1. Spirit Fanfics >
  2. Contos de Fadas Moderno >
  3. Debaixo da minha pele

História Contos de Fadas Moderno - Capítulo 8


Escrita por: rayannee__erika

Notas do Autor


Oi gente, voltei. Xau gente, nós vemos nas notas finais.

Capítulo 8 - Debaixo da minha pele


Fanfic / Fanfiction Contos de Fadas Moderno - Capítulo 8 - Debaixo da minha pele

Regina inclinou-se para o seu toque, querendo tão desesperadamente senti-lo em outro lugar. Eles eram naturalmente pessoas apaixonadas que tinham a capacidade de se apaixonar um pelo outro. Para sentir com emoções tão intensas e poderosas. Ela queria isso, mais que tudo, enquanto olhava os olhos azuis cativantes. O que sentiram um pelo outro era muito forte para ser apenas luxúria, ambos sabiam disso. Mas estava errado, as regras convencionais e sociais afirmam que nada de bom vem do sexo no primeiro encontro. 

Para o inferno com a sociedade, Regina pensou enquanto se inclinava, Não pode estar errado quando se sente tão certo. Suas palavras vibraram através dela,atingindo cada nervo em seu corpo, acendendo uma chama dentro dela que ela não podia mais suprimir. 

-É só isso. Temo que não consiga parar. Foram as palavras dele. 

Então não- disse ela, sua voz era pouco audível. Se não estivessem tão colados, ficaria preocupada de ter ouvido. Mas sua reação assegurou-lhe que ele certamente não sentia falta disso. Antes que pudesse processar o que estava acontecendo, seus lábios se estremeceram tanto que ela forçou suas costas. Suas mãos agarraram as dobras de sua jaqueta puxando-o para dentro do apartamento. Ela virou os corpos para suas costas estarem na porta, chutando-o para trás. Ela abriu caminho abaixo da jaqueta deslizando os dedos sobre as mangas e deixando cair de seus ombros. Sua mão era segura contra o lado de seu pescoço, puxando seus lábios mais forte para o dele, com uma necessidade desesperada de provar mais dela. Ela abriu a boca para ele, sua língua deslizando com a libertação de um gemido intenso. Ele deu um passo a frente e a forçou de volta contra a porta,colocando sua outra mão no quadro de madeira ao lado de sua cabeça. Toda fantasia que ela tinha sobre ele, atravessou sua mente nesse momento exato. Mais isso não era uma fantasia. Isso era real. Robin estava aqui, em seu apartamento,beijando-a. E sentiu-se melhor que qualquer coisa que sua imaginação pudesse inventar. 

Suas mãos encontraram o caminho sob seu botão solto e pressionou contra o abdômen. Foda-se, ele está rasgado. Ela gemeu, ansiosa, para  finalmente ter a chance de vê-los, tocá-los, beijá-los, lambe-los... Ela não hesitou em começar a desabotoar a camisa. Suas mãos se moveram com urgência pelo pescoço, sobre a clavícula, sob o blazer. Ela empurrou a roupa para fora dela com urgência e agora sentiu a seda de sua camisa contra sua palma. Estava solto, seria mais fácil puxar quando chegasse a hora. Ele pressionou os dedos do pé contra a parte de trás do calcanhar de seu outro pé e apertou, puxando-o para fora dos sapatos. Regina saiu de suas botas com facilidade. Sua camisa estava desabotoada e  ela correu para tirá-la do corpo revelando sua camisa branca,  o mesmo que ele usava naquele dia na caixa de correio. Suas mãos se arrastaram pelo bíceps, finalmente conseguiu senti-lo ao seu alcance. Seus lábios se separaram, pulmões desesperados por ar. Robin usou seu tempo sabidamente alcançando o fundo de sua camisa e levantando-se acima de sua cabeça. Ele olhou para a visão de seus seios em sutiã de renda preta, o aperto de seus oblíquos, enquanto ele apertava suas mãos contra o estômago, gerando um aperto nas calças. Eles se deslocaram em torno de suas costelas, sua respiração enrolada em seu toque e calafrios apareceu em sua pele. 

