História Contos Wonhonicos (Wonho) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Monsta X
Personagens Personagens Originais, Won Ho
Tags Cazz, Contos, Lobisomem, Monbebe, Monstax, Wonho
Visualizações 125
Palavras 1.175
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Mistério, Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Nudez, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Primeiro conto fresquinho e divertido.
Adorei imaginar toda essa situação.
Seria uma experiência maravilhosa!

Capítulo 1 - Loucuras de uma Monbebe


Depois das grandes portas negras com dourado ficava o grande hall com seu gigantesco lustre de cristal, uma recepção elegante com sofás de veludo vermelho com estampa dourada e um balcão de ébano. Atrás do balcão funcionários elegantes e sorridentes recepcionavam seus ilustres hóspedes. Meu Allstar puído e sujo não era digno de pisar no lindo tapete persa que levava até a recepção, bem que eu tentei, mas o porteiro não me deixou passar.

Ali seria o local de descanso do meu querido Wonho.

Minha primeira tentativa de passar pelo porteiro foi clássica, o entregador de pizza.

_Carlinho! _Disse eu ao meu amigo quando ele atendeu minha ligação. _Preciso de um favor, lembra que você me deve uma?

_Sim, pode falar.

_Preciso de seu uniforme emprestado por um tempinho, pode ser?

_O que está aprontando desta vez?

_Nada.

_Não quero me meter em confusão.

Depois de convencer meu amigo, por meio de lágrimas de tristeza, ele foi ao meu encontro com seu uniforme e duas caixas de pizza.

_Vou ficar te devendo minha vida! _Disse enquanto me fantasiava de entregadora e fui até a porta do Hotel tentar enganar o gingante que não me deixava passar.

_Entrega de pizza. _Disse ao porteiro.

Ele olhou para mim apertando os olhos de um jeito ameaçador.

_Para quem?

_MonstaX! _Disse eu sorrindo. _Na verdade para um tal... Wonho. _Disse fingindo puxar o nome lá no fundo da memória.

Ele tirou meu boné e fez cara de surpresa, fingindo não ter me reconhecido.

_Dê o fora daqui ou chamo a polícia.

_Te dou uma pizza se me deixar entrar.

_Fora!

Eu dei meia volta e foi até onde estava Carlinho.

_Então? _Perguntou ele estendendo a mão. _Tem que pagar pelas pizzas ou eu estarei encrencado.

Tentei relutar, mas não havia o que fazer, eu tinha que pagar ou seria descontado do salário dele.

Sentei na calçada e comi uma das pizzas. A outra dei de presente para Carlinhos.

Minha segunda tentativa foi um pouco mais ousada.

O manobrista estava trabalhando e eu me aproximei como quem não quer nada, apenas tentando ser atraente.

_Olá! _Disse com voz sensual. _Adoro homens de uniforme!

_Verdade?

_Sim, principalmente quando é um striper.

_Também adoro! Aqui perto tem uma boate, podemos ir até lá qualquer dia.

Parece que eu tinha acabado de encontrar uma nova amiga de “rolê”. Então tentei o plano “B”.

_Na verdade eu queria seu uniforme emprestado. Para fazer um show... esquece. _Disse me afastando já sentindo o gosto do fracasso.

Sentei na calçada e o porteiro não me perdia de vista.

Logo a frente do Hotel estaria cheia de garotas e eu seria apenas uma gota no oceano e ele jamais me notaria em meio à multidão. Eu tinha que fazer alguma coisa para conseguir ser vista.

Parti para a terceira tentativa, meu plano era infalível. Pelo menos na minha cabeça ele era brilhante!

Esperei até que uma camareira deixou o Hotel pela porta de serviço e a segui. A mulher não notou minha existência e fui até a casa dela e pulei o muro. Depois que ela tirou o uniforme e foi tomar banho eu entrei por uma janela, sem fazer barulho. Além dela, na casa só tinha uma senhora que dormia vendo tevê.

