História Contrato de morte - Capítulo 9


Escrita por: e Darkizinho

Visualizações 19
Palavras 2.402
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


O que será que tem escondido no passado?

Capítulo 9 - "filhos do demônio"


Até agora vocês ficaram sabendo o lado dos "mocinhos", mas a partir deste momento eu conto a história. Meu nome de batismo é Crowley III, assumi o poder como imperador há 30 anos, isso foi após a morte do tolo pai que eu tinha, por que eu digo isso dele? Irei vos dizer a verdade por trás disso tudo..., neste momento vocês já devem ter se precipitado sobre minha pessoa..., um filho da puta, não é? Disso que todos vivem me chamando, mesmo sem conhecer os meus motivos, minha idade? 45 anos, tinha 15 anos quando me tornei o imperador, como eu era inocente naquela época, sem mais enrolação vou direto à história

*30 anos atrás

Meu pai estava cuidando do império como sempre..., não tinha tempo para mim nem para a minha mãe, sempre que eu ia falar com ele eu era ignorado..., "mas pelo menos você nasceu em um palácio", é isso que vocês pensam correto? Pensam que fui mimado? Sinto informa-lhes que estão equivocados, meu pai por diversas vezes me ordenava para ir ajudar os necessitados, miseráveis assim como vocês que estão lendo isso neste momento, a partir deste momento comecei a sinto raiva dos plebeus, porém tudo piorou após uma certa ordem de meu pai...

Crowley II - Tem uma doce senhora precisando de ajuda com as plantações - Nem de filho o maldito me chamava, "você não é diferente, nem mais especial que ninguém" dizia  ele, nem parecia que eu era o futuro imperador de toda essa merda 

Crowley III - Deixe-me adivinhar..., vossa excelência deseja que eu a ajude... - Neste momento meu pai me encara com um olhar ameaçador

Crowley II - Baixe seu tom antes de falar comigo - Diz me dando um tapa na cara - Agora saia e ajude a doce senhora - Fico feliz por esse maldito ter morrido, sempre me tratou como um inseto, como se eu fosse resto de aborto..., sim eu odiava meu pai, mas que importância isso tem? Vocês também não odeiam ser "pau mandado"? Antes de me julgar se enxerguem primeiro, de hipocrisia sempre estou rodeado, vocês serem hipócritas não muda nada para mim, foda-se suas opiniões,  que moral tens para falar de mim? Não são dignos do ar que respiram

Crowley III - Vai para o inferno com suas ordens - Essa foi a primeira vez que confrontei meu pai, ele não estava esperando pela minha atitude, percebi a tristeza no olhar do mesmo

Crowley II - Ainda não aprendeu nada? Em 15 anos? - Suspira decepcionado - Eu achei que estava fazendo um bom trabalho, percebo que tenho fracassado em todos esses anos..., você precisa aprender a ser humilde "meu filho" - Fico assustado com a maneira que ele falou - O que foi? Não era isso que você queria? Ser chamado de "filho"? - Como se ele entendesse o que eu queria... - Percebe agora? Ser chamado de filho não muda quem você é, nem mesmo o amor que sinto por você, você está pensando que por ser "filho do imperador" a vida vai te abraçar? Tolice! - Tolo?  Eu? Meu pai não sabia do que estava falando, era ele que ajudava a todos sem pensar duas vezes, sempre se importava com "o seu povo" e esquecia da família que tinha, porém desta vez ele estava correto..., a vida não é fácil para ninguém, nem para alguém como eu - Agora faça o que lhe foi ordenado, antes que eu decida te deserdar - Então eu saio da presença de meu pai, estava com a cabeça quente e precisava por minhas ideias no lugar. Tudo era uma paz sem fim, em todo o lugar tinha harmonia..., eu não aguentava mais isso, o que eles fizeram para merecer? Não fizeram nada..., só sabem reclamar de tudo, para mim meu pai era bondoso de mais para um povo que nunca soube agradecer..., como vocês conseguem ser tão insuportáveis? Já pararam para ouvir as merdas que vivem falando? Reclamam do amor, do ódio, da paz, da guerra, da vida, da morte, da mãe, do pai, do irmão, do filho..., a única coisa que sabem fazer é isso..., "mas você também está reclamando", é isso que estão pensando, não é? Sim estou reclamando..., mas isso não lhes interessa, vocês sempre se contradizem, a minha reclamação ao menos tem algum sentido, não concordam? Então continuem como bem entenderem..., então lá estava eu novamente, ajudando outra pessoa que não merecia...

