História Cores e Temperos - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Tobirama Senju
Tags Diana_hatake, Hinatobi, Inonaru, Naruino, Naruto, Romance, Tobihina, Tobiramaxhinata
Visualizações 144
Palavras 3.112
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Yo, anjos ❤

Demorei? Sim, mas voltei. E para compensar, um capitulo maior que os anteriores.
Era pra ter saído ontem o capítulo, mas não estava conseguindo entrar no spirit de forma alguma, então aproveitei para dar mais uns retoques no capítulo.
Ah e avisando já aqui, os capítulos anteriores dessa fic foram reescritos não mudou em si o rumo dela, mas foram postos mais diálogos e detalhes... então deem uma passadinha no prólogo caso se interessem. 💞

Espero que gostem e boa leitura! 🖤

Capítulo 3 - Mente Confusa


Mente Confusa

.

.

.

Não havia conseguido pregar os olhos a noite, a confusão em seus pensamentos não a deixavam em paz.

Um bocejo suave saiu de seus lábios, e levantou os braços para se espreguiçar e tentar se levantar, mas não conseguia de maneira alguma deixar sua cama para trás. O celular na cômoda ao lado a atrapalhava ainda mais, e o toque de seu telemóvel ao som de Halsey nunca soou tão irritante, os olhos lavanda pegaram o celular para conferir e pela sétima vez apenas naquela manhã Kiba a ligou e como a bela covarde que era, jamais iria atender. Não queria falar com ele naquele momento, então jogou seu celular na cama.

Percebeu a maçaneta de seu quarto girar, e Neji se fazer presente em seu quarto.

— Oh, te acordei? — Indagou, enquanto colocava a cesta de roupas limpas na escrivaninha da morena.

Hinata negou.

— Não consegui dormir. — Admitiu com um suspiro, enquanto se sentava na cama.

O desconforto era notável na face da Hyuuga mais nova e Neji como o gênio que era, percebeu isso.

— Noite difícil, né? — Neji lançou um sorriso reconfortante para a prima. — Se arrume e desça para tomar café. — Disse e saiu do cômodo, deixando Hinata sozinha.

As lavandas percorriam o quarto e fechou o punho, tentando reunir forças. Logo já estava de pé, e indo ao banheiro. Escovou os dentes e penteou as madeixas azuladas e em seguida já estava na cozinha sentindo o delicioso aroma de bacon. Neji realmente sabia cozinhar e sem querer se gabar, ela que tinha o ensinado tudo o que ele sabe sobre isso.

— Que cheiro bom. — Falou se sentando.

— Oras, queria o quê? Sou eu quem está cozinhando. — Disse de maneira orgulhosa, enquanto colocava o prato de ovos fritos na frente da prima. — Urgh, não sei como aguenta, olha o tanto de caloria que tem nesse prato. — Apontou enjoado.

— Ok, ok, já sei que você não gosta de fritura. Mas eu… — Levou um pedaço da gema até a boca. — Amo. — E logo fez um murmúrio se deliciando.

— Quando você estiver com seu colesterol nas alturas, não diga que eu não avisei. — Comentou, arrancando risadas de Hinata e sorveu o suco de laranja.

A Hyuuga simplesmente amava provocá-lo, ele sempre seguia uma dieta extremamente rigorosa para tentar manter a forma e seu corpo perfeito, como ele sempre diz. Não que ela fosse contra isso, ser saudável e essas coisas, mas seguir dieta não era com ela, sim, ela ia pra academia uma vez por semana mas não pra ficar magra, e sim pra poder comer ainda mais.

O silêncio que pairou na cozinha era confortável, Neji era silencioso assim como ela. Aqueles poucos minutos de distração entre os dois a ajudou a deixar de lado seus problemas. Quando ela chegou em casa na noite anterior não contou nada a ele, sabia o quanto ele iria ficar furioso com ela por andar sozinha e por escolher justamente Kiba como namorado.

Na verdade ela não contou a ninguém o que aconteceu entre ela e Kiba na cafeteria, e foi rápida o bastante pra  criar um motivo plausível para estar sozinha naquela noite e assim contornar as perguntas frenéticas de Ino. Simplesmente disse que ambos tiveram uma pequena discussão e o abandonou na cafeteria e a loira mesmo desconfiando, a deixou em paz.

