História Companion Delicious - Imagine Jungkook (BTS) - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook)
Tags Acompanhante, Jungkook, Sexy, Tmy, Você
Visualizações 354
Palavras 5.691
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Penumbra


...Mergulhamos na entrega do nosso melhor, o suor é inevitável e revigorante, o entrelaçar dos corpos é intenso profundo e perfeito, como se neste momento os corpos fossem apenas um em uma dança de pura harmonia e beleza.

Mordendo o lábio inferior, espiei as cortinas para o escuro estacionamento. Sem luzes de carro, sem portas se fechando. Nenhum homem. Nenhum Damien.

Deixando cair a cortina de volta no lugar, pego o copo de suco de laranja, em seguida, mudo de ideia. Se eu bebesse, ficaria com vontade de fazer xixi, e fazer xixi com um homem estranho esperando não era uma coisa boa. Não que tivesse um homem aqui esperando por mim.

Olhei para o relógio. Onze horas de sábado, dia doze no Hotel Índigo. Data certa, hora certa e lugar certo. E até agora eu estava aqui sozinha. Sem Damien. Os acompanhantes não deveriam ser pontuais? Então, novamente, em uma noite de sábado, ele pode ficar preso no trânsito. Será que ele tem seu próprio carro ou viria de táxi?

Oh Deus, e se o motorista de táxi fosse alguém que eu conhecesse? Eu quase entrei em pânico, até que me lembro que tinha apenas a luz do banheiro acesa. O brilho que vem através da porta parcialmente aberta deixava o quarto em sombras. Ninguém que visse a minha silhueta na porta saberia que era eu.

Acalmo-me, tomando um pequeno gole do suco de laranja e estudo-me mais uma vez no espelho. A penumbra do quarto faria Damien capaz de me ver, mas não muito claramente. Eu não queria que ele visse o meu corpo com as curvas excessivamente generosas, e certamente não queria que ele visse muito meu rosto, embora não me importe está parte. Mas também, Deus que me livre, ele aparecer um dia como um paciente!

Não, nos faríamos isso na penumbra. Eu que decido isso, por razões de segurança. Razões de segurança sendo que eu não ia correr o risco de ficar cara a cara com ele na enfermaria do hospital e vê-lo dizendo alegremente ― Ei, ________! Como está a sua vagina não virginal esses dias? Precisa de outra transa de novo?

Não que ele provavelmente faria, sendo um profissional e tudo, eu espero, mas não vou pagar para correr riscos. Daí eu apagaria a luz do lado de fora quando ele batesse na porta e eu desse uma boa olhada para ele através da janela, antes que apagar a luz e abrir a porta para o amante.

Amar na penumbra. Como seria romântico se fosse à luz de velas em vez da luz do banheiro.

De qualquer forma, parecia que o meu destino não queria que está noite acontecesse. Eu olho novamente para o relógio e suspiro. O tempo foi passando.

Quase deixou cair o copo quando uma campainha soou na porta. Era ele! Mãos trêmulas, lambo os lábios, aliso o vestido sobre os quadris, e caminhou até a porta. Cabeça feita, eu não iria fugir para longe agora. Espero por este momento desde sempre.

Tirando a luz, eu espio pela janela. Ele ficou com a cabeça inclinada, os dedos folheando um molho de chaves. Alto, sua jaqueta estava pendurada com negligência, sobre um ombro largo, cintura e quadris magros derramando em calças pretas. As mangas de sua camisa branca estavam enroladas até os cotovelos logo abaixo e eu podia ver o jogo de músculos em seus braços.

Ele levantou a cabeça quando a luz se acendeu, revelando seu perfil. Ligeiramente despenteados cabelos negros, mechas penduradas enfeitando sobre a testa. Um nariz, reto, bonitinho na verdade e eu vi quando ele olhou interrogativamente para a janela da frente, olhos castanhos brilhantes e uma boca que estava atraente o suficiente para ser sensual sem ser feminina. A linha da mandíbula forte.

Oh, meu Deus! Ele é lindo de morrer! Damien Choi é quente.

E ele era meu por duas horas. Nu. Sobre mim, dentro mim. Oh merda!

Eu estava tão feliz que tinha pensado em fazer tudo na penumbra. Um pedaço como este olhando para meu corpo no brilho total da luz seria uma punição definitiva.

Intrigado talvez, Damien olhou para a janela.

- Olá? – Ele deu um passo para trás e estudou a porta antes de olhar para a janela. – Este é o quarto certo. – Ele parecia perplexo.

Não admira, ele parado lá fora, enquanto eu olhava de boca aberta, ok, babando através da janela. Eu solto a cortina, desligando a luz de fora, respiro fundo e abro a porta.

