História Coração Gelado, 40 Graus Apaixonado - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Alzack, Aries, Bickslow, Bisca Connell, Cana Alberona, Carla (Charle), Charlie, Droy, Elfman Strauss, Erza Scarlet, Eve Tearm, Evergreen, Frosch, Gajeel Redfox, Gildartz, Gray Fullbuster, Happy, Hibiki Lates, Jellal Fernandes, Jet, Juvia Lockser, Laxus Dreyar, Lector, Levy McGarden, Lisanna Strauss, Loki, Lucy Heartfilia, Lyon Vastia, Macao Conbolt, Makarov Dreyar, Mavis Vermilion, Meredy, Mirajane Strauss, Natsu Dragneel, Pantherlily, Ren Akatsuki, Romeo Conbolt, Sherry Blendy, Sting Eucliffe, Virgo, Wendy Marvell
Tags Coração, Fairy Tail, Natal, Visco
Visualizações 135
Palavras 3.189
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ecchi, Famí­lia, Festa, Hentai, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - Melhor Quente e Acolhedor


Fanfic / Fanfiction Coração Gelado, 40 Graus Apaixonado - Capítulo 4 - Melhor Quente e Acolhedor

Cap. 4

Melhor Quente e Acolhedor

{Na casa de Gajeel}

Nada em nenhum dos cômodos. Só faltam dois lugares para vasculhar: quarto e banheiro. Os dois não estão na cama. Epa! Vestígios de luta intensa aqui! E pelo visto foi das melhores. Camisas jogadas na janela, sapatos e sandálias virados ao contrário, calça e saia embolados no tapete... Sobre o lençol está uma cueca que se imagina ser do Gajeel, mas de alguma forma a possível calcinha de Levy foi parar debaixo da cama e...

Bem, o farrapo que um dia foi chamado de calcinha. Adentremos descaradamente e com cuidado o banheiro para ver o casal se banhando. Ora, ele parece envergonhado, mas está confortável com ela acomodada a sua frente na banheira. A maga está com o rosto abaixo do nariz mergulhado na água e acaricia o braço esquerdo dele lentamente. Eles estão com os joelhos para fora d’água quente e a moça se distrai de olhos fechados.

- Relaxando agora, camarão? – Gajeel sorri dando tapinhas no joelho dela com a mão direita – Disse-lhe que você gostaria uma vez que você estivesse dentro! Apenas não adormeça comigo ainda... – ela resmunga e suspira, olhando o reflexo da cortina laranja atrás da banheira pela janela, à esquerda.

- Como será que estão os outros no meio dessa neve toda?

- Ah, eles devem estar bem. Aqueles idiotas são mais resistentes do que o normal.

- Estou mais preocupada com as meninas. Mira e a Primeira disseram que tinham um plano para formar novos casais na guilda. Será que isso nos incluía?

- Não sei. – constrangido, ele coça a bochecha e olha para o teto – Mas se a gente estivesse no plano, as duas já esperavam que nós não participássemos da gincana?

- Talvez. De qualquer forma, eu estou bem com a ideia. – Levy ri e se recosta no peito de Gajeel (oh sim, e como não estaria?!).

- Ah é? – o Dragon Slayer sorri maliciosamente, abraçando-a pelo pescoço – E que tal se nós sairmos da banheira para termos mais uma rodada de diversão antes de voltarmos para a confusão na guilda?

- Ainda faltam quinze minutos para as dez. Planeja se divertir por tanto tempo?

- Com certeza! E eu acho que não devo ser o único me divertindo agora.

{Natsu e Lucy}

- Natsu. – a loira toca gentilmente o ombro do dragão – Natsu, nós precisamos ir.

- Ah Lucy, só mais cinco minutos. – ele pede com os olhos fechados, colocando a cabeça no colo da maga e circulando sua cintura com os braços – Tá tão quentinho.

- NATSU, LEVANTA! – ela o empurra e o coitado cai com tudo no chão.

Não, isso não era pra ser uma cena romântica. Lucy estava tentando acordar Natsu há cinco minutos para procurar o visco e voltar com um pouco de dignidade à guilda antes das doze horas. O problema era a preguiça medonha. Mas eu o entendo.

