História Consequências de uma noite ( Jeongcheol ) - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Seventeen
Personagens Boo Seungkwan, Hansol "Vernon" Chwe, Hong Jisoo "Joshua", Jeon Wonwoo, Junghan "Jeonghan", Kim Mingyu, Lee Chan "Dino", Lee Jihun "Woozi", Lee Seokmin "DK", Personagens Originais, Seungcheol "S.Coups", Soonyoung "Hoshi", Wen Junhui "JUN", Xu Ming Hao "THE8"
Tags Jeongcheol, Junhao, Lee Chan, Meanie, Seoksoo, Soonhoon, Verkwan
Visualizações 127
Palavras 2.720
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá meu povo.

Voltei cedo dessa vez, vou postar agora, já que amanhã não vai dá de jeito nenhum.

Espero que gostem.

Boa leitura...

Capítulo 7 - Capítulo 7


Fanfic / Fanfiction Consequências de uma noite ( Jeongcheol ) - Capítulo 7 - Capítulo 7

            Pov. Jeonghan 


8 meses depois.

Não estava sendo fácil esses meses de gravides, as dores estavam piores.

Não conseguia nem ficar em pé mais, porém eu precisava trabalhar.

Mas a senhora Boo me liberou até eu ter os bebês e quando eu estiver melhor, o emprego estaria me esperando. 

Ela gostava de mim, me tratava como um filho para ela.

Então como eu não estava indo trabalhar, eu Estava aqui babando pela minha barrigona de Quase nove meses. 

Não vejo a hora de vê-los.

Suspirei.

Joshua estava no quarto tomando banho - ele tinha acabado de chegar do trabalho.-  e eu deitado no sofá olhando a TV. 

Esperávamos pelos meninos que viriam para cá, vamos maratonar filmes é séries. 

Jihoon foi obrigado por mim, a vir.

Eu já tinha tomado banho, e estava apenas esperando por eles. 

Logo apareceu um joshua de cabelos molhados e com um bico enorme.

Uma criança.

- O que houve? - perguntei. 

Ele  sentou-se ao meu lado.

- Amanhã eu terei que ficar até mais tarde no trabalho, é eu estou com preguiça. - Joshua disse rindo.

Eu rir.

Ele trabalha como médico no hospital daqui de Seul. Isso que eu pretendo arrumar depois que tiver meus filhos, trabalhar na minha área.

Escutamos a campainha, e joshua foi abrir na maior preguiça do mundo.

Logo vimos os meninos entrando na minha casa, praticamente Seungkwan jogou-se em cima de mim - e olha que ele pesa pra caralho, e nisso o peso vem só da Bunda. - eu abracei ele.

Pense em uma criatura pra ter Bunda, Seungkwan é a definição de rabetão. 

Eles sentaram-se pelos meus sofás e me olharam.

- Como meus bebês andam? - Jihoon perguntou

 eu rir.

- Seus bebês? - Mingyu questionou, é riu. - Meus bebês.

E começou as discussões. 

Eles esquecem de quem é o pai.

E de quem está carregando eles.

- Seus não, nossos. - Minghao disse rindo. 

Revirei os olhos.

- Eles são meus. - Seungkwan meteu-se - E só minha opinião importa.

Eu bufei. 

- Nem de vocês, é nem de ninguém. - Respondi - São meus filhos, eu que carrego o peso, é eu que vou cuidar. 

Eles fizeram bico. 

Se eu não falar isso, eles brigam por horas.

Coitada das minhas crianças quando nascerem.

Seungkwan foi destruir minha cozinha - diz ele que iria fazer pipoca. - e logo depois voltou com a pipoca é suco.

Me deitei no colo do Meu irmão - esse que me abraçou e começou a fazer carinho na minha barriga - colocamos um filme de romance para assistir. 

É eu que nunca gostei de cliché, me via chorando por um filme de romance que eu sabia que era ficção.

