História Constellation of Destiny(Interativa) - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Aventura, Constellation Of Destiny, Destiny, Interativa, Pós-apocalíptico, Romance, Rpg, Signos
Visualizações 90
Palavras 11.187
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sci-Fi, Shounen, Sobrenatural, Survival, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


RESSUSCITOU!!! Bem, o seu velho amigo Maxy n morreu e está de volta. Acho que desculpas não bastam pra vocês, mas posso dar explicações. Primeiramente a fic começou a desandar em agosto ou julho se não me engano, onde disse que estava meio desinspirado. Depois disso setembro foi o mes da correria então nem minhas outras fics eu postei direito. Outubro n tem desculpa, eu que fiquei enrolando demais e acabou que constellation foi o que mais tomou na fuça por conta disso. Mas agora estamos de volta depois desse grande hiato, espero que tenham sentido saudade e que curta este capitulo ENORME pra compensar a falta (Eu até cogitei dividir o capitulo em dois pra postar antes). Enfim, boa leitura.

Capítulo 13 - Star 10: Sopro milagroso


Fanfic / Fanfiction Constellation of Destiny(Interativa) - Capítulo 13 - Star 10: Sopro milagroso

Constellation of Destiny

Star 10: Sopro milagroso.

Haviam 4 pessoas no centro do labirinto, sendo elas, Jinbei, Lysandre, Madoka e Genome. Enquanto os 3 jovens encaravam o homem ali sentado, o mesmo parecia se importar mais com o chão de areia a sua volta, o qual massageava com toda delicadeza. O barulho do vento e principalmente da areia se movendo era a única coisa audível naquele instante de tensão, onde uma batalha estava prestes a se iniciar.

Jinbei: Ele não vai atacar? –sussurrou para seus companheiros.

Lysandre: Eu não sei, mas baixar a guarda não é uma opção.

Madoka: Esse silencio todo é perturbador... –por falar nisso, Genome acabou por corta-lo, ao virar seu olhar para os três.

Genome: E então? Podemos começar? Hehehehehehe!

Enquanto ria, um forte tremor chegou aos pés de todos no labirinto e aos poucos, vários braços gigantes começaram a sair do chão atrás de Genome, três no total, deixando os mocinhos em estado de alerta.

Madoka: Ele falou serio quando disse que focaria na gente.

Jinbei: Vamos atacar cada um de um lado. Hydro Hand!

Ele brande suas manoplas e já sai correndo pela direita, mas enquanto o faz, Lysandre parece sentir, ou melhor, ver uma movimentação estranha, no solo, como a areia se remexendo um pouco. Como um estralo, ele podia jurar ter visto algo sair do chão, assim captando o que iria acontecer.

Lysandre: Ei, espera!

Jinbei então teve sua atenção tomada, assim diminuindo a velocidade com a qual avançava após dar um salto, já que mudara sua posição em meio ao ar, só que a sua frente, um verdadeiro muro de areia se ergueu e nele vários espinhos brotaram, apontados todos para o rapaz que se surpreendeu.

Lysandre: Masatsu o katto! –­brandindo sua técnica, e saltando pra frente, o rapaz lança um de seus cortes explosivos que acerta o muro, destruindo seus espinhos, mas para sua surpresa, novos espinhos cresceram rapidamente no lugar- O que?! –espantado.

Jinbei: Hydro Reflector! –rapidamente o rapaz cria barreiras de agua entre ele os espinhos, assim elas se chocam contra o muro, começando a se quebrar rapidamente, mas isso é o suficiente para que Jinbei tenha um apoio para se impulsionar de volta a onde estava, escapando do perigo por pouco.

O tal muro, após perder sua vitima, volta ao chão se desmanchando, porem, Lysandre era o próximo alvo. Enquanto ajoelhado após o susto, nem percebeu que um enorme bloco de areia havia se erguido ao seu lado, pronto para cair sobre ele. Visto isso, ele se preparava para aplicar um golpe mais forte, mas seu colega recém salvo acabou interferindo.

Jinbei: Hydro Whip! –com seu chicote ele puxa Lysandre pra perto, deixando o bloco prensando o próprio chão em seguida se desmanchando assim como o muro- Estamos quites.

Lysandre: Isso vai ser mais difícil do que imaginei... Se ele ficar nessa não teremos chance.

Madoka: “Nessa” como?

Lysandre: Ele não vai deixar a gente se aproximar e tenho certeza que vai nos atacar a distancia com esses braços. Vendo agora, as brechas na defesa dele são quase nulas.

Madoka: Não seja bobo, podemos atravessar essa barreiras e esses braços. –no momento em que ela declara isso, um dos braços vem em sua direção- Vou mostrar. –ela salta em direção ao braço ativando sua garra no mesmo momento- Smash! –após brandir sua técnica, os ataques se chocam e a mão se mostra resistente contra o ataque da jovem- Vamos! Por que não está quebrando fácil? –no final, após a resistência da mão se mostrar alto, ela acaba sendo repelida, mas não se desfaz, apenas sofre um leve “amassado”, se regenerando rapidamente- Por quê? –confusa.

Jinbei: Depois disso, posso concordar plenamente com Lysandre. Não será uma luta nem de longe simples.

Madoka: Será que podem me explicar?

Lysandre: Normalmente, ele vigia todos os cantos do labirinto exceto o subsolo, isso tudo apenas sentindo as vibrações no chão, o que mostra que sua habilidade consiste em sentidos apurados em relação à terra em volta, isso deve se estender por toda a área do labirinto.

Jinbei: Contudo, ele só identificava o que tinha no labirinto com base no que sentia no chão, mas não podia ver do que se tratava, isso é quase como um sonar. Quando algo saia do chão, ele logo sentia e usava a visão para identificar o que poderia ser, e aqui no centro é lugar ideal, já que dá pra ver qualquer direção do labirinto daqui. Assim pra não ser descoberto, ele erguia um muro que tapava a visão do centro, dessa forma, seja lá o que estivesse no ar não o acharia.

Madoka: E onde isso vai chegar?

Lysandre: No grande problema. Nessa luta, ele não está dando atenção ao restante do labirinto, o que já é um grande problema, mas a pior parte é que agora ambas as “visões” dele estão combinadas, ou seja...

Jinbei: Ele nos vê e sente nossas vibrações, por isso mesmo que fiquemos parados, ele tem como atacar, e se avançarmos, ele já detecta movimento e contra-ataca. Mesclado a quantidade de areia que ele gere, coisas como aquela regeneração rápida são simples, já que ele sabe que seu alvo está na frente dele.

Madoka: Então não importa o que a gente faça... Não podemos passar?

Genome: Precisamente. Por isso este é o teste derradeiro, o qual só aqueles que são dignos sobreviverão.

Lysandre: Essas são características de um Magician...

Jinbei: Que enrascada.

Genome: Respondendo sua pergunta, garotinha, a mão que você socou estava recebendo areia extra, por isso mesmo que você fosse mais forte e a quebrasse, logo teria mais areia pra concerta-la, tornando sua força quase nula. Mas pelo jeito, você até a amassou, mesmo nessas condições... Meus parabéns, aparentemente, arranjou um jeito de reverter o fluxo, ou seria algo ligado ao seu poder?

Madoka: Tsc! Está me analisando? Não me diga que também analisou meu porte físico... –sem graça.

Jinbei e Lysandre: Não é hora pra isso! –bravejam.

Madoka: Sabem como me preocupo com essas coisas. Um cara como ele podia muito bem ser uma mistura de ladrão, terrorista, assassino, pervertido, ou coisa pior. –falava ela bem rápido.

Genome: E então, como passarão pela minha barreira impenetrável? Hehehehehe.

...

Paralelo a isso, Suvivel estava com serias dificuldades ao enfrentar as três criaturas desconhecidas. Ele ofegava enquanto se pendurava no lustre daquele lugar, ainda confuso com tudo que ocorria.

Suvivel: Mas que diabos são essas coisas?! Além de terem uma força anormal, também são ágeis e aparentemente inteligentes. Naquele momento em que duas me emboscaram só pra terceira atacar... Que saco.

Antes que pudesse continuar sua analise, a criatura de linhas verdes socou a parece, criando uma rachadura que se estendeu até o teto, fazendo o lustre onde o arqueiro estava cair. Mesmo um tanto surpreso, ele não baixou a guardar, começando a atirar flechas de fogo com velocidade entre as criaturas que lhe haviam cercado. Ele então cria um circulo de fogo entre ele e os monstros, aproveitando-se da situação para se ajoelhar um pouco devido ao ferimentos leves e cansaço, o que era estranho de um D.E.P sentir.

Suvivel: Aquela pirralha maluca... Ela danificou um pouco meu núcleo quando me capturou. Isso me deixou enferrujado.

Quando menos esperava, as criaturas simplesmente cruzavam o fogo sem se danificar avançando até sua posição.

Suvivel: Eles não estão de brincadeira, se me pegarem é o fim. Infelizmente vou ter que me retirar... –ele então se levanta encarando a criatura de linhas vermelhas que erguia seu braço maior pronto pra atingi-lo- Fire Partner!

