História Conectada em Você, Kakashi-Sensei - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Akamaru, Asuma Sarutobi, Chiyo, Chouji Akimichi, Deidara, Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hidan, Himawari Uzumaki, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Jiraiya, Kakashi Hatake, Karin, Kizashi Haruno, Konan, Konohamaru, Kurama (Kyuubi), Kurenai Yuuhi, Kushina Uzumaki, Madara Uchiha, Maito Gai, Matsuri, Mebuki Haruno, Mikoto Uchiha, Minato "Yondaime" Namikaze, Mirai Sarutobi, Mitsuki, Moegi, Nagato, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Obito Uchiha (Tobi), Orochimaru, Pain, Pakura, Rock Lee, Sai, Sakumo Hatake, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Shino Aburame, Shizune, Temari, TenTen Mitsashi, Tsunade Senju, Yondaime Kazekage
Tags Kakasaku, Naruhina, Naruto, Sakukaka, Sakusasu, Sasusaku, Yamatino
Visualizações 649
Palavras 2.054
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ecchi, Famí­lia, Festa, Hentai, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá pessoal, queria pedir desculpinha pelo erro que eu cometi, terça era dia de postar Conectada em Você, mas sem querer acabei atualizando a The Guardian kk .. e como as pessoas já tinham lido e até mesmo comentado, ficou difícil arrumar meu erro!

Desculpem e aproveitem! ;*

Capítulo 9 - Novos Problemas


Kakashi

 

Estávamos em casa, se não fosse pelos barulhos incessantes dos grilos ao nosso redor, o caminho teria sido completamente silencioso e Sakura, em momento algum, havia pensado sobre o beijo. Decidi respeitar seu silêncio, quando ela estivesse pronta para falar sobre aquilo, estaria aqui. Decidi distrair meus pensamentos, não queria que ela se sentisse incomodada, e também não queria ser o único a ter que pensar sobre o que aconteceu, se ela quisesse esquecer eu entenderia, por mais que não fosse o que eu queria. Até porque, eu sei que foi algo de momento e nenhum dos dois podia evitar, quando nos demos conta já havia acontecido. 

 

Havíamos chagado em casa e eu estava perdido no meio de vários “nadas”, não ousava pensar em qualquer coisa que fosse, quanto ao o que aconteceu e até mesmo sobre o meu lado pessoal, pensar em absolutamente nada, como projetar um fundo preto na sua mente para que não houvesse nada comprometedor. Havia acabado de fechar a casa por dentro e estava indo em direção ao corredor dos quartos quando ouvi ela pigarrear antes de dizer:

 

— Vou dormir, boa noite, Kakashi... — Ela estava com a porta de seu quarto já aberta quando disse, no começo estranhei o fato de ela não ter usado o "sensei" como sempre fazia, mas ignorei. 

 

— Boa noite, Sakura! — Falei enquanto entrava em meu quarto também e fechava a porta dando um breve bocejo. A exaustão do dia havia chegado.

 

O cansaço tomou conta do meu corpo em um piscar de olhos e então o sono logo se fez presente. Foi quando eu o vi, meu pai estava lá perante a uma fogueira e eu o encontrei. Mesmo sendo apenas um sonho, sabia que o sentimento que tomava conta de mim era de pura saudade, meu pai para mim havia sido um herói, demorei muito para entender que salvar seus companheiros e sacrificar a missão era o correto a se fazer, e por isso tinha muito orgulho dele. Apesar de ser um sonho, sabia que meus sentimentos para com ele eram reais, sentimento de saudade, orgulho e felicidade por poder vê-lo mesmo que através de um sonho. Um dia queria poder encontra-lo de novo e falar para ele que do mesmo jeito que ele foi um herói eu também havia sido. Tivemos horas de conversas e foram sobre infinitas banalidades, papai estava começando a sumir como se dissipassem uma neblina e eu sabia que era hora de acordar para a vida real.

 

O dia então logo amanheceu. Estava abalado, me sentia triste e feliz por tê-lo visto, mas real que pessoalmente seria só em sonho. Fui tirado de meus pensamentos deveras melancólicos quando ouvi Sakura bater na porta do quarto e chamar por mim.

 

— Tsunade disse que temos que ir lá no escritório... urgente... e disse para você não se atrasar — falou do lado de fora da porta do quarto.

 

— Um instante que já vou! — Levantei a procura de uma troca de roupa, vesti uma camiseta qualquer, enquanto arrumava as coisas para tomar um banho rápido.