Robin começou a tomar seu tempo,percebendo que ele tinha tudo para si mesmo e não queria nada além de admirar cada traço dela. Ele se inclinou e ela fechou os olhos, esperando que seus lábios se encontrarem com os dela. Ela os abriu quando sentiu sua respiração contra seu pescoço, o peito subindo para ele. 

Você merece ser apreciada- ele sussurrou, seus lábios tocando sua garganta quando ele falou e ela recostou a cabeça contra a porta com um suspiro. Ele deslizou uma mão sobre seu tórax para o peito, delicadamente e firme em sua palma forte e suave. A outra mão deslizou para baixo, seguindo a sua curva antes de chegar ao quadril. Um gemido escapou dela quando seus lábios se fecharam com um beijo molhado no pescoço, lamber e chupar e lamber e chupar e... - oh Deus - e mordendo. Seus braços envoltos no seu pescoço, dedos agarrando e cravando em seus ombros musculosos. Suas pernas tremiam quando ela juntou as coxas, a umidade que crescia na calcinha era insuportável. Robin moveu seus quadris para pressionar nela, sua mão se movendo para a parte de trás da coxa e forçando sua perna a envolver-se ao redor dele. Ela podia senti-lo então, puxando sua pélvis através do tecido restante. A paixão venceu, o desejo ardente de tirar as roupas de seu caminho. Ele gemeu na clavícula com uma vibração, os braços se enrolavam em torno de seus quadris e ele roçava no ar. Instintivamente, as pernas de Regina se apertaram ao redor de quadril. E puxaram-se com seu aperto ao redor do seu pescoço. Seus olhos se encontraram e o tempo parou. Eles estavam  fazendo isso, eles realmente estavam fazendo isso. Regina inclinou a cabeça para baixo e o beijou com força, forçando a boca aberta, a língua procurando ansiosamente por ele. Ele estava andando com ela, onde ele estava indo, ela não tinha ideia. Mas ela não podia esperar para descobrir. Ela percebeu que ele estava indo no corredor quando chegou ao fim. - certo,certo Regina Ele VIROU A DIREITA - focou ela. 

Não - ela disse enquanto separava os lábios abruptamente, enquanto recuperava a respiração quando falou - nosso apartamentos são invertidos, este quarto é do Henry. 

Seu rosto se contorceu em uma expressão misturada com surpresa e constrangimento. Quando seus olhos se encontraram, eles riram e ele fechou a porta para se dirigir na direção oposta. Ela colocou a cabeça em seu ombro quando seu riso morreu, colocando beijos gentis e carinhosos ao longo de sua clavícula. 

Imagine ter que explicar isso ao seu filho? Mãe, o que é isto estranho nos meus lençóis - Robin riu, tentando o seu melhor sotaque americano para se passar por Henry. O riso de Regina ecoou em seu quarto quando eles entraram - Shih! Você vai acordar os vizinhos. 

Ela abafou a sua boca acariciando seu rosto no pescoço dele. Robin esfregou as suas costas, rindo junto com ela e sentando-se a beira da cama. 

Você tem a risada mais encantadora que já ouvi- ele sussurrou, beijando seu ombro. 

Eu não riu daquele jeito há anos Robin- ela expirou - obrigada. 

Regina recostou-se para olhar pra ele para que pudesse ver a sinceridade em seus olhos. Ela colocou as mãos em ambos os lados do rosto e sorriu para ele. Isso foi natural. Isso o que eles tinham entre eles, era um conexão que nem todos tinham a chance de compartilhar com outra pessoa. Sentia-se como a mulher mais afortunada da terra. 

Eu acho que é sorte sua esta se esfregando em mim, doutor - ela levantou o antebraço para os lábios e passou levemente os dedos em sua tatuagem. Ele fechou os olhos e se arrepiou com seu toque gentil. 

