História Coração Maligno - Fragmentados (Reescrita) - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Alan Deaton, Chris Argent, Corey Bryant, Decaulion, Derek Hale, Isaac Lahey, Jordan Parrish, Ken Yukimura, Kira Yukimura, Liam Dunbar, Lydia Martin, Malia Tate, Melissa McCall, Scott McCall, Theo Raeken
Tags Bruxas, Darkfic, Lobisomens, Loucura, Magia, Romance Gay, Sacrificios, Theo
Visualizações 15
Palavras 4.716
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Ficção Adolescente, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 8 - O plano de Théo


Autor Pov



Lydia havia saído do transe caindo em cima de seus desenhos, ainda ofegante e desorientada, já Willow havia desmaiado caindo para trás.

Melissa foi a primeira a se aproximar e cuidar deles.

Stiles – São 4 lugares encobertos pelas bruxas, graças aos desenhos de Lydia e projeção de Willow.


1) O depósito abandonado próximo ao nemeton, onde ouve o confronto final contra o Darach

2) A construção, onde estão fazendo um condomínio de apartamentos atraindo novas vítimas/moradores para Beacon.

3) O cemitério de Beacon

4) O centro da floresta.

Stiles – Só lugares confiáveis e nada suspeitos.

Théo – Não esperaria menos de nossos inimigos.

Argent – Estão muito distantes. Um grupo não vai poder ajudar o outro. E o grupo azarado, que resgatar Scott lidará com o pior que eles tiverem.

Stiles – Moleza!

Theo – Como perder um dente.

Lydia tenta levantar mas Melissa a segura.

Lydia – Preciso ajudar...

Melissa – Você mal consegue se manter de pé. Precisa descansar.

Lydia se deita ainda pálida.

Argent – Ainda temos menos 2 para ajudar, e sem Lydia perdemos muito poder de fogo.

Stiles – Está mais para berro mas tudo bem

Derek – Então Théo, qual seu plano.

Théo suspira.

Théo – É complicado, algumas bruxas tem dons, vidência, mediunidade.

Argent – Então planos não são muito úteis.

Théo sorri maldoso

Théo – muito pelo contrário...elas nem mesmo vão nos vê chegando



Autor Pov




Liam, Théo e Corey caminhavam em direção ao centro da floresta. Eles sabiam que seria difícil e por azar o carro só ia ate uma parte do caminho.

Corey – Théo...esse plano...vai dar acerto?

Théo – Eu fiz o plano...

Corey – É mas...

Liam – Seu último plano acabou com você preso no inferno gênio.

Théo – Mas sai não foi. Eu aprendi a lição, os heróis ganham através do poder da amizade....

Diz com deboche

Liam – Vai se danar.

Théo – vocês sabem que se eu tivesse sido menos egoísta...

Corey – E babaca e cruel.

Liam – Traíra e safado

Théo – acabaram?! Só estou dizendo se a quimera pack tivesse trabalhado junto as coisas poderiam ter sido diferentes.

Liam – Isso não tem nada a ver com você ter nos subestimado?! O bem sempre vence Théo e você não é bom.

Théo – Pode ate ser. Não espero ir por céu e tive uma grande prova do que me espera, graças a sua amiga Kira. Mas é o meu plano que vai salvar sua alcatéia e o rabo do seu alfa, pq você foi incapaz de fazer algo, então calado.

Liam rosna indo para cima de Théo mas Corey entra na frente.

Corey – Querendo ou não Liam precisamos dele.

Liam rosna socando uma árvore. Sua mão sangrava mas ele não parecia se importar

Corey suspira.

Corey – Como vamos achar...

Théo tampa sua boca e o faz se abaixar.

No meio da floresta havia um acampamento com homens armados e uma cabana velha e decrépita.

Théo – Parece que encontramos...

Sussurra para Corey.

Liam apenas bufa e se esconde.