Mesmo parecendo não ter ocorrido nada, ele brande sua técnica, assim os 3 monstros agarram a copia deixada por ele enquanto ele saltava pro lado, observando tudo. O clone foi brutalmente dilacerado pelas mãos das criaturas, e ele apenas observava, com ar de revolta e certo alivio. Infelizmente, foi um alivio breve, já que de alguma forma, a criatura de linhas azuis virou-lhe um potente tapa com seu grande braço, parecendo que sabia que Suvivel estava ela no ar, assim o atirando pra fora do lugar, o fazendo rolar na areia do deserto.

Suvivel: Desgraçado, como percebeu?

Ele encarava a entrada da fortaleza, enquanto se recuperava, esperando as criaturas virem, mas, isso acabou não acontecendo, o que lhe fez estranhar.

 Suvivel: Não vão me seguir, hein? Pelo visto só guardar esse lugar é a única coisa que fazem... –ele então se deita no chão- Como vou lidar com essas coisas? –ele fecha seus olhos e começa a pensar- E se “eu” não tiver que lidar com elas? –refletiu.

...

Voltando a confusão que estava no labirinto, enquanto os 3 ao centro ainda pensavam no que fazer, o restante que estava espalhado continuou a correr desesperado em direção ao centro. Isso se sucedeu tanto no sudeste, onde todos estavam montados na moto de Mystyky...

Mystyky: Temos que chegar rápido!

Lapis: Aquelas explosões não são normais. –preocupada.

Farrell: Se realmente tiver um babaca lá no meio, ele vai se arrepender de ter mexido com a gente!

Quanto sudoeste...

Kyosuke: A luta já deve ter começado. –preocupado.

Max: Isso é realmente muito ruim.

Kyotsu: Nem fale. Se as dunas pararam de atacar deve ser porque o dono focou o poder no centro.

Kyosuke: Kyotsu, pode ir abrindo caminho?

Kyotsu: Pode deixar!

O rapaz se colocou a frente e foi derrubando as paredes com auxilio de sua espada. Mal sabiam que enquanto isso, Genome já pensava em seu próximo passo.

Genome: “Estão vindo mais... Três na minha frente e três atrás. Será que conseguirão chegar aqui?” –pensava ele- “Por conta da distancia, talvez não aja força suficiente...” –concluiu.

Madoka: O que a gente vai fazer?

Lysandre: O jeito vai ser apenas rebater os golpes até surgir uma chance de acerta-lo.

Jinbei: O problema é quando vai surgir essa chance...

Nesse momento, Genome ordenou que as mãos de areia atacassem os três, lhes forçando a saltar e repelir o ataque. Lysandre usou seu golpe de atrito, Madoka com sua garra e Jinbei criou sua broca de agua, assim conseguindo quebrar cada mão. Infelizmente o seu pouso seria dificultado por espinhos no chão criados pelo inimigo. Madoka então desceu com tudo e utilizando seu “Smash”, limpou o caminho para seus amigos. Enquanto tudo isso, Genome liberou a partir das paredes do centro grandes jatos de areia na direção dos grupos que corriam em sua direção. Percebendo essa aproximação, Lapis saltou e acabou parando na frente de seus companheiros, assim Mystyky parou sua moto.

Mystyky: O que foi Lapis?

Lapis: Song of the Seas! –ao invés de uma resposta concreta, ela brandiu sua técnica com sua voz melodiosa, assim criando uma barreira a sua frente e a dos amigos.

Farrell: Melhor vir pra cá, deve ter algo ruim vindo por aí.

No final, o pirata havia acertado, o jato pegou a barreira em cheio, mas não teve força suficiente para racha-la ou coisa do tipo, embora estivesse incessante. Do outro lado, Kyotsu prosseguia abrindo o caminho até repentinamente ser pego pela enxurrada de areia o que o arrastou até que ele conseguiu se debater e pular pra fora.

Max: O que foi isso?! –assustado.

Kyosuke: Ele ainda está tentando nos parar.

Max: Kyotsu, você está bem?

Kyotsu: Tudo bem, não foi tão forte. Pareceu a tempestade de antes... Cuidado!

Ele gritou com razão, pois o jato começou a balançar para os lados como se estivesse descontrolado, assim quase acertando Kyosuke e Max, que saltaram pra desviar.

Max: E agora?

Kyosuke: Vamos acelerar o passo!

O rapaz rapidamente pega uma folha em seu caderno, um pouco diferente, aparentemente mais grossa, e escreve a palavra “veloz” três vezes na folha. Depois disso ele rasga a folha, dividindo as palavras.

Kyosuke: Max, tem algo pra deter esse negocio?

Max: Tenho sim. Wall of protection (Muralha da proteção). –brandindo sua técnica, um muro de pedra brota do chão, impedindo o avanço da enxurrada de areia, permitindo aos três se reagrupar- O que vai fazer com esses papéis?

Kyosuke: São dupla-face, colem nas suas pernas. –disse ele enquanto entregava uma pra cada.

Kyotsu: O que isso vai fazer?

Kyosuke: Vocês vão ver.

Os dois então obedecem e junto a Kyosuke colam os papéis em suas pernas, sem sentir nada de anormal acontecer.

Max: E agora?

Kyosuke: Preparem-se pra largar. –disse ele se posicionando como se estivesse no inicio de uma maratona.

Max e Kyotsu: Ok. –sem pestanejar, os dois apenas imitam seu colega.

Kyosuke: Depois que eu brandir, é só sair correndo.

Os dois: Certo!

Kyosuke: Real Command (Comando Real)!

Após brandir tais palavras, as palavras escritas nos papeis brilham e desaparecem, com isso os três disparam numa velocidade absurda, chegando a se surpreender.

Max: Caramba!

Kyotsu: Estamos muito rápido!

Kyosuke: Não me agradeçam, vamos chegar lá em segundos.

Os três continuaram a correr enquanto que do outro lado, uma ideia surgiu enquanto os três estavam atrás da barreira segurada por Lapis.

Mystyky: Desse jeito vamos ficar presos nisso.

Farrell: Espera, por que vocês não saem voando daqui? Não seria mais simples.

Lapis: Não tinha pensado nisso...

Mystyky: Pior que nem me passou pela cabeça...

Farrell: Viram só?! O Farrell aqui também é um estrategista nato.

Mystyky: Não exagera. Lapis, eu vou contar até três e aí você desativa a barreira para segurar o Farrell.

Lapis: Tudo bem.

Mystyky: Só que antes eu vou pegar minhas armas. Só espero que essa areia não danifique minha moto, se tudo der certa vou voltar pra busca-la. –com isso ela rapidamente pega suas armas as carregando nos devidos lugares- Certo, prontos? Um... Dois... Três!

Lapis então desativa sua barreira e rapidamente segura o braço esquerdo de Farrell enquanto Mystyky o direito.

Mystyky: Superfly!

Ela rapidamente brande sua técnica, assim, as duas garotas saem planando enquanto carregam Farrell, isso tudo antes de serem atingidas pela enxurrada, mas infelizmente, a moto de Mystyky não teve a mesma sorte.

Mystyky: Minha preciosa... –triste.

Farrell: Avante! –animado.

Genome percebeu a movimentação dos outros enquanto os três a sua frente faziam e tudo pra enfrentar as mãos e obstáculos postos por ele.

Genome: “Os de trás subiram e os da frente vem rápido... Vai ser muito ruim mirar agora, mas tenho que continuar testando eles...”

Jinbei: Essas coisas não tem fim!

Madoka: To começando a me cansar!

Lysandre: Pois eu... –ele abre seus olhos, assim seu olho âmbar por um momento remete ao de uma fera- Já estou farto! Aaaaaaaaah!

O rapaz grita se virando para a mão e pilares que vem em sua direção, assim após um estralar de dedos, ele gira seus braços em seguida junta suas mãos as apontando pra frente como se simulasse a boca de algum animal, fechando os olhos para se concentrar, o que deixou seus colegas um pouco confusos. Uma aura vermelha começa a surgir e queimar como fogo atrás dele.

Lysandre: “Agora já não importa mais... Já não ligo pro que vão pensar.” –pensava ele.

Nesse momento, a aura começa a tomar a forma de um grande leão de fogo, assim o rapaz abre seus olhos e brande:

Lysandre: Raion Kingu no Kiba (Presas do Rei Leão)!

Ao brandir sua técnica, ele lança o leão de fogo contra os inimigos de areia e ao fechar suas mãos, o leão também more, causando uma grane explosão de chamas que elimina grande parte das criações de Genome, o que lhe surpreende mesmo que só um pouco. O ataque cessa um pouco devido a surpresa não só do inimigo quanto a dos aliados de Lysandre. O rapaz ofegava um pouco decepcionado consigo mesmo.

Lysandre: Vão começar a questionar a qualquer momento...

Madoka: O que foi isso?

Jinbei: “Raion Kingu”... Aquele olho... –o rapaz juntou as peças do quebra cabeça ao se lembrar das historias de heróis que ouvia quando criança- “O Rei Leão, Alexsander”... Será possível que o Lysandre seja... Parente dele?

Madoka: Quem é esse? –Jinbei caí duro no chão com a pergunta, mas logo se recupera.

Jinbei: Como assim você não conhece o Rei Leão Alexsander?! Ele é um herói lendário que lutou na guerra e impediu que o mundo fosse destruído por ela. Ele é um herói mundial, dizem que se ele não tivesse se metido no meio da batalha o planeta poderia estar em um estado pior, ou até mesmo partido ao meio! –dizia ele como um fanático- Ele é poderoso, veloz, inteligente e...

Lysandre: Meu pai. –completou.

