1. Spirit Fanfics >
  2. "Corre!" >
  3. Capítulo 122

História "Corre!" - Capítulo 122


Escrita por:


Capítulo 122 - Capítulo 122


Ao verem que Gustavo caiu inconsciente no chão eles tiveram mais um daqueles momentos onde o tempo fica totalmente desproporcional, num piscar de olhos Gustavo estava sendo levado pro carro, no outro, Daniel já estava operando ele.

Pedro estava desesperado, mal respirava.

Enquanto isso, Carrasco saiu para tentar respirar, desconfiado que aquela missão veio a calhar muito bem ele se deitou embaixo dos carros e ficou esperando que algo desse a entender que tinha uma bomba.

Não tinha...

Ele escutou passos na direção dos carros, alguém estava ali, alguém que ele queria matar apenas por assustar ele.

Ao voltar relutante para o pentágono, Lukas observou que Braga, parado e impaciente analisava Daniel enquanto o mesmo terminava de cuidar de Gustavo.

-Por que tentar ser um atirador? - Ele perguntou assustando Braga que, timidamente, deu um pulo leve para trás.

-Porque eu queria. - Ele respondeu rude, deu dois passos para longe do Carrasco e foi embora.

Lukas se aproximou da cama de hospital onde Katharine já esteve duas vezes, Giulianna, Pedro... Se mais um deitasse ali ele derrubaria aquele pentágono a socos.

-Como ele está?

-Dois dias de recuperação e ele pode se levantar, uma semana pra voltar a ativa. - Daniel Suspirou. -, Como vamos a próxima missão? Pedro tá devastado. - Ele Sussurrou.

-Temos que ir, de qualquer jeito. - Carrasco respondeu. -, Pedro vai ter que se segurar.

O tempo se passou, um dia antes da missão de Paris...

Giulianna estava deitada na sela escutando música, quando alguém tocou seu pé.

-Lukas? - Ela sorriu levemente mas ele não respondeu.

Quando Giulianna se tocou que poderia não ser ele, era tarde demais, ele já tinha ido.

O medo que dela tomou conta foi apavorante.

Giulianna marchou pentágono acima até achar seu namorado, o encontrou escoltando Gustavo de volta para as selas.

-Amor? - Ela o chamou apoiando Gustavo no ombro. -, Onde você estava nos últimos dez minutos.

-Enchendo meu saco. - Gustavo resmungou. -, Seu namorado é um verdadeiro porre sabia?

-Sabia. - Ela riu. -, Mas sério que você estava lá nos últimos...

-Nas últimas dez horas ele estava lá. - Gustavo se sentou numa cadeira.

-Por que pergunta?

-Nada...

Seu namorado parecia tão preocupado, pra que mais um problema?

Eles levaram Gustavo para a sela e o deixaram lá descansando, Pedro estava praticamente de guarda, não sairia dali sem que Gustavo saísse também.

-Giulianna? - Luka a chamou sentada na sela com os olhos fixos no chão. -, Tá tudo bem amor?

-Tá sim. Só ansiosa.

-Pelo que?

-Pela próxima missão...

Lukas prende seus olhos no vidro e percebe, fria e impassível, uma figura andando.

-Aquilo é um vulto? - Ele pergunta.

-Ele voltou? - Giulianna sem querer entrega o motivo pelo qual estava tão nervosa.

-Quem voltou? - Pressionou até ela dizer a verdade.

Ele, assim como ela o fizera a alguns minutos, marchou pentágono acima até o quarto de seu pai.

Alguns amigos até tentaram para-lo para perguntar o que estava acontecendo mas ele não parava.

Adentrando a sala ele vê seu pai sob observação de um segurança.

-Sai. - Disse rápido mas não foi obedecido da mesma forma. -, Você não ouviu não?

-Ouvi. - Ele responde. -, Mas eu não quero sair.

-Sai!

Essa única palavra fez o cara sair baqueado de lá, Lukas não tinha a menor ideia da quantidade de medo que ele infringia sobre as pessoas, mas logo ele teria.