Corey se camufla e anda pelo acampamento contando quantos homens e vendo quantas armas eles tinham.

Ele volta a ficar visível e suspira.

Corey – 7 homens com rifles e pistolas. Eles parecem ter treinamento...eles estão atentos a tudo.

Theo – Conseguiu vê dentro da cabana?

Corey faz “não” com a cabeça.

Liam – Será esse lugar ou uma armadilha.

Théo – Talvez os dois. Corey...pode me deixar invisível enquanto apago os caras?

Corey – Se atacar enquanto me camuflo vou me torna visível.

Liam – Então terá que ser do jeito antigo...

Théo bufa.

Théo – E se eu apenas aranhasse?

Diz mostrando suas garras e o veneno de Kanima escorrendo.

Corey engole em seco.

Corey – Se for so um arranham...

Liam – Mais o veneno age rápido, em humanos principalmente, eles vão desconfiar.

Théo – Não se você os distraísse...

Diz óbvio

Liam – Por acaso eu tenho cara de isca!? Como sei que não vai me abandonar para morrer.

Théo – O Corey.

Liam – Nossa me sinto muito seguro agora.

Corey – Vai a merda Liam!

Liam suspira

Liam – Foi mal...eu...

Corey – Não importa vamos logo Théo.

Corey segura Théo e logo os dois desaparecem.

Liam bufa mais corre chamando a atenção dos homens. Que não hesitaram em atirar. Porém Liam corre pela floresta se fastando do acampamento, correndo entre as árvores evitando os disparos dos cacadores mas acaba tropeçando e caindo em um buraco, uma armadilha.

Se amaldiçoando por sua sorte ele tenta sair mas não consegue.

Ele tenta escalar o buraco mas acaba caindo de volta ao fundo.

Logo um homem armado surge rindo.

Caçador – Olha o que eu encontrei!? Um lobinho. E aí lobinho procurando seu alfa!?

Diz gargalhando.

Liam explode de raiva e tenta escalar o buraco mas quando chega perto da saída o caçador puxa a pistola e acerta seu ombro.

O fazendo cair e gritar de dor.

Caçador – Esse é o beta do alfa genuíno!? Ele não te ensinou bem...

Caçador II – Ou estava tão decepcionado com o beta que se deixou ser capturado. Ele lutou como um verdadeiro alfa mesmo encurralado...agora você...

Diz com desprezo.

Mesmo ferido Liam sente seu sangue esquentar. Ele tenta sair do buraco de novo ouvindo as risadas e piadas.

Até que ouve apenas gritos.

Os caçadores se distraem e Liam consegue subir e vai para cima dos caçadores mesmo com o veneno em sua veias, aconito, ele rasga as gargantas dos caçadores e antes que perceba está encharcado de sangue e partes dos caçadores. Ele cai em meio aos corpos.

Vendo Corey e Théo se aproximando dele

Liam – O que eu fiz?

Diz olhando para cima com os olhos marejados

Liam – Scott nunca vai me perdoar...

Théo encarava o beta com o sangue pintado seu rosto e roupas olhando para as próprias garras em choque e perdido.

Ele bufa e acerta um soco em Liam que rosna para ele.

Théo – Pense nisso depois!

Corey – Théo...

Théo – Você quer salvar Scott ou não?!

Liam tenta se levanta mais acaba caindo fraco.

Corey – está ferido? Onde?

Liam – Ombro... acônito.

Théo – Segura ele Corey!

Théo se aproxima jogando Liam no chão e o segurando com a ajuda de Corey e enfia suas garras na ferida fazendo Liam grita. Sem dificuldade ele consegue achar a bala e retira enquanto liam se debate em baixo deles.

Quando saem de cima dele.

Liam emburra Corey e dá um gancho de direita em Théo o fazendo cair no chão.

Théo – Merda Liam!

Diz se levantando cuspindo sangue.

Théo – Pq só eu ganho um soco!?

Diz se levantando e limpando as roupas.