Neji notou que havia algo de errado com a morena, ela era fácil demais de se ler e percebia que ela estava ali fisicamente, mas sua mente estava em outro lugar.

— A Ino parecia preocupada ontem. — Tentou puxar conversa e tudo o que conseguiu foi um murmúrio. 

Hinata não queria contar, não tinha vontade, pra ela era no mínimo vergonhoso contar sobre seus problemas, principalmente sua ansiedade. Ela odiava ter algo sempre a atrapalhando de seguir sua vida, era como se isso fosse uma pedra no sapato, a impedindo de ir em frente.

— Você sabe, Ino sempre extrapola nas emoções. 

— Sei… — Respondeu de maneira desconfiada.

O celular da Hyuuga logo começou a vibrar, chamando a atenção de ambos. Neji conseguiu ler o nome de quem ligava e era Kiba, revirou os olhos em desgosto, mas foi surpreendido quando Hinata desligou o telefone. Não queria se meter na vida da prima, mas não poderia conter sua curiosidade.

— Por que não atendeu? — Questionou.

— Ah… é que… — Hinata se embaralhou, e juntou os indicadores.

Neji conhecia bem aquele gesto, ela estava nervosa. O homem suspirou alto, não ia forçar ela a falar.

— Tudo bem, não precisa falar. — Sorriu ladino. — Mas olha, sempre que quiser conversar estarei aqui, está bem? 

Hinata o olhou levemente espantada, mas deixou isso de lado e sorriu.

— Obrigada, nii-san. — Falou suspirando aliviada.

[...]

O barulho do impacto que as teclas causavam com seus dedos, era deveras irritante, na verdade, tudo estava sendo irritante aquele dia. A sua cabeça doía como nunca antes, e fez uma careta de dor ao ouvir a porta bater com força em seu escritório revelando ser sua secretária.

— Aqui estão as normas contratuais que pediu, Sra. Hyuuga. — A dona dos cabelos escarlates disse ao passar pela porta e depositar a pasta alaranjada em cima da grande mesa.

Hinata a pegou e a abriu, analisando por cima enquanto folheava os papéis.

— E conseguiu remarcar a reunião com os Senjus? — Indagou calmamente.

— Sim, consegui falar com o secretário de Hashirama-sama e marcar o ponto de encontro no restaurante Pasta e Salsa, a pedido dele amanhã às 11:00. 

A Hyuuga pode se surpreender, não imaginava de forma alguma que o grande Senju gostava de comida italiana mas ela também não pode deixar de sorrir, ela simplesmente amava o gostinho da Itália.

— Obrigada Karui. — Agradeceu com um sorriso e olhou o relógio de pulso. — Está liberada para almoçar.

A ruiva apenas maneou a cabeça em concordância, junto com um sorriso e se retirou da sala, deixando a morena pensativa enquanto observava a tela do computador e uma incógnita ficou em sua cabeça.

Desde quando ela havia escrito aquilo? Pensou, enquanto lia as coisas sem nexo escritas na tela. Rapidamente começou a apagar as linhas uma por uma, até seu word estar limpo. Onde ela estava com a cabeça? Ah, ela já tinha a resposta pra isso… Tobirama.

O homem de cabelos brancos como a neve não abandonava de forma alguma seus pensamentos, tentava se focar no trabalho, esfriar a cabeça, mas ele sempre estava lá. 

Se levantou da enorme cadeira, arrumando sua saia de maneira discreta e se pôs a ir até ao refeitório do prédio beber um pouco de café. A maneira distraída com o qual ela andava e às vezes a fazendo até tropeçar nos próprios pés, faziam os funcionários a olharem com certa estranheza. 

Ao chegar, percebia que o local estava vazio e era assim que gostava. Pegou uma xícara branca de porcelana no armário e logo estava a colocando despejando o líquido preto e novamente o platinado apareceu em seus pensamentos.

Lembrava na época do colégio, o quanto Tobirama chamava atenção de diversas garotas pela beleza mística e sensual, o modo desleixado e indiferente que ele tratava a maioria das meninas o deixava odiavél aos olhos de Hinata, mas a garota podia perceber que ele nunca se desfez dela, a tratando como uma verdadeira dama, fazendo-a se apaixonar mais e mais por ele. Todos os alunos achavam que eles eram um casal incrível, e que logo iriam finalmente deixar o relacionamento público, mas todos foram pegos desprevenidos e até mesmo Hinata com a bomba que viera à tona… ele estava namorando a garota nova, Shion.

