História Contract Death (EM PAUSA) - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Ansel Elgort, China Anne McClain, Dylan Minnette, Justin Bieber, Shawn Mendes
Personagens Ansel Elgort, China Anne McClain, Dylan Minnette, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Shawn Mendes
Tags Ação, Armas, Criminal, Justin Bieber, Máfia, Scarlett Leithold
Visualizações 234
Palavras 3.395
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Ótima leitura.

Capítulo 7 - Capítulo 6


Fanfic / Fanfiction Contract Death (EM PAUSA) - Capítulo 7 - Capítulo 6

06:37 AM

—Hall, sai dessa merda, eu quero tomar banho. — bato repetidamente na porta.

Ela abre a porta.

—Pronto, nem demorei tanto. — fala com humor.

—Insuportável​. — passo por ela e bato a porta do banheiro com certa fúria por ela sempre o ocupar na maior parte do tempo.

Isso de colega de quarto é complicado para mim, nunca precisei dividir nada na minha vida e agora eu estou aqui nesse mundo paralelo.

Tomo meu banho rapidamente e me visto, saio e arrumo meu cabelo em rabo de cavalo, apesar de ainda ser bem aparente que rasparam um pouco, eu não me importo, eu que não irei lutar de cabelo solto, apesar das lutas serem somente no soco deve ter alguma que vai no cabelo.

Quando as portas são abertas eu e Hall nos direcionamos para o café da manhã e hoje Justin estava observando o pessoal de longe.

—Por que ele está aqui? — Pergunto.

—Ele está colocando pressão psicológica, relaxa, demostre que está foda-se e ele não te incomoda, a propósito, você já sabe que ele odeia o John não sabe?

—Sei.

—Quando ele descobrir que você tem amizade com o John, ele irá descontar a raiva em seu treinamento.

—Sério? Que idiota.

—Ele só não matou o John porquê o pai dele o proibiu e porquê saberiam que como ele não soube domar o problema ele o descartou.

—Entendo.

Pego frutas e suco.

—Como consegue ser vegetariana em um mundo como esse? Deve ter falta de vários nutrientes.

—Eu tomava vitaminas para complementar e isso é porque havia várias opções de alimentos vegetarianos exclusivos para mim.

Nos conduzimos até nossas mesas e os garotos já estão lá, menos o John.

—Cadê o John? — pergunto.

—Oi para você também Adams. — disse Collins.

Sanders aponta para uma mesa na qual ele está sozinho.

—Oi meu amor. — falo irônica — Por que ele está lá sozinho?

—O John sempre senta sozinho quando o Justin está presente, ele não quer que sobre para nós a raiva que o Bieber nutri por ele. Ele é idiota. — disse Collins.

Collins aparenta ser o rude do grupo que fala o que pensa e responde os outros arrogantemente, porém eu vejo que eles se gostam muito.

—E vocês nunca conversaram com ele sobre isso?

—Todas as vezes. — disse Hall se sentando.

—Isso é ridículo.

—Sabemos, mas se formos lá, ele fica muito puto com nós. — disse Hall.

Me levanto segurando minha bandeja e a Hall me lança um olhar de "não faça isso Adams" e eu a lanço um sorriso e vou em direção a mesa do John.

Me aproximo e me sento.

—O que faz aqui?

—Estou tomando meu café. — falo o óbvio.

—Adams é sério, volta para a mesa, o Justin me odeia, faz de tudo para me ver morto.

—Olha só que interessante, ele também me odeia, e também já teria me matado se pudesse.

—Adams…

—John não importa o que diga, eu não irei sair daqui.

—O funeral será seu. — diz se dando por vencido.

Justin agora nos encara e eu simplesmente o iguinoro.

—E então? Porquê essa raiva pelo Justin e vice-versa?

—Ele é um babaca, não tem como gostar dele, ele é vazio.

—Só assim para conseguir matar a sangue frio.

—E você? Como conseguiu causar problemas com ele tão rápido?

—Eu não calo a boca, simples.

—Hoje será sua primeira prova não é?

—Sim, eu estou bem nervosa.

—Relaxa, tente não transparecer ou seu oponente vai conseguir te derrubar rapidamente.

Olho para o Justin me lembrando de sua ameaça.

—John? Porque o Justin é tão frio?

—Por que ele é um idiota, um babaca Adams.

—Tentando o ver com outros olhos, ele é tão vazio por quê?

—A boatos sobre o passado do Justin Adams, não tem como saber se são reais ou não mas dizem que ele não foi criado pela mãe e sim pelo pai, e o pai dele nunca lhe apresentou coisas como o amor, empatia, solidariedade entre outros.