Velha senhora - Você é tão bondoso, já temos sorte de ter um imperador como seu pai, ainda assim temos um futuro imperador que será tão bom quanto o atual - Diz me dando um sorriso..., vocês não conseguem entender, não é? Esse é um sorriso com segundos interesses, todo o ser humano faz algo querendo algo em troca, essa senhora não tem nada de diferente..., o que ela quer em troca? Simples..., ela quer me conquistar com esse sorriso e com essa "gratidão", para assim poder me fazer um escravo particular, não é evidente para vocês? Percebi que não adianta falar com pessoas ignorantes, elas nunca mudam... , então dei um sorriso para a mesma como resposta (no meio dos falsos, seja falso também). Eu não estava bem..., tudo aquilo estava me fazendo surtar, enlouquecer, pirar..., minha alma já estava gritando, agonizando, se enchendo de fúria..., então fiz algo que nunca me arrependi de ter feito..., espanquei aquela maldita com minhas mãos até ela morrer..., se eu sou bipolar? Talvez..., mas o que vem ao caso é que me senti aliviado, livre, feliz..., foi neste momento que descobri o que me agradava..., o caos, a morte, o desespero, a agonia, os gritos, o sofrimento, a perda de esperança, a guerra, o ódio, o rancor, a amargura, a ambição, a ansiedade, a antipatia, o ciúme, a traição, a impiedade, o sangue escorrendo e fluindo como um rio, a violência, o próprio inferno..., todos esses sentimentos maravilhosos estavam em minha cabeça, eu estava enlouquecendo cada vez mais e amando minha loucura mais ainda, então após eu acordar do meu momento de loucura e prazer...

Crowley II - Que porra é essa que você fez aqui? - Foi a primeira vez que vi meu pai tão alterado, lembro-me até hoje..., foi um momento maravilhoso, cheio de prazer, alegria, loucura..., meu pai me batendo, me socando enfurecido, sem controle, com muito ódio mesmo, eu sentia o gosto do meu próprio sangue que escoria pela minha cabeça, pelo meu nariz e pela minha boca..., que gosto bom, é assim que o mundo tem que ser, com todos se entregando aos seus instintos, sem se conter, matando, roubando, estuprando, profanando, fodendo com tudo..., isso... isso..., eu estava excitado com tudo aquilo, ainda tinham pessoas olhando assustadas com tudo, decepcionadas com o meu pai (ninguém tinha visto o que eu havia feito) estavam em estado de choque..., que cena maravilhosa, algo tão humano e ao mesmo tempo tão demoníaco, algo assim tem que existir eternamente, algo assim tem que ser apreciado com prazer..., se eu sou masoquista? Todos nós somos, amamos sofrer nos contendo, obedecendo, contendo nossas vontades, nos rebaixando, sendo humilhados constantemente por tudo e todos, seja pelos nossos líderes, pela nossa família, pelos nossos amigos, pelos nossos inimigos..., isso mesmo você, eu, todos nós somos masoquistas. Minha mãe logo apareceu para ver o que estava acontecendo

Catarine - O que você está fazendo? - Se dirige ao meu pai irritada vindo em nossa direção, meu pai me deixa jogado no chão quase inconsciente

Crowley II - Teu filho passou dos limites desta vez Catarine - Diz confrontando a mesma enfurecido - Ele matou esta velha senhora espancando-a - Mostra o corpo daquela pobre moribunda para a minha mãe, a mesma fica em estado de choque, ela não estava acreditando que o seu filho havia feito aquilo

Catarine - Não..., meu filho nunca faria isso - Diz olhando desprezivamente para o meu pai - Você é o único que pode ter feito isso - Tola..., por dentro eu estava rindo de toda aquela cena, era prazeroso demais todos aqueles sentimentos se revelando ao mesmo tempo

Crowley II - O que você está insinuando com isso Catarine? - Os dois começam a trocar olhares de ódio, as pessoas ao redor estavam assustadas com tudo aquilo, de anjo  meu pai passou a ser visto como um demônio, essa foi a maior ironia, pois todos os que meu pai tanto ajudou começaram a o odiar, o apedrejando, o xingando por algo que eu havia feito e por ele ter me espancado, será que  ele finalmente entendeu o que eu queria dizer? Bem... isso não importava mais, naquele momento meu pai foi totalmente destruído, por aqueles que ele tanto amou, foi uma sensação indescritível, ainda mais depois do que viria a acontecer 
Catarine - guardas! - Imediatamente os guardas apareceram - Levem esse homem a quem um dia foi chamado de imperador - Ouvi aquilo foi como ouvir o mar, era música para os meus ouvidos tinha certeza que tudo mudaria a partir de agora..., infelizmente eu estava enganado..., após os guardas prenderem meu pai no calabouço, minha mãe assumiu o controle império, sua palavra agora era absoluta, todo o poder estava em suas mãos..., a principio acreditava que seria bom, mas com o passar do tempo, percebi que ela não era muito diferente do meu pai, então em uma certa noite, minha mãe estava dormindo em seus aposentos e eu a matei asfixiada com um travesseiro, de maneira que todos acreditaram que havia sido uma morte natural, o funeral dela foi lindo, cheio de flores, de dor, lágrimas..., então foi assim que eu me tornei o imperador de tudo, a primeira coisa que fiz foi contar a noticia ao meu pai... vê-lo chorando foi impagável..., um choro de arrependimento, de tristeza, de paixão..., quando eu contei para ele que eu a havia matado então..., isso sim foi de valor inestimável, vê-lo preso em correntes querendo arrancar minha cabeça com as próprias mãos, com toda fúria ardente em seus olhos, todos os músculos dele quase se rompendo, tudo para me matar..., foi maravilhosa aquela cena

