História Condemned Passion (Stelena) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Abigail "Abby" Bennett Wilson, Alaric Saltzman, Bill Forbes, Bonnie Bennett, Caroline Forbes, Damon Salvatore, Davina Claire, Elena Gilbert, Elijah Mikaelson, Emilly Bennett, Enzo, Esther Mikaelson, Finn Mikaelson, Freya Mikaelson, Giuseppe Salvatore, Hayley Marshall, Isobel Flemming, Jenna Sommers, Jeremy Gilbert, John Gilbert II, Johnathan Gilbert, Julian (bruxo), Julian (vampiro), Katherine Pierce, Klaus Mikaelson, Kol Mikaelson, Lexi Branson, Malachai "Kai" Parker, Matt Donovan, Meredith Fell, Mikael Mikaelson, Personagens Originais, Rebekah Mikaelson, Sheila Bennett, Stefan Salvatore, Tyler Lockwood, Valerie Tulle, Vicki Donovan, Zachary "Zach" Salvatore
Tags Bamon, Bonkai, Delena, Klaroline, Stelena, Steroline, The Vampire Diaries, Tvd
Visualizações 92
Palavras 1.381
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey gente de my heart
Tamo aqui com mais uma fic que se passa em 1864

Ai vc fala: Esta garota só cria fics, mas não continua as outras??!

Esta é diferente pq tem o @SamiKL
>Simmm, eu e o Sami estávamos planejando isso a praticamente décadas e hj é o dia em que postamos👏🏻👏🏻
>Os créditos do capítulo e da capa são todos dele
>Então simbora pro capítulo, ignorem erros, apesar de revisada mais de quientas vezes, sempre algum erro passa despercebido.💓

Capítulo 1 - A natureza de cada sentimento.


Fanfic / Fanfiction Condemned Passion (Stelena) - Capítulo 1 - A natureza de cada sentimento.

Aconchegou a coluna no relvado fofo, atraindo com as mãos o rosto de Stefan, que capturara em seguida os lábios da morena com exatidão. Primeiro um toque lento na boca, depois uma aprofundada dança calorosa sobrecarregada de paixão e ânsia. Mergulharam juntos em um universo particular, cuja a única existência se dava pela presença apaixonante dos dois.                        

Stefan apalpava a cintura de Elena, coberta de um tecido grosso, o empecilho que faltava para senti-la, já a morena, alisava o busto de seu namorado de cima para baixo, entre arranhões e pressões delicadas. Não demorou muito para aquele desejo ansioso se alastrar entre aqueles dois jovens amantes, e logo se encontravam colados um no outro, enrolados apenas com um lençol de camada fina.                                                                     

   Elena apoiou-se no cotovelo, com os dedos dedilhando sobre o peitoral de Stefan e estacando aos poucos um sorriso no rosto, mas  sendo friamente capturada por uma cena dele satisfazendo outra mulher. Lembrar do comprometimento dele com uma desconhecida, a deixa mal, sem forças. Mas não era só isso, chegava a arder em seu peito o fato de também ser prometida a outro. Sua cabeça queimava só de saber que um dia estaria nos braços de outro que não fosse Stefan e que ele o mesmo. Elena indagava-se sobre que destino teria a sua relação com o Salvatore moço, contudo só sabia pensar e outea cidade ou até mesmo em outro país. Sim – em sua cabeça, fugir seria a solução. 

Vergando a cabeça e diminuindo o ritmo dos dedos, Elena perguntou olhando indiretamente o moreno:

― Ela chega essa semana, não é?— Stefan suspirando profundamente, assentiu. ― O que você pensa em fazer? - tornou a questionar, só que dessa vez com um sufocante temor.

— Nada! ― Elena levatou bruscamente, indignada com a resposta. — Porque é simples, eu não vou me casar com outra mulher que não seja você. ―levantou cobrindo os olhos com uma das mãos, para afastar as centelhas de sol que no auge da tarde ardia como no horário do meio dia. — Você e eu prometemos não nos separar e isso é mais que uma promessa, mas sim um juramento. ― Elena sorriu sentindo-se tola, por duvidar da palavra do homem que amava.

Stefan quebrou o contato imposto pela morena e garrou sua cintura, puxando para si.

— Eu juro, Elena Gilbert, diante do sol e de Deus, que eu jamais deixarei de te amar. Mesmo que isso implique deixar minha família. ― esbravejou em um tom fingido de drama. Agarrou-lhe os lábios, numa dança feroz.

— Eu juro, Stefan Salvatore, diante do sol e de Deus, que jamais deixarei de te amar. Mesmo que isso inclua deixar a minha mãe controladora e meu pai ambicioso. ― Os dois se entregaram a uma forte energia de nostalgia, gargalhando e debochando dos regimes a eles impostos.

 […]

  Da janela, Damon Salvatore assistia com as espessuras dos lábios atados, o fim da tarde que nascia no horizonte. Compartilhava de pensamentos depreciativos, que lhe fazia pensar na vida que levara há alguns anos atrás. Quando junto da mulher que amava, desfrutava dos melhores momentos.

Como da vez que se reuniram em um campo na comemoração de um ano de namoro.

Damon corria, enquanto Bonnie fazia de tudo um pouco para fugir das garras do primogênito de Giuseppe. Aquela manhã de domingo havia sido uma das melhores na vida dele. Amou Bonnie Bennett como jamais tornaria amar alguém ou pelo menos era o que parecia.

