História Coração De Demônio - Capítulo 17


Escrita por:

Visualizações 64
Palavras 4.570
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Comédia, Crossover, Drabble, Drabs, Drama (Tragédia), Droubble, Ecchi, Esporte, Famí­lia, Fantasia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Fluffy, Harem, Hentai, Lemon, LGBT, Lírica, Literatura Feminina, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Orange, Poesias, Policial, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Seinen, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Shounen, Slash, Sobrenatural, Steampunk, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá meus demônios favoritos... 😊 ❤❤
Tudo bem com vocês? Espero que sim ^^

Era pra estarmos no capítulo vinte mas "alguém" magicamente excluiu quatro ou três capítulos do livro, só recebi a notificação quando os capítulos já tinham sido retirados do site. Não vou repostar os que excluiram porque eu não sou palhaço :3 quem acompanha o livro já deve ter lido até aqui então só vamos seguir em frente, felizes, sorrindo e... eu nem vou reclamar do site :)

Vamos de capitulo novo então? Segue o baile!

Desculpem qualquer erro no capítulo e espero que gostem.

~Boa Leitura~

Capítulo 17 - Noite


Fanfic / Fanfiction Coração De Demônio - Capítulo 17 - Noite

O céu está bastante escuro e já não existe sol para iluminar as forças das trevas, que insistem em rondar Evan, mesmo durante o dia, algo triste viaja pelo ar, lentamente, sem que nem mesmo os olhares mais atentos percebam.

Duas pessoas, já conhecidas por ele, são as que estão prestes a entrar no caminho do jovem, mesmo que Evan ainda não saiba disso. Toda a tristeza que o dia bastante frio traz, logo cairá sobre alguém, em algum momento mas nem mesmo Evan, que está sempre atento a tudo, consegue perceber algo errado já acontecendo.

Maite, ainda deitada em sua cama, calmamente procura algo em seu celular, quando vê uma mensagem chegar, rapidamente a abre.

- Faça logo ou eu farei! -

- Porque eu iria fazer isso com ele? Eu o amo e ele sabe disso. - 

- Porque sabe que ele é um monstro, se você ficar perto dele vai acabar sendo morta ou... presa. - 

- Eu não sei se tenho coragem de machucá-lo, espere a minha decisão e se não quiser esperar, pode mandar a polícia atrás de nós, estaremos longe quando eles chegarem, sem contar que você não sabe aonde estamos.  - 

- Eu vou mesmo, vocês sequestraram o meu filho, se não matar ele em duas horas, eu irei com a polícia até ai e vocês dois serão presos! -

- Faça isso porque eu não vou machucar ele, é uma ótima pessoa e se te odeia é porque você mereceu isso, vadia! - 

Guarda o celular e levanta-se da cama, segue ao banheiro, onde toma um banho rapidamente e retorna ao quarto para vestir-se, após terminar segue ao quarto de Vincent, se aproxima da porta, está apenas encostada então a empurra lentamente. Evan, recupera o domínio sobre o seu corpo e se senta no sofá, a respiração está ofegante, o jovem está claramente assustado, levanta-se e se aproxima rapidamente do berço, pegando logo o filho nos braços. 

- O que aconteceu ? - Maite observa o amigo, que ainda tem a respiração ofegante e os olhos arregalados. 

- Eu vi alguma coisa entrar no quarto e pegar o Vincent. - explica rapidamente abraçando forte o filho. 

- Tudo bem mas me entregue ele, você está todo suado. - Maite sorri, está um pouco nervosa e aflita mas pega Vincent dos braços do moreno. - Foi como todos os pesadelos que você  teve antes? - 

- Não foi, esse foi mais real. - Evan responde ao deixar o quarto do filho, sendo acompanhado por Maite, que na porta do quarto dos dois, observa o moreno abrir o guarda-roupas e começar a escolher algo para vestir. 

- O que você vê nesses sonhos que te assustam tanto? - questiona ela se sentando na cama. 

