História Computer Repair - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias ASTRO, Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Eunwoo, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jinjin, Jung Hoseok (J-Hope), Kai, Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Kris Wu, Lay, Lu Han, Min Yoongi (Suga), MJ, Moonbin, Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Rocky, Sanha, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Acaso, Amor, Astro, Bissexualidade, Bts, Drama, Exo, Homossexualidade, Lemon, Menção Jikook, Menção Yoonseok, Namjin, Nerd, Popular, Romance Colegial, Yaoi
Visualizações 128
Palavras 5.083
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Lemon, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiii Gente!!!

Boa Leitura!!!!

Capítulo 3 - Capítulo 03


Fanfic / Fanfiction Computer Repair - Capítulo 3 - Capítulo 03

Capítulo 03 - Computer Repair

Estava extremamente feliz quando cheguei em casa. Ok, isso era um eufemismo. O sétimo céu não era nada, comparado ao quão nas nuvens eu estava neste momento. Provavelmente eu estava saltitando como uma aberração, mas ninguém podia me culpar. Acabei de passar a tarde com um garoto lindo e que gostava de mim. Não havia nada melhor no mundo.

Nada.

Isso superava até mesmo o League Of Legends. Por um quilometro de distância. Por um milhão de quilômetros de distância. Nada podia comparar.

- Olá, Sr. Progenitor. - Disse alegremente ao meu pai enquanto me encaminhava para a sala. Meu pai estava sentado na poltrona, folheando um livro grande com um marcador, segurando um bloco de anotações e uma caneta. Apoiei meus pés para cima do sofá, pegando o controle remoto. Eu realmente não queria assistir televisão, mas eu precisava fazer algo com as mãos.

- Olá, prole número um. - Respondeu ele de volta distraidamente. Fui abençoado com pais compreensivos. Eles sabiam que eu era estranho e não ligavam. - Onde você esteve esta tarde? - Ele perguntou, destacando algo em seu dicionário médico.

- A Omma não lhe disse? - Eu perguntei surpreso.

- Sua Omma e irmão saíram para o salão antes mesmo que eu acordasse. - Ele explicou, fechando seu livro num piscar de olhos e pegando seu café, me dando agora atenção total. Sinceramente, acho que ele estava apenas procurando uma desculpa para dar uma pausa.

- Como se eles não fossem lindas o suficiente. - Revirei os olhos, tentando ignorar sua pergunta, caso eu pudesse. Eu adorava o meu Appa, mas eu soube imediatamente pra onde essa conversa nos levaria e provavelmente, seria constrangedor para nós dois no final.

- Eu sei. - Ele desdenhou. - E então, onde você esteve?

Eu fiz uma careta antes de suspirar. Eis a vergonha total. - Eu almocei com um amigo.

- Oh, quem? - Ele perguntou, parecendo um pouco interessado. Eu não saía muito e eu só tinha alguns poucos amigos.

- Um, o menino cujo eu consertei o computador ontem. - Contei a verdade. - Ele estava lento e ele não tinha dinheiro para comprar um novo, então eu me ofereci para dar uma acelerada nele. - Expliquei, tentando distraí-lo com detalhes. Pude dizer de imediato que não estava funcionando.

- Oh, bom. Isso foi muito gentil de sua parte. - Ele sorriu como se estivesse orgulhoso. Às vezes eu acho que eles - meus pais - se esquecem que me ensinaram a ser um cavalheiro. Eu sei que essas aulas não entraram na cabeça dura de Hoseok, mas eu era mais esperto do que isso. - Então, qual é o nome dele? É alguém que conheço?

- Kim Namjoon. - Falei calmamente.

- Kim Namjoon? O filho do chefe de polícia?

- É, o próprio. - Comentei dando ombros. Eu tentei bolar alguma rota de fuga, mas nada estava funcionando. Eu não tinha lição de casa para terminar e ele sabia disso. Além do mais, a Omma não estava por perto para precisar da minha ajuda. Jogos de computador também não era suficientemente bom como desculpa. Eu estava ferrado.

- Ela é um menino... muito bonito. - Disse, tentando ser diplomático. Também posso dizer que ele não queria soar como um velho tarado. - Eu o encontrei algumas vezes na emergência. Ele é o líder do time de basquete. Esporte perigoso.

