História Convicção - Capítulo 30


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Itachi Uchiha, Kushina Uzumaki, Mikoto Uchiha, Minato "Yondaime" Namikaze, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Rock Lee, Sasuke Uchiha
Tags Itagaa, Leeneji, Narusasu, Romance
Visualizações 134
Palavras 3.683
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 30 - Pistas.


Fanfic / Fanfiction Convicção - Capítulo 30 - Pistas.

- alô, meu filho.

- oi pai, como o senhor está?

- muito melhor agora meu bebê, ouvindo sua voz.

De repente Obito ficou mudo, os sentimentos de ambos eram de culpa, pesar, dor, tristeza profunda, e Madara sabia de tudo isso, Hashirama entrou na sala e viu Madara parado, Kagami e Fugaku estavam apenas olhando, Obito não respondia e Madara decidiu se manifesta ainda que ouvisse uma palavra malcriada do outro lado da linha.

- fala comigo, amor.

- pai, eu estou voltando pra casa.

- o que? Você está voltando?

- eu sei de tudo que está acontecendo ai, a rede de Tókio não para de informa sobre o Rasa e a relação com a Akatsuki, eu estou voltando, sou desembargador, assim que vocês capturarem o Rasa, eu vou jogar esse puto na cela mais fedorenta e profunda do Japão e de lá ele só saiu num paletó de madeira.

- perfeito filho, eu estou lhe esperando.

- então e isso meu velho, eu já vou pegar o voo, em quinze horas estarei ai.

- maravilha, um beijo meu amor.

- tchau pai.

Assim que Obito desligou Madara caiu no choro, foi deslizando até o chão, mas Hashirama o abraçou e o colocou no colo, Fugaku o abraçou e depois Kagami, os três Alfas ficaram ali tentando consolar o amor de suas vidas, os Alfas tinham um amor especial pelo ômega que os colocava no mundo, e Madara era um ser bastante querido, até por essa razão Madara sentia tão forte a rejeição do filho caçula.

Um pouco mais longe dali Gaara estava brincando com seu bebê e Itachi no jardim, Naruto estava com Sasuke fazendo um picnic no mesmo lugar, e Yashamaru estava sentado num banco observando os casais, Shisui estava observando de longe o loiro sentado, Shisui estava tão concentrado que nem percebeu a chegada de Sai, o atirador de elite ficou admirado de ver um Alfa como Shisui babacado por alguma coisa, então resolveu se manifestar dando um tremendo susto em Shisui, acabou rindo de seu superior.

- porra! Sai, você chega de mansinho, para de rir da minha cara, caralho!

- nunca pensei que o grande Shisui iria ficar todo bobo por um ômega bem mais velho.

- quem disse que eu estou de olho em alguém, tá maluco?

- gosta do ômega.

- fico alegre que ele esteja bem, quando vocês resgataram ele, o homem era só pele e osso.

- mas agora está bonito, tem olhos lindos, uma pele bem clarinha, uma bundinha bem empinada.

- já chega Sai, vai procurar o que fazer.

- sim senhor patrão, mas olha? Quem não chora não mama, se fica só olhando vai vir outro, e depois não adianta fica putinho.

- vai te fuder, moleque.

Shisui sabia que Sai estava certo, porém Yashamaru era muito mais velho que ele, doze anos mais velho, o que seus pais pensariam? Como poderia conversa com um ômega cheio de traumas? O que Yashamaru pensaria de sua ousadia? Pelo menos o levaria a sério? Essas perguntas deixavam o moreno em conflito. Shisui queria conversa com alguém sobre isso, mas quem? Itachi? Viraria piada, era melhor esquecer, ainda era jovem, encontraria um ômega mais novo e mais bonito, tinha certeza disso, ou só queria se enganar mesmo.

- Sai?

- oi Kiba fala ai.

- que tomar um café comigo?

- o que?

- um café.

- por que está me convidando?

- por que você é bonito, e inteligente, eu gosto do seu jeito.

- Kiba, eu não estou interessado.

- certo, desculpa, esquece.

- fala serio!

Yamato não sabia ao certo quantas pessoas já sabiam que seu filho não era um homem completo, mas não gostou de ver Kiba dando em cima de seu menino, Yamato chegou com o Inuzuka assim que ele dobrou a esquina e perguntou o que queria com Sai, Kiba ficou todo assustado e disse que só queria conversa conhecer Sai melhor, já que havia terminado ressentimento com seu namorado, durante a conversa Yamato percebeu que Kiba não sabia de nada, então Yamato foi mais categórico.

