História Cookie moon - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bts, Doença, Drama, Jikook, Jimin, Jungkook, Kookmin, Morte, Pxyeol, Romance
Visualizações 55
Palavras 2.124
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


boa leitura

Capítulo 1 - Capitulo Único: luar de cookies


A vida de Jungkook era, de fato, algo divertido. A escola de tornaria algo indispensável para o menino. Entretanto, começava a passar cada vez mais mal.
                 

 E finalmente teve de entrar naquele hospital.

Dias iam se passando, e o pequenino continuava sentado naquela cama de hospital. Tufos de cabelo caiam frequentemente e iam embora junto com sua alegria. Jungkook deixou de ser o mesmo. Sorrisos eram fáceis de se tomarem do garotinho, risadas tranquilas e doces, tão quanto ele. O lábio superior sumia de tanta alegria e o deixava totalmente vermelho, na maioria das vezes por nenhum motivo. Uma borboleta poderia pousar em seu nariz, logo Jeon ficaria animado e sorridente.

                                                                                            (...) flashback (...)

        Um garoto animado de quatro anos, perto de seu aniversário. Balões grandes de personagens distintos, como exemplo o homem aranha. Yoongi decorava a casa inteira para o dia mais alegre do ano, o aniversário de seu filho. Seokjin não teve a mesma paciência que o marido, estava quase tendo um infarto. Seus coleguinhas chegavam, logo Taehyung pulava em cima do amigo e o enchia de beijinhos largando um presente em suas mãos.

     Seok animado pegava todos os presentes e guardava no quartinho do filho, para que abrisse-os mais tarde.

      Com uma tossida alta, Gukkie chamou a atenção de todos, tampada com a mãos. O menino sorriu para as pessoas como se não fosse nada. Seus pais correram até si e abriram suas mãos, nas quais estavam molhadas de sangue. Deu um sorriso sem jeito, não é isso que queria para seu aniversário.

     — Jeonguukie-ah, você está se sentindo bem? —  Min passou a mão no cabelo do garotinho, que em seguida sorriu gentilmente.

      —  Sim, appa! — fez um biquinho — Eu vou brincar com o Taehyungie, não liga, é só dodói.

    Yoon o olhou assustado e assentiu sem reação.

          — Primeiro, lave suas mãos.

    Ordem dada e cumprida. Guk foi até o banheiro e lavou as mãos, pensando até quando esconderia isso de seus pais. A falta de ar eliminava qualquer possibilidade de brincar, é claro que não diria! Faria de tudo para esconder.

       Contudo, Yoongi e Jin se mantinham a par de situação do filho. Ele ia passando cada vez mais mal, e isso fazia que os próprios estivessem abismados com a situação. Já que o garotinho sofreu de uma complicação grave quando pequeno e foram alertados para qualquer coisa estranha que o acontecesse.

      Na manhã seguinte, após o aniversário, estavam no hospital,  esperando uma resposta positiva do médico. Porém, o doutor pediu vários exames estranhos, dizendo que algo estaria muito errado com Jungkook.

   Yoongi e Jin trocavam olhares cheios alegria. Todavia, se perguntavam as mesmas coisas:

    "Isso não é uma notícia ruim, certo? Devem ser apenas exames de rotina."

    "Nosso filho está bem, ele está! É claro que está"

     O único problema é que Jeon não estava nada bem. Os exames mostraram que o garoto precisava urgentemente de um transplante. E esse, sem dúvidas, é um dos grandes problemas a se enfrentar.

                                                                                             flashback[off]

    Os olhinhos, antes brilhantes com qualquer ação, já não possuíam a mesma áurea e, sim, se enchiam de lágrimas juntamente com as bochechas que se avermelharam e o nariz que insistia ter extrema coriza. A lembrança do seu péssimo aniversário de cinco anos  ainda o atormentava.

Depois do ocorrido, Jungkook, agora se mantinha triste. E inquieto, sem conversar com os pais. Afinal, uma informação como “Jungkook, você tem câncer’’ não fora uma das melhores que já recebera.

Apesar de já se ter passado exatamente cinco meses desde o ocorrido, nunca se esquecera daquilo. Jin fazia questão de lembrá-lo com todos os possíveis cuidados excessivos e todas as neuras, repreendendo tudo o que o garotinho fazia. Seu medo dilacerava  a infância já abalada de Jungkookie.

Em meio a um de vários corredores do hospital Saint Peace, pacientes, enfermeiros, médicos em plantão e acompanhantes passavam constantemente por ali. E, entre as silhuetas adultas, via-se um garotinho de cabelos rosados. Nada fora do comum além de mais um filho que possuía pais doentes e internados. O olhar do garotinho de cabelos chamativos se direcionaram para o pequeno Jungkook.