Regina - ele sussurrou. Ela zumbiu contra seu braço, deixando saber que estava escutando - antes de ir mais longe - ele parou, colocando os dedos no queixo e levantando, fazendo ela o olhar. Ela levantou o olhar e descansou a palma da mão nas coxas, completamente focada nele agora. - eu me importo profundamente com você - sua voz era suave e sincera, escolhendo palavras com sabedoria. Ele não queria assusta-lá, mas precisava que ela soubesse que não era apenas sexo qualquer, um coisa única e pronto. - eu simplesmente não quero que você pense que isso sendo íntimo, estou procurando algo assim com você tão sério repentinamente. Eu irei para casa quando acabarmos, mas voltarei enquanto você quiser que eu faça. 

Confie em mim- ela beijou seus lábios suavemente - estou ansiosa para as próximas vezes. 

Ambos sorriram, sentindo-se mais felizes. Suas mãos se moveram lentamente ao longo de seus quadris até sua cintura indo até suas costelas e de novo voltando a descer em cima de seu abdômen até sua bunda. Ele se inclinou beijando sua barriga. Ela recostou sua cabeça para trás com um suspiro, o calor de acumulou entre suas  pernas mais uma vez. Ele alcançou suas costas, soltando seu sutiã com facilidade. Ele passou os dedos sobre os ombros, puxando as tiras até que caíssem no chão. 

Agora aonde estávamos? Ele gemeu e virou-a, soltando seu corpo na cama. Ele se inclinou e apertou um de seus seios com a mão, provocando com a língua enquanto seguia o contorno de seu mamilo. Ela ofegou, ansiosa pela sensação que sabia que estava a poucos minutos. 

Robin passou a língua no mamilo, observando sua excitação aparecer. Regina agarrou os lençóis, seu seco lateja na calcinha. Ela o queria. Precisava dele. Logo. Os dedos dos pés enrolados e desenrolado com cada lamber, morder, chupar com a boca no peito, os dedos tornado-se cor de rosa de segurar os cobertores. Ele deixou seus seios, beijando seu abdômen. Passando a língua por cada músculo, apertando com prazer, subindo e caindo com cada respiração pesada que ela tomava. Seus dedos foram para a saia, puxando para baixo até deixá-la com sua calcinha de renda preta. 

Você deve está brincando comigo - ele gemeu ao vê - lá, inclinando-se e beliscando sua coxa interna com os dentes. Ele riu do fundo de sua garganta, satisfeito com a reação do corpo dela - você é uma deusa. 

Ele beijou o caminho da perna até sua pelve, agarrando a parte superior de sua calcinha com os dentes e puxando. Suas mãos agarraram sua bunda tirando-a. Ela expirou quando ele rapidamente forçou as pernas abertas, colocando beijos suaves no osso do quadril. Regina zumbiu enquanto ele se aproximava cada vez mais do seu sexo,aarqueado suas costas e mordendo o lábio inferior. Ela prendeu a respiração quando ele guiou suas pernas para cima, seus pés agora estavam em seus ombros. Ele beijou seu clitóris com tanta suavidade e ela soltou um gemido baixo e raspado que ressoa no fundo da garganta. 

Eu devo me desculpar milady - ele colocou mais beijos entre cada palavra em seu clitóris, para suas dobras, ao longo do osso e entre o centro e a coxa interna até sua entrada molhada. - quando nos conhecemos, tudo o que eu poderia pensar era em fazer isso com você, o que não era muito apropriado para mim. Eu apenas ansiava para saber se você iria gostar. 

Huuuuuuuum - ela gemeu quando ele passou a língua lentamente de sua entrada até seu clitóris - você gosta do que prova? 

Eu já quero segundos -ele murmurou contra  ela, ela gritou enquanto as vibrações de suas palavras retumbavam contra seu ponto mais sensível. Ao ouvir seus sons de prazer, sua cueca diminuiu uns espaços. Seu pênis esfregou contra a cueca, desconfortavelmente. Ele continuou trabalhando a língua e a boca, sorrindo em suas reações, enquanto abaixava para libertar o cinto e a calça. Muito melhor, ele pensou quando eles caíram até os tornozelos. 