- Sim, eu sei. - Meneei a cabeça, pensativo. Eu realmente nunca pensei nisso desta maneira. Suponho que poderia ser um pouco perigoso. Isso só fez com que eu me preocupasse um pouca mais com ele.

- O líder do time de basquete hein? - Ele falou com orgulho.

- Ah, qual é Appa? - Chiei para a súbita mudança dele pro... Bem, basicamente pro estilo Hoseok de ser. - Ele é mais do que um jogador de basquete.

- Vocês dois estão namorando?

A pergunta de um milhão de dólares...

- Eu... Uh... Eu... Eu não sei. - Disse correndo os dedos pelo meu cabelo. - Quer dizer, eu adoro passar o tempo ao lado dele e ele parece gostar de mim, mas não podemos chamar isso de relacionamento ainda. E ele é um ótimo... - Parei de balbuciar antes que pudesse dizer qualquer outra coisa. Qualquer coisa estúpida na verdade. MinGyu ergueu uma sobrancelha para mim, esperando minha resposta. - Ele é um ótimo menino e um bom amigo.

- Ah huh, tá! - Disse escondendo uma risada.

- Não olhe para mim desse jeito! - Sibilei nervosamente.

- De que jeito? - Meu Appa sorriu.

- Como se você soubesse o que eu estou fazendo. - Acusei.

Seu sorriso aumentou ainda mais. - Existe alguma razão pela qual eu deveria saber o que você tem feito?

- Deus, não! -Quase gritei, antes de me recompor. - Isso devia ser algo pessoal. Ele é apenas um ótimo garoto e eu gosto de ficar ao lado dele. Agora, podemos parar por aqui? Por favor?

Ele pegou o seu livro de novo, com um sorriso leve no rosto antes de ajeitar seus óculos. - Eu preciso conversar com você novamente, sobre as cegonhas e sementinhas, meu filho?

- Argh! - Rosnei enquanto me levantava da cadeira num flash. MinGyu ficou rindo baixinho no sofá, divertindo-se com o meu constrangimento. Agora eu sei de onde o senso de humor do Hoseok tinha vindo.

Naquela noite, me mantive fiel à minha palavra e fantasiei sobre Namjoon curvado numa cama. Exceto que na minha fantasia, eu estava atrás dele fazendo coisas incríveis que envolviam nudez, lubrificante, e muitos gritos de prazer de sua parte. Adormeci pensando nele. E assim então, também sonhei com o próprio.

Tudo isso era quase nada, já que de fato, eu ainda tinha sua cueca comigo.

Acho que estou ficando ligeiramente obcecado.

Ok. Só um pouquinho, certo?

Acordei com um humor ímpar. Sinceramente, eu não sei descrever como estava me sentindo. Estava preocupado de como seria na escola. Namjoon era um garoto popular e eu poderia arruinar isso para ele. E também não iria colocá-lo na posição de escolher entre sua popularidade e eu. Não era justo. Por mais que eu quisesse ser o namorado dele eu me contentaria sendo apenas seu amigo, ou até mesmo caramba, seu companheiro de foda, se ele quisesse! Ficar com Namjoon, de qualquer forma era melhor do que não ter nada dele.

E no fundo de meu coração, eu sabia que Namjoon não era assim. Ele não se preocupa com status ou popularidade, mas com o que sentia.

Desci as escadas em direção a cozinha. Eu podia ouvir a conversa calma ocorrendo e sabia que não era o Hoseok. Ele tinha treino de handebol antes das aulas. Não era JungKook, porque sabia que ele ainda estava se arrumando. Eu pude ouvi o secador de cabelo, quando passei pela porta dele. Mesmo sendo o mais novo era o que demorava mais, claro.

- Então, o que você acha disso tudo? - Minha Omma perguntou ao meu Appa num tom animado.

- Eu não sei o que achar, mas você devia ter visto como ele estava feliz quando chegou em casa ontem à tarde. Já fazia um bom tempo desde que eu vi SeokJin com um sorriso como aquele. Por Deus, Jiwoo, ele estava radiante.