- Você está no quarto certo.

- Sério? – Na escuridão, ele olhou para mim. – Você é...?

- Srta. Min.

- Srta. Min? – Ele inclinou a cabeça.

- Min Hee basta. – sorrindo, embora Deus sabe que ele provavelmente não poderia me ver corretamente na penumbra, eu estendi a mão. E senti-me imediatamente estúpida quando ele tomou lentamente e deu-me uma agitação suave. Seria mesmo isso um aperto de mãos com o homem? Não sabia que estava indo para uma transa?

- Min . – Ele estudou. – Bem...

- Por favor, entre. – Dei um passo para trás e para o lado, tentando parecer profissional, mas interiormente nervos tremendos.

Eu estava indo fazer aquilo. Eu ia realmente fazer isso!

Damien passou por mim devagar, seu passo longo e com certeza, com a cabeça inclinada para baixo ligeiramente quando olhou para mim com interesse.

Confortada por saber que ele não podia ver o meu rosto muito claramente, respirei fundo e fui imediatamente atacada com os aromas de colônia masculina e uísque.

O pobre coitado provavelmente precisava de uma bebida antes de ir para a trepada com sua próxima cliente. Necessário para obter coragem, sem saber se ele estava indo se deitar com a bela mulher. Mas seria bom para ele, que estava fazendo um favor a mim. Um favor pago. Pensei sobre isso.

Eu fecho a porta e clico a trava no lugar. Quando voltei fui interrompida por uma mão que apareceu diante do meu nariz e pousou a palma para baixo contra a porta. Embasbacada na mão, instantaneamente fico consciente do calor de um corpo duro em minhas costas.

- Então, Min Hee. – Sua respiração era quente, mexendo com os cabelos da minha nuca. – Que surpresa agradável.

Sem brincadeira. Arrepio meus braços.

- Mmmm.

Um dedo veio a correr levemente ao longo do decote do meu vestido, deixando um rastro quente, provocando meu corpo quando ele empurrou uma faixa pesada do meu cabelo de lado.

- Você não é bem o que eu esperava.

Imediatamente enrijeci. Estaria ele se referindo ao meu corpo? Não! Ele não deveria se importar.

O dedo em meu decote deslizou para baixo, tornando-se uma mão que veio descansar contra minha parte inferior das minhas costas.

- Voluptuosa. Suave. – A risada foi tingida de uísque e tão docemente quente contra minha pele, lábios firmes pressionaram um beijo contra a minha nuca. – Jimin sabia o que eu precisava.

- Jimin...? - Todo pensamento me deixou quando aqueles lábios firmes pressionaram contra meu pescoço, e uma língua lambeu habilmente através do meu pulso de repente batendo.

Meus joelhos quase dobraram, quando sua mão escorregou para espalhar-se contra uma nádega. Era possível as bochechas corando fogo? Eu tenho certeza descobri.

- Vire-se, doce. Eu quero provar a minha surpresa.

Quando isto tinha se transformado em sua surpresa? Será que os acompanhantes agiam assim? Não havia um sistema de atendimento, cumprimentos ou algo assim? Inferno se eu soubesse, inferno se eu me importasse. Damien era forte e vigoroso, e por Deus, eu gostei. Não tenho o que pensar, não tenho que fazer bonito, eu tenho que ir junto com o fluxo e me divertir.

Lentamente, virou-me para encontrá-lo o mais perto que senti. Ele estava encostado na porta com uma mão, e minha mão na parte inferior arrastou ao redor para descansar em seu abdômen enquanto me movia. Olhando para cima, estou desapontada que não pudesse ver seu rosto corretamente.

- Vamos dar uma olhadinha na deliciosa tentação que tenho aqui. – Ele murmurou, estendendo a mão para o interruptor de luz.

- Não! – Agarro seu pulso.

- Não?

- Não. – Tomei uma respiração profunda. – Minha escolha, lembra?

- Não é verdade.

- Minha regra. Sem olhar.

Seus dentes eram um flash de branco na escuridão.

- Eu ainda posso ver um pouco. Qual é o mal em deixar-me ver tudo?

Eu endureci.

- Não.

- Intrigante. Uma mulher misteriosa. – Seu riso era suave, profundo. – Eu gosto disso.

Aos poucos relaxo contra a porta, o alívio varrendo através mim.

- Eu posso ver um pouco de você, o suficiente para saber que você é bonita. – Ele se aproximou mais ainda, seu antebraço descansando contra a porta. – Então, baby. – Sua grande mão arrastou-se lentamente sobre a minha barriga. – Quaisquer outras regras que eu preciso saber?

