História Coração Negro - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Holland Roden, Katherine McNamara, Lily Collins, Saga Crepúsculo, Taylor Momsen, The Vampire Diaries
Personagens Alaric Saltzman, Alec, Alice Cullen, Aro Volturi, Billy Black, Brady, Caius Volturi, Carlisle Cullen, Collin Littlesea, Damon Salvatore, Demetri Volturi, Edward Cullen, Embry Call, Emily Young, Emmett Cullen, Esme Cullen, Felix, Holland Roden, Jacob Black, Jane, Jasper Hale, Jessica Stanley, Katherine McNamara, Katherine Pierce, Klaus Mikaelson, Leah Clearwater, Lily Collins, Marcus Volturi, Maria, Mike Newton, Paul Lahote, Quil Ateara, Rosalie Hale, Sam Uley, Seth Clearwater, Taylor Momsen, Victoria
Tags Crepusculo, Cruel, Mistério
Visualizações 132
Palavras 1.629
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Lírica, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


CHEGGUEEEI PRA ABALAR COM GERAL 😂😂😂

TA MENOS, BEM MENOS...MAS ENFIMMMMMMMMMMMMM...TA O CAP AÍ, LOGO SAÍ O DOS CULLEN LENDO E ERAS ISSO😘😘

Capítulo 7 - Capítulo 5


Fanfic / Fanfiction Coração Negro - Capítulo 7 - Capítulo 5

Eu não podia acreditar, quando Thomas me contou o que acontecia eu entendi o meu descontrole, não poderia estar mais feliz. Ele teve de me segurar para não ir direto para Seattle.

Estava parada no meio do meu quarto meio que sem saber o que fazer, eu havia finalmente descoberto que ele não tinha sido morto, ou apenas seria algum outro vampiro qualquer? Não, tem que ser ele.

- Katy? - Meu irmão me chamou cauteloso na porta.

- O que? - Perguntei me virando para ele.

- Acho melhor você vir aqui dar uma olhada no noticiário. - Falou nervoso, dava para perceber na sua voz.

O encarei com o cenho franzido, o que os humanos poderiam falar sobre isso? Mas mesmo com essa dúvida o segui até a sala.

"Estamos agora com Lindsey Collins ao vivo de Seatle, como está a situação por aí, Lindsey?" O apresentador falou com a mulher que estava sendo filmada em Seattle, lá estava chovendo muito.

"Então James, ainda não tivemos muitas informações sobre o caso do massacre por aqui, mas a polícia disse já ter um suspeito e eles recomendam que todos se recolham em suas casas antes do anoitecer." a mulher falou meio nervosa, pois já estava noite e na rua em que ela estava não tinha muita iluminação, apenas um poste e a luz da filmadora.

"Quem seria esse supeito, Lindsey?" James perguntou um pouco preocupado.

"Os policiais o identificaram como Arios Consalles, e disseram se tratar de um serial killer a sangue frio." A mulher respondeu, ouviu-se um barulho ao fundo da gravação e a mulher começou a se apavorar olhando para todos os lados.

- Arios. - Comemorei me levantando e batendo palmas.

Meu irmão franziu o nariz em desagrado com a minha felicidade.

"Lindsey, tudo bem por aí?" O apresentador perguntou não obtendo resposta depois que a transmissão foi cortada. "Voltamos logo após o intervalo." Falou preocupado.

Me sentei no sofá em silêncio ainda olhando para a televisão que foi desligada segundos depois que as propagandas começaram a passar.

- Seja o que for que você está pensando, não faça. - Meu irmão me advertiu e eu nem mesmo o encarei.

Mil e um pensamentos se passavam por minha mente, ele finalmente tinha revelado sua localização e eu não iria perder a oportunidade.

- Não estou pensando em nada. - Falei fazendo meu teatro, levantei-me do sofá sem olhar em seus olhos. - Essa notícia foi apenas um desperdício de tempo.

- Hum. - Foi o único som que meu irmão fez, ele me estudava cuidadosamente.

- Para com isso! - Exclamei para ele, se continuasse, logo descobriria minha mentira.

Ele me conhece bem demais, por isso não irei abaixar minha guarda, ainda.