 

Após o banho me troquei e fui para a cozinha comer qualquer coisa, só para fazer hora mesmo. A Hokage que esperasse! Eu não estava com pressa, oras! Além do mais, havia acabado de acordar, pressa era a minha inimiga no momento. Encostei no balcão e comia tranquilamente quando vi Sakura encostada no batente da cozinha batendo o pé direito como se seguisse uma batida de alguma música desconhecida, inquieta.

 

— O que é? — perguntei sem muito interesse.

 

— Eu disse que a Hokage falou que era urgente, mas aí está você... fazendo hora, tudo para poder contrariar as vontades dela, depois ela quer jogar a mesa em você e você se finge de inocente! — acusou ela.

 

— Ah, qual é?! Eu acabei de acordar, não vou sair correndo com fome só porque alguém está me chamando! — retruquei, eu estava de mal humor, mas não queria descontar nela.

 

— Fique ai então! Eu estou indo... — disse enquanto desencostava do batente e depois de poucos minutos ouvi a porta da sala bater, dei de ombros. Sakura sempre foi assim, quando era chamada, as coisas com ela tinham que ser no mesmo momento, mas eu era o oposto e todo mundo sabia.

 

Sakura

 

Kakashi estava estranho, tinha quase certeza que era por causa de seu sonho, ainda estava acordada na cama, me revirando enquanto o sono não chegava quando me intrometi mesmo sem querer em sua privacidade, seu sonho... Ninguém nunca devia ter o sonho visto por um outro alguém, era intimo demais. Lá estava seu pai, muitos ridicularizaram ele por ser alguém muito leal para com os outros, e Kakashi demorou para ver o quanto essas pessoas estavam erradas. O seu pai era um herói que poucos conseguiam reconhecer, a lealdade era maior que qualquer coisa.

 

A casa onde estávamos morando temporariamente não era longe do escritório da Hokage, em questão de minutos já estava lá, bati em sua porta e esperei por alguém mandar que entrasse, não demorou muito quando Shizune apareceu na porta e a abriu para mim, com um sorriso discreto e Tonton nos braços. 

 

— Onde está Kakashi? — disse Tsunade sem rodeios, enquanto batia uma pilha de papéis sobre a mesa, os empilhando depois junto com outros.

 

— Bom, quando eu sai ele estava lá ainda... — Não precisava denunciar sua preguiça e irresponsabilidade com as coisas, ele não estava em um bom dia e isso não era problema meu, mas também não devia me intrometer mais do que já havia me intrometido.

 

— Mas que droga... — Tsunade havia começado a falar quando alguém bateu em sua porta. — Entre! — Kakashi abriu e passou pelo batente fechando a porta em suas costas. — Ótimo... agora ambos estão aqui, eu não sei realmente o que está acontecendo... há dias não venho dormindo bem, pois estou estudando o caso de vocês, mas nada encontro. E agora temos mais duas pessoas com os mesmos sintomas, eu não sei o que está acontecendo... — sussurrou suas últimas palavras, dava para ver como Tsunade estava cansada e se esforçando para ter alguma resposta que fosse.

 

— Com os mesmos sintomas? — perguntou Kakashi franzindo as sobrancelhas enquanto dirigia seu olhar para Tsunade, que somente anuiu com a cabeça em sinal de concordância. Aquela era uma notícia da qual ninguém esperava.

 

— Estou preocupada — falou a Hokage enquanto se afastava da mesa com sua cadeira e se colocava em pé, indo para perto da janela que dava vista da vila inteira.

 

— Preocupada? Com exatamente o quê Tsunade? — Kakashi perguntou quando, assim como eu, percebeu seu rosto repleto de temor. Não tinha como alguém não se preocupar também, vendo sua expressão.

 

— Estou pensando que isso pode ser algum ataque direcionado para a vila... Algo antigo, que nunca vimos nem ouvimos falar, diferente de qualquer outro jutsu, e as pessoas da nossa vila estão sendo tomadas por esse "desconhecido" ... Eu não encontro nada sobre isso, e olha que eu conheço vários jutsus antigos. — Tsunade fez uma careta ao relacionar o jutsu com sua idade e conhecimentos.

 

— O que podemos fazer? — perguntei enquanto tentava seguir sua linha de raciocínio.

 

— Creio que, no momento, não há nada que possamos fazer. — suspirou baixo, enquanto se virava de frente para nós. — Mas eu quero fazer alguns exames em vocês dois, talvez algo tenha se revelado em seus organismos, ou até mesmo no sangue, que ainda não tenha aparecido no novo caso. Eu não sei bem ao certo, mas tenho que procurar por algo, não é mesmo? 

 

— Se você acha que pode ser fundamental, por mim tudo bem. E você, Sakura? — perguntou Kakashi, com um olhar de tanto faz. Depois de muito conviver com uma pessoa você aprende o significado de seus olhares, mesmo por baixo de uma máscara.