Pensar agora não era fácil. Meus nervos estavam saltando, meu sangue começando a correr um pouco mais rápido em minhas veias. Eu sempre tinha tido uma fantasia de estar nesta situação, e para tê-lo de fato em vida... eu só espero não desmaia.

- Ou não existem regras? – A voz de Damien era rouca, seus lábios roçando minha testa.

Minha outra mão livre se fechou sobre seu amplo peito e o coração começou a bater em meu peito. Céus, ia ter um ataque cardíaco a qualquer momento!

Olhando-me na penumbra, vejo o brilho de seus olhos, os cacos marrons de sua íris pegando o pouco de luz a partir da porta do banheiro entreaberta. Um brilho perverso apareceu brevemente antes de se mudar com a cabeça mais baixa ainda, bloqueando a luz por isso tenho apenas uma sombra.

- Vamos sem regras, querida.

Terminações nervosas dispararam em todas as direções, quando uma coxa dura deslizou entre as minhas mais suaves e pressionando-me. Calma, rapaz!

- Parece que você quer dizer alguma coisa. – O uísque em seu fôlego estava filtrando através dos meus sentidos com o aroma de seu perfume e masculinidade. – Diga.

Sua coxa dura cutucou minha feminilidade através do material do meu vestido e calcinha, e eu engasgo.

- Misericórdia!

Baixa e profunda, sua risada divertida deslizou através do quarto com calor e através dos meus sentidos com a luxúria.

- Vamos ver se podemos fazer melhor que isso. – Mergulhando, ele pegou minha boca.

Lábios firmes moldaram-se aos meus, sua língua traçando a costura dos meus lábios com determinação inebriante.

Eu não posso pensar, meus pensamentos dispersaram quando sua língua deslizou dentro e varreu a minha boca para tirar o meu sabor e deixar o seu próprio. Uma grande palma jogou o meu cabelo sobre o ombro antes de mergulhar para baixo sob o decote do meu vestido para deslizar para dentro e pressionar em meu sutiã que cobria meu mamilo, esfregando sensualmente contra o meu corpo, enquanto sua coxa dura manteve uma constante empurrando em minha feminilidade indefesa, forçando-me a montar sua coxa. Sentimentos explodiram dentro de mim, um resplendor de calor abrasador que queimava por entre as minhas coxas, forçando-me a abrir mais minhas pernas, permitindo que ele pressionasse contra meu clitóris.

Temendo que meus joelhos realmente iriam dar para fora, estendo a mão e agarrou sua camisa.

- Boa ideia. – Ele sussurrou. – Vamos tirá-lo. – Mantendo uma mão nas minhas costas, ele me puxou para longe da porta enquanto desabotoava sua camisa com sua mão livre. Seu olhar deslizou para baixo do meu corpo, demorando-se em cada pedaço.

Eu engoli interiormente. Mesmo na penumbra, ele seria capaz de me ver. O vestido enrolava em volta e tinha um decote baixo, mostrando ampla vantagem dos meus seios, e deslizava em minha cintura que, felizmente, varria para dentro, mas depois a saia do vestido varria graciosamente montando as curvas generosas dos meus quadris antes de cair e escovar ao redor de meus joelhos.

Eu não tenho que se preocupar com Damien, no entanto, nesta penumbra ele seria capaz de ver o quanto sou diferente do padrão coreano. Escuro insuficiente para saber que eu não era tão magra.

Isso trabalha de duas maneiras. Havia luz suficiente para ser capaz de ver seu corpo duro, musculoso, quando ele descobriu meus olhos. A luz fraca escolheu cada ondulação rígida de seu peito, o abdômen definido, tão descaradamente exibido como a camisa que se separava, e impressionante o flexionar e inchar de seus bíceps quando ele encolheu os ombros para fora da camisa e jogou-a de lado.

- Fora é fora, docinho. – Suas palavras eram sedutoras.

Distraída olhando para seu corpo, direcionei os olhos para ele.

- O que?

Seu sorriso era outro flash de dentes brancos na escuridão.

- Minha camisa está fora, eu quero a sua parte de cima, também.

Eu ingeri. Aqui estava eu, me despindo. Com os dedos trêmulos, alcancei o empate em minha cintura, puxando o nó livre facilmente. Tudo solto penso.

- Um vestido envelope. – Choi se aproximou. – Como absolutamente sedutora você é, Min Hee. – Estendendo a mão, ele levou meus dedos inertes e puxou-me mais perto. – Parece como desembrulhar um presente. Eu gosto de presentes desembrulhados. – Sacudindo o engate aberto, manteve seu olhar fixo com o meu, enquanto o vestido escorregou solto ao redor do meu corpo.