Liam – Pq eu sei que você aguenta.

Diz começando a caminhar indo em direção ao acampamento.

Porém após algum passos Corey pula sobre Liam e os dois caem no chão.

O espectro estava a frente deles girando suas laminas.

Corey e Liam se levantam e Liam se transforma.

Théo – Isso vai dar trabalho.

Théo resmunga



Hayden, Mason e Derek estavam no depósito. Derek estava tenso afinal aquele lugar despertava muitas memórias e muitas não eram boas.

Eles adentram no depósito abandonado fugindo dos ventos furiosos do lado de fora. E a porta se fecha atrás deles.

Derek resmunga tendo completa noção de tudo ao seu redor.

Scott não está ali.

Mason – Me diz que foram vocês que fecharam a porta...

Diz apertando a barra de ferro que carregava

Hayden – Não foi...

Derek – Se preparem!

Ele se agrupam e uma mulher deformada surge. Seu corpo saia um lodo negro e seus olhos eram brancos e leitosos. Sua boca era fina e roxa e seus cabelos negros e ensebados caindo em ondas sobre o rosto. E em suas mãos uma faca ritualística.

Ela sorri macabra e vai para cima dos seus inimigos afinal era apenas o começo.

Derek como o melhor lutador da Pack desvia com facilidade. Mas antes de atacar a mulher desaparece.

Ele suspira.

Não seria uma luta fácil.

Ele olha para trás vendo Mason segurando a barra de ferro pronto para atacar. Porém ele nota que Hayden está travada.

Derek – Hayden!

Ele grita

E como saindo de um transe ela pula voltando a si.

Por causa dessa distração o Espectro surge pulando sobre Mason mirando sua faca em sua garganta. Ele grita colocando a barra de ferro na frente.

O espectro desaparece e reaparece cortando as costas de Derek e como uma dança pula para o lado e enfia a faca até o cabo no estômago de Hayden.

Mason tenta acerta-la mas ela desaparece.

Mason – Vocês estão bem!? Derek? Hayden?

Derek – Estou vivo!

Diz nervoso. Hayden apenas grune.

Ele se transforma vendo o espectro girando a lâmina em sua mãos como se debochasse e o chama-se

Ele sorri indo para cima do seu inimigo com ou sem ajuda




Malia, Stiles e Gaybe andavam pelo cemitério tensos. Stiles com um taco de baseball de alumínio, cortesia do seu pai. E Gaybe com uma besta, cortesia do Argent.  Que apenas o ensinou o básico.Algo que o jovem agradece muito.

Malia suspira olhando em volta. O lugar era frio e monótono. Mas como todo lugar sinistro tinha uma Áurea pesada que fazia seus pêlos arrepiarem. Se ela ainda fosse uma coiote sem memórias, ela jamais se aproximaria de um lugar assim.

Gaybe – Gente estamos na direção certa?! Sabe é que você parece meio perdido STI.

Stiles – É Stiles para você, e pq chamaram ele afinal? Ele nem faz parte da alcatéia!

Malia – Eu sei lá...algo a ver com o plano do Théo e pensando bem nem Willow mas ele nos ajudou. E Kira você sabe...

Stiles – Que seja. Só estou dizendo que daríamos conta sozinhos sempre demos. Pq agora parece que é só dizer que quer ser parte da alcateia que todos entram. Daqui a pouco vamos ter que distribuir senhas.

Malia – Reclama com o Scott não comigo. Se ele estiver vivo Claro.

Gaybe – Vamos STI, seja como a Malia.

Stiles – Não me tente espertinho eu tenho um taco.

Malia – E eu tenho garras calados.

Malia para sentindo um calafrio familiar, algo que a fazia sentir perigo e seis instintos gritarem

Neblina começou a cobrir todo o cemitério fazendo os 3 se juntarem.

Gaybe – Merda! Acho que quase mijei nas calças...

Stiles – Nossa como se eu tivesse interessado em saber sobre suas partes!