Mas por um momento eu queria que fosse real.

E na minha memória veio o sorrisinho de canto de Choi Seungcheol - esse que nunca retornou nenhuma das minhas chamadas. - aquele homem querendo ou não me deixou uma marca.

Essa que são nossos filhos. 

E estranho falar nosso, sendo que nem se sabe, se algum dia eu irei vê-lo novamente e poder contar da novidade.

Tem algo dentro de mim que quer revê-lo. Mas tem outra que não quer. 

E isso é uma droga.

As vezes me pego pensando nele, naquele rosto belo - mesmo que eu tenha visto só por algumas horas, e por fotos. - ainda era marcante nas minhas lembranças  de um dia.

Eu me arrependo de não ter bebido até esquecer tudo, pois eu não iria lembrar de nada.

Nem do belo sorriso dele.

Mas como a vida gosta de me foder - não do jeito que eu gosto - me fez ficar sóbrio e lembrar de cada detalhe daquela noite magnífica.

Eu sempre me bato quando vem pensamentos românticos em relação a ele.

Até porque isso é impossível. 

Ele é eu?

Sem chances.

Ele é uma pessoa bem importante, conhece pessoas importantes. Por que diabos ele iria olhar justo para mim? 

Ou até apaixonar-se por mim?

Claro que eu tenho minha devida beleza, mas não comparada a outras pessoas que com certeza ele já pegou.

Eu sinto que nós dois foi só aquela noite.

Mas porquê meu coração aperta só em pensar em ver ele com outra pessoa?

Não sei se é pelas crianças, ou por mim mesmo.

Isso é confuso.

Pois eu não o conheço de direito.

Será que foi aquele famoso Amor à primeira vista? 

Droga.

Mas aquele sorrisinho bobo sempre aparece quando estou pensando nele, e automático. 

E como se eu o conhecesse a anos, e estivesse apaixonado por ele mesmo. 

Mesmo que eu não Esteja, óbvio. 

Mas ele mexeu bonito comigo, ele mexeu na minha vida.

Suspirei. 

Aqueles belos cabelos pretos - Bagunçados de manhã - o maldito sorriso fofo - aquele sorriso destrói qualquer um - ele era tão atraente. Naquele noite ele estava todo de preto, o que não impediu de chamar a minha atenção. 

Aliás, foi do nada.

Mas se eu soubesse que uma maldita troca de olhares resultaria em eu sendo pai de duas crianças ao mesmo tempo, eu com certeza pensaria melhor. 

Quer dizer, Ah, quem eu quero enganar? Eu me entregaria do mesmo jeito.

Eu sou bem trouxa nesse quesito.

Aliás, eu sou trouxa e ainda por cima me apaixono rápido. 

Gosto de me ferrar. 

Suspirei pela sei lá quantas vezes.

Voltei minha atenção a sala e vi todos me olhando confusos. 

Eu os olhei é rir.

- Que foi?

- você estava sorrindo pro nada, e tinha um olhar diferente. - Mingyu disse confuso.

- Em quem estava pensando para está com esse sorriso de trouxa aí? - Seungkwan perguntou.

Ele é um amor.

Suspirei. 

- Tenho quase certeza que é no moreno, pai dos filhos dele. - joshua disse rindo.

Me conhece bem. 

Eu rir.

- Você se apaixona tão fácil assim? - Minghao perguntou rindo.

Eu revirei os olhos. 

- Não estou apaixonado, só estava pensado nele. - respondi - Qual o problema?

Eles riram.

- o problema é que você tá apaixonado sim - Seungkwan respondeu.

Bufei.

- Esse Seungcheol deve transar bem. - Mingyu disse, é riu

Eu concordei.

- Oh, ele é ótimo na cama. - respondi, eles riram. - mas o que mais marca e a imagem dele de manhã, aish. 

Eles Riram.

