História Contramão - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Gustavo Mioto, Gusttavo Lima, Isadora Muniz, Jorge, Kauã, Mateus, Matheus
Visualizações 4
Palavras 984
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oiii gente linda! Tudo bem com vocês? Eu espero que sim. Esse capítulo tem tudo que a gente gosta, boa leitura!

Capítulo 7 - Coladinha em mim


" Ja tô até pensando aqui, amor, em te dar um presente, mas ainda não sei embrulhar um beijo. E se eu te entregar pessoalmente aí vai compensar..." 

(Gustavo Mioto, coladinha em mim)


ISADORA ON:

Acordei confusa, é impressão minha ou eu e Gustavo nos beijamos? Ok! Agora alguém também me responde porque eu não consigo tirar ele da cabeça?
Tomei um banho e fui trabalhar, o dia foi corrido e a única coisa que fiz antes de começar os trabalhos foi mandar o que eu já tinha feito da monografia pro Marcos.
(...)
Eu estava morta de cansada, fiz um lanche em casa e depois arrumei meu quarto, resolvi dormir um pouco E quando acordei eram 18:33 Isso significa que eu estava muito atrasada, minha aula é de 19:00. Tomei um banho correndo, coloquei uma calça, uma sapatilha e uma blusa de mangas longas já que fazia um pouco de frio. Cara limpa e cabelo solto mesmo, olhei no relógio e só tinha 10 minutos pra chegar na faculdade. Abri a porta correndo e dou de cara com Gustavo.
- Não deveria estar na faculdade?
- estou atrasada.
Falei apertando o botão do elevador e ele entrou comigo.
- Estou indo lá perto, quer uma carona?
- Não! Eu pego um táxi.
- Isso vai demorar hein? Horário de pico todos estão lotados essa hora.
- Você é adivinha?
Falei quando a porta abriu e nós saímos.
- Tenta a sorte então.
Do lado de fora do prédio dava pra ver que o trânsito tava cheio e demoraria muito de táxi. Olhei pra ele com cara de desapontada.
- Vou pegar o carro me espera aí.
Assenti e logo ele voltou.
- Por que tá tão estressada?
Ele me perguntou no caminho.
- Meu orientador quer falar comigo hoje e tenho dois minutos para chegar lá. Ele é um chato e se eu chegar atrasada já é motivo dele pegar no meu pé.
- Então não vamos desaponta-lo.
Gustavo acelerou de tal forma que eu deitava no banco quando ele fazia as curvas.
- Eu quero chegar viva.
- Sou piloto de fuga querida.
19:03 estava na faculdade.
- Obrigada.
- De nada e a propósito se você for boa aluna da mesma forma que beija bem, vai dar tudo certo.
- Gustavo!
Eu disse o repreendendo e sai do carro, vermelha que só uma pimenta.
Corri pra sala do Marcos.
- Atrasada.
- Cinco minutos.
- Se chegar atrasada na monografia zera.
- Não vai mais acontecer.
- Li seu material.
- E aí?
- Isadora eu confesso que estou impressionado, seu material tá muito bom.
Sorri, era tudo que eu precisava ouvir.
- Agora vou te mandar uns arquivos pra você ler, e dar continuação.
- Obrigada.
Sai indo pra aula e hoje a Letícia não tinha vindo.
" Cadê você?"
Isadora, 19:28 pm.
" Doente, vem me ver?:
Letícia, 19:38 pm.
" Passo aí quando acabar a aula"
Isadora, 19:40 pm.
A aula acabou e eu fui embora pra casa da Lê, fui de Uber mesmo. Toquei a campainha e o Gustavo atendeu.
- Tá me perseguindo?
- Nem nos meus pesadelos, vim ver sua irmã.
Ele me puxou pra dentro e a Letícia tava no sofá.
- Pronto, agora já viu, pode ir.
Ele disse me virando pra porta fazendo a Letícia rir.
- Deixa de ser...
- Folgado.
Ele completou.
- Eu ia dizer ridículo.
Falei dando um tapa no braço dele e me sentei ao lado da minha amiga.
- Tá doente de que?
- Doente de amor, procurei remédio na vida noturnaaaaaaa.
Gustavo cantou e nós rimos.
- Esse meu irmão é um palhaço! Tô com febre, acho que é gripe.
- Está tomando remédio?
- Eu sou o doutor anti-amor Isadora, tô cuidando da minha irmã.
- Mentira! Veio me ver só agora.
- Xiuu! Tadinha tá delirando por conta da febre.
Lê jogou uma almofada nele e eu ri.

GUSTAVO ON:

Deixei a Lê e a Isa na sala e fui pra cozinha.
- Isadora está aí?
- Sim mãe.
- Você tá gostando dela não está?
- Credo pai! Deus me livre, agora estou na vida da farra, quero me prender a ninguém não.
- Aham sei.
- Qual é mãe! Me deixa.
Falei mordendo uma maçã. Fiquei conversando mais um pouco com eles e depois voltei pra sala.
- Irmã, eu tô indo embora, viajo amanhã, mas venho te ver antes.
- Vem mesmo Gu.
Dei um beijo em sua testa.
- Isadora quer ir comigo?
- Se não me matar vou sim.
- Como assim?
Letícia perguntou.
- longa história Lê, depois te conto.
Respondi.
- Vocês estão de segredo, tô gostando nada disso.
- Ciumenta, para de ser tão ciumenta.
Cantei e Isadora riu, elas se despediram e nós fomos embora.
- Onde é o show amanhã?
- Ceará.
- Nordeste dono da minha saudade.
- Quando eu for pra Caruaru eu te levo.
- Vou cobrar viu?
Ela respondeu e eu sorri de lado. Chegamos no prédio e subimos juntos.
- Tá entregue.
- Obrigada.
Ela disse abrindo a porta.
- Isadora.
- oi?
Ela disse se virando. A puxei e a beijei, não sei porque, mas apenas senti que eu precisava fazer aquilo.
- Desculpa.
- Me beija e pede desculpas Gustavo?
- Te peguei de surpresa.
Ela riu e me beijou, confesso que eu esperava um tapa na cara.
- Isso tá mesmo acontecendo?
- Eu acho que sim.
Ela respondeu me olhando incrédula.
- Preciso ir.
Ela disse. Assenti e quando ia virando de costas eu a puxei de novo.
- O último.
- O último.
Ela respondeu e voltamos a nos beijar, e foi assim pelos próximos 3 beijos, até ela realmente entrar. Eu havia terminado com a Thaynara a 4 meses, quase 5 e a Isadora estava mesmo mexendo comigo, como é possível?! 


Notas Finais


Me perdoem pelo capítulo ter ficado curtinho, comentem, favoritem e até o próximo capítulo, beijinhos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...