História Confusing - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Min Yoongi (Suga), Personagens Originais
Tags Adaptação, Alessandra Hazard, Amizade Colorida, Bangtan Boys (BTS), Confused, Hopekook, Hoseok, Junghope, Jungkook, Suga, Sugamon, Yoonjoon
Visualizações 27
Palavras 2.659
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Meus anjos, como prometido, aqui está o capítulo de hoje, sexta-feira. O capítulo anterior foi o de quarta.

Kissus e boa leitura!

Capítulo 6 - Capítulo 5


Um mês depois, Jungkook estava estendido no mesmo sofá, com seu braço em volta da cintura de Rosé enquanto assistiam a um filme juntos, quando ouviu o som da chave girando na fechadura. 

Hoseok estava na porta, piscando para eles como uma coruja. — Oh! — Ele disse. — Eu pensei que você estivesse na casa de Namjoon. Desculpe pela intromissão. — Ele se virou. 

— Hoseok, espere! — Jungkook saiu fora do sofá e se dirigiu para o seu melhor amigo. Tomando os ombros de Hoseok em suas mãos, ele estudou-o. Os olhos de Hoseok eram suspeitosamente brilhantes. — O que há de errado? — Ele perguntou em voz baixa. 

Hoseok deu de ombros e balançou a cabeça, evitando seu olhar. 

Os lábios de Jungkook pressionaram juntos. — Querida, você poderia nos deixar por uns minutos, por favor? — Disse ele, erguendo a voz. 

— Claro! — Disse Rosé, sempre tão compreensiva. — Oi, Hoseok. — Ela pegou sua bolsa, bicou Jungkook nos lábios, e então ela se foi. 

— Você não deveria ter feito isso. — Disse Hoseok, envolvendo os braços em torno de si, com o rosto pálido. — Desculpa. Eu só queria ficar aqui por essa noite. Eu pensei que você estava no Namjoon. 

Jungkook trancou a porta, puxou Hoseok pelo braço e levou-o para o sofá. Ele obrigou-o a sentar-se antes de ir pegar algumas garrafas de uísque. Ele abriu, silenciosamente entregou uma para Hoseok, e sentou-se ao lado dele. — Quer falar sobre isso? 

Hoseok balançou a cabeça e tomou um grande gole de sua garrafa. 

Uma hora depois, Hoseok estava se inclinando fortemente para o lado de Jungkook, seu rosto pressionado contra o ombro de Jungkook, sua garrafa estava frouxa na mão que não tinha um aperto mortal na camisa de Jungkook. — Eu realmente gostava dele. — Hoseok murmurou, pronunciando as palavras. — Eu gostava dele, Jungkook. 

Jungkook mordeu o interior da bochecha para impedir de dizer um “eu te avisei”. Não era isso que Hoseok precisava agora. 

— Quero dizer. — Hoseok murmurou. — Eu não o amava, mas eu pensei que eu poderia algum dia... sabe? 

— Eu sei. — Disse Jungkook suavemente, correndo os dedos pelo cabelo de Hoseok, massageando o couro cabeludo. 

Hoseok fez um pequeno ruído, inclinando-se para o toque. — Ele odiava que eu estava no armário. Que eu não poderia apresentá-los. Eu disse que não estava pronto, e ele disse... ele disse que eu apenas não o amava... e que eu deveria dizer ao meu pai ou que estávamos terminados. Eu só... eu não podia. Pai seria ... ele ficaria decepcionado. Mais desapontado comigo do que ele já é. 

Jungkook queria bater Chanyeol em uma porrada. E Jung Dak-ho depois disso. 

— Seu pai te ama. — Disse Jungkook. Ele sabia que era verdade. Apesar de todas falhas de Dak-ho, ele amava o seu único filho, à sua própria maneira. 

— O que não significa que ele não ficará decepcionado. — Hoseok murmurou num sussurro, suas palavras abafadas pela camisa de Jungkook. — Eu não sou nada como ele. Eu não sou inteligente e de cabeça fria. Não muito bom no negócio. Se eu não tivesse os olhos dos Jung’s, eu acho que eu estava deserdado no momento do nascimento. — Ele riu. — Embora isso não signifique muito. Yoongi tem os olhos dos Jung’s e ele não é nenhum Jung. — Ele riu novamente. — Na verdade, Yoongi teria feito um Jung muito melhor do que eu. Ele é inteligente e esperto com seus investimentos, Namjoon me disse isso. Papai teria aprovado ele. 

Jungkook tomou o queixo de Hoseok e inclinou seu rosto para cima. O olhar de miséria absoluta nos olhos caramelados de Hoseok torcera suas entranhas, em um nó apertado com raiva. — Se ser um bom Jung significa ser um arrogante e astuto filho de uma puta, eu estou feliz que você é muito ruim nisso. E se esse idiota do Chanyeol queria a bênção de seu pai para te amar, foda-se ele, então. Ele é um maldito idiota. Vocês se conheceram pelo o que, dois meses? Um pouco cedo demais para a reunião da parte dos pais. 