- Apaixonado pelo pai dos seus filhos, que você dormiu apenas uma noite, e que é famoso, e que você não sabe se vai ver de novo. É você está ferrado. - jihoon disse rindo.

Bati nele.

Infelizmente, ele tem um pouco de razão.

Não sei se verei ele de novo.

- Ajudou-me muito.  - respondi rindo

- Eu soube que ele tem uma empresa aqui, quem sabe ele não resolva vim para Coréia de vez. - Mingyu disse.

Eu suspirei.

- Jeonghan nem para segurar o macho, presta. - Seungkwan disse bufando.

Revirei os olhos.

- vamos dormir, né? - pedi já indo para meu quarto.  - amanhã é um dia cheio.

Eles riram.

Mas todos fomos dormir mesmo.

Eles dormiram no quarto de joshua, já que o meu está ocupado com várias coisas de bebês. 

Suspirei é  me deitei.

Será que um dia eu irei encontrá-lo de novo?

Espero que não, ou sim.


     {.......}


9 meses depois.

Finalmente chegou o bendito dia de eu ter os meus filhos.

Imaginam a minha alegria, Mas também a minha aflição?  

Pois é.

Eu sinto-me como se não fosse conseguir, sinto-me como se estivesse ao ponto de enlouquecer. 

Eu já estava internado desde o mês passado, já que eu tive uns problemas e acabei sangrando antes da hora.

Os médicos ficaram até preocupados, mas logo disseram que era por quê os bebês já queriam sair.

Agora pronto.

Suspirei aliviados quando eles me internaram dizendo que era melhor eu ficar sobe assistência de alguém que entendesse.

Então aqui estou eu.

Eu estou mais tranquilo com tudo.

Mas o doutor falou que não dá mais para esperar, e precisava fazer logo o parto, pois eu poderia não aguentar.

Fiquei com medo, é pedir para acelerarem.

Eu estava morto de ansioso para ver logo os rostinhos dos meus filhos é pode pegá-los no colo.

Eu queria sentir esse alegria, queria ouvir o chorinho deles, ou ver os bicos e amamenta-los. 

Os meninos estavam lá fora, mas logo o médico os liberou para Entrar.

Eles não poderiam assistir o parto.

Mas que estariam no quarto assim que eu fosse pra lá.

Logo fui levado para a sala de parto e suspirei, eu estava assustado.

Nunca passei por isso, é ainda mais sozinho. 

O médico me olhou e sorriu me tranquilizando. 

Mas eu não conseguia ficar calmo, eu queria chorar muito, queria gritar para todos que eu não queria passar por aquilo. 

Mas apenas fechei meus olhos e respirei fundo. 

Logo a enfermeira me aplicou alguma coisa é  eu suspirei. 

- Apenas relaxe, que hoje você verá os rostinhos dos seus bebês. - A enfermeira disse e sorriu. 

Eu sorrir de volta. 

Me sentia mole, é dormente.

Eu respirei fundo é fechei meus olhos.

Eu conseguia abrir os olhos, conseguia ver tudo, mas eu não sentia nada da minha cintura para baixo. 

Estava tudo dormente. 

Eu mantive meus olhos a todo momento fechado - estava com medo. - só abriria quando escutasse o choro deles. 

Qual é, eu sou um jovem de 20 anos que fiquei grávido por acaso, e que nesse momento nao tinha ninguém ao meu lado para me confortar ou apenas sorrir para mim. 

Então sim, eu estou com muito medo.

Medo de não saber cuidar deles, medo de errar em alguma coisa, medo de não saber lidar com meus sentimentos daqui para frente.

Eu estou apavorado.

Cheguei até aqui graças aos meninos é  aos meus dois bebês, pois se não, já teria desistido a muito tempo.

Fala sério, nada está sendo fácil. 

Mas sei que uma hora as coisas vão se ajeitar.

Não sei quanto tempo passou, mas apenas abrir meus olhos quando ouvir os chorinho deles bem alto.