Madoka: Puxa vida, esse cara parece legal.

Jinbei: Por que não nos contou antes?

Lysandre: Pra não causar uma reação como essa. –retrucou ele se voltando para o inimigo.

Jinbei: D-desculpe, eu e empolguei.

Lysandre: Vamos focar na batalha e deixar esses detalhes de lado.

Genome: Mas que fabuloso, o sangue de uma lenda pisando no meu território. Mostrarei ainda mais respeito em honra-lo neste solo sagrado.

Madoka: Quer dizer que vai focar mais nele?

Jinbei: Nós também somos importantes! –bravejou.

Genome: Eu jamais faria isso, todos são igualmente merecedores da minha atenção. Não seja por isso! –ele torce a terra e surpreende Jinbei.

O rapaz faz uma cara de espanto e sofre um leve espasmo, isso se deu pois um espinho de areia saído do chão atravessou o canto esquerdo de seu corpo o fazendo tossir um pouco de sangue.

Jinbei: Droga...

Madoka: Essa não! –preocupada.

Lysandre: Maldito! Vai pagar! –irritado ele salta em direção a Genome.

Genome: Não me esqueci de você, “Príncipe Leão”.

Neste momento, outros espinhos brotaram a frente do malfeitor, mas ao invés de esticarem, eles foram disparados como projeteis, acertando o rapaz nos ombros e de raspão pelo resto do corpo o jogando pra trás. Rapidamente, Jinbei quebrou o espinho de areia que ainda estava fincado em suas costas em seguida pulou pro lado para que ele não regenerasse. Sem poder se recompor, o espinho tanto do solo quanto que estava nele se desfez, assim o rapaz salta para segurar o amigo para que pudessem pousar em segurança com ajuda da gravidade de Madoka.

Jinbei: Você está bem?

Lysandre: Nós distraímos, por isso ele nos acertou. Não se preocupe comigo, seu ferimento é pior.

Jinbei: Não se preocupa que eu dou um jeito.

Com sua manopla de agua, o rapaz dá um leve tapa no ferimento o que lhe causa certa dor, mas ajuda a fazer com que a agua penetrasse o ferimento para remover a areia que ficou dentro de seu corpo. Embora fizesse uma cara de agonia, o garoto resistiu ao seu “tratamento rápido”, eliminando a areia e limpando o machucado para que o sangramento estancasse.

Jinbei: Por agora é o bastante. Queria que o Max estivesse aqui.

Lysandre: Não podemos mais baixar a guarda dessa maneira, ou estaremos perdidos.

Jinbei: Entendi.

 Genome: “Não estou mais conseguindo repelir os de trás, não sei a que altura estão. Já os dá frente, estão bem próximos daqui, mesmo se tentar acerta-los eles pode desviar devido a velocidade” –raciocinava- “Pois bem, podem vir pra cá. Quando todos estiverem reunidos neste meu espaço, estará tudo acabado.” -confiante.

Mystyky e Lapis observaram do alto a luta que se desenrolava no centro do labirinto, vendo as enormes mãos de areia atacando os oponentes indefinidos para elas devido as mesmas mãos estarem na frente. Enquanto as duas se concentravam pra descobrir quem estava lutando lá, Farrell apenas aproveitava o voo e a brisa em seu afro como se estivesse num calmo passeio e balão.

Mystyky: Consegue ver alguma coisa?

Lapis: Tem muita areia na frente.

Mystyky: Você tem algum sensor óptico?

Lapis: Posso tentar usar o de calor.

Mystyky: Certo, faça isso.

Farrell: Por mim isso podia durar pra sempre.

Lapis acionou seu scanner de calor, observando o centro do labirinto e detectando 4 manchas em seu campo de visão.

Lapis: Um dos sinais parece... O Jinbei-san!

Mystyky: Então é ele que está lutando! E eu pensando que podia me aliviar.

Lapis: Além deve vejo outros 3 sinais. Dois ao lado dele e o terceiro a frente.

Farrell: Aquele que fica a frente de um herói só pode ser seu oponente.

Lapis: Percebi alguns detalhes, o Jinbei-san está com pontos de calor intensificados e um dos sinais ao seu lado emite muito calor enquanto o outro parece não ter quase nenhum.

Mystyky: Por um instante pensei ser o Kyotsu, mas não tenho ideia de quem seja o outro. Acho que não fomos os únicos a ficar presos aqui ao mesmo tempo. De qualquer modo temos que chegar logo lá pra ajuda-los.

Lapis: Espera, estou vendo mais sinais se aproximando atrás deles!

Mystyky: Nesse caso pode deixar pra mim.

Com sua visão ampliada Mystyky olhou para o outro lado do labirinto, deixando a luta de lado. Assim ela conseguiu ver três objetos em movimento, e se n fosse sua visão sensível ela não conseguiria saber do que se tratavam, que no caso era seus companheiros, Max, Kyotsu e Kyosuke.

Mystyky: É o pessoal, estão se aproximando rápido.

Lapis: Isso é bom!

Farrell: Juntos temos mais chance.

Mystyky: Temos que chegar lá depressa.

Tanto Mystyky quanto Lapis aumentam a velocidade com que voam pra chegar até o auxilio de Jinbei o quanto antes. Enquanto isso, o rapaz e seus aliados, Lysandre e Madoka, continuavam encurralados por Genome, voltando a estaca zero mesmo depois da surpresa feita pelo rapaz de olhos diferentes por conta da reviravolta em termos de espanto dada pelo inimigo que voltava a ter sua vantagem de atacar simultaneamente de vários ângulos. Eles não conseguiam se quer avançar que alguma armadilha como espinho ou muro surgia a sua frente, mas se recuasse, um espinho ou pilar surgia da parede do centro do labirinto. Eles revidavam com suas técnicas, mas ainda não era o suficiente para sobrepujar os objetos de areia, eles já estavam feridos e começavam a ofegar mais forte, talvez sendo vencidos pelo cansaço. Jinbei sem tentar mostrar hesitação, correu na direção de Genome, mas um dos braços que lhe defendiam acertou o Signatário com extrema força o lançando em direção a parede onde um espinho brotou com a intenção de empala-lo, porem, ele foi ágil e usou sua manopla d’agua para se prender ao chão antes que se aproximasse do espinho, mas o mesmo não desistiu de acerta-lo, se estendendo, forçando Jinbei a tomar impulso depois saltar, cortando o espinho com a manopla, mas logo um pilar cresceu indo na direção dele, forçando-o a colocar os braços na frente pra se defender. Percebendo isso, Lysandre e Madoka que enfrentavam outras mãos de areia se colocaram a frente de Genome que apenas sorria vendo-os sofrer, mas perdeu tal sorriso quando sua visão foi tapada pelas mãos que enfrentavam os dois mocinhos, sendo assim, Jinbei apenas recebeu um golpe de raspão, o que já foi pra ele um grande alivio antes de cair no chão.

Genome: Eu errei pois me cegaram, bem pensando, mas agora brincarei com vocês. –murmurou ele antes de notar uma coisa importante- “Os da frente chegaram.” –pensou ele recuperando seu sorriso.

Kyosuke e os outros chegaram a frente a frente da parede do centro, onde Max rapidamente ergueu uma cúpula para defendê-los, selando inclusive o chão, de qualquer ataque.

Kyotsu: Chegamos, e agora?

Kyosuke: Vamos tentar abrir um buraco pra entrar e ir ajudar o Jinbei.

Kyotsu: Pode deixar comigo.

Max: Eu vou abrir uma pequena fresta e vocês fazem o resto, ok?!

Kyosuke: Certo.

Jinbei estava deitado próximo a parede do labirinto, por algum motivo, Genome o ignorou e focou em Lysandre e Madoka, com isso ele pode ouvir vozes vindas do outro lado da parede.

Jinbei: Essas vozes... Será que são... –ele rapidamente ergue uma barreira de agua e se levanta aproximando-se da parede- Oi! Aqui é o Jinbei! Podem me ouvir? –gritava ele.

Do outro lado, a mensagem foi captada.

Max: Ouviram isso?

Kyotsu: É a voz do Jinbei-san!

Kyosuke: Jinbei, somos nós! Kyosuke, Kyotsu e Max! Vamos te tirar daí! –respondeu.

Jinbei: Isso é ótimo! –nesse instante, Genome percebe e começa a atacar de ambos os lados da parede, por sorte, ambas as barreiras aguentavam, apenas afastando Jinbei pra trás que forçava pra não se movimentar ainda mais.

Kyosuke: Maldito.

Kyotsu: Calma, já vamos entrar! –gritou.

Jinbei: Ouviram isso gente? Meus amigos vão vir nos ajudar a cuidar desse cara. –Nesse momento, Lysandre estrala os dedos chamando a atenção de Jinbei.

Lysandre: Isso é o oposto de bom. –retrucou Lysandre enquanto lutava usando sua espada.

Jinbei: Hã? –confuso.

Lysandre: Nós três estamos presos aqui sendo atacados de ambos os lados, se eles entrarem, vão acabar como a gente.

Madoka: E isso não seria nada legal, devo dizer!

Jinbei: Isso é verdade...

Genome: Quanto mais pássaros na gaiola, quanto mais peixes no aquário, melhor será nosso entretenimento. -enquanto isso, Kyotsu e Kyosuke se preparavam pra sair.

Max: Prontos?

Kyosuke: Ao meu sinal.