- Ei Lucy, por que fez isso? Doeu! – o Dragneel reclama massageando a cabeça.

- Você que tem culpa por dormir demais! Suas roupas já secaram, então se troque e vamos procurar de uma vez aquele visco antes de irmos embora! – ela sai da cama.

- Mas e a nevasca? – ele se levanta e olha pela janela – Ah, já passou...

- É, passou. Aquele gato preguiçoso parece ter ido embora. Que droga! Dormimos demais e, com certeza, alguém já deve ter passado na nossa frente! Ah, adeus meu lindo emagrecedor! – a maga estelar choraminga deprimida.

- Você queria aquela coisa? Pra quê? Você já é magra demais Lucy. – a loira cora.

- Obrigada. Mas se eu conseguisse a fonte que a Primeira e a Mira prometeram de prêmio, todas as minhas preocupações com calorias se acabariam. Bom... Agora já era.

- Isto é besteira. Não sei por que você fica regulando comida.

- É justamente para que possa me manter maravilhosa. Meu corpo é um templo.

- Neste ritmo ele vai virar um túmulo. – Lucy lança um olhar ameaçador para ele.

- Quer saber, talvez eu esteja mesmo exagerando. – a moça sorri e dá de ombros, andando até a sala – O Sting até me disse que eu já sou muito linda, então talvez eu não precise mesmo ficar mais magra.

- Opa, peraí! – Natsu corre atrás dela e eles param de andar a alguns centímetros do sofá – O que você disse? Como assim o Sting te acha “muito linda”?

- Foi o que ele me disse. Por quê? Por acaso você não concorda?

- Não é isto. – ora, alguém ficou constrangido e emburrado – O que vocês fizeram na caverna antes do Gray e eu chegarmos lá? – a maga enrubesce.

- Nada! Mas você e o Gray foram naquela caverna? Como a encontraram?

- Eu ouvi o grito do Sting. Lyon estava com ele e os dois contaram pra gente que você e a Juvia tinham se perdido no meio da nevasca. Como pôde aceitar ser parceira daquele idiota?! Ele não se importa com você.

- Não seja rude, Natsu! Sting pode ter sido nosso inimigo, mas ele não é mau.

- Como não?! Aquele bobão nem foi atrás de você depois de ter se perdido!

- Eu não estava perdida. Mais ou menos... – ela tosse para tentar disfarçar – Eu fui procurar o visco enquanto ele estava repousando. Sting machucou a perna. Você queria que ele piorasse de saúde naquele frio?

- Pior foi ter te deixado sair sozinha! Ele devia ter tomado conta de você!

- Fui eu que quis sair. Por que está implicando tanto com ele?

- E por que está defendendo esse imbecil? Você nem o conhece direito!

- Não é que eu esteja defendendo, só estou explicando o que houve para não ficar acusando ele. Além disto, eu sei me defender.

- Eu sei, mas é culpa dele você ter sido atacada pelo vulcan! Mesmo não gostando da parceria dos dois, eu acreditei que ele poderia te proteger no meu lugar!

Ah, agora chegamos no “X” da questão! O clima ficou, subitamente, silencioso e constrangedor. Lucy abre a boca algumas vezes, mas não consegue pensar em nada pra dizer. Irritado, Natsu bufa e dá meia volta.

- Esquece. Se quiser voltar para ele, pode ir. Eu vou procurar a Lisanna.

- Peraí Natsu! – ela segura seu braço e toma fôlego antes de falar – Desculpa por brigar com você. Eu agradeço por ter ido me salvar. Não sabia que a minha segurança era tão importante para você.

- É claro que é! Você é... – o Salamandra se contém e a deixa curiosa.

- Eu sou o quê? – o Dragneel fecha a expressão e inspira fundo, segurando os dois braços da garota e colocando-a contra o braço do sofá marrom.

