História Complementares - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Baekyeol, Chanbaek, Distopia, Exo, Ficção Cientifica, Futuro Destruído, Kaisoo, Kpop, Yaoi
Visualizações 28
Palavras 2.434
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, LGBT, Romance e Novela, Sci-Fi, Suspense, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


UNICLENAKWNSNSB
Tô com sono
Fui fritar o ovo
O gás acabou
Não pude fazer o café
Tô chateadissima kkkkkkkkk EU NÃO FUNCIONO SEM CAFÉ
Podemos ver eu desabafando nas notas do autor * nível de desespero * enfim, espero que gostem! Beijinhos.

Capítulo 10 - Os Primeiros Combates


Chanyeol já não sabia se era dia ou noite.

Quando seus olhos se abriram, ele não viu Baekhyun. Quando a visão se ajustou a repentina claridade, pôde perceber Baekhyun conversando com Sehun longe dali. Asdrid estava perto também, o que fez Chanyeol se perguntar se a conversa era preocupante.

Baekhyun virou o rosto para o maior e arregalou os olhos. Mesmo de longe, Chanyeol percebeu ele ficar vermelho e seu pomo de Adão subir e descer. O que Chanyeol estranhou não foi isso, na verdade. Mas sim seus olhos que estavam mergulhados em um roxo profundo, emanando receio e apreensão. Se o sentimento fosse de vergonha pelo acontecido do dia anterior seus olhos estariam magenta, próximo ao rosa.

Por fim, Sehun pareceu notar a necessidade de Baekhyun falar com Chanyeol e lhe dispensou da conversa, mas seu olhar deixava claro que a mesma não estava terminada. Baekhyun suspirou e andou até Chanyeol, que já se levantava e esfregava o rosto, tentando expulsar quaisquer vestígios de sono.

Quando Baekhyun se aproximou, Chanyeol abriu um sorriso que não foi retribuído. Chanyeol fingiu não perceber e puxou para Baekhyun para um abraço. Porém, se opondo a seu apertar, Baekhyun quase não reagiu ao abraço.

— Tivemos 11 perdas. — Baekhyun disse, abafado contra o pescoço de Chanyeol. — 15 feridos. — Chanyeol afastou Baekhyun e lhe olhou nos olhos. Baekhyun estava sério, parecia abalado. — Você estava dormindo. Há mais ou menos 5 horas que lutamos contra os PRO090802X de fogo. Eram muitos.

Neste momento, Chanyeol notou a aparência de Baekhyun. Seu rosto estava manchado de fuligem. Seus olhos vermelhos e uma de suas mãos estava queimada por completo, porém parecia remediada. Seus cabelos e suas roupas estavam uma bagunça.

— Como eu não acordei? Poderia ter ajudado de alguma forma. — Baekhyun sorriu fracamente e olhou no fundo dos olhos de Chanyeol.

— Não foi tão perto daqui quanto imagina. Estávamos em outros lugares dos túneis quando fomos atacados. — Neste momento o Pollux umedeceu os lábios e se encostou na parede. — Lu Han enlouqueceu. Estávamos dormindo quando Sehun nos acordou e fomos avisados que Lu Han havia fugido. Encontramos ele a quase um quilômetro daqui. Na volta, fomos atacados.

— Como assim ele enlouqueceu? — Chanyeol, que ainda estava sonolento, demorava a assimilar os últimos acontecimentos.

— Está aterrorizado. Toda pessoa que ele vê é um inimigo. Ele não sabe nem o próprio nome nem a própria causa. Dorme por meia hora e acorda gritando por ajuda, por socorro. — Os olhos de Baekhyun, azuis como o mar, estavam lacrimosos. — Seu corpo está se recuperando incrivelmente bem. Mas sobre sua mente, é uma incógnita.

— Era sobre isso que você é Sehun estavam falando? Sobre a condição de Lu Han? — Chanyeol sabia que está errado, mas foi involuntário sua voz sair acusadora. Porém, se Baekhyun percebeu, não deu importância.

— Não. Bem, também. — Um garoto se aproximou de Baekhyun e lhe entregou duas caixas médias. Baekhyun agradeceu e o garoto foi embora. Ele olhou para Chanyeol e para as caixas, das caixas para Chanyeol e suspirou. — Vou me juntar a linha de frente.

