História Confie Em Mim - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Taehyung (V)
Visualizações 8
Palavras 1.816
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Fantasia, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Yaoi (Gay)

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá pessoas!❤️
Voltei com mais um capítulo!❤️

Capítulo 4 - Encontro


Fanfic / Fanfiction Confie Em Mim - Capítulo 4 - Encontro

- Jimin! - O abracei mais que depressa.

- Calma Jeon, estou aqui. Teve um pesadelo?

- Foi horrível Jimin, eu... Eu não sabia o que fazer! Foi tão assustador - digo já não conseguindo conter o choro.

- Calma meu bem, calma... O que você sonhou dessa vez?

- Eu falhei, a pessoa foi presa injustamente. Como não consegui provar sua inocência, um dia antes de ser presa... Ela... se jogou de um prédio. Eu matei Jimin, matei alguém por conta da minha inutilidade! - Digo em meio aos prantos.

- Calma Kook, foi só um pesadelo, está tudo bem.

Jimin ficou abraçado comigo um bom tempo. Minha mãe como sempre me interrogou para que eu contasse tudo. Ela disse pra mim não ter medo que tudo vai ficar bem. Tomei café, Jimin teria que ir pra casa para organizar a agenda, na cabeça dele, ele já estava trabalhando como advogado.

- Eu te levo e não aceito um não como resposta - digo já de imediato. Deixei-o em casa e voltei pra minha. Uma coisa eu digo, pensamentos e volante não dá certo, é como dirigir bêbado. De tanto pensar quase atropelei uma pessoa que estava atravessando a rua. Parei o carro antes de dar o impacto, mas a pessoa caiu, saí do carro as pressas.

- Você está bem? - Pergunto assustado. Ao ver que ela provavelmente tinha se machucado.

- Puxa, olha por onde anda, nem vem dizer que eu estava fora da faixa de pedestre porque eu não estava - grita comigo. Claro que tinha motivos então nem retruquei - espera, eu conheço você, Jungkook não é? -Ao ouvir aquela voz, eu gelei, era Taehyung.

- Desculpa, eu não sabia o que estava fazendo, perdi o controle do volante. Vem, deixa eu te ajudar - digo lhe estendendo a mão. O mesmo a segura de volta e levanta do chão - se machucou? - Perguntei o analisando.

- Nao muito, mas provavelmente vou ter que ir no médico pra ter certeza, acho que machuquei o joelho - diz mancando.

- Quer que eu levo você?

- Não obrigado, Desta vez você vai matar nós dois juntos - diz já indo em direção contrária da minha.

- Eu insisto - o seguro pela mão o que faz com que nossos olhos se encontrem - por favor deixa eu levar você - Taehyung desvia o olhar de mim sem dizer uma palavra e puxa sua mão para si.

- Okay. Eu vou com você.

A caminho do hospital ele estava em silêncio o tempo todo, dava para notar o quanto estava inquieto.

- Falta muito pra chegar? - Pergunta olhando as coisas que passavam através da janela.

- Por quê toda essa pressa? - Perguntei parando o carro na beira da calçada - está com medo de mim?

- Medo? Eu? Não, é que tem alguém me esperado - diz olhando para seu celular ao qual tinha uma mensagem.

- É seu namorado? - Pergunto com ciúmes, ciúmes de alguém que não era nada meu.

- Não exatamente, é meu amigo. É que só conheço ele por aqui, então não tenho escolha a não ser sair com ele para todos os lados.

- Então aceita sair comigo da próxima vez?

- E-Eu não posso - Sinceramente eu não sei o porquê de não poder.

- Não pode por quê? Já tem planos para hoje a noite?

- Tudo bem, eu vou - diz depois de um longo suspiro - mas logo irei embora. Não gosto de ficar na rua até tarde.

- Prometo que vai ser rapidinho. - Nossos olhares estavam tão próximos que se eu quisesse roubar um beijo dele, eu roubaria sem problemas. Mas claro que eu não queria causar má impressão, já que ele era um garoto assustado, com certeza fugiria de mim - aqui, este é meu número. Quando estiver pronto é só avisar.

Ele abre a porta e sai do carro, lhe dei um sorriso ao qual o mesmo me retribuiu e saí o deixado próximo ao hospital.

★                                    ★                                    ★

#Narrador Kim Taehyung

- Com quem você estava naquele carro? - uma mão me segura forte pelo braço.

- Ai! você está me machucando.

- Você não respondeu a minha pergunta.

- Ele era só um rapaz que me viu correndo atrasado e como passaria por aqui me ofereceu carona, apenas isso hyung - inventei uma explicação na hora. Ele então afrouxa a mão do meu braço que estava vermelho e caminho em direção ao hospital que estava logo a frente.

- Por quê você está mancando?

- Eu cai, acho que machuquei o joelho. Por isso estou indo ao hospital.

- Vou com você!

- Não precisa hyung - ao dizer isso o mesmo da uma risada hilariante.

- Eu não perguntei se podia, eu vou e pronto.

Dong-Yul era um amigo que conheci na faculdade, no começo parecia ser uma boa pessoa, era gentil comigo e com isso me conquistou facilmente. Mas ele sempre escondia o lado possessivo dele, éramos apenas amigos e achava que tinha todo direito sobre mim. Não arrisquei contar para minha mãe, ela não se importava comigo, apenas iria dizer que é tudo culpa minha, por ter dado moral a ele. Confesso que as vezes eu tinha medo dele, medo de levantar a mão contra mim. Hoje a noite eu teria um encontro, e teria que sair de casa sem que o Dong-Yul soubesse.