- Lucy, você não é apenas a minha melhor amiga, ou a minha nakama. É mais do que isto. O meu coração bate rápido toda vez que tô perto de você. Ele tá batendo assim agora mesmo! Escuta. – ele cola o rosto dela em seu peito (uma atitude meio Erza) e acaricia seus cabelos – Com o tempo a minha vontade de ficar perto de você aumentou a cada dia. Eu gosto de te ver feliz, sorrindo, e não é só porque assim me livro de apanhar de você quando faço alguma besteira. – a loira ri de leve e fecha as mãos trêmulas sobre o peito dele – Eu adoro te ver se divertindo com todos da guilda. Isto me deixa feliz também. E se eu invado a sua casa o tempo todo, para dormir na sua cama, é porque o seu cheiro me agrada muito. – Lucy se arrepia, sentindo algumas lágrimas se formando – Não é só o seu perfume, é o cheiro que vem dos seus cabelos e de todo o seu corpo que me... Excita. – eu nem sabia que ele conhecia esta palavra – Para ser sincero, eu tentei te espiar tomando banho durante os Jogos Mágicos, mas a Erza não deixou. – ela levanta a cabeça rapidamente, muito corada.

- Natsu! Desde quando você se tornou um pervertido igual ao Gray?

- A culpa é sua! – ele volta a agarrá-la pelos braços – Gray é um bundão covarde! Eu disse isto hoje de manhã pra revidar, depois dele ter dito que eu perdia muito tempo, por não confessar o que eu sinto. Pois agora eu estou dizendo! E tem mais: quando a sua roupa foi destruída pela magia do Zirconis, eu adorei quando você veio voando do céu e caiu nua em cima de mim, como uma tarada louca, e me deixou pegar nos seus peitos! – o mago do fogo não deve ter pensado que jogando toda a verdade de uma vez ia receber um soco da amada no meio da cara.

- Primeiro: eu não estava agindo como uma “tarada louca”! Não tive culpa pelo Zirconis se interessar mais em carne de mulher e sumir com as minhas roupas para me devorar! Segundo: nem deixei você pegar nos meus peitos, você pegou porque quis!

- Exatamente! – ele levanta recuperado e ainda aparentando seriedade – Eu queria tocá-los diretamente há muito tempo e na hora eu tive essa chance! Só me esqueci de agradecer ao Zirconis. – e o Salamandra vai ao chão novamente com um único golpe!

- O que deu em você? – ela grita, tapando os seios – Até ontem era o cara mais inocente da Fairy Tail e agora...! – a maga pausa corada – Está querendo me dizer que...

- Eu gosto de você Lucy. – o mago confessa corado, sério e se levanta, desta vez tomando cuidado ao se aproximar – Não, eu te amo! Quero ficar sempre junto de você!

- Natsu... – ela murmura incrédula, mas feliz – Sério mesmo? Não sei o que dizer!

- Só diga que aceita ser a minha namorada. – a loira suspira quase dando pulinhos de alegria – E aí vamos nos casar e ter trinta filhos! – sorte ele ter desviado e o chute pegar no joelho – Ai Lucy, cuidado! Assim você vai matar os nossos futuros filhos!

- Ficou maluco? – ela diz isto, mas bem que gosta da ideia – “Trinta filhos”?!

- Sim, qual é o problema? Você prefere ter mais? – ok, sério agora, Natsu só usa a inocência quando convém!

- Vamos com calma, ok?! – a jovem, enfim, sorri – Eu aceito ser a sua namorada.

- De verdade? – a Heartfilia confirma com a cabeça e solta um gritinho surpreso quando o Dragneel salta na sua direção e a segura nos braços, rodando-a – Você não vai se arrepender Lucy! Eu vou sempre te proteger! Quando a gente voltar, vamos contar para todo mundo na guilda e na nossa casa...!

- Oi, parou! – a loira se debate e o Salamandra a põe no chão, ainda abraçando sua cintura – Como assim “nossa casa”? Você quer se mudar para o meu apartamento?

- Ué, eu não posso? Eu já era quase um morador fixo de lá.

- Mas se você vier, com certeza, eu não terei sossego. Sempre que você invade a minha geladeira termina vazia, o meu banheiro fica imundo e, de algum jeito, os meus móveis queimam. Além disto, aquele gato safado vai querer vir junto e aí eu vou poder dizer adeus à minha privacidade.

- Oh Lucy, então como você quer que a gente fique junto se você não me aceita como eu sou? – ótimo ponto.

