História Corações Amarrados - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Inuyasha
Personagens Inu no Taishou, Inuyasha, Izayoi, Jaken, Kagome, Kagura, Kohaku, Miroku, Rin, Sango, Sesshoumaru
Tags Amor, Comedia, Fluffy, Hentai, Inuyasha, Kagome, Rin, Romance, Sesshomaru, Sesshoumaru, Sessrin, Sexo
Visualizações 421
Palavras 2.578
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 6 - Capítulo Seis


Algumas semanas se passaram...

Era uma segunda-feira, Rin chegou ao trabalho e começou a adiantar algumas tarefas. Alguns minutos depois, Sango chegou com uma cara nada boa, seu humor estava péssimo e Rin podia jurar que via chamas saindo dos olhos da amiga. Ela já sabia exatamente o porque de Sango estar de tão péssimo humor naquela manhã. Sango sentou-se ao lado de Rin e ligou seu computador, sem nada dizer.

- O que o Miroku aprontou agora? – Rin já foi logo perguntando, sem nenhuma hesitação.

- Eu peguei aquele desgraçado transando com uma vadia no sofá da casa dele, Rin! – Sango se tremia de ódio.

- Canalha! – Rin cerrou os punhos. – Amiga, você sabe que eu, mais do que ninguém sei muito bem como é isso... mas o certo a fazer, pelo menos no momento, é se afastar dele...

- Eu sei! Eu não quero olhar pra cara daquele cretino! Eu sei que não tínhamos nenhum compromisso sério, mas... eu... estava gostando daquele imbecil! – Sango colocou as palmas das mãos no rosto e começou a chorar descontroladamente.

- Sango! – Rin abraçou a amiga e acariciou seus cabelos, tentando confortá-la. – Espera, eu vou buscar uma água pra você se acalmar...

Rin deixou a recepção da Academia rapidamente, pegou uma garrafa de água, voltou logo em seguida e entregou para Sango.

- Obrigada... – Disse, ainda nervosa.

- Você precisa se distrair! Vamos trabalhar agora, e o que você acha da gente ir pra algum barzinho depois do trabalho? Eu não tenho aula hoje, estou com a noite livre! – Rin tentava a todo custo animá-la.

- Não precisa se preocupar, Rin...

- Eu não aceito um "não" como resposta! Nós vamos sim! Vou chamar a Kagome também. Chega de sofrer por homem! Hoje, será a nossa noite das mulheres!

- Tudo bem, você está certa... vamos sair hoje! – Sango se animou um pouco.

- Já vou mandar uma mensagem pra Kagome! – E assim Rin fez. Kagome topou na hora.

As horas se passaram e finalmente o expediente das duas acabou. Elas saíram do trabalho e foram para o carro de Rin.

- Vamos passar na minha casa primeiro, o meu irmão vai precisar do carro essa noite, e também... eu quero beber! Vamos de Táxi! Você pode se arrumar lá em casa mesmo, eu te empresto uma roupa, tudo bem Sango? – Rin disse enquanto dirigia para a sua casa.

- Certo, sem problemas!

Quando chegaram na casa de Rin, ela ligou para Kagome, que logo chegou lá também e as três se arrumaram juntas. Logo ficaram prontas e chamaram um Táxi, que as deixou no lugar que elas haviam escolhido para aquela noite. Era um pub bem requintado e aconchegante. Elas não queriam badalação e sim um local tranquilo para conversar e beber sem ser incomodadas. Sentaram-se e escolheram suas bebidas.

- Traga três saquês, por favor! – Sango pediu ao atendente, que anotou o pedido e já ia se retirando. – Espera aí, você não vai anotar o pedido delas?

O atendente arregalou os olhos. Então os três saquês eram só pra ela? Kagome e Rin riram e pediram um saquê cada uma. Quando as bebidas chegaram, Sango bebeu as dela em poucos minutos. E assim se passou uma hora e meia. Elas já haviam bebido diversas doses e estavam bem mais animadas.

- Sango, vai com calma! Temos que voltar inteiras pra casa! – Rin alertou a amiga.

- Eu não quero saber! Vou beber até esquecer aquele babaca de merda! E querem saber mais? Eu vou dar pro primeiro que aparecer! Isso aí! Chega de ser boazinha, santinha e principalmente chega de ser trouxa! Eu vou aproveitar a minha vida! – Sango disse, decidida.