    As orbes negras do mais velho – vulgo Jeon Jungkook — olhavam, inquietas, o menininho atrás da porta mostrando apenas um lado de sua cabeça com um suposto medo de conversar com ele. Um medo que talvez Gukkie pudesse findar, já que, sem nenhum receio, mexeu os dedos dando a entender que o rosado poderia aproximar-se.

        Em passos lentos, cheios de dúvidas e  nervosismo, Jimin aproximou-se aos poucos, mantendo seu olhar nos olhos do mais velho, no qual ria internamente, tentando ser o mais atencioso possível com o outro. Pensava em como um novo amigo não seria nada mal para ele. Em um suspense criado por Park, tudo se desenrolara mais lentamente até o momento de sua língua e seus lábios formarem alguma palavra de saudação. O rosado segurava um ursinho marrom em um dos braços, dando um ar mais fofo a si mesmo, que corava a cada risadinha baixa soltada involuntariamente por Jungkook.

       Jimin deixou seu urso na beira da cama, porém, não tirava os olhos de Jeon nem por um segundo. Os olhos  chamativos do garoto vagavam por toda a extensão da cama que o outro se encontrava, rodeando os lugares mais imprevisíveis e constrangedores.

   Jiminie abaixou o rosto, esperando alguma “iniciativa” do mais velho que, por coincidência, já não aguentava mais o silêncio irritante que estava presente no quarto.

  Suas mãozinhas gordinhas pegaram o ursinho da beira da cama, arremessando-o na cara do mais velho. As únicas palavrinhas que saíram da boquinha carnudinha do mais novo foram:

    — Você quer brincar comigo? — Jungkook olhou para o ursinho que segurava e, em seguida, deu um sorriso disfarçado para o rosado.

              — Sim!

                                (...)

Jungkook se perguntava o porquê daquele menino sempre voltar para lhe ver, levando um de seus ursinhos fofos e seu sorriso enorme junto. Entretanto, adorava as visitas do garotinho estranho. Seus pais viam os dois brincando e, apesar de não gostarem que Min se apegue a alguém, adoravam o verem sorrir bobo pelo menininho.

Ao cair da noite, ele contava animado sobre o que aconteceu no dia. E dessa vez, somente dessa vez, contou-lhes do menino dos cabelos rosados. Ah, Jungkook-ah não poderia estar mais animado ao contar do menino estranho com o seu ursinho. Jin sorria para seu filho, gostando da ideia de lhe vê-lo feliz. Com certeza foi uma das melhores noites que Jungkook tivera em meses.  

Dormiu animado, já imaginando acordar e encontrar seu possível amiguinho. Porém, neste dia, Jimin não apareceu. Jungkook passou horas esperando o menino estranho aparecer em seu quarto, vestindo seu melhor pijama e com sua touquinha do superman. Decidido de nunca tirar a casquinha quando o menino estivesse perto, não queria mostrar sua carequinha decadente. Dias foram se passando e a esperança de ver o coleguinha de cabelos rosas acabando.

Pobre Jungkook, não sabia que Jimin se amargurava no quarto de sua omma, morrendo de vergonha de ter entregado seu ursinho. Sua omma dizia que era para tentar se aproximar do menino, vergonhoso seria se sumisse do nada, não?  

Park é um garoto quieto e sensível. Sua própria omma dizia isso. Seu filhinho é o mais doce, transbordando inocência. E a mesma via os sentimentos de Jimin pelo menino que entregou o ursinho. Como era de se esperar quase explodiu de fofura — mesmo doente — e incentivou o filho a ir até ele novamente.  

E lá estava Jimin, depois de semanas, na mesma situação. Tapando-se pelo urso gigante, foi até a cama de Jeongguk, que dormia tranquilamente, cansado de esperá-lo por todos os dias.

Tirou o ursinho de sua frente e olhou de canto, vendo que o garoto dormia. Seus olhinhos brilharam.

— Ele é tão bonitinho — sussurrou e tampou-se de novo com o ursinho, com medo que Jeongguk ouvisse.  

As bochechas de Jimin ardiam de vergonha de seus pensamentos. Queria tanto apertá-lo como apertava todos seus ursinhos. Mas se repreendia, afinal, que pensamentos “eladinhos”.

Suspirava pesadamente, quando finalmente tomou coragem! Fez uma das coisas mais ousadas, segurou firme na mão de Jungkook. Ah, seu rostinho novamente ardia, nunca tinha pegado na mãozinha de alguém que goste. Para seu azar, o outro abriu os olhos, Jiminie fez força demais ao apertar.

Ele viu o menino de cabelos rosas e deu um sorriso enorme para o outro. Park estava para morrer, e quase entrar no seu urso. Kook achava isso uma graça, e ao contrário de Jimin, nunca foi demasiadamente envergonhado. Apertou sua mão e a de Jimin e fez a seguinte pergunta:

— Qual é seu nome, ursinho?             

