História Coronel... Acho que te amo - Capítulo 19


Escrita por:

Postado
Categorias Fullmetal Alchemist
Personagens Edward Elric, Roy Mustang
Tags Edward, Fullmetal Alchimist, Lemon, Militar, Romance, Roy, Royed, Yaoi
Visualizações 188
Palavras 1.675
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ao lembrando que o próximo capítulo é o último.

Capítulo 19 - Nossa relação


          Capítulo 19: Nossa relação

 

Como ele havia dito, no dia seguinte voltou ao quartel do sul, trazendo as boas notícias de que nossas férias se iniciariam já no dia seguinte. Fui pego de surpresa, mas claro, não fiquei infeliz com a notícia.

Usando a minha chave ele foi para o meu apartamento mais cedo, quando eu cheguei em casa, ele tinha tomado banho e estava sentado no sofá assistindo televisão. Vestia uma calça preta e uma regata branca e a toalha que usou para secar seu cabelo ainda estava enrolada em seu pescoço... Foi uma visão incrivelmente bela, apesar de simples.

Tirei o casaco, as luvas e as botas, sentando ao seu lado no sofá. — Então, as nossas férias vão realmente durar três meses? — questionei olhando-o e chamando a sua atenção para mim.

— Sim. Os papéis oficiais serão enviados ao seu escritório na próxima semana, então você terá que dar uma passada por lá para pegá-los e assiná-los. Mas fora isso, já estamos oficialmente de férias e Major Hughes ficou encarregado de cuidar do quartel no seu lugar. Ele será notificado amanhã.

— Pobre Hughes — comentei e Edward completou. — Dona Graça vai nos matar quando souber que deixamos o trabalho todo para o Major — Suas palavras me fizeram rir e ele sorriu comigo.

O controle da televisão que estava ao seu lado foi alcançado e com ele a televisão foi desligada. Sem dizer mais nada, eu me aproximei dele e seu rosto se virou para receber o meu beijo. Quando nos afastamos, um suspiro de alívio deixou nossas bocas em sincronia... 

Há quanto tempo estávamos esperando por um momento como aquele? Um momento para aproveitar a felicidade.

— Sei que temos muito tempo para isso, mas eu realmente quero agora — disse-me em um sussurro, voltando a me beijar enquanto empurrava-me calmamente para que eu deitasse sobre o sofá e foi exatamente o que eu fiz. Deitado e com ele entre minhas pernas, beijei sua boca e percorri suas costas com minhas mãos, após jogar no chão a toalha que ele tinha no pescoço.

— Faz um ano que começamos a namorar e ainda assim, parece que foi ontem... Esse deve ter sido o beijo mais longo que trocamos até agora — riu da nossa situação, fazendo um sorriso surgir em minha face, enquanto eu subia a minha mão para tocar seu rosto e ajeitar seu cabelo para o lado, para que eu pudesse ver o máximo possível de sua face.

— É estranha, não é? A nossa relação?

— Muito — afirmou sem hesitar, fazendo meu sorriso aumentar ainda mais. 

— Nos conhecemos em meio a uma guerra, nos reencontramos quando você caiu em cima de mim e em um mês nos apaixonamos... Mesmo estando oficialmente em um namoro, nunca tivesse um encontro descente e agora já somos casados... Não importa de que ângulo seja visto, além de estranho, é muito louco — disse-lhe, ouvindo palavras calmas e cheios de um sentimento quente que preencheram meu coração.

— Nada é tão louco quanto a intensidade desse amor que sinto por você — Com essas palavras a sua boca voltou a minha e nada mais foi dito, nada mais precisava ser dito naquele momento. Nem mesmo "eu te amo", pois nosso amor era facilmente sentido sem essas palavras.

Apesar da inexperiência, Edward não fugiu da liderança daquele momento e eu não o impedi. Apenas fechei meus olhos e contive meu desejo, enquanto deixava que ele explorasse meu corpo assim como desfrutava da sua primeira vez do melhor modo que podia.

Os seus beijos deixaram minha boca e foram ao meu pescoço, beijando-o de forma lenta e quase torturante, enquanto suas mãos abriam a minha camisa. Mantive uma de minhas mãos em seu cabelo, segurando-o para não atrapalhá-lo e mantive a outra mão em sua cintura, por debaixo da camisa.

Após abrir a minha camisa as suas mãos percorreram meu dorso, assim com sua boca, enquanto ele parecia querer beijar cada parte do meu corpo em uma única noite. Quando ele se ergueu por alguns segundos, Aproveitei a chance para tirar sua camisa e me sentar no sofá.

Eu não sabia que posição ele preferia, então apenas beijei seus lábios e esperei que ele tomasse a iniciativa. Enquanto me beijava, seus braços rodearam meu pescoço e ele calmamente deitou para trás, puxando-me para que meu corpo cobrisse o seu, assim invertemos de posições e eu estava agora entre suas pernas.

Aproveitando que estava em cima do seu corpo, fiz o mesmo que ele havia feito, beijando seu pescoço e seu corpo enquanto sentia suas mãos em minha nuca e cabelo. Ao voltar e beijar seus lábios, senti suas mãos em meus ombros e ajudei-o a tirar a minha camisa. 