-Pai? - Ele chama o chefe que lentamente abre os olhos sem dizer nada. -, Eu quero saber se você treinou mais alguém além de mim.

-Por quê? - Ele diz curioso.

-Porque hoje a Giulianna viu um cara parecido comigo na sela, e eu vi ele também. Mas quando eu vi, ele sumiu. Do mesmo jeito que eu sumiria, na mesma técnica. Mesmo tudo. - Ele suspira. -, Você treinou mais alguém além de mim?

-Não. A tradição só permite que alguém treine um filho. Você não tem irmãos.

Lukas passou a mão nos cabelos e ao ver seu pai debilitado e delirando...

-Há quanto tempo você está doente?

-Quatro anos.

Ele ficou um tempo ali pensando, mas uma missão o chamava antes que concluísse o pensamento.

Paris.

Enquanto Carrasco descia para as selas, Lucas apagava todas as pessoas do pentágono, todas menos... Como assim?

Ele percebeu algo, alguém, que não devia tá ali. Ou que não avisou que estaria...

-O que faz aqui? - Angélica abriu e fechou a porta rapidamente.

-O que sabe sobre o projeto gemini?

-Não tenho autorização pra falar disso. Saí daqui. - Ela pediu trêmula, assim que Lucas minimizou as páginas e levantou para ir embora, Braga estava parado na porta da sala.

-O que ele faz aqui? - Pergunta assustando Angélica que de costas pra ele balbuciou um "puta merda.".

-Você não tem autorização pra falar disso. - Lucas avisou saindo sem dar atenção a Braga que suspirou forte.

Reunidos mais uma vez, eles apresentaram a missão.

-Transportar uma assassina calibre quatro para Roma. Na verdade apenas tirar ela de Paris. - Daniel anunciou.

-O que é calibre? - Luanna quis saber.

-Um pódio. - Carrasco suspirou. -, Calibre três são todos abaixo do Capataz que era dois, e eu sou o único calibre um da América. Todo continente com excessão da Ásia e da África tem um pódio. Quem é a assassina?

-Não diz. Mas ela vai estar nessas coordenadas daqui quatro dias. Vamos de avião. E aqui diz... Que o Carrasco deve se manter longe para proteção dele e de seus amigos.

-Os calibre três devem estar perto. - Desafio sussurra.

-Okay... Gente façam só o que for mandado a vocês, não façam coisa de eu ter que me meter. Pretendo sumir assim que vocês saírem.

-Acha que a gente depende de você? - Luanna brincando da um tapinha de brincadeira na cabeça de Lukas, que sorri e a abraça.

-Não. Mas eu dependo de vocês, se eu sentir alguma coisa errada eu vou intervir.

Lucas ficou quieto o tempo inteiro rezando pra que Lukas conseguissse voltar.

Igao usou a percepção de medo e perigo e percebeu que Lucas não estava bem.

...

Saindo em direção a Paris num avião particular do pentágono, Giulianna virou-se rapidamente para se despedir de seu namorado, mas ele, do mesmo jeito que aquele vulto estranho e horripilante fez, sumiu.

Giulianna se sentou ao lado de Katharine no avião e dormiu quase a viagem toda. Pedro e Gustavo ficaram vendo filme, até Rocky sentir os efeitos do analgésicos e dormir. Nathalie por sua vez se sentou ao lado da pior pessoal possível naquele momento, Luanna. Que morria de medo de altura. Ela tremia o tempo todo e quase nunca abria os olhos.

Pedro tocou o ombro de katharine e ela sorriu.

-Oi cunhada.

-Oi querido. - Respondeu tocando os cabelos de Giulianna.

-Como você está? - Perguntou se sentando no braço da poltrona ao lado dela.

-Bem.

Ao olhar para Pedro várias e várias vezes ela se lembra, que nunca, em nenhum momento, agradeceu a ele por salvar sua vida.

-Pedro? - Ela o chamou. -, Obrigada por ter salvo a minha vida na frente da escola.