Crowley II - Seu demônio maldito, desgraçado, como ousar fazer isso com sua própria mãe? Que porra você tem na cabeça seu demente? - Tudo isso era música para o meu ouvido, não eram apenas palavras, eram emoções verdadeiras, não a falsidade que eu sempre vivi

Crowley III - Eu te magoei papai? - Pergunto sarcasticamente com um sorriso em meu rosto, claro que eu sabia que ele não estava nada contente comigo, neste momento ele me odiava muito

Crowley II - Volte para o inferno! - Fala cuspindo no meu rosto, isso me irrita muito no momento, mas eu mantenho o controle

Crowley III - Eu tenho uma surpresa para você - Digo limpando rosto - Podem trazer - Ordeno aos meus subordinados que estavam do lado de fora do calabouço, então eles trazem algumas ferramentas como: facas, chicote, pregos, marreta, alicate, tesoura, agulhas, barras de ferro de vários tamanhos e espessuras, seringas com substâncias químicas e alguns outros brinquedos

Crowley II - Você é louco - Percebi o olhar de ódio misturado com medo nos olhos dele

Crowley III - Talvez se eu fosse humano, mas eu sou um demônio..., esqueceu? - Digo com um sorriso - Cortem a língua deste maldito em pedaços - Ordeno aos meus subordinados, logo eles fazem o que eu havia ordenado, usando uma faca para cortar a língua do desgraçado em alguns 5 pedaços - Finalmente calou a boca - Após isso ordenei que estancassem o sangramento de meu pai (não queria que ele morresse agora), então após o estancamento, eu ordenei que tirassem todas as roupas do dele e pegassem as maiores e mais finas agulhas, para enfiarem lentamente por todo o seu sistema nervoso, logo ele começou a gemer inexprimivelmente - A sensação é maravilhosa não é? A dor, a agonia, o desespero, o ódio, a sede de vingança, a vontade de matar seu próprio filho, a inutilidade, a impotência, consegue sentir papai? Ah! É verdade..., você não consegue mais falar - Digo jogando um balde  de água extremamente fria no corpo do mesmo, então após alguns minutos, ele começa a tremer de frio e começa a escorrer catarro pelo nariz do mesmo, então deixei ele 1 semana sem alimento e com aquelas agulhas no corpo - Voltei papai - Falo com um sorriso no rosto entrando no calabouço - Sentiu saudades? Está com fome? Tudo bem, hoje eu te darei de comer - Trazia comigo um balde de merda de cavalo e de urina de búfalo, então ordenei que meus subordinados alimentassem meu pai com a merda e com a urina, meu pai vomitou por diversas vezes, mas por fim já tinha acabado a refeição, percebi que ele havia perdido muito sangue em uma semana, então ordenei que fizessem uma transfusão de sangue (para ele aguentar mais um pouco), meus subordinados arrancaram as unhas, os dedos, as mãos, os pés, os dentes, estouraram os testículos do meu pai com a marreta, chicotearam meu pai, arrancaram-lhe os olhos, cortaram seus tendões, as orelhas, perfuraram os pulsos dele com barras de ferro, e prepararam um brinquedo especial..., uma cadeira feita de pregos pontudos, grandes e muito afiados, então após colocarem uma máscara que dificultava a respiração, abusaram de meu pai sexualmente por algumas horas (eram muitos subordinados), então ao terminarem de se divertirem fizeram meu pai sentar na cadeira, como ele sobreviveu a tudo isso? Eu não podia deixar ele morrer facilmente, então todo o sangramento havia sido estancado e todo o sangue perdido foi recuperado com mais transfusões de sangue, também usei algumas drogas para aumentar o sofrimento dele e outras para mantê-lo acordado e vivo durante todo o procedimento (que durou cerca de 5 anos), então meu pai faleceu devido a uma  doença (que na atualidade vocês conhecem como AIDS), até hoje eu e meus subordinados praticamos o mesmo procedimento com outras pessoas (para recordar os bons e velhos tempos). Finalmente o império se tornou o que eu mais desejei em toda a minha vida, ninguém mais é falso, são apenas tolos que não entendem que gostam disso tudo, mas não preciso de agradecimentos, eu sei que isso é o melhor para todos e que no fundo eles estão tão felizes quanto eu, todos são meus filhos, eles, vocês, todos me amam.


Notas Finais


Mds :o, o que acharam desse passado sombrio?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...