Mas foi involuntário as lágrimas virem junto, era como se eu estivesse segurando a muito tempo. É  de fato eu estava.

O primeiro a sair foi o meu menino, esse que parecia calmo é não chorava tanto. 

A minha menina chegou ao mundo berrando como se estivessem a batendo. 

Eu chorava mais que eles, certeza.

Os médico Colocaram em panos e logo trouxeram para eu ver.

E aí foi que as lágrimas saíram mais.

Meu Deus, aquelas duas coisinhas fofas saíram de mim?

Eu sorria feito um bobo. 

Deixei um beijo nas cabecinhas deles.

Apertei minhas mãos chorando, eu sentia a dor, tanto física como do coração. 

Mas só lembro de os médico dizendo que era melhor eu ficar calmo.

Nisso eu apaguei totalmente.

          {.....}

Quando eu dei o ar da minha graça, eu estava agora em um quarto - o mesmo de quando fui internado. - e sem a minha barrigona. 

Então é isso que acontece quando os bebês sai?

 Nossa, chocado. 

Mas enfim, eu percebi que os meninos estavam lá também é me olhavam.

Eu sorrir para eles.

Mas eu queria saber era dos meus filhos.

- Você está bem? - Jihoon perguntou me olhando. 

Concordei, é sorrir.

- Cadê meus filhos? - Perguntei.

Eles riram. 

- Eles só poderiam vim quando você acordasse, então eles estão na sala de bebês. - Joshua respondeu.

Suspirei aliviado. 

- Vocês viram eles? - Perguntei sorrindo.

Eles concordaram.

- Eles são tão lindos. - Mingyu disse sorrindo bobo - é fofos.

Sorrir bobo.

- Eu achei a menina muito parecida com Seungcheol - Joshua disse rindo.

Eu sorrir.

- Eu quero vê-los. - pedi.

Jihoon  foi atrás do médico para avisar que acordei.

Enquanto isso, continuamos conversando lá sobre meus filhos.

Logo volta Jihoon e as enfermeiras com meus filhos. 

Eu morri de amores.

Sorrir.

Ela colocou os dois nos meus braços como dava é eu sorrir vendo aqueles belos rostinhos fofos.

Vi os olhinhos do meu menino abrir é percebi que ele era quase minha cópia.

Ah, eu estou tão apaixonado.

Minha menina realmente parecia o Seungcheol.

- Você já escolheu os nomes? - A enfermaria perguntou - Para fazer as fichas deles.

Concordei.

- É qual é? - Seungkwan perguntou.

Eu suspirei.

- Ele se chamará, Jaemin. - respondi olhando meus filho. - Ela se chamará, Irene.

Olhei todos é eles sorriram.

A enfermeira saiu e ficamos à sós novamente. 

Eles vim eram para perto e ficaram babando pelos dois.

Eles são tão lindos que me pergunto se eles são meus filhos. 

Tão fofos.

- Deixa eu pegar o Jaemin. - Jihoon pediu.

É eu não neguei. 

Ele pegou o mesmo e sorriu bobo. 

Eu deixei um beijinho na testa da Irene e sorrir quase chorando de novo. Acho que fiquei muito Emotivo durante esses meses.

Enquanto uns babava pela Irene, outros babavam pelo Jaemin.

É eu babava pelos dois.

- Não acredito que eles saíram de você. - Minghao disse pegando Irene dos meus braços é sorriu.

Eu bati nele.

- ele é muito sua cara, meu Deus.  - Joshua disse rindo.

Eu concordei.

Jihoon entregou Jaemin para Seungkwan e sentou-se ao meu lado me deixando um beijo na testa.

- Obrigado por ter me ajudado, até aqui. - pedi sorrindo. 

Ele sorriu.

- Eu vou te ajudar sempre, você é meus sobrinhos. - Respondeu.