- Ele estava muito feliz na noite de sábado também. Normalmente, ele fica somente isolado em seu quarto. Mas você tem razão... Ele estava radiante, para usar as suas palavras. - Minha Omma disse antes que eu ouvisse o barulho de um gole, provavelmente seu copo de expresso. Minha Omma era uma mulher enérgica e metade dessa animação vinha de sua dose matinal de café preto sem açúcar.

- Um despertar, talvez? - Meu Appa ofereceu. Reprimi um gemido. Meu Appa me conhecia muito bem. Eu teria que reprimir isso, ou algo assim. Será que era possível esconder um Despertar? E o que diabos era um Despertar pra começo de conversa? Eu era tão óbvio assim?

Será que eu vou ter que me preocupar com isso de novo?

- Você não acha que...? - Minha Omma falou com uma voz surpresa. Meu Appa deve ter meneado a cabeça. - Sério? Eu nunca vi esse tal de Namjoon, mas Hoseok disse que ele é muito bonito e que era o líder do time de basquete.

- Eu já o vi e ele é lindo. Grandes olhos castanhos, lábios cheios, cabelos também castanhos e brilhantes e, além disso, tem uma grande personalidade. Ele foi totalmente gentil quando nos conhecemos. Mesmo quando tive que reposicionar seu ombro no início do ano, depois que ele caiu e deslocou-o. E é muito difícil ser gentil com alguém quando você está morrendo de dor, Jiwoo.

- Você realmente acha que eles estão juntos? - Minha Omma perguntou novamente.

- Você não devia se surpreender. Ele é um Kim, afinal. Belos partidos vem a nós naturalmente. - Ele tirou sarro dela e ouvi sua alta risada. Fiquei meio nauseado, e não quis saber o que meu Appa estava fazendo com minha Omma naquele momento. Fiquei extremamente feliz por não poder ver através das paredes.

- Você é muito cheio de si, Dr. Kim... - Minha Omma sibilou. Eu tinha ouvido o suficiente e eles já não estavam mais falando de mim. Eu estava prestes a subir as escadas outra vez, para pegar minha mochila quando eu quase atropelei JungKook.

- Caramba! - Gritei para meu irmão mais novo. - Você me assustou pra cacete agora!

- Você sabe o que dizem sobre os espiões, SeokJin-hyung? - Ele disse em voz incriminadora que somente ele sabia fazer. Fiquei com pena dos meus futuros sobrinhos e sobrinhas.

- Sim, eu sei. Mas, este não é o caso. Além disso, eu estava apenas curioso. - Expliquei enquanto passava por ele.

- Omma me encheu ontem me pedindo informações sobre Namjoon-hyung. - Ele anunciou. JungKook era meu melhor amigo e só ele me entendia mais do que ninguém. Fico feliz por tê-lo ao meu lado. Ele podia ser um inimigo perigoso quando quisesse.

- O que foi que você disse a ela?

- Que ela precisa conhecê-lo, e que ele é uma pessoa maravilhosa. Só isso.

Eu sorri. - Você é um bom garoto.

- Bem, eu sei disso. Ah, o Jimin vem me pegar hoje, então você não precisa se preocupar em me dar uma carona. - Disse JungKook enquanto descia saltitando as escadas até a cozinha. - Eu tenho teatro depois da escola. E quanto a você?

- Karatê às cinco. - Eu dei de ombros antes de correr para o meu quarto. Todos em minha família estavam ocupados agora.

Eu estava realmente ansioso para o karatê hoje. Eu queria ter um bom treino. Especialmente depois que Namjoon parecia apreciar o quão sarado eu era. Quer dizer, eu sei que estava bem tonificado, embora fosse magro, mas só que eu nunca tinha recebido esse tipo de elogio antes. Era meio lisonjeiro e embaraçoso ao mesmo tempo.

E além do mais, eu precisava jogar alguma tensão acumulada fora.

Após um rápido café da manhã com pão e café, sai correndo de casa. Geralmente JungKook vinha no carro comigo, mas isso agora era uma boa mudança. Ele tinha o seu próprio carro, um presente de aniversário aos seus dezesseis anos que ele quase nunca dirigia. Por algum motivo, ele preferia que outras pessoas dirigissem pra ele. Talvez ele tenha alguma síndrome de principezinho.