- nunca mais chegue perto do meu filho com intenções que não sejam relacionados ou trabalho de polícia, entendeu moleque?

- sim senhor chefe!

- Kiba, eu arranco o seu brinquedinho com as minhas mãos, e sirvo no seu jantar com manteiga em cima.

- calma chefe, eu já entendi.

- vaza da minha frente.

Yamato era o terror dos betas, e nunca ninguém entendeu isso, ele era pai de um “beta”, porém ele tratava Sai como se o rapaz fosse uma porcelana, a contradição deixava todo mundo com a pulga atrás da orelha. Depois de deixar Yamato, Kiba acabou se chocando com Shino que ia distraído na mesma direção, Kiba pediu desculpas, Shino disse que a culpa era dele, então foi Shino quem dessa vez fez o convite do café, sendo atendido com um grande sorriso pelo carente Inuzuka.

- está preocupado com o Obito.

- ele está voltando, e ainda me odeia.

- Madara, meu amor, a culpa não foi sua, se alguém tem que se culpar aqui e o próprio Obito.

- não se atreva a brigar com nosso filho.

- não vou permitir que ele te trate mau.

- por favor, Hashirama, ele passou cinco anos longe de mim, eu não suportaria perde-lo de novo.

- está bem, eu não vou procurar brigar, mas você é o meu esposo, o meu amor, a pessoa que mais prezo nessa terra, se ele te machucar de alguma maneira, eu não vou ficar calado.

- entendido.

Durante toda a tarde Madara ficou angustiado e olhando para o lado de fora da casa, Itachi se divertia com o ciúme de seu pai Fugaku, Sasuke achava fofa a forma como seu velho amava tão possessivamente seu papi, Gaara ficou feliz em saber que os Alfas tinham esse vínculo tão forte com seus genitores isso significava que seu filho o amaria da mesma maneira que ele o amava, Kagami só estava sentado na sala, mas por dentro se roendo exatamente como Fugaku, Shisui observava Yashamaru do corredor, e o loiro sabia que estava servindo de adoração para aquele jovem Alfa, algo que estava começando a incomodá-lo além de que, Ashy tinha uma preocupação ainda maior seu selo.

As dez horas todos decidiram que já estava ficando tarde e decidiram jantar, Madara não saiu da janela, e Hashirama iria tentar convence-lo pela quinta vez quando enfim o carro chegou a entrada da casa Obito saiu cheio de malas, os serviçais foram pegar as coisas do rapaz e deixaram que ele seguisse sozinho sem nada nas mãos e entrasse em sua casa, ao passar pela porta o moreno deu de cara com Hashirama e Madara, o moreno só fez pegar Madara nos braços e erguê-lo num abraço.

- onde é que já se viu sai de casa, dá aquele desgosto e todos o tratam como se nada tivesse acontecido.

- calma paizão, o senhor está destilando muito veneno, não vá morde a língua agora.

- cala boca Itachi.

Obito chorava feito uma criança e Madara não estava muito diferente, o rapaz pedia desculpas, implorava pelo perdão de seu papi, lógico que Madara perdoaria, havia esperado por aquele momento tinha cinco anos, ao descer Madara no chão Obito se ajoelhou e pediu mais desculpas, beijou as mãos de Madara, beijou os pés também, Madara o tirou do chão e disse que o amava demais, Hashirama ficou parado e sério o tempo todo, a verdade e que Hashirama tinha uma certa chateação por Obito ter feito Madara sofrer, a culpa do que havia acontecido não era de Madara, era do próprio Obito por nunca ter imposto limites a Zetsu.

- vamos jantar, vamos todos para a mesa.

- pai, o senhor me perdoa?

- Obito, se eu disser que não te perdoou o Madara não vai deixar eu dormir com ele, então te perdoou por ele.

- Hashirama!

- papai está certo meu amor, eu lhe fiz sofrer, eu estava errado, a verdade e que eu fui embora não por que eu achava que o senhor era o culpado pela perda do meu neguinho, mas por minha causa, eu deixei isso acontecer, e não conseguia me conformar.

- Zetsu está vivo.

- como?

- Obito, este e Yashamaru, ele foi sequestrado pela Akatsuki, ele viu o seu esposo no covil daquela corja, Zetsu está vivo, meu bebê.

- ele está vivo, o senhor tem certeza?

- ele é importante na organização, e o médico que faz os partos dos ômegas, vacina os Alfas e transporta de forma segura os órgãos para o mercado negro.

- transformaram meu neguinho num criminoso.

- ele é obrigado a fazer isso, se não fizer e torturado.

