História Contos Wonhonicos (Wonho) - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Monsta X
Personagens Personagens Originais, Won Ho
Tags Cazz, Contos, Lobisomem, Monbebe, Monstax, Wonho
Visualizações 80
Palavras 1.456
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Mistério, Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Nudez, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Em tempos de guerra na Coreia Imperial encontramos um Wonho guerreiro e chefe de família.
Viagem comigo até lá.

Capítulo 2 - O guerreiro Shin


O vento balançou as folhas das árvores do pátio e S/N olhou para o céu. Parecia que tudo estava bem, mas o aperto em sua alma, a angústia que a dominava destruía a paz ilusória que pairava sobre a casa dos Shin. Aquele silêncio não era paz era medo. A casa dos Shin estava tomada pelo pavor, mas a honra falava mais alto.

Uma rajada de vento bagunçou os cabelos dela. Estava perto da hora fatídica e ela foi para o quarto ajudar o marido vestir sua armadura. Ele estava de joelhos no chão, o corpo nu curvado para frente e as mãos trêmulas unidas em súplica.

S/N deixou uma lágrima escapar ao ver Ho Seok passando por aquele momento de dor silenciosa. Ela aproximou-se secando o rosto. Tinha que ser forte por ele e pelo bebê que levava no ventre. As costas largas do marido movia brutalmente com sua respiração pesada e descompassada.

_Ho Seok. _S/N aproximou-se e abaixou-se ao lado dele correndo a mão sobre suas costas nua.

Ela permaneceu em silêncio, estava vazia, vazia de palavras principalmente. O que ela diria a ele? Ela sabia que se abrisse a boca gritaria de desespero e nunca mais pararia. Gritaria até se explodir. Arrancaria os cabelos, rasgaria seu hanbok e sua pele junto.

Ho Seok ficou de pé e esboçou um sorriso acariciando o ventre de sua amada esposa. Depois de um longo suspiro ele caminhou até onde estava sua armadura e deu início ao ritual de preparação para a batalha. S/N foi ajudar o marido a se vestir e aos poucos ele se tornou um guerreiro pronto para servir ao seu mestre.

O som dos tambores anunciou que já era hora de ir.

S/N manteve os olhos fixos nos de Ho Seok e ele correu o indicador pelo rosto dela em um último e puro gesto de amor antes de partir. Da porta a Senhora Shin assistiu a despedida de seu único filho.

_Eu te verei novamente, não se preocupe. Cuide de minha mãe e de nosso filho.

_Cuidarei.

A Senhora Shin aproximou-se e acolheu o filho nos braços e recostando a cabeça em seu peito pôde ouvir as batidas tristes de seu coração.

_Seu pai teria orgulho de você!

_Sim omma!

Um jovem entrou pelo pátio com passos largos, uma das mãos mantinha a espada no ar, seguiu até onde estava a família Shin.

_Meu Senhor! Os campos estão em chamas, preciso tirá-las daqui antes de sua partida.

_Claro!

_Ho Seok! _S/N abraçou o marido e deixou toda sua dor escapar em forma de lágrimas.

O empregado segurou S/N pelos braços a fazendo correr dali junto com ele e com a Senhora Shin.

_Não! Eu ainda não me despedi de meu marido.

Ho Seok observava sua família sendo levada para um abrigo, lá poderiam ter uma chance de escapar do inimigo que se aproximava impiedosamente. O tilintar de espadas anunciava a chegada dos outros soldados que vinham se unir ao guerreiro Shin.

Eles se curvaram em sinal de respeito ao seu superior e marcharam rumo ao incerto.

 

S/N olhou para trás uma última vez.

O céu pacífico de outrora estava coberto de fumaça e fuligem. Ho Seok estava por lá lutando para que eles pudessem sobreviver. O bebê revirou no ventre de sua mãe e ela tentou confortá-lo acariciando a barriga com uma das mãos.

_Ele voltará para nossos braços!

Entraram pela passagem que levava até a fortaleza secreta. Mulheres, crianças e idosos se aglomeravam no local e S/N e a Senhora Shin se juntaram a eles na companhia do empregado que as protegia.

O choro de bebês e das crianças se misturava ao som das explosões que vinham do vilarejo.

_Sente-se bem minha Senhora? _Perguntou o empregado vendo que S/N parecia estar em choque.

_Como posso estar bem? _Disse ela deixando as lágrimas rolarem.

_O Senhor Shin e seus homens não deixarão que eles passem.

_Fique calma, meu filho...

As portas de madeira caíram com o impacto do aríete e os inimigos entraram no abrigo com suas espadas em punhos. Golpes certeiros ceifaram vidas pelo caminho e o empregado da família Shin, com um grito, se atirou contra os inimigos.

