História Consequências de uma paixão - Capítulo 39


Escrita por:

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Allison Argent, Isaac Lahey, Lydia Martin, Malia Tate, Scott McCall, Stiles Stilinski, Theo Raeken
Tags Scallison, Stydia
Visualizações 654
Palavras 2.780
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi amores!

Capítulo de hoje tem stydia e scallison, e no próximo tem muito mais deles juntos! Também teremos uma participação da Cora e do Derek. Eu precisava de dois personagens e coloquei eles, porém, uni o útil ao agradável. Por esse motivo, Derek irá voltar mais para a frente, com um papel muito importante, reparem nos diálogos de quando ele aparecer!

Detalhe: Eu tirei um pouco o foco das aulas deles, as coisas estão acontecendo nos relacionamentos e tudo, então acaba não sendo tão relevante. Eu já tenho o fim de todos os personagens, então a questão da escola não significa tanto.

Obrigada por todo o carinho sempre, boa leitura!

Capítulo 39 - Recomeço


Fanfic / Fanfiction Consequências de uma paixão - Capítulo 39 - Recomeço

Scott ligou para o melhor amigo uma hora antes de passar na casa de Allison, o convidando para ir junto com Lydia à praça.

McCall tinha confiança que ele e a ex-namorada reatariam, e por esse motivo desejou ter os melhores amigos por perto.

Stilinski aceitou, dizendo que iria sozinho caso Lydia não quisesse. Mas a ruiva quis, e no horário combinado eles apareceram em uma das pequenas praças que Beacon Hills tinha.

Desceram do jipe e passearam de mãos dadas até encontrarem um banco de frente para o lago que tinha ali.

O local era preenchido por árvores verdes e existiam canteiros nas calçadas enfeitados com diversas flores lindas que deixavam o lugar encantador.

Crianças brincavam no gramado, adultos passeavam com cachorros e o clima era muito agradável.

Eles se sentaram no banco que queriam, conseguindo enxergar o lago terminando em um morro para a floresta não muito longe dali.

Stiles abriu as pernas e Lydia se sentou fora de seu colo, ficando de costas, ambos de frente para as águas.

Logo as mãos masculinas a envolveram para si e ela as tocou também, entrelaçando os dedos, ficando unidos daquela maneira.

Alguns minutos se passaram naquela calmaria.

Eles permaneceram em silêncio, apreciando os toques de suas peles, o quão devagar seu corações batiam e em quanta felicidade era proporcionada pelo momento terno.

– Não acredito que estamos quase terminando o ensino médio – Lydia disse parecendo satisfeita com aquilo.

– Passou rápido depois do namoro, não é?

– Sim, rápido até demais – ela respondeu com um misto de decepção.

Stilinski percebeu, e no mesmo instante se colocou um pouco de lado para conseguir olhar o rosto da namorada.

– Ei, Lydia. Você não acha que vamos nos separar com a faculdade, não é?

Ela o encarou muda, denunciando que pensava naquela possibilidade. Seus olhos verdes e grandes exibiam um receio nítido, que fez Stiles soltar um bufar baixo.

– Isso não vai acontecer, ruiva. Não importa para onde a gente vá, escutou? – A mão direita masculina desfez o contato e veio de encontro ao rosto dela, onde segurou com delicadeza, acariciando sua bochecha.

– Escutou? – Ele repetiu a pergunta, querendo se certificar de que ela tinha entendido.

Ela comprimiu os lábios grossos, e então acenou com a cabeça dando a certeza. Stilinski se aproximou e colou os lábios, transmitindo todo o seu carinho e dependência para ela.

Lydia correspondeu, massageando os lábios no mesmo ritmo do namorado, demonstrando sua admiração por ele.

...

Scott estava parado em frente à casa de Allison, nervoso como sempre.

Não sabia ao certo porque tinha chamado a garota para sair ao invés de simplesmente dizer que a queria de volta, e agora ele estava ali, sem saber o que fazer.