— Vai lutar? — Chanyeol perguntou sem a intenção de ouvir uma resposta. — Tem certeza?

— Absoluta. — Baekhyun sorriu ao sentir um carinho de Chanyeol em seu cabelo. — É minha luta. No momento, é o que mais me importa.

— Eu vou com você. — Chanyeol tinha uma expressão séria. — Se é sua luta, é minha também.

— Não sobreviveria nem ao primeiro combate. — Chanyeol fez uma careta. — É sério. Até mesmo Sehun está tendo dificuldades. E ele é o melhor dos nossos. Não estou te chamando de fraco, estou dizendo que não é forte o suficiente.

— Eu vou ficar vendo você se machucar sem poder fazer nada? — Sehun e Asdrid se aproximaram dos dois.

— Infelizmente. — Os dois falaram em uníssono para Chanyeol e depois se viraram para Baekhyun. Asdrid foi a primeira a se pronunciar.— Baekhyun, precisamos de você. Uma nova onda de PRO090802X está se aproximando de nós. Deve ter sentido nosso cheiro. Temos 5 minutos para nos preparar, no máximo.

— Estou indo. — Baekhyun foi puxado por Sehun e Asdrid. — Me desculpe. — Baekhyun sussurrou, mas Chanyeol entendeu seus lábios.

No momento que Baekhyun sumiu entre a multidão, outro grupo se aproximou de Chanyeol. Um homem alto, magro e com olheiras profundas parecia comandar.

— Park Chanyeol, certo? — Sua voz era doce e calma, contrariava toda sua aparência amedrontadora. — Sou Tao. As bestas estão se aproximando. Vamos, depressa!

O grupo foi adentrando o túnel, deixando Baekhyun e os guerreiros sozinhos, esperando as bestas. Não andaram mais que 50 metros quando começaram a ouvir os gritos ensurdecedores das bestas.

O medo se apossou de todos. A correria foi intensa. Chanyeol, contrariando a preocupação geral, só pensava em como estaria Baekhyun naquele momento. Seu medo ia além de ser morto pelas bestas. Era medo de Baekhyun ser morto pelas bestas.

O ar se tornou denso. Os gritos eram tão altos quanto trovões. Chanyeol sentiu uma ventania forte empurra-lo para frente, assim como todo seu grupo. Não sabia como reagir. Apenas corria e corria. Desesperado.

Sentiu alguém pegar em sua mão. Chanyeol olhou e viu o garotinho mutante de terra que antes havia visto agarrado a um esfarrapado boneco de pano. Agora, o menino parecia pior que antes. Chanyeol pegou o garoto nos braços e correu mais rápido que antes.

— Corram! — Era a voz de Baekhyun. Chanyeol se apressou a entregar o garoto a outra pessoa e foi correndo até ele. — Park Chanyeol, volte agora mesmo para sua posição!

Por volta de quarenta criaturas horrendas corriam atrás do exército. Baekhyun estava desesperado, assim como Sehun e Asdrid. Porém não deixavam de lutar. O escuro era aterrorizante e Chanyeol não conseguia distinguir a aparência dos bichos. Ele apenas observava que sua forma não era humana e sim, canina.

Chanyeol diminuiu o passo assim que uma fera atacou Baekhyun. Ele correu até o menor e chutou o focinho de uma delas, que ganiu. Baekhyun se levantou, seus olhos vermelhos, e encarou Chanyeol com uma raiva sobre-humana.

Contudo, mal deu tempo de Baekhyun lhe falar algo quando uma das feras pulou encima de Chanyeol. O mesmo gritou quando sentiu-a morder seu braço e arranhar seu rosto. Chanyeol chutava e se debatia, porém o lobo era tão grande quanto um urso.

Seu pelo era grosso e áspero. Possuía quatro olhos amarelos. Dentes tão afiados quanto serras ou facas. Seu cheiro de carne podre era desprezível.

Chanyeol gritou de dor quando sentiu a fera sendo puxada e parte de seu braço esquerdo indo junto. Ele planava acima de um turbilhão de ar. Baekhyun estava abaixo de si, lutando com toda sua força e vontade.

— Mike, pegue! — Chanyeol foi jogado no ar e parou nos braços de alguém. O homem correu com Chanyeol em seus braços para longe do combate.