 

— Claro...

 

— Ótimo, eu pedi para a Shizune montar uma pequena sala de hospital aqui do lado, para não precisar que nos locomovemos para o hospital, quanto mais vocês ficarem fora de vista é melhor para todo mundo... — Tsunade passou por nós enquanto ia em direção a porta, fui ao seu encalço enquanto Kakashi me seguia para fora do escritório, entrando em uma porta anexada ao lado.

 

Horas haviam se passado, mas o silêncio era tão perturbador que acabou parecendo dias, e tanto eu quanto Kakashi estávamos cansados, era exaustivo, e os exames consumiam nossas energias, quando Tsunade resolveu falar depois de terminar o ultimo procedimento:

 

— Acho que, por enquanto, acabamos. Me desculpe sugar suas energias, agora vamos torcer para que possamos encontrar algo que não vimos da outra vez!

 

Estava tão sem energia que uma simples função como levantar era cansativa, mas tínhamos que juntar o que restava das nossas vontades de fazer algo para podermos ir embora, ainda bem que a casa não era tão longe quanto as nossas casas de verdade, sempre ouve esse sistema; de moradores novos morarem o mais perto possível do Hokage atual, para que tivessem qualquer assistência possível em alguma dificuldade de adaptação.

 

Não tínhamos nem mais energia para sequer fazer comida, mas estávamos morrendo de fome, só tínhamos tomado café e logo saído sedo, então a fome era presente em ambos, tanto que era até possível ouvir o estomago reclamar por falta de comida, nossas faltas de energia, também eram levadas em conta nossa falta de alimentação. Estávamos os dois sentados no sofá enquanto descansávamos um pouco quando Kakashi levantou em silencio e foi em direção a cozinha, enquanto trocava os pés, se arrastando.

 

Kakashi

 

 

Estávamos tão cansados e famintos, mas eu sabia que precisava fazer algo, como, por exemplo, a comida. Sakura, que sempre teve que reservar seu chacra, estava com bem menos força do que eu, devido a isso, então sabia que essa era a parte de eu tentar fazer algo e agradar ela. Quem sabe ela não reconhecia meus esforços para ver uma aproximação entre nós, depois daquele beijo nem no assunto tocamos.

 

Estava há um bom tempo na cozinha e o macarrão estava cheirando muito bem, não queria arriscar fazer algo mais complicado e não dar conta depois. Mesmo que fosse algo simples de fazer estava de fato sugando de vez as minhas energias, mas precisávamos comer e depois poderíamos dormir e recuperar tudo que hoje gastamos.

 

Estava concentrado com o corte da cebola, quando fui invadido pelos pensamentos de Sakura. Desde o dia em que a gente se conheceu, quando entrei na sala e havia aqueles três pirralhos, as missões, o dia em que os pais dela morreram e eu era o único que estava ao seu lado, ela estava tão fragilizada... e eu havia cuidado dela, era seu único apoio. Acabamos nos acostumando com isso e até um bom tempo atrás ainda vivíamos na rotina que havíamos criado em sua adolescência, hoje, para meu espanto, Sakura estava com 21 e eu já estava com 35, eram longos 14 anos de diferenças, mas não o suficiente para afastar a gente. E então lá estava ele de novo em seus pensamentos, Sasuke, mas era diferente, era como se ela olhasse os seus prós e os seus contras, e os contras estavam em vantagem. E a mesma coisa fez comigo, mas de forma diferente, os meus era sempre os prós, ela imaginou como teria sido se fosse Sasuke com ela quando perdeu seus pais e viu que ela, então, estaria sozinha desde aquela época, até hoje.

 

Olhando para um todo do que Sakura estava pensado, estava feliz, pois sabia que ela já não pensava mais em mim somente como um "amigo-irmão" ela estava vendo os prós de me ter ao seu lado e isso me deixava feliz e disposto a tentar uma aproximação romântica.

 

No momento em que pensei em me aproximar, que permiti que ela visse em meu pensamento o que eu realmente queria, eu a vi se distanciar, seus pensamentos voltaram com força, dizendo que aquilo era uma completa loucura me desarmando por inteiro, tirando toda a coragem que eu havia juntado para chegar até ela, ela queria, mas não me queria, queria que eu fosse outro, ou melhor; que fosse outro, mas com os mesmos pensamentos que eu tenho com ela. Aquilo para mim era o fim, voltei para o meu nada, meu fundo escuro e fiz as pressas o macarrão, comendo na cozinha mesmo quando ficou pronto, depois fui para o meu quarto sem dizer uma palavra sequer.

 

Havíamos voltado à estaca zero, mais uma vez.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...