Malia – Silêncio!

Sussurros e gemidos ecoam a volta dos 3 membros da Pack. Sons de ossos e passos.

Malia se transforma pronta para o combate da neblina um homem em decomposição surge, um cadáver, um morto vivo.

Malia chuta o cadáver é sem dificuldade quebra suas costelas arrancando o coração.

Malia – Moleza

Gaybe – Precisava mesmo disso.

O cadáver percebe a distração e agarra Malia pronto parra enfiar seus dentes podres em seu pescoço. Mas Stiles acerta a cabeça do cadáver o derrubando no chão e esmagando sua cabeça.

Stiles – Mortos vivos! Como odeio zumbis! É sério isso!

Diz sem fôlego

Malia – Pensei que fosse o coração?

Gaybe – Espectros são o coração. Zumbis são a cabeça. É fácil.

Malia – É coisa demais para lembrar...

Gaybe – Ok né... prefiro não dizer nada que me comprometa.

Stiles – Melhor mesmo ou ela arranca sua cabeça, literalmente.

Malia – O que estão falando?

Stiles – nada não!

Gaybe – Imagina...

Malia – Vamos! Fracotes.

Eles caminham pelo cemitério porém próximo ao mausoléu dos fundadores da cidade.

Vários cadáveres se levantam e entre eles um espírito furioso.

Stiles acerta a cabeça de qualquer cadáver que se aproximasse.

Gaybe disparava as setas sempre mirando na cabeça ou nos olhos.

Malia os desmembrava com facilidade.

O espírito furioso caminha como um vulto pálido e translúcido entre as lápides e cadáveres ressuscitados.

Sua forma era de um homem de roupas antigas usando um suspensório e sapatos de couro. Seu cabelo era partido e lambido e usava óculos velhos e feios., Com um detalhe a parte esquerda da sua cabeça tinha um buraco. A forma como morreu era clara, alguém atirou com uma escopeta em sua cabeça.

Ele sorri para Malia e ergue as mãos como se segurasse uma escopeta e finge disparar.

Malia – Sério?!

Mas ela sente um impacto e grita.

Malia se dobra colocando as mãos no estômago, sangue escorria por uma ferida de disparo mas não havia ouvido nada.

Ela olha em volto vendo o espírito que sorria.

O espírito faz o movimento de disparo outra vez.

E Malia grita como se tivesse recebido um disparo na perna.

Os mortos vivos se aproveitam e tentam segura-la

Stiles e Gaybe tentam se aproximar mas o espírito vendo isso encara os dois e faz um aceno com a mão desarmando os dois humanos. Suas armas caem longe enquanto são cercados com cadáveres e Stiles é mordido

Malia mesmo ferida lutava e consegue emburra os mortos. Afinal eles não eram muito inteligentes.

Ela se jogo em cima do espírito mas ele simplesmente desaparece e ela cai sobre uma lápide.

Ela se levanta ainda ferida vendo o espírito outra vez.

Ela se joga em sua direção e o espírito outra vez fazendo movimento de disparo. Acertando outra vez sua barriga.

Mas Malia consegue ergue as mãos e segura os braços do espírito que a encara de olhos arregalados.

Malia sorri maldosa para o espírito

Malia – Minha vez!

Ela acerta a cabeça do espírito na lapide e tira do bolso os talismãs feitos por Théo.

O espírito a encara sem entender.

Malia – Não tenho ideia de qual mais um deles vai doer muito.

Ela aproxima todos os talismãs e o espírito grita de dor como se pegasse fogo. E o espírito desaparece.

Por causa do talismã que representava a essência de Kira, uma raposa de Relâmpagos, mas também um ser espiritual. Sem saber a essência de Kira envolveu Malia a permitindo lutar contra o espírito e exorciza-lo.

O talismã que era apenas para ludibriar as bruxas acabou salvando a vida de todos no grupo. E se quebrando.

