História Contrato De Casamento - Capítulo 27


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber
Visualizações 116
Palavras 1.145
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 27 - Capítulo XXVII


     Justin Bieber point of view


     Fui para casa com Ryan, o delegado e alguns policiais. Expliquei tudo para a minha sogra, tentando acalmá-la ao mesmo tempo. Ficamos lá a espera de uma ligação por mais de uma hora e meia. Essa espera já estava me matando.
     Quando pensei que não iam ligar, o telefone da casa tocou. Corri e atendi.

"Ora, se não é o senhor Bieber?" - A pessoa do outro lado da linha falou e imediatamente eu reconheci a voz. Kate.

"Kate? O que você quer? Deixe minha mulher em paz. Por que está fazendo isso?" - Falei, começando a me desesperar novamente.

"Calma, Justin. Não me faça perguntas. Eu serei breve. Vou enviar um vídeo da sua querida e amada esposinha para o seu celular, e nem tentem rastrear porque não vão conseguir. Depois eu vou ligar novamente e vamos negociar a vida dela e do seu filho. Fique atento ao telefone, Bieber. Eu não gosto de esperar." - ela disse e desligou.

     Instintivamente dei um murro na parede de raiva, causando um susto a todos. O delegado veio até mim e pegou o telefone da minha mão para que eu não quebrasse num excesso de raiva. Meu celular apitou e eu peguei abrindo a mensagem. Havia um vídeo de Eliza, como ela disse que iria mandar.
     Abri o vídeo e meus olhos se encherem de lágrimas. Eu quero chorar de ódio e tristeza por deixar ela passar por essa situação. Ela estava com as mãos e a boca amarrada, sentada numa cama suja dentro de um quarto escuro que também é sujo, chorando e tentando gritar. Um lado de seu rosto está vermelho, bateram nela.             Senti meu sangue ferver mais ainda e parei o vídeo. Não consigo mais continuar. Entreguei o telefone para Ryan e o delegado para que eles vissem. Ryan veio até mim e me abraçou e eu retribuí. Não tenho ideia de quando eu fiquei tão fraco, tudo que eu quero agora são minha mulher e meu filho de volta.
     Deixei todos na sala e fui para o meu quarto. Sentei na cala e abri a galeria de fotos do celular. Comecei a ver fotos minhas e de Eliza juntos e algumas dela sozinha. Passei as fotos vendo todas, mas já não consigo mais chorar. Parei em uma foto e meu coração se apertou. Eliza estava sentada na cama, passando a mão na barriga e sorrindo. Sinto que a qualquer momento vou perder tudo que importa pra mim de verdade.
     Fui para o banheiro e tomei um banho. Minha cabeça começou a arder e latejar quando a água bateu, mas eu não liguei. Quando terminei saí do banheiro e vesti uma calça de moletom e uma regata. Não penteei o cabelo nem me arrumei direito. Não tenho ânimo pra isso.
     Saí do quarto seguindo em direção a sala, mas parei na porta do quarto de Joseph, abri e entrei, olhando detalhe por detalhe. Eu vou trazê-los de volta, custe o que custar.
     Voltei para a sala encontrando agora minha mãe e meu pai junto com os outros. Minha mãe correu e me abraçou assim que me viu, eu retribuí mas logo me soltei. Ela voltou a consolar dona Marie e meu pai veio falar comigo.

- Você vai encontrá-los, Justin. Eu tenho certeza. Você não poderia ter escolhido alguém melhor para ser a mãe dos seus filhos e eu tenho certeza que nada nem ninguém vai conseguir separar vocês. - apenas assenti.

     Meu pai me dando apoio era algo realmente surpreendente. Dei um longo suspiro e me sentei no sofá, esperando qualquer notícia.
     Minha mãe havia insistido para que eu comesse alguma coisa, mas não consegui. O telefone começou a tocar e rapidamente eu já estava de pé atendendo.

"Fale o que quer e devolva minha esposa." - falei.

"Calma, Bieber. Vamos fazer um acordo." - ouvi a voz do outro lado da linha e suspirei.

"O que você quer, Kate?" - perguntei cansado.

"Eu quero que você sofra, Justin. Assim como eu sofri. Eu não vou ter piedade da sua mulher em qualquer coisa que eu tenha que fazer, então acho bom você prestar atenção." - ela disse e meu medo só aumentou. - "É provável que ela não saia daqui viva, mas se quiser garantir a única chance que você tem de salvar a vida dela você tem que fazer tudo o que eu mandar." - coloquei no alto falante para que o delegado também ouvisse.

"Eu faço qualquer coisa, diga logo o que você quer."

"Você vai passar a presidência da empresa para o seu irmão, em um documento totalmente legal, deixando claro que é por livre e espontânea vontade." - nesse momento eu fiquei mais confuso.

"Jaxon está com você?" - perguntei e ouvi uma risada dela.

"Claro, Bieber. Você destruiu nossas vidas, nós tínhamos que nos unir... Prosseguindo... Eu quero que você pague 300 milhões de reais pela vida da sua mulher e nem tente negociar, eu sei que você tem dinheiro pra isso. E mais uma coisa, Justin: o bebê é meu." - ela falou e eu arregalei os olhos..

"VOCÊ TÁ LOUCA, PORRA? VOCÊ NÃO VAI FICAR COM MEU FILHO!" - falei gritando e ela gargalhou.

"Claro que vou. Agora preste atenção, Bieber: NÃO ENVOLVA A POLÍCIA. Vou mandar por mensagem o endereço, horário e o dia que vamos fazer a troca." - ela disse e eu fiquei mais puto.

"Por que não fazemos hoje?" - perguntei indignado.

"Porque quero me divertir com Eliza um pouquinho." - ela disse e eu apertei o telefone com força. O delegado colocou a mão no meu ombro para que eu não me exaltasse.

"Kate, a gravidez dela é de risco, ela não pode fazer esforço nem ter emoções fortes, porque coloca em risco a vida dela e do meu filho. Eu imploro a você, Kate, não faça nada com ela." - a essa altura eu já estava chorando, mas ela não respondeu. Ela apenas desligou.

     Minha mãe veio na minha direção e me abraçou e eu chorei feito um menininho em seu colo.
     Já era noite quando me acalmei mais. Minha mãe e Marie estavam no quarto, meu pai foi cuidar da empresa e eu estava aqui com Ryan, o delegado e alguns policiais.

- Ryan, providencie o dinheiro o mais rápido possível. Delegado, não posso deixar ela ficar com meu filho, tem que haver um jeito de resgatar os dois
. - falei e ele me olhou sério.

- Podemos tentar, Bieber, mas ainda não sei como. Precisamos armar tudo sem que ela desconfie e de uma forma que dê certo, para não colocar a vida deles em risco. - ele disse e eu concordei.

     Paramos de conversar quando bateram na porta. Os policiais pegaram suas armas e eu fui atender. Abri a porta dando de cara com alguém que eu não queria. Lucas



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...