Robin - ela gemeu através de suas respirações enquanto sua língua circulava em torno de seu clitóris. O som de seu nome em seus lábios, causou um gemido dele contra seus lábios e ela reagiu, levando suas mãos em direção a ele, puxando seus cabelos. Não era doloroso, apenas desesperado por uma parte dele segurar. Ela empurrou os quadris para frente, ansiando mais dele. Ele sabia exatamente o que fazer. Ele ergueu a mão esfregando os dedos sobre a entrada. Ela ofegou, enchendo os pulmões com o máximo de ar possível. Ela estava tão molhada para ele, então ele deslizou o dedo médio com facilidade. 

Issoooooo- ela começou gemer quando sentiu, mas ele rapidamente adicionou o seu dedo indicador pegando-a de surpresa. Ela arqueou suas costas enquanto empurrava seus quadris para frente, combinando a velocidade dele dentro dela. Ele começou lento, conhecendo seu corpo e o que a fazia ronronar. A sensação das paredes úmidas e quentes, abrindo e fechando para ele estava se tornando insuportável. Havia apenas muito mais que ele poderia lhe dar antes que ele precisasse colocar algo mais dentro dela, seus próprios desejos egoísta aumentando até o esquecimento de suas pernas. 

Não pare - ela implorou, seu tom suplicando sua velocidade. Ela apertou seu bíceps enquanto inclinava sua cabeça para trás, lençóis mantidos firmes em seus apertos. Respiração instável, quadris empurrados em seu rosto. Ele colocou outra mão no abdômen, segurando seu corpo no lugar quando ele sentiu suas paredes se abrir em, preparando para a libertação - ah, sim, ali mesmo, ahhhhhhhhhhh - olhos abertos e coxas fechadas ao redor de  seu pescoço - Robiiiin. 

Ela estava gritando e gritando por ele, enquanto ele a levava ao pico. Ela não conseguiu recuperar o fôlego, seu orgasmo dominando a necessidade de oxigênio do corpo dele. Ele continuou, olhos focados nela. Ela finalmente respirou e colocou as mãos no cabelo - oh, vá, pare.

Ele fez o que ela lhe disse, lentamente abaixou as pernas enquanto ajudava  a guiar de seus ombros para o colchão. E voltou beijando do estômago, vale entre os seios, pescoço e mandíbula e depois parou acima de seus lábios. 

Você é linda - ele sussurrou antes de tomar seus lábios com paixão.

Eu quero você - ela sussurrou passando os dedos pelos cabelos dele. Ele inclinou o quadril para baixo. Ela o sentiu forte contra sua coxa, sua excitação sobre sua pele. 

Estou feliz em conceder o seu desejo milady - ele beijou seus lábios - você tem preservativos? Eu não esperava que precisasse deles. 

 Regina congelou. Ela não tinha certeza  de que estava pronta para lhe dizer. Poderia ser ruim para ele e isso acabaria. Ela não queria que fosse. Ela queria que ele ficasse, para está com ela. Você pode confiar nele, Regina, ele vai entender. Ela pensou. 

Hum - ela murmurou, ele se concentrou nela, percebendo que ela iria dizer algo grave - quando Henry nasceu havia  complicações, precisei de um a histerectomia de emergência então - ela pausou, engulindo as emoções em sua garganta - você não precisa se preocupar com um bebê surpresa comigo. E faz um tempo que eu estive com alguém, mas faço exames periodicamente e estou sem nenhum problema e eu confio em você. 

Nada mudou para mim por causa disso. Quero eu saiba. É parte de quem você é e aceitei o desafio de aprender tudo sobre você, és perfeita do jeito que você  é, Regina - ele beijou sua testa. Era um gesto que ela não esperava del, pelo menos não agora - nos não precisamos fazer isso se não estiver pronta. Eu quero que você goste tanto quanto eu. 

Eu quero isso. Você. Mas do que tudo, eu só precisava que soubesse disso. Então sabe porque os preservativos não são uma prioridade - ela riu, um alívio escapou dela porque ele levou isso numa boa. 

Você tem certeza? - ele perguntou. 