Movendo ainda mais perto até que seu corpo estava a um mero milímetro a partir do meu, o calor dele escorreu deliciosamente dentro de mim, Damien deslizou as mãos dentro do vestido para descansar em cima dos meus quadris!

Eu quase morri em seguida, e ali, mas antes que pudesse sequer pensar em desistir de todos os planos que tenho, ele me puxou completamente contra ele, baixando a cabeça e capturando a minha boca mais uma vez.

Ele beijou-me quase sem sentido, saqueando a mesma como um homem faminto saboreando sua comida. Ele tomou minha boca, enquanto suas mãos se moviam sobre meu corpo, e eu mal senti o vestido sendo empurrado para fora dos meus ombros, a frieza da sala nas costas nuas, e de repente o sutiã rendado foi embora, os meus seios contra o seu peito, pele contra pele.

Pele nua. Pele quente para combinar com o sangue fervente que estava começando a correr em minhas veias muito mais rápido.

Lábios quentes estavam em meu pescoço, deslizando as palmas das mãos duras sobre minhas costas, para o travessão de minha cintura, deslizando sob a seda da calcinha, palmas agarraram meu traseiro, apertando os globos generosos. Ele aliviou o material sobre meus quadris e deixou-os cair para baixo em minhas pernas em torno dos meus tornozelos.

Uma palma grande em minhas nádegas pressionado o fim dela, a boca tomando-me uma e outra vez, inclinando em meus lábios para assumir o controle total do beijo, assim como ele tinha tomado o controle da situação desde que entrou na sala.

Eu não sabia se era assim que deveria acontecer com um acompanhante, mas estou feliz em apenas ir com ele. Não era como se eu tivesse muita escolha. Meus pensamentos foram espalhados, com o coração batendo forte, e o calor partilhando entre minhas coxas, para não mencionar a dor deliciosa.

Entrelaçando meus braços em volta do seu pescoço, eu o apertei mais, dando-lhe beijo por beijo, quente e amoroso.

Tudo estava quente, meu sangue, minhas mãos, minha pele, neste momento. Este tempo era meu. Eu saio dos meus altos sapatos de salto.

Virando-me, ele me empurrou para trás até as coxas atingirem o lado da cama. Mantendo meus lábios prisioneiros com os seus, ele se inclinou para baixo, até que eu finalmente me sentei na cama. Só então liberou os meus lábios, os olhos brilhando na penumbra.

― Deite-se, baby.

Se eu fosse uma heroína dos tempos vitorianos, teria desmaiado. Em vez disso, eu só poderia deslizar para trás na cama e reclinar-me contra os travesseiros, observando avidamente como Damien se endireitou, suas mãos deslizando o cinto de suas calças, os dedos hábeis desabotoando e descompactando com eficiência, empurrou as calças para baixo, pernas musculosas e fortes, tirou os sapatos e as meias ao mesmo tempo. Tirando a carteira do bolso, abriu e pegou um pequeno pacote a partir dele, e colocou o pacote na mesa de cabeceira antes de colocar de volta a carteira no bolso.

Graças à Deus ele teve o bom senso de lembrar dos preservativos. Eu trouxe um de tamanho médio em minha bolsa apenas no caso dele esquecer, como é que se mede um pênis inexistente, afinal? - Mas, obviamente, ele tinha tudo certo para a letra T. Um profissional por completo, não há dúvida sobre isso.

Quando ele se endireitou, quase engoli a língua. A luz do banheiro, não só escolheu o seu corpo, alto e forte com os planos duros, mas revelou sua ereção impressionante que curvou-se contra seu estômago.

A ereção parecia de repente enorme. Eu tinha visto o interior da vagina de uma mulher real em um museu, e que de repente pareceu muito danado de pequeno e curto em minha mente. Eu não estava tão certa de que esta ereção iria caber dentro de mim. Dei ao termo "pênis muito longo” um novo significado. Mas as mulheres em todos os lugares passavam por isso e não foram dilaceradas. Inferno, era eu uma virgem vitoriana? Virgem sim, mas não uma inocente que não tem a menor ideia sobre a anatomia humana. A mulher foi feita para o homem... era apenas... droga, ele era grande.

Meu olhar moveu-se para encontrá-lo de pé ao lado da cama olhando para mim. Não podia ver sua expressão quando ele me estudou, mas senti seu olhar como uma marca quente varrendo minhas curvas excessivamente generosas. Foi quase o suficiente para amortecer o meu ardor, e imediatamente procurei cobrir o que podia, dobrando a perna mais próxima a ele, instintivamente, o meu braço veio para esconder meus seios fartos de vista.