Malia que já havia se curado o suficiente percebe a situação de Stiles e Gaybe e corre para ajudá-los.

Após destruir os cadáveres.

Eles olham para Stiles que andava em círculos nervoso

Stiles – Me morderam! Me morderam! Eu vou vira um deles?! Um servo dessas coisas?! O que eu faço?! Eu queria ser do FBI?! O que eu conto para meu pai?! Vocês precisam conta para o meu pai ou ele vai me matar!!!

Malia – Stiles! Relaxa.

Ela se aproxima e puxa a camisa revelando o ombro e as costas. Havia uma marca vermelha de mordida com formato de dentes um pouco avermelhada com um pouco de sangue mas sem veias negras ou gosma podre.

Gaybe – vê o talismã!

Stiles tira do bolso e um deles está quebrado.

Stiles – O da proteção da vida...

Gaybe – Ele morreu por você!

Diz rindo

Stiles – Acho que me borrei... Desse jeito meu coração não aguenta! Estou velho demais para essas emoções intensas!

Malia – Acabou?! Vamos logo, ainda falta olhar as catacumbas.

Gaybe – To mega ansioso...

Stiles – Mal posso esperar para ser mordido outra vez.

Malia – não ficaria tão ansioso o talismã quebrou da próxima é fatal.

Stiles engole em seco e soa frio

Stiles – Que ótimo!

Eles correm e pegam suas armas torcendo para não chegar a tanto.



Argent, Melissa e Parrish vagavam pelas construções vigiando cada sombra. Afinal o condomínio de apartamentos era imenso. Encontrar Scott naquele lugar não seria fácil.

Argent estava com suas pistolas e segurava uma escopeta. Pronto para disparar em qualquer inimigo que fosse tolo o bastante para desafiar o caçador.

Melissa levava nas costas sua fiel mochila de primeiros socorros e ervas usadas por Deaton que ela fez questão de aprender. Só nunca esperou que fosse utilizar esse conhecimento tão cedo. Ela segurava um bastão elétrico para alto defesa. Mesmo que no fundo ela desejasse não ter que usa-lo.

Parrish segurava a pistola e a lanterna iluminando o caminho. O edifício que eles estavam era sombrio e Ainda faltavam algumas reformas. Lhe dando um aspecto abandonado e frio.

Após a batalha com a besta ele nunca mais se transformou no cao do inferno, ele desejava não ter que se meter mais nesses problemas sobrenaturais mais parece que a sorte não está com ele se bem que nunca esteve.

Eles caminham vistoriando andar por andar.

E após outro prédio eles olham em volto procurando o próximo.

Após 1 hora de busca a incerteza e o medo começaram a deixá-los nervosos.

Eles adentram outro prédio indo ao que seria futuramente a área de serviços, possuindo vários canos e encanamentos, o som vindo deles causava calafrios nos 3. Logo eles chegam a uma porta que leva ao porão.

Eles quebram a tranca o mais silenciosamente possível usando um machado. E descem as escadas sinuosas que prometem pesadelos e terror ao todo que se aproximar. A descida era íngreme, como se estivessem indo ao centro da terra.

Eles pisam no porão ouvindo as goteiras e o frio que irradia das paredes e o silêncio brutal ao ponto de suas respirações soarem como agressões aos ouvidos.

Eles caminham ouvindo seus passos ecoarem percebendo que elemento surpresa não seria possível. E logo caminham mais rápido torcendo para encontrar A Scott antes que seja tarde.

Após meia hora caminhando pelo porão gélido e úmido, eles encontram uma sala cheia de correntes e manequins. Lhe dando um aspecto sombrio e macabro.

Eles passam pela sala e encontram um cômodo frio e molhado. Melissa se encolhe para se aquecer. Ela logo vê correntes presas a parede e as segue. Vendo um vulto encolhido no canto escuro.

Argent – Melissa! Cuidado...