—Hm…

O café termina e eu e o John deixamos a bandeja e seguimos até a saída do refeitório, sinto meu braço sendo segurando com extrema força e quando vejo é o Justin.

—Espero que esteja pronta para hoje, não tolero erro Adams.

—Solta ela Bieber. — disse John que estava comigo.

—Como é?

—Solta ela porra.

—Johnson! — arregalo os olhos.

Justin o olha com fúria e eu seguro na mão do John e me solto do Justin. Por John para longe antes que sobrasse para ele.

—É sério, nunca mais faça isso.

—Eu o odeio Adams, ele é um filho da puta.

—Relaxa, é sério, nunca mais faça isso.

Sinto que isso ainda irá retornar, Justin nunca deixará isso barato.

Sigo até os ringues centrais, os maiores do IB, usado para as provas.

Cada participante das provas tem um monitor, que está atento a seus golpes e anota tudo no Iboup.

Eu estava com medo, muito medo, o que acontece se eu não vencer meu oponente? Justin acaba comigo.

Várias pessoas lutam e o ringue fica ensanguentado diversas vezes e é limpo logo em seguida, no IB a luta só acaba quando uma pessoa sai desacordada.

Eu estava sentada na arquibancada que tinha ao redor de um dos ringues para as mulheres que lutariam hoje.

Logo meu monitor se aproxima.

—Você é a próxima.

É tudo que Justin diz, nesse momento eu até me esqueço como se anda, minhas pernas não atendem ao comendo do meu cérebro.

Respiro fundo e me levanto, sigo Justin até o lado do ringue.

—É o meu nome que está como seu treinador, então não perca.

Respirou fundo e subo no ringue.

A garota escolhida para lutar contra mim aparenta ser mais jovem que eu, talvez uns 14 anos seja a idade dela.

No IB não usamos equipamentos de luta, se levarmos socos nos dentes eles quebram e nada de luva de boxe, a luta era na mão mesmo.

—LUTEM.

Preparo minha posição que Adams ensinou e fecho minhas mãos em punhos, posiciono meu pés e dou o primeiro soco, mas a garota se desvia e devolve com outro soco na qual acerta meu olho, logo me recompondo e acerto um chute na barriga dela e ela cai, aproveito esse momento e a chute repetidas vezes, mas em um desses chutes ela puxa meu pé e me faz cair no chão, ela ainda estava se recuperando dos chutes que recebeu mas se levantou e chutou minha costela e eu fiquei sem ar com tamanha força usada nesse chute, ela aproveitou e me socou repetidas vezes até que eu perdesse a consciência.

(···)

Abro meus olhos lentamente e tento retomar a consciência.

Noto que estou na clinica, meu corpo está dolorido, não sei dizer onde dói mais, porém eu aprendi a lidar com a dor nesse curto tempo no IB.

—Adams. — a enfermeira que é sempre gentil comigo está presente.

—Oi. — digo ainda fraca.

—Bieber exigiu falar com você assim que acordasse, ele está a aguardando no 22° andar.

—Tudo bem.

Me levanto lentamente, logo balanço meus braços e pernas para me acostumar com a dor e conseguir a encarar.

Vou em direção ao elevador do IB e subo até o andar.

Quando a porta do elevador se abre vejo Justin conversando com um homem em um corredor, assim que ele percebe minha presença ele dispensa o homem e eu me aproximo.

—O que tem a declarar sobre a luta de hoje?

—Não tenho nada a declarar, não tive tempo o suficiente para treinar. — digo em tom e cabeça baixa.

—Venha comigo.

Ele entra no elevador e eu o sigo, ele escolhe o andar desejado e logo estamos entrando no mesmo.

Entramos em uma sala que possuía uma cadeira, porém aparentemente o encosto dela é para apoiar a parte da frente do corpo deixando as costas "livres"

—Tire a blusa e se sente na cadeira, mas caso não tenha percebido é para você apoiar a parte da frente no encosto não as costas.

Agora um pânico toma conta de mim.

—O que você vai fazer? — pergunta com lágrimas querendo descer.

—Faz o que eu estou mandando porra.

Tiro minha blusa e me sento.

Logo Justin se aproxima, eu estava com meu sutiã, Justin o desabotoa, deixando minhas costas totalmente nuas, porém não cai pois estávamos com meus seios apoiado no encosto.

—O que você fará comigo? — pergunto com lágrimas caindo.

