História Contanto que você me ame... - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Álcool, Amor, Brigas, Romance
Visualizações 20
Palavras 737
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


desculpem qualquer erro ai, postei esse capítulo pelo computador mais ai ta.

É nois.

Capítulo 9 - ''liberdade''



Voltamos para casa e zedrik resmungava o caminho inteiro de dor, sua boca estava inchada assim como um de seus olhos que também já haviam adquirido uma cor roxa, eu apenas prendia o riso o caminho inteiro, alex havia feito o que zedrik merecia a anos, e nunca ninguém havia feito. Tentava prestar atenção no caminho, vinha dirigindo pois zedrik mal aguentava abrir um dos olhos.


- você deve esta adorando né sua vadia – zedrik falou puxando o espelho acima dele se olhando, balançou a cabeça negativamente enquanto analisava seus ferimentos. – a culpa disso é sua.
- por que você não para de me chamar de vadia? Ah ta a culpa é minha de você ser louco – falei com raiva - acho que queria realmente que eu fosse uma vadia não é mesmo?

- julie, julie, você esta abusando do meu bom humor esses dias – ele falou – eu te amo mais não abuse.
- amar? – sorri nervosa – que tipo de amor é esse zedrik? Se você me ama porque você simplesmente não me deixa livre, por que não temos um relacionamento normal, como qualquer um – falei segurando forte no volante, claro que se ele me deixasse livre eu não iria ter relacionamento normal nenhum com ele, zedrik se virou para mim, e pude perceber uma expressão triste em seu rosto.
- porque se eu a deixasse livre você me deixava, e não posso suportar nem pensar em te perder – falou olhando para seus pés, eu apenas o observei e voltei minha atenção ao caminho.
- você é doente – falei 
- sou, doente de amor por você, e sei que você me ama
- você que pensa, eu te odeio zedrik, você esta acabando com a minha vida – falei deixando as lagrimas cair uma longa pausa se deu até zedrik quebrar o silêncio.
- eu te liberto – falou e eu parei o carro no mesmo momento em uma freada brusca, não acreditei no que ouvi
- o que? – falei perplexa 
- isso que ouviu, eu te solto, com uma condição....- ele deu uma breve pausa e logo continuou – contanto que me ame! 
 

eu apenas ri, sabia que ele não ia me soltar droga nenhuma eu nunca vou ama-lo e ele sabe disso. Liguei o carro novamente e voltei a dirigir em direção a nossa casa, alias, a casa dele.


[...]

Acordei cedo, eram umas 7 da manhã, sai do quarto em direção a cozinha, como sempre toda a casa trancada, eu só poderia ir ao quintal  quando  zedrik permitia, e só saía com a presença de mariana, como se eu fosse fugir... e como se mariana fosse me impedir de fugir se eu resolvesse fazer. Entrei na cozinha e dei de cara com zedrik tomando algo na xícara enquanto mariana mexia algo em uma panela no fogão.


- bom dia mariana – falei e mariana sorriu pra mim
- bom dia ju...dona julie – ela piscou 
- e eu, não me ver aqui meu amor? – ele falou e eu apenas rir da cara do mesmo que estava toda inchada e machucada – engraçado vai ser se eu deixar sua cara igual a minha – ele fala e eu paro de rir. – seus pais ligaram, falei que você estava muito bem, feliz é claro – ele sorriu
- feliz – rir de deboche e me sentei a mesa passando manteiga no pão
- tenho um presente pra você – zedrik falou se levantando e pegando uma chave em seu bolso jogando para mim.
- o que é isso? – perguntei, mariana apenas nos observava atrás de zedrik
- a chave do portão, e a outra de um carro, seu carro – ele falou e eu ri de felicidade, o que havia acontecido com esse idiota para ele do nada fazer isso? A surra de alex surtiu efeito só pode.
- o...oque? serio??? – não consegui conter minha alegria.
- é, mais se você aprontar qualquer gracinha que seja, já sabe o que acontece com seus pais né? – ele falou e meu riso logo sumiu
- sei – falei triste e ao mesmo tempo feliz, eu ia poder sair sozinha novamente, porque sera que zedrik havia mudado de ideia sobre isso depois de 5 anos me mantendo presa? conhecendo como eu o conheço ele está fazendo em troca de algo, zedrik não dá um ponto sem nó. 
Ah, isso não importava, o que importa é que eu posso sair novamente, sozinha, como no começo do meu casamento com esse animal do zedrik.


[...]
 


Notas Finais


espero que gostem.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...