1. Spirit Fanfics >
  2. Contos de Fadas Moderno >
  3. Insuborinação

História Contos de Fadas Moderno - Capítulo 9


Escrita por: rayannee__erika

Notas do Autor


Genteeeeeeeeee, mil perdoes pela demora, estou atolada de coisas na faculdade e problemas familiares, por favor não me abandonem, essa semana tento atualizar tudo de mim que esta a mais tempo solitária, vamos ao que interessa ... :*

Capítulo 9 - Insuborinação


Fanfic / Fanfiction Contos de Fadas Moderno - Capítulo 9 - Insuborinação

A semana parecia se arrastar em um ritmo incrivelmente lento. Ela seguiu sua rotina diária desejando que cada vez que acordasse  o calendário marcasse "sexta-feira". A rotina de Henry e Roland estava começando a se solidificar, e as coisas estava indo mais suavemente para ele. Os primeiros dias foram difíceis para ele,mas ele estava se ajustando, e quando recebesse o pagamento no final de semana tudo valeria a pena. Regina descobriu que estava acordada e preparada muito antes do costume, Leopold  ficaria satisfeito, assumindo que ela  havia reorganizado sua agenda para acomodar a empresa. Na realidade ela andou com seu filho para as manhãs de Locksley antecipando o elevador que ela compartilharia com o homem que ela tanto adorava. Na manhã de terça-feira, ela estava especialmente animada, ela se sentia mais descansada naquela noite do que em meses,embora seus músculos doessem de sua noite de amor e romance. Ela acordou o suficiente para se esticar com seus exercícios de yoga, antes de tomar um banho e se preparar para começar o dia.
           No corredor da casa de Robin,ele acordava com seu filho saltando pelo quarto principal, ele sorriu e o menino pulou na cama, rindo enquanto seu pai fazia cocegas e o abraçava. Ele ergueu Roland em seus braços e o levou até a cozinha para preparar seu café da manhã antes de entrar no banheiro.

Você esta quase pronto? - Regina Chamou seu filho da porta, ela estava em pé com a bolsa e o café na mão, e olhava para seu celular para verificar a hora de vez em quando. Henry correu para encontra-lá, com um pedaço de torrada entre os dentes, e a mochila em suas mãos tentando fechar o zíper. Ela riu da vista, tirando a bolsa dele, e fechando-a para que ele pudesse terminar rapidamente o café da manhã.

Como você está pronta antes de mim? -  Ele perguntou engolindo um grande bocado de pão enquanto falava,normalmente ele seria repreendido por isso,mas Regina estava com um  humor particularmente bom, então ela deixou escapar. Ela encolheu os ombros em resposta a sua pergunta,quando ela entregou sua mochila, e abriu a porta para descer o corredor.

Robin e Roland estavam sentados no sofá ,lendo um livro enquanto esperavam que Henry chegasse. Os almoços já estavam embalados,a mochila e a mala colocadas ao lado da porta. O som do bater na porta, fez Roland pular do colo do seu pai, com entusiasmo correndo para receber seu "melhor amigo".

Henry!! - Ele gritou quando tropeçou para segurar a porta aberta e  garoto mais velho riu da cena.

Olhe para você, tudo empacotado e pronto como um grande garoto - ele segurou a mão e a criança saltou para bater na mão dele. Regina estava orgulhosa do quanto Henry podia ser uma boa influência para o filho de Robin.

Bom dia, Sra. Mills - Roland  falou educadamente ,levantando a cabeça e mostrando seus bons costumes.

Bom dia, Senhorito Locksley, é um prazer ver você de novo. - ela voltou a cabeça com uma saudação e uma risada baixa, se abaixando para alisar os cabelos dele. Ele sorriu para ela com orgulho, suas covinhas aparecendo em sua bochecha, que lembrava tanto seu pai.

Peço desculpas por ter voltado para casa tão tarde na noite passada Henry - disse Robin se aproximando da porta com a caneca de café na mão - Um dos meus alunos inesperadamente precisou de minha atenção com uma tarefa importante.

Eu entendo, o final de semestre está chegando e sei o quão louco pode ser. Roland e eu nos divertimos muito, não foi amigão? - ele sorriu quando o menino assentiu com entusiasmo.

Bem eu aprecio sua ajuda, obrigado novamente. - ele bateu no ombro de Henry e foi em direção a porta - Bom dia, Regina. Você parece maravilhosa hoje. 

Obrigada - Ela respondeu tentando não demonstrar nada para seu garoto bastante inteligente.