Jinbei: Esperem! Parem! –gritou o rapaz aflito.

Kyotsu: Mas hein?! –confuso.

Max: O que foi?

Jinbei: Não entrem aqui, se não ficaram presos!

Kyotsu: Não tem problema, nós vamos enfrenta-lo ao seu lado... –Jinbei corta sua confiança.

Jinbei: Vocês não estão entendendo! Aí fora, não estão no campo de visão dele, se entrarem aqui, ou melhor, se estiverem na visão dele, vão ser atacados de ambos os lados e ficaram encurralados como a gente.

Kyosuke: Como não tinha pensado nisso, faz todo sentido...

Kyotsu: Então se não podemos entrar, o que podemos fazer?

Kyosuke: Usar a única vantagem que nós temos aqui, não ficarmos no chão. –rapidamente ele desenha e invoca Shining Door, dando Kyotsu um clara resposta- Ficaremos aqui do outro lado, fazendo o possível. Boa sorte aí dentro!

Jinbei: Valeu! Pra vocês também.

Madoka: Ei! Eu estou vendo alguma coisa se aproximando do céu!

Lysandre: E agora? Mais problemas?

Genome: Hum? –Genome olhou para trás de uma forma meio estranha ao ouvir tal informação.

Jinbei: “Do céu”? –ele olhou bem e percebeu que era o restante de seu grupo- São a Lapis e o resto!

Lysandre: Mais amigos seus?

Jinbei: Isso. Elas estão se aproximando rápido, vão acabar pousando aqui!

Madoka: Temos que mandar um sinal!

Lysandre: Se não estivéssemos ocupados poderíamos usar uma explosão ou coisa do tipo.

Jinbei: Deixem comigo. Hora de honrar a minha classe. –disse ele com um olhar determinado apontando seu indicador para os três que vinham pelo ar- Primeiro chamar a atenção.

Jinbei então começa a pular e balançar os braços para que assim chame a atenção de Lapis, Mystyky e Farrell.

Lapis: O Jinbei-san está... Dançando?

Farrell: O que será que deu nele?

Mystyky: Acho que isso é um sinal pra gente. Vou acenar de volta.

Farrell: Só cuidado pra eu não cair! –aflito. Com isso, Mystyky acena de volta.

Jinbei: Certo, já estão olhando pra cá, agora, a mensagem. –ele estrala os dedos assim consegue juntar um pouco de agua na ponta do indicador.

Com essa agua em seu dedo ele começa a literalmente escrever no ar com água, tentando passar a mensagem para seus camaradas.

Lapis: Olha só, ele está tentando escrever algo!

Mystyky: O que será que é?

Enquanto isso, Genome estava pensativo, já que com a informação dada por Madoka, já está ciente do paradeiro do grupo do sudeste.

Genome: Está chegando mais uma leva não é? Será que vão entrar na minha jaula? Se entrarem estarão perdidos, assim como esses três. –Ele então resolve observar a luta e percebe por entre frestas que Jinbei estava movimentando sua mão de um jeito estranho, olhando para cima, com isso resolve olhar também e percebe que tais movimentos pareciam não ser aleatórios- Não me diga que... Quer alerta-los! –com isso ele se irrita e seus olhos parecem expandir e suas veias saltarem- Não vou deixar!

Ele afunda sua mão na areia com isso, algo partiu de sua frente indo em direção de Jinbei, como se cavasse através do chão. Seja o que for, passou por Lysandre e Madoka e chegou ao rapaz que estava concentrado a escrever, mas ao perceber uma leve vibração perto de si, resolveu olhar pra baixou e viu o pequeno monte, já se espantando e esperando o pior. Tal monte explodiu no chão formando inúmeros espinhos que se estenderam pra cima de Jinbei que tentou desviar como podia, tendo parte de sua roupa rasgada e sua mensagem picota.

Lapis: Ele está sendo atacado! –preocupada.

Mystyky: Só consegui ler “Não pou”. Droga, o que será que ele quer nos contar?

Enquanto desviava dos espinhos velozes, Jinbei tentava continuar a escrever, porem era atrapalhado pela areia viva. Como escapatória, ele tentou escrever letra por letra, mas mesmo assim elas eram despedaçadas, sendo assim, o garoto não sabia se sua mensagem estava sendo ou não passada. Enquanto isso, Kyosuke resolveu mandar Shining Door observar o que acontecia do outro lado do muro. O pequeno percebeu Jinbei sendo atacado, mas notou também que ele parecia tentar escrever algo, assim olhando mais para cima percebeu Mystyky e os outros vindo pelo céu, assim indo alertar a seu mestre.

Kyosuke: O que você viu? –o pequeno menino volta a folha do caderno de onde saiu, assim se tornando anotações correspondentes ao que viu- Isso é...

Kyotsu: O que foi?

Kyosuke: Mystyky e o resto estão vindo pra cá. Aposto que não sabem sobre o que acontece no meio então pousarão lá. O Jinbei está tentando passar uma mensagem, mas está sendo atacado.

Max: Isso é ruim, o que faremos?

Kyosuke: Terá de sermos nós a passar o recado.

Lysandre e Madoka estavam ainda firmes enfrentando as dunas, mas já demonstrando sinais de cansaço, Lysandre principalmente por ter usado uma de suas técnicas potentes, mas mesmo assim, não podia deixar de se preocupar com Jinbei que sofria na mão dos espinhos, impedido de alertar seus colegas.

Lysandre: Madoka, pode ajuda-lo?

Madoka: Espera, e você?

Lysandre: Vou tentar segura-los, no momento, não podemos deixar mais gente ficar presa como nós.

Madoka: Tá legal, só que não garanto que serei de grande ajuda, talvez até acabe atrapalhando de tão desastrada que eu sou e tudo mais. –voltava a falar rapidamente.

Lysandre: Só vai, por favor.

Madoka: Ah... Sim... Ok.

Madoka armou sua garra e foi ao auxilio de Jinbei, deixando Lysandre barrar as dunas com suas explosões. Lysandre rapidamente coloca suas duas mãos pra frente mirando na direção de Genome.

Lysandre: Essas coisas já estão me tirando a paciência. Leo Eruption! –brandindo sua técnica, Lysandre cria uma bola de fogo depois a empurra pra dentro da terra.

Ao fazer tal movimento, a terra tremeu um pouco, mas Genome ignorou e mandou a areia novamente contra Lysandre, mas nesse momento, seu ataque ativou, fazendo lava jorrar da terra criando um pilar, assim, numa linha reta, mais pilares foram se erguendo barrando todas as criações de areia. Genome em resposta, ergueu um muro de areia que se envolveu no ultimo pilar que estava a metros dele, conseguindo com certo esforço conter o ataque. Isso deu tempo para Madoka chegar até Jinbei e ajuda-lo a lidar com espinhos que ainda não cessavam.

Madoka: Aí vou eu! Smash!

Ela salta e pousa socando o chão com força e esse impacto de alguma forma fez com que os espinhos parassem de levantar.

Jinbei: Obrigado, mas ainda não podemos relaxar. A ultima vez que eu vi eles estavam muito próximos, e eu não terminei de escrever a mensagem! –preocupado, ele foi verificar o paradeiro de seus amigos e viu que a qualquer momento estariam próximos do centro- Não vai dar tempo... –aflito.

Farrell: Acho que se a gente encostar no chão, vai ser recebido por essa areia toda, eu não considero isso muito receptivo.

Lapis: Vou fazer uma bolha completa, mas se segurem, acho que o peso fará nossa queda acelerar.

Mystyky: Já estamos próximos do chão, pode fazer, Lapis!

Lapis: Segurem-se! Song of The Seas! –Lapis brande sua técnica, assim, do chão que estava próximo, cristais saem do subsolo e envolvem tanto ela quanto seus amigos numa bolha de cristal, e com o peso da bolha, eles começam a despencar bem rápido.

Jinbei se assustou por um instante, mas quando percebeu, seus camaradas caíram do lado de fora do centro, o que lhe aliviou.

Jinbei: Ainda bem, mas como eles sabiam?

Madoka: Aquele bichinho ali atrás é outra coisa pra se preocupar? –dizia ela apontando pras costas do rapaz com cara de espanto.

Jinbei se virou e viu Shining Door flutuando acima do muro segurando um cartaz escrito “Não entrem no meio ou ficarão presos, pousem do lado de fora”, com isso o rapaz suspirou de alivio e sorriu para o pequeno desenho. Enquanto isso, Lysandre ainda pressionava o chão tentando fazer o pilar de lava avançar até Genome, mas ele já havia botado muita areia por cima, com isso, pra poupar suas energias, o rapaz para o ataque e se recupera, permitindo Genome recolher a areia.

Genome: Nada mal mesmo... –foi então que ele notou Shining Door acima do muro, mudando a face de tranquilidade para uma de desgosto, mexendo na areia- Droga de inseto.

Com isso, Shining Door foi atingido por uma pilastra de areia criada no topo do muro e atirado pra trás, assustando Jinbei e Madoka que o observavam.

Kyosuke: Só agora ele percebeu.

Kyotsu: Mas agora já é tarde.

Jinbei: Esse cara... Mas não importa, a mensagem foi passada.

Madoka: Aquele carinha vai ficar bem?

Jinbei: Ele vai... –Jinbei então nota que a garota ainda pressionava o chão, sem sair da posição que acertou o chão- Por que ainda está assim? Ficou presa?