Se xingou mentalmente, e se concentrou por míseros segundos até finalmente andar até a porta. Bateu duas vezes e aguardou ansioso, sentindo seus ombros pesarem de ansiedade.

Após minutos Allison abriu, arrancando um suspiro admirado de Scott que passou os olhos pelo corpo dela sem controle sobre si próprio.

Ela estava com um vestido vinho que realçava as sutis curvas de seu corpo. McCall nunca tinha visto aquele vestido na garota, e agradeceu mentalmente por aquilo.

Allison estava linda.

Os cílios estavam levemente marcados por rímel e um batom pêssego preenchia os lábios finos, a deixando com uma beleza natural.

Argent sorriu, admirando em segredo o ex-namorado lindo que tinha parado em sua frente.

Ele usava uma camisa preta que colava em seus músculos, o deixando atraente, em conjunto com seus tênis e calça jeans.

A atmosfera era outra quando estavam um do lado do outro, raciocinando como queriam estar se tocando.

Scott piscou confuso, parecendo voltar para a realidade.

– V-vamos? – Tentou falar, mas gaguejou e se puniu mentalmente.

Allison desejou rir observando o desespero nítido nele, mas se controlou olhando por segundos o chão enquanto mordia o lábio inferior.

McCall aguardou nervoso, e viu ela finalmente sair da casa e fechar a porta.

Ele enfiou as mãos nos bolsos em um ato impensado, sem saber ao certo o que fazer com o próprio corpo. Apenas se virou e acompanhou em silêncio a morena andar ao lado dele.

O clima parecia estranho por tudo que tinham passado, mas mesmo assim ambos sabiam o quanto estavam felizes simplesmente por estarem um do lado do outro de novo.

Independente de como fosse.

Quando chegaram na moto do garoto ele estendeu o capacete para ela com um breve sorriso, e observou ela aceitar com as bochechas coradas.

Ele se lembrou do primeiro encontro deles que tinha tido situações parecidas com aquela.

...

Allison e Scott caminharam no silêncio familiar de todo o caminho até o banco mais próximo que encontraram, no começo da praça.

O local estava um pouco mais vazio agora, e McCall conseguiu enxergar ao longe Stiles e Lydia caminhando em direção ao pequeno parque infantil.

Ele se virou para Allison, que encarava o chão um pouco tímida. Salivou, tentando molhar a língua e não falhar na tentativa de conversar.

– Você está bem?

Scott achou melhor começar perguntando algo como aquilo, afinal, fazia muito tempo que ele e a garota não conversavam.

– Estou sim, e você? – Ela respondeu o fitando, desejando beijar aquela boca tentadora.

– Sim, estou.

Silêncio.

Novamente um silêncio aterrador se instalou, incomodando ambos que respiravam o mesmo ar, sentindo aquele desconforto gigantesco.

Scott precisava tocar logo naquele assunto, para ele, já havia sido covarde demais.

Allison desejou que ele soubesse o quanto ela o admirava por tido a coragem de simplesmente falar com ela, algo que ela não tinha tido.

Desde que ele apareceu na porta dela na noite anterior a morena desejou mandar uma mísera mensagem de texto agradecendo, mas não conseguiu.

Scott fechou os olhos por instantes, respirou fundo elevando o máximo o tórax. Ignorou as possibilidades ruins que acarretaram sua mente, decidido a dizer o que precisava.

– Allison, você sabe porque eu te chamei aqui.

A morena o encarou de rompante, engolindo seco com a determinação na voz do McCall.

– Eu ainda gosto de você, gosto muito. Eu sinto sua falta...

Ele admitiu, sentindo o amor por ela borbulhar dentro de si enquanto observava os olhos castanhos brilharem enquanto o fitavam.

Por instinto, ele alcançou as mãos dela entrelaçando os dedos, os unindo como não acontecia a muito tempo.

A pele dela era macia e quente. Acendeu os poros de Scott com o mero toque, e agitou todas as suas células.