Justin pega seu Iboup e dele tira um ferro quente, o ferro está vermelho de tão quente. Esse ferro é do tamanho de um carimbo e me lembra um por ser estremamente igual, a única diferença é que na parte do carimbo é o ferro quente.

—Eu te avisei sobre as consequências.

Ele pressiona o ferro quente sobre minhas costas e eu grito, eu grito muito, eu berro e ele não para por ai, ele continua e faz mais 5 carimbo com o ferro quente, é a pior dor que eu já senti e eu grito muito a ponto de ficar sem voz, a dor é indescritível.

—Sabe aquele seu amigo do café da manhã? Aquele que me desafiou?

Não respondo nada, minhas forças simplesmente sumiram por tanto gritar.

—Diga "oi" para ele, ele está nos assistido de alguma sala de câmeras e na próxima prova seja melhor.

Justin se retira e eu continuo lá, sem forças nenhuma para andar e até mesmo gritar, permaneço sentindo a dor presente em minhas costas e só lágrimas saem de mim, é como se eu estivesse morta, eu me sinto assim.

Logo um homem vestido de preto entra na sala e ele fecha meu sutiã e me tira da cadeira, logo em seguida coloca minha blusa e me carrega até o quarto.

—Adams? — Hall fala assim que me vê entrando sendo carregada até minha cama.

—O senhor Bieber queimou as costas dela, então provavelmente ainda está tentando se recuperar. — é tudo que o homem diz e logo em seguida se retira.

—Ei, Adams, fala comigo.

—Por favor me mata. — sussurro com lágrimas nos olhos afundando meu rosto no travesseiro.

Hall levanta a blusa e leva as mãos a boca em sinal de espanto.

—AQUELE IDIOTA, INFELIZ, É CONTAR AS REGRAS FAZER MAIS DE TRÊS CARIMBOS DE FERRO QUENTE NO MESMO DIA.

Hall some do meu campo de visão e logo volta segurando um pano ela passa pelas minhas costas e ele está gelado, está molhado com água gelada. Sinto um alívio e uma dor ao mesmo tempo e fecho meus olhos a medida que ela passa.

—Adams? Vamos para o chuveiro okay?

Não respondo nada.

Hall me levanta com facilidade, ela é forte e eu não sou tão presada.

Ela me conduz até o banheiro e tira minhas roupas e me coloca de baixo do chuveiro que cai água gelada.

Sinto um alívio mas ao mesmo tempo a dor ainda me consome.

A Hall me seca delicadamente, me veste e me deita.

—Eu juro que se tivesse remédio eu te daria para você para de sentir essa dor mas eu não tenho, me desculpe.

Horas e horas se passam, Hall sai para jantar e retorna e eu continuo da mesma forma, nem toquei na minha comida que me entregaram no quarto.

06:45 AM

A noite passa e eu não durmo nada, não fecho os olhos a noite inteira.

—Adams? Precisamos ir. — Hall tenta pela milésima vez.

—Por favor Hall, me deixa quieta.

Quando as portas se abrem Hall sai e logo retorna com uma enfermeira, mas não é a que sempre me atende.

—Desde ontem ela está assim, não quer comer, e só pede para que eu a mate.

—O que aconteceu ontem?

—Ela teve o primeiro dia de prova, não se saio bem e o Bieber queimou as costas dela.

A enfermeira levanta minha blusa e encara minhas costas.

—Acho que terei que conversar com o senhor Bieber.

POV's Justin Bieber

Estava no escritório do meu pai discutindo sobre as provas dos iniciantes até sermos interrompidos com alguém batendo na porta, meu pai autoriza sua entranda.

—Senhores, eu preciso falar sobre uma participante das provas que se chama Adams.

—Qual delas? Tem várias Adams.

—Mais precisamente a que teve as costas queimada ontem pelo senhor. — apontou para mim.

Adams me dando trabalho de novo?

—Okay, diga o que aconteceu. — disse meu pai permitido que a mulher se sentasse.

—Bom.. Adams provavelmente está caminhando para uma depressão.

Como assim? — pergunta Jeremy me encarando.

—Ontem ela teve as costas queimada não três vezes mas seis.

—Seis?

—Sim, colocamos um limite nas queimaduras porquê sabemos até quando eles aguentam senhores. Adams desde ontem não come e ela pede para a parceira de quarto a matar, ela não quer fazer mais nada e eu sinto que o próximo suicídio será dela.

—Okay, eu cuidarei disso, pode se retirar. — disse Jeremy.

A moça se retira e Jeremy me encara.

—Justin se essa mulher morrer eu juro que você não receberá nada do IB.