Seu rosto estava vermelho, mas não era vergonha, parecia ser ansiedade ou uma reação causado pelo prazer. Enquanto a mim?... Bom, eu não podia me ver, então não sabia. Mas algo me dizia que mesmo se tivesse um espelho ali, os meus olhos não deixariam Edward por nem mesmo um segundo para que eu pudesse olhar meu reflexo.

Os minutos e as trocas de carícias seguiram, enquanto ficávamos mais a vontade e mais ousados em nossos toques. Edward chegou a tocar meu membro por cima da roupa, mas antes que ele fizesse um contato direto, eu resolvi fazê-lo. Usando o gel que ele havia preparado para aquela ocasião e que me avisou ter deixado sobre a cômoda ao lado do sofá, eu dei o primeiro passo.

Após retirar sua vestes inferiores e colocar o gel sobre os dedos, empurrei-os para dentro de seu ânus, sentindo o seu interior me apertar. Edward abria a boca e respirava pesadamente e rapidamente, na medida em que eu colocava e retirava meus dedos, mesmo sendo apenas dois deles e apenas a metade.

A minha mão estava apoiada perto da sua cabeça, enquanto eu olhava fixamente em seus olhos e movia meus dedos dentro de si. Ed segurou a minha mão de apoio e me afastei para que ele pudesse segurá-la sem que eu caísse em cima dele, quando comecei a me perguntar o que ele ia fazer, ele levou meus dedos até sua boca e os lambeu.

As vezes sugando o dedo indicador, as vezes passando sua língua ao redor do dedo do meio, sua língua era áspera, sua respiração e hálito eram quentes e a sensação de meus dedos eram tão pegajos quanto os dedos que estavam se afundando em seu interior. Aquilo era muito excitante.

Fiquei feliz por ser meus dedos dentro de Edward e não meu membro, pois sentia que podia atingir o meu orgasmo só vendo aquela cena. Depois de se divertir o suficiente com meus dedos, nos dois sentidos, nós seguimos para a próxima etapa. Enquanto seus dedos se entrelaçaram com meus, forcei-me para dentro de seu corpo, ouvindo seu gemido enquanto sua cabeça era jogada para trás. 

Entrelaçei também os dedos da outra mão e depois prendi suas mãos acima da sua cabeça, retirando meu membro e o colocando novamente para dentro, sentindo como se fosse ejacular a qualquer momento.

Em algum momento eu soltei suas mãos e elas se embrenharam em meus cabelos, enquanto suas pernas se enrolavam em meu corpo e meus movimentos eram reduzidos para pequenas e firmes entradas e saídas.

Desci uma das minhas mãos até sua perna esquerda, acariciando toda a pele que havia pelo caminho, chegando até a sua prótese e segurando firmemente nela enquanto levantava-a para que pudesse me mover com mais intensidade e mostrar mesmo que pouco, o quão desesperado eu estava para continuar aquele momento eternamente.

Meus movimentos aumentaram e com eles vieram sensações novas. Sem conter todas elas, os gemidos saiam tanto de minha boca quanto da dele, enquanto nos beijávamos de maneira desastrada tentando seguir com o sexo forte e selvagem, apesar de querer as carícias e carinhos.

Eu fui o primeiro a atingir o limite, me derramando dentro dele enquanto quase perdia a consciência por alguns segundos devido ao prazer. Em seguida, usando meu membro ainda dentro dele e minha mão em seu pênis, levei-o a encontrar seu próprio clímax. Aquela foi a nossa primeira vez... A primeira de nossa vida juntos e daquela noite.

Na posição seguinte eu tive o prazer de tê-lo sentado sobre meu colo, vendo-o assumir novamente a liderança dos movimentos enquanto tinha uma visão privilegiada de seus movimentos, seu corpo e seus olhos...

Olhos que me amavam. Mais do que admiração pelo meu trabalho, mais do que cobiça por minha fama, mais do que desejo de obter meus poderes... 

Olhos que amavam o homem em mim e não o soldado ou o famoso Alquimista das Chamas, tanto amor quando o que eu sentia por Edward Elric, talvez antes mesmo de saber que ele era o Alquimista de Aço. Um amor que brotou do carinho e do vínculo criado com aquela pequena criança que estava a beira da morte na caverna.

Após mais uma rodada de prazer, amor e luxúria, abracei-o pela cintura e beijei seu pescoço, pouco antes de descer meus beijos pelo seu ombro, indo até a sua prótese e beijando a junção da carne com o metal, sentindo o metal frio em contato com os lábios assim como todas as vezes que suas próteses tocavam em minha pele quente... Era revigorante, como alguém que está sob o sol forte em um dia de calor e pode tocar o gelo frio para se revigorar.

— Sei que não deveria dizer isso, mas... fico feliz de ter participado naquela guerra — comentou para a minha surpresa. Ele afastou-se alguns centímetros e tocou a junção de seu ombro com o titânio, onde eu havia beijado-o há pouco. Completando:

— Naquele dia eu perdi meu braço e perna, mas ganhei você em troca. Para mim, valeu a pena.

Não tenho certeza de quando começou, mas antes que eu pudesse perceber, ele estava enxugando minhas lágrimas. Com um sorriso no rosto e palavras gentis, aquele garoto muito mais novo que eu me confortou, antes de me beijar e uma nova onda de carícias começar, carícias essas que mais tarde naquela noite virariam outra rodada de sexo.


Notas Finais


Até mais.
:-)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...