1. Spirit Fanfics >
  2. Contato >
  3. Segundo Round

História Contato - Capítulo 8


Escrita por:


Capítulo 8 - Segundo Round


Por mais que quisesse prolongar ao máximo o contato que estava tendo com Regina, Emma tinha consciência de que uma hora a morena despertaria. Não demorou muito tempo admirando o sono da outra mulher até que Regina se levantou e agiu como se nada tivesse acontecido.

Como se despertar nos braços de Emma fosse a coisa mais natural do mundo. Em seguida, passou suas mãos por entre seus fios de cabelo despenteados e deu uma bocejada.

A loira apreciava cada um daqueles detalhes por menores que fossem. E mesmo que a outra mulher se esforçasse ao máximo para não demonstrar suas emoções a cada um daqueles encontros, Emma a cada dia descobria um novo detalhe sobre a morena. Ela conseguia levá-la a loucura até com uma cara amassada de sono.

Sentiu falta do calor que vinha do corpo de Regina, principalmente quando inconscientemente a morena se aconchegou a ela quando estava dormindo. E Emma se apaixonava cada vez mais e não tinha ideia de como lidaria com todos os sentimentos que nutria por sua cliente.

Enquanto estava deitada na confortável cama do hotel sua mente não deixou de trabalhar por um segundo sequer. Ela precisava conquistar Regina. Só não tinha ideia de como começaria a conquistá-la. Cada vez que a ideia de conviver com Regina passava por sua cabeça se sentia acometida por uma estranha sensação. Como se tivesse destinada a viver aquela história com Regina.

 “Que merda é essa?” Emma se questionava constantemente por não estar mais se reconhecendo. Durante muito tempo se deixou acreditar que havia esquecido seu lado romântico no passado. E desde que conheceu Regina a possibilidade de viver um romance com a outra mulher a assustava.

Ela repetia a mesma frase para si mesma. “Regina, você ainda será a minha perdição. Ou a minha salvação.”

Sentia-se em conflito. Óbvio, afinal tudo o que envolvia tomada de decisões deixava a loira nesse estado. Seu passado não tinha sido muito generoso com ela e só a possibilidade de se arriscar rumo ao desconhecido lhe enchia de medo.

Emma foi desperta de seus pensamentos por Regina devidamente arrumada andando pelo quarto. Já estava trajando suas usuais roupas sociais e tinha seu rosto coberto por uma maquiagem impecável que cobria qualquer traço de vulnerabilidade. Regina se escondia através de cada camada de base que passava por sua face. Com exceção de seu olhar incógnito onde Emma se perderia ao ponto de ficar parada apenas observando cada passo de Regina.

- Eu não sei por que ainda perco o meu tempo te contratando para esses encontros? – disse Regina do nada encarando Emma com seu olhar felino.

Agia assim como se sentisse a necessidade de mostrar para a loira que ali era ela que mandava.

- Bom... – mordiscou seu lábio enquanto pensava. – Talvez porque você goste de viver perigosamente. Ou só agora encontrou alguém capaz de lhe desafiar. – respondeu Emma na mesma moeda.

Todos os tipos de respostas passaram por sua cabeça, entretanto não conseguiu verbalizar nenhuma delas. Ao invés de uma resposta atravessada elas ficaram se encarando em silêncio. Os corações batiam acelerados. Ninguém se atreveu a falar nada por vários minutos.

As duas mulheres poderiam ficar horas uma olhando a outra. Como se com esse gesto tentassem desvendar o que pensavam.

Emma se sentou na cama e deixou uma parte da colcha cair revelando parte de seu corpo nu.

- Sabe Regina. – sussurrou. – Eu sempre tivesse vontade de algo. – deixou um tom provocante tomar conta de sua voz. – Um segundo round.

E dizendo isso, Emma puxou Regina de volta para a cama. Em contrapartida, Regina quis protestar ao se sentir puxada na direção da mulher mais nova. Entretanto, em questão de segundos ambas as mulheres já estavam nuas apreciando a proximidade dos corpos colados um no outro.

Por mais que Regina não quisesse admitir ela já conhecia os detalhes do corpo de Emma. Tanto que instintivamente suas mãos trilharam caminho pelas costas da loira que se arrepiava pela forma lenta e provocante com que Regina a tocava.

Foram meses de encontros furtivos. E mesmo com todas as suas regras sempre acontecia algo novo que acabava a surpreendendo. Como esse segundo round por exemplo.

