História Conquistando o Melhor Amigo - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, Friendzone, Imagine, Imagine Kim Taehyung, Imagine V, Jikook, Jimin, Kookmin, Namjin, Sope, Taehyung, Vhope, Yoonseok
Visualizações 35
Palavras 3.040
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Famí­lia, Ficção, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gente, rs. Vocês estão bem?
Caralho, que saudade daqui manoooooooo!
Demorei? É.................. Apenas alguns meses.............
MAS, MAS ESTOU AQUI!
E a fanfic tem uma playlist, aaa :)
Como ainda está no início, pode até ser um pouco confusa, mas como ela está toda pronta e organizada na minha cabecinha, já fui escolhendo as músicas aqui! Então galera, o link vai estar nas notas finais, e já vou logo avisando que tem SIM músicas VELHAS.

Boa leitura, anjinhos! Não desistam de mim, aaaa

Capítulo 5 - Fünf


Sabe, eu acho que a mamãe é a única normal da família Park.

É sério, eu não sei como ela ainda não enlouqueceu! Eu com as poucas décadas de vida já estou completamente maluca, imagine ela que está há séculos vivendo com a família Park.

Mas esse não é o maior problema, e sim o fato de mamãe não deixar eu repetir o delicioso prato que ela fará para o jantar de hoje.

— Mas mamãe! Isso é injustiça, você irá negar comida para sua primogênita e única filha?

— Isso é questão de etiqueta, S/N. Você parece um refugiado da guerra! Não sei como Jungkook te aguentará quando finalmente casarem. — Às vezes – ou seja, sempre– minha mãe pega pesado com a verdade. Mas, eu não tenho culpa! Afinal, estou em fase de crescimento.

—É... Quando eu e Jungkook nos casar... — Acabei suspirando desanimada, e deitei meu tronco no colchão macio e cheiroso da minha maravilhosa cama de solteiro.

— Querida, o que aconteceu? Você é Jungkook brigaram? — Indagou claramente preocupada, enquanto se sentava na beira da cama.

— Não, não. — Respondi enquanto me levantava e me sentava ao lado de mamãe, com as pernas cruzadas, semelhante ao um índio. — Só acho que ele merece alguém melhor do que eu.

Minha mãe riu, negando brevemente com a cabeça enquanto me apertava no abraço.

Qual a graça? Também quero rir.

— E quem pode ser melhor do que você?

Jimin, talvez? Ah mãe, se a senhora soubesse o que eles fazem naquele quarto... A senhora teria um ataque cardíaco.

— Filha, eu sei que não é fácil largar a putaria. — Após dizer isso, pulei da cama incrédula e acabei batendo minha bunda no chão.

— Não! Mãe, não é isso que a senhora está pensando! — acabei elevando meu tom de voz, enquanto me levantava do chão, encarando minha mão assustada.

Não creio que ela está insinuando tal coisa...

— Filha, calma. Eu sei que você andou pulando a cerca... Afinal, desde o nascimento você e Jungkook são noivos, é normal que você queira conhecer outras pessoas, bocas, corpo... — A forma calma que minha mãe falava me assustava, e eu não conseguia dizer absolutamente nada.

Como ela sabe que eu não sou mais virgem? Aposto que foi Jimin que falou! Aquele linguarudo do inferno!

— Olha, mamãe pode te ajudar, não se sinta culpada por isso. Sei que Jungkook já deve ter feito isso, ele é um homem. — Senhora Park riu levemente, negando brevemente com a cabeça. — Então, não se sinta culpada. Mas, depois de se casar... Vai ser difícil, mas terá que abandonar a putaria.

— Que horror, mãe! — Exclamei, sentando-se ao lado da mais velha. — Eu não traí o Jungkook! Mas acho que ele merece uma pessoa melhor do que eu, só isso.

— E quem seria melhor do que você? — Fez a mesma pergunta novamente, aos risos.

Hm, Park Jimin?

Só talvez.

— Bom, eu não sei. — Me levantei novamente e peguei um casaco, vestindo em seguida. — Eu vou sair. Volto logo! — Mandei um beijinho para minha mãe e saí com pressa do quarto.

