História Conto o vizinho mais velho - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Amor, Carinho, Sexo, Vizinho
Visualizações 90
Palavras 1.562
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa leitura <3

Capítulo 2 - Três dias com você


Dia 22 de dezembro.
André me mandou uma mensagem cedo, avisando que estava levando Lorena até o aeroporto, que ela iria visitar os pais e só voltava dia 24. 
Delícia teria dois dias com ele.
Meus pais sempre de boa, me deixaram ir passar dois dias na casa de Bel minha melhor amiga. Aproveitei que elea foram trabalhar e fui fazer minha higiene.
Às  09h30 André disse que já estava  casa, mas seus filhos estavam lá. 
Esperei até 10h30. Tomei um banho  e fui vê  ele.
Bati na porta e ele abriu nú.
Entrei e ele já me agarrou, pegando minha bolsa e jogando no chão.
-Já? -perguntei rindo enquanto ele alisava meu corpo.
-To viciado em te comer.
Ele me soltou e trancou a segunda chave da porta. O olhei questionando  ele deu de ombros.
-Quero transar em paz sem meus filhos abrirem a porta.
-Sem surpresas...
-Vem vamos guardar suas coisas... mentira, me faz um boquete? 
-Claro. 
Ele se encostou na porta e me puxou me beijando, sua mão foi para baixo do meu vestido e ele parou o beijo.
-Sem calcinha? Ninfeta assanhada.
-Encosta logo ai.
Ele sorriu, segurou seu membro punhetando enquanto eu descia o vestido ficando nua. 
Me abaixei em sua frente e engoli seu membro com vontade, o deixando bem babado, meu vizinho gemia baixo, agarrou meu cabelo amarrado em rabo de cavalo e começou a se movimentar.
-Isso, mama vai, mama meu cacete, que boca maravilhosa! Deixa eu fuder ela!
-Fode! -eu disse tirando da boca e beijando.
Ele sorriu, segurou minha cabeça e começou a fuder minha boquinha, eu babava e gemia me tocando, meu clitóris já estava duro eu pingava de tesão. 
-Ta vindo! Quer leitinho?
- Quero! 
Ele gozou e eu não desperdicei nenhuma gotinha, não gostava do gosto então engoli rápido.
-Minha putinha. Vai pro sofá.
Me arrastei para o sofá e me sentei de pernas abertas, ele se ajoelhou, me beijou e começou a distribuir beijos pelo meu pescoço, e mordeu minha orelha.
-Você é  tão cheirosa!
-Vai mais!
Aquele sorriso safado. Descendo beijos, chegou aos meus seios e os mamou com vontade enquanto me masturbava. Mais beijos pela barriga,  me olhou, sorriu e começou a me atacar com aquela língua por cada parte me fazendo gemer alto e  puxar pelo cabelo aumentando o contado e pedindo mais.
Senti os espasmos e comecei a rebolar até chegar ao meu limite e chegar a meu apse em sua língua.
Com a respiração irregular ele me puxou e sentir minhas costas tocarem o tapete macio.
-Vou ligar o som, quero te ouvir gritar, mas só eu.
Concordei sorrindo.
Ele colocou uma música animada e voltou com meu membro duro. Se deitou por cima de mim e me invadiu com força. 
Gemi alto, enquanto ele me penetrava com  força.
Isso safada, geme no meu pau, que buceta gostosa, amo te comer, minha puta,  geme vai.
Eu obedecia, gemendo alto e arranjo suas costas.
Isso me come  mais,  não para,  me fode com mais força. 
Eu pedia.
Dava para escutar o barulho de nossos corpos se chocando com força enquanto, nós  deliravamos  de prazer.
Comecei a rebolar e sentir a sensação ele percebeu e aumentou os movimentos. 
Não conseguia controlar meu próprio corpo que convulsionava de prazer enquanto ele me xibgava pedindo para molhar o pau dele.
Senti o vazio e depois  delícia pincelando minha entrada.
-De lado?
-Agora mesmo! -respondeu contente.
Me virei e logo o senti em mim novamente. Levantei a perna e  seus dedos comecaram a me tocar.
-Vou te fuder tanto.
-Estou ansiosa. 
Me sentia preenchida por aquele pau delicioso enquanto ele bombava, apertava meus seios e falava mais sacanagens no meu ouvido.
-Deixa eu gozar dentro?!
-Não! Tá louco!
-Eu comprei pílula pra vc! Deixa vai! Deixa eu te preencher de porra. 
-Goza logo! Eu já tomo pílula.
Ele me virou e veio por cima de novo forte com força, levantou minhas pernas e bateu em minhas coxas.
-Ta vindo, ta vindo! Minha putinha, sente vai, sente meu cacete te preenchendo  de porra! Isso gostosa!
Ele gemeu alto e gozou dentro, senti seus jatos me preenchendo e escorrendo enquanto ele tirava o pau devagar. 
-Amanhã você não vai nem andar-  ele disse rindo 
-E você não vai sair da cama.
Pisquei.
Tomamos banho na suíte do quarto dele e deixamos minha bolsa no quarto de hóspedes.

