1. Spirit Fanfics >
  2. Confusion and Confession - Imagine Tamaki >
  3. Capítulo 1

História Confusion and Confession - Imagine Tamaki - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura!

Capítulo 1 - Capítulo 1


Fico afastada do grupo de alunos que se amontoava ao redor do quadro de avisos para olhar as notas de geografia. Estremeço só de imaginar qual o desastre da vez que vai estar na frente do meu nome.

Geografia parece tão fácil para os outros, mas para mim é como um monstro malvado.

Suspiro indo olhar as folhas com os resultados depois de a maior parte do pessoal ter saído. Sinto meu coração parar por um segundo e depois acelerar.

18 pontos de 100...

Jesus eu sou um caso perdido!

Abaixo a cabeça sentindo calafrios, se eu não tirar mais de 80 na próxima prova eu vou ficar de recuperação.

-- Nossa (S/N) que cara de derrota. -- Mirio senpai diz me dando um susto.

-- Você quer me matar? -- Pergunto tentando voltar a respirar normalmente.

-- Não. -- Ele responde rindo. -- O que aconteceu?

-- Isso. -- Aponto para a minha nota me sentindo péssima.

Minha individualidade me faz ser ótima para tudo que envolve números, ela literalmente leva o nome de Exatas.

Então não é difícil imaginar que eu sou péssima em matérias de humanas né? Mas ser tão ruim assim vai me fazer reprovar.

-- Sabe eu conheço alguém que é muito bom em geografia. -- O loiro diz parecendo confiante.

-- Você? -- Pergunto arqueando a sobrancelha, duvido totalmente disso.

-- Claro que não. -- Ele diz rindo. Esse é pior que eu, ri da própria tragédia. -- Eu estou falando desse cara. -- Ele diz apontando para o lado.

Sigo a direção que o dedo dele está apontando e me deparo com Tamaki senpai tentando se fundir a parede. Ele olha para mim por um instante antes de se virar corado, não posso julga - lo porque eu também estou corada.

Meu Deus é o Tamaki senpai, me segura que minhas pernas viraram geléia.

-- Ah m-mas eu não quero atrapalhar o Tamaki senpai. -- Digo olhando para Mirio em desespero.

Esse cara de pau do Mirio sabe que eu sofro de uma queda gigante pelo Tamaki.

-- Ah mas eu tenho certeza de que não vai atrapalhar ele em nada né Tamaki? Você não vai deixar a (S/N) desamparada assim né? -- Mirio diz provocando o amigo.

-- E-eu? -- O pobre elfos pergunta. -- Por mim tudo bem, eu ajudo s-sim.

Oi? Ele acabou de concordar?

-- Jura? -- Pergunto totalmente descrente, será que ele tá com muita pena de mim?

-- S-se você não quiser tudo bem, eu vou entender. -- Ele responde se encolhendo.

-- Claro que eu quero! -- Digo um pouco alto de mais.

O desespero pelas notas e por ficar um tempo com o Tamaki quase me fizeram gritar. Eu preciso controlar essa pessoa maluca e escandalosa que existe dentro de mim urgentemente!

-- Viu só que ótimo! Vocês podem até se encontrar hoje mesmo, Tamaki não tem nada para fazer e você (S/N)? -- Mirio diz enquanto tenta fazer o amigo desgrudar da parede.

-- Eu também não tenho nada para fazer. -- Respondo ficando tensa e ansiosa.

-- Então esteja as 15h na biblioteca! Tchazinho querida. -- O loiro diz enquanto arrasta Tamaki para longe.

Eles viram no outro corredor e eu me vejo sozinha, pisco rm choque por alguns segundos antes de dar uns pulinhos de felicidade.

-- (S/N) - san? -- Kendo chama parada do meu lado me olhando como se eu fosse um alien. -- Você ganhou na loteria ou o que? -- Ela pergunta rindo.

-- Mais ou menos. -- Respondo me recompondo.

-- Sei, bom Vlad King sensei já esta indo para sala. -- Ela explica.

Vamos andando lado a lado até a classe 1-B, enquanto isso ela tenta me obrigar a contar o que aconteceu. Mantenho minha boca bem fechada, o que ninguém sabe, ninguém estraga!

As aulas de hoje são todas teóricas, para minha felicidade são todas de exatas, as minha queridinhas. Respondo todas as questões que o sensei passa com a mestria de um especialista.

Acabo antes de todos os outros e fico esperando o sinal avisar sobre o fim da aula. Enquanto espero meus pensamentos voam para as 15h das tarde e o que pode acontecer.

Eu provavelmente vou passar alguma vergonha...

Suspiro com o pensamento pessimista e deito a cabeça na mesa. É bem capaz que com a minha incrivel inabilidade social eu acabe fazendo alguma bobagem.

Além disso o meu filtro entre o cérebro e a boca nunca existiu, ou seja, eu falo demais e sem pensar.

até vendo Tamaki senpai correndo de mim.

-- (S/N) a aula acabou, você vai ficar aí se lamentando ou vem comer com a gente? -- Kendo diz me cutucando.

-- Depende, você seguiu meu conselho e comprou uma coleira para por no Monoma? -- Pergunto desanimada e todos ao redor dão risada.