- Eu vejo um homem que está sempre com a mesma roupa... as vezes ele me persegue e acaba me matando, eu não sei direito pois já o vi tantas vezes... - após pegar sua roupa, vira-se para sua amiga e se aproxima da mesma, está ainda na porta do quarto dos dois.

Na porta mas antes de deixar o quarto, escuta o seu celular tocar, retrocede alguns passos e aproxima-se da cômoda perto da cama, abre uma das gavetas e pega o celular, rapidamente entra em sua conversa com James no whatsapp, ao ver a imagem que acaba de receber, deixa cair o celular de sua mão. Maite rapidamente aproxima-se do moreno, já um pouco assustada após ver a expressão assombrosa no rosto do amigo.

- O que foi Matt? - pergunta ao curvar-se para pegar o celular, assim que faz, vê a foto de James amarrado em uma cadeira e sangrando bastante. - Ai meu Deus! - exclama quase boquiaberta.

- Porque alguém faria isso, o James não fez nada com ninguém. - Evan diz ao retroceder mais alguns passos lentamente, senta-se na cama, começando logo a pensar no primo.

- Foi a Angel, não foi? - Maite pergunta se aproximando, percebe rapidamente as lágrimas, que começam escorrer pelo rosto do amigo, todas vermelhas.

- Sim, acho que foi ela e talvez o Alexandre também mas... se eles querem jogar tão baixo, eu vou fazer isso com eles. - responde soltando um leve sorriso em meio as lágrimas e no mesmo instante, os  olhos do moreno tornam-se vermelhos como fogo. - Preciso tomar banho,  arrume uma mala porque nós vamos voltar para Devil's Heart hoje! - exclama ao levantar-se, deixa o quarto rapidamente.

Maite rapidamente pega uma mala e começa  colocar algumas de suas roupas junto com algumas peças de Vincent, ela e o amigo são naquele momento, duas mentes com pensamentos completamente opostos afinal, Maite sabe que Angel pode estar esperando os dois, ao lado polícia toda de Devil's Heart então não pensa em retornar à cidade ao lado do amigo. 

Enquanto faz sua mala apressadamente, passa a escutar o moreno praticamente gritar no banheiro, ainda com Vincent nos braços, se aproxima da porta do banheiro para escutar o que o Evan diz, o que consegue escutar faz o seu corpo rapidamente arrepiar, já temendo por sua segurança pois Evan parece estar descontrolado.

- Vocês acham que vão sair disso vivos? - 

- Não Evan... dessa vez é você quem vai ser pego. - 

- Eu vou voltar e quando você menos esperar, vou matar os dois e destruir a sua família, matar todos que levem o seu sangue, desgraçada! -

- Você não vai fazer isso pois nós podemos revidar, se você quiser que tenha mortes terá mas... se entregar o meu filho, nada vai acontecer e eu esqueço isso para depois conversarmos. - 

- Não tem nada para esquecer, você começou com tudo isso sua vadia, eu vou te matar se encostar no meu primo, juro que vou te matar Angel! - 

- Venha logo e traga o meu filho ou... o seu querido James vai morrer, ele já apanhou bastante e está sangrando muito então tenha pressa! - 

- Eu vou amar matar você, te prometo isso Angel, eu não envolvi ninguém da sua família, resolvi o que tinha para resolver apenas com você. - 

- Foda-se você e as suas ameaças, agora eu estou no comando e eu digo, devolva o meu filho seu maldito! - 

- É bom estar no comando, não é? Está gostando bastante disso? Espero que esteja porque você vai morrer em breve! - 

- Eu estou amando... traga o meu filho seu doente! - 

- Você me quer em Devil's Heart... tudo bem, eu vou voltar amor! - 

- Venha logo, estou esperando para te ver novamente. - 

 

- MALDITA! - grita ao jogar o celular contra a parede do banheiro após Angel encerrar a chamada.

Tira suas roupas e entra debaixo do chuveiro para o banho, que foi bastante rápido, após desligar o chuveiro, veste-se apressadamente, calça jeans escura e uma blusa simples preta. Deixa o banheiro à passos largos e retorna ao quarto, onde Maite está sentada ao lado de sua mala, já pronta. 