Diz tomando sua frente e se aproximamdo.

Chris faz um sinal para Parrish e ele ilumina com a lanterna o vulto encolhido no chão.

Totalmente encharcado e tremu-lo, pálido e com os lábios roxos. Scott havia sido encontrado.

Melissa passa pelo Argent e se abaixa chamando seu filho. Mas notando sua inconsciência fica nervosa e com medo. Tirando seu casaco e o cobrindo.

Chris atira nas correntes o libertando enquanto Parrish o ergue do chão.

Melissa – Nos o encontramos! Ele está bem! Só preciso cuidar para aquece-lo.

Chris estava tenso, estava fácil de mais. Tinha algo errado.

Ao sair do porão Scott começa a respirar de forma intensa como se estivesse tendo um ataque de asma.

Melissa respira fundo pegando de sua mochila a bombinha. Mesmo sendo um lobisomem o estado mental afeta os poderes. E suspeitando que Scott estaria mal preferiu se garantir.

Ela aperta a bombinha e ele se estabiliza.

Chris sorri mas logo volta a postura tensa.

Ao chegar ao térreo, Scott começa a se debater e Parrish acaba o soltando ele se escora na parede acoado e com medo.

Melissa se aproxima devagar e com calma

Melissa – Scott sou eu! Sua mãe e seus amigos! Te encontramos filho...

Diz com olhos marejados.

Scott olha ainda de olhos arregalados para ele como se não compeeensensse.

Ele sorri triste para ele.

Melissa – Lembra quando seu pai foi embora? Eu fiquei triste, mesmo com tudo. Mas eu sabia que era o melhor, ele havia machucado meu menino e isso eu nunca perdoaria. Eu nunca me perdoei por não te proteger. Mais isso nunca mais vai acontecer. Pelo menos foi isso que eu jurei. Mas você cresceu e se tornou um lobisomem e agora um alfa e protetor da cidade. Com tantas pessoas para proteger, tanta responsabilidade mas com tantos amigos para passar pelos momentos difíceis. Estamos aqui filho, por você.

Scott pisca várias vezes e olha para Melissa com lágrimas nos olhos.

Scott – Mãe...!

Melissa o abraça e logo se afasta segurando seu rosto.

Melissa – Temos que ir não é seguro.

Diz se levantando e o ajudando a se levantar. Um se apoiando no outro.

Parrish – Precisamos ir agora.

Eles caminham para fora do prédio quando uma viga vai em direção a Parrish.

Eles pulam desviando do ataque.

Um homem de máscara de caveira e um espectro estavam em frente a saída do condomínio.

Bruxo – Realmente acharam que seria tão fácil.

Chris saca suas pistolas e atira porém o bruxo se esconde atrás de uma máquina rindo.

Parrish se levanta mas acaba sendo esfaqueado pelo Espectro. Antes que percebesse o cão do inferno toma o controle.

Suas roupas entram em combustão e chamas iluminam tudo. O espectro grita em chamas e desaparece em meio às sombras.

O bruxo percebendo que o inimigo era perigoso tenta fugir mas Argent acerta sua perna o fazendo cair no chão.

O cão do inferno corre em sua direção quando um vulto de preto ergue as mãos e o cão é arremessado contra o prédio.

Argent começa a disparar contra o vulto mas ele é protegido por uma aura de escuridão.

Argent descarrega suas pistolas e as guarda e pega a escopeta de sua costas e dispara.

A escuridão falha e o vulto cai no chão. Argent mira na cabeça do inimigo quando por instinto ele pula para trás desviando de uma facada de um espectro e logo surge outro.

Dois espectros os encaram irados.

Melissa vê Parrish se levanta pronto para correr até eles quando o bruxo se arrasta e pega seu próprio sangue proferindo palavras macabras e malignas

Da poça do seu sangue surge uma criatura de chifres esquelética formada de trevas e sombras, com uma boca cheia de dentes e chifres longos. Em suas costas haviam 4 rabos translúcidos e arroxeados em fileira na horizontal, um ao lado do outro, lembrando um véu translúcido.

