fazendo uma pergunta retórica enquanto Mark só puxava os fios escuros do Wang — vai responder, você quer aqui? — indagou o chinês que desceu a boca até em um dos mamilos do namorado e começou a chupa-los.

Mark gemeu alto com o contato, Jackson era realmente incrível no que faz. O chinês chupava e beijava intensamente aquela região, fazendo o Tuan soltar gemidos manhosos e satisfatórios aos ouvidos do outro. O mesmo fez com o mamilo direito, nesse momento, o mais novo puxava um pouco mais forte os cabelos do chinês, pois o mesmo queria sentir mais a língua quente do namorado em seu corpo magro e esguio. Aos olhos do garoto de rosto angelical, o Wang era fodidamente gostoso e que se pudesse, passaria horas e mais horas admirando o belo corpo atlético que ele tinha, pois só com a visão ficaria satisfeito.

Os dígitos do mais novo, foram descendo até chegar no membro do chinês — que já estava duro a um tempo — e o mesmo apertou com força por cima da calça. Mark adorava provocar Jackson, e sabia muito bem como deixar o Wang mais atiçado.

— Percebi que está duro Jack — disse Mark sussurrando o nome do amado perto dos lábios do mesmo — quer que eu resolva seu problema? 

— Quero muito — diz o chinês com a voz rouca, e Mark sorri de lado com a resposta — mostra o que você sabe gatinho.

Mark sorriu lascivo, desceu do colo do namorado e desabotoou a calça que o mesmo usava e começou a brincar com a barra da cueca box que o chinês usava no momento. Dedilhou o caminho até tirar de vez as duas peças de roupa, e sem perder tempo, o Tuan abocanha a pélvis do Wang.

O garoto lambia a cabecinha do membro e logo chupava com vontade. O outro, sabia muito bem que Mark era bom no que faz quando o assunto é sexo. Soltando alguns arfares, o moreno com suas mãos grandes, agarrou nos fios escuros do norte americano para ajudar nos movimentos durante a sucção. A cada lambida e chupada que o namorado fazia, era um gemido grave e um rosnado que escapava entre os lábios delineados do mais velho. As provocações que o rapaz fazia, estavam o deixando fora de si e a temperatura daquele porão subia a cada minuto. 

Enquanto fazia o boquete no pau do chinês, Mark olhava para cima a cada expressão que Jackson fazia. A boca ele chupava e a mão masturbava o que não coube, o moreno estava quase indo ao delírio. As sucções que o garoto fazia na glande, era algo mais erótico que o mais velho já viu em sua vida. 

— Chega amor, eu não aguento mais — diz Jackson puxando Mark para ficar por baixo de si — provocação demais para um "ingênuo e inocente" não acha? Isso tudo era saudade de me ter dentro? 

— Digamos que sim, afinal ficamos duas semanas sem se ver — diz Mark levantando um pouco o tronco para chegar perto do pé do ouvido do moreno — você disse que também estava com saudades, então mostra o quanto sentia me falta, Amor… — na última palavra, o Tuan sussurrou o que fez o Wang rosna baixo.

— Vou mostrar o quanto eu estava com saudades, delícia... — dito isso, ambos tiraram suas roupas que, naquela ocasião, se tornaram inúteis.

Quando já não se tinha uma peça atrapalhando, Jackson pega uma camisinha e coloca em seu membro, enquanto Mark já encontrava com as pernas abertas, logo, antes de encaixar entre elas, o chinês questiona.

— Tem certeza que você não quer ser preparado? Não quero te machucar — indaga Jackson dando selos entre vão do pescoço branquinho do namorado.

— Você não vai me machucar amor — diz o Tuan puxando Jackson para ficar entre suas pernas, onde permaneceu as mesmas no quadril do outro — me fode amor, me fala que sou seu, que é a mim que quer e que é a mim que deseja toda vez que me vê. Me faça sentir o homem mais desejado, o mais amado e o mais extraordinário.

Com aquela declaração, o moreno não pensou duas vezes. Jackson encaixou sua glande na entrada rosada do amado devagar para não machucá-lo. Mark gemeu alto de dor, já que fazia tempo que não sentia assim, entretanto, ouvir o Wang gemer rouco, colocando seu rosto no vão do pescoço e sussurrando dizendo o quanto é perfeito e gostoso demais para ficar só olhando, fazia qualquer dor valer a pena. 

Agarrando as costas do Wang, Mark arranha lentamente e beija os lábios do moreno como se fosse um aviso para "avançar o sinal". Aos poucos, o chinês penetrava fundo e forte do jeito que o namorado gosta. A sensação de ter o pênis do mais velho dentro de si, era um suspiro satisfeito que o americano precisava. As estocadas, no entanto, ficaram mais rápidas, mais fundas e mais violentas, pois nem um dos dois conseguiam controlar os próprios instintos que ainda tinham. O garoto de pele alva, suplicava ao pé do ouvido do outro a ir fundo e o implorava para que o fodesse com força e óbvio que que o mais velho não iria negar o pedido do amado, era louco por ele e iria atender a súplica ainda pedindo daquela maneira.

Jackson então se vira e faz Mark sentar em seu colo. Com as mãos apoiadas nas nádegas do namorado, o moreno impulsionava os movimentos fazendo o mais novo cavalgar em uma intensidade gostosa e deliciosa, tendo como resposta uma bagunça de gemidos, arranhões entre o pescoço e palavras desconexas que o americano falava. Ver o amado tão absorto e tão entregue a si, deixava o chinês com mais vontade de fode-lo, e o melhor de tudo é saber que é responsável pela insanidade do Tuan, que só o mais velho conhecia.