Emma que já havia sido atrevida por demais nos últimos encontros não quis arriscar tudo ao dar um beijo em Regina. Tinha algo em seus lábios que a atraía ao ponto de não conseguir desviar sua atenção deles. Apesar de ser o que mais quisesse fazer naquele momento ela tinha que se conter. Quem sabe em outra ocasião ela teria oportunidade de conhecer o sabor de seus lábios. Agora ela só queria aproveitar um pouco mais de sua companhia.

Os lençóis da cama foram revirados mais uma vez. E as respirações ofegantes provenientes dos orgasmos que passavam pelos seus corpos.

Então Regina se levantou. E seguiu todo o seu ritual pela segunda vez naquele dia. Caçou suas roupas caídas pelo chão e entrou no banheiro com a intenção de se arrumar novamente. Quando saiu do lavado reaplicou seu batom escarlate em frente ao espelho. Enquanto deixava o dinheiro na mesinha perto da saída ela disse para a loira deitada na cama.

- Eu gosto de desafios Senhorita Swan. – sussurrou. – E você me desafia todos os dias. No entanto, quero que saiba que as regras ainda são minhas. – e saiu do quarto.

O único som que Emma escutou após a saída de Regina foi o som de seus saltos ecoando pelo corredor.

○○○

Abriu a porta de seu apartamento enquanto olhava rapidamente as correspondências que recebeu. Ignorou algumas e colocou sobre a mesa da sala de estar até que uma delas lhe chamou atenção. Havia sido enviada por Zelena Greene. Rasgou o envelope e em seguida leu o conteúdo enviado pela ruiva. Tratava-se de um convite para a inauguração do abrigo.

Ao ler o conteúdo da carta escrita à mão se sentiu tomada por vários sentimentos conflitantes. Não soube explicar o porquê se sentiu daquela maneira. E a primeira reação que teve foi de amassar aquele convite com toda força que conseguiu reunir. As lágrimas começaram a cair silenciosas por seu rosto e foi tomada por lembranças que por anos tentou esquecer.

Entretanto, quanto mais ela tentava esquecer tudo o que passou aquelas memórias voltavam sempre para lhe atormentar.

Muitas vezes permanecia escrava de seu passado. E por mais que tentasse recomeçar esses fantasmas do passado se faziam presente constantemente em cada segundo em que ficava a sós.

Era irônico se sentir viva somente quando estava entre quatro paredes com Emma. Apesar da loira lhe desafiar constantemente tinha algo nela que a fazia lutar contra tudo o que lhe arrastava para baixo. Como se ao lado da loira pudesse vislumbrar a superfície depois de passar tanto tempo submersa.

Depois do pranto sentiu uma leveza em seu coração. Após a perda de seu pai um turbilhão de novos sentimentos veio à tona e pela primeira vez tentava dar voz a cada um deles. Não era fácil. Ninguém nunca disse que seria. Em muitos momentos se escondia através de camadas, no entanto ao mesmo tempo começava a derrubar alguns muros.

Tinha consciência de que era um processo lento. Tudo aconteceria ao seu tempo.

○○○

Depois de muito tempo de espera finalmente as obras do abrigo haviam terminado. E hoje estava acontecendo a sua inauguração. Mesmo sendo tudo muito simples por escolha de Zelena a ornamentação do local estava impecável o que dava um ar lúdico ao ambiente.

- Sabe quando acontece algo em nossas vidas que vem como resposta para todas as nossas orações? – Zelena começou a falar após ouvir um coro pedindo que discursasse. – Algumas pessoas chamam de milagre e eu não poderia discordar. Toda vez que pensava sobre o que falaria no dia de hoje eu sentia que nem se eu usasse todas as palavras do mundo não seriam suficientes para descrever a emoção que estou sentindo no momento...

- É isso aí Zelena. – escutou uma voz a encorajando a prosseguir com o discurso.

Reconheceu o timbre animado como sendo de Emma Swan. A loira havia sido seu braço direito naquela transição. Imaginou que assim como ela a loira também devia estar sentindo muito orgulho de ver o abrigo pronto para ser um refúgio para todas aquelas crianças. Ambas as mulheres sabiam o quanto a vida já exigia muito de todas aquelas crianças e esperavam dar o mais próximo de uma infância normal a todas elas.

- Quem acompanha a minha administração sabe sobre todas as dificuldades enfrentadas no último ano. Quando vivemos de doações nos deparamos com uma realidade incerta. Sem saber o dia de amanhã. Sem ter certeza se vamos conseguir prover o mínimo para garantir uma boa infância e adolescência a todas essas crianças.

- A tia Zelena fala muito bem, não é? – Vivian que estava no colo de Emma sussurrou para a loira.

- Sim, minha princesinha. – a mulher mais velha concordou. – Além de cuidar muito bem de todos vocês.