Ele fala isso por conta do contrato com me fez assinar que é: se eu mulher morrer por minhas mãos ou eu for a causa eu não recebo nada do IB. Ele tomou essa decisão depois que eu matei alguns homens na época que era o treinador e monitor deles.

—Ela não está morrendo, só está fazendo drama.

—Eu quero que a dome, mas sabe das regras, nada de a matar. Já disse para a domar com suas palavras e presença.

—Desde quando você defende mulheres?

—Não estou defendendo Justin, temos um contrato com a família dela e por isso não quero que a mate, a família dela tem contatos.

—E espera que eu me torne amigo dela? — pergunto irônico.

—Eu não sei Justin, mas sabe como as coisas funcionam, no estado em que ela está ela já pode ser considerada alguém que não se importa de se matar então faça algo a respeito disso. Você sabe do nosso sistema, mas ao mesmo tempo não a deixe achar que tem poder aqui e coloque limites nela.

—Você anda estressado Jeremy, deveria foder mais.

— falo com humor.

—Eu? Sua diversão de sexta a noite é atormentar as mulheres invés de correr atrás delas Justin.

Óbvio que eu não transo com nenhuma mulher do

IB por diversos motivos, DSTs principalmente. São imundas, pelo menos é assim que as enxergo.

—Minha vida sexual não lhe diz respeito.

—E nem a minha, agora vai resolver esse problema da Adams que daqui a pouco tem provas, e sem qualquer tipo de agressão dessa vez Justin, a faça te temer só com as palavras.

Me levanto e saio do escritório e vou até o quarto da Adams.

Abro a porta e o quarto está vazio, só está a Adams deitada.

Ela se encolhe quando me vê.

—Chega de drama, anda levanta que hoje tem prova.

Sem resposta, ela não move um músculo.

—Anda Adams, levanta.

—Me mata Bieber, eu não aguento mais isso.

—E é exatamente por isso que eu irei te manter viva.

—Como você consegue se alegrar com a dor dos outros?

—Eu já ouvi falar de uma coisa que se chama empatia, mas eu não tenho ela. Agora levanta porquê a segunda coisa que eu não aprendi a ter é paciência.

—Eu não quero mais fazer parte disso, desse mundo.

Puxo a coberta.

—BIEBER.

—Você acabou de gritar comigo? — pergunto com certa fúria.

—Vai me matar? — pergunta com ironia.

Passo as mãos pelo cabelo em sinal de nervosismo porquê infelizmente eu não posso tocar nela. Só hoje.

—Eu quero você pronta em dez minutos, caso contrário a Spencer paga com a vida.

Agora eu vejo o medo em seu olhar.

—Viu o que eu mandei fazer com aquela mulher na frente dela, não espere que ela seja a próxima com sua mãe assistindo.

Ela se levanta com dificuldade e se tranca no banheiro e eu saio.

Vou para meu escritório e o Jeremy me aguarda no mesmo.

—Que porra você está fazendo aqui?

—Eu teria cuidado com a forma que fala comigo se fosse você.

—Mas você não é. — me sento em minha cadeira.

—Adams que te deixou assim?

—Ela é só mais uma mulher que se faz de difícil, nada que eu não consiga lidar.

—No tempo em que esteve fora eu conversei com o pai dela.

—E?

—O cara é um filho da puta. Ele ameaçou colocar a polícia atrás de nós com ajuda do prefeito de Vancouver. Então eu tive uma ideia.

Ameaçar meu pai é a mesma coisa que confrontar a masculinidade dele, são coisas sem perdão com uma vingança extremamente forte.

—Considerando que odeia que te ameacem, acredito que fará algo com a Adams.

—Eu não, você fará e isso será filmado e mandado para o pai dela.

—O que eu farei? — pergunto cauteloso.

—Algo que fará com que ela te tema e calará o pai dela, você fará dela seu brinquedinho sexual.

—Sem chance, nós estávamos conversando agora sobre o estado mental da garota. Eu não irei estuprar ela Jeremy.

—Por que não? Não me diga que tem empatia.

—Primeiro que é contra as regras, segundo que eu não fodo com mulheres do IB, só com a vida delas.

—Você é Justin Bieber, o que são regras para você?

—Eu sei que não teria consequências para mim mas sinceramente Jeremy, força uma mulher a fazer sexo comigo? Isso é patético, eu não preciso disso e não sinto prazer em um sexo forçado.

—Diz isso porque não conseguiria a ter nem se você tentasse. Fala sério Justin, ela é gostosa.

E isso é verdade.