Ela se lembrava bem o quanto foi doloroso ver o homem por quem cultivou um sentimento tão profundo e apaixonante, ficar com outra. E daquele dia em diante, a amizade deles jamais foi a mesma, a atenção era totalmente focada na namorada, os beijos e os momentos melosos entre os dois eram como um pesadelo, e pela primeira vez ela queria estar na pele de alguém, ela queria ser Shion, apenas para sentir o amor e carinho de Tobirama.

Todavia, ao achar estar sendo egoísta demais e estar também sendo afetada ela decidiu aceitar a proposta do pai a mudarem de cidade. Ela nunca mais teve contato com ele e foram longos onze anos tentando esquecer aquele homem que roubou seu coração.

Estava completamente absorta nos pensamentos, que nem sequer viu a chegada de Ino.

— Hina? Hina? 

A Hyuuga saiu do transe com a voz da amiga que parecia preocupada.

— Você está bem? — Perguntou, colocando a mão no ombro da amiga.

— S-sim… apenas, sei lá. 

— Claro, então… pode parar de derramar café?

A morena não entendeu, e Ino apontou para xícara que estava transbordando café. Hinata deu um grito e logo se afastou para não sujar a roupa enquanto Ino tentava abafar a risada.

— Isso não tem graça, sua doida. — Bufou.

— Claro que não. — A loira movimentou a mão. — Vim te buscar pra almoçarmos fora. 

Hinata pensou e sorriu, era uma ótima idéia.

— Ok, apenas tenho que entregar algo para meu pai.

A Yamanaka maneou a cabeça e ambas andavam calmamente pelos extensos corredores, em busca de chegar a sala de Hiashi. Ino estava preocupada com a amiga e sabia que ela precisava de um descanso do trabalho, e também de alguém para conversar.

Ao chegarem em frente a porta amadeirada, respiraram fundo, às vezes era muito difícil lidar com o patriarca dos Hyuugas. Hinata deu batidas fracas na porta e ouviu um “entre”, a dupla se fez presente na sala e se curvaram.

— Filha. Yamanaka. — As cumprimentou.

— Papai, apenas vim para avisar que conseguimos remarcar a reunião com o Sr. Hashirama amanhã. — Comentou. — E irei como sua representante, se não se importar.

— Terei que pedir para que cancele a reunião.

— Mas o quê? Pai, demoramos muito pra conseguir isso. — Disse Hinata de maneira surpresa. 

— Filha, acabei descobrindo do ocorrido de ontem a noite. — Apoiou os cotovelos na mesa. — Um passarinho me contou.

A morena arregalou os olhos e olhou por cima do ombro pra Ino, que sorria amarelamente murmurando um pedido de desculpas.

— Não fazia idéia que estava tão esgotada por causa do trabalho, deveria ter me contado. — A olhou preocupado. — A sua crise de ontem deve ter sido bem forte, e não quero que isso ocorra de novo, irei te dar uns dias de férias para esfriar a mente e se divertir junto com Ino.

Hinata escancarou a boca perplexa.

— Mas pai, e os negócios?

— Nenhum negócio ou empresa é mais importante do que a saúde de minha filha. — Deu um sorriso meio torto, não tinha muito costume de fazer esse gesto. — Bem, que tal uma semana? Se você ainda não se sentir bem, posso dar um pouco mais…

— Eu não vo- — Ino tampou a boca da amiga, que em sua opinião estava falando besteiras demais.

— Ela com certeza irá aceitar Sr. Hyuuga. Obrigada. — Falou com um sorriso, e foi guiando Hinata para fora da sala, ignorando os protestos da morena.

— E Ino.. — Hiashi a chamou, e os olhos azuis se viraram para ele. — Cuide bem da minha filha, deixo ela em suas mãos. — A Yamanaka sorriu e assentiu antes de sair. O patriarca respirou fundo. — Essa loira ainda vai matar minha herdeira… e eu ainda preciso de netos. — Disse a si mesmo, preocupado.

[...]

Pela primeira vez no dia, não se incomodou nenhum pouco com o barulho. A churrascaria na qual estavam era bastante movimentada, e por incrível que pareça se sentia acolhida no meio de tantas pessoas.