- A gente sabe que nem sempre é fácil a vida no sistema. Eu mesma vivi algum tempo esta realidade quando perdi meus pais em um acidente e não tinha parentes próximos que pudessem cuidar de mim. Então desde nova sempre me deparei com todas essas dificuldades e dentro de mim senti uma sementinha ser plantada. A de cuidar dessas crianças. Assim que completei minha maioridade tive acesso a tudo que meus pais me deixaram e comecei a faculdade já vislumbrando o que queria para minha vida. E assim cheguei até vocês.

- Alguém tem um lenço de papel aí? – escutou alguém perguntar o que causou algumas risadas em quem estava no ambiente.

- Só que os últimos tempos não foram generosos com a gente. Passamos por muitas dificuldades e eu só poderia rezar para que acontecesse um milagre. Eu nunca perdi a fé de que algo bom aconteceria. Até que esse milagre finalmente aconteceu. Uma doação que além de salvar nossas finanças também nos deu uma nova sede que vai proporcionar espaço para uma vida de qualidade para todas essas crianças. Fiquei vários meses ocupada vendo todos os detalhes para que essa mudança seja a mais tranquila para todo mundo. E ver tudo pronto me aquece o coração de uma maneira que não sei explicar. Eu não cheguei até aqui sozinha e gostaria de agradecer a todo apoio que recebi ao longo dos anos e principalmente nestes últimos meses. Com certeza eu não teria um resultado tão lindo sem o apoio de todos vocês que estão aqui hoje.

Após o fim do discurso a atenção de Zelena foi bastante disputada pelos convidados. Afinal, todos queriam lhe parabenizar pelo seu belo discurso, além de elogiar como o abrigo ficou após a reforma da mansão.

- Parabéns minha ruiva abusada. – Emma a cumprimentou após esperar sua vez. – Ficou tudo tão lindo. Eu me sinto tão orgulhosa por tudo o que conquistou.

- Eu não sei nem o que te responder. – a ruiva respondeu emocionada. – Sua ajuda com tudo foi de extrema importância.

- Tia Zelena. – Vivian falou timidamente. – Você parecia até uma artista de cinema falando. Eu amei tudinho.

- Você que é um anjinho Vivian. – Zelena respondeu a pequena com um sorriso adorável.

○○○

Apesar de tentar lidar sozinha com suas próprias emoções Emma sabia que precisava de conselhos. Necessitava desabafar com alguém sobre os sentimentos que passou meses tentando compreender. E só tinha uma pessoa em que confiava para confessar tudo o que sentia por Regina.

Ruby Lucas, sua melhor amiga. Ou lobinha como Emma a apelidava.

A morena era a única pessoa que sabia tudo sobre a sua vida. Quem lhe dava os melhores conselhos e puxava sua orelha quando necessário.

Só que Ruby não morava em Nova Iorque. Entretanto, por sorte assim que Emma entrou no Skype viu que a amiga estava conectada. Mandou uma mensagem perguntando se podia conversar. E quando Emma mandava qualquer tipo de mensagem séria e sem ao menos fazer algum tipo de brincadeira, sem ao menos se referir a amiga como lobinha Ruby sabia que a amiga estava confusa.

Logo Emma reparou que Ruby tinha iniciado uma conversa em vídeo e logo aceitou a ligação.

- Ah, finalmente a senhorita se lembrou de que tem uma amiga. – disse a morena assim que viu a loira pela tela do vídeo. – Emma, o que está acontecendo com você? Já estava ficando preocupada.

- Desculpa lobinha. – falou a loira. – Sei que não tenho sido uma boa amiga nos últimos meses...

- Desembucha logo por quem você se apaixonou. – ordenou a amiga de forma categórica.

- Como você sabe? – questionou Emma deixando transparecer seu nervosismo.

- Como eu sei? – riu. – Olhando para essa sua cara de boba apaixonada. Que me chamou no Skype para ficar se aconselhando. Sou sua melhor amiga e te conheço melhor que todo mundo.

- Você não é nem um pouco convencida. – ficou em silêncio suspirando antes de prosseguir. – Mas, você está certa. Eu acho que estou apaixonada.

- Só acha que está apaixonada? Pois, eu tenho certeza. Quem é a sortuda que conquistou a senhorita Emma nunca mais vou me apaixonar? – perguntou Ruby enquanto dava uma mordida em seu sanduíche. – Desculpe, estou em horário de almoço.

- Aí que está o problema Ruby. Eu estou apaixonada por uma cliente. – afirmou olhando para o chão.