– Três meses é muito tempo, Allison. Eu pensei muito sobre isso tudo, eu quero tentar de novo se você quiser.

Ela abriu os lábios em surpresa, balbuciou devagar e em uma fração de segundos seus olhos se encheram de lágrimas.

Allison não quis acreditar que ele realmente estava dando uma segunda chance para ela, mesmo quando ela não merecia.

O quanto ele a amava?

– Scott...

– Eu perdoei você, mesmo que ainda doa. Por favor, não chora! – Scott implorou, enxergando as lágrimas ameaçarem escapar dos olhos dela.

Ele a observou em um misto de pena e desespero, sentindo a angústia ameaçar o invadir caso ela chorasse.

– Você... – ela começou dizendo, mas acabou desviando os olhos para o chão, fungando baixinho – ...você ainda me ama?

Allison teve receio da resposta, e nos poucos segundos que esperou cogitou dizer que ele não precisava responder, até ouvi-lo.

– Você é a única mulher que eu vou amar a vida inteira.

Ela ergueu os olhos para ele de rompante, assustada, incrédula com o que ouviu.

Não conseguiu controlar as emoções diversas, molhou o rosto com suas lágrimas, chorando em silêncio.

Permaneceu olhando para Scott, sem conseguir acreditar que ele era tão bom daquela maneira. Observou seu rosto lindo que prestava total atenção em cada movimento dela.

Ela o amava tanto, não conseguia acreditar que mesmo depois de ter errado daquele jeito ele ainda estava disposto a esquecer tudo.

Sem aguentar mais a distância insuportável, Scott a puxou para um abraço, colocando a cabeça da morena em seu peito enquanto a envolvia com seus braços fortes e musculosos.

Argent chorou quieta, sem fazer um barulho sequer.

Permitiu sentir sua dor, molhando suas bochechas com rapidez enquanto se certificava se aquilo era mesmo real.

Saboreou o perfume que tanto amava, sentiu o calor do corpo de Scott se misturar com o dela.

Permaneceram daquela maneira por poucos minutos, até ela ter coragem para se afastar dele e o olhar nos olhos.

McCall não tinha chorado, pelo contrário, existia um felicidade enrustida em suas feições que a garota percebeu.

– Eu amo tanto você – declarou, arrancando um sorriso do moreno enquanto as lágrimas ainda molhavam suas bochechas – e eu quero muito ser sua namorada de novo.

Scott arregalou os olhos sendo atingido pela explosão em seu coração, e então sorriu.

Sorriu de uma maneira apaixonada, contente, completamente satisfeito com aquilo.

Sentiu o corpo ser preenchido por um calor familiar.

O calor do amor.

Ela ainda chorava, mas aquilo não o impediu de se aproximar e a beijar.

Allison correspondeu, se sentindo tão alegre quanto ele. Suas bocas se familiarizaram novamente, se acariciando da maneira que adoravam fazer.

Mataram a saudade, sentiram o gosto um do outro.

Eles queriam que aquilo fosse eternizado.

...

Stiles e Lydia resolveram passear um pouco enquanto esperavam os amigos conversarem, por isso foram até o parque infantil que estava praticamente vazio.

O sol já estava fraco e o pôr-do-sol se aproximava, por esse motivo a praça se esvaziava rapidamente. Algumas crianças brincavam nas gangorras enquanto o casal sentiu liberdade para se sentar no balanço e aguardar.

Eles apenas se sentaram e esperaram Scott e Allison que se beijavam do outro lado do parque, e mesmo irritados pela demora, aquilo os deixava felizes.

– Lydia? – Uma voz feminina chamou atrás da ruiva, fazendo ela olhar na direção.

Seu rosto foi transfigurado em surpresa enquanto ela abria um sorriso enorme nos lábios grossos.

– Cora?! – Perguntou entusiasmada e surpresa – Meu Deus!