A criatura demoníaca corre e intercepta Parrish. E os dois começam a lutar e acabam quebrando a parede do prédio.

Melissa engole em seco já sacando o bastão elétrico.

Argent estava sozinho contra dois espectros e dois bruxos.

Ela estava apavorada, mas sabia que devia fazer algo, mas ela só tinha o bastão e Scott estava fraco e não podia se proteger.

Argent – Tire o Scott daqui!

Grita já recarregando a escopeta.

Melissa respira fundo e ergue seu filho com dificuldade

Melissa – Scott! Me ajuda filho!

Os dois se afastam para fora da confusão.

Argent dispara tentando afastar o máximo possível os espectros de Melissa.

Usando balas de ferro e sal os espectros demoravam mais a se recuperar lhes dando algum tempo.

O bruxo se levanta, com a ajuda incompetente do seu aprendiz vendo seus espectros desaparecendo feridos por causa do caçador.

Sua perna latejava e a invocação lhe roubou as forças.

Aprendiz – Mestre...

O mestre sorri e segura o pulso do seu aprendiz. Roubando sua energia.

Seu aprendiz cai de joelhos.

Ele gargalha e logo ergue as mãos. E um terremoto derruba Chris no chão. O chão começa a rachar como se a terra se abrisse para o engolir. Ele se segura em um fio partido vendo várias máquinas sendo arrastadas. Com a mão que segurava a escopeta ele se equilibra e atira.

Acertando de raspam o braço do bruxo que se desconcentra desfazendo o feitiço.

Argent consegue escalar e escapa do buraco. Jogando sua escopeta para fora e arrastando seu corpo do buraco mas antes que se recuperasse seus cabelos são puxados e ele é arrastando e com uma forma descomunal é arremessando contra a parede do prédio. Caindo no chão aturdido.

O espectro sorri e logo surge o segundo prontos para matar o caçador.

Argent se encolhe fazendo os olhos dos espectros brilharem com seu medo e dor.

Quando o primeiro espectro se aproxima para esfaqueá-lo o puxando do chão. Argent o soca, usando um soco inglês feito de prata e ferro com vários símbolos de proteção. O espectro grita caindo para trás desaparecendo

O segundo grita tentando esfaqueá-lo com a faca.

Chris sorri debochado cuspindo sangue aos pés do espectro.

Argent – Pode vim!

O cão do inferno lutava no terceiro andar com a criatura invocada. Trocando patadas e mordidas. Fogo contra escuridão. Eles destroem todo o andar e despencam do terceiro caindo do lado de fora do prédio próximo ao buraco criado pelo bruxo.

Porem seus corpo caindo no chão fizeram tudo tremer aumentando o buraco e desequilibrando Argent.

O espectro se aproveita e crava a faca em seu ombro o fazendo gritar. Ele soca o rosto do espectro mas ele desapece antes o desequilibrando e o fazendo cair no chão.

O espectro surge em cima dele segurando a faca pronto para cravar em seu coração. Mas um chiado elétrico faz o espectro grita de dor.

E ele desaparece, Melissa suspira aliviada e ajuda Chris a se levantar.

Argent – Para uma enfermeira... até que você leva jeito.

Diz trincando os dentes de dor

Ela sorri e correm dando a volta para fugir daquele lugar.

O bruxo se levanta ferido e grita

Dois espectros surgem

Bruxos – Me tragam as cabeças desses malditos!

Os espectros desaparecem seguindo as ordens do seu mestre.

Melissa e Chris corriam em direção ao esconderijo de Scott porém são interceptados pelos espectros.

Chris saca sua pistola ficando a frente de Melissa mesmo ferido.

Melissa – Merda!

Diz nervosa.

Uma lanterna iluminando o espectro e um disparo seguindo da cabeça do espectro explodindo faz com que todos olham para luz.