- o que? Eles torturam ele?

- se não fizer o que o líder manda, eles surram de chicote e depois passam sal e vinagre nas feridas.

- ONDE FICA ISSO?

- eu não sei.

- Obito, se acalme meu irmão, vamos montar uma estratégia.

- Fugaku, amanhã cedo, nós vamos nos reunir e colocar todos os pingos nesses is, eu voltei para resolver esse problema e agora com certeza eu resolvo.

Fugaku odiou a maneira autoritária de Obito em tentar parecer o novo imperador do Japão pra cima dele, mas Itachi tocou em seu ombro e tentou explicar ao pai que se fosse Mikoto no lugar de Zetsu, Fugaku faria a mesma coisa, no jantar todos comeram de cabeça baixa, a tensão havia voltado como se ninguém estivesse seguro de verdade, apenas Madara estava radiante com toda a sua família novamente reunida.

- amanhã será um longo dia.

- sim chefe.

- Yamato, quero você nessa reunião, será meu pai, meus irmãos, meu filho, meu sobrinho e você como meu braço direito.

- sim senhor, eu me sinto honrado.

Yashamaru estava passando com sua bengala até seu quarto quando se desequilibrou Shisui o aparou e foi empurrado por um loiro nada satisfeito com a ousadia do jovem Alfa, Shisui pediu desculpas, mas Yashamaru já estava pelo pescoço com aquele menino, havia passado o dia todo o seguindo e o observando.

- o que você pensa que eu sou?

- eu só queria ajuda-lo.

- você acha que eu sou idiota? Só por que sou um ômega isso não significa que estou disponível para qualquer Alfa a hora que qualquer um desejar.

- o senhor e mesmo tio do Gaara.

- não gostar de meu sobrinho, a pessoa que mais amo nessa terra, só piora os maus pensamentos que tenho sobre vós.

- senhor Yashamaru, não acho que seja idiota, não acho que seja um pedaço de carne, eu estava passando e o vi quase caindo, pensei em ajuda-lo.

- passando? Assim como só estava passando quando ficou o dia inteiro me analisando no jardim, ou quando estava sentado na sala de estar, o senhor vive passando e me olhando muito para quem está num palácio tão grande quanto este.

- quer a verdade, gosto de você.

- o que aconteceu com o senhor de alguns segundos atrás?

- gosto do senhor.

- ah! Alfas não gostam de nada, eles só se importam com o tamanho de suas pirocas, e a vontade de fuder o maior número possível de ômegas e mulheres com consentimento ou sem, desculpe não estou interessado em ser brinquedo de moleque, arranje um mais novo, por favor.

Yashamaru entrou em seu quarto e Shisui deu um soco na parede, o moreno foi para seu quarto e lá socou mais quatro vezes a parede, em contra partida Yashamaru estava sentado na cama com um grave problema, o selo ômega que ficava em seu pulso havia sido removido há anos pela Akatsuki, a dor do cio era insuportável, ele já havia passado por ela várias vezes, só de pensar em sentir uma dor tão profunda seus olhos já se enchiam de lágrimas, se Shisui queria usá-lo, usaria também no momento que fosse preciso.

Assim que o dia amanheceu Obito mal conseguiu tomar café, o moreno estava ansioso, nervoso, queria começar a reunião, Fugaku comeu umas panquecas de frutas feitas com muito carinho por Mikoto, Itachi estava feliz Gaara não queria larga Itan e isso era tudo que Itachi queria na vida, Sasuke e Naruto ainda não haviam acordado, Shisui não quis comer e Yashamaru o olhou com um certo pesar, Kagami tomou leite com sucrilhos, Hashirama seu café com pão, queijo, presunto, ovos, bacon e iogurte, Madara tomou um achocolatado com mamão.

- todos já comeram? Hora da reunião, vamos meus filhos.

A reunião foi num escritório que mais parecia um mini auditório, numa mesa redonda os filhos de Hashirama se sentaram, com Yamato, Itachi, Shisui, e Madara, Yamato estranhou o ômega participar da reunião, mas já era do conhecimento de todos os Alfas do Japão, que Hashirama não escolhia nem o travesseiro sem a aprovação de seu adorado, pois Hashirama não amava Madara, o Senju o venerava de corpo e ama.

- certo, vamos começar.

- Shisui foi quem descobriu que Rasa era o líder da organização Akatsuki, Obito.

- fale meu sobrinho.

- bem tio Obito, o cartão foi trazido por Naruto Uzumaki lá de Suna.

- o beta?!