Tirado de seus devaneios pelo pai, Damon se juntou a ele em uma recepção digna de um rei: Giuseppe ordenara aos empregados que preparassem um banquete repleto de alimentos da perfeita aprovoção de Damon. E como se não bastasse, dera um visual neutro para toda casa. Sofisticando ainda mais a mansão. O velho Salvatorere alegre e entusiasmado, perguntara logo pelas aventuras feitas pelo filho enquanto estivera fora de seu berço, em resposta, o primogênito respondera sem ânimo:

— Creio meu pai, que somente quem esteve em minha pele saberá a que estou falando. As coisas em Nova York, não foram muito a meu favor.

― Do que fala? — tornou Giuseppe a questionar, bebericando um pouco do chá ardente de hortelã.

― O amor não foi muito cordial comigo, mas prefiro não remexer no passado. Quando dolorosas, as lembranças podem passar de meras recordações e se tornarem um catastrófico pesadelo.  Mas mudando de assunto... — acompanhou o pai, tirando a chicara de cima da mesinha da sala e tomando um gole generoso da bebida afável. ― , e o meu irmão? Onde se encontra?

Giuseppe umedeceu os lábios com desgosto. Lembrar do filho caçula fazia retornar a cabeça, as memórias de fracasso. Stefan não era o tipo de filho que seguia bem as ordens de seu responsável, ao contrário, realizava o possível e o impossível para contrariá-lo. O que convertia a relação dos dois em um desentendimento constante.

— Deve se relacionar com alguma garota de campo. ― explicou simplesmente.

— Quem seria?

― Não sei, provavelmente Caroline Forbes!

— A filha de Liz Forbes? ― questionou Damon incrédulo.

— Sim, quem mais seria? É moça rica, seu irmão certamente procura alguma dessas para se relacionar afim de livrar de uma vez por todas das rédeas de casa.

― Não estou muito certo disso, mas já que insiste… tente livrar ele dessa opressão, fui um dia o que ele é hoje e…

Giuseppe interrompeu:

— Não, você soube trilhar o seu caminho, já ele…

O silencio divagou pelo ambiente e Damon pouco avontade olhou de soslaio as horas e acrescentou algo totalmente oposto do falaria:

― São cinco, o baile na casa dos Gilberts começam as seis. Você me acompanha? Além da festa tenho negócios a tratar.

— Vou sim, mas antes tenho outros coisas a tratar com seu irmão. ― disse Giuseppe ao perceber a presença do caçula, desviou totalmente a atenção para o mesmo

    […]  

 Elena adentrara a porta da mansão apresada, na tentativa de polpar-se dos sermões da mãe. Isobel que constatara o esquivo da filha seguiu-a pela escada, atravessando o extenso corredor e alcançando o quarto da morena. Bateu a porta com força, puxando a filha para encará-la.

— O que está acontecendo com você? Primeiro você foge, depois passa o resto do dia fora de casa. Onde você estava? ― perguntou a matriarca Gilbert expressando fúria em seu tom de voz.

— Eu fui caminhar pelo rio! ― Elena tornou a dar as costas para a mãe, indiferente, ajeitando os cabelos frente ao espelho.

— Você ficou louca?! ― esbravejou Isobel metendo-se diante da filha que bufou em seguida.

— Não sou eu quem está gritando! - debochou - Mas se quer a verdade, eu estou sim, louca e apaixonada. ― proferiu Elena no mesmo tom da mãe.

Isobel levou as mãos ao peito em assombro.

— Definitivamente, você passou dos limites. Saiu de casa para se encontrar com um homem!

― Não é qualquer homem. — Girou nos calcanhares e Isobel tornou a contornar a filha.

― O que as pessoas dirão se te verem sozinha com um homem, Elena? Você está arriscando a sua reputação.

— Estou pouco me importando com o que os outros irão pensar, será que você não consegue entender? Eu não vou me casar se não for Stefan Salvatore!

Isobel perplexa com a audácia da filha, desferiu um tapa contra o rosto da morena. Decepção era o que sentia naquele momento. Como não supusera que era ele o responsável pela mudança de personalidade da sua filha? De menina, Elena passara a ser mulher; de recatada passara a ser desbocada; de fraca passara a ser forte e de ingênua tornara-se manipuladora. O fracasso não atingira somente o pai de Stefan, mas sim aos senhorios da casa. John que passara a negar a si próprio a mudança da filha, enganava-se desacreditando da mulher, provavelmente o trabalho causara-lhe isso.

A mãe de Elena com seu costume fútil, prezava somente o prestígio da família. Pouco importava a sua inocência, mais valia a reputação. Atacou repentinamente Elena contra a cama e ordenou:

― Esteja pronta até às seis, não se atrase, logo hão de chegar os convidados. — pisou duro até a porta. ― Ah! ― deteu-se ―  Antes passe algo nessa cara. — soltou as suas últimas palavras e sumira das vistas da morena, que não sabia o que sucedera instantes antes. 

Deixou ultrapassar pelas íris castanhas, uma gota de desespero. Elena  estava mais que descida a fugir com Stefan.


Notas Finais


E foi isso ai
Comentem o que acharam e favoritem, façam o que quiserem e até próximo...
Besos e abraços de uma vampirinha💓🦇😉


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...