- Vocês todos foram essencial na minha vida, obrigado. - Agradeci olhando meus amigos. 

Esses que sorriram. 

Logo o médico entrou no quarto dizendo que eu seria liberado ainda hoje.

Eu fiquei muito feliz.

Ainda bem. 

Joshua tinha trago as coisas dos meus filhos é logo pedi para eles arrumarem eles.

Enquanto Jihoon me ajudava a vestir as roupas.

O médico pediu que eu descansasse bastante, me receitou alguns remédios.

E assim eu finalmente sair daquele lugar - só que agora com meus bebês.

Eu entrei no carro de Mingyu e me sentei pegando Jaemin no colo, esse que chupava a chupeta. 

Joshua estava ao meu lado com Irene dormindo.

Os outros dois foram com jihoon no carro dele.

E fomos para minha casa.

Suspirei aliviado.

Olhei meus bebês é sorrir.

Quando chegamos na minha casa eu entrei junto com eles e sentir o aroma de limpeza vindo dela.

Me sentei no sofá e suspirei.

Seungkwan tirou Jaemin dos meus braços e sentou-se com meu filho. 

Eu sentir uma dorzinha, mas o médico disse que era normal, e que eu sentiria mesmo, mas passaria com o tempo.

Olhei meus amigos babando pelos meus filhos é rir.

- Deixa eu postar uma foto deles - Jihoon pediu.

Ele tirou foto dos dois juntinhos e postou.

Eu rir. 

E não foi só ele.

Os meninos também postaram.

Eu revirei os olhos. 

- Chega, está na hora de por eles no berço. - pedi rindo.

peguei Irene no colo e levei a menina ao quarto totalmente limpo e decorado dela e a coloquei no berço.

Ela dormia tranquila com a chupeta na sua boquinha.

Liguei as Luzinhas da cortina e liguei o aparelho que me avisará quando a mesma chorar. 

Logo levei Jaemin - esse que estava dormindo sereno nos braços de Jihoon - e o coloquei no berço vendo o mesmo com um bico fofo.

Liguei as luzes da cortina e o aparelho de bebê. 

Suspirei aliviado. 

Finalmente eu tinha eles em casa.

Voltei para sala e vi os meninos jogados nos sofá. 

Me sentei com cuidado no colo de Mingyu, esse que me abraçou. 

- Jeonghan, o que fará se nossos pais quiserem conhecê-los? - Jihoon perguntou. 

Eu o olhei. 

- Não quero meus filhos perto deles. - respondi - eles não merecem.

- Certo. - Jihoon disse e me abraçou junto de Mingyu. 

- Leve-os para meus pais vê-los depois, eles estão doidos para conhecê-los. - Seungkwan disse sorrindo. 

Eu concordei. 

- Melhor irmos, estamos cansados, e Jeonghan deve estar também. - Minghao disse me dando um beijo. 

Eu levantei-me para levá-los até a porta.

- Amanhã cedo estamos aqui. - Mingyu disse me dando um beijo.

Eu concordei.

E logo eles foram embora.

Sobrando apenas eu e Joshua. 

Rimos.

- Feliz? - perguntou. 

Abracei ele.

- Muito.

Sorrimos.

Obviamente eu estou mais feliz que qualquer pessoa, não é pra menos, finalmente tive meus filhos.

E agora Jaemin é Irene está comigo.

Sorrir bobo.

Acho que agora as coisas darão certo.

Se não der, eu farei dar.


Notas Finais


Finalmente eles nasceram, ah, eu quase explodo de fofura kkk.
Eu escolhi Jaemin - Do NCT - pois ele é um pouco parecido com o jeonghan, eu acho, e é meu um dos meus bias. Irene é porque é minha bias, e ela é muito fofinha.

Espero que tenham gostado.

E fiquem tranquilos, Seungcheol vai aparecer logo logo.

Boa sorte no ENEM, quem for fazer.

Até.

Bjs.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...