- Dong-Yul, quando eu sair do hospital, vou visitar minha avó e só voltarei amanhã de manhã, por isso não vamos nos ver mais tarde - minha avó morava na casa que era do meu pai e que futuramente seria minha também, as vezes me pergunto por que não fiquei morando com ela, com certeza eu não estaria passando por tudo isso agora.

- Quando você decidiu isso?

- Eu já tinha prometido a ela que iria - inventei isso na hora. Espero que não tenha desconfiado.

- Tudo bem, eu vou sair com alguns amigos.

Pegamos um táxi para irmos embora, o mesmo me deixou perto de casa e seguiu para a dele. Agora era só esperar a noite chegar.

★                                  ★                                    ★

Naquela noite liguei para Jimin para contar o que tinha acontecido.

- Então quer dizer que hoje a noite você tem um encontro com aquele cara do restaurante? - pergunta curioso.

- Sim, eu o chamei pra sair.

- Você? Fico me perguntando quando o Yoongi vai fazer isso também, ele anda tão ansioso que só sabe dormir. Não vejo ele desde ontem. - Jimin e seu romance dramático - quando voltar me conte tudinho.

- Prometo - desliguei e fui tomar um banho. Quando voltei tinha uma notificação brilhando na tela.

"Oi, desculpa pelo inconveniente de hoje mais cedo, vou te esperar no restaurante onde nos vimos antes, até mais! Taehyung.

Aquilo me fez sorrir perdido.

- Quem é que está fazendo meu filhinho sorrir bobo desse jeito? - Minha mãe como sempre, entrando no meu quarto e me abraçando.

- Ah mãe, acho que estou apaixonado.

- Quero saber quem foi a pessoa sortuda que ganhou esse coraçãozinho frágil e doce.

- Uma pessoa incrível mãe, pode ter certeza! Hoje vou sair novamente, mas prometo não demorar.

- Hum... Um encontro?

- Sim mãezinha.

Ela me beija e sai me deixando sozinho com meus pensamentos. Me lembrei da mensagem e respondi de volta.

"Imagina, foi um prazer ajudá-lo. Estou a caminho."

Não demorei muito tempo para chegar e logo o vi, estava radiante. Com uma camisa preta, os cabelos levemente molhados, e uma calça jeans azul escuro. Assim que me viu acenou pra mim, estava sentado no balcão tomando uma suco.

- Vamos?

- Para onde? Não vai ser aqui o encontro? - Pergunta se virando pra mim.

- Já que você tem hora marcada para ir embora, temos que aproveitar ao máximo qualquer lugar - digo fazendo sinal com a mão para o garçom me trazer uma bebida - mas, antes de irmos quero saber mais sobre você - ele me fitava profundamente.

- Eu sou um estudante no último ano na faculdade, estou cursando fotografia. E você o que faz?

- Sou advogado - o mesmo se surpreende ao ouvir minha resposta - o que foi, posso parecer irresponsável, mas tenho responsabilidades.

- Confesso que não esperava isso de você - comenta com uma risada fofa.

- Admito, às vezes ajo como um adolescente rebelde. Mas tento manter a linha.

Saímos do restaurante e fomos para uma casa de show que ficava bem próximo. Entramos na festa, muitas luzes, música e dança. Tinha muita gente. Segurei a mão do Tae para não perdê-lo na festa, chegamos no balcão das bebidas e pedimos algumas. Confesso que bebi um pouquinho a mais, mas ainda estava ciente.

- Você não está bebendo demais? - pergunta olhando para a quantidade de copos vazios que estavam próximo a mim.

- Relaxa bebê, eu estou bem. Onde fica o banheiro?

- Fica logo ali - diz apontando para o canto mais próximo de mim.

- Onde?

- Vem, eu te levo - ele diz se levantando e me puxando pela mão.

Ele arrumava o cabelo no espelho enquanto aguardava minha saída.

- Você é lindo sabia? - O mesmo me olha surpreso. Eu o peguei pela mão e o coloquei contra a parede - muito bonito, estou louco por você - admiro cada detalhe do seu rosto que toco com minhas mãos.

- Como pode dizer isso assim do nada? Para por favor - diz desviando seu olhar de mim.

- Não sei, parar por quê? Não está a fim de mim como estou de você? - ergo seu rosto pronto para roubar um beijo, mas o mesmo me empurra - tudo bem, tudo bem, não vou tentar nada. - Quando me dou por vencido o mesmo me puxa pela gola da camisa e me dá um beijo surpreendente, cheio de adrenalina, cheio de amor. Sim, mal nos conhecíamos, mas eu o amava, será que ele me amava ou me queria só por interesse? Não importa, eu tinha que aproveitar o momento. O seguro pela cintura e o beijo fica mais intenso, no separamos apenas quando o ar ficou necessário.

- Eu te amo, não sei se é amor, mas sei que é forte o suficiente para me fazer te querer ao meu lado para sempre.

- Jungkook, eu também te amo, mas não posso ficar com você e se não demonstrei isso até agora é porquê eu não devia.

- Não diga nada, apenas esqueça o que tem lá fora e foca só na gente.

- Eu tenho medo - Tae começa a ficar nervoso.

- Medo de que meu doce? Ninguém pode te fazer mal, confie em mim. Eu prometo não deixar nada de ruim acontecer com você. - Ele me abraça forte e começa a chorar - o que houve? Por que está chorando? 


Notas Finais


Pessoas, eu sei que não tá ficando bom, mas se eu não continuar não vou saber como melhorar ne?
Beijinhos ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...