- Estamos prontos já? - pergunta pegando a mala em cima da cama. 

- Sim, estamos mas você não acha melhor pensar no que fazer antes de ir? - se levanta e acompanha o moreno até a sala da casa.

- Não, eu já sei o que fazer, eu vou entrar naquela casa e matar a Angel, vai ser simples e rápido. - Evan diz colocando os óculos para cobrir o vermelho intenso de seus olhos. - Me empresta o seu celular, eu quero falar com o Alexandre. - 

- Matt, senta aqui. - Maite diz o puxando pelo braço então os dois se sentam no sofá. - Você está se precipitando, e se for uma armadilha dela? - 

- Que se dane, me empresta logo o celular, eu quero falar com aquele desgraçado. - Evan diz cerrando os punhos, acerta um soco em sua perna, está furioso como nunca antes, pensar que Angel possa ter machucado James o deixa descontrolado, a ponto do jovem não pensar em nada que não seja matá-la.

- Não, eu não vou emprestar e você vai vir comigo agora mesmo! - Maite diz ao pegar a mão do amigo, que se levanta e caminha, a acompanhando. - Você vai ficar aqui até que pense em um plano pois não pode simplesmente sair assim, estou com um mal pressentimento Matt. - ao aproximar-se do local, abre a porta do quarto. 

- Eu não posso fazer isso, o James precisa de mim. - o moreno comenta deixando novamente algumas lágrimas vermelhas escorrerem por seu rosto então Maite o abraça. 

- Tudo vai ficar bem, esfria a cabeça enquanto eu preparo um chá para você, pode ser? - o aperta em seus braços antes de soltá-lo e  deixar o quarto.

Na cozinha da casa, ela preparou um pouco de chá para o amigo, a bebida de cor escura, logo ganha algumas gotas do conteúdo vermelho de um pequeno vidro que Maite pegou em seu bolso, pensando não ser o suficiente, vira o conteúdo todo do vidro dentro do copo e mexe o chá com uma colher algumas vezes, comprou o veneno caro e indicado por Angel no dia anterior.

Coloca o pequeno Vincent no andador, que está encostado na cozinha e beija a testa do mesmo suavemente. 

- Vai ficar tudo bem com você, eu prometo. - sussurra olhando para o bebê e em seguida vira-se e pega o copo na mesa, caminha rapidamente até o quarto, onde ao entrar encontra o amigo, que sentado na cama, bate um dos pés apressadamente no chão. - Deite-se Matt, descanse, você teve um pesadelo então garanto que não deve ter descansado nada essa noite. - 

- Você não entende... eu preciso ir e matar ela. - levanta-se e ao se aproximar, segura Maite pelos ombos, apertando forte o local. - A Angel está sempre no meu caminho, tentando me ferrar de qualquer maneira. - 

- Não, você vai ficar mais um pouco até pensar no que fazer, nós dois juntos podemos pensar em algo, eu sei disso Matt! - guia o amigo até a cama então se sentam juntos, lentamente tira os óculos dele, expondo os olhos do jovem, que brilham em um vermelho intenso. - Beba isso, você vai se acalmar. - entrega o copo à ele, que aceita rapidamente. 

- Eu não sei o que aconteceu Mai, não queria machucar ninguém mas por isso estamos aqui, entende? Eu queria que tudo ficasse bem... - explica antes de tomar um gole do chá. 

O coração da garota pulsa tão rápido, que mais parece um motor, está com medo e assustada diante do amigo, não deseja fazer tal coisa mas a situação é difícil, Angel pode denunciá-la pelo sequestro de Vincent e sua mãe, pode contar o que ela fez à Evan, que no final, a mataria após descobrir que Maite sempre o enganou.

- Eu sei Matt, ninguém vai mais se machucar agora, apenas fique calmo. - diz olhando para ele que se deita na cama, ainda chorando um pouco e observando a bonita garota ao seu lado. 