Coloquei uma música suave, tentando me concentrar. Eu não sabia como falar com Namjoon a partir de agora. Tínhamos quase todas as aulas juntos, com exceção de educação física e espanhol. Será que podemos conversar abertamente? Será que ele quer se sentar ao meu lado? Será que ele gostaria de segurar minha mão? Será que ele iria dizer às pessoas o que nós éramos?

O que nós éramos?

Ah, essa pergunta de novo!

Quando cheguei mais perto da casa de Namjoon, vi que seu carro ainda estava na garagem, o carro vermelho era difícil de não se notada, mesmo com toda chuva. Eu já estava a poucos metros e percebi o capô levantado e não havia a costumeira fumaça que saía do escapamento. Eu não sabia muitas coisas sobre carros, e eu não tinha nenhuma idéia do que poderia estar acontecendo com o dele, mas sei que isso era não era uma coisa boa. Eu vi um grande guarda-chuva e alguém debruçado sobre o motor, mas percebi que a viatura não estava lá. Só podia ser o Namjoon.

Segui pro acostamento e pisei no freio. Namjoon se ergueu quando me viu, e sorriu. - Problema com motor?

- Sim. Cara, eu estou contente por te ver! Eu tentei ligá-lo e então ele só ficou... Desse jeito! - Ele acenou com as mãos sobre o motor.

- Você deveria ter me ligado. Eu teria lhe dado uma carona. - Comentei um pouco nervoso, caminhando em sua direção. A chuva não era tão pesada, mas estava um pouco frio. No final de agosto era meio difícil fazer qualquer previsão sobre o tempo.

Suas palavras me deixaram apreensivo. Por que ele não me ligou? Acho que ele realmente não queria ser visto comigo. Eu lhe dei um pequeno sorriso enquanto o via mordendo o lábio inferior. Estava prestes pra pedir que ele esquecesse minha pergunta idiota, quando falou. - Bem, eu tentei ligar pra a sua casa, mas sua Omma disse que você já tinha saído. Eu não tenho o seu celular.

Eu era um imbecil.

- Oh! Desculpe! Bem, eu vou programá-lo em seu telefone em breve. Por que não vamos pro meu carro antes de você fique toda encharcado? - Eu ofereci.

Namjoon meneou a cabeça antes de correr pro carro e retirar sua mochila. Ele pendurou-a por cima do ombro enquanto eu segurava o guarda-chuva dele. Com uma mão sobre sua costas, caminhamos até a porta do passageiro. Abri a porta como um perfeito cavalheiro.

- SeokJin? - Namjoon começou timidamente depois que ele colocou a mochila no assento, mas ainda de pé no vão da porta. Seus olhos eram inocentes e profundos. Eram lindos.

- Hm? - Murmurei com um sorriso enquanto olhava para ele.

- Posso ter um beijo de bom dia?

Meu sorriso cresceu enquanto eu me inclinava pra baixo, beijando seus lábios cheios. Com a mão que não estava segurando o guarda-chuva, eu o trouxe pra mais perto de mim para que nossos corpos se tocassem. Ele encostou-se a mim, envolvendo seus braços em volta da minha cintura. - Bom dia. - Sussurrei. - Como você está?

- Melhor agora. - Ele sorriu docemente.

- Eu também. - Eu concordei, afastando alguns cabelos pra atrás da orelha. Eu não podia deixar de tocá-lo. Eu precisava fazer isso. Ele era lindo demais pra que houvesse fios pra esconder sua beleza. Debrucei-me novamente e beijei-a suavemente. - É melhor irmos pra escola.

- Sim, eu acho que sim. - Ele concordou com um aceno leve. Namjoon escorregou para dentro do carro, prendendo o cinto de segurança. Ele parecia tão confortável lá dentro. Era com se ele se encaixasse.

Eu fiquei ali simplesmente o olhando por um bom tempo. Foi a primeira vez que percebi sua aparência esta manhã. Ele usava uma folgada calça de moletom escuro com um par de tenis pretos. Usava uma blusa de moletom que se adequava a calça. Seu cabelo estava bagunçado e exibia a nova tonalidade roxa. Quando ele me viu babando, sorriu. - Vamos?