- sim Yamato, quando o Rasa invadiu a casa do tio Fugaku para sequestrar o Gaara, o Sasuke montou uma equipe para invadir Sunagakure e tentar conseguir alguma prova que incriminasse o monstro, Naruto se passou por um Alfa, usando as roupas e o sinete do Itachi, eles conseguiram um pendrave com os vídeos do Rasa matando a esposa e a prisão do Yashamaru, além de um cartão chamado Akatsuki, bloqueado, que eu só consegui desbloquear por que o senhor Yashamaru tinha a senha.

- o ômega fez isso?!

- Sasuke, não chame meu filho pelo gênero Yamato, não admito.

- perdão chefe, e que eu estou surpreso.

- por falar em Yashamaru, ele sabe de muita coisa, por que diabos não está nessa reunião, vá busca-lo Shisui.

- eu?!

- sim sempai, vai buscar o senhor ômega.

- ok! Já estou indo.

O coração de Shisui não havia se recuperado da patada do dia anterior, mas naquele momento a última coisa que poderia acontecer era Shisui se deixar levar pelos sentimentos, tinha muita coisa em jogo, o jovem bateu no quarto de Yashamaru e quando a porta abriu, o moreno fez uma cara séria, a mais séria que conseguiu fazer e disse que Yashamaru estava sendo chamado na reunião, o loiro estendeu os braços, ainda não conseguia andar com todas as suas forças, Shisui o colocou no colo e o levou até o escritório, o cheiro de Yashamaru era tão gostoso as suas narinas, e o loiro parecia está se sentindo bem em seu abraço, talvez só precisasse insistir mais um pouquinho, pensou.

- aqui está.

- seja bem vindo senhor Yashamaru.

- me chame apenas de Yashamaru, Madara-sama.

- então tire esse sama daí.

- senhor Yashamaru, por favor, nos diga exatamente o que aconteceu quando o senhor infelizmente foi parar nas mãos daqueles miseráveis.

- era aniversário do meu sobrinho, ele estava completando seis anos, eu iria fugir do país com ele, iriamos para o Brasil, eu havia descoberto que Rasa matou minha irmã, e também que ele estava contrabandeando órgãos para o exterior, Rasa tinha contatos de vários países, todos interessados nos bebês Alfas, havia um cartão magnético todo preto com um símbolo de uma nuvem vermelha no centro, a senha estava escrita nesse cartão, “ômegas no poder”.

- a senha é ômegas no poder?

- sim.

- foi com essa senha que eu desbloqueie o cartão que o Naruto recebeu das mãos do Rasa, tio Obito.

- mas por que justamente um Alfa machista pra um caralho, teria como senha o nome ômegas no poder, não faz sentido pra mim, chefe!

- pode ser por que ele sempre foi obcecado pelo Gaara e teria colocado essa senha por ser o nome da banda dos moleques.

- mas Gaara tinha cinco anos quando eu descobri isso.

- não faz sentido.

- continue Yashamaru, por favor.

- uma mulher de cabelo azulado, com um origami de rosa branca no cabelo junto com um homem de cabelo laranja cheio de piercing bateram na minha casa e ele começou a me bater, me chutou no chão, quebrou minha costela me levou para o carro deles, era preto com nuvens vermelhas assim como a roupa que usavam.

- eu matei esse bandido.

- que bom menos um filho da puta no mundo.

- com certeza.

- eu fui jogado dentro do carro e depois colocaram um capuz totalmente preto na minha cabeça, o carro era muito veloz, e em algumas horas estávamos numa estrada difícil, o carro subia e descia como se estivéssemos atravessando no meio das pedras, e de repente começamos a descer.

- uma descida?

- sim, imperador, uma descida, depois dessa descida o carro seguia numa estrada completamente plana, e quando ela ou ele conversavam, dava para se ouvir um tipo de eco.

- um cano, esse esconderijo e subterrâneo.

- Itachi!

- Pai, Yashamaru acabou de dizer que passaram por uma estrada de difícil acesso e depois desceram, não existe uma cidade de grandes descidas e subidas no Japão, as estradas são planas, se o carro desceu e por que foi para o subterrâneo e se tinha eco e por que atravessaram um cano bem grosso.

- estamos começando a montar um lugar, sempai, continue.

- eu fui levado a uma sala, onde ouvi claramente o som da voz de um ômega.

- um ômega?

- sim senhor, ele me disse: você foi um mal garoto, você deveria saber que nosso gênero nasceu para servir, nasceu para buscar o melhor dos Alfas, você traiu o pacto sagrado dos ômegas, e merece ser punido.

- mas que conversa maluca é essa?