- Não estou fazendo nada. - Falou cruzando os braços franzindo a testa.

Revirei os olhos seguindo para meu quarto.

- Estarei de olho em você! - Gritou da sala.

Parei no corredor do segundo piso, não posso acreditar que ele realmente chegou nesse nível de infantilidade.

Mas eu não deixaria isso me impedir de maneira alguma, eu encontraria Arios.

Observei meu quarto inquieta, tem que estar aqui em algum lugar. Eu vou precisar daquele bendito diário.

Comecei a vasculhar minhas coisas impaciente e eufórica, fazia tanto tempo que eu não quero perder mais nenhum segundo. Liguei meu rádio em uma altura absurda em um rock pesado, o som da guitarra, por incrível que pareça, consegue me acalmar.

- Achei! - Gritei animada ao extremo.

Sem motivo aparente comecei a dançar feito louca no meio da bagunça que havia feito. O diário em minhas mãos de couro preto e folhas amareladas fazia com que meus olhos brilhassem. Um misto de emoções das quais nem poderia descrever embrulhavam meu estômago, a única coisa que falta agora e passar por Thomas. Torci o nariz em desgosto, com certeza seria meu maior obstáculo, ele consegue ser tão teimoso quanto eu, e não quero ter que brigar com ele.

Achei melhor esperar um pouco, por esse motivo epguei um dos meus livros preferidos…Drácula de Bram Stocker, sei que pode ser bem irônico, mas esse livro em cativa.

Depois de um tempo de leitura mergulhei profundamente na narrativa, meus sentidos sempre ficavam "desativados" quando leio, por esse motivo me assustei quando Thomas apareceu em minha porta parecendo aborrecido.

- Dá para abaixar o som ou isso é apenas birra? - Perguntou debochado.

Larguei meu precioso livro e o encarei fingindo analisa-lo, tinha esquecido completamente do rádio.

- Depende de como você interpreta, eu vejo apenas como uma boa música. - Comentei sorrindo sarcástica.

Ele ficou sem reação com o dedo levantado pronto para argumentar, abriu e fechou a boca várias vezes antes de desistir.

- Só abaixa isso. - Suspirou revirando os olhos.

Sorri de maneira neutra e ele me encarou desconfiado.

Fui até ele e joguei meus braços sobre seus ombros.

- Você precisa relaxar, vem. - O puxei para um abraço de lado e ele não tentou resistir, um bom sinal.

Troquei o CD para algo mais calmo e diminui o volume.

- O que você está fazendo? - Ele perguntou com a testa franzida.

- Dançando com meu irmãozinho. - Respondi e ele me olhou incrédulo. - Faz tempo que não dançamos, não é?

- Desde aquele dia. - Ele sussurrou abaixando a cabeça.

Fiz o mesmo que ele, nenhum de nós quebrou o silêncio, cada um revivendo momentos não muito agradáveis de nosso passado. Balancei a cabeça para espantar os pensamentos indesejados.

- Eu disse que precisava relaxar. - Comentei com um sorriso vencedor.

Ele levantou o olhar apenas para revirar os olhos divertido, ficamos dançando em meio a bagunça do meu quarto.

Até que ele se distraiu e enrolou seus pés em uma blusa minha nos fazendo cair, gargalhamos esparramos do chão. Fazia muito tempo que nós não passavamos um tempo assim, sem discussão, brigas ou comentários debochados. Eu odeio ter que estragar este tipo de momentos, mas eu tinha que fazer, parei de rir e o encarei seria, ele percebeu pois fez o mesmo, só que com as sobrancelhas arqueadas em confusão.

- Eu preciso ver Arios. - Sussurrei ciente de estar acabando com a possível reaproximação entre nós.

Ele fechou a cara se desvencilhando de mim para se levantar.

- Isso não esta em discussão, você não vai. - Falou amargo enquantovirava as costas para mim.

Meu sangue ferveu.

- Você não pode me controlar, Thomas! - Aumentei o tom de voz fazendo ele se virar irritado. - Eu vou vê-lo.

- Você quer ver o cara que te transformou em um monstro?! - Perguntou gritando levando os braços para o alto.