- Sim, sim, desculpe. - Murmurei enquanto fechava a porta e corria para o outro lado. Nós chegaríamos a tempo, talvez até com alguns minutos de sobra. Voltei com carro pra estrada indo diretamente para a escola, apenas tentando manter os olhos no caminho.

Era difícil com Namjoon ao meu lado. Nós fomos em silêncio, apenas uma música clássica fluía suavemente ao fundo. Parei numa vaga reservada para os veteranos, na área de estacionamento específica para os alunos do ultimo ano, e desliguei o carro.

- Você dirige rápido. - Namjoon murmurou enquanto retirava o cinto de segurança.

- Talvez você tenha essa impressão porque seu carro não passa dos quarenta por hora? - Comentei com um sorriso de provocação.

- Ele chega até os cinquenta e cinco. - Ele defendeu-o rapidamente.

Eu ri, incapaz de parar a piada. - No momento, não chega a lugar algum.

- Sim eu sei. Vou ter que falar com um mecânico. - Disse ele com uma voz desanimada. Foi fácil ver que ele realmente adorava seu carro, mesmo que ele fosse um pedaço de lixo. Ele me disse ontem que seu Appa tinha lhe dado como um presente de volta para casa e que isso tinha sido a coisa mais preciosa que Namjoon tinha lhe dado.

Houve um silêncio incômodo entre nós; o primeiro que já tivemos. Eu tinha que dizer alguma coisa algo que me libertasse, sem magoá-lo.

- Olha Namjoon, eu entendo se você não quiser ser visto comigo. - Comecei.

- Por que eu não gostaria de ser vista com você? - Ele perguntou com as sobrancelhas enrugadas firmemente.

- Porque, olhe pra mim e olhe pra você. Nós não estamos exatamente na mesma escala. Só quero que você saiba que eu entendo se você não quiser nada comigo. Eu entendo e...

Namjoon se inclinou rapidamente e esmagou seus lábios aos meus, seus dedos penetrando em meu cabelo ligeiramente úmido. - Eu te vejo. E você tem razão, nós não somos iguais. Você é muito melhor do que eu. Eu adoro ficar com você. Consegue entender isso? - Ele perguntou sério.

- Não. - Disse-lhe sinceramente. - Mas eu fico grato por isso.

Ele correu uma ponta de seus dedos macios sobre minha bochecha antes de me dar outro beijo. Olhei para o estacionamento através do vidro escuro das minhas janelas, que nos dava o último pedacinho de privacidade nesta manhã. Qual seria a reação de todos, uma vez que saíssemos do carro? Olhei para Namjoon e suspirei profundamente.

- Você está bem? - Namjoon perguntou com uma voz preocupado.

- Acho que sim. Eu espero que sim. - Dei-lhe um pequeno sorriso. - Vamos lá, pronta pra acabar com isso?

Namjoon acenou com a cabeça e saiu do carro, jogando sua mochila sobre o ombro novamente. Rapidamente o segui, jogando minha mochila sobre meu ombro. Caminhei até a frente do carro onde Namjoon esperava por mim. Fiquei completamente chocado quando ele ofereceu sua mão pra mim.

Naquele momento eu percebi que precisava confiar em Namjoon e no que ele dizia.

Mas, que precisava prestar atenção com as outras pessoas da escola. Confiar neles podia ser o fim pra mim.

Eu podia sentir todos os olhos em mim pela primeira vez. Normalmente eu era tão invisível e toda atenção a mim disposta me deixou desconfortável, pra dizer no mínimo. Lutei contra a vontade de andar mais depressa e me esforcei para ficar o tempo todo ao lado de Namjoon. Ele parecia completamente alheio a isso. Eu me perguntei como ele conseguia ser tão forte. Ele olhou para mim timidamente, mordendo o lábio inferior. Eu dei-lhe um pequeno sorriso, sentindo o nervosismo aumentar no meu estômago.

Primeira missão do dia: não vomitar. Segunda missão... Não despejar pela boca o meu café da manhã.

- Hey, Namjoon! - SeHun, a peste, chamou da marquise do colégio. Quando ele me notou ele parecia totalmente confuso. - Uh, oi... SeokJin.

- Oi. - Namjoon disse com um meio sorriso. Eu poderia notar a raiva borbulhando querendo vir a tona.