- ouvi ele chamar um homem chamado Kakuzu, e ele me levou para fora da sala, daí então ele tirou o capuz que cobria meu rosto, ele me levou pelo colarinho do kimono, arrastado até uma espécie de laboratório lá estava o Zetsu.

- como ele estava?

- magrinho, com olheiras, demonstrando uma depressão profunda, eu temi quando ele chegou perto, mas daí ele me mostrou a marca ômega no seu pulso.

- meu neguinho.

- Zetsu me examinou, colocou uma faixa e tirou a luxação da minha costela, tirou sangue para fazer alguns exames, e depois me examinou intimamente, Hidan foi quem apareceu depois e perguntou se eu estava pronto, Zetsu disse que eu precisava de repouso, ele levou um tapa no rosto tão forte que o fez cair por cima de uma maca, mesmo assim ele não permitiu que Hidan me levasse.

- desgraçados, todos vão pagar.

- quanto tempo você ficou lá?

- no laboratório, duas semanas, eu via ômegas chegando e sendo examinados, eu via ômegas dando a luz, eu cheguei a ajudar em quatro partos, Konan ficava ali junto de Kisame, um homem tubarão, assim que o bebê nascia Kisame pegava o ômega ainda com sangue saindo de sua barriga e o levava para longe do bebê, Zetsu limpava a criança e depois entregava a Konan, ele fumava um cigarro de maconha depois disso, era para aliviar sua enorme culpa.

- que horror.

- depois que eu tive que sair do laboratório eles me levaram para a prostituição, um Uzumaki chamado Nagato tirou meu selo, e então eu virei carne para os Alfas que vinham de toda parte comprar o corpo dos ômegas daquele lugar.

- como eram as ruas?

- a cidade e circular, não tem esquinas, parece uma grande redoma, os carros entram através do sinete Alfa, escolhem um ômega e tem relação num motel de luxo que fica no centro da cidade.

- então essa cidade não existe, e uma cidade criada para esse fim.

- isso significa que ela teria que ficar num lugar totalmente desabitado, Hashirama.

- precisamos pesquisar cidades que nunca se reergueram depois da guerra.

- isso meu filho.

- antes de Rasa me tirar de lá, eu conheci um ômega sequestrado, ele me disse uma coisa que me tirou de rota, mas ao mesmo tempo não acreditei nele, não sei se estava louco pela situação traumática, ou se pode está com razão.

- o que ele te disse?

- que o líder da Akatsuki é um ômega.

- Rasa nunca se curvaria a um ômega.

- por isso não acreditei nele.

- espere! Faz sentido.

- Madara?!

- a senha é ômegas no poder, ele disse ao Yashamaru que ele traiu o gênero deles, ou seja, o líder se incluiu nesse “deles”, pode ser um ômega.

- acho impossível.

- Yamato, me deixe fazer uma pergunta.

- sim Madara-sama.

- se eu pendurasse você pelos pés, e fizesse um corte no seu rosto, um pequeno corte apenas para lhe deixar com um pouco de sangue na cara, e depois liberasse vários ratos para matarem você comendo a sua cara, você me respeitaria como seu líder.

- pelo amor de Kami, meu bem, o que isso?

- responda Yamato.

- sim eu o aceitaria.

- se curvaria diante de um ômega, para salvar sua vida de uma morte lenta, cruel e horrível.

- lógico.

- o líder da Akatsuki é um ômega, vovô tem razão.

- Alfas, senhores são mais fortes por que são racionais o tempo todo, mas um ômega amargurado e pior que o próprio diabo, pois é dominado pelas suas emoções, se amamos, amamos muitos, e se odiamos, queremos que sofram, desaprendemos o significado de misericórdia.

- se estamos lidando com um ômega louco, podemos considerar uma outra hipótese, Rasa não foi salvo pela Akatsuki, eles podem ter resgatado para mata-lo.

- e assim estaríamos atrás da pessoa errado, para sempre, nunca o acharíamos.

- então está decidido, Shisui procure por cidades devastadas pela guerra que nunca foram reerguidas, assim que achamos mandamos os soldados para lá.

- certo.

- estão batendo na porta.

- quem é?

- SOCORRO! DATTEBAYO!

- o que houve Naruto?

- Sasuke, meu neko-chan foi sequestrado, dattebayo!


Notas Finais


O que pode ter acontecido para esse ômega ficar assim?
Quem é esse ômega?
Por que sequestrar o Sasuke?
Como ele passou pela segurança do palácio imperial?
Zetsu e mocinho ou vilão?
Será que ainda vai morrer mais gente?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...