— Eu acho que ele estava ansioso para conhecê-lo. — Hoseok estendeu a mão para a garrafa de Jungkook e bebeu o uísque restante em um gole. Jungkook inalou lentamente por entre os dentes cerrados. Não era a primeira vez que alguém chegou perto de Hoseok interessado em conhecer Dak-ho. Hoseok estava acostumado a isso agora. Mas isso não significava que que ainda não machucava. 

— Preciso de uma outra garrafa. — Hoseok disse de forma arrastada com seus olhos desfocados. 

— Penso que você já teve o bastante, companheiro. — Disse Jungkook, tendo ambas as garrafas a distância e colocando-as no chão. 

— Não. — Hoseok disse teimosamente. 

— Sim. — Disse Jungkook. — Você vai odiar a si mesmo na parte da manhã. 

— Se eu estou bêbado, então você está bêbado, também. — Disse Hoseok. 

— Ao contrário de você, eu posso segurar meu licor. Sangue irlandês e tudo mais. — Embora, verdade seja dita, Jungkook se sentia um pouco bêbado, talvez não o suficiente para dar-lhe uma dor de cabeça na parte da manhã, mas o suficiente para que o mundo parecesse lento e um pouco desfocado. 

— Eu não sou irlandês. Eu sou coreano. — Hoseok murmurou com um olhar confuso em seu rosto.  

Em outras circunstâncias, se Hoseok não estivesse tão miserável, Jungkook teria rido. Hoseok raramente ficou tão chateado que perdeu o fio da conversa. — Sim, você é. — Embalando o rosto de Hoseok, ele roçou os lábios contra a testa de Hoseok. — Tudo vai ficar bem, você vai ver. — Ele beijou o templo de Hoseok. 

Hoseok estremeceu. — Não faça isso. Agora não. Eu não posso, não agora. 

Franzindo a testa, Jungkook se afastou para olhar para o amigo. 

Hoseok estava olhando para ele estranhamente, seus lábios se separaram e se enrolaram em meia careta, seus olhos brilhando com desespero. — Eu... — Disse ele antes de dê repente se lançar para frente e fechar a distância entre suas bocas. 

Por um momento, o cérebro pulverizado de álcool de Jungkook não conseguia entender o que estava acontecendo. 

Hoseok estava beijando-o. 

Hoseok estava beijando-o. Ou pelo menos tentando, seus lábios eram desajeitados, desesperados e necessitado, tão carente que deixou Jungkook fora. 

— Por favor! — Hoseok sussurrou, os dedos emaranhados no cabelo de Jungkook e seus lábios agarrados a Jungkook. 

— Por favor... 

Jungkook nunca esteve mais rasgado. Uma parte dele estava pirando, era Hoseok, seu melhor amigo, o cara que ele amava como um irmão mais novo, pelo amor de Deus, e que diabos ele estava fazendo? Mas ele nunca tinha sido bom em dizer não para Hoseok quando ele estava sofrendo. E Hoseok, seu rosto molhado de lágrimas, estava sofrendo. 

Mas ele tinha que parar com isso. 

Tomando o rosto de Hoseok em suas mãos novamente, Jungkook empurrou- o suavemente. Hoseok realmente lamentou. 

 — Hoseok. 

Ele observou que a consciência finalmente substituiu o desespero nos olhos de Hoseok. Consciência, autoconsciência, e crescente horror. Hoseok parecia muito mais sóbrio de repente. Ele corou vermelho brilhante. 

Jungkook riu. — Eu sou tudo para se recuperar depois de um rompimento, mas... Eu sei que você está bêbado, mas eu não acho que você estava tão bêbado assim. 

Hoseok olhou para ele por um longo momento antes de deixar cair seu olhar. Depois de algum tempo, ele olhou para Jungkook novamente. — Desculpe. — Disse ele, limpando a garganta. — Eu só... eu não estava tentando usá-lo como um rebote. Obviamente. Eu só... Chanyeol disse algo que feriu o meu ego, então eu acho... — Ele deu de ombros timidamente. — Desculpa. 

— O que ele disse? — Perguntou Jungkook, já sabendo que ele não ia gostar. 

— Não importa. Foi no calor do momento, só para me machucar. 

— Hoseok-ah. 

— Ele disse... ele disse que eu era frígido e não era bom na cama. — Hoseok murmurou. — E que eu sou terrível em beijar. — Hoseok estava se recusando a encontrar seus olhos. 

Jungkook disse lentamente. — Hoseok, quanta experiência você realmente tem? 

Sobre qualquer coisa, Hoseok parecia ainda mais desconfortável. — Eu estive no armário toda a minha vida. 