- O que? – a morena indagou com sua boca ainda cheia. – Como assim? Você disse que nunca iria se envolver com algum cliente e agora está falando que se apaixonou?

- Tem coisas que não podemos controlar. – confessou. – Eu não imaginava estar passando por tudo isso. Eu não sei o que fazer.

- Você sabe que as chances de isso tudo dar errado são enormes né? – questionou. – Eu só não quero que se machuque amiga. Você está muito longe e eu não tenho como pegar o primeiro avião e ir para aí ficar te consolando.

- Eu sei Ruby. Como eu sei. – Emma admitiu. – E é por isso que estou tão confusa. Não sei como lidar com tudo o que estou sentindo. E agora ela me contratou para ser cliente exclusiva dela. Eu nunca mais precisei fazer qualquer outro tipo de programa e por um lado tem sido a melhor coisa para mim. – disse com um sorriso estampado em seu rosto.

- Só me prometa que irá tomar mais cuidado? Não quero que se machuque por se envolver demais com sua cliente. Você sabe que um dia ela poderá sumir de sua vida e a única a sofrer será você. E eu não quero ver suas lágrimas através da tela de um computador sem poder estar aí perto para te abraçar.

- Eu não tenho como te prometer mais nada. Nem ao menos quero pensar na possibilidade desses programas acabarem. Acho que nunca estive tão apaixonada. – disse sorrindo.

- Eu sabia que um dia isso iria acontecer. E eu te avisei tantas vezes. Só que você nunca me escutou. Eu sentia que iria se apegar a algum deles. Sendo que você nem precisaria estar fazendo programas Emma. Acho que já está na hora de você largar tudo isso e retomar seus estudos. Tenho certeza de que seria uma excelente advogada.

- Você sabe que eu preciso. Minha família precisa da minha ajuda. – elas ficaram em silêncio por alguns segundos. – Você recebeu o dinheiro do depósito esse mês? – questionou Emma.

- Eu não te entendo Emma. Aliás, eu nunca entendi. – esbravejou Ruby. – Você entrou nessa vida por causa de uma família que não dá a mínima se você existe. Desculpe falar desta maneira. Mas, você se esforça o mês inteiro. Vive uma vida difícil por mais que negue para mim, para que? Para no final do mês mandar parte do seu suado dinheiro para ajudar uma família como a sua. Não entendo.

- É a minha família. – respondeu a loira cabisbaixa. – Por mais que tudo isso tenha acontecido eles são minha família. Gente do meu sangue e sinto que preciso ajudá-los.

- Sinceramente, você tem vocação para Madre Tereza de Calcutá. Puta que pariu. – xingou. – Sua família nem pode saber que você os ajuda. Eles não conseguem ouvir ninguém comentando sobre você. Eles te excluíram da vida deles.

- Eu sei. – ficou nervosa. – Eu sei. Não precisa me dizer o que eu já sei. – se exaltou enquanto algumas lágrimas escorreram por seu rosto. – Mas, eu os amo mesmo assim. Mesmo que eles tenham me expulsado de casa quando falei que era lésbica. Eu os amo. E dói tanto saber que eles não me querem mais como filha deles.

- Emma... Desculpe, não era minha intenção. – disse Ruby. – Eu não queria que você chorasse. Mas, sua família não merece todo o esforço que você faz. Eu queria estar aí perto para poder te abraçar.

- Eu também Ruby. – concordou. – Também queria te ter mais por perto. – Emma secou suas lágrimas com a palma de sua mão.

- Meu horário de almoço está quase terminando. – constatou depois de olhar o relógio em seu pulso. – Quero que me prometa que não fará nada precipitado e que pense em tudo o que te falei. Depois a gente se fala. Até mais Emma. – disse Ruby mandando beijos e Emma encerrou a chamada por vídeo.

- O que eu faço? – Emma se questionou.

Dentro de seu coração tinha apenas uma resposta. Conquistar Regina.


Notas Finais


E aí o que acharam? Sei que muita gente achou que a Regina escutou o eu te amo da Emma, o que acharam da ousadia da Emma? E a Ruby finalmente apareceu ebaaa

Espero que todos estejam se cuidando, lavando as mãos toda hora e passando álcool gel, é preciso muito cuidado e espero que a att seja um alento em meio a tantas notícias que nos deixam nervosos.

Queria enviar também que comecei fic nova, uma versão mais longa de Piece by Piece
convido vocês a conhecerem também

https://www.spiritfanfiction.com/historia/piece-by-piece-18724739

meu twitter caso queiram falar comigo https://twitter.com/parrillasound

Bom gente é isso, e desejo tudo de bom a todos vocês


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...