Chanyeol estava apagado. Baekhyun, ferido, porém corajoso e destemido. No chão, corpos de bestas se misturavam com o de homens mortos e feridos. Ao seu lado, Asdrid cortava a garganta de mais um. Sehun, mais a frente, fazia mais de 5 pegarem fogo.

Contudo, todo esforço estava se tornando ineficiente. O que antes era quarenta, se multiplicava para cem. Mais e mais lobos chegavam correndo dos túneis.

Baekhyun afastava boa parte, mas não era suficiente. Pequenos furacões faziam as bestas voarem para trás, o que apenas as atrasava. Logo corriam atrás dele novamente. Estava exausto. Com pouca comida e pouca água, sua energia estava escassa.

Foi quando sentiu outra rajada de vento afastar os lobos.

Atrás de si, Lu Han, ainda machucado e atordoado pela recente tortura, concentrava seu poder e lançava contra diversas bestas. Estas, voavam para longe e batiam contra as paredes dos túneis.

— Baekhyun! Baekhyun! — Lu Han corria de um lado para o outro. Não sabia ao certo como agir, como reagir. Ele não parecia estar exatamente são. Não parecia ciente do que atuava em sua volta. Porém, permanecia determinado em proteger Baekhyun. — Fiquem longe dele, seus vermes imundos!

Lu Han gritou e uma forte ventania puxou todos do exército para frente e todas as bestas para trás. Mais de cinquenta lobos foram jogados contra as paredes dos túneis diversas e diversas vezes, com uma força poderosa. Quando Lu Han caiu no chão, inerte, 90% de todas as bestas estavam mortas.

Asdrid e Sehun terminaram o trabalho enquanto um grupo de espirituais corria para socorrer Lu Han. Baekhyun, exausto, escorregou pela parede. Estava ofegante e embasbacado. Sentia uma de suas pernas latejar, assim como diversos arranhões por todo seu corpo. Sem mais nem menos, caiu aos prantos.

Em volta de si, o caos reinava. Ao longe, crianças e adultos estavam encolhidos no chão. Amedrontados e petrificados. Do outro lado, perdas e ganhos. Bestas mortas, guerreiros mortos. Não só guerreiros como também desafortunados. Baekhyun suspirou, imaginando que se não fosse por ele, Chanyeol estaria entre os corpos sem vida naquele chão sujo de sangue podre.

Asdrid limpava sua faca com desgosto. Sehun andava por entre os mortos, agachava e sentia sua pulsação inexistente. Era raro quando encontrava um ainda vivo.

Lu Han gritava e chutava o ar. Acabou sendo sedado e levado de volta para o grupo dos feridos. As lágrimas caiam silenciosas. Lágrimas de tristeza e gratidão. Se não fosse por Lu Han e sua insanidade, estariam todos mortos.

Tomou coragem e olhou sua perna. Fez uma careta ao ver a mordida. Não era tão funda, porém era vasta. Alguns de seus arranhões levariam diversos pontos. Não era sua maior preocupação naquele momento, precisava saber de Chanyeol.

Apoiou seu peso na penas boa e com ajuda de seus braços, conseguiu se levantar. Mancando, Baekhyun seguiu até a área dos feridos.

— Acho que trago má sorte, Lay. — O Pollux de Ar disse enquanto se aproximava dos diversos corpos no chão. — Toda vez que venho te ver, esse lugar fica mais cheio. — Baekhyun apoiou seu peso na parede ao seu lado.

— Deveria dar uma olhada na sua perna? — Lay tinha um olho de águia quando o assunto era enfermidades.

— Logo menos, sim. — Baekhyun fez esforço para se aproximar mais dos corpos no chão. — Como ele está?

— Lu Han no momento está sedado. — Baekhyun encarou Lay. — Está perguntando sobre Chanyeol? Bem... ele não está aqui. Está mais isolado, juntos com os outros feridos graves. Ele perdeu um braço Baekhyun. Na situação em que estamos agora, até mesmo um arranhão pode ser motivo de morte. — Lay sempre foi direto quando o assunto era vida ou morte.

Baekhyun tinha noção disto, mais que ninguém. Lu Han tinha sorte em estar se recuperando bem, mas e Chanyeol?

— Não pode ir ver ele agora. Sabe disso. Mas pode me deixar olhar sua perna. — Lay estendeu a mão para Baekhyun, que chorava calado. O Pollux de Ar foi puxado para um abraço forte.