Aquele estranho, que veste branco e sempre esconde-se da garota, aproxima-se do moreno, não permite que o mesmo o veja, apenas o ouve, contar o que Maite fez com o próprio amigo.

- Eu não posso porque... agora sei que você me enganou também Mai, eu te amei e fui sincero com você... - revela o que acaba de saber por aquele que o acompanha. - O Vincent não é o meu filho e você sabe disso, sempre soube. - as lágrimas passam a cair com mais intensidade, enquanto o corpo apenas relaxa lentamente após o efeito da bebida feita pela garota.

- Como sabe disso? - assustada, levanta-se da cama do amigo. - Eu não tive outra opção, quando entrei no apartamento da minha mãe, o seu filho já não estava mais lá e eu não poderia dizer que simplesmente o perdi pois você me mataria. -

- Como eu sei disso não importa agora afinal, eu estou morrendo mesmo, não é? - questiona ainda deixando algumas lágrimas vermelhas seguirem, mostra um leve sorriso em meio as mesmas ao voltar a escutar as palavras daquele que o acompanha.

- Eu queria que fosse diferente mas não tive escolha, me desculpe por isso. - 

- Eu nunca vou perdoar você por isso, você é igual a Angel! - a voz já lhe falta um pouco.

- Eu tive que fazer isso, a Angel pode me entregar para a polícia e ela estava me ameaçando, o sentimento amargo da rejeição me deixou um pouco sem saber o que fazer... talvez eu tenha feito a coisa errada mas me desculpe... - não se aproxima do amigo mas derruba algumas lágrimas por ele, ao ver os olhos do mesmo se fecharem devagar.

Antes de deixar o quarto, ainda mostrando algumas lágrima em seu rosto, o vê sorrir abertamente mas ainda de olhos fechados. Maite segue até a cozinha, onde pega Vincent e mais à frente, na sala da casa, pega a sua mala e deixa o local com o bebê.

Caminha rápido pela rua pouco movimentada, vira-se para trás, após escutar o som alto e estrondoso, vê aquela que até poucos segundos atrás, era a sua casa, agora em chamas. Alguns vizinhos deixam as suas casas para olhar o triste acontecimento, enquanto Maite, volta a caminhar apressadamente para deixar o local.

Angel está ainda na casa do amigo, onde na companhia de Alexandre, deixam tudo preparado para quando Evan chegar mas algo no plano da garota, que para ela, parece até então perfeito, já se quebrou e... isso a jovem não consegue ver ainda. Convenceu e planejou matar Evan ao lado de Alexandre, Angel até pode ser esperta para algumas coisas mas pelo caminho de seus objetivos, deixa partes grandes faltando.

James permanece na sala da casa, amarrado afinal, levou alguns golpes de Alexandre, que ainda segue os planos de Angel pois já traiu  o amigo e sabe que não tem mais escolha, ao lado de Angel é o único em que ainda pode estar. 

No começo, bom... no começo foi tudo por dó de Angel mas a garota é esperta e usou bem esse sentimento para manipular e colocá-lo ao seu lado, nada é muito diferente de outras situações cotidianas pois sempre tem aqueles que comandam e os que cumprem as ordens, antes foi guiado por Evan e agora está sendo por Angel, enquanto terminam de ligar os botijões de gás na porta de entrada da casa, ambos ainda pensam que podem matar Evan, não sabem que tudo já esta acabado pois o moreno já está morto.

- Porque você está fazendo isso Angel? - James pergunta levantando o seu olhar para a garota, que está com o celular dele nas mãos, enquanto supervisiona Alexandre ligar vários fios extremamente finos na maçaneta da porta. 

- O seu primo não te contou nada, não foi? - sorri sarcasticamente ao se aproximar de James. 

- O que ele deveria ter me contado? - o gosto de sangue nos lábios por consequência dos golpes de Alexandre, é forte.

- Por qual parte quer que eu comece? A de que ele é um sequestrador? Uma aberração, um psicopata ou assassino? - questiona olhando para ele, enquanto senta-se calmamente no sofá. 

