1. Spirit Fanfics >
  2. Corrida até o Limite >
  3. Não é o lugar, é a posição.

História Corrida até o Limite - Capítulo 1


Escrita por: Airam_Yuka

Notas do Autor


Olaaa dnv skkskss essa bebê aqui quem me deu ideia foi a @Yoongi_bts, estamos usando a tag Especial96&97 para comemorar o niver dos Meanie, vulgo bebês Nonu e Gyu<3

Eh isto, ta tarde mas espero que gostem! Boa leitura<3

(Capa, banner, betagem e conteúdo de minha autoria)




•Yuka

Capítulo 1 - Não é o lugar, é a posição.


Fanfic / Fanfiction Corrida até o Limite - Capítulo 1 - Não é o lugar, é a posição.

A velocidade dos carros especiais para aquela modalidade quase ultrapassava a barreira do som, e os torcedores que estavam sentados na beira perto da pista escondiam o incômodo pelo barulho ensurdecedor quase estourar seus tímpanos, não cessando seus gritos de motivação. Os favoritos estavam ali e isso que importava.

Parecia que quando aqueles dois que também estavam presentes na lista dos corredores, o mundo era movido a sua competição particular que não incluía nenhum outro corredor naquela rixa curiosa, que ninguém sabia ao certo quando tinha começado. Só tinham uma certeza: aquela competição particular entre os dois sempre seria o centro das atenções.

O carro 96 se aproximava cada vez mais do primeiro lugar, e logo na sua cola estava o 97. Era a penúltima volta e naqueles momentos, todos os torcedores praticamente prendiam a respiração com a final decisiva. Wonwoo se tornava extremamente calculista e concentrado, no fone em seu capacete apenas seu treinador o dizia algumas coisas para guiá-lo, mas até mesmo ele evitava falar. Confiava em Wonwoo e conhecia o nível de concentração do Jeon. Já Mingyu, seus companheiros de equipe conheciam a pilha de nervos que o Kim se tornava quando chegava da penúltima pra última volta e por isso evitavam falar-lhe, pois seu objetivo não era estar em primeiro lugar quando competia com o Jeon. Não. Aceitava qualquer posição sem agir como uma criança birrenta, desde que não ficasse abaixo do 96. Ah, era extremamente competitivo, mas sua rixa com Wonwoo não tinha exatamente um motivo. Aceitava a vitória de qualquer outro corredor, mas desde que não fosse Jeon Wonwoo e todos já sabiam daquilo. Seus amigos chegavam até a brincar dizendo que toda aquela “inimizade” era tesão acumulado, mas em resposta só o olhar que Mingyu dirigia a eles era quase o suficiente para lhes