              ~~~π~~~

A primeira coisa que Chanyeol viu foi os olhos preocupados de Baekhyun.

— Finalmente! — Baekhyun abraçou Chanyeol, quase o esmagando. — Você é tão estúpido! Por que inventou de se enfiar na briga? — Baekhyun soava desesperado, raivoso e aliviado.

— Ele estava atacando você. — Chanyeol estava rouco e falava em sussurros. Sorriu fracamente. Ele olhou para baixo e o que restou de seu braço esquerdo completamente enfaixado. — Ainda bem que sou destro.

— Como você não está desesperado?! — Baekhyun se deitou no amontoado de panos junto com Chanyeol, encostando sua cabeça no peito do maior. — Você perdeu um braço.

— E você está vivo. — Chanyeol fazia carinho no cabelo de Baekhyun com sua mão boa. Baekhyun suspirou e sorriu, ainda que sem vontade.

— Vamos sair dos túneis logo menos. Sehun decidiu que aqui está mais perigoso que lá em cima. Ele já está contatando os outros grupos. — O Pollux se abraçou mais ao maior. — Estou com medo.

— Todos estamos. — Baekhyun podia ouvir o coração de Chanyeol batendo forte. — É tão bom ver você preocupado comigo. Abraçado assim. Parecemos um casal. — Chanyeol recebeu um tapa leve no rosto.

— Não somos um casal. — Baekhyun corou ao se lembrar dos acontecimentos do dia anterior. — A-aquilo não v-vai se repet-tir — Baekhyun se encolheu, mas ao invés de se soltar de Chanyeol, ele abraçou ainda mais forte.

— Ah, vai sim. — Chanyeol riu. — Agora eu sei que eu tenho chances.

— Chan...yeol, nós temos que focar nos fatos. Não vamos ficar juntos. — Chanyeol riu ao perceber que Baekhyun quase falou o apelido, mas nada disse.

— Sabe Baekkie, algumas coisas nem sempre acontecem como achamos que vão acontecer. Às vezes, precisamos ter esperanças e bons momentos em meio a destruição. Só assim conseguiremos suportar. — Chanyeol estava sério. — Não iremos passar a vida inteiro juntos. Mas podemos aproveitar nosso momento. Seja 1 dia ou 1 mês.

— Está dizendo para ficarmos juntos sabendo que não ficaremos juntos? — Chanyeol sorriu.

— Quase isso. Eu só estou tentando dizer para você parar de se preocupar tanto com nosso futuro e aproveitar o agora. — Baekhyun se ergueu e encarou Chanyeol por um tempo. Sua aparência estava péssima. Os cabelos ainda cinzas completamente desgrenhados. Os lábios secos e estava ligeiramente pálido. Mas, para Baekhyun, continuava lindo. Baekhyun beijou Chanyeol tão suavemente quanto um beija-flor cheira uma rosa.

— Você me deixa confuso, Park Chanyeol. — Baekhyun disse após beija-lo. Chanyeol continuou com seus olhos fechados. — É a última pessoa de quem eu deveria gostar.

— Eu te amo. — Chanyeol sussurrou. — É mais que gostar. É mais que se apaixonar. Acho que estou mais fodido.

— Como pode ter tanta certeza que é amor? Não faz nem duas semanas que te conheço. — Baekhyun tentava arrumar os cabelos de Chanyeol.

— É. — Chanyeol fez com que Baekhyun se deitasse novamente. — Mas eu nunca me senti assim com ninguém.

— Assim como? — Baekhyun estava sonolento.

— Assim tão... bem. — Chanyeol riu. — Nunca me senti tão feliz estando na presença de outra pessoa. Talvez minha vó... — Baekhyun riu. — Mas é outro tipo de sentimento. Eu não sinto vontade de beijar minha vó o tempo todo.

— Belíssima comparação, Chanyeol.

— Eu não sei. — A respiração de Baekhyun se tornou leve. — Eu não perderia meu braço por qualquer um. — Chanyeol pegou no sono, assim como Baekhyun.


Notas Finais


Eu não revisei, então pode ter erros.
Eu tô sem café e terminei esse cap agora, ou seja, talvez o final esteja meio aleatório. Mas acontece kkkkkkkk
Até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...