1. Spirit Fanfics >
  2. Confeitos coloridos >
  3. Entre bolinhos e cobertura de morango

História Confeitos coloridos - Capítulo 1


Escrita por: e Livxy


Notas do Autor


Olá!

Antes de começar a ler, quero deixar alguns detalhes importantes aqui:

• A Seulgi na fanfic é ruiva, mas esqueci de especificar isso npara designer;
• @Livxy é meu outro usuário, portanto, não estranhe os créditos no design.

Boa leitura e viva a mim que sai do hiatus, ihaaa!

Capítulo 1 - Entre bolinhos e cobertura de morango


Fanfic / Fanfiction Confeitos coloridos - Capítulo 1 - Entre bolinhos e cobertura de morango

Em meio as lacunas intermináveis do colégio onde estudava, seus passos apressaram-se ao decorrer que seu pé batia contra o piso sólido. Mais uma vez estava atrasada e, para seu azar, a aula a qual perdia era da orientadora mais exigente daquele colégio. Foi inevitável suspirar de satisfação ao parar diante a porta, esta que estava aberta. Ao ser notada por sra Hwang, de imediato recebeu um olhar rígido seguido da autorização para adentrar o ambiente apenas para pegar o recado antes de retomar o corredor em direção a sala do diretor.

— Novamente veio me fazer uma visita, Srt Kang — o mais velho comenta com um olhar de repreensão. 

— Desculpe o atraso. Farei o possível para que não se repita. — diz cabisbaixa.  

— Está suspensa das duas próximas aulas de hoje, aguarde lá fora o sinal. Novamente: espero que não se repita. — ela apenas concorda, saindo do ambiente e aguardando o intervalo sentada nas cadeiras em frente a sala. Depois de uma longa espera, o som agudo da sirene desperta e, como sempre, alunos e mais alunos saem em disparado das classes para poder pegar a melhor mesa no refeitório. Kang, sem muito ânimo permanece onde estava, imersa em pensamentos. 

— De novo, Seulgi? 

— Não me venha com mais sermões, Irene. 

— Ok, ok. Vamos passar o intervalo na sala? — pergunta puxando a amiga para levantar-se. 

— Se você tiver trago comida, vamos sim. — comenta a castanha séria. 

— Claro que eu trouxe e você adora — as duas riem baixinho da piada interna. 

Depois de alguns minutos andando pelos corredores imensos do colégio, as meninas chegaram na sala de música e Seulgi tomou o seu lugar diante da cabeceira da pequena mesa do professor enquanto Irene andava em volta dos instrumentos, os admirando com sua alarmante calmaria, completamente fora de contexto e sintonia com o assunto que sua amiga começou a comentar. 

— Sabe o que eu estava pensando enquanto te esperava, Ane? — a mais velha emite um som estranho pela boca e Seulgi continua. — Vibradores são bem melhores que homens. Concorda? 

— Seulgi! — fala pouco mais alto. Em seguida soltando um riso nasalado. — Cada um tem sua função, ué. Não acho que tenha pior ou melhor. 

— Ah, Ane, todas nós sabemos que vibradores, de certo modo, nós satisfazem um pouco mais que homens posicionado no lugar chave. 

— Me dê motivos para pensar assim, Kang. 

— Bom, vibradores têm velocidades e você pode regular. — começou simplista. 

— Você pode conversar com seu parceiro e ele também terá vários ritmos. — retruca Irene. 

— Vibradores não mentem ou traí. — diz convicta de que tinha ganho a conversa que, sem ao menos perceberem, ficou séria demais. 

— Tendo consideração com a pessoa em que está, Kang Seulgi, homens também podem ser fiéis. — a mais alta, porque sim, Irene era mais alta, encerra a conversa com tom de voz mais sério.

— Ok unnie, você irá lá em casa hoje — com um gesto positivo, Irene concorda enquanto morde outra vez a maçã em sua mão. 

Seulgi sorri. Seria nessa tarde que mostraria a Bae Irene que vibradores são sim melhores que homens, assim como ansiava há algum tempo. 

[...]

Seulgi se encontrava na cozinha preparando alguns cupcakes de morango enquanto aguardava Irene. Ansiosa pela chegada da amiga e, como se fosse a primeira vez que a recebia em casa, o que de fato seria se desse certo o que planejava fazer, acabou derrubando alguns pratos quando ouviu a campainha soar pela casa inteira. 

Ela havia chegado

Mais que depressa foi abrir a porta e lá estava a morena. Seus cabelos ondulados caiam levemente pelos ombros, tornando angelical a bela face da moça. Em um rápido cumprimento, as duas já estavam dentro de casa seguindo em direção a cozinha. 