— Quanta? — Jungkook pressionou. 

— Até Chanyeol, tive poucos beijos e uma masturbação. 

Foi a vez de Jungkook o olhar. 

— Você foi até o fim com ele? — Perguntou ele, finalmente, esperando que Hoseok diria que não. Ele não confiava no idiota para tratar Hoseok direito e Hoseok era praticamente uma virgem, Jesus. Quem diabos era virgem aos vinte e dois? 

— Sim. — Disse Hoseok, estudando suas próprias mãos. — Eu transei com ele. 

— Mas não o contrário? 

— Não. Ele queria. Nós tentamos, mas eu não conseguia relaxar. — Hoseok murmurou, até as pontas das orelhas vermelhas. — É por isso que ele me chamou frígido, eu acho. 

— Isso é besteira! — Disse Jungkook, lembrando que seu irmão havia lhe dito uma vez. — Nick disse-me que muitos homens gays realmente não percorrem todo o caminho, só aderindo a boquetes e masturbações. Nem todo mundo gosta de penetração.  

Hoseok deu de ombros novamente, parecendo que queria estar em qualquer lugar, menos lá. Jungkook sabia que a única razão pela qual ele mesmo falou que era porque ele estava bêbado; normalmente Hoseok sempre foi muito particular sobre sua vida sexual, porque, aparentemente, ele não tinha uma. Não que Jungkook era confortável falando sobre a vida sexual de Hoseok, mas ele não poderia deixar isso por isso mesmo. Hoseok tinha suficientes inseguranças graças ao seu pai; ele não precisava das inseguranças sexuais em cima deles. 

— E você não é um péssimo beijador. — Disse Jungkook. 

Os olhos de Hoseok foram para ele, amplos e confusos. 

— Você não é um muito bom. Sua técnica precisa de trabalho. Você é muito veemente. — Jungkook sorriu um pouco. — Eu entendo que é me por beijar. 

Finalmente, ele teve a reação que ele queria: Hoseok revirou os olhos, embora seu rosto ainda estava vermelho de vergonha. — Foda-se. 

Ainda sorrindo preguiçosamente, Jungkook encostou-se no sofá, esticando o braço ao longo das costas. — É assim que você fala com o seu melhor amigo que está prestes a oferecer-lhe a praticar com ele? 

Hoseok piscou algumas vezes, olhando adoravelmente confuso. — Você está brincando. 

Jungkook encontrou seu olhar de forma constante. — Não. Prometo não rir de você e apenas dizer se você está fazendo algo errado. 

Hoseok só olhava para ele. 

— Apresse-se antes de eu mudar de ideia— Disse Jungkook. 

— Você é hétero! — Disse Hoseok baixinho. 

Jungkook ergueu as sobrancelhas. — E daí? Não vai ser um beijo real. Eu vou deixar você praticar em mim, para que na próxima vez que algum idiota dizer que você é um péssimo beijador, você vai saber que ele está mentindo. — Verdade seja dita, Jungkook estava longe de ser tão blasé sobre a sua oferta como pretendia. Mesmo pensando em que beijar Hoseok era muito estranho. Mas Hoseok precisava de sua ajuda. Mais importante, Hoseok precisava ser tranquilizado que não havia nada de errado com ele para que ele pudesse obter a sua confiança de volta. 

Ele viu as emoções conflitantes nos olhos de Hoseok e não importa o quão perdido ele estava, ele provavelmente tinha dúvidas semelhantes sobre beijar alguém que era praticamente seu irmão. 

Mas Hoseok se aproximou outra vez... Cada vez mais perto até que suas bocas estavam polegadas distantes. Jungkook podia sentir o cheiro de uísque quando Hoseok tomou rasas respirações trêmulas. 

— Não seja tão nervoso. — Disse Jungkook, enterrando os dedos no cabelo de Hoseok e acariciando-o suavemente. — É somente eu. Não reaja. 

Hoseok bufou uma risada. — Isso é loucura! — Ele murmurou, olhando para os lábios de Jungkook. 

— Um pouco. — Disse Jungkook, aplicando pressão para a cabeça de Hoseok até sua testa tocar. —Observe e aprenda. — Tentando não pensar muito sobre o fato de que era Hoseok, ele colou suas bocas juntas e começou a beijá-lo, certificando-se de torná-lo lento e profundo, por isso Hoseok podia ver como ele foi feito. 

Exceto que Hoseok arruinou completamente, sua boca ficando nervosa e necessitada novamente. Antes que Jungkook pudesse processar o que estava acontecendo, a língua de Hoseok estava em sua boca e, em seguida, Hoseok estava chupando a língua de Jungkook avidamente, tornando esses pequenos sons desesperados novamente. Demorou para Jungkook fazer algum esforço para superar a completa estranheza disso, mas ele figurou que desde que Hoseok tinha tão pouca experiência sexual, que seu desespero era de se esperar. Isso ainda não tornava menos estranho que o cara que ele considerava um irmão mais novo estava chupando sua língua com pequenos gemidos descarados. Não era terrível, nem nada. 