— J-Jack … Porra! — Sublinhou o americano gemendo um pouco alto e cravando as unhas no abdômen do moreno, sentindo o corpo todo uma sensação deliciosa de desejo e prazer, e sentindo a glande inchada surrando com brutalidade. Uma… Duas … Três estocadas indo fundo na região sensível, com essa intensidade, Mark vai acabar se desmanchando no corpo de Jackson.

O ambiente já era erótico demais, o calor de seus corpos eram intensos. A mente de ambos estava nublado e os impediu de segurar os gemidos altos e manhosos, e não faltava muita coisa para caírem em inconsciência, entretanto, não querem parar de sentir a alucinante aventura e desejo que sentem um pelo outro. Suas pernas já estavam formigando e exauridas de força para se manter naquele sobe e desce frenético, logo, o moreno percebeu que o outro já se encontrava cansado fez diferente.

Colocou os braços para trás se apoiando nos travesseiros, Jackson jogava com tudo na entrada do mais novo. Mark gemeu mais alto, a cada estocada funda, ele revirava os olhos com tanto tesão e desejo que tinha. Puxando os cabelos do americano, o Wang o beijou com volúpia, os movimentos foram desacelerando. O chinês então apertou firme a bunda do namorado e desferiu um tapa o fazendo o mesmo gemer entre sua boca. 

Deitou o mais novo entre os travesseiros, e puxou uma das pernas do mesmo para ficarem em seu quadril. Ainda o beijando, Jackson volta com os movimentos rápidos e com certa brutalidade que Mark adora sentir. O Wang sorriu ladino, maldito sorriso desenhado altamente sacana e cafajeste, provocando o companheiro indo e voltando. 

— A-amor, me fode… isso a-ah — Mark estava alucinado, só sabia gemer e pedindo a para fodê-lo mais forte.

— A-ah Mark, você realmente é uma perdição em pessoa puta que pariu a-ah — diz o moreno com ainda as estocadas fortes e gostosas. Com palavras dele, o companheiro sorri, ele gosta quando o namorado o elogia e enaltece de várias formas. 

— Você é muito gostoso Jack, a-ah caralho — diz Mark levantando o tronco para puxar os cabelos do chinês e lamber os lábios do mesmo, que sorriu cretino com ato do outro.

— Eu sei amor — riu Jackson , gemendo quando sentiu a entrada do mais novo se contrair. 

— C-como você é convencido a-ah cacete— diz Mark indo a loucura com pau do namorado indo e voltando. 

— E você gosta né gatinho? — fala o moreno puxando os fios escuros do outro e sorrindo ladino — gosta quando eu te fodo e te fazer delirar não é? — diz Jackson desferindo outro tapa na bunda do namorado que gemeu manhoso.

Mark iria rebater, mas preferiu beijar o Wang para abafar os gemidos e revirar os olhos a cada solavanco que recebia em sua entrada. Seu corpo magro sentiu espasmos do orgasmo; suas pernas amoleceram, o coração palpitava mais rápido, a respiração ficava mais ofegante do que o normal e o baixo ventre se repuxar, fazendo-o agarrar agarrar-se e arranhar os braços do moreno. 

 — A-amor eu vou … a-ah cacete, vai mais rápido, i-isso — Mark já sentia que ia gozar, a súplica fez o chinês acelerar os movimentos.

P-porra Mark … e-eu também vou a-ah — A cada estocada forte, ambos sentiam que ia gozar, então Jackson acelerou mais rápido possível.

 Os solavancos arrancavam os gemidos manhosos e altos do americano. Para abafar o som, Jackson beijou Mark e esse agarrou firme em seu cabelo. As súplicas foram aumentando, e o moreno acertava mais a próstata do companheiro, aquilo foi o suficiente para o casal se desfazer um do outro. O chinês abraçou o corpo amolecido do americano que iniciou um ósculo, mas dessa vez era calmo e apaixonado, terminam com selinhos e o Wang cai do lado do namorado exausto e suado.

Ficaram em silêncio por alguns minutos, até Mark se aconchegar no peito do chinês onde mesmo fazia um cafuné em seus cabelos. 

— A gente precisava disso — diz Jackson olhando para o teto sem parar de acariciar os fios escuros do outro.

— Literalmente — Mark ri e dá um selo no pescoço do chinês — espero que o Yugyeom não se importe da gente feito isso aqui — fala o americano brincando com os dedos em cima do outro.

Riram com fala do americano, e permaneceram assim por um tempo, trocando juras de amor e tudo mais, a saudades que sentiam do outro era maior, mas de estarem juntos, trazia uma sensação de alívio. O silêncio reinava até o celular de Mark tocar, o mesmo colocou a cueca box e foi ver quem era, e logo fez uma cara não muito boa e Jackson já sabia de quem se tratava.

— Como você explica esse rolê? — pergunta Jackson se colocando atrás do americano beijando suas costas.

— Sou treinado na arte da enganação bebê — diz Mark sorrindo e se virando, pegando o aparelho e atendendo seu pai — oi pai, por que o senhor está ligando? 

Já está tarde, quero você em casa agora Mark Tuan — O Tuan mais velho não espera a resposta do filho e desliga o telefone, o mesmo ficou indignado mas preferiu não rebater.  

— E aí? Quer ir embora agora? — questiona o mais velho pronto para se levantar até sentir uma mão o parar.

— Acho que meu pai pode esperar mais um pouco, não acha? — indaga Mark se sentando no colo chinês e sorri ladino.

— Você não tem juízo mesmo, mas eu gosto disso — fala Jackson beijando intensamente aquela boca que tanto deseja, o pai do americano que espere, pois a noite é uma criança e só está começando.




Notas Finais


Bye bye 😙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...