Tenham um bom dia rapazes. - Robin disse para os meninos antes de fechar a porta. Sem hesitar ele, tomou o rosto dela entre as mãos, e deu um beijo firme em seus lábios. Sua mão livre agarrou a jaqueta, enquanto a outra pousava sobre a cintura, se separaram quando estavam satisfeitos,sorrindo um para o outro.

Impressionante em todos os sentidos. - Ele sussurrou, admirando a felicidade refletindo em seus olhos castanhos escuros. Ele pegou na mão livre dela e a puxou para o elevador.

Regina se divertia no silencio confortável, que permanecia entre eles, enquanto esperavam. Isso foi tão fácil para eles,saudações matinais,mãos dadas,caminhando para trabalhar juntos. Era como se fossem assim a algum tempo. Talvez em um vida passada, pensou enquanto elevador chegava. Robin soltou sua mão quando ela entrou no elevador,ela se inclinou e apertou o botão para a porta fechar e quando elas se fecharam...

Um dia desses- suas palavras eram silenciosas e baixas,ele se aproximou dela como um animal que persegue suas presa,forçando contra a parede do elevador,seu coração batia em emoção enquanto falava -  Eu vou para esse engenho e ter meu caminho com você contra esses trilhos.

Ele mordeu o lóbulo da orelha dela e os joelhos se curvaram quando ela respirou um gemido. Ele era incorrigível, na noite passada,eles estavam juntos, literalmente inseparáveis,no entanto ela queria mais dele e ele claramente também.

Estou ansiosa para isso - ela colocou um beijo na linha do maxilar,enviando arrepios pela coluna vertebral,ele respirou e se afastou dela, fechando os olhos para se recompor, ela olhou para baixo e viu que ele estava usando a pasta para proteger a ereção que surgiu em sua calça, ela cobriu a boca para esconder seu riso,mas ele percebeu.

Pode rir, tudo o que quiser -  suas respirações eram profundas e audíveis, enquanto ele se ajeitava -  tudo culpa sua.

Ah, então é culpa minha? porque sou eu que encurralo as pessoas contra a parede de um elevador público, sussurrando fantasias sexuais, em minha orelha. -ela revirou os olhos e ele balançou a cabeça, o elevador parou e eles se dirigiram a saída.

Eu não teria que fazer essas coisas se você não fosse tão atraente - ele murmurou enquanto pegava na sua mão e iam andando pela calçada.

Você está cortando o parque? - Enquanto passavam em uma outra rua, ele balançou a cabeça e virou para ela.

Pensei em ir por aqui para trabalhar, se estiver tudo bem para você é claro. - ele disse

Não me importo ,mas você não tem uma aula matinal? - perguntou ela.

Somente nas segundas e quartas-feiras,não ensino até esta tarde,mas tenho horário de funcionamento a parti das 10 horas hoje e quinta-feira. - ele respondeu.

Foi um passeio agradável, em um bela manhã de primavera, ela ficou feliz em compartilhar com a companhia atual, eles terminaram o café e eles descartou o copo, enquanto caminhavam ela ficou feliz em estar na mesma aura que ele, isso trouxe um sorriso nos lábios que a deixaria assim pelo resto dia. Pararam em frente a um escritório de vidro alto, ele notou que os escritórios que estavam mais baixos era completamente visível para as pessoas que passavam na rua.

Você não está em nenhum desses escritórios não né? - ele perguntou ainda olhando para a arquitetura incomum.

Não, Graças a Deus, odeio a vulnerabilidade, pelo menos pra mim, é isso, vai contra tudo que acredito. - disse ela.

Robin sorriu e sacudiu a cabeça, ela revelou um sorriso satisfeito. Ele realmente a achava muito engraçada, ela não conseguia se lembra de um momento em que ela fazia uma pessoa rir desse jeito, que Robin fazia ao redor dela. Nem mesmo Daniel foi divertido por seus comentários, no tempo que eles estiveram juntos.

Eu não sei Regina-  ele começou fechando a distância entre eles e envolvendo seus braços ao redor da sua cintura -  você era bastante vulnerável na noite passada. - Ele pousou a testa contra a dela, e fechou os olhos, ela o observou tentando descobrir, o que estava pensando,ou melhor o que ele viu nela.

Eu gostei muito - acrescentou,preenchendo o silêncio que os cercava - eu queria que deixasse as pessoas te verem do jeito que eu vejo.

Até então, considere-se afortunado. - ela sorriu colocando a mão direita sobre o antebraço esquerdo, onde estava a tatuagem do leão, ela envolveu o outro braço no seu pescoço, e ficou muito mais alta para tocar seus lábios contra  o dele. Ela o sentiu sorri antes de voltar ao beijo, eles se separaram e ele suspirou sabendo que teria que deixar ela entrar.