Madoka: Estou tentando segurar...

Jinbei: Como? –confuso.

Genome: Entendo... Então se trata de gravidade... –observou- Esse poder vai te ajudar a cavar seu próprio tumulo.

Quando Jinbei pensava em se aproximar de Madoka pra ajuda-la a se levantar, um pequeno tremor ocorreu, em seguida, um circulo se formou em volta de Madoka e começou a afundar rapidamente.

Madoka: O que está havendo?! –espantada.

Jinbei: Sai daí rápido! –aflito.

Madoka: Aaaaaaaah!

Devido ao aumento de gravidade proporcionado pela garota, ela afundou rapidamente, e quando finalmente deixou de usar sua habilidade, já estava a palmos de distancia.

Lysandre: Desgraçado, usou o poder dela contra a mesma!

Genome: Vejamos se consegue sobreviver sendo enterrada por inteiro. Hehehehehe!

Areia começou a brotar das paredes do buraco como agua, preenchendo o local e deixando Madoka preocupada.

Madoka: Acho que consigo sair daqui com um salto... –quando se preparava para tal, percebeu que não se movia- Meus pés! Estão presos!

Jinbei: Calma, vou te tirar daí com meu Whip!

Genome: Como se fosse ser fácil.

Novamente, espinhos entraram no caminho de Jinbei que se viu os enfrentando ao invés de ajudar Madoka que estava aos poucos sendo soterrada.

Lysandre: Porcaria!

Madoka: Alguém me tire daqui!!! –desesperada.

Genome se sentia no topo, cheio de si, tanto que nem percebeu a ação realizada por alguém de fora- um tiro de sniper em sua direção. Por conta do vento que provocou por sua aproximação, mas também pela leve vibração do som do disparo, Genome pode olhar pro lado e pressentir o perigo em milésimos de segundos, levantando um escudo ao seu lado, mas claramente ficando chocado com o que aconteceu, mesmo a bala tempo parado dentro da areia.

Genome: Mas... Quem fez isso? –ele abre uma pequena fresta em sua barreira e se surpreende ao ver Mystyky flutuando apontando sua Zombie Killer em sua direção- Maldita...

Mystyky: O que acho disso?!

Genome: Não atrapalhe o julgamento!

Irritado, ele manda um pilar a partir do muro tentando acertar Mystyky, mas ela desvia e pousa de volta no escudo de Lapis.

Farrell: Como foi?

Mystyky: Por pouco não acerto.

Farrell: Infelizmente tenho que dizer isso, mas você é a única que pode fazer isso. Não vou arriscar o meu corpo se não for pra arrebentar aquela palhaço, eu só iria ser um peso.

Lapis: Você consegue Mystyky-chan.

Genome: Ela... Quase me acertou... –revoltado, ainda pensando nisso- Como pude baixar a guarda?

Sem que notasse, uma corda foi lançada no buraco em que Madoka já estava soterrada até a altura do peito, e junto dela, um pequeno propulsor estava preso, com isso, tirar a jovem do buraco foi tarefa fácil, mas é claro que isso alertaria Genome.

Genome: O que?!

Quando viu, percebeu que Shining Door foi quem lançou a corda acima do muro e novamente se revolta e tenta acerta-lo, sem sucesso. Enquanto isso ocorre, Madoka pousa em segurança e se junta a Jinbei que já estava livre dos espinhos, pois eles pararam de aparecer, provavelmente refletido ela revolta de Genome. Lysandre percebeu o que estava havendo e logo se reagrupou com seus companheiros, enquanto isso, Genome parecia estar fora de si, focado no que aconteceu nos muros e não no que acontecia dentro do centro.

Genome: Como? Como?!

Jinbei: O que será que deu nele?

Lysandre: Não me surpreende, seus amigos são geniais!

Madoka: Por quê? Por terem me salvado?

Lysandre: Pelo que notei, eles tem poderes que permitem eles saírem do chão sem serem notados, isso misturado ao fator de estarem fora do centro...

Jinbei: Eles estão na situação contraria a nossa! Estão fora de qualquer “visão” dele!

Lysandre: Exatamente! Essa pode ser a nossa grande chance de vencer essa luta.

Jinbei: Eu já tenho o plano perfeito! –confiante.

Genome finalmente se recuperava e voltava seu olhar pros três jovens que estavam no centro, eles agora estavam reunidos com olhares bem confiantes, diferente do de desespero de minutos atrás, e claro, ele desconfiou.

Genome: Vou arrancar esse sorrisos de seus rostos junto de seus olhos!

Ele preparou um golpe, mas antes que pudesse fazer algo, teve a atenção chamada de sua esquerda, quando sentiu um vento se aproximando e quando viu, uma grande bola desenhada estava a centímetros de sua cabeça e no reflexo ele usou seus poderes para manda-la pro alto, assim a tal bola pousou atrás dele, demonstrando seu peso quando afundou na areia. Ele não teve a face esmagada por um triz. De cima do muro, estava Shining Door rindo do que acabara de acontecer.

Genome: Desgraçado...

Kyosuke: Pelo visto, ele quase acertou.

Kyotsu: Faça mais munição então.

Max: De preferencia teleguiada.

Enquanto falavam, a areia do muro tentou acertar Shining Door, porem sem sucesso, o pequeno rabisco apenas sumiu atrás do muro e continuou a desviar dos espinhos que saiam dele com tranquilidade, enquanto que Genome estava irritado.

Genome: Como ousam?! –seu pequeno acesso de raiva foi interrompido quando ele sentiu uma movimentação a sua frente, assim criando uma onda na areia, a qual Jinbei e os outros conseguiram atravessar usando suas técnicas- Eles... Estão mais perto? –observou.

Jinbei: O que foi? Está com a guarda baixa? Pegue-nos se puder! –caçoou.

Genome: Como quiser!

Genome mandou as dunas atacarem Jinbei e os outros, mas eles foram rápidos se separando um pra cada lado, dispersando as dunas. Utilizando suas técnicas, eles foram confrontando as dunas e tomando cuidado com suas armadilhas. Genome estava tão focado nos 3 que nem notou outro tiro vindo da direita, o qual ele não teve outra escolha a não ser deitar para desviar do tal tiro que passou raspando seu nariz. Irritado ele viu Mystyky flutuando e acenando, assim mandando as rajadas de areia nela, porem novamente teve o pressentimento de movimentação vinda de dentro do centro e quando se virou viu o Hydro Whip de Jinbei vindo de frente enquanto a Leo Eruption de Lysandre vinha pela sua direita, forçando-o a erguer uma onda de areia que consumiu os dois golpes.

Madoka: Não esqueça de mim, Land Crusher! –brandindo essa técnica, Madoka arrastou a garra pelo chão e assim a terra mesmo na areia criou um fenda que se abriu e pedras afiadas começaram a sair de dentro dela, rumando em direção a Genome.

Genome: É inútil!

Com uma rajada potente de areia, Genome conseguiu repelir mesmo com dificuldade a investida das pedras, começando a ofegar depois disso.

Genome: Mas o que está havendo? Estão vindo de todos os cantos...! –foi então que ele entendeu o plano dos jovens- Agora eu entendi... “Eles ficaram ainda mais próximos... Enquanto os não dignos me distraem eles chegam mais perto. Acharam uma brecha na minha estratégia perfeita” –pensava ele segurando os cabelos e com o olho direito tremendo.

Jinbei: Acho que ele percebeu.

Madoka: Achei que já tivesse sentido nosso sinal pra aquele “garotinho” transmitir a mensagem pro pessoal do outro lado.

Lysandre: Ele até pode ter percebido, mas não adianta de nada agora. Agora, temos que continuar pra dar realmente certo, antes que ele perceba mais ainda.

Jinbei: Isso aí!

Genome: Não vou tolerar isso.

Genome apertou o chão com força assim intensificando os ataques contra os grupos que estavam fora do centro, mas eles continuavam resistindo muito bem.

Mystyky: Ele não vai nos parar com isso.

Assim, o plano continuou nesse mesmo ritmo. Ou Mystyky ou Shining Door atacavam Genome o distraindo, assim Jinbei e os outros podiam se aproximar ainda mais pra poder atacar, dessa forma eles continuaram, encurralando o malfeitor.

Genome: “Isso não pode estar acontecendo! Eles estão me derrotando?! Eu?! Não é possível!” –em sua mente Genome já estava nas ultimas, mas ainda se defendia dos golpes que vinham em sua direção até finalmente ter de saltar pra trás para desviar- “Não podem! Não podem! Parem agora! E esse estralo na minha cabeça?! Faça o parar!”

Jinbei: Continuem assim, ele está nas ultimas! –gritou para todos.

Genome: Já chega!

Com o grito de Genome, ele se envolveu em uma cúpula de areia, se isolando do ambiente hostil.

Lysandre: Ele está tentando recuar. Temos que aproveitar essa chance!

Jinbei: Certo pessoal! Chegou hora de enterrar esse cara.

Todos começaram a atacar a cúpula com tudo o que tinham, danificando-a aos poucos, já que ela se regenerava e eles não queriam se aproximar demais. Dentro da cúpula, Genome apenas observava alguns buracos sendo feitos na cúpula e se focava em repara-los, ou melhor, tentava se focar, já que sua cabeça estava uma bagunça.