S/N e sua sogra correram para o corredor de saída que dava para fora do vilarejo.

_Vá na frente S/N e salve meu neto.

_Mas...

_Não discuta comigo. _A mulher sacou uma adaga da cintura.

S/N seguiu pelo corredor levando com ela o futuro da família Shin. O fim do corredor estava próximo e logo ela poderia se abrigar na floresta. O som das botas e do metal de espadas vindo em seu encalço era sinal de que sua pobre sogra já havia tombado sob o aço inimigo.

O fim do corredor era uma passagem estreita e S/N se apertou nela, sentiu dor no ventre ao forçar a passagem, mas logo estava do outro lado e o sol e céu azul lhe abraçaram. Ela caiu de joelhos segurando a barriga. Com muito esforço ela se pôs de pé e seguiu rumo à floresta.

O silvo de algo cortando o ar fez S/N estremecer e antes que ela pudesse se esconder sentiu o frio do aço entrando em sua carne, seu corpo arqueou para trás e ela olhou para o peito a ponta de uma flecha surgiu entre seus seios e ela caiu de joelhos.

O som de folhas secas sendo esmagadas era cada vez mais nítido. S/N virou o rosto e encontrou seu assassino vindo em sua direção.

 

Ho Seok encarou mais um inimigo. Seu rosto já estava coberto pelo sangue dos invasores. Os músculos cansados doíam, mas ainda tinha que lutar. Ainda não tinha acabado. Com um movimento rápido sua espada encontrou o pescoço de seu oponente e ele tombou.

Mais um novo rosto apareceu em sua frente e Ho Seok desejou que aquilo acabasse logo. Sentiu o aço inimigo cortar sua carne pela lateral de sua armadura. Um grito de dor o motivou e ele revidou o golpe fazendo o corte no rosto desconhecido que tinha à sua frente. As lâminas se chocaram e deslizaram fazendo os dois ficarem frente a frente. O cheiro do sangue inimigo invadiu seus pulmões e serviu de combustível ao guerreiro Shin. Ele afastou o outro usando o pé e girou o corpo encontrando sua garganta desprotegida abrindo nela um corte por onde o sangue de seu oponente jorrou.

Ho Seok olhou em volta, muitos conhecidos haviam tombado e ele apesar de cansado ainda se mantinha de pé. Instintivamente ele se defendeu de um golpe vindo da esquerda e logo se voltou de frente para o guerreiro que vinha pronto para o segundo golpe. O jovem Shin esquivou perdendo o equilíbrio ao pisar sobre um corpo, mas logo ele firmou o pé e aparou um terceiro ataque.

Um grupo de soldados veio ao auxílio de Shin. O número de inimigos diminuía a cada duelo, assim como as forças dele também. Ho Seok cambaleou e deu passadas incertas sentindo o peso da espada sobre a proteção do ombro esquerdo. Seu corpo tombou para trás e ele sentiu o calor do sol em seu rosto.

_Meu Senhor? _Um dos soldados aproximou de Shin conferindo seus sinais vitais.

Os olhos de Ho Seok se fecharam e por um instante ele se viu naquele mesmo campo passeando com S/N. uma brisa leve brincava com os cabelos dela e ela sorria alegre com os dedos entrelaçados nos dele.

Shin sorriu.

O soldado abriu a armadura de seu Senhor e encontrou por onde seu sangue escapava.

_Ajudem aqui!

Outro guerreiro correu por entre os corpos e se ajoelhou ao lado do Senhor Shin.

_Faça pressão sobre o ferimento que vou improvisar algo para parar o sangramento.

Ho Seok se contorceu de dor, sentia frio. Ele virou o rosto para o lado. S/N vinha caminhando por entre os corpos dos soldados abatidos. Vestia um hanbok azul como o céu e tinha nos lábios um sorriso angelical.

_Oi! _Disse ele quando ela aproximou-se o bastante para ouvi-lo.

_Oi meu amor!

_Você está tão linda!

S/N acariciou o rosto do marido e ele beijou a mão dela.

_Eu vim buscá-lo, podemos ir para casa agora.

_Mas ainda não terminamos aqui!

_Terminamos. _Ela sorriu. _Nós já fizemos nossa parte. Vamos meu amor que sua mãe nos espera. Temos um longo caminho pela frente.

Ele ficou de pé e a tomou pela mão e seguiram rumo ao pôr do sol.

Shin olhou para trás. Dois soldados permaneciam ao lado de seu corpo e ainda tentavam estancar o sangue que escorria pelo chão.

_Aguente firme Senhor Shin!

_Acho que é tarde demais, não há mais o que ser feito.

Ho Seok suspirou e sentiu que seu elo com a matéria havia se partido.

_Vamos Ho Seok.

_Vamos.


Notas Finais


Beijos Baris!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...