 É melhor entrar antes de arruinar a sua chance de chegar cedo -  ele disse sorridente.

Regina pressionou os lábios na bochecha dele, e foi arrastando seus lábios até  a orelha enquanto sussurrava – Verifique seu bolso traseiro.

Seu corpo ficou tenso,uma resposta imediata a sua natureza sensual, sua pasta moveu para frente para cobrir seu membro que já dava sinais. Ele pensou , Maldita seja essa mulher. Ela riu e colocou um beijo na base de sua mandíbula logo antes de sua orelha, tão suave que poderia ter sido a brisa da primavera em vez de seus lábios, ela  se afastou e correu para a entrada do prédio. Quando Robin finalmente acalmou a tensão em suas calças, ele pegou no bolso e tirou um cartão de visita. Ele pensou por um momento sobre quando possivelmente ela colocou sem ele perceber. Ele olhou para baixo e leu : Regina Mills, Advogada de Propriedade Intelectual: Blanchard e Mills. Ele listou o endereço e o numero de telefone da empresa logo abaixo disso. Ele continuou lendo e sorriu: aqui está meu celular,xoxo R.M. eis que seu numero estava lá rabiscado em sua bela caligrafia. O que o fez sorrir mais ainda foi a mancha de batom na parte de trás.

O resto da terça-feira e toda quarta-feira estavam longe de ser emocionante para qualquer um no terceiro andar do prédio deles. As rotinas diárias foram cumpridas, dando boas-vindas ao acompanhamento de Robin em seu período matinal. As outras coisas eram relativamente normais para ambas as famílias.

Robin enviou um texto para Regina,na primeira hora da quinta-feira de manhã. Ela pulou ouvindo o som, porque caiu no sono depois de pressionar o botão de soneca em seu alarme. – Você já conversou com Henry? Ele mencionou levar Grace para um filme sexta-feira a noite, então eu vou assumir que a resposta é não.

Regina gemeu, ela estava perdendo, por não importava o quanto ela queria ver Robin na sexta, ela estava com medo de dizer ao filho que estava namorando,não apenas namoro, mas era com seu chefe. A ultima vez que ela ousou trazer um homem para casa encontrar Henry, ele lançou uma birra e gritou: “Papai nunca vai te perdoar”, antes de bater a porta. Seu coração quebrou quando ouviu essas palavras. Pensar pra si mesmo na era nada novo,mas ouvir de seu filho era completamente diferente. Ele pediu desculpas é claro,ele era muito mais jovem então,mas seu coração ainda doía com a dor que ele poderia esta certo.

Eu não disse ainda, o que esta rolando entre nós -   depois de um segundo ela respondeu novamente com outra mensagem -  você esta certo, eu atrasei essa conversa particular, desculpe. Me perdoe?

Talvez... porque o atraso? Com medo de seu não aprovar o homem que esta vendo? – seu texto voltou mais rápido do que ela esperava. Ela leu com uma risada antes de digitar sua resposta.

Regina Mills não teme a ninguém – seguido por mais uma mensagem separada -  o que posso fazer para fazer isso? – e outra – farei qualquer coisa... – Ela era uma adulta, emojis não eram seu estilo, mas elipses, esses sempre foram um jogo justo para mensagens de texto, especialmente durante o flerte, suas próximas mensagens vieram em velocidade rápida de incêndio.

Qualquer coisa, hum? Posso pensar em duas coisas... (Robin)

Ah, sim? Me esclareça ( Regina)

Bem você terá que esperar até sexta para descobrir (Robin)

E a outra? ( Regina)

Fale. Para. Seu. Filho ( Robin)

Regina resistiu a frustração, ele estava certo, ela sabia disso, seu coração pulou uma batida quando ouviu o som de seu menino sonolento arrastando os pés para a cozinha, ela suspirou e olhou para o telefone e enviou a ultima mensagem -  Bem,mas se você tiver um empregado mal humorado hoje,é sua culpa. – Ela colocou o telefone na mesa depois que a mensagem foi enviada, e hesitantemente foi para cozinha.

Bom dia, meu príncipe -  ela o cumprimentou com um sorriso e um pisco suave de seus lábios. Ele resmungou a resposta em uma combinação de ruídos.

Como você começa uma conversa com seu filho adolescente sobre sua vida romântica? Quando ele era mais novo, ele não entendeu. Pensava que qualquer um que namorava era amigo de mamãe. Então quando ele tinha dez anos, haviam as birras. Henry tem 14 anos e entende o suficiente sobre relacionamentos para saber que o amigo da mamãe não está apenas interessado em jogar jogos de tabuleiro e esconde-esconde. Bem . seria um pouco difícil essa tarefa.