Genome: Não posso acabar assim, eu sou o juiz desse deserto! E esse estalo! Esse maldito estalo! Já havia escutado ele antes...! –foi então que ele percebeu algo de extrema importância- Esse estralo... Não segue um padrão certo e eu já havia lhe sentido... Quer dizer que...

Enquanto ele raciocinava, alguém se aproximava com extrema velocidade do centro do labirinto, atravessando as paredes com apenas um golpe.

Genome: Eu estava tão focado neles que nem me toquei... Será que fazia parte do plano deles? Mas como vou deter mais um nessa situação?!

Ele estava tão focado em sua descoberto que nem notou a cúpula ser quebrada dos dois lados e ter todos os atacantes mirando nessas aberturas. Os olhos de Genome não paravam quietos tentando adivinhar de onde um golpe viria.

Genome: “Será que posso atingir todos?” –pensava ele desesperado.

Foi então que outra coisa aconteceu, sendo inesperada para todos. Uma garota atravessou a parede do labirinto à esquerda de Genome e logo ela se moveu se tocar chão mirando com uma de suas pistolas bem na face de Genome que olhava pra ela. Todos pararam seus ataque surpresos com esse fato.

???: Te peguei. –disse a garota pronta pra disparar.

Genome: Desapareça. –disse ele enquanto trocava a face de surpresa por uma de seriedade, assim um grande pilar de areia surgiu ao lado de Genome e atingiu a garota antes do tiro ser dado, a arrastando, chegando a fazê-la atravessar a parede do labirinto, erguendo uma nuvem de poeira. Todos ficaram boquiabertos, ainda mais do fato de tudo isso ter acontecido em menos de um minuto antes do golpe final.

Lysandre: O que... Foi isso? –confuso.

Jinbei: Também não sei...

Madoka: Será que ela morreu?

Genome: Uhu... Uhuha... Ahahahahahahaha!

Genome iniciou uma crise de risos fazendo todos mesclarem confusão com preocupação.

Mystyky: Esse cara...

Kyosuke: O que deu nele?

Farrell: To achando que ele é biruta.

Kyotsu: O que é tão engraçado...?

Genome: Mas era tão óbvio. Eu não estava pensando direito porque me desesperei. Me pegaram direitinho, mas devo agradecer a nossa penetra por me dar essa dica.

Um leve tremor aconteceu, então as paredes do centro cederam, revelando para Genome o posicionamento tanto do grupo de Mystyky quanto o de Kyosuke, fora o grupo de Jinbei que já estava visível.

Genome: Pronto. Agora eu consigo ver todo mundo. Por isso... A brincadeira acabou. –sádico.

Após sua declaração, braços de areia surgiram em volta dele e começaram a circulá-lo, em seguida avançaram pra cima de todos que mesmo utilizando suas técnicas, não conseguiram escapar ilesos dos ataques. Mystyky e Kyosuke foram os que mais sofreram, por estarem fora das barreiras dos companheiros, onde a primeira recebeu um golpe de raspão na esquerda na altura da barriga, o que foi suficiente para arrancar-lhe um pequeno pedaço o que a danificou seriamente, enquanto o rapaz foi mandado junto de Shining Door pra longe onde por pouco não pousou perto de alguns espinhos devido ao seu companheiro desenhado, mas como o espinho se estendeu, passou de raspão em seu ombro esquerdo, quanto ao restante, os que tinha proteção tiveram as barreiras quebradas, assim só sofrendo com impacto, mas para os que não tinham (Jinbei, Lysandre e Madoka), eles foram atingidos em cheio, e só não sofreram muitos ferimentos por terem defendido com seus poderes, mas acabaram no chão.

Genome: Mais uma vez mostrando respeito, vou deixar que descansem um pouco no chão enquanto planejo o que fazer com vocês.

Lapis: Mystyky-chan! –preocupado com sua amiga que parecia agoniar. 

Max: Kyosuke, você está bem?

Kyosuke: Droga. Tudo isso por causa daquela garota...

Madoka: E agora?

Lysandre: Tem alguma ideia em mente, Jinbei.

Jinbei: Desculpa... Não tenho nenhuma...

Genome: Acho que vou começar empalando os que mais me irritaram. Você... –ele aponta pra Mystyky- Você... –ele aponta pra Kyosuke- E vocês três! –ele aponta para Jinbei, Lysandre e Madoka, mas...

Antes de seguir com sua execução, ele ouviu um disparo, já erguendo uma barreira à sua esquerda, e depois de desfazer a barreira levando consigo a bala do disparo, ele viu a garota de antes, a olhando com cara de desdém.

???: Tsc! Foi quase. Hoje não é seu dia Marcy. 

Madoka: Ela tá viva...

Kyotsu: Como? Ela foi afundada na parede.

Genome: Você, garota, quem é afinal?

???: Mikazune Akashi (Akashi Mikazune) pra você, parceiro.

Akashi se tratava de uma garota de longos cabelos loiros e um pouco espetados, pele clara e olhos cor de mel determinados, trajando um chapéu de cowboy, jaqueta e luvas marrom escuro, uma capa na mesma cor, e por baixo da jaqueta uma blusa branca, além de calça bufada preta presa a seu corpo por um grande cinto prateado e botas de cowboy. Ela estava armada com duas pistolas estilo magnum idênticas fora por linhas de cores diferentes no cano (preta na direita e branca na esquerda).

Genome: Akashi... Certo, te darei a honra de ser a primeira enterrada.

Akashi: Vai sonhando, palhaço. Ei vocês! –gritou ela para o grupo caído.

Jinbei: O que foi?

Akashi: Sei que não é a situação certa, mas que tal a gente ver quem acaba com ele primeiro?

Lysandre: Ela tá falando serio?

Farrell: Será que ela não percebeu que tá todo mundo arregaçado?! –bravejou.

Akashi: Ele tem razão, seria meio injusto.

Genome: Chega de papo.

Madoka: Cuidado.

Genome mandou um jato de areia na direção de Akashi enquanto ela estava distraída conversando. Todos estavam preocupados, pois ela seria alvo fácil, mas surpreendentemente ela nem esboçou preocupação e em instantes, ela colocou sua pistolas a frente do jato assim foram cobertas por uma camada de gelo grosso e pontiagudo após serem chacoalhadas de leve, assim ela posicionou as duas pistolas a sua frente assim repelindo o jato de areia com extrema facilidade, partindo-o ao meio. Genome e os outros se surpreenderam com o fato, e antes mesmo do vilão pensar em fazer outra coisa, Akashi já correu em disparada ainda partindo o jato de areia, forçando Genome a aumentar a pressão. Akashi percebeu que não mesmo sua técnica não barraria a rajada mais forte assim ela saltou por cima do jato e já mirou com sua Magnum direita na direção Genome que estava quase sem reação com a velocidade da jovem. No buraco de sua arma, uma bolha de agua se formou, assim ela estava pronta pra atirar.

Akashi: Split Splash (Splash dividido)! –brandindo sua técnica, ela dispara através da bolha de agua, mas assim, o tiro se divide em vários tiros de agua que rumam em direção de Genome que foca em se defender.

Ele ergue barreiras de areia em volta de si assim se defendendo dos fortes tiros que fazem as barreiras ao seu lado tremer bastante.

Akashi: Ainda não acabamos, né, Phiboe?!

Akashi corre outra vez se desviando e destruindo espinhos de areia que brotavam do chão com as pistolas cobertas de gelo, até chegar bem próxima de Genome e salta sobre ele, preparando sua arma direita pra um tiro na nuca, mas outra vez ela é repelida antes do tiro por uma mão de areia com espinhos, o qual ela defende com ajuda de suas armas de gelo, aterrissando deslizando pela areia perto do grupo de Mystyky.

Akashi: Passamos tão perto, Phiboe! –dizia olhando pra sua pistola direita.

Farrell: Essa garota é meio doida, conversando com as armas. Eu hein?!

Mystyky: Me lembra um certo alguém... Cof! Cof...!

Lapis: Mystyky-chan, não faça muito esforço. –dizia ela com a cabeça de sua amiga apoiada no colo. Mystyky estava muito mal devido ao ferimento feito por Genome, mas mesmo assim se esforçava pra levantar, embora não conseguisse- Farrell-san, você disse que nos protegeria, certo?

Farrell: S-sim. Eu prometi isso, mas...

Lapis: Cuide da Mystyky-chan, vou tentar ajudar essa garota.

Farrell: Tem certeza disso, ainda acho que só vocês duas não dão conta disso.

Lapis: Sei que não somos só nós duas.

Como ela disse, do outro lado, Kyotsu já se colocava a frente com sua espada em mãos.

Max: Tente ganhar um pouco de tempo enquanto eu curo ele.

Kyosuke: Se precisar eu mando o Shining Door pra te ajudar.

Kyotsu: Você já fez bastante, agora deixe comigo.

No meio, o mesmo acontecia.

Jinbei: E aí gente, com vai ser? –dizia ele se erguendo.

Lysandre: Ainda posso lutar por um bom tempo. É só não exagerar.

Madoka: Esse ultimo golpe poderia ter nos matado, mas como não fez, eu ainda vou lutar.

Jinbei: Gostei de ouvir.

Akashi: Vejo que agora tem competição. Estou ficando empolgada!

Genome: Então ainda acham que tem alguma chance. Por mim tudo bem. Essa resistência e determinação de vocês prova que são dignos de fazerem parte do meu santuário.

Jinbei: Pare de falar essas idiotices!