- Bem, eu entendo a sua raiva porque já passei pela mesma coisa. Eu diria pra você pensar bem, mas quem sou eu pra opinar? Vou fazer 19 anos no domingo que vem e ainda continuo virgem... – Rin suspirou e bebeu seu saquê.

- Convenhamos que você só é virgem porque quer, né Rin? Você tem um youkaizão da porra à sua disposição, prontinho pra resolver esse pequeno problema! – Kagome disse num tom de brincadeira, mas com um fundo de verdade. O rosto de Rin ficou completamente vermelho. – Falando nisso, como vocês estão, hein?

- Bom... – Rin continuava vermelha, mas os saquês que ela havia bebido naquela noite começaram a fazer efeito, encorajando-a a falar. – Nós temos nos encontrado todos os fins de semana desde que nos conhecemos... e sempre rolam uns amassos bem quentes. Meu Deus, ele me deixa toda arrepiada e... tão quente!

- Também, né? Um macho daqueles! Eu só o vi pelas fotos que você me mostrou, mas Rin... eu sinceramente não entendo como você consegue se controlar! – Sango disse.

- SANGO! – Rin a repreendeu, mas riu logo em seguida. – Tira o olho, eu vi primeiro!

- Que foi? Apenas enalteci a beleza dele! Até parece que eu iria querer roubar o seu homem, né Rin? Me poupe! – Sango disse rindo e bebericando mais do seu saquê. Kagome e Rin também riram. Rin sabia que sua amiga jamais aprontaria algo assim. Ao contrário do irmão, Sango era uma pessoa completamente confiável e fiel.

- É claro que eu sei, sua boba! – Rin sorriu. – Kagome, e como você e o Inuyasha estão?

- Ah Rin, ele continua sendo bem fofo comigo! Nós dois temos uns ataques de ciúmes um com o outro de vez em quando, mas depois fica tudo bem! – Kagome suspirava apaixonada. – Estávamos planejando viajar pra minha casa na Praia de Ishihama nesse fim de semana, eu até já tinha pedido pra que os empregados preparassem tudo por lá pra nossa chegada... mas ele vai precisar viajar a trabalho com o pai e com o Sesshoumaru nessa semana, sem previsão de quando vão voltar... então tivemos que cancelar. – Kagome ficou com um semblante triste.

- O Sesshoumaru vai viajar também? Ele não me disse nada! – Rin ficou surpresa.

- Ah, o Inuyasha me contou hoje! Houve um contratempo na empresa, e eles vão precisar viajar pra filial deles em Osaka o mais rápido possível pra resolver... Mas me diz, vocês por acaso se falaram hoje? – Kagome perguntou.

- Não...

- Então! Não se preocupe com essas coisas, afinal, como você mesmo disse, vocês ainda estão se conhecendo, e não devem tantas satisfações um pro outro, certo? Aliás, eles estão muito ocupados hoje, o Sesshoumaru não deve ter tido tempo de te contar! Agora não vai ficar triste por causa disso, né?

- Poxa... mas justo durante o meu aniversário... – Rin se entristeceu.

- Ahhh não! Não vai começar chorar! – Uma lâmpada se acendeu em cima da cabeça de Kagome. – JÁ SEI! Já que o Inuyasha não vai poder... Vamos só nós três pra minha casa de praia! Uma viagem só de mulheres, que vocês acham? A casa está lá, arrumadinha esperando por nós! Assim você passa o seu aniversário lá, Rin! – Kagome disse, empolgadíssima.

- Eu topo! – Sango disse, também animada. – Ouvi dizer que lá é cheio de homens maravilhosos, vão ser uma ótima distração pra mim!

- Tudo bem... eu vou! – Rin aceitou, mas ficou pensativa e não muito animada.

- UHUUUL! À nossa viagem! – Kagome propôs um brinde e as três amigas brindaram.

Elas beberam por mais algum tempo e já estavam completamente alteradas pelo álcool. Kagome e Sango precisaram ir ao banheiro e Rin ficou sozinha na mesa. Ela olhava para o celular e viu o número de Sesshoumaru na agenda, não resistiu e ligou para ele. Sim, a bebida a encorajou.

- Rin? – Sesshoumaru atendeu rápido, depois de dois toques.

- Sesshy... por que você... não me contou que vai viajar? – Ela disse com a voz manhosa e chorosa.

- Você me chamou de quê? – Ele indagou, incrédulo com o apelido.