- Pode começar por qual quiser, sei que algumas coisas são mentiras, ele errou algumas vezes mas foi porque queria ficar perto do filho. - 

- Você é tão inocente James... tão doce, não merece o primo que tem. - Angel diz rindo. - Ou melhor... não merece estar apaixonado pelo primo que tem, você não sabe da missa a metade garoto babaca! - 

Alexandre o olha brevemente mas parece não se espantar ao descobrir tal coisa, estar apaixonado por alguém tendo o mesmo sangue da pessoa é comum, pelo menos por ali, a estranheza típica de Devil's Heart.

- Então me conta, temos tempo já que não posso ir a lugar nenhum agora, não é? - questiona ao olhar novamente para as suas mãos, amarradas na cadeira. 

- O seu querido primo matou uma pessoa e por isso eu o denunciei, era o certo a fazer pois ele é um assassino, que foi preso e então  conheceu o Alexandre, no dia da fuga incendiou o presídio todo e matou não uma mas centenas de pessoas, centenas de pessoas James, isso é algo que uma pessoa boa faria? - termina ao sorrir sarcasticamente.

- Continue contando... - 

- Depois que ele conseguiu fugir derrubando sangue de pessoas inocentes pelo caminho, me trancou no porão e foi embora com a Maite para que os dois pudessem recomeçar suas vidas em uma nova cidade e detalhe, ele fez isso tudo bem debaixo do seu nariz e você, pouco percebeu porque como eu disse... ainda é inocente demais. - se levanta e aproxima-se da porta, onde Alexandre ainda brinca de se enrolar com os fios. 

- Parte disso é mentira! - James sente algumas lágrimas escorrerem por seu rosto então Angel se vira novamente para o mesmo. 

- Eu sei que é difícil acreditar mas ele não é uma boa pessoa, desculpe por dizer tudo isso dessa maneira para você. - sorri da maneira mais cínica possível.

- E porque eu estou aqui? - 

- Você está aqui porque o Evan vai querer te salvar, ele vai vir com tudo mas nós vamos queimar ele da mesma maneira que faz com todas as suas vítimas. - 

- Por isso os fios na porta? - questiona  olhando para Alexandre, quase suando para preparar a armadilha na entrada da casa.

- Sim, os fios estão ligados aos botijões e ao fogão da cozinha, assim que ele abrir a porta tudo isso vai explodir, o matando no mesmo segundo. - Angel responde virando-se para Alexandre após o mesmo entrar na sala. 

- Poderia me ajudar? Está difícil fazer isso. - diz Alexandre e logo volta para a porta, a garota se levanta em silêncio e o acompanha. 

- E porque ele está fazendo isso? - 

- Agora está fazendo apenas para não morrer pois se o seu primo continuar vivo, vai matar nós dois então é a vida dele ou a nossa mas não se preocupe, antes de tudo explodir, eu vou te tirar daqui pois nunca quis causar mal nenhum a você. - 

- Ah... nossa, muito obrigado, você é tão boazinha Angel. - James ironiza enquanto observa os dois mexendo na porta da casa. - Talvez o Evan tenha feito coisas ruins mas vocês dois são iguaizinhos a ele. -

- Pode ser mas... eu acho que sou muito mais louca que ele. - Angel comenta sorrindo, enquanto ajuda Alexandre no trabalho à ser feito por ali.

As horas passam e logo a noite chega, por fim os dois conseguem deixar tudo pronto, na sala da casa, os três se encontram bastante nervosos, temendo o que pode acontecer quando Evan retorne. Próximo às dez horas da noite, Angel recebe uma mensagem de Maite, dizendo ter conseguido o que a loira havia pedido. 

- Ela conseguiu matar ele. - Angel diz olhando para Alexandre que sorri, um pouco mais aliviado, enquanto James, assusta-se ao escutar tal notícia.

- Ele não pode ter morrido... - diz olhando para ela, que aproxima-se e se curva, encarando os olhos marejados do garoto. 