                                                                                  Tempos depois

         A amizade entre Jungkook e  Jimin evoluiu aos poucos — em passos de tartaruga, para ser mais exato.  As visitas de Jiminie com seus enormes ursinhos inseparáveis se tornavam cada vez mais frequentes. Park não abria mão de seus brinquedos especiais e muito menos de uma boa companhia.

       Infestar o quarto do mais velho com mais e mais ursinhos era o jeito peculiar de Jiminie agradecê-lo. Jeon não possuía coragem de recusar um presente de seu amiguinho, pois o sorriso que brotava em Park depois  de trazer seus presentinhos não eram de se jogar fora. E, de novo, Jungkook se perdia em mais uma de suas ideias malucas de viver como um criança normal.

          —  Jungkook-ah,  para onde você está olhando? — disse Jimin, agarrado a mais um de seus ursinhos.

         —  Jiminie… Um dia você virá me visitar e eu não estarei mais aqui. —  O mais velho desvencilhou-se do conforto de seus cobertores aconchegantes.

       Jungkook não sabia mentir e, mesmo que aprendesse, não mentiria para o pequeno Jiminie. Sua omma e seu appa choravam em todas as visitas quando olhavam para ele. Jeon sabia o que ocorreria; sabia o que aconteceria. Às vezes, na calada da noite, seus padrinhos Hoseok e Namjoon vinham visitá-lo e imploravam para que não contassem nada para sua mãe.

Hoseok e Namjoon alegavam que ele não demoraria muito para se transformar em uma estrelinha.  Yoongi chorava em sua frente todas as vezes que dizia aquela frase, porém, Jungkook deixara há muito tempo de ser uma criança boba; estrelinhas estão no céu, logo, entendia isso e também sabia que ele também iria para o céu como uma estrelinha.

     — Como assim, Jungkookie? — o mais velho riu em resposta à tamanha inocência de Park e, ao mesmo tempo, chorava por dentro em ter de deixá-lo uma hora ou outra.

      — Eu vou virar uma estrelinha, logo, logo — Sorriu gentilmente, alegrando o de cabelos rosa.

       — Jimin também quer virar uma estrelinha para ficar bem do ladinho do Jungkook. —  Manuseou seu ursinho, imitando o jeito de falar de um adulto.

      — Você já brilha como uma estrelinha, Jiminie.

      — Se Jimin brilha, o Jungkookie tem o sabor de um sol. — Abraçou ainda mais seu ursinho.

      — Qual é o sabor do sol?

     — É parecido com o de cookies… E cookies lembram você, Jungkookie. Por isso você tem o sabor do Sol; o Sol brilha como você e cookies são redondinhos como o Sol... — o pequeno sussurrou a última parte.

       — Uma pena que nunca experimentei-os.

      Jimin correu até o quarto de sua omma e tirou de sua pequena mochila um pacote de guloseimas. Foi correndo até o quarto de Jeon com o ursinho ainda consigo. Tirou um biscoito do pacotinho  e estendeu a Jungkook, que o pegou receoso, mastigando lentamente a novidade.

     — Hmmm... É gostoso! — Mastigava sorrindo com os dentes todos manchados pelas gotinhas de chocolate contidas no biscoito.

     Enquanto isso, Jiminie planejava como iria ficar do lado de Jungkook. Se ele virasse uma estrelinha, faria questão de estar ao seu lado.

                                                                                             (....)

       Depois de muitas visitas ao amigo mais velho, um dia, a cama de Jeon amanheceu desocupada, assim como seu quarto hospitalar. Park não sabia o que havia ocorrido nem onde estava seu amiguinho; apenas um ursinho de pelúcia que ele havia dado para Gukkie estava ali, sozinho,  em cima da cama. O garotinho correu até a pelúcia e viu uma parte descosturada e, dentro, um pequeno papel dobrado.

          "Jiminie, eu vou virar uma estrelinha"

   Park sorria e não fizeram nenhuma questão de esconder sua alegria. Jungkook virar uma estrelinha  antes dele, mas, ainda assim, ele daria um jeito de afastar as outras estrelinhas de Jungkook para ficar do seu lado.

      — Jiminie, e aquele seu amiguinho do quarto ? — sua omma perguntava caminhando ao seu lado, segurando uma de suas mãozinhas. Os dois passavam em frente ao quarto em questão, enquanto ela procurava por Jungkook. Jimin sorriu, olhando o desenho que seu amigo havia deixado fixado na parede.

      — Ele virou uma estrelinha que brilha como o Sol, mamãe. —  Abraçou seu ursinho.

                      "estrelinha estrelinha"

   A única dúvida que restava na mente do pequeno Jiminie era o resultado de uma estrelinha com outra estrelinha que Gukkie havia desenhado. Porém, essa resposta só o próprio Jungkookie poderia responder.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, até mais <3

obs: a fanfic foi repostada (betagem por JMH) (capa por red)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...