- Não. – A palavra foi rouca, uma dica forte nele. – Não se cubra.

Conscientemente, começo a me sentar, mas ele plantou seu joelho na cama e veio, rastejando através dela sinuosamente, como um gigante preso na perseguição de um gato, seus olhos deleitando-se em minhas curvas.

Incomodada, me acalmou, meu coração batendo enquanto ele estendeu a mão para colocar em meu joelho, tendo-me o pulso com a outra mão para puxar meu braço para longe dos meus seios. Movendo-se para ajoelhar-se em pé ao meu lado, ele colocou meu pulso para o lado, descansando a mão para cima na cama.

E então ele apenas olhou para mim. Foi um pequeno conforto saber que ele não podia ver todos os meus defeitos, mas sabendo que estava olhando para minha forma básica, fez-me encolher-se interiormente. Para se ter uma amostra de como ele olha para alguém como eu, com intimidade entre eles parecia de alguma forma errada.

Olhando para fora, mordo o lábio, só para balançar o olhar incrédulo de volta para seu rosto quando ele murmurou roucamente.

- Linda. – Essa mão quente deslizou por minha coxa lentamente. – Feminina. Suave. Parece uma figura de uma pintura feita. A forma como uma mulher deve ser. – Sua voz era rouca, e eu poderia jurar que tinha desejo fluindo através dos tons profundos.

Não havia dúvida de que o calor se reuniu abaixo de mim quando sua mão deslizou mais para baixo da minha coxa. Caramba, Damien era um prostituto dotado, fazendo-me se sentir especial. Bonito. Esta seria uma lembrança que irei guardar para sempre.

Meu coração bateu mais forte, meus mamilos com pico enquanto seus dedos arrastaram preguiçosamente no interior da minha coxa, enquanto seu olhar subiu para meus olhos.

- Como é que você gosta de um homem, docinho?

De repente, desejei jurar que iria beijar Susie todos os dias por um longo tempo depois desta noite. Porque ele era maravilhoso.

- Como você gostaria de ser amada? – Continuou ele roucamente. – Duro? Rápido? Lento? – Seus dedos roçaram contra minha pele quente. – Diga-me como você gosta, Min Hee.

Essa era a pergunta de um milhão, porque eu realmente não tinha ideia. Ele era o especialista aqui, não eu. Talvez ele pensasse que eu me masturbava como um coelho demente e tinha alguma ideia de autossatisfação. Errado, ou eu não estaria aqui.

Umedecendo os lábios, encontro seu olhar com ousadia.

- Eu estou em suas mãos, lembra?

Um sorriso curvou seus lábios.

- Ah, amor, essa é a resposta certa.

Eu certamente esperava que sim, porque era a única resposta que eu tinha para ele.

Inclinando-se para frente, ele apoiou sua mão ao lado do ombro e abaixou a cabeça até que seus lábios ficassem pouco acima da minha boca.

- Abra-se para mim. – Seu dedo deslizou abrigando minha abertura e se aprofundando entre a carne úmida dos meus lábios, assim como sua língua deslizou ao longo da costura dos meus lábios. – Ambos os locais, baby. Abra para mim.

Foi um tom sedutor que teve fogos ardentes pulando dentro de mim. De uma maneira magistral, ele tomou minha boca e saqueou minhas profundezas que estavam como se tivessem pegando fogo.

A maneira que seu dedo deslizou através da minha carne úmida, brincando com o clitóris escondido, tinha o fogo queimando em minhas veias.

Um relâmpago passou por mim e meus quadris aumentando-se em minha própria vontade. Choi riu em contra minha boca, lambendo profundo com a língua enquanto seu dedo encontrou a abertura do meu corpo e deslizou para dentro.

Eu não podia pensar, mal podia respirar enquanto estou sendo invadida em lugares virgens que nunca sentiram o toque de um homem. O calor queimou através de mim, fazendo com que minha invasão fosse tão fácil, e quando ele puxou o meu dedo para deslizar contra minha própria entrada, eu só podia agarrar seus ombros e jogar.

- Você está quente, bebê. – Seus lábios queimaram um caminho através da minha boca até o pescoço. – Tão docemente quente.

Sua respiração era quase esfarrapada, os mamilos em pico, e quando ele abaixou a cabeça e engoliu um pico endurecido em sua boca, eu pensei que iria morrer. Ele chupou fortemente, cada puxão em meu peito arrancando-me gemidos arrastados.