- Desculpe por isso, eu sinto muito James. - 

- Como ela conseguiu fazer isso? - Alexandre pergunta se sentando no sofá. 

- Exatamente como eu disse para ela fazer, envenenando ele. - Angel responde se sentando ao lado dele com o celular em mãos e olhando para a tela do mesmo. - E tem mais... ela disse que está chegando aqui, acabou de chegar na cidade. - sorri ao terminar de ler a mensagem de Maite.

- E se... ela estiver mentindo para nos fazer abrir as portas para ele entrar e nos matar? -Alexandre questiona olhando para a garota, que rapidamente desfaz o sorriso e a coloca-se a pensar. 

- Pode ser... tudo bem, por isso nos precavemos e preparamos uma armadilha, se for mentira, ele vai morrer logo ao entrar aqui para nos matar e nós, assistiremos tudo de camarote. - se levanta e volta a caminhar pela sala, de um lado para o outro enquanto pensa. - Eu acho que ela não seria capaz...  - 

- Todos vocês são capazes, vocês são doentes! - James exclama entre as lágrimas que caem por seu rosto.

- Vocês... mas e o seu primo? - Alexandre pergunta sorrindo ao levantar-se. 

- É verdade James, se todos nós somos doentes, o Evan também é. - Angel diz se sentando novamente no sofá.

- Ele não é assim, espero que nada tenha acontecido ao Evan e que ele mate vocês dois! - 

- Não vai ser tão fácil assim. - Angel diz sorrindo. - Ele precisa morrer para que eu fique com tudo o que é dele, irei dar um jeito de matá-lo se a Maite já não tiver feito isso. - sorri abertamente.

- Porque? - 

- Apenas porque eu quero viver com o meu filho em paz, sem nenhum doente maldito atrás de nós pois estaremos gastando todo o dinheiro dele. - 

- Então me solte e se ainda estiver vivo, eu posso conversar com ele e acabar com tudo isso, todas essas desavenças irão acabar. - James diz e logo a vê revirar os olhos. 

- Você não conhece o Evan mesmo... ele não vai conversar sobre nada, vai apenas matar quem estiver no caminho dele e isso eu garanto, se estiver vivo vai matar qualquer um que queira, eu já vi como ele fica quando muda, os olhos ficam vermelhos por completo e ele se torna outra pessoa, alguém completamente cruel e frio. - Alexandre explica se aproximando do mais novo.  

- Com certeza, se ele ainda estiver vivo vai matar todos aqui sem pensar duas vezes, vamos sair logo da casa! - Angel diz ao se levantar então Alexandre solta as mãos de James e logo os pés do mesmo.

- Não tente nada ou eu atiro em você. - Alexandre alerta encostando a arma nas costas de James, que com dificuldade acompanha Angel.

Os três saem pela porta dos fundos e fazem a volta na mesma, ficando em frente a casa de Evan mas do outro lado da rua, entre algumas árvores e por sorte, não está chovendo, apenas venta bastante. 

James, que tem a visão mais clara possível da situação, está com um arma apontada para suas costas, o cano gelado da automática é talvez um pouco mais frio que o vento gelado de Devil's Heart, o faz arrepiar-se completo. 

Maite, chega no local, caminhando apressadamente pela estrada mas interrompe os passos em frente a casa do amigo, cobre o rosto de Vincent, que está envolto em uma manta devido ao frio que faz por ali. Respira fundo olhando a porta de entrada da casa, dando em seguida o primeiro passo para se aproximar mas ao escutar alguém a chamar, vira-se, encontrando novamente Angel,  que não se aproxima muito da garota de cabelos vermelhos.

- Me entregue ele. - pede a garota e logo Maite faz. - Você realmente o matou? - 

- Sim, eu fiz exatamente como você disse mas isso não vai ficar assim Angel... - Maite responde se aproximando de Angel que rapidamente se afasta um pouco com Vincent nos braços. - Eu não vou machucar você. - 

- Como eu posso saber? - Angel pergunta e logo se vira, aproxima-se de Alexandre. - Pode soltar ele, o Evan morreu e já eu tenho o meu filho de novo. - sorri olhando para o bebê em seus braços.