— Hum, que cheiro gostoso unnie! — exclamou a mais alta inalando o aroma dos bolinhos.

— São meus bolinhos. Venha, me ajude a recheá-los. — diz Seulgi puxando a amiga de cima do balcão. Estava tudo correndo na mais perfeita ordem, ambas empenhadas no que faziam, mas Irene não aguentava ver a hiperativa concentrada assim e tomou a iniciativa

— Aí, unnie! — a mais nova em um sobressalto assustado reclama ao sentir o recheio gelado em sua bochecha. Em contramão, faz o mesmo e suja ambas bochechas e o nariz da morena ao seu lado. Deu-se início à bagunça. 

Havia mais recheio no chão e nas garotas que nos bolinhos. Irene por vezes quase caiu no chão, Seulgi por sua vez segurava a amiga equilibrando-se minimamente. 

— Certo — pronuncia cansada. —, vamos comer o que sobrou na sala. 

— Acho que preciso de um banho, estou grudando. — diz a morena olhando si própria. — E você também.

 Logo estavam ambas no banheiro. Se despindo das vestes exceto suas roupas íntimas, em demasia pequenas. Não omitiam quase nada. Seulgi não deu-se conta da situação, não até avançar em direção aos lábios da amiga, iniciando um beijo afoito e confuso. Nenhuma teve a iniciativa de afastar-se para perguntar o porquê daquilo estar acontecendo, não negavam que no fundo estavam gostando. Impossibilitadas de movimentar alguma coisa além das mãos, que vez outra desciam para as nádegas alheias e mais que depressa voltavam a cintura. 

— Eu nunca fiz isso antes, digo, não com uma mulher. — informa nervosa a mais velha. Tendo como resposta a mesma coisa por parte da menor, que docemente a tranquilizou retomando assim o beijo que se seguiu às cegas até a cama.

Não sabiam por onde começar, concordaram então de seguir o instinto. O que deu um tanto quanto certo. Já desprovidas totalmente das roupas, Seulgi traçava beijos pelo abdômen da semelhante até chegar em sua intimidade. Respirando ofegante, arrepiaram-se. Logo, abaixou-se mais e, sem tocar a intimidade da amiga, pôs-se a beijar o interno de suas coxas. Não demorou tanto para que o gemido da morena ecoasse pelo ambiente quando a mais nova começou a reproduzir movimentos de um beijo em sua intimidade. Seus lábios ágeis movimentavam-se alternadamente entre seu clitóris e entrada, onde introduziu dois dedos e em movimentos circulares fez com quê os gemidos de Irene aumentasse gradativamente à medida que estocava e lambia seu pontinho. Quando sentiu suas pernas tremelicarem, a morena puxou a parceira pelos cabelos e em um rápido movimento, estavam sentadas no colchão. Com Seulgi por cima, abocanhou facilmente os seio direito em sua frente enquanto levemente apertava o outro. Devagar foram deitando de novo e o mesmo processo se iniciou, dessa vez tendo a ruiva como submissa.

Tão manhosa quanto, quando Irene pôs-se a chupa-la não conteve os arfares, tampouco os gemidos quando começara a ser estimulada com dedadas rápidas e precisas. A morena sabia perfeitamente como levar alguém a loucura usando apenas com as mãos. Seulgi era a prova viva disso. Revirava os olhos com tamanho prazer quando sentia a língua quente da amiga em seu ponto A. Em minutos sendo estimulada na uretra, chegou ao seu orgasmo.

— Para uma primeira vez, até que foi ótimo. — sorri se afastando da ruiva.

— Podemos repetir sempre. — gargalha timidamente. — agora precisamos mesmo de um banho. Temos que limpar nossa bagunça lá embaixo também, meus pais chegam logo.

— Tudo bem. — deposita nos pequenos lábios um beijo casto. E logo ambas seguem para o banheiro, dessa vez para tomar, de fato, o banho. Sem delongas. Uma lavando o cabelo da outra, toda malícia deixada fora do box. Naquele momento Irene sentia apenas o dever de cuidar de Seulgi, de seus cabelos tingidos de ruivos.

— Não colocamos confetes no cupcake. — diz com uma expressão desapontada falsa. 

— Seulgi, você acabou de cortar o clima fraternal que pairava sobre nós. — comenta e Seulgi ri, levando consigo a mais velha.


Notas Finais


Eita, tô insegura porquê esse foi meu primeiro hot, como dizemos por aqui para se referir a conteúdos eróticos hihi espero que esteja bom.

Betagem: @bubblegguk, obrigado por dedicar seu tempo para corrigir minha pequena estória ❤️

Design: @ggukiu, obrigado pelo design incrível! Estou apaixonada até agora.

E aos leitores agradeço imensamente por terem lido. Amo vocês :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...