Point view of Jungkook


Ele não esperava que a surpresa que Jimin havia mencionado seria uma mulher com curvas para fazer um homem ter água na boca. Normalmente ele não iria dormir com uma mulher estranha, mas havia algo sobre ela que recorreu a ele em seu estado embriagado.

Combinar a solidão, o stress, um monte de uísque, e na escuridão de um encontro com uma mulher, não era uma boa mistura. Então, quando ele foi confrontado com esta mulher tímida com ar de mistério, rapidamente se perguntou onde seu amigo tinha encontrado essa surpresa para ele. Para esta noite, estava indo se divertir. Um homem que realmente gostava da companhia do sexo oposto, dentro e fora da cama, ele estava sem companhia por meses e esta tentação na frente dele era mais que bem-vinda.

Ela era uma delícia, uma mistura de sedução e timidez.

Min Hee, se esse era seu verdadeiro nome, era um enigma para ser saboreado, e saboreá-la, ah, ele o faria.

Em segundos ele teve seu desnatar para ele, sua pequena vagina apertada em seus dedos quando fechou os olhos e arqueou sob seu toque. Aqueles seios fartos doíam para serem beijados, e ele tocou a língua sobre os mamilos cor de rosa, a cada gemido aumentava seu próprio desejo.

Cada ondulação de sua figura sob suas mãos fez seu membro endurecer ainda mais. Rolando sobre o preservativo com rapidez. Quando ele girou sobre ela e sentou-se entre suas coxas, parecia o céu.

Ela abriu os olhos e ele pegou o vislumbre deles. A porta do banheiro abriu parcialmente derramando apenas luz suficiente para distinguir características escuras, e era excitante. Misteriosa.

- Diga-me seu nome real. ― Ele beijou ao longo de sua linha da mandíbula.

- Não... as regras ― Ela ofegou.

- Não há regras.

- Não quando se trata de nomes.

- Mulher misteriosa. ― Ele raspou a língua ao longo do pulso em sua garganta, sentindo o arco debaixo dele, sua barriga pressionando sua ereção entre eles com uma dor deliciosa que fez ele gemer.

Escavando com os seus dedos em seu cabelo que combinou no travesseiro debaixo de sua cabeça, ele a segurou firme enquanto a beijou, levando a boca quase brutalmente quando ele provou mais uma vez. Deliciosa.

Jungkook lambeu em seus lábios, evitando sua boca quando ela se arqueou para outro beijo, provocou-a tanto por balançar seus quadris contra sua suavidade.

Ele sentiu o tremor e levantou a cabeça.

- Ah, não, amor, você não vai sem mim.

- Eu acho que vou morrer ― Ela gemeu, seu pé pequeno se deslocando na parte de trás de sua perna. ― P-por favor.

Como pode um cara decente ignorar um pedido como esse?

Quando a cabeça inchada deslizou entre os lábios úmiddos da sua entrada, ele pensou que poderia muito bem morrer com ela.

Rangendo os dentes, ele esperou ainda por alguns segundos. Ela não ajudou muito enquanto se contorcia embaixo dele, dobrando os joelhos, as coxas esfregando contra seus quadris.

- Por favor. Por favor. ― Ela sussurrou algo que soou como "Damien" ou "Damon", mas em seu estado embriagado poderia muito bem ter sido "porra". Ele não estava certo e realmente não se importava, porque o fogo em suas veias estava fazendo seu coração soar como um trovão na pulsação de seu membro.

Tudo o que ele queria naquele momento estava debaixo dele, uma mulher disposta, e tudo o que seu membro queria estava diante dele, a entrada de seu corpo que apertava-lhe tão dolorosamente, docemente, tortuosamente apertada.

Ele empurrou e violou sua entrada, a cabeça inchada forjando dentro seguido pelo eixo grosso, que o levou para frente.

Ela era tão condenadamente apertada, tão quente e tão úmida com a necessidade que ele atravessou as paredes de sua vagina apertada mais fácil do que de outra forma, forjando a frente e quebrando através de algo tão frágil que quase não notou.

Abaixo dele, Min Hee endureceu um pouco, e pensando que era por causa de seu tamanho, causando desconforto, ele mudou o ângulo, acalmando-a com beijos quentes, engolindo seu grito e seus gemidos enquanto ele movimentava dentro dela, empurrando com facilidade, diminuindo seus movimentos, aproveitando a sensação de aperto em seu membro de modo firme.