A mulher era pálida, os cabelos eram curtos nos ombros da cor negra, se destacando na sua pele clara.

Seu rosto era bonito e o corpo magro, tendo uma beleza estonteante.

Nos braços ela tinha um bebê gordinho, que aparentava ter um ano de idade.

Ao lado dela estava um homem forte e musculoso, com a barba rala e bem feita. Um breve topete no cabelo e no rosto a feição era dura, marcante.

Ele carregava uma bolsa infantil azul claro, que tinha um ursinho estampado.

– Lydia! – Ela passou o bebê para o homem segurar, e então abriu os braços para a ruiva que a abraçou por longos segundos – Não acredito que é você!

– Nem eu! Você tem um filho?! – Martin perguntou se afastando, observando a criança no colo do desconhecido.

– Sim, o pequeno George! – Disse sorrindo, sendo puxada para um novo abraço.

– Meu Deus! Parabéns!

Elas se afastaram ainda sorrindo, parecendo contentes demais com aquilo.

O homem agitou a criança no colo de leve, parecendo íntimo do pequeno enquanto o distraia.

– Ah! Desculpe, esse é o Stiles! – Lydia indicou o garoto, que se levantou imediatamente estendendo a mão para a mulher, que a apertou ainda sorrindo – É o meu namorado.

– Prazer, Cora! – Respondeu contido, tímido, sentindo um rubor dominar as bochechas levemente.

– Prazer, Stiles! – Ela respondeu, desfazendo o contato das mãos.

– Essa é Cora Hale, amor. Éramos melhores amigas na creche, mas ela se mudou daqui quanto eu tinha treze anos, e ela é três anos mais velha – A ruiva esclareceu para Stiles, que assentiu com a cabeça.

– O seu nome é muito familiar... – A Hale disse parecendo intrigada, cerrando os cílios enquanto olhava para o Stilinski.

– Stiles foi o garoto que me fez chorar porque me derrubou no corredor da creche, lembra? – Lydia esclareceu, e a mulher pareceu pensar por instantes.

– Ah! Lembro! Você odiava ele – ela brincou, e os três riram da situação.

Stiles e Lydia trocaram olhares divertidos, e ele controlou o riso mordendo o lábio inferior. Já ela, comprimiu os lábios para segurar a vontade de rir perante a amiga.

Era engraçado se lembrar de como eles se odiavam.

– Ah! Esse daqui é o Derek – Cora indicou com a mão – É o meu marido, ele é enfermeiro.

O homem carrancudo deu um breve sorriso cumprimentando o casal, que correspondeu com acenos de cabeça.

– George é muito fofo, posso pegar? – Lydia perguntou quase de uma maneira manhosa, fazendo Stiles erguer as sobrancelhas enquanto a olhava, surpreso com atitude.

A ruiva adorava crianças, e se sentiu encantada com o bebê gordinho e moreno em sua frente.

– Claro – Derek respondeu antes da esposa, entregando a criança para Lydia que estendeu os braços.

Martin o segurou sorrindo, observando os detalhes do pequeno.

Em questão de segundos ela o ajeitou no colo, e então o balançou arrancando sorrisos dos lábios infantis, divertindo a criança.

– Você é muito lindo, príncipe – ela elogiou, agitando os dedos no estômago do bebê que riu com as cócegas carinhosas.

Stiles não conseguia olhar para outra coisa. Encarou a cena encantado, observando como ela sorria para a criança e como Lydia levava jeito para aquilo.

Stilinski não sentiu, mas estava sorrindo enquanto olhava para a cena. E se surpreendeu quando pensou que poderia olhar por muito mais tempo se fosse permitido.

As íris verdes da ruiva brilhavam por agradar o nenê satisfeito, que parecia gostar a cada segundo ainda mais dela.

– Você vai voltar para Beacon Hills? – Lydia perguntou para Cora, a olhando de relance enquanto ainda agitava o bebê no colo.

