1. Spirit Fanfics >
  2. Coração Selvagem >
  3. Capítulo 02

História Coração Selvagem - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - Capítulo 02


Fanfic / Fanfiction Coração Selvagem - Capítulo 2 - Capítulo 02

Mesmo querendo me fazer acreditar que ir para uma faculdade me ajudaria a superar o ensino médio, minha mãe concordou que esperar um ano não me atrasaria em relação aos outros de mesma idade, e foi isso que fiz, esperei um ano até que sentisse vontade de recomeçar.

Aproveitei meu tempo e me reorganizei, estudei as opções de faculdades no Brasil, e até mesmo as de outros países, queria cursar direito. Demorei a criar coragem de ir no colégio, e quando fui buscar meu histórico escolar, me surpreendi com a diretora ansiosa em me ver, segundo a mesma, estava se preparando em ir na minha casa me arrastar para uma faculdade qualquer, claro que acabei contando meus planos a ela, que em troca me retribuiu com cartas de recomendação para Harvard.

Pensei ter sido perca de tempo até receber uma carta de aceitação, eu iria para Cambridge, EUA.

~~

Olhar no espelho e ver minhas cicatrizes era como reviver tudo que passei, todas as noites de terror, todo o drama, todas as perdas. Ainda vejo a garota gorda cheia de espinhas, com grandes óculos e aparelho, mas quando olho dentro dos meus olhos, no reflexo do espelho, vejo a Alexis me reprovando por ser fraca demais. Guardo a lâmina que comprei para tirar minha vida como prova de que fui e sou covarde demais para completar o ato.

Não foi nada fácil meu primeiro ano longe de casa, a solidão me fez pagar pelo preço mais alto que podia pensar, meu rendimento acadêmico havia despencando, a ponto de perder minha bolsa de ensino.

~~

No meu segundo ano letivo conheci a Lindsay, uma porto riquenha com o sorriso mais caloroso já visto, olhar para ela é como estar diante do sol, ela te aquece e te acolhe, te inspira confiança e liberdade. Ter ela por perto era como ter um bote salva-vidas e como uma boa colega de quarto, ela fez o possível para que eu pegasse o ritmo de ensino, fizesse novas amizades e o mais importante, superasse os meus traumas.

Ter essa ajuda vindo de uma garota que foi brutalmente espancada no colegial, que foi arremessada de um prédio do segundo andar e que foi encontrada presa em uma cerca de arame farpado após a queda com a L2 esmagada, traumatismo craniano e uma lesão que atingiu a medula a deixando paralítica (com, segundo ao médico, pouco tempo de vida) me fez mais forte, me deu coragem...

Nos tornamos grandes amigas, ela me levava a terapia toda quinta e em todas as suas palestras, enquanto eu me apoiava nela, apesar de eu estar cursando direito e ela psicologia, nos víamos diariamente no campus.

Dessa vez comecei a me reerguer, parei de vomitar quando comia, voltei a fazer algumas atividades físicas e morria de saudades de cavalgar como antes. Reaproximar de minha família foi como se uma parte de mim fosse devolvida, fazia o possível para estar sempre bem e um passo de cada vez para longe de tantos remédios, passei a enxergar um propósito para em minha vida.

~2 anos depois~

Me pego encarando a porta do nosso ap., logo minha melhor amiga chegaria e se eu estivesse com sorte, ela não teria arrumado um pretendente para ser meu próximo namorado.

Falando no diabo!

Recebo uma mensagem dela me dizendo que dormirá com seu namorado hoje, suspiro e vou tomar banho. Acho que pedirei uma pizza...

Fico mais tempo do que o planejado no banho, amanhã teria um exame importante e reuniões com o juiz, quero estar preparada para impressionar o meu chefe carrasco. Apesar do cansaço me sinto feliz, me olho no espelho e passo a mão em meu corpo, poucas estrias se alojaram em meus quadris nesses anos, sorrio ao lembrar que uma vez a mãe de Lindsay, minha mais nova esteticista, me explicou que esse era o sinal de que estava "rachando de boa", solto uma risada relembrando o dia e me deito ainda nua. Parei de me importar com esses pequenos detalhes, comecei a ir em praias e clubes com biquínis, meu corpo estava lindo, bem cuidado, portanto não quis fazer plástica em minhas cicatrizes, soltava meu cabelo e até arriscava a passar gloss ocasionalmente.

Exatamente quando já estava me sentindo bem, é que conheci o Carlos, meu futuro noivo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...