— Não se atrase para o jantar!



































O sol já estava se pondo e eu corria pelas ruas indo até a academia onde Taehyung trabalhava. Se eu estiver certa — e tenho certeza que eu estou —, nessas horas Tae estaria triste e precisando de um ombro amigo.

E será o meu ombro que ele irá chorar! Ou não me chamo Park S/N!

Corria o mais rápido que poderia, a academia ficava apenas algumas quadras longe da minha residência. Quer dizer, muitas quadras longe!

Mas vamos ver pelo lado bom: Eu estou me exercitando!

Certo, esse não era o lado bom.

O lado bom é que eu posso ficar mais tempo conversando com Taehyung, enquanto ele me acompanha até em casa.

Cerca de meia hora, eu finalmente pude avisar a academia com algumas luzes acesas do outro lado da rua. Não pude conter um sorriso enorme, creio que ficou parecido com a Momo.

Credo, que horror.

Atravessei a rua, aproveitando que o semáforo para pedestres estava verde. Após pisar meu pé na recepção, fui até o balcão para perguntar se o professor Taehyung ainda estava aqui.

Sim galera, de prostituto, Taehyung se transformou em professor de dança. Que orgulho do meu futuro marido, gente!

— Com licença, senhorita Lee. — Chamei a moça que estava distraída digitando algo em seu celular.

— Pois não? — Perguntou, tirando atenção do aparelho.

— O professor Kim Taehyung ainda está aqui?

— Creio que sim. Não o vi sair.

— Obrigado! — Agradeci com um sorriso simpático e fiz uma breve reverência, caminhando às pressas até a escada, para ir até a sala do Professor Kim Taehyung.

Que chique, credo.

Quando cheguei na sala de Taehyung, pude vê-lo abraçado com Seokjin, aparentemente chorando.

Ótimo, cheguei tarde!

Me aproximei mais da porta, podendo ouvir mais ou menos o que conversavam.

— Você acha que ele está me traindo? — Pude reconhecer a voz chorosa de Taehyung.

Aquilo me partia o coração.

— Talvez... Ah, meu bebê... Eu sinto muito, mas pelas inúmeras experiências que tenho, traindo e sendo traído... Acredito que talvez, ele esteja fazendo isso. — Essa voz era familiar, era Seokjin falando.

Kim Seokjin é primo de Taehyung, eu o conheci quando foi buscar Tae no colégio. Conversamos brevemente, e algumas vezes nós nos esbarramos por aí.

— Eu vou matar Hoseok! — Esse grito eu tive certeza que pertencia a Taehyung.

— Não, não vai! Você não querer ter mais uma noite na cadeia, não é? Seu malandro! — Pequeno detalhe citado por Seokjin.

Bom, no primeiro capítulo vocês perceberam que eu tenho um sério problema mental por me apaixonar por Taehyung, então descobrimos que meu pai pagou para eles... Né, fazerem fuc fuc. E agora, mais uma revelação sobre Taehyung: Ele já foi preso.

Foi pego pichando alguns muros por aí, segundo ele era para “marcar território”. Com aquelas pichações, seus “clientes” saberiam onde o encontrar.

Porém não deu certo, ele foi pego pela polícia, por minha culpa. Eu insisti para ir com ele, então avisei ao meus pais que iria dormir na casa de uma amiga e Jimin como um ótimo irmão, me ajudou nessa. Então, saímos e eu apenas observava aquele garoto lindo desenhando na parede, com aperto no peito por saber que isso não iria dar certo, que ele tinha uma vida brilhante pela frente, mas estava dispersando de tal forma. E principalmente, por saber que ele não queria, mas não enxergava outra solução.

Foi então, que ouvimos as sirenes.

Lembro como se fosse hoje, o desespero que passamos e a expressão amedrontada do meu amigo. O medo não era de ser preso, e sim de eu ser presa, ele sabia da confusão que iria causar se eu fosse pega, embora toda aquela confusão fosse por minha culpa.

Ele me encobertou, me ajudou a não ser pega. E foi naquele momento, que eu senti que ele me amava. Não na mesma intensidade que eu o amo, mas ele sentia um afeto por mim.