De posse do uniforme voltei o mais rápido possível para o Hotel e me vesti em um beco. Prendi meus cabelos com o mesmo penteado que ela usava e fui até a porta por onde entrava os funcionários.

Muita gente circulava por ali e eu nem sabia para onde ir. Circulei pelos corredores feito uma barata tonta.

_Vem aqui mocinha! _Disse uma voz atrás de mim.

Virei já imaginando qual seria o meu fim, mas o homem apontou para os meus pés.

_Porque veio trabalhar de tênis?

_É, eu...

Não podia dizer a ele que os sapatos da dona do uniforme eram maiores que os meus então permaneci enrolando e olhando para ele com cara de retardada.

_Vai logo para o quarto noventa e dois que o hospede precisa de toalhas.

_Sim senhor! _Disse eu tentando imaginar onde estariam as toalhas.

Subi pelo elevador de serviço junto com um rapaz. Ele parecia cansado. Não encontrei as toalhas, mas fui assim mesmo.

_Dia difícil? _Perguntei para puxar conversa.

_Sim estes K-idols reviraram minha vida de cabeça para baixo. Está tudo muito corrido hoje.

_Você vai trabalhar no horário que eles estarão aqui?

_Eles já chegaram! _Disse ele espantado com minha falta de informação.

_É mesmo, que cabeça a minha. _Despistei.

_Você está indo para qual quarto?

_Noventa e dois.

_Um deles está lá. Um bonitinho malhado.

Meu coração bateu acelerado, não ia perguntar quem estava lá, não queria ser descoberta, mas já podia imaginar quem seria. Quando cheguei ao andar onde ficava o noventa e dois eu segui pelo corredor até encontrar o quarto e bati na porta.

_Serviço de quarto. _Falei entrando com o auxilio das chaves de minha querida dona do uniforme.

Para minha surpresa deparei com Wonho sentado no sofá com o celular na mão gravando uma live. Ele ergueu os olhos e disse alguma coisa que mesmo se eu soubesse coreano eu jamais entenderia devido ao meu nervosismo.

_Sorry! _Disse respirando fora do ritmo. _Oh my God! Wonho!

Ele sorriu desajeitado diante de minha reação. Tudo que ele precisava era de toalhas e não de uma louca perto de dar um ataque.

_Eu sonhei tanto com este dia! Foi uma sorte muito grande, eu não fazia ideia de quem eu encontraria aqui! Que loucura eu estou falando em português e é claro você não está entendendo nada.

Ele voltou a falar comigo usando o inglês e eu também não entendi nada.

Meu Deus como eu sou burra!

_Não trouxe suas toalhas! Eu não sabia onde encontrá-las. Sorry Wonho!

Ele parou o vídeo e discou um número ligando para alguém.

_Não faça isso, eu serei levada para a delegacia! Eu só quero uma foto e um autógrafo. Nem vou tentar te beijar como havia prometido a mim mesma.

Tirei o celular do bolso e tentei explicar a ele o que eu queria. Wonho finalmente entendeu e se aproximou de mim. Usando o meu celular ele tirou uma self nossa. Eu tinha uma caneta e ele autografou meu braço exatamente no lugar onde eu indiquei. Faria aquele autógrafo virar uma tatuagem, depois de fotografá-lo para guardar de lembrança é claro! O que eu fiz imediatamente vai que acontece alguma coisa a ele!

Batidas na porta anunciavam que era o fim da minha visita ao quarto de Wonho.

Dois seguranças entraram acompanhados pelo gerente, vieram me tirar dali e pedir desculpas ao hóspede pelo aborrecimento causado por mim. Wonho deve ter ligado para um de seus amigos e eles providenciaram minha saída.

_I love you Wonho! _Disse enquanto era arrastada para fora.

_I Love you too! _Disse ele mandando um beijo.

Depois de eu esclarecer tudo aos seguranças do Hotel, Wonho fez a gentileza de pedir que eu fosse liberada para ir para casa, afinal eu não era perigosa, mas apenas obcecada por ele.


Notas Finais


Obrigada por ler!
Beijos Baris <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...