- Teve um bom fim de semana? - Sehun perguntou só por pra ser convencional enquanto olhava pra mim. Bem, ele estava mesmo era me encarando. Desloquei-me desconfortavelmente, me perguntando se tinha alguma mancha ou sujeira na minha camisa de game favorita. É uma imagem de Wakka e Lulu de Final Fantasy X, vinda especialmente do Japão. Meu pai tinha a comprado para mim, quando esteve em uma conferência por lá, há alguns anos atrás.

- O melhor. - Disse Namjoon, sorrindo para mim.

- Oh, você vai ter que me contar tudo sobre ele. - SeHun disse com um leve desdém. - Te vejo no ginásio.

Namjoon estralou a língua enquanto SeHun se afastava, voltando sua atenção para mim. - O que você vai dizer pra ele? - Eu perguntei antes que ele pudesse falar qualquer coisa.

- Você pode ler mentes? - Ele questionou com uma sobrancelha levantada.

- Bem, eu tenho certeza de que SeHun está curioso pra saber o que diabos está acontecendo entre nós. Ele provavelmente vai perguntar se estamos namorando ou não.

- Ah, e o que devo responder? - Namjoon disse com leve inocência, mas eu podia ver a maldade por trás de seus olhos. Sorri, sentindo um pouco da minha confiança voltar. Namjoon me queria. E eu tinha que acreditar nisso.

- Eu vou ficar esperando para descobrir isso. - Disse-lhe enquanto o sinal tocava. O primeiro e quinto período eram justamente as aulas que nós não tínhamos juntos. Eu sabia que ele tinha Educação Física e eu teria que correr para a minha aula de Espanhol do outro lado do campus. Mas valia a pena, se eu tivesse mais um tempinho pra ficar ao lado dele.

Espanhol era muito entediante. Eu dominava a língua. A professora nunca me chamava com medo de que eu a corrigisse. Então, eu ficava só sentado, girando o lápis enquanto sonhava com Namjoon. Eu mal podia esperar até a próxima aula, que era Inglês no primeiro e segundo horário. Tínhamos assentos marcados por ordem alfabética, mas pelo menos eu poderia olhar para quem eu fantasiava.

Pulei do meu assento, já animado para ver Namjoon, quando o sinal tocou. Eu praticamente corri até minha próxima aula. Namjoon já estava lá, com um leve sorriso no rosto. Sorri de volta, incapaz de não retribuir. Ele apontou com a cabeça para a minha mesa e percebi que havia um bilhete à minha espera. Meu sorriso aumentou exponencialmente.

- Sr. Kim, você poderia tomar o seu assento, para que possamos começar? - Nossa professora de Literatura Inglesa chamou minha atenção. Eu corei e ignorei as risadinhas enquanto me sentava – melhor dizendo: me afundava em minha cadeira.

Quando toda a atenção estava seguramente longe de mim, abri o bilhete.

SeokJin-hyung,

Bem, você estava certo. SeHun queria saber o que esta acontecendo entre nós. Eu respondi a pergunta dele. Espero que eu tenha feito isso corretamente...

Namjoon.

Bem, o que diabos isso significa? Garotos como Namjoon podiam ser tão confusos, às vezes. Rabisquei de volta no papel, em letras grandes para que ele pudesse ler, quando a professora não estivesse olhando. Estávamos ambos no final da sala, separados apenas por duas fileiras. 

Qual foi a resposta? Escrevi em letras garrafais.

Namjoon sufocou uma risada antes de escrever algo em seu próprio caderno, e segurando-o para que eu visse.

Isso é algo que eu sei e que você terá que descobrir.

Eu fiquei um pouquinho incomodado. Tenho que admitir isso. Ele corou levemente, mordendo o lábio inferior, enquanto sorria pra mim. Eu me senti como um bobão apaixonado enquanto eu a olhava.

- O que você acha, Sr. Kim? - A vaca da minha professora perguntou. Por algum motivo, ela nunca gostou de mim. Talvez porque eu a corrigisse também. Mas isso é algo que me incomoda muito; quando os professores estão errados.

- Desculpe-me? - Eu balbuciei, olhando para frente. - Eu sinto muito, você poderia repetir a pergunta, por favor?