- De... Sesshy! Você não gostou? – Ela continuava manhosa.

- Rin, você andou bebendo, não é? Onde você está? – Ele começou a ficar preocupado e ligeiramente irritado.

- Eu bebi sim! Bebi um monte de saquê com a Kagome e a Sango! E ainda vou beber mais! E você, onde está? Você tem outra mulher? – Ela começou a chorar.

- Rin, deixe de tolices! Eu vou te buscar agora! – Ele desligou.

Sesshoumaru estava na paz de seu quarto, em seu computador resolvendo alguns dos problemas de seu trabalho, mas depois da ligação de Rin, ele deixou tudo de lado e foi falar com o irmão.

- Inuyasha... – Sesshoumaru entrou de supetão no quarto do hanyou, sem bater. – Puta que pariu! – Exclamou com desgosto ao se deparar com a imagem de seu irmão saindo do banho, pelado enquanto enxugava os longos cabelos prateados com uma toalha. Sesshoumaru desejou com todas as suas forças poder "desver" a cena.

- Que porra você quer aqui, Sesshoumaru? Não sabe bater na porta antes? – Inuyasha resmungou.

- Para onde a sua humana foi com a Rin? – Sesshoumaru perguntou sem se importar com o que o irmão disse.

- Elas foram pra um pub no centro da cidade, por quê?

- Porque elas estão bêbadas e eu vou buscar a Rin agora!

- O quê? Merda... espera, eu vou com você! Só vou me vestir!

- Esteja lá embaixo em 1 minuto ou eu vou embora! – Sesshoumaru deu as costas e saiu.

Inuyasha se vestiu rapidamente e desceu de encontro ao irmão. O hanyou pegou sua Mercedes vermelha e Sesshoumaru sua Ferrari branca, e imediatamente saíram da mansão. Em alguns minutos eles chegaram ao destino e entraram no pub. Várias mulheres os olharam com desejo, mas logo se desanimaram ao ver que estavam indo em direção à mesa das três amigas.

- Rin! – Sesshoumaru a chamou, estava parado atrás dela.

- Kagome! – Inuyasha também chamou a namorada.

- Sesshy! – Rin se levantou toda alegre e abraçou o youkai, que envolveu um de seus braços em volta da cintura dela, mesmo estando um pouco irritado com o apelido e principalmente com a situação em que Rin se encontrava.

- "Sesshy"? HAHAHAHAHAHAHAHA! – Inuyasha começou a gargalhar desesperadamente. Sesshoumaru fechou o semblante, lançou um olhar mortal para o irmão e lhe deu um forte soco na cabeça, formando um enorme galo. – Ai! Que merda, Sesshoumaru! – Ele resmungou.

- Inuzinho, você está bem? – Kagome abraçou e beijou o namorado. Inuyasha ficou corado ao ter o apelido revelado na frente de todos. Ele e sua boca grande! Estava zombando de seu irmão e segundos depois a mesmíssima coisa lhe aconteceu.

- "Inuzinho", hein?! – Sesshoumaru deu um sorriso sarcástico. Foi sua vez de zombar do irmão.

- Maldito! Cale essa boca, Sesshoumaru! – Ele gritou, irritado e envergonhado.

- Muito bem, muito bonito, mas vocês não estão me vendo aqui não? – Sango disse.

- Ah, e aí, Sango? – Inuyasha disse.

- Olá. – Sesshoumaru cumprimentou, com seu costumeiro tom frio, afinal, não a conhecia, só tinha ouvido Rin tagarelar sobre sua amiga.

- Normal, só quero cortar o pinto do Miroku fora, mas de resto até que estou bem, obrigada por perguntar, Inuyasha!

- Que merda que ele aprontou agora? – Inuyasha perguntou.

- Eu peguei ele transando com uma vadia... – Sango disse enquanto admirava suas unhas.

- Mas é um imbecil mesmo... – O hanyou disse.

- Você acha ele um imbecil por ser um cretino comigo ou por ter sido flagrado? – Sango indagou.

- Claro que por ter sido um cretino, né! Isso não se faz! – Ele respondeu.

- Pois então diga isso pra aquele filho da puta! – Sango passou da fase da tristeza e melancolia para a fase da raiva e revolta.

- Eu direi sim, agora vamos embora! Vocês três! – Inuyasha disse e pediu a conta para o atendente do pub.