Bufei cruzando os braços.

- Quero ver o homem que me a felicidade. - Retruquei virando meu rosto para o lado.

Senti um puxão em meu braço e logo meu corpo se chocou contra o de meu irmão que tinha fúria no olhar.

- Felicidade? Ele destruiu nossa família?! Como você não exerga isso?! - Gritou apertando ainda mais meu braço enquanto me sacude.

O encarei com tanto ódio que ele recuou me soltando.

- Destruiu nossa família? Que família? Ele não destruiu minha família, não a minha! Ele apenas me mostrou que eu não precisava sofrer daquele jeito porque sua mãe queria. -

Gritei com ele que apenas negava com a cabeça e os olhos marejados.

- Você sempre fez esse drama. - Murmurou massageando as têmporas.

O encarei sem reação. Drama? Eu estava fazendo drama?

- Você não sabe de merda nenhuna, estava ocupado demais sendo mimado para perceber como sua mãe me torturava! E eu faço drama? - Falei amargurada enquanto lágrimas escorriam por meu rosto

Ele não tinha esse direito, não ele. Ele apenas ficou parado me encarando sem dizer uma palavra.

- Katrine...- Começou, mas eu levantei a mão o impedindo.

- Não me interessa o que vai falar. Eu vou me encontrar com Arios e se você está tão infeliz aqui, pode ir embora. - Murmurei de maneira fria e permaneci sem expressão. - Não tem nada que te prenda aqui.

Não esperei por resposta alguma, peguei o diário que agora estava no chão e saio correndo em minha velocidade sobrenatural e assim seguiria até Seattle.

(...)

Desabei em lágrimas quando finalmente cheguei na cidade, sinto meu coração apertado só de pensar em Thomas indo embora sem mim. Mas eu já estou aqui, já fiz minha escolha, naotem com voltar atrás, não agora.

Limpei as lágrimas em meu rosto e segui até onde o massacre aconteceu. O Sol já está se pondo e a circulação de pessoas começa a diminuir.

Enquanto estava atenta a qualquer coisa a minha volta, meus pensamentos sempre voltavam-se para Thomas, um suspiro cansado escapou por entre meus lábios.

Não existe mais salvação para mim, mas ele ainda tem como se salvar desse poço de depressão em que nos encontramos.

E o pior, a culpa de estarmos assim é minha e somente minha, levantei a cabeça para observar o céu que se encontrava em tons diferentes de cores, pisquei repetidas vezes para conter as lágrimas que insistiam em tentar cair. Paro de andar e me mantenho alerta quando escuto um barulho.

- Perdida, amor? - Perguntou uma voz rouca e masculina atrás de mim.

Respirei fundo abrindo um sorriso de orelha a orelha, reconheceria essa voz mesmo que tenha se passado séculos.

Me virei para ver ele. Como eu já sabia, ele não mudou nada, ele parecia petrificado no lugar, com certeza não esperava voltar a me ver.

- Procurando por um antigo amigo. Conhece? - Perguntei marota me aproximando dele.

- Katrine? - Perguntou ainda não acreditando que estava aqui.

- Em carne, osso e purpurina. - Brinquei com nossa piada interna.

Seu sorriso se alargou e meio segundo depois ele me abraçava levantando-me no ar, seu sorriso parecia que iria rasgar o rosto.

- O que veio fazer aqui? - Perguntou animado.

- Vim ver se era reaente meu amigo fazendo suas loucuras, óbvio. - Respondi o encarando com certo carinho e ele revirou os olhos divertido.

- Bom, é realmente ótimo ter você aqui mas… - Ele começou após me soltar e eu entendi, fiquei seria. - Preciso da sua ajuda.


Notas Finais


E então???????? O que acharam????? O que será que o Arios quer? Vocês já gostaram dele ou ainda não sabem direito...
Hmmmmm ele será bom ou mau?
Dara uns pega na Katrine ou não??? 😌
Hmmm não sei...mentira...mas é segredo.

Fiz um vídeo da Katrine (só dela)

O Link esta aqui: https://youtu.be/sp5nFqr-Pxs

Espero que tenham gostado e até o próximo...beijos 😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...