E não foi só naquele momento, para deixar bem claro.

— Bom, já está tarde é melhor ir para casa, antes que a tia fiquei preocupada de mais. Aliás, mande lembranças para ela, por mim e por meus pais. — Após ouvi a voz de Seokjin mais próxima, tratei logo de me afastar da porta e fingir que estava passando por ali.

— S/N? — Indagou Tae, confuso ao me ver. — O que faz aqui? Já está tarde, não?

Sorri pequeno enquanto observava aquele rostinho perfeito claramente cansado, com os olhos inchados devido ao choro recente. Provavelmente seus pés estriam calejados e fedidos devido ao suor absorvido na meia.

Credo, que nojo.

— Eu fiquei preocupada com você, então resolvi te procurar. — Disse baixo e por mais difícil que seja acreditar, eu estava com vergonha.

O que está acontecendo comigo? Credo.

— Ah, que gentileza! — O primo de Tae exclamou, bagunçando meu cabelo em seguida.

Porra! Eles estavam arrumados e cheirosos! E incrivelmente maravilhosos com essas luzes! Que ódio.

— É desse tipo de companhia que Taehyung precisa. Alguém gentil e que se importe com ele. — Jin – como era mais conhecido – olhou para mim, em seguida para seu primo, antes de sair como se nada tivesse acontecido.

Que cara lindo e estranho. Será que todos os Kim tem essa beleza como herança?

Imagina só então, meu filho com Taehyung! Terá a beleza herdada das duas famílias! Será o ícone de beleza.

Até se perder pelos caminhos das drogas.

— O Jin tem razão. — Escutei a voz rouca do loiro quebrar o silêncio, fazendo arrepiar inteira.

Nossa Taehyung, você é bem rapidinho né? Mal brigou com Hoseok e já está substituindo-o por outra.

Adorei, eu apoio isso!

— Você é realmente gentil. — Naquele momento, senti como se me dessem um banho de água fria, com alguns cubinhos de gelo.

Ri baixo, sem vontade. Então, coloquei uma mecha do meu cabelo atrás da orelha.

— Obrigada.

— Vem, te acompanho até em casa.

Obviamente, aceitei o convite do Kim e fomos caminhando calmamente até minha residência. Demoramos cerca de cinquenta minutos, já que estávamos andando bem calminhos, segurando a mão um do outro, como namoradinhos.

Estão ouvindo meu berro?

Eu e Taehyung.

Taehyung e eu.

Andando juntos, com as mãos dadas!

Senhor, já pode me levar. Cumpri minha missão aqui nessa Terra.

Mentira, deixa eu e Taehyung termos herdeiros, pelo menos nos deixe foder antes.

Ok, Taehyung vamos naquele beco ali!

Credo, ignorem isso.

— Ah, agora que reparei bem... O cabelo ficou lindo! — Meu melhor amigo elogiou assim que paramos na porta de minha casa. As luzes estavam acesas e dava para ouvir algumas risadas e conversas.

Certo, eu me atrasei um pouco — talvez muito — para o jantar.

Mas isso não importa! Pelo menos, depois de muito tempo, o Taehyung finalmente percebeu o quão fabuloso meu cabelo está.

— Obrigado, Tae. — Sorria enquanto desviava meu olhar para ele e as janelas iluminadas em casa. — Ah, são aqueles jantares em família, parece que Jimin vai oficializar o namoro. Eu não te convidei, pois meu pai não gosta muito de você e não queria ir ele te tratasse mal, mas você faz parte da família! — Expliquei um tanto constrangida, arrancando uma risada gostosa e contagiosa de Taehyung.

— Não se preocupe. De qualquer forma, não iria poder comparecer. — Deu de ombros, e nós dois voltamos a rir.

Dessa vez, sem nenhum motivo aparente. Apenas... Rimos.

— Bom, até amanhã?

— Até amanhã!

Após nos despedimos, entrei em casa tentando fazer silêncio, porém não foi o que aconteceu.

O senhor e senhora Jeon olharam para mim, junto com meu noivo, meu irmão, a irmã do meu noivo e meus pais.