Depois disso, eu realmente prestei atenção na aula. Eu já tinha as malas prontas para Dartmouth, e eu não ia estragar meu último ano só porque estava apaixonado. Eu realmente gostava de Namjoon e sabia que ele percebia isso. Sempre que eu dava uma espiadela em sua direção, ele estava estudando o que fez com que eu me sentisse um pouco melhor. Na verdade, um dia eu queria ser o tipo de homem digno dele, e ir para Dartmouth era a maneira certa de começar a fazer isso.

Quando o sinal tocou senti sua presença ao meu lado. Não pude evitar, mas arqueei uma sobrancelha em sua direção, enquanto ele me via me levantando e pegando meu material. - E então, você vai me dar à resposta? - Perguntei-lhe sem rodeios.

- Nope. - Ele disse, estalando o P com os lábios. - Como eu disse: isso é algo que eu sei e que você terá que descobrir.

- Bem, isso não é engraçado. - Sibilei quando começamos a caminhada para nossa próxima aula juntos. Esta era a aula onde no outro dia eu tinha sido um idiota e chamado a atenção dele. Nós não tínhamos lugares marcados lá. Torci para que ele se sentasse perto de mim e me desse alguma dica para sua resposta. Sentei-me na mesa grande, onde eu normalmente eu me sentava sozinho. Esse laboratório era apenas duas salas depois da nossa última aula.

- Ah, você acha que eu devia facilitar para você? - Namjoon provocou baixinho.

- Eu acho que sim. Você percebe que eu sou um novato. Um manual pra essas coisas seria bem útil. - Disse-lhe a verdade. Ele se sentou ao meu lado, colocando sua pasta cor púrpura sobre a mesa. SeHun nem sequer nos encarou.

- Você é um menino esperto, você vai descobrir.

Ele ia acabar me matando. Isso era tudo que podia dizer.

Biologia 2 era mais que chato para mim. Eu nunca fui muito afim desse tipo de ciência. Eu gostava de coisas mais técnicas, por isso preferia química. Eu já estava cercado por plantas e árvores o tempo todo. Cheguei ao ponto de estar totalmente enjoado delas. A melhor parte dessa coisa toda era que tínhamos um projeto para fazer com os parceiros de laboratório.

E Namjoon tinha me escolhido. Normalmente ele escolhia o SeHun.

Ele colocou um slide no microscópio e o olhou antes de empurrá-lo para mim. Ele respondeu imediatamente e me permitiu observar o próximo slide. Nós trabalhávamos muito bem juntos. Qualquer coisa que eu não soubesse, ele respondia de imediato e vice-versa.

Fomos os primeiros na classe a terminar, algo em torno de dez minutos.

- Então... - Namjoon começou depois que me entregou o papel. - ... Eu meio que espero que você venha se sentar comigo na hora do almoço hoje. O que você acha?

- Acho que... Eu adoraria. - Sorri brilhantemente. Normalmente eu me sentava com meus irmãos, mas não acho que eles vão se importar. Normalmente eu era sempre ignorado mesmo. Hoseok era bem mais popular do que eu, mas ele deveria ter se formado no ano passado. Uma lesão o impediu disso. Ele tinha perdido aulas demais. JungKook era estranho, assim como eu, mas de um jeito diferente. Ele fazia o tipo de artista isolado. E eu era apenas um nerd. Nós éramos uma combinação interessante, quando estávamos somente os três. Então junte os namorados deles nessa mistura e eu virava o segura vela. Agora eu estava tomando meus próprios passos, pela primeira vez.

- Ei, Joonie. - Disse Wu Yifan quando ele veio até nossa mesa, depois que terminou seu trabalho. Eu nunca gostei dele. Ele era um fingido e um imbecil. Além disso, o cabelo dele era gorduroso. Será que ele não sabe como tomar um banho? - Como é que você tá?

- Tudo bem, Kris, e você? - Namjoon perguntou educadamente, mas realmente não demonstrava muito interesse. Qualquer um podia dizer pelo olhar em seu rosto. Ele, por outro lado, estava babando igualzinho um cachorrinho.