- Você está livre agora garoto, obrigado pela ajuda. - Alexandre diz sorrindo e empurrando James, que se aproxima de Maite. 

- Aonde o Evan está? - pergunta olhando para a garota que demora para responder, está bem agasalhada, veste um moletom cinza que cobre o objeto em seu pescoço. - O que aconteceu com ele? Diga! - pede novamente.

- O Evan está morto... - responde ocultando o que James já sabe, que foi ela quem matou  amigo. - Me desculpe James. - pede o vendo curvar-se lentamente, se senta no chão.

A imagem do primo é a única que vem à mente quando o coração aperta após saber que não voltará a vê-lo novamente, mais uma vez o rosto de James se mostra acompanhado por lágrimas,  frias como a noite em Devil's Heart. 

- Agora que tudo acabou... eu preciso fazer uma coisa que quero fazer a muito tempo. - Angel diz entregando Vincent a Alexandre, se aproxima de Maite calmamente. - Isso é por você ter pegado o meu filho! - exclama antes de acertar um soco no nariz da garota de cabelos ruivos, que cai devido ao forte golpe.

Maite se levanta com sua mão ao nariz, percebe está sangrando mas mesmo assim, não pensa muito antes de revidar o golpe, acertando Angel no rosto, as duas caem no chão, brigando com unhas e dentes, sem exageros. Alexandre decide interferir e separar as duas mesmo tendo Vincent nos braços. 

- Segure o seu filho porque eu não sou babá. - diz ao entregar Vincent para Angel, que não está machucada, apenas com os cabelos bagunçados, parece ter acertado mais vezes do que foi acertada. 

- Era só isso, agora vou para casa com o meu filho e eu espero nunca voltar a ver nenhum de vocês! - vira-se e passa a caminhar pela estrada, Alexandre a acompanha, tenta falar com a jovem mas a mesma o ignora completamente afinal, já  conseguiu tudo o que desejava.

Os dois que ficam ali, permanecem em silêncio durante alguns minutos, a garota aproxima-se de James e se curva, ficando frente ao garoto.

- James, me desculpe, eu não tive escolha pois a minha mãe estava me ameaçando e a Angel dizendo para fazer isso com ele então eu fiz, era o único jeito de não acabar morta. - observa o garoto que abraça os joelhos e olha para o chão. - Me desculpe, eu também o amava, James olha só... eu não devia te contar isso mas agora que tudo acabou, você ainda pode ter alguém para lembrar ele em sua vida. - 

- Do que está falando? - James ainda sem olhar para ela questiona.

- A minha mãe me ameaçava pois ela trocou os bebês, aquele que eu entreguei para a Angel, não é o filho dela e do Evan. - 

- Então o Evan não conheceu o filho dele antes de morrer? - levanta o olhar para ela, que assente timidamente.

- Infelizmente não e eu sabia disso a algum tempo mas não disse pois já sabia que ele iria me matar, eu fiquei com medo. - 

- Mas que porra! - diz entre dentes e cerra os punhos com força.

- Você quer ficar com ele? Eu posso buscar ele e te entregar, farei alguma coisa boa em meio a toda essa merda! - exclama se levantando devagar após James fazer o mesmo. 

- Não, eu quero que o Evan volte! - exclama ainda triste pela morte de Evan, vira-se rapidamente, olhando para a casa do primo após o clarão no local, seguido pela explosão forte.

Maite, assim como James, observam a casa de Evan em chamas, essas, em segundos retrocedem, dando lugar a escuridão completa da noite fria novamente.

Ao ver tal pessoa absorver as chamas da explosão com as mãos, Maite rapidamente se vira e deixa o local mas no desespero e buscando sair dali, entra correndo em meio as árvores, enquanto James apenas permanece olhando para ele, boquiaberto e bastante assustado.


Notas Finais


Gostaram? Comentem aqui em baixo!!
Obrigado por lerem, espero que tenham gostado.
Bjinhos de escuridão 😙❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...