Todos então avançam contra Genome que enquanto ri responde enviando seus braços de areia e espinhos na direção de todos. Os jovens vão revidando utilizando suas armas e técnicas, mas se livrando de um braço, mais vem para substituir.

Kyotsu: Pyro Blade! –o rapaz vai cortando os braços de areia, porem, ele acaba sendo atingido pelas costas por um pilar, assim ele acaba sendo derrubado.

Akashi: Tigers Water (Agua dos tigres)! –brandindo essa técnica de cada pistola surge um tigre feito de agua e com eles Akashi avança repelindo o braço de areia, mas em seguida de seu topo outro braço surge e a ataca, mas ela se defende com suas pistolas, mas não evita de ser mandada pra longe.

Lapis: Vou ter que usar isso! Call of the Leviathan! –lápis fez seus preparativos (Fazendo um triangulo com as mãos, convocando o símbolo e o tremor), assim invocou seu dragão de gelo e cristais e o ordenou atacar Genome e seus braços.

O dragão iniciou seu ataque, destruindo os braços que estavam próximos dele, abrindo um pouco do caminho para Jinbei, Lysandre e Madoka.

Jinbei: Essa técnica consome muita energia da Lapis, temos de ser rápidos.

Lysandre: É pra já! Leo Eruption!

Madoka: Land Crusher!

Os dois brandiram suas técnicas lançando os jatos de magma e as rochas afiadas pra cima de Genome, mas ele continuava despreocupado.

Genome: Esse seu bichinho não é bem vindo aqui. E essas investidas já não são mais problema.

Enquanto o dragão atacava braços em sua frente, sem reparar, outros braços surgiram em volta e em suas costas, assim o agarrando rapidamente. Por mais que a criatura lutasse, acabou sucumbindo a grande quantidade de braços que o amarraram e o derrubaram, assim o fazendo desaparecer.

Lapis: Não! Yaaaahhhh! –Lapis enquanto preocupada foi atingida por um chicote de areia e caiu perto de Farrell e Mystyky.

Quanto aos golpes mandados por Lysandre e Madoka, ambos foram confrontados por jatos de areia potente que se chocaram com seus golpes e após medirem forças conseguiram derrotar as técnicas dos jovens, avançando contra os dois e os atingindo, jogando pra longe com violência.

Jinbei: Pessoal!

Jinbei nem se tocou de que era próximo, pois os dois jatos de areia se solidificaram de ambos os lados dele o cercando, assim vindo em sua direção na intenção de prensa-lo, porem ele foi mais rápido e saltou a tempo, mas pra sua surpresa, um pilar de areia já o esperava e o atingiu em cheio jogando pra ainda mais longe que Lysandre e Madoka.

Jinbei: Droga... Gyah! –ele tentava falar, mas acaba cuspindo sangue.

Genome: Não se preocupem com ultimas palavras, tentarei ser breve. Vocês realmente se demonstraram dignos e por se mostrarem muito mais impressionantes que os outros que chegaram até aqui, farei questão de deixa-los todos juntos e aproveitar tudo o que vocês tem. Talvez até faça estatuas em sua homenagem por todo o labirinto, o que me dizem? Ahahahahahaha!

Jinbei: Corta essa! –gritou Jinbei ignorando totalmente os risos e seu estado físico, assim tentando se erguer mais uma vez- Não vamos acabar assim, todos aqui tem um objetivo a cumprir, e não é hoje que nossa jornada acaba. Enquanto eu estiver respirando, tiver pulsação e energia, eu não vou parar de continuar seguindo meu caminho! Além do mais, nem ferrando que a gente morreria pra um cara detestável como você.

Lysandre: Jinbei...

Lapis: Jinbei-san...

Kyosuke: Ele tem razão… Max, já terminou.

Max: Acho que sim. –com isso, Kyosuke se levanta e dá um passa a frente.

Mystyky: Não se esqueçam de mim... –Mystyky então se esforçava pra se levantar mesmo ferida.

Farrell: O que pensa que está fazendo?! Soltou algum parafuso no cérebro, garota?! –preocupado.

Mystyky: Não fale nada sobre eu estar ferida e não poder lutar. Todos estão e nem por isso se deram o luxo de descansar... Eu não vou ficar assistindo. Fora que, seria ainda pior se eu desmaiasse e “ela” assumisse o controle.

Evil Mystyky: “Desgraçada! Me liberte!” –gritava a outra parte de Mystyky em seu subconsciente, mas a garota apenas suspiro e deixou sua outra parte falando sozinha

Genome: Já está na hora do meu veredito final. Suas execuções.

Jinbei: Cansei desse papo idiota de julgamento.

Kyosuke: Shining, vou te dar um descanso. Além de experiência, isso dará uma bela inspiração. –rapidamente ele desenha uma espada em seu caderno e a materializa- Vai dar pro gasto. –brandindo a espada.

Mystyky: Se for cuidar de alguém, cuide dos meus bebês. –ela então joga suas armas pra Farrell.

Farrell: To com cara de guarda-volumes?! –braveja.

Genome: Por mim que seja, afinal foram vocês três que mais me irritaram. –com isso ele pressiona a areia levantando novamente mais mãos e pilares.

Jinbei: Vamos nessa! Hydro Drill! –Jinbei usou agua e vento pra dar impulso e logo foi avançando rapidamente com sua broca de agua indo na direção de Genome, varrendo os braços e pilares de areia.

Kyosuke: Aqui vou eu! –o rapaz saiu atacando com sua espada, cortando os pilares e mãos que se aproximavam.

Mystyky: Se eu levar na lógica, isso é só areia afinal. Heavy Weather! –Mystyky cria um pequeno tornado que colide com os objetos de areia e até consegue soprar a areia um pouco.

Genome: Eu esperava uma resistência maior.

Com simples gestos na areia, os pilares e mãos primeiro jogaram Kyosuke ao chão rolando pela areia, em seguida dois pilares se formaram do que estava sendo barrado pelo tornado de Mystyky, assim dando a volta nele e acertando a garota, dando a ela o mesmo destino de Kyosuke. Por ultimo, um muro se ergueu a frente de Jinbei impedindo o avanço de sua broca, isto serviu apenas pra para-lo, já que logo ele foi erguido por uma mão que brotou bem abaixo dele e o levou até uma altura de em média 6 metros, depois disso, ele foi puxado com velocidade até ser afundado no chão com violência o que o fez cuspir um pouco mais de sangue.

Lapis: Pessoal...! –preocupada.

Kyotsu: Vocês estão bem? –preocupado.

Kyosuke: Ainda não acabou... –rapidamente ele pega sua caneta e escreve “afiada” e “resistente” em sua espada, depois disso ele se levanta.

Mystyky: Estamos só começando... –ela se levanta e começa a assoviar criando correntes de vento em suas mãos.

Jinbei: Não vamos desistir...! –ele vai criando uma manopla aos poucos na mão direita enquanto tenta se erguer.

Genome: Vocês que sabem... Ehe!

Genome continuou a atacar impiedosamente, mas não importava quantos pilares, armadilhas ou risos ele soltasse, os 3 jovens não desistiam facilmente, assim continuaram a se levantar logo após serem derrubados.

Farrell: Esse vagabundo... Está só brincando com eles!

Lysandre: Eu não aguento mais ver isso!

Akashi: Esses caras são duros na queda, mas não vamos ficar de braços cruzados...! Mas hein?! –quando ela percebeu, após se levantar, suas pernas começaram a afundar na areia e seus braços logo foram agarrados e imobilizados assim como o resto da “plateia”.

Kyotsu: Nos pegou de surpresa!

Max: Vamos afundar!

Genome: Continuem assistindo quietinhos, ok?! Embora que eu creia que meu divertimento já tenha acabado. –disse ele observando os três caídos.

Kyosuke: Ei, o que pensa que está fazendo...? –disse ele se arrastando no chão.

Mystyky: Nós é quem somos seus oponentes... –disse ela, da mesma forma.

Jinbei: E enquanto pudermos nós erguer, vamos defender nossos amigos que se arriscaram por nós... –com isso, ele faz um grande esforço, mas consegue se levantar- Eu já te disse... Não vamos acabar assim... –Mystyky e Kyosuke levantam logo em seguida- Não iremos perder pra você...!

Genome apenas observa os três jovens de pé com determinação, todos parecendo que iriam mudar de estratégia, onde Kyosuke se desfaz de sua espada e recupera seu caderno e caneta, Mystyky respira fundo e Jinbei abana as mãos. Enquanto eles se preparam, uma ventania começa a percorrer o local da batalha, soprando cabelos e roupas com certa leveza, além de um pouco da areia que se esparramava sem formar nenhuma nuvem grande. Era uma brisa que apareceu repentinamente trazendo ainda mais suspense para a batalha. De fora do labirinto, onde antes era a entrada que Jinbei e seus amigos usaram, Dyhon estava sentado sobre uma duna de braços cruzados observando o labirinto com certa preocupação.

Dyhon: Eles estão demorando demais... Ouvi vários estrondos e senti muitas vibrações... Acho melhor eu ir até lá, estou com medo de já ser tarde demais! –ele então se levanta quando sente a ventania soprar seus cabelos prateados para frente- Esse vento... –ele então percebe do que se tratava e logo, sua preocupação é trocada por um sorriso- Me preocupei atoa, a luta já vai acabar. Só espero que não façam grande estrago.