-- Não comprei não, mas caso você não tenha notado ele não veio hoje, tá doente. -- Ela responde limpando lágrimas invisíveis.

-- É um milagre! -- Exclamo pondo as mãos para cima, novamente todo mundo acaba rindo.

Eu vou entrar pro circo, eu mal falo nada e o povo rindo!

Saímos da sala indo em direção à cantina, e novamente a ruiva está me questionando sobre o motivo de eu estar pulando no corredor. Fiquei muito tentada em dizer que eu estava tentando matar formigas, mas ela não acreditaria então só disse a verdade.

-- Ai é um encontro! -- Ela diz juntando as mãos fazendo uma voz fofa.

-- Não, a gente vai estudar. -- Explico corada.

-- Ué, mas você é apaixonada por ele, então é um encontro. -- Ela conclui simplesmente. Até parece que é fácil assim ruiva.

-- Hehehhehe. -- Escutamos uma risadinha, viramos para trás em câmera lenta só para nos depararmos com Nejire tentando conter o riso e Tamaki correndo para longe.

-- Me diz que ele não ouviu nada, por favor! -- Digo em desespero para a azulada.

-- Olha com aquelas orelhas de elfo eu acho difícil. -- Ela responde sorrindo.

meu Deus, é agora que eu desmaio?

-- Calma ele pode não ter ouvido nada. -- Kendo tenta me acalmar.

-- Então por que ele estava correndo? -- Pergunto sentindo a pressão baixar.

-- É o Tamaki então nunca se sabe, já me conformei com esses ataques de timidez dele. E se ele ouviu não se preocupe, ele deve estar feliz de montão. -- Nejire fala docemente saindo dali.

Kendo me guia até a mesa me sentando, aparentemente eu perdi a habilidade de controlar as pernas só com a possibilidade de ele ter ouvido algo.

-- Você ainda vai na sessão de estudo. -- A ruiva diz com firmeza e antes que eu reclama ela continua. -- Se não for você vai se arrepender, vai pensar "E se eu tivesse ido?" para o resto da vida!

Que droga, porque ela sempre tem razão?

Suspiro tentando me preparar emocionalmente para essa sessão de estudos. Passa as mãos pelo rosto tendo um péssimo pressentimento.

♡~QT~♡

-- E aí, como foi? -- Kendo pergunta sentada no sofá da sala depois de eu entrar.

Estagno perto do sofá minha mente trabalhando nas memórias:

-- O-oi (S/N) - san. V-você quer aprender ge-geografia né? -- Tamaki pergunta quando eu me aproximo da mesa em que ele estava.

Ele não está nem olhando para mim.

-- S-sim, isso mesmo. -- Respondo me sentando na frente dele.


-- C-certo então e-eu trouxe esses exercícios. -- Ele diz empurrando um caderno enquanto olha para o lado.


Me jogo de cara no sofá lembrando que essa nem foi a pior parte. Ele estava super nervoso enquanto gaguejava e isso me deixou nervosa.


-- Foi ruim assim? -- Kendo pergunta fazendo carinho no meu cabelo e eu me limito a erguer o polegar em positivo. -- Pobrezinha.


-- Ele me deu as anotações dele do primeiro ano para eu estudar e então vamos nos ver denovo daqui a dois dias. -- Resmungo com a cara enfiada em uma almofada.


-- Porque a trouxa tá triste? -- Monoma pergunta.


Pego a almofada mais proxima e lanço para trás atingindo a cara dele em cheio. Uma das maravilhas da minha individualidade é nunca errar um alvo mesmo sem olhar para ele.


-- Se anime, vai dar tudo certo! -- Kendo tentando me animar, novamente.


Me levanto indo até o meu quarto e abro as anotações dele, começo a estudar e me esforço para não dormir, mas acabo sendo vencida pelo sono.


Acordo na manhã seguinte com dor no pescoço por ter dormido sentada e com fome porque eu acabei pulando o jantar ontem a noite. Me arrumo indo para a sala na esperança de comer alguma coisa.


Depois de comer corro para a sala porque hoje temos aula prática. Aulas práticas sempre passam extremamente rápido, talvez seja porque parece que vamos morrer em todas elas.


O fato é que esse dia passou rápido de mais, e cada vez mais se aproximava o amanhã em que eu terei que encontrar Tamaki senpai novamente.


E passar vergonha, novamente!


Me esforço para chegar ao dormitório, tomar um banho e comer alguma coisa antes de ir para o meu quarto estudar geografia novamente. Mas dessa vez eu me sentei na cama, assim se eu dormir vou sentir menos dor.


Passo horas tentando decorar coisas que não fazem o mínimo sentido para mim, como é que Tamaki entende sobre tudo isso? Suspiro jogando os cadernos paro o lado e resolvo ir dormir.


-- (S/N) acorda, você está atrasada!! -- Alguém grita batendo na minha porta depois do que parecem ser apenas minutos após eu fechar os olhos.


A minha vontade é mandar a pessoa ir importunar outro e ficar dormindo, mas eu não vou me tornar uma heroína dormindo mais. Resmungo enquanto me levanto e me arrumo, para em seguida descer para o primeiro andar.