O xerife segura uma escopeta e logo mira no segundo espectro. Mas antes que o espectro fugisse Argent acerta sua cabeça. O fazendo desaparece.

Xerife – Entre o coração e a cabeça prefiro a cabeça. É mais prático.

Eles suspiram ouvindo a luta das duas feras.

Xerife – O que está acontecendo ali?

Argent suspira guardando sua pistola e pegando a outra é a recarregando e entregando para Melissa.

Chris – Proteja Scott.

Ela faz que sim e corre em direção a ele.

Argent suspira e encara o xerife que recarrega sua escopeta.

Argent – Dois bruxos, dois espectros que em breve vão retornar e um tipo de demônio lutando com Parrish.

O xerife suspira.

Xerife – Ele sempre fica com o melhor. *Ele engole em seco e encara o ombro ensanguentado do Argent* Está bem?

Argent sorri de lado

E pega a pistola.

Eles correm e se escondem em um muro destruído pela luta do cão do inferno e o demônio, retornando ao conflonto vendo o demônio em cima de Parrish e o bruxo entoando um cantigo.

Eles saem do esconderijo atirando no bruxo mas logo os espectros surgem o protegendo. E atacando os humanos.

O cão do inferno se aproveita da distração e enfia suas garras nos olhos da criatura e a chuta a tirando de cima dele. Ele toca o chão o fazendo derreter e pegar fogo e essas chamas acertam os dois espectros que gritam em agonia.

Aproveitando a chance Argent e O Xerife disparam contra o bruxo que ficava cada vez mais fraco a cada segundo.

A criatura se recupera e se joga em cima dos humanos mas é interceptada no ar pelo cão do inferno.

O bruxo percebendo que não podia continuar tira um pó negro do bolso e joga no chão cobrindo ele e o aprendiz.

Quando a névoa desaparece eles haviam sumido, junto com a Criatura que havia invocado.

Xerife olhava tudo com os olhos arregalados sem acreditar.

Xerife – Como vou explicar o que aconteceu essa noite.

Chris – E Beacon Hill. É só mais outro dia comum. E aproposito agora estou ótimo.

O cão do inferno olha para eles e corre em direção a floresta.

Xerife – Pq eu ainda tento entender...!?

Diz balançando a cabeça

Os dois caminham em direção a Melissa mas a mesma vem correndo em direção a eles.

Melissa – O Scott ele não está bem.

Eles correm até ele

E ele tentava se levantar mas o xerife o segura

Xerife – Scott o que foi?!

Ele se debatia nervoso

Scott – Deaton! Deaton se foi!

Melissa – O que ele quer dizer?

Chris suspira apertando o ombro ferido.

Argent – Que ele foi possuído.

Melissa afaga o cabelo do filho e ele se acalma.

Ela começa a cuidar dos seus ferimentos usando as ervas e seu conhecimento médico.

Scott – Meu sequestro é apenas uma distração...*ele tosse* ...eles querem aqueles com uma ligação com a morte e todos que podem atrapalhar.

Xerife olha para Argent que fica tenso.

Argent pega o celular e começa a discar para Lydia.

Cada vez mais tenso.

Xerife se levanta se aproximando do Argent.

Xerife – O que foi?

Argent – Deaton ou o demônio que o possui vai atrás de Lydia e Willow. E eles estão exaustos. Não vão poder se defender. Eles não queriam o rei. Eles queriam a Rainha e o Bispo.

Xerife fica tenso e começa a tentar ligar para os outros.

Chris – Merda!

Melissa – Noah me ajuda a leva o Scott pro carro! Vou tratar ele lá. Não temos tempo!

Diz já tentando levantar o filho e logo é ajudada pelo xerife enquanto Argent com seu braço bom segurava a pistola olhando ao redor.

Eles só podiam torcer para chegarem a tempo.


Notas Finais


Espero que gostem

By
Lu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...