Henry , eu sei que as manhãs não são o melhor momento para conversar seriamente com você,mas eu realmente preciso que você tente agora. Você pode fazer isso por mim?-  Ela falou rápido querendo que esse pesadelo termine logo.

Mãe, esta tudo bem? – ele perguntou com preocupação obvia, toda sua atenção diretamente a ela.

Não é nada com o que se preocupar, tudo esta bem – ela o tranquilizou e viu seu corpo relaxar com alivio.- Tudo é maravilhoso, na verdade estou muito feliz.

Bem , isso é ótimo – disse ele sem saber o rumo da conversa.

 É por isso estou esperando que você tenha isso em mente quando ouvir o que vou lhe dizer – ela apertou as mãos enquanto olhava seus olhos azuis, muito parecido com os de seu pai. Ele assentiu, mas ficou quieto para ela continuar -  Henry, estou conhecendo alguém.

Como namoro? – ele questionou

Sim, querido, como namoro – ela repetiu e permitiu que a informação se instalasse. Ela ficou surpresa quando ele sorriu

Incrível! Quem é ele? – ele perguntou e ela evitou os olhos dela. Ela sabia que isso seria bom demais pra ser verdade, no instante que ela disser seu nome , ele ia explodir, o mundo acabaria novamente.- Vamos,mãe. Eu sou uma criança grande agora. Eu posso lidar com isso.

Ele é um vizinho, um inquilino no prédio. – ela conseguiu.

 Você esta vendo Graham de novo? Eu tenho que admitir, eu não vi isso, repete de Emma? Eu sei que ela esta com Neal e tudo,mas você namorar seu parceiro, não vejo que é grande coisa -  disse ele

 Eu não estou com o Graham – ela o interrompeu antes que ele pudesse continuar. A tensão era tão forte que poderia cortar e quebrar se coração, mas o olhar no rosto de Henry fez em vez disso.

 Não? –Ele disse, percebendo o preenchimento de suas características, o mesmo olhar no rosto de Daniel quando disse que estava grávida.

Henry, por favor , não fique chateado -  ela implorou, na mesma hora ele entendeu

 Chateado? – ele ergue a voz tão rápido que quase caiu – Minha mãe esta namorando meu chefe e você acha que estou apenas chateado?

Eu sei docinho, apenas se acalme. Nos só nos encontramos pra uma bebida uma vez – e fodemos, quase na sua cama, a propósito – E foi um momento maravilhoso – assim como o sexo -  Eu queria lhe dizer antes do nosso encontro de amanhã – que provavelmente acabará conosco muito nua, em algum lugar esse apartamento que não é seu quarto.

Bem, boa sorte para encontrar uma babá para Roland por não farei isso, tenho planos com Grace. – ele disparou

Henry, calma – ela falou rápido, ele foi rápido,mas ela sempre foi mais.

 Este cara se muda para nosso prédio, há uma semana atrás e me usa apenas para chegar a minha mãe!-  ele diz

Não foi isso que aconteceu... – ela tenta explicar

 Não! Não me importo, eu amo o Roland, ele é um garoto doce, mas não vou trabalhar mais para ele, hoje! – Henry entrou em seu quarto e Regina o seguiu.

Você esta ganhando um dinheiro excelente, não seja tolo -  disse ela exausta.

 Meu trabalho,meu dinheiro, MEU CHEFE, então se eu quiser sair , vou parar, porque estou bravo -  disse ele

 HENRY DANIEL MILLS – sua voz era alta,mas não um grito, seus olhos olhando par o dele com raiva como ele nunca tinha visto. Ele congelou, percebendo o que ele disse e se arrependeu, uma coisa que ela poderia dizer que ele herdou foi um temperamento -  sente-se – ela falou enunciando cada letra, e ele sentou sem hesitação. -  Eu queria que tivéssemos uma discussão civilizada e madura sobre isso – ela falou lentamente, demonstrando seu desapontamento, Henry não sabia o que era pior -  entendo o que está sentindo, então se optar por agir como uma criança petulante, você será castigado como tal. Uma insubordinação de uma semana, todos os privilégios de televisão e telefones regovados ate novo aviso.

 Ela estendeu a mão e ele sabia que ela estava esperando por seu telefone, ele suspirou na derrota, tirando o dispositivo no bolso e colocando na mão dela. Ela cruzou os braços sobre o peito e cruzou os braços.