-- Pronta? -- Kendo pergunta enquanto eu mordo uma (fruta). -- Até mesmo para o encontro com o Tamaki senpai? -- Questiona com um sorrisinho me fazendo engasgar.


merda é hoje? Como chegamos aqui tão rápido?


Vamos para a sala e eu me sento na cadeira assistindo. Bom meu corpo está na sala assistindo, a minha mente tá em combustão de tanta ansiedade.


-- Vamos comer. -- Kendo diz me puxando depois de eu arrumar meus materiais.


Faço tudo no automático enquanto tento me lembrar das anotações que eu li, o problema é que é como se eu não tivesse lido nada.


Eu passei horas lendo aquelas anotações para você apagar tudo cérebro infeliz?


Eu acabei de falar com meu cérebro como se ele fosse responder...


Constatando que estou totalmente despreparada para essa aula particular me enfio na biblioteca para estudar mais. Não olho para o relógio e acabo me perdendo em uma montanha de livros.


-- (S/N) - san? -- A voz do elfo soa me fazendo assustar olhando para os lados.


-- Onde você está senpai? -- Pergunto, estou cercada de livros em uma mesa encostada na parede, então eu não estou vendo nada. -- Será que eu estou ouvindo vozes?


-- Estou aqui. -- Ele diz tirando uma das montanhas de livro da minha frente. -- V-você está se dedicando bastante pelo visto.


-- Na verdade... eu não estou entendendo nada. -- Confesso com os olhos cheios de lágrimas.


Eu estou sobre muita pressão ultimamente.


-- N-não chora (S/N). -- O senpai diz preocupado. -- Eu fiz isso para você. -- Ele fala entregando um caderno.


Pego o caderno enquanto ele se senta, são as mesmas anotações só que ele deu ênfase nos números e fez resumos mais simplificados com vários exemplos. Ele fez isso para mim? Mas deve ter levado horas.


-- A s-sua individualidade foca em números e coisas exatas, então e-eu pensei que desse jeito fosse ficar mais fácil. -- Ele diz me olhando dessa vez, está com as bochechas vermelhas.


-- Deve ter demorado muito. -- Falo preocupada.


-- Um pouquinho sim, mas eu queria te ajudar o máximo que podia, se isso é importante para você então também é para mim. -- Ele explica falando mais lentamente, acho que isso deve ajudar a não gaguejar.


Por algum motivo a frase de Kendo sobre os "e se" me veio a cabeça.


-- Você ouviu o que eu disse aquele dia na cantina e esta com pena de mim, não é? -- Pergunto tentando parecer calma, tudo que eu não quero é que ele tenha pena de mim!


-- O q-que?! Não! Nos vamos falar disso agora? -- Ele diz corando ao extremo e em seguida esconde o rosto com as mãos. -- C-como você pode pensar isso depois da Nejire ter te contado?


-- Contado o que? -- Pergunto confusa.


-- O que ela disse para você aquele dia? Ela me pediu desculpa por ter falado demais. -- Ele pergunta me espiando por entre os dedos com a mão ainda na frente do rosto.


Penso bem, me forçando a lembrar do que a azulada disse quando ouviu Kendo dizer que eu gosto de Tamaki.


-- É o Tamaki então nunca se sabe, já me conformei com esses ataques de timidez dele. E se ele ouviu não se preocupe, ele deve estar feliz de montão.


Feliz de montão? Como eu não reparei nisso antes?


Ah é... eu estava em pânico.


-- Porque você ficaria feliz de montão por saber que gosto de você? -- Pergunto tentando raciocinar.


-- (S/N) - san não diga isso assim derrepente. -- Ele diz se escondendo atrás de um livro.

-- Que eu gosto de você? Mas você já sabe! -- Falo confusa.

-- É, m-mas o meu coração ainda não aprendeu a lidar com esse fato direito. -- Ele resmunga.

-- Que fato, me explica que eu tô toda confusa. -- Peço enquanto tiro o livro da frente do rosto dele.

-- O f-fato de que sou co-correspondido. -- Ele diz olhando para baixo todo tímido e fofo.

Uau, eu em choque...

-- Você pode repetir só para eu ter certeza que não ouvi errado? -- Pergunto ainda com dificuldade de acreditar.

-- E-eu também gosto de você. -- Ele diz olhando nos meus olhos ainda tímido.

Faço um barulho de empolgação e me levanto me inclinando em cima da mesa estreita, fico bem na frente do rosto dele e não resisto em dar um selinho em seus lábios.

Por alguns instantes ele parece surpreso, mas logo segura meu rosto com as duas mãos aprofundando o beijo com delicadeza e carinho.

Nos separamos pouco tempo depois ofegantes e corados, logo em seguida ouvimos alguém coçar a garganta de forma forçada, é a bibliotecária nos repreendendo. Pedimos desculpas e eu logo me sento sem conseguir parar de sorrir.

Acho que eu amo geografia, mas talvez eu goste mesmo é do professor.


Notas Finais


Espero que tenham gostado!

Obrigada por ler e desculpe qualquer erro! ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...