Apenas estranho como o inferno. 

Hoseok gemeu quando Jungkook finalmente quebrou o beijo. 

— Melhor, mas você foi apressado novamente. — Disse Jungkook. — Muita língua. 

— Desculpe. — Disse Hoseok tardiamente, olhando atordoado e frenético. — Mais uma vez? 

— Mais uma vez. — Disse Jungkook. —Mas olhe o que eu estou fazendo. Lentamente. — Ele sorriu. — Ok? 

Hoseok balançou a cabeça, lambeu seu lábio inferior úmido e entreabriu os lábios, esperando para ser beijado. 

A visão era a mais estranha que Jungkook tinha visto em sua vida. Tentando afastar a sensação, ele se inclinou e apertou seus lábios juntos novamente. Hoseok suspirou e ficou muito quieto, deixando Jungkook beijá-lo sem pressa. Isso não durou muito tempo. Pouco tempo depois, Hoseok estava de volta a ficar necessitado, chupando a língua de Jungkook. Jungkook deixou-o fazer isso por um tempo antes de se afastar, enxugando os lábios, e dando uma olhada em Hoseok. 

Hoseok piscou os olhos turvos, como se despertasse de um sonho, e, em seguida, gemeu, cobrindo o rosto com as mãos. 

Jungkook riu. A coisa toda era ridícula. 

— Cale a boca. — Hoseok disse, puxando os joelhos para o peito e envolvendo os braços ao redor deles. — Você prometeu não rir. 

— Você tem que admitir que é muito engraçado. — Disse Jungkook, colocando um braço em volta dos ombros de Hoseok. — Na verdade, você não é tão ruim assim. Apenas um pouco demais. 

— Eu te odeio. — Hoseok resmungou, escondendo o rosto com as mãos novamente. 

— Se serve de consolo, sua boca tem gosto bom. — Disse Jungkook. — Ok, isso soou estranho. Mas como alguém que beijou mais de duas pessoas em sua vida 

— Três. — Hoseok interrompeu. 

— Como alguém que tenha beijado mais de três pessoas em sua vida, eu tenho que dizer que é muito raro para alguém bêbado ter uma boca com agradável degustação. Deve ser a sua reprodução superior. 

— Eu acho que você está mais bêbado do que eu. — Disse Hoseok, bufando. 

— Nunca. — Disse Jungkook. Soltando o seu sorriso, ele virou a cabeça e esfregou a testa de Hoseok. 

— Chanyeol está cheio de merda, Hoseok. Você não é frígido, confie em mim. — Se Hoseok poderia ficar tão animado de beijar alguém que ele nem sequer foi atraído, ele era o oposto de frígido. Jungkook beijou a testa de Hoseok. — Brincadeira à parte, você não é um péssimo beijador. A técnica não é tudo. É sempre lisonjeiro como o inferno quando o seu parceiro está ansioso. É excitante. Foi estranho para mim por razões óbvias, mas, obviamente, eu não conto. 

Hoseok colocou o queixo em cima de seus joelhos, abraçando-os firmemente. Ele virou o rosto então Jungkook já não podia ver até mesmo o seu perfil. — Não, você não conta. — Ele disse sem emoção. 

Os olhos de Jungkook se estreitaram, uma sensação de desconforto irritante na parte de trás de sua mente. 

— Estou cansado. — Disse Hoseok, suspirando e colocando sua cabeça no ombro de Jungkook. — Eu estou tão cansado. — Ele murmurou, com suas pálpebras deslizando fechadas. — Espero que eu não lembre disto amanhã. Eu não quero lembrar. 

Franzindo a testa, Jungkook acariciou seus cabelos com os dedos. 

— Eu desejaria... eu desejaria que as coisas fossem diferentes. — Hoseok sussurrou. 

— Diferentes? 

Hoseok não respondeu. 

Jungkook começou a pensar que ele tinha adormecido quando Hoseok murmurou baixinho. — Você já se perguntou se há universos alternativos? Um lugar onde as coisas são um pouco diferentes? Me faz sentir melhor em pensar que talvez em outra vida... — Sua voz ficou tensa e ela sumiu. 

Em pouco tempo, ele estava dormindo. 

Jungkook levantou-o cuidadosamente e levou-o para o quarto. Hoseok não acordou mesmo quando ele o colocou em sua cama. Jungkook sentou ao lado dele, recostando-se contra a cabeceira. 

Com sua testa enrugada, ele observou Hoseok dormir quando a sensação incômoda no seu estômago se tornou mais forte e mais forte. 


Notas Finais


Alimentem-se e aproveitem seu final de semana!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...