- Bem, bem. - Sorriu aquele sorriso extravagante que fez com que eu rolasse meus olhos. - E então, eu queria saber se você quer uma carona pra casa comigo.

Nossa, ele foi direto ao ponto. Gostaria de saber se ele percebeu que eu estava tentando abrir um buraco em seu peito com a minha mente. Eu estava, evidentemente, invisível pra ele. Nada de novo nisso.

- Não, mesmo assim, obrigado. - Namjoon disse imediatamente. Eu quase ri quando a mandíbula de Yifan se escancarou como um peixe. Ele achava que ninguém seria capaz rejeitar a sua boa aparência e seu charme.

- Por que não? - Ele perguntou rudemente. Uau, nenhum pouco educado.

- Porque eu não quero. - Namjoon riu. - Eu estava tentando ser educado, mas eu posso plenamente dizer as razões pelas quais eu não gostaria de voltar pra casa com você. Você gostaria que eu enumerasse-as? - Como ele não disse nada, Namjoon ergueu sua mão, segurando cada um dos dedos a cada afirmação. - Um: você pega qualquer coisa que use uma couro. Dois: você acha que nada que use um jeans apertado irá descartar você. E três, eu não estou usando nem jeans e nem couro hoje...

Yifan deu as costas e se afastou.

Sufoquei uma risada, cobrindo minha boca rapidamente. - Opa. - Consegui dizer sorrindo.

- O que foi? - Ele perguntou com os olhos estreitados.

- Isso foi incrivelmente rude. Obrigado. Yifan precisa de uma dessas. Ele é muito cafajeste. - Expliquei com um sorriso presunçoso.

- Yifan não faz meu tipo. Nós fomos a um encontro, uma única vez no ano passado e ele colocou sua mão por baixo do meu moletom. Pisei no pé dele e dei-lhe um tapa. Aparentemente ele se esqueceu disso.

- Não, ele acha que você já pode ter esquecido isso e agora ele quer a chance de começar com a mão dentro do seu jeans. - Eu disse calmamente. SeHun se virou e me deu um olhar desagradável. Quando ele voltou-se pra frente , sussurrei. - Aposto que ele é o próximo.

- E eu aposto que ele dirá que sim. - Namjoon sussurrou de volta. Eu ri, e ele deu de ombros. - Verdade.

Levei minha cabeça um pouco mais perto dele e sussurrei no seu pé de ouvido, numa voz baixa. - Eu adoro vê-lo assim... Selvagem. É muito... apelativo pra mim, por alguma razão.

Quando me afastei, percebi que ele tremia com o rosto todo vermelho enquanto encarava meus lábios. Ele lambeu os seus e que eu poderia dizer exatamente o que ele queria.

Eu queria me levantar e dançar em cima da carteira, porque ele queria que eu fizesse isso e não o Yifan, um dos caras mais populares da escola.

Ele queria que eu o beijasse.

Toma essa, Wu Yifan.

Debrucei-me um pouco mais, tentando lhe roubar um beijo, quando o sinal tocou. Como foi que o tempo voou tão rapidamente? Talvez ele soubesse que eu estava me divertindo muito com isso tudo. Namjoon começou a recolher suas coisas e eu fiz a mesma coisa. Educação Física era minha próxima aula.

Que beleza...

- Um, então ... Vejo você na hora do almoço? - Namjoon perguntou esperançoso, os olhos ainda se mudando pra cima e para baixo dos meus olhos para os meus lábios. Senti minhas bochechas se aquecerem e algo endurecer. Coloquei minha pasta na frente do meu volume, tentando escondê-lo. Duvido que eu o tenha enganado.

- Claro! - Eu sorri, limpando minha garganta.

- Te vejo mais tarde, então. - Namjoon disse enquanto começava a caminhar para fora da sala. Ele estava me olhando por cima do ombro, como se não quisesse tirar os olhos de mim por algum motivo. Do nada, ele tropeçou levemente para depois corrigir sua postura. Seu rosto virou um vermelho brilhante e ri nervosamente. - Tchau...

Uau, o que foi tudo isso?


Notas Finais


Pelo jeito as coisas não mudaram no colégio e até estão mais melosos!!

O que será que ia acontecer nesse almoço?

Até o próximo!!!
Beijos!!!😘😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...