Ela relaxou um pouco, seu ardor queimando novamente enquanto ele acariciava mais com cada impulso, lento a medida de seu eixo dentro dela, seus quadris subindo quase preguiçosamente, mas poderosamente. Ele sentiu que poderia fazer isso para sempre, que ia explodir em um segundo, que não queria que acabasse, mas se não o fizesse logo, certamente morreria. Era uma mistura de sensações e emoções que cauterizava através dele, tão certo como o seu sangue estava queimando em suas veias.

Quente e implacável, a construção de mais e mais, mais e mais, seu desejo parecia não conhecer limites. Seus quadris empurrando mais rápido, o seu membro invadindo seu corpo incansavelmente.

Ele a queria, precisava dela, sentia que queria sua marca dentro e fora com a sua semente, seu gosto, seu toque.

Soltando sua cabeça, ele a beijou com força, comendo em sua boca, e ela o concedeu ansiosamente, entrelaçando os dedos em seu cabelo.

Não querendo se inclinar longe de seu corpo, mas a necessidade de energia para suas estocadas, veio-se nos cotovelos, os antebraços repousando sobre o colchão enquanto seus quadris batiam contra ela.

Jungkook manteve seu olhar fixo sobre ela, sua voz quase dura quando ele ordenou em voz baixa.

- Olhe para mim.

Min Hee abriu os olhos que eram brilhantes com paixão, os lábios inchados pela punição de seus beijos. Ela parecia exatamente o que era, uma mulher linda.

Mesmo quando ele bateu mais duro dentro dela, uma parte distante dele desejou que a luz estivesse acesa para que ele pudesse vê-la corretamente, que ela pudesse vê-lo, que ele poderia dizer a verdadeira cor de seus olhos e explorar seu corpo com nada a esconder seus segredos de seu olhar quente.

Pura luxúria carnal partiu sobre seus pensamentos distantes quando Min Hee passou por baixo dele, levando-o a mudar o ângulo, o seu membro quase deslizando para fora dela. O ar fresco em sua carne aquecida só adicionou combustível para o fogo e ele se movimentou dentro dela novamente, certo e rápido, acariciando rígido, sua respiração forte no quarto, os gemidos doce para seus sentidos.

O fogo mais quente, suas bolas tão firmes e cheias ele sentiu como se tivesse estourado. Ele poderia jurar que sentiu o fogo correndo através de seu eixo.

Quase no mesmo instante, ele sentiu a onda de sua vagina, os músculos se apertando sobre ele, e foi a sua ruína.

Misericórdia!

Seu clímax estremeceu seus quadris, moendo-o contra ela enquanto ela o apertou seu membro sem piedade.

Jungkook movimemtou seus quadris, se masturbando duro contra ela, uma vez, duas, três vezes. Seu grito de orgasmo ecoou em seus ouvidos quando ele subiu fora e se estilhaçou em mil pedaços.


**~**


Eu aperto o nó do meu vestido em minha cintura, enquanto estudava o homem dormindo tão profundamente na cama, que eu tinha acabado de desocupar. 

Ele dormia como um morto, forte e sem nenhuma preocupação com o mundo, ao que parece. Deitado de bruços, seu cabelo escuro caia enfeitando sobre a testa, sua inclinação de braços musculosos e mãos sob o travesseiro sob sua cabeça. As linhas fortes de suas costas nuas, nádegas e pernas eram o suficiente para fazer-me lamber os lábios.

Toda a força que tinha estado acima e dentro de mim. Damien tinha me levado para um lugar que eu nunca pensei que iria ver, que certamente era apenas um mito encontrado em romances. Acabou que não era um mito. Eu me pergunto se era o mesmo com todos os homens, ou somente com aqueles especiais. Ou apenas com os profissionais.

Empurrando meu cabelo para trás, olho para o relógio. O táxi chegaria em cinco minutos.

Eu estupidamente permiti me divertir nos braços dele, deitada confortavelmente contra ele enquanto ele dormia. Pela primeira vez em minha vida, sabia o que era se sentir realizada no abraço de um homem. Quando ele se virou, eu relutantemente saí da cama. 

A última coisa que queria era que o táxi tocasse sua buzina e possivelmente acordasse Damien.

Colocando os 400 dólares e uma pequena anotação na mesa da cabeceira, eu tomei um último olhar longo e persistente para o homem adormecido e depois, com um suspiro, deixou cair a chave do quarto de hotel ao lado de sua carteira, pego minha bolsa e me arrasto para fora, cuidando para garantir que a fechadura se fechasse atrás de mim.

Do lado de fora estava frio, inclino o rosto para o céu e inalo o ar da noite úmida. 

Eu me sentia... diferente. Deliciosamente usada, um pouco dolorida, satisfeita, mas também estranhamente desolada. Então, lá mesmo eu decidi que iria ter que reservar Damien novamente para mais uma noite um pouco mais tarde. Por enquanto estou indo me aquecer no crepúsculo da minha primeira vez.