-Katharine? Obrigado por ter salvo meu irmão duma morte lenta e profunda sozinho e abandonado sem amar ninguém. - Ele riu vendo Daniel lá do fundo mostrar o dedo do meio pra ele.

-De nada. - Ela riu junto.

-De nada. - Pedro deu um beijo na testa dela e foi se sentar ao lado do namorado.

As sete horas daquele vôo foram longas e completamente chatas.

Felipe e Linda estavam dormindo, ela num sono profundo porém inerte, já Felipe tinha espasmos enquanto dormia, e alguém tocou seu braço.

-Pai? - Uma moça de seus dezesseis anos mais ou menos o acordou.

-Quem é você? - Felipe esfregou os olhos por baixo dos óculos.

-Gabrieli, pai. Sou eu. Sua menina. - Ela sorriu, o sorriso de Marina.

-Meu Deus... - Antes que Felipe pudesse se agitar, Gabrieli o impediu.

-Calma. Eu só vim ver você e já tô indo.

-Onde você vai? - Ele disse exasperado, mesmo dormindo Felipe estava taquicardico.

-Com a Sofia. - Gabrieli se afastou. -, Eu estou bem, não foi culpa sua. Eu estou bem.

De repente Felipe acordou num sobressalto de susto e Linda acordou também.

-O que foi!?

-Nada...! - Felipe disparou. -, Nada amor. - Suas lágrimas caíam das bordas dos óculos e ele as enxugava sem sucesso, pois elas continuavam a cair.

-Nada? Teve um pesadelo? Você está chorando Felipe. - Linda tocou seu rosto e finalmente ele sorriu.

-Não. Foi um sonho, um sonho lindo.

-Me conta. - Insistiu.

-Não. Eu te mostro.

Felipe segurou seu pescoço e a beijou suave e lentamente, Linda não demorou muito a se derreter e o assunto finalmente foi esquecido.

Lucas já não aguentava mais e quando Daniel teve um momento sozinho ele o chamou.

-Daniel? Tenho que te mostrar uma coisa.

Eles se distanciaram e então se sentaram, Lucas entregou um arquivo para ele ler.

-O que é isso? - Daniel folheou os papéis.

-Projeto gemini. Um clone feito a partir de DNA. - Lucas explicou. -, Treinado pra ser pior que o original.

-Eles tiraram isso do filme? - Igao apareceu atrás deles.

-Ou o filme tirou isso deles...

-Clone de quem?

-Adivinha de quem...

-Puta merda... - Frustrado, Daniel passou a mão no rosto e voltou a ler. -, Ele sabe disso?

-Acho que não.

-Mas por quê?

-Porque? - Lucas respondeu com sarcasmo. -, Já que o original não vai voltar, eles fizeram outro. Outro Carrasco.

-Não há outro Carrasco. - O Atirador negou. -, Há alguém por aí melhor ou pior que o Lukas, mas não outro igual a ele.

-Pior, melhor, isso não faz diferença. Pra mim, os dois parecem ruins. - Lucas Sussurrou.

-E de fato são. - Ele concordou relutante.

Dois minutos em silêncio se passaram até que Lucas percebeu uma coisa.

-Daniel? Nós estamos a mil e tantos pés de altura e só o Lukas não está aqui. E se for um atentado, pra esse Carrasco pegar aquele Carrasco?

Daniel respirou fundo e levantou da poltrona.

-Sinceramente eu tô cansado de ser o pagamento do Lukas. Gente! Vamos achar uma bomba!

Ele gritou tão alto que quem estava dormindo levantou e obedeceu sem nem processar.

Nathalie com o faro impressionante a achou embaixo do banco de Giulianna. Depois de desarmada eles pararam para respirar.

-Gente nós estamos sendo marcados por alguém? - Luanna disse assustada.

-Sim estamos. - Daniel respondeu e antes mesmo de responder, o olhar dele encontrou o de Giulianna. Ela sabia. Ele sabia.

-Quem é o filha da puta que está pilotando o avião!?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...