Genome: Veredito... Execução.

Pilares de areia avançaram em velocidade na direção dos três jovens, mas eles não se preocuparam, pelo contrario, fecharam os olhos e relaxaram, eles conseguiam sentir o vento aumentar sua intensidade levantando ainda mais poeira, assim eles se concentraram, apurando seus outros sentidos.

Kyosuke: Me sinto mais leve que o normal...

Mystyky: Essa ventania, consigo sentir por todo o meu corpo como se me preenchesse...

Jinbei: Posso sentir... O vento acredita na nossa vitória...

De repente, um fenômeno espetacular começava a acontecer: os três começaram a ser rodeados por uma aura de cor amarela o que surpreendeu todos os presentes, logo a aura se expandiu fazendo os três se interligarem.

Jinbei: Hora de corresponder, as expectativas desse vento e de todos!

Os três abriram seus olhos mostrando outra mudança: suas ires ficaram da mesma cor da aura, um amarelo canário bem forte e brilhante que emanava energia pra fora da córnea. Foi então que os movimentos de cada um se iniciou. Kyosuke fez apenas uma linha em zig-zag descompromissada, mas a partir dela uma tornado se iniciou. Mystyky respirou fundo e começou a gritar o mais forte que conseguia, assim, outro tornado se formava ali. Jinbei começou a esfregar as mãos e em torno dele as gotículas de agua começavam a girar se acumulando, logo o deixando rodeado por agua e ventania. Um detalhe que deixou todos de boca aberta foi o fato de que atrás de cada um, enquanto realizavam seus movimentos, uma figura de energia representando seu signo aparecia (Uma balança, duas silhuetas idênticas, e uma silhueta segurando uma jarra). O vento então começou a soprar forte, soprando os longos cabelos de Genome revelando seu rosto mórbido e surpreso. Os pilares que já estavam quase acertando os três foram facilmente dissipados pelo vento, como se fossem apenas poeira enfrentando um ventilador ou aspirador.

Genome: Mas o que é isso?! –espantado.

Os três: Contemple!

Kyosuke e Mystyky terminaram de formar seus potentes tornados a sua frente, enquanto que Jinbei abriu seus braços, criando mãos gigantes feitas de agua envolvida por vento, e com elas ele conseguiu de alguma forma segurar os tornados de seus companheiros e começou a movê-los na direção de Genome.

Genome: Não podem me deter com essa ventania descontrolada.

Ele tenta revidar com mãos de areia, mas as mesmas são desintegradas só de se aproximar.

Genome: Tsc! Nesse caso... –ele então se envolve por outra cúpula de areia.

Kyosuke: A tempestade perfeita...!

Mystyky: Varrerá tudo em seu caminho...!

Jinbei: Agora!

Os três: Haaaaaaaaaa!!!

Os três fizeram força e conseguiram mandar os tornados pra cima de Genome, assim as mãos de agua foram trazendo os tornados que já estavam deixando um rastro na areia onde passavam.

Os três: Rising Storm (Tempestade Crescente)!!!

Com isso, as mãos juntaram os tornados em cima da cúpula de Genome, e logo a agua também se juntou, porem as gotículas se separam e dispersaram, mas ainda eram um pouco visíveis. Um tornado gigantesco se ergueu e nada em seu interior podia ser visto ou escutado. A força do vento era tamanha que começou a soprar a areia em seu redor formando uma cratera. O restante do grupo ainda estava tentando processar o que estava acontecendo, mas voltaram a si quando a areia que os prendia começou a ceder como areia normal que era, mas isso claramente lhes fez estranhar.

Max: Fomos soltos?

Lysandre: Significa que...

Logo, o tornado brilhou e se expandiu assim se dissipando num piscar de olhos iluminando todos os presentes. Depois que o tornado se foi, os olhos de Jinbei, Mystyky e Kyosuke voltaram ao normal e os três deixaram de ser rodeados pela aura de energia, caindo ajoelhados no chão. Seus amigos correram para ajuda-los a ficarem de pé, nem notando que o corpo de Genome estava em queda livre, e só notaram quando ele chegou ao chão causando um estrondo.

Madoka: Isso deve ter doído.

Repentinamente, todos sentiram leves vibrações no chão e ao olharem pra trás, viram as paredes do labirinto se desfazendo, até mesmo, sem eles verem, os tuneis subterrâneos começavam a ser preenchidos pela areia. Logo, toda a estrutura daquele extenso e traiçoeiro labirinto, foi reduzido a literalmente areia, deixando todos novamente cercados pela imensidão do deserto.

Lapis: Ele morreu?

Akashi: Melhor ir garantir.

Farrell: Concordo com a novata.

Genome estava todo estirado no chão, olhando para o céu sem expressão.

Genome: Meu corpo... Não estou sentindo mais nada... -Todos chegaram perto e o cercaram, começando a observa-lo- Vocês são melhores do que eu imaginei, assim como fizeram com meu labirinto, transformaram minhas expectativas em pó.

Akashi: E aí?! Já posso dar um tiro na testa dele?

Jinbei: Não.

Todos: O que?!

Jinbei: Não me entendam errado, ele é uma grande ameaça, mas duvido que vá resistir por muito tempo.

Genome: Está certo...

Jinbei: O mais correto a se fazer, seria deixa-lo morrer da maneira que deveria ter morrido há muito tempo: De forma natural, a qual foi impedida graças às coisas que ele roubou dos viajantes.

Genome: Realmente, seus suprimentos foram uma benção pra mim.

Mystyky: Depois de tudo o que ele fez...

Kyosuke: Acho que é a maneira mais adequada.

Akashi: É serio? Vocês não vão matar? Então deixa comigo. –antes dela conseguir mirar em Genome, Farrell e Kyotsu brandiram suas espadas na direção dele.

Farrell: Ouviu o cara.

Kyotsu: Pode parecer cruel, mas é assim que ele vai pagar os crimes.

Akashi: Vocês são estranhos. –ela guarda suas arma- Gostei. –com isso ela solta um sorriso.

Genome: Ahahahahahaha... É verdade, vocês me pegaram, eu mereço terminar assim, porem... Permita-me acabar com sua alegria.

Lysandre: Cuidado!

Todos pensaram em pular pra trás assustados com o que Genome faria, mas na realidade, ele ergueu um espinho de areia com suas ultimas forças, perfurando seu peito. Todos ficaram chocados e confusos com tal decisão, observando o espinho se desfazer em cima de Genome enquanto ele ria com suas ultimas forças.

Genome: Agora... Saiam de perto... Da minha tumba... Hahaha...

Genome então foi engolido aos poucos pela areia, como se ele usasse suas forças finais para se enterrar, dando assim, seu ultimo suspiro.

Jinbei: Acabou... –ele suspira aliviado.

Farrell: Já tava cansado dessa loucura toda.

Kyotsu: Mas eu ainda quero saber o que aconteceu com vocês três.

Max: Show de fogos?

Mystyky: Se vocês não sabem, imagina a gente.

Kyosuke: Na realidade, eu já ouvi historias de que se se três Signatários que possuam signos do mesmo elemento estiverem juntos, na mesma hora e mesmo local, algo impressionante pode acontecer.

Lapis: Como um milagre.

Lysandre: Pensem nisso depois, agora vocês precisam descansar.

Jinbei: Na verdade, comparado a antes que não tinha força nenhum, estou me sentindo revigorado.

Mystyky: Eu também.

Kyosuke: Digo o mesmo.

Madoka: Vocês ainda parecem um caco pra mim.

Kyotsu: Jinbei-san, quem são esses dois mesmo?

Jinbei: Longa historia.

Os três grandes heróis são colocados no chão para que Max cure os humanos e os reparos necessários sejam feitos em Mystyky.

Jinbei: Ei, novata! –ele chama a atenção de Akashi que estava mais afastada de bobeira e de costas pra eles com os braços cruzados atrás da cabeça.

Akashi: Que foi?

Jinbei: É Akashi, né? Valeu pela força. –ele abre um sorriso e Akashi responde com outro.

Akashi: Não tem de que. É o mínimo que eu poderia fazer para os meu novos... –ela faz uma pausa.

Lapis: Amigos? –animada.

Kyotsu: Companheiros? –animado.

Farrell: Ídolos? –posando de forma heroica. Akashi apenas balança a cabeça negando e dá um tiro pro alto.

Akashi: Rivais!

Todos: Hein?! –confusos.

...

Dyhon (Como mulher) estava aliviado de ver seus jovens amigos reunidos e de certa forma bem, após a batalha.

Dyhon: Conseguiram e de forma espetacular. Eles ainda vão se desenvolver bastante. –orgulhosa- Mas agora me pergunto, onde Ryouta pode estar e o que está fazendo? Sinto que em breve nos veremos novamente.

...

Em um bar em algum lugar, uma pessoa familiar estava sentada quase despencando na mesa. Era Ryouta e parecia estar enchendo a cara.

Ryouta: Me dá mais! Uglh! –soluça

Fim

 


Notas Finais


Espero de verdade que a espera tenha valido a pena e vocês tenham gostado. Pra mostrar que sou um cara legal ainda, vou deixar o comment or die em hiato pelo mesmo tempo que a fic ficou: 3 meses. Ou seja, o comment or die só volta em fevereiro, mas se puderam continuar comentando vai me deixar bem feliz mesmo. Até a proxima e prometo que não demorara tanto gente.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...