- Eu aceito. Até posso aturar seu comportamento explosivo e descuidado, além da invasão de privacidade, mas não sei se consigo suportar o Happy entrando pela janela com cheiro de peixe todo dia e dando aquela risadinha maligna de “eles se gostam”. – ela enrola a língua e o faz rir.

- Eu peço para o Happy ficar longe quando nós formos namorar. – o dragão faz uma aproximação calculada.

- Bem... – este sorrisinho estranhamente malicioso é golpe baixo, Dragneel – Ok. Vocês podem vir para o meu apartamento. Mas não me culpe se fizerem estrago! E vai ajudar a pagar meu aluguel.

- Eu sempre ajudei. Além do mais, sem a sua casa, onde a gente vai engordar?

- O que isto quer dizer? – ela questiona de cara feia, mas logo sorri corada – Então somos um casal, oficialmente. – os dois riem – O que você quer fazer agora?

- Eu tenho uma ideia. – aquele sorriso malicioso retorna e o corpo dela se arrepia totalmente (ui São Jorge, aí vem o dragão!).

- Oi... É sério? Você está pensando em... – o rapaz afirma com a cabeça – Quer fazer aqui? Mas e a competição? Daqui a pouco termina o prazo!

- Você disse que não liga mais. – ele a imprensa contra o sofá de novo.

- É, mas... – uma corrente de frio repassa pelo corpo dela.

- Deixa eu te esquentar. – Natsu sussurra (sensualmente?!).

Lucy acaba aceitando a oferta (e qual mulher não aceitaria?). Quando eles já estão envolvidos em um amasso, acabam caindo no sofá e se ajeitam para começar a tirar as roupas um do outro. As correntes de vento já não incomodam tanto a loira, porque está mais entretida em arrancar suspiros do namorado. O Salamandra tá adiantado: só de sugar o canto dos lábios dela ou apertar os quadris a amada ofega.

Em pouco tempo resta apenas uma peça de roupa para cada um. Natsu abarca os seios da companheira com vontade. Tá ainda mais faminto do que o Gray. Ela curte a hora em que consegue arrepiá-lo, arranhando suas costas do começo ao bumbum. Logo a cueca do Dragon Slayer vai parar em algum lugar atrás do sofá, e a maga estelar quem tratou de se livrar dela. Os caninos do rapaz seguem direto para a calcinha.

O tecido fino que protege a intimidade feminina é arrancado com força, o que provoca um gemido de surpresa e prazer nela. Não devíamos ver, mas dane-se!

- Eu posso Lucy? – já não deve adiantar bancar o cavalheiro pedindo permissão.

- Claro. Mas tenha paciência comigo, tudo bem? Espere eu me acostumar. – Natsu confirma com a cabeça e sorri, chegando perto dela para distrai-la com mordidas nas orelhas até invadi-la por completo, e nesta hora aguarda ansiosamente diminuírem os gemidos e ofegos de dor (onde ele aprendeu estes esquemas?).

- Tá doendo muito Lucy? Desculpa. – ela tenta sorrir do jeito mais calmo possível.

- Tudo bem, já está passando. Se quiser, pode começar a se movimentar.

- Eu espero você se sentir melhor. – os dois sorriem e voltam a se beijar, até que mais tarde os movimentos sincronizados e excitantes iniciam, e daí em diante não para.

- Vai com calma Natsu! – a garota pede quando o Salamandra levanta sua cintura e a força a segurar em seu pescoço para ficar pendurada – Assim você vai me partir em duas! Eu vou quebrar! – senhor, que calor!

- Desculpa Lucy, mas não consigo parar! – tô passada com a resistência do sofá!

Embora a loirinha pareça reclamar, de fato, ela está adorando a selvageria dele. Cerca de seis minutos mais tarde, o clímax a atinge, mas não ele. O Dragneel ainda a invade por outro minuto, e quando consegue leva-la ao segundo orgasmo é sua vez de gozar. Mesmo assim, Natsu só vai parar de se mexer completamente após se derramar por inteiro dentro dela. Lucy parece ter saído do corpo.

Tá banhada de suor, branca, contudo sorri como se tivesse ganhado na loteria.