Quando a conta chegou, os irmãos Taishou ficaram abismados.

- 45 doses de saquê? – Os dois disseram em uníssono, perplexos.

- Ooops! – As três amigas fizeram caras de inocentes e começaram a rir sem parar.

- Isso porque ainda estamos no começo de semana! – Sesshoumaru resmungou, visivelmente irritado pela irresponsabilidade das três humanas. Ele abriu sua carteira, tirou algumas notas altas e as deixou em cima da mesa. – Vamos embora! – Puxou Rin pela cintura e a guiou.

As mulheres que estavam no pub lançaram olhares invejosos para Rin, por ela estar na companhia daquele lindo youkai. Sesshoumaru as ignorava completamente, mas Rin, mesmo bêbada, percebeu e lançou olhares fulminantes para elas, enquanto o abraçava ainda mais e empinava o nariz. O mesmo aconteceu com Inuyasha e Kagome. A jovem Higurashi já estava se preparando para voar no pescoço de cada uma daquelas vadias, mas acabou sendo impedida pelo namorado.

As três amigas se despediram no lado de fora do pub. Como a maioria dos carros esportivos, a Ferrari de Sesshoumaru possuía apenas dois lugares, então apenas Rin foi com ele. Sango foi com Inuyasha e Kagome, no carro do hanyou.

- Você é completamente imprudente, Rin! – Sesshoumaru a repreendeu enquanto dava a partida em seu carro.

- Me desculpe, Sesshy... – Ela abaixou a cabeça.

- Não quero que me chame assim em público.

- Tá, tá bom! Seu chato! – Ela fez um bico. – ...Você vai ter que viajar mesmo?

- Sim.

- Quando você vai?

- Na quarta-feira.

- Espero que você se comporte...

- Viajarei a trabalho e não por diversão! – Sesshoumaru franziu o cenho.

- Então... eu vou viajar com a Sango e a Kagome... não quero passar meu aniversário em branco, nem em casa.  – Rin disse triste, não queria ficar longe de Sesshoumaru.

 - Três irresponsáveis viajando juntas... – Ele disse com um tom frio.

- Nós sabemos nos cuidar muito bem! – Ela disse.

- Não foi o que vi há alguns minutos atrás! – Ele rebateu.

- Foi apenas um pequeno deslize nosso! – Rin tentou se justificar. 

- Faça como quiser... mas se comporte, sabe que não estarei por perto para socorrê-la. A propósito, quando é o seu aniversário? – Sesshoumaru perguntou, como quem não queria nada.

- Sim, senhor! – Rin brincou. – Meu aniversário será no domingo... – Ela respondeu sem desconfiar de nada.

- Hum...

Não disseram mais nada. Chegaram em frente à casa de Rin, Sesshoumaru estacionou o carro e a levou até em casa. Ela ainda estava bastante alterada pelo álcool e Sesshoumaru teve que ajudá-la a entrar em casa, já que Satoshi ainda não tinha chegado.

- Me leva pra cama? – Ela pediu, sem nenhuma maldade. Ele deu um sorriso malicioso que fez com que ela ficasse com o rosto extremamente vermelho, mas era óbvio que ele não iria tentar nada com ela naquele estado, apenas queria vê-la corar.

Ele a segurou nos braços e subiu a escada, ela envolveu os braços no pescoço dele, encostou a cabeça em seu peitoral e fechou os olhos. Pelo cheiro concentrado de Rin, ele pôde saber qual era o quarto dela. Abriu a porta e a deitou na cama.

- Obrigada! – Ela sorriu para ele. – Fica aqui até eu dormir? – Pediu tão manhosa que nem o poderoso dai-youkai conseguiu recusar.

Ele deitou-se ao lado dela e a abraçou. Os dois não resistiram e se beijaram por algum tempo. Depois de darem alguns amassos, Sesshoumaru achou melhor cessar as carícias antes que ele perdesse o controle. Rin estava, cada vez mais, mexendo com ele.

- Durma, Rin. – Ele disse. Na verdade, praticamente ordenou.

- Tá bom, seu mandão! – Ela sorriu e fechou os olhos, adormecendo quase que instantaneamente.

Ao perceber que ela havia dormido, Sesshoumaru se desvencilhou dela e foi embora para sua casa. Ele não gostava muito da ideia de Rin viajar sem ele, mas ele já estava com um plano em mente para o aniversário dela...


Notas Finais


Gostaram? <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...