 E o meu encontro com Grace amanhã? -  ele questionou

 Você deveria ter pensado nisso antes, talvez você escolhas suas palavras com um pouco de cuidado na próxima vez que se atrever a falar comigo. – ela respondeu

 E você?  - ele falava, ainda cansado com ela ali parada.

 E quanto a mim, Henry? – ela mudou a postura agora para mãe  exausta de um adolescente

 Você ainda verá o Robin amanhã? -  ele questionou novamente

 Sim, tenho certeza que ele pedirá para ficar com o Roland, no entanto o que irá responder depende de você. Tenho certeza que ele pode encontrar alguém para o seu lugar se é o que realmente quer, é sua decisão, apenas certifique de que é o certo para você -  ela disse e saiu fechando a porta atrás de si, enquanto ele ficou sozinho refletindo na sua estupidez;

Então, isso significa que Henry  é meu irmão mais velho? – Roland, exclamou pulando na cama quando Robin vestia a roupa e riu da inocência do menino

 Não é bem assim meu filho – ele respopndeu

 Não ate você se casar com Regina, eu sei. Será ela minha nova mãe? -  suas perguntas diretas depois de ouvir a noticia disparando como metralhadora.

Você tem uma mãe, Roland. Você sabe disso, e Regina seria sua madrasta, se a gente casar, quem disse alguma coisa sobre isso? Estamos indo a um encontro que  bobo você. – ele se aproximou e fez cócegas na sua barriga

Oi, oi oi- uma voz familiar foi ouvida

Henry – Roland gritou indo encontrar seu amigo

Olá garoto- ele falou suavemente, sabia que Regina havia lhe dito,e não conseguia identificar o que Henry estava pensando.

 Eu usei minha chave quando você não respondeu imediatamente, espero que não se importe – declarou sem rodeios.

Não é nada, é por isso que eu dei a você, mi casa es su casa, amigo – a tensão embaraçosa tornou-se insuportável então Robin foi a cozinha para pegar o café e a pasta. Quando seu chefe voltou ele olho e logo perguntou

Você só me contratou para se aproximar da minha mãe -  questionou de cara

Absolutamente não, em minha honra. Eu não ideia de quem era quando eu a conheci, ela teve que me dizer que era sua mãe,caso contrario nunca saberia. – ele deixou sua resposta se instalar antes de adicionar -  eu contratei você porque seu anuncio me mostrou que você estava trabalhando, então vi a chance, você foi convidado por ser um bom amigo e modelo para meu filho, não há segundas intenções, você é um bom garoto, simples e simples.

Eu não me sinto um bom garoto – ele murmurou com tristeza enchendo seus olhos

 Você quer falar sobre isso? – Robin perguntou, ele estava certo de que Regina entenderia se ele estava um pouco atrasado, especialmente se envolvesse seu filho.

Eu acabei reagindo exageradamente esta manhã, pensei como um pirralho egoísta ao invés de um filho amoroso. Você a faz feliz, ela diz isso, e eu admito que ela esta mas aberta ultimamente, quem sou eu para tirar isso dela? Quando ela não fez nada de errado? -  ele disse tristemente

 O que você disse a ela? – Robin pergunto, esperando que ele não estivesse pisando em águas perigosas lá.

 Eu estava mais chateado com você para ser honesto. Eu me senti usado quando ela me disse,mas em vez de considerar  outra perspectiva, eu acertei, acabei brigando com ela... – ela parou no fina, sem querer dizer sua punição

 Eu não conheço sua mãe a muito tempo,mas tenho a sensação de não ser uma coisa muito inteligente a se fazer – ele riu

Eu nunca tive tanto medo em toda minha vida, Robin – ele disse

 Dê tempo para refrescar , você mesmo. Então peça desculpas. Diga como se sente e mostre a ela que você pode ser um adulto sobre isso e que seu temperamento tenha obtido o melhor de vocês-  ele aconselhou

 Eu não sei, ela não conhecida por ser muito indulgente -  o menino suspirou

Ela pode surpreende-lo -  ele falou antes de sair para encontrar coma mulher deslumbrante que o esperava no corredor, ele parou quando Henry falou novamente.

Eu vou ficar com ele – ele disse

Perdão?- Robin virou-se

 Então você pode levar minha mãe para passear, eu vou cuidar do Roland, sem cobranças – ele disse com um sorriso e acrescentou-  Leve a um lugar agradável, ela merece.

Certamente, merece sim. -  respondeu e fechou a porta


Notas Finais


Volto assim que puder, prometo não demorar tanto, juro que estou dando meu maximo, me digam algo, sabem como adoro o feed-back de vocês, um beijo e boa semana amores :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...