- Como se sente? Eu te machuquei muito? – o amado indaga com medo, erguendo os olhos, mas sem levantar a cabeça recostada no ombro esquerdo dela ou o corpo posto ao seu lado (tão fofo, selvagem e atencioso; quero!).

- Pelo contrário. Eu me sinto completamente feliz. – eles sorriem satisfeitos e vão recuperando seus fôlegos devagar – Só estou um pouco dolorida. Nunca imaginei que você fosse tão... Fogoso. – isto é apelido, querida.

- Então você já tinha pensando em mim desse jeito? – ich, se delatou amiga – Me imaginou pelado? – quem não imaginou?! (Opa, corta isto da filmagem!)

- Não! – agora não adianta negar – Sei lá. Não faça estas perguntas! – ele ri e fica sobre ela, admirando-a calado por um tempo.

- Fico muito feliz por ter feito isso com você. Eu te amo muito Lucy.

- Eu também. – a moça acaricia os cabelos dele – E fico contente por ouvir isto.

- Então eu vou repetir todo dia! – o Salamandra dá aquele sorriso cativante de criança – Será que agora vou poder tocar nos seus peitos sempre que eu quiser?

- Claro que não! Tem hora para isto. – ela tosse – Quer dizer, ah... – Natsu ri.

- Você às vezes tem uma cara de mãe Lucy. – Lucy o encara com estranheza – É sério! Você faz muito isso com o Happy e comigo: briga quando fazemos algo que não gosta, cozinha pra gente... E até a sua cara de agora, enquanto mexe no meu cabelo.

- Sou assim porque vocês agem como crianças mesmo. E que cara estou fazendo?

- Uma alegre, com o olhar distante e calmo. Eu gosto disto.

- Neste caso, para ver o meu rosto sereno assim, vai precisar se comportar.

- Mas aí não tem graça! – o dragão reclama, então ambos riem antes de ele voltar a deitar de lado, cheirando o pescoço da moça.

- Posso perguntar com quem você aprendeu a ser tão... Natural sobre... Você sabe.

- O que fizemos? – ela afirma com um aceno de cabeça – Ah, eu escutei algumas dicas numa conversa com o Laxus e os outros. Eles falaram que a gente devia ter muito cuidado para as garotas de quem gostamos não se machucarem, e que devíamos ter mais iniciativa... Coisas assim. – a maga estelar segura o rosto do amado e levanta para si.

- Está querendo me dizer que os caras experientes da guilda te disseram para fazer coisas assim? Tipo distrair minha atenção na hora, e falar aquelas coisas...? – a timidez dela está sendo superada pela curiosidade.

- É. Macao, Wakaba e até o vovô quiseram me aconselhar, e ao Gray e aos outros.

- Agora muita coisa faz sentido. – eu que o diga – Eles encheram as suas cabeças de perversão. Fico imaginando em que tipo de furada as meninas devem ter se metido.

- Ficou aborrecida Lucy? – a loira o fita e volta a sorrir, soltando suas bochechas.

- Não. Desta vez vou deixar passar, porque eles meio que nos fizeram um favor.

- Também acho. E o que vamos fazer sobre o visco? Quer voltar para a guilda? – a Heartfilia pensa um pouco e sorri.

- Não. – o rapaz amplia o seu próprio sorriso – Vamos ficar aqui mais um pouco. Acho que ainda temos a vantagem de umas três ou quatro horas. Melhor: vamos voltar amanhã. Happy sabe onde estamos.

- Sério? A gente pode ficar aqui? – Lucy confirma acenando e ele salta do sofá.

- Natsu! Espera, o que vai fazer? Veste alguma coisa, você ainda está pelado!

- Não tem ninguém vendo. Vem! – Natsu a segura no colo – Vamos pro quarto. Eu quero aproveitar todas as horas que nós ainda temos!

- Quê?! – a moça choraminga enquanto ri – Me deixe descansar mais um pouco!

Eu disse que o clima estava quente com Erza e Jellal? Aqui tá pegando fogo! Se o Gray estava faminto? O Dragneel está muito mais, posso dizer pelo seu sorriso antes da porta bater. Bom, boa sorte Lucy!

Continua...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...