Nunca estive mas certo sobre qualquer outra coisa na minha vida- ela disse com sua voz mais doce que ele já tinha ouvido antes. Ele sorriu e voltou a beijá-la. Ele começou terno, mas logo aqueceu. Suas bocas se abriram, aceitando um ao outro. O gosto dela demorou na língua, agora entrelaçado com o seu. Ela alcançou a mão dele e acariciou seu membro, seu toque suave como  eletricidade. Seus braços tremiam, fracos de seu corpo contra o dele. O cheiro dela  atingindo suas narinas com uma força incrível. Ela envolveu suas pernas ao redor dele usando o quadril para mudar de posição. Ela o empurrava continuando seu beijo quando agarrou a camisa, a única roupa que restava em seu corpo e jogou para longe. 

Relaxe agora, deixe-me fazer todo o trabalho - ela murmurou contra seu pescoço. Ele assentiu, permitindo seu corpo afundar no colchão. Ela envolveu a mão em volta de seu pênis, acariciando novamente, provocando sua ponta ao longo de sua abertura molhada. Ele gemeu e apertou seu ombro suavemente com os dentes, suas unhas segurando seus quadris em antecipação. Ela baixou os quadris, o fazendo deslizar facilmente nela, ambos expiraram, seu corpo se ajustando a espessura, com esforços suaves para começar, ela aumentou o ritmo e ele gemeu com prazer. 

Reginaaa- ele gemeu por baixo dela, suas mãos apertadas contra seu peito firme enquanto ela o montava - você sente... - ele parou, ela suspirou sorrindo com o sentimento de ele se aproximando mais dentro dela. Nada separa-os agora. 

Diga-me - ela sussurrou, seus músculos ondulado em seu núcleo enquanto acelerava a construção de seu orgasmos.

Voce se sente bem? - ele murmurou, pressionando seus lábios juntos, ela sorriu suave e sedutora - eu..  Eu quero te esperar. 

Não - ela disse - apenas deixe ir. 

Ele sentou-se, envolvendo seus braços ao redor dela e baixando seus seios, as unhas cravando e raspando suas costas enquanto ela permitia que um gemido escapasse. Ele se aproximou combinando seu ritmo. O único som era seus corpos suados batendo intensamente um contra o outro. Ele não conseguiu segurar. Fantasiou esse momento a cada segundo desde que se conheceram. Seus ccorações estavam correndo, respirando pesados e quentes. Ela sugou o pescoço e até o maxilar. Quando ela puxou a orelha com os dentes, ele explodiu dentro dela, seus fluidos quentes passavam por ela como  larvas de vulcão. 

Ohhhh- ele ofegou parando, permitindo que ela acompanhasse pelo clímax - Regina AAAAA - ele gritou seu nome como sinfonia em seus ouvidos. Ele sentiu que ele se encolhi a contra suas paredes e cedeu os movimentos. Segurando enquanto recuperavam o fôlego aproveitando o bem estar. Regina o tirou de dentro dela, ambos apertando-se com a perda de contato. Ela vislumbrou a hora.

Você precisa ir- ela sentou olhando para ele - são quase dez e as crianças tem escola pela manhã. 

Robin assentiu e retirou as pernas da cama, enquanto se sentava. Foi procurando suas roupas e vestindo pelo caminho até a porta. Ela devolveu sua pasta e  pegou sua própria roupa que estava espalhada e o olhou sorrindo. 

Eu gostaria de levá-la para jantar - disse ele - talvez sexta a noite? 

Ela abriu a porta para ele enquanto falava  e fingia considerar sua proposta. Ele riu e balançou a cabeça. Ela depositou um beijo terno e demorado em seus lábios. Eles se separaram e Regina não respondeu sua pergunta. Ela o viu caminhar pelo corredor e ele sorriu para si mesmo, percebendo que o beijo era uma resposta em aceitação. 


Notas Finais


Desculpe minha demora, a faculdade tá me consumindo com muitas coisas, ser estudante de fisioterapia na UFPE não é fácil, ou seja sobra pouco tempo. Pensei até em da um tempo mais muitas pessoas estavam perguntando, e eu resolvi não desistir, até pq vocês me dão um feedback positivo. Então agradeço de coração. Um beijo e até a próxima atualização. Amanhã atualizo minha outra fic ok? Me digam o que acharam desse capítulo, amo ver o que acham mas fiquem a vontade. Muaaah


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...