As duas pérolas percorriam o local, observando as variadas pessoas ali em seu meio, e se assustou ao notar um pedaço de carne cair em seu prato.

— Obrigada Ino. — Sorriu, ao notar que a amiga estava a servindo.

— Por nada. — O sorriso meigo que estava nos lábios da Yamanaka desapareceram em poucos segundos. — Agora desembucha, o que tá pegando? 

Hinata franziu a testa e arqueou a sobrancelha.

— Hm?

— Não se faça de tonta. — Falou colocando um pedaço de carne na boca e logo engolindo. — Você não parece nada bem desde o encontro com Kiba, e parece que está pior ainda quando viu aquele Jack Frost versão pirocudo.

A morena arregalou as orbes claras, e colocou a mão na boca para tossir.

— INO! — A repreendeu.

— Tsc. — Estalou a língua. — Não falei mentiras, você não notou? Aquele cara deve ter a porra do… — Chegou mais perto da amiga e sussurrou. — Martelo do Thor no meio das pernas.

— E… po-por que o martelo?

— Oras, quando ele meter em você, vai sair tanta rajada que você vai ficar eletrizada. — A loira disse com um sorriso malicioso nos lábios, e logo começou a rir de maneira histérica quando percebeu a Hyuuga ficar mais vermelha que um pau inchado. — Ou eu deveria dizer… molhada? Ele deve ser mestre no suiton no jutsu. — Ino fez um selo de mão.

Hinata não conseguia falar nada por estar vermelha e envergonhada demais, olha a melhor amiga que ela tinha. A Hyuuga escondeu o rosto com as mãos.

— Céus, que vergonha… — Sussurrou.

Ino que ainda ria, notou seu celular vibrar e olhou para a tela.

— Agora para de graça, o Sasuke está ligando. — Falou e encostou o dedo no ícone verde. — Alô?

Ino, sua vadia… não me mandou mais notícias da Hina, fiquei preocupado. — Vociferou do outro lado da linha.

— Hm… — Murmurou enchendo a boca de carne. — A gente encontrou ela. — Falou com a boca cheia.

Pela buceta da Kaguya, OH RIKUDOU… Eu quase morri. — O modo dramático fez Ino revirar os olhos, como ele poderia ser tão idiota?

— Hai, hai… ela está bem, ok? Para de fazer drama e aquieta a bunda. O que você quer?

Ouviu um suspiro cansado do Sasuke.

A senhora Mikoto está fazendo um banquete porque um amigo do Madara está vindo aqui e ela está convidando vocês pra jantar. — Disse entediado. — E aí? O que dizem?

Os olhos azuis encontraram com duas pérolas confusas, Hinata até então tentava se concentrar no que o Uchiha dizia, mas não conseguia entender.

— Nós vamos, coloca esse frango para assar… ou se tiver peru, é ainda melhor. — Disse sorridente.

Céus Ino, como diabos aquele Uzumaki te aguenta? — Logo após questionar, desligou o telefone.

— Que mal educado. — Murmurou e ouviu uma risada abafada da amiga.

— O que ele queria? — Indagou a morena, curiosa.

— Temos um jantar pra ir. — Sorriu.

[...]

E pela vigésima vez apenas naquela noite, Hinata conferia seu reflexo no espelho. Os finos dedos ajeitavam a pequena franja que tinha, estava atrasada mas também não estava muito contente com sua aparência, não que ela queria impressionar alguém mas teria um convidado na casa de Mikoto, se ele fosse solteiro ela poderia aproveitar então ela tinha que ir o mais gostosa possível.

O vestido lilás ia até seus joelhos, era largo mas não o bastante para esconder as fartas curvas que Hinata tinha. 

— Ai, a Ino está me contaminando. — Praguejou, e ouviu soar uma buzina em frente a sua casa. — JÁ VAI. — Gritou da janela, e de maneira rápida arrumou sua sandália. Corria de maneira estabanada pela casa, até conseguir sair de casa.

— Uau, essa é a Angelina Jolie ou a Hinata? — Perguntou Ino enquanto a analisava da janela do carro. — Juro que te confundi com um pedaço de picanha. — Brincou a loira, provocando gargalhadas da morena enquanto entrava no banco do passageiro.

— Vamos logo. — Disse Hinata afivelando o cinto.

— Quer impressionar quem com esses peitões? O Sasuke? — Arqueou a sobrancelha, enquanto pisava fundo no acelerador.