– Provavelmente sim, Derek foi convocado para um emprego em uma clínica psiquiátrica.

– Isso vai ser ótimo! Você quer ir lá para a casa? – Ofereceu, ainda com o pequeno George nos braços.

– Não, precisamos pegar a estrada hoje, mas obrigada. Fico feliz em te reencontrar!

– Eu também, sinto sua falta – Lydia esticou a mão, que Cora agarrou em um gesto de saudade enquanto sorria – Foi um prazer te conhecer, George– se despediu com um beijo carinhoso na testa do pequeno, para logo em seguida o entregar novamente para a mãe.

O bebê encarou a ruiva, parecendo já sentir falta do seu toque gostoso. Com uma pequena careta ele se aninhou no pescoço da mãe enquanto a abraçava com os braços minúsculos.

– Precisamos ir, acho que vamos nos ver de novo – Cora se aproximou abraçando de leve a amiga, que sorriu com o contato.

– Vamos sim.

– Tchau, Stiles – Esticou a mão livre, que o garoto apertou sorrindo.

– Tchau!

– Tchau – Derek se despediu, e o casal respondeu em uníssono.

Eles observaram os dois se distanciarem em passos largos, olhando os detalhes da praça enquanto apreciavam Beacon Hills.

Lydia se sentiu feliz em reencontrar a velha amiga, e mais ainda em ver como a família dela era linda.

– Não acredito que minha namorada leva jeito com crianças – Stiles brincou enquanto envolvia Lydia pelas costas, a abraçando.

Ela riu recebendo de bom grado o toque aconchegante.

– Você vai ser uma ótima mãe – sussurrou na orelha feminina, para logo depois depositar um beijo na bochecha dela – quero duas meninas e um menino, o que você acha?

Martin arqueou as sobrancelhas, surpresa por ele ter aqueles planos. Logo depois se virou para ele, envolvendo seu pescoço com os braços, o olhando nos olhos.

– Você pensa nisso? No nosso casamento? – Perguntou intrigada, e um biquinho infantil surgiu nos lábios finos.

– E você não pensa?

– Não é isso... é que parece tão surreal – comentou dando de ombros – mas isso não significa que eu não queira ter filhos.

Ele sorriu, depositando um breve beijo em sua testa.

– Você leva jeito. E fica muito linda mimando uma criança – brincou, fazendo ela rir enquanto o abraçava.

– Ei, casal do ano! – Scott gritou, se aproximando dos dois de mãos dadas com Allison.

Stiles suspirou frustrado, odiando ter que se afastar de ruiva.

– Inconveniente como sempre – reclamou em um murmúrio, arrancando uma nova risada de Lydia.

Eles se soltaram, ficando um do lado do outro, apenas com as mãos unidas. Os melhores amigos se aproximaram, parando em frente à eles.

– Acho que são vocês! – Stiles brincou, fazendo Argent sorrir contente.

– Tem razão, somos! – Scott fitou a namorada, que sorriu ainda mais o olhando – Por que a gente não comemora? Que tal um jantar?

– Eu concordo se tiver um ménage depois – Stiles deu de ombros, e McCall sorriu safado.

– Por mim tudo bem, vai ser muito sexy ver as duas enroscadas uma na outra – Scott brincou sem pudor, entrando no jogo de sexo com o melhor amigo que riu.

– É, só a nossa transa que vai ser ridícula.

– Com certeza – Lydia murmurou baixo, atraindo o olhar de Stiles.

– Não era para você concordar! – Repreendeu, escutando Allison e Scott rirem.

Martin deu de ombros em um tom brincalhão, se divertindo com a situação constrangedora.

– Na minha casa, hoje de noite. E você cozinha – Scott informou olhando Stiles, que deu um mero sorriso.


Notas Finais


Queria ter me dedicado um pouco mais para scallison, mas creio que consegui fazer o retorno de uma maneira natural. Preparem os corações, a história vai ficar mais emocionante a partir de agora! Até!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...