13h 
Estava fazendo o almoço, enquanto ele arrumava a casa. Almoçamos juntos  conversando sobre assuntos aleatórios e sexo.
-Vamos lavar a louça? -ele perguntou com sorriso malicioso.
-De novo?
-Tenho muita porra guardada
-Credo, você não transava?
- Sim, mas desde de que mudei penso em você então tem muita.
Começamos a lavar a louça e ele roçando em mim.
-Chega!-eu disse o olhando-me senta no chão não aguento mais! 
Realmente eu não aguentava, estava sem calcinha de novo (nem peguei afinal ia precisar para o quê) ele me olhou abaixou o short e se sentou no chão. 
Esfreguei minha intimidade em sua boca que logo foi abocanhada e chupada, quando eu estava perto desçi me sentando com força, subi e desci e gozei. 
-Nem me esperou- ele reclamou. 
-Relaxa! 
Cavalguei em seu membro com velocidade e força, sentia cutucando meu útero. Rebolava, beijava seu pescoço e falava sacanagens no ouvido dele, enquanto ele rolava os olhos, cavalguei por uns 20 minutos enquanto e batia em minha bunda.
-Levanta vai pra pia. 
Me encostei, virada para frente, pulei na pia e ele começou a esfregar aquele  cacete maravilhoso em mim. Me penetrou bombando sem dó e mamava meus seios enquanto eu puxava pelo pescoço para ele chupar mais. 
-Tão quentinha e  safada!
-Não para!
Mais alguns minutos e senti seu gozo me invadir e de novo escorrer.
-Vamos emagrecer!-  disse rindo e saindo de mim
-Vai ser por uma boa causa- disse maliciosa.
Tomamos outro banho e cochilamos um pouco.

19h 
Acordei sentindo beijos em meu pescoço. Me espreguiçei manhosa. 
-Bia! -mordidas na orelha- voltei! 
-Voltou?- acordei na hora
-Sim, te acordei falando que ia beber na casa de meu filho...
-Ah! 
Me aconcheguei em seus  braços. 
-Quer comer pizza? 
-Quero!
-Pedi metade portuguesa e metade calabresa.
-Calabresa-perguntei maliciosa.
-Só mais tarde, estou repondo as energias. 
Amostrei a língua e fomos para a sala. A pizza chegou e comemos sentados no sofá assistindo novela. 
Agarrados e enrolados em uma coberta quentinha.

22h30 
Estavamos deitados, ele por cima de mim, enquanto eu estava quase cochilando. 
Senti movimentos lentos como se esfrega- se nossos corpos. Afastei um pouco as pernas e senti seu membro esfregando em minha intimidade. 
Fingiavamos não está acontecendo, a mão dele começou a apertar minhas coxas.
-Vou apagar a luz! 
Ele levantou me deixando excitada. 
Tirei o vestido  enquanto ele estava de costas e o joguei atrás do sofá. 
Ele encontrou embaixo da coberta por minhas pernas e parou ali.
Arfei quando senti sua língua me atiçando. E ali ficou até eu gozar, se arrastou ainda debaixo do lençol deu atenção ao meus seios e me invadiu com carinho. Puxei o lençol e sua boca me sugava.
-O quê? 
-Nada...
Ele segurou em minha cintura.
-Tá frio. Vamos para o quarto. 
-Vamos.
Pensei que seria o de hóspedes,  mas era o dele.
Novamente me invadiu devagar e eu gemia baixinho. 
-Tão quentinha e gostosa.
O segurei e fiquei por cima, cavalgando com vontade enquanto apertava meus seios, ele apertava minhas coxas e batia em minha bunda pedindo mais. 
André  me puxou para frente fazendo meus bicos inturmecidos esfregarem em sua boca.
Ele abriu minha bunda e começou a socar com força, coloquei o rosto em seu pescoço pedindo mais, enquanto ele me batia e me xingava.
Estava tão molhada. 
Senti seu dedo tocando meu buraquinho.
-Nem tenta você  é muito grande!- adverti.
-Que maldade!
Em um momento rápido ja o senti me invadindo por trás. Nós olhávamos pelo espelho, nós dois sorrindo entregues ao prazer, com gemidos baixinhos. Sem aguentar ele deu um urro e despejou tudo dentro de mim.
Tomamos outro banho rápido por está frio. E deitamos na cama agarradinhos e dormimos.

Listei acordar com ele me invadindo de manhã como uma das melhores  sensações.

No outro dia transamos no quarto de manhã, na cozinha, na sala, no quarto de hóspedes e na porta enquanto os filhos dele batiam na porta. 
Ele dizia que me comer era mais importante, e me gozar enquanto eles chamavam  e ligavam para ele.

Não transamos pelo resto do dia, fiquei escondida no quarto de hóspedes enquanto os filhos dele  estavam com ele na sala, falaram que sou gostosa e meu vizinho delícia me protegeu dizendo que eu era de respeito e que tinha namorado. Mal sabia ele que  terminarmos 2 dias depois da nossa 1° vez.
Quando eles foram embora eu estava no colchão  no chão me tocando, quando ele abriu a porta Bravo pelos comentários dos filhos, parecia perdido sorriu e se interrou em mim.

A noite passamos a noite acordados, nós amando, algo me dizia que eu estava me apaixonado por ele, algo que eu não queria.

Ele me pegou de todas as formas possíveis durante a noite. E quando terminarmos escutamos meus pais transando. Rimos e fomos dormi.
De manhã nosso último dia, acordamos cedo para a última. Que me deixou com gosto de quero mais. 
Ele foi para o aeroporto  buscar sua esposa e eu fui para casa dormi.


Notas Finais


Ate mais! s2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...