—A resposta é não, eu não irei a estuprar assim com não farei com nenhuma mulher.

—Pensei que tivesse te criado direito Justin.

—E criou tão bem aponto de ter ciência que eu não preciso força uma mulher a estar nua na minha cama de quatro para mim. Agora se me da licença eu tenho provas para monitorar.

Me levanto e vou até a área das provas.

Minha opinião sobre o estupro é completamente formada, não penso necessariamente na vitima do estupro, só penso o quão ridículo é alguém sentir prazer nessa situação ou o quão ridículo é alguém chegar a esse ponto para ter uma foda.

Olho para o ringue e vejo que Adams está aqui.

POV's Kaitly Adams.

Não acredito que vim para apanhar hoje de novo.

Não estou bem, minhas costas estão doendo até agora então é melhor eu simplesmente fingir que estou desacordada, não é?

Várias lutas passam até que chega minha vez, eu era a última a lutar.

Entro no ringue e respiro fundo, sabia que não me sairia bem, tinha pleno conhecimento disso.

—LUTEM.

(···)

—Eu estou cansado de você perder. — eu estava na enfermagem porquê apanhei feio e fiquei desacordada por um tempo. Como sempre Justin estava me xingando.

—A culpa não é minha, se minhas costas estivessem boas eu me sairia melhor.

—Não ouse falar dessa maneira comigo, eu tento sido muito bom em não encostar a mão na sua cara Adams.

—Eu deveria te agradecer por isso?

Sinto meu rosto arder com um tapa que recebo.

—Abre essa porra que você chama de boca mais um vez e eu vou fazer você implorar para mim parar.

—Eu odeio você. — falo com lágrimas nos olhos.

—Nossa que triste, nem vou dormir a noite. — fala com ironia.

—Um dia tudo isso vai voltar para você Justin.

—Você me chamou de que?

Ele segura minha garganta impedindo a passagem do ar, eu seguro suas mãos que estão apertando minha garganta em uma falha tentativa de tirar as mesma de mim.

—É senhor Bieber para você e para todo mundo Adams.

Ele solta meu pescoço e eu levo minhas mãos ao local, Justin era definitivamente maluco.

Lágrimas caem sobre meu rosto.

—Bieber eu não aguento mais ficar aqui sem saber o que acontece lá fora, sem meus amigos, meu namorado, minha vida virou de cabeça para baixo e você espera que eu simplesmente aceite tudo? Não compreende que é difícil?

—Quer saber como vai as coisas lá fora? Okay, me segue.

Ele sai e eu o sigo com dificuldade até a mesma sala na qual ele me trouxe no dia em que minha irmã teve que presenciar aquele estupro. Sinto calafrios, não só pela sala ser escura e fria mas pelas lembranças.

Ele trocou algumas palavras com um homem que se encontra atrás do computador e uma foto da Anne beijando o Zach aparece em uma das telas principais.

—Pelo que ele me contou, aquela é sua amiga e aquele é seu namorado, quero dizer ex ao que a imagem mostra.

Levo minhas mãos na boca e lágrimas caem cada vez mais, eu não consigo acreditar no quão traidora a Anne foi e no quão imbecil o Zach foi comigo, ele disse que me amava, ele me fez acreditar nisso e alguns dia depois ele já me substitui assim facilmente enquanto eu choro por esse idiota.

Ele passa e uma imagem da minha mãe andando na rua aparece.

—Sua mãe tem ido a sessões com um psicólogo e está em processo de divórcio.

Uma imagem da Spencer entrando em um hospital com meu pai aparece.

—Sua irmã tem ido parar regularmente no hospital, ao que parece ela não anda se alimentando ou dormindo, acho que ela está traumatizada.— diz com um sorriso.

Meu pai de frente para a empresa surge na tela agora.

—Como pode ver, seu pai continua trabalhando. Quer saber mais alguma desgraça da sua atual vida?

Lágrimas caem pela situação geral, por tudo que anda acontecendo em minha vida. Quando isso vai acabar?



Notas Finais


Uou, aconteceu muita coisa nesse capítulo.

Gente eu acho fofo a forma que a Hall cuida da Kait.

Jeremy estúpido, fica quieto na sua e para com essas idéias para cima da Kaitly.

Justin estúpido 2, ele fez muita coisa com a Kait nesse capítulo e eu estou com dó dela e raiva dela.

Sobre a atual situação dela no lado de fora, tenso, está acontecendo muita coisa ruim.

Dias de postagem todos os domingos.

Gostaram? Se sim Favoritem e comentem.

Bye bye.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...