— Ah, não está tarde para sua filha ficar perambulando sozinha pelas ruas? — Esse foi senhor Jeon, vulgo meu sogro comentando sobre a minha vida.

O Jungkook é lindo, gostosão, gentil, inteligente... É, são apenas esses adjetivos carinhosos que eu consigo descreve-lo. Mas, como vocês viram no primeiro capítulo, ele não é tão santo assim.

Porém, o pai dele consegue ser mil vezes pior!

— S/N é uma moça responsável e sabe se cuidar. Confio plenamente na minha filha. — Papai me defendeu, fazendo o nojento do senhor Jeon se calar.

Meu pai pode ter errado, assim como todo ser humano já errou na vida, mas eu o amo.

— Senhor Park tem razão. — A voz de Jungkook se fez presente, ganhando atenção de todos. O garoto raramente falava. — S/N pode ser uma mulher aparentemente frágil, completamente maluca e sonsa. Mas, é esperta e sabe se cuidar.

É, nunca esperei muito de Jeon Jungkook.

Mas sabe o pior? Todos riram.

E quando eu digo todos, eu estou me referindo aos meus pais, a família Jeon, meu irmão e a Amanda que está descendo as escadas.

— Perdoe-me a demora, estava resolvendo alguns assuntos. — Amanda falou, aproximando-se de todos. — Prazer, sou Jung Amanda. Amiga de S/N.

Céus, ele estava tão linda com aquele vestido, aquele cabelo, aquela maquiagem, aquelas joias e aquele par de sapatos.

Amanda bonita não é nenhuma novidade. Somos lindas, cheirosas e gostosas.

— Com licença, vou me trocar e já volto. — Avisei caminhando até a escada e indo em direção ao quarto.

Sabe quando eu citei meus pés fedorentos anteriormente? É, eles estão realmente com chulé!

Eu vesti o vestido que compre no shopping com a Amanda. Ele era cinza claro, a cauda da saia ia até os joelhos, a gola era redonda e não exibia muito meus seios, não tinha mangas e minhas costas ficavam nuas. Era feito de cetim e renda, por sorte tinha sutiã interno então não preciso usar sutiã.

Não que eu não goste de usar sutiã, porém é ridículo quando a tirinha fica aparecendo!

Minha opinião, calma. Se você gosta, problema é seu.

Após calçar meu par de sapatos de salto alto, retoquei a maquiagem e penteei meu cabelo rapidinho, então finalmente desci para sala para participar daquele maldito jantar.

(...)

O jantar em si foi tranquilo, não teve aquelas piadinhas idiotas da parte do senhor Jeon. Estava tudo tão calmo...

— Eu peço atenção de todos, por um breve momento, por favor. — Jimin se pronunciou, ganhando atenção de todos assim que se levantou da cadeira.

É agora que ele vai sair do armário, revelar a todos que namora o Jungkook, eu vou ficar livre desse noivado e ambos serão expulsos de suas casas!

E claro, deixar bem claro que esse "namoro" com a irmã do Jungkook é só para disfarçar.

— Eu gostaria se pedir autorização para o senhor e senhora Jeon, para eu poder namorar a filha de vocês. — Segundo balde de água fria que eu recebo.

Gente, ver Jimin falando assim até que parece que ele é hétero ou bi.

Bichona.

Lembrando que é só uma brincadeira, eu posso porque sou irmã dele e nós brincamos assim, sem nenhum ódio envolvido!

— Eu não vejo problema algum! — Senhora Jeon se pronunciou toda animada e com um sorriso enorme.

— Nós autorizamos, com toda certeza. — Senhor Jeon disse animado, assim como sua esposa. — Um brinde, ao namoro de minha filha com Park Jimin!

Como todos, eu sorri e levei minha taça de vinho para brindarmos, e na hora que Jimin se curvou para dar um beijo na Seunghee, Jungkook se levantou e correu para o banheiro sem dar explicação.

Nem pediu licença, esse sem educação!

Brincadeiras à parte, Jungkook está péssimo, dá para ver isso. Mas tanto minha família quanto a dele apenas fingem não ver.

— Com licença, vou ver se ele está bem. — Avise antes de me levantar e ir atrás de Jungkook.