— Cala a boca, não quero impressionar ninguém. — A Hyuuga riu, envergonhada.

— Bem, não vai falar que estou parecendo uma deusa? — Disse Ino, enquanto jogava o cabelo para o lado.

— Tá parecendo uma vaca. — Hinata colocou a mão na boca pra não rir, mas ao ver o olhar mortal da amiga, foi inevitável. — Brincadeira, a Afrodite deve ter inveja de tamanha beleza que emana de sua alma, ó nobre rainha. — Falou em tom irônico.

— Obrigada!

[...]

A dupla dinâmica saiu do automóvel, e foi até a porta. Hinata estava tentando não parecer, mas por um motivo até então desconhecido encontrava-se nervosa. Batia os indicadores um no outro, e mordia o lábio.

— Hey, por que está assim? Fica calma. — Colocou a mão no ombro de Hinata. — Tomou seu remédio? — Viu a amiga assentir. — Qualquer coisa que estiver incomodando, me fale. 

As duas quebraram o contato visual, quando a porta foi aberta revelando uma figura feminina, era Mikoto. A mulher mais gentil que as duas já conheceram.

— Como vocês estão lindas. — As cumprimentou com um beijo na bochecha. — Entrem, entrem… — Disse dando espaço para ambas entrarem.

Ao darem o primeiro passo dentro da residência, conseguiram sentir o maravilhoso aroma da comida da matriarca Uchiha. As duas fecharam os olhos e inspiraram, em busca de sentir mais daquele aroma delicioso.

— Que cheiro ótimo. — Falou Hinata.

— Vocês chegaram bem na hora. — Sorriu a Uchiha. — Vão para a sala de jantar, os rapazes estão lá. Já irei terminar os preparativos.

— Não quer ajuda, Tia Mikoto? — Perguntaram em uníssono. 

— Claro que não, volto logo. — Ao dizer, virou o corredor que dava para a cozinha.

As mulheres conseguiam escutar conversas animadas vindo da sala de jantar, e decidiram ir. Hinata sentia seu coração ficar cada vez mais acelerado, sentia que iria pular do seu peito. Por que essa sensação? Questionava a si mesma. Sua intuição dizia que iria ter algo naquele jantar.

Quando entraram viram os três Uchihas, Madara, Itachi e Sasuke.

— Meninas. — Cumprimentou o mais velho, com a taça de vinho erguida. — Achei que não iriam vir. — Se levantou e beijou-as na bochecha.

— Oras, estamos falando delas… tem lerdeza até pra achar uma calcinha. — Zombou Sasuke.

— Você cala a sua boca. — Ino disse jogando sua bolsa em cima do Uchiha mais novo. — Como você é irritante.

— Ino, não quebre nada. — Advertiu Hinata, e logo foi cumprimentar Itachi. — Como você está? — Perguntou calmamente.

— Até que bem Hinata-chan. — Falou antes de levar a delicada mão da Hyuuga aos lábios, lhe dando um beijo.

Hinata corou com o ato e apenas sorriu, e também não notou quando outra pessoa se fez presente no cômodo.

— Que sacrifício achar uma toalha. — Falou de maneira grossa enquanto abanava as mãos.

A voz fez a Hyuuga arrepiar-se dos pés a cabeça e levou a arregalar os olhos. Oh, não! As orbes olharam para trás e se encontraram novamente com duas rubis extremamente vermelhas.

— Tobirama, essa é Ino e  Hinata. — Apresentou Madara.

O Senju a olhou com um olhar malicioso, da mesma forma que um predador olha para a presa e sorriu ladino.

— Prazer em revê-la... pirralha. — O tom rouco e aveludado com o qual falou, com toda certeza fez a torneira que ela jurou ter fechado, abrir.

Ino que até então presenciava toda a cena, sorriu maliciosa.

Aquela noite seria incrível!


Notas Finais


E aí, gostaram? Favoritem e comentem, amo saber o que estão achando <3
Caso algo tenha ficado confuso, me avisem está bem?

Como vocês puderam ver, troquei a capa da fanfic. Méritos a @_Black_Velvet_ do Animes Design pela maravilhosa capa😍 TÔ APAIXONADA.

A betagem foi feita pela @BeccaHatakke, obrigada mo tu é incrivel 💕

Bem, espero que tenham gostado.
Até o próximo capitulo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...