O táxi chegou e eu sai, segurando minhas próprias mãos. Ele diminuiu a velocidade e eu subi na traseira. Lhe falei o meu endereço, voltei-me contra o assento, fechando os olhos.


**~**


Acordando lentamente, Jungkook estremeceu com o pulsar aborrecido por trás de seus olhos. Abusado no uísque com seu melhor amigo não era exatamente a coisa mais inteligente que tinha feito ontem. 

Virando cuidadosamente na cama, ele sentiu o cheiro de um perfume fraco e fresco e tomou outra respiração, mais profunda. Lá estava ele de novo, leve e fresco, um cheiro familiar de alguma forma, familiar, porque... Ele franziu a testa e levou um outro fôlego. Familiar porque, seus olhos se arregalaram e ele sentou-se na cama, ignorando o pulsar nas têmporas.

Olhando para o espaço vazio ao lado dele, a memória voltou rapidamente. Jimin dizendo que ele tinha uma surpresa para o mesmo no hotel, e a mulher estava esperando por ele, com olhos grandes e lábios esculpidosque implorou para ser completamente violada por sua boca.

Ele podia sentir seu sangue correr um pouco mais rápido com a memória. Onde Jimin tinha encontrado essa mulher estava além do conhecimento de Jungkook, mas ele iria descobrir, porque queria vê-la novamente.

Ele não podia esperar para descobrir quem ela era, e, melhor ainda, o seu número de telefone. Mas primeiro de tudo, tinha uma ressaca a curar.

Rodando, Jungkook jogou as cobertas e saiu para fora da cama, indo direto para o banheiro para tomar um comprimido de dor e um chuveiro. Quando chegou lá, franziu a testa. Seus produtos de higiene pessoal não estavam na bacia, seu roupão de banho não estava na parte de trás da porta, de fato, o banheiro estava quase intocado, como se ninguém tivesse usado o chuveiro. As toalhas estavam impecáveis, arrumadas ordenadamente, os sabonetes ainda nos pacotes pequenos. Ele sabia que não tinha deixado o banheiro assim na noite anterior antes da festa.

Saindo do banheiro, olhou em torno do quarto em perplexidade. Suas roupas e sapatos estavam estendidos sobre a cadeira, sua carteira em cima da mesa de cabeceira. Nenhum de seus pertences estavam em qualquer lugar da sala. Verificou duas vezes o guarda-roupa, mas ele estava vazio.

Onde estavam as coisas dele? Certamente a mulher, oh merda! E se ela o tivesse roubou-lhe enquanto ele dormia?

Em um movimento rápido, pegou a carteira da mesa e verificou. Não, o dinheiro e os cartões estavam todos lá, junto com, estranhamente, uma pequena pilha de notas de 50 reais. Ele contou-lhes, um total de 400 reais. Estranho, e estava ficando mais estranho a cada minuto.

Franzindo a testa, seu olhar caiu sobre a chave e olhou para ela por alguns segundos enquanto uma sensação de medo o encheu. Estendendo a mão, pegou a chave e girou ao redor. O número seis agora era um nove.

Ele estava no lugar errado!

E se ele estava no lugar errado, então como a mulher estava esperando por ele?

Testa franzida em concentração, pensou em voltar ao seu encontro, e agora se lembrou de que quando ele disse que Jimin sabia o que precisava, ela olhou para ele um pouco estranha e respondeu Jimin? E isso era tudo o que ela tinha dito, porque ele não tinha dado qualquer chance para ampliar sobre o assunto.

Merda! Ela não estava esperando ele! Estava? Mas ela parecia tão disposta, quase ansiosa, embora com uma timidez que o havia tocado.

Seu olhar foi para a cama. Ela tinha sido... o que era isso?

Ele se inclinou mais perto, e viu, mas não podia acreditar.

Sangue. Uma mancha de sangue no lençol.

O pulsar em sua cabeça foi esquecido quando ele se lembrou de algo mais... Sua entrada em sua intimidade.

- Oh, merda! Duas vezes merda! ― Ele endireitou abruptamente. ― Min Hee era virgem!


Notas Finais


Continua??

Gente!! Me desculpem se a formatação do texto saiu do tamanho da testa hahaha pq a pessoa faz tão bunitin e quando coloca sai tudo tronxoo...mds!

Sigam meu perfil, para estarem sempre ligados nas atualizações oks?! Sigo todos de volta, comigo não tem frescura meus Lover's❤

Xeruu😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...