Não tenho certeza onde ele deve estar, porém acho que no banheiro.

Bati na porta e nem esperei por resposta, já abri. Afinal, estou na minha casa.

— S/N! Por favor, volte para mesa. — Disse Jungkook, arrancando-me um suspiro.

— Eu entendo que não está sendo fácil para você. — Disse fechando a porta do banheiro. Me sentei na tampa do vaso sanitário enquanto encarava meu noivo lavando o rosto inúmeras vezes. — Mas, você deveria saber o que iria presenciar, você sabe que isso sempre acontece.

— Eu não sabia que eles estavam namorando. — Disse irritado.

Espera, nem Jungkook sabia? Jimin escondeu isso de todos?

— Muito menos eu... — Murmurei.

Jungkook veio até mim e se ajoelhou, em seguida deitou sua cabeça em meu colo e voltou a chorar.

Céus, mereço! Agora tenho que cuidar de homem chorão.

— Você acha que ele me ama? — Perguntou aos prantos.

Que drama gente, credo.

— Claro que ele te ama.

(...)

— Que porra foi aquela, Jimin? — Perguntei assim que invadi o quarto do meu irmão, o encontrando apenas de toalha.

O jantar havia acabado, a família Jeon foram embora e meus pais estavam “namorando” na sala.

— Que merda, S/N! — Jimin resmungou constrangido, porém isso não o impede de se vestir. — O que você quer?

— Saber o que foi aquilo no jantar. — Falei enquanto me sentava na cama. Tirando meus pais namorando na sala, estamos só eu e Jimin, já que Amanda saiu para dar uma volta.

Essa menina é estranha, eu hein.

— Aquilo o quê?

— Seu “namoro” com a Seunghee. — Acabei elevando meu tom de voz, suspirando em seguida. — Jungkook ficou chorando para caralho no banheiro. Aliás, ninguém sabia sobre isso!

— Não era nada oficial, só agora resolvemos falar com os nossos pais. — Explicou simplista, sentando-se ao meu lado.

— Mas e seu caso com o Jungkook?

— A gente vai continuar se encontrando, mas vamos ser mais discretos. — Suspirou, passando a mão por seus fios. — Eu fiz isso para o bem do Jungkook.

— Para o bem dele? — Falei indignada. — Ele ficou chorando! Completamente acabado! E você ainda diz que é para o “bem” dele?

— O pai dele estava desconfiando, S/N. Jungkook estava apanhando por causa da suspeita do nosso caso. Esse namoro com a Seunghee, foi uma forma de mostrar que meus encontros com Jungkook eram apenas estudos. — Agora as peças se encaixam!

— Jimin... Você sabe que irá casar, não é?

— Eu pretendo me casar. Aliás, me casando com a Seunghee é uma forma de continuar perto de Jungkook, não acha? — Falou, deitando-se na cama.

Como não sou boba — talvez só um pouco —, me deitei ao seu lado.

— Nós iríamos viver na mesma casa, você sabe como Seunghee é grudada no Jungkook. — Jimin me abraçou, apertando-me um pouco.

— Isso tudo é tão complicado.

— Concordo, pequena. — Murmurou, fazendo-me suspirar fundo. Odeio quando me chamam de “pequena”. Qual é? Eu tenho 1,67! Não sou tão baixa assim.

— Amanhã a gente conversa melhor, sim? Agora vamos dormir.

Acabei concordando, o dia hoje foi cansativo e tenho a sensação que amanhã o dia será bem longo.


Notas Finais


Oi galera, rs. GENTE O QUE FOI ISSO?!?!
Bom, podemos conhecer um pouquinho mais do passado obscuro do TaeTae e também da vida do Jungkookie, coitado ele sofre hein ):

A PLAYLIST AQUI Ó:

-> https://www.youtube.com/playlist?list=PLg_v8UcNj42YXeTLqNyULTkcuCqMswBh7 <-

Relaxa que com os capítulos vocês vão entender melhor o porquê das músicas escolhidas, hein.

Até a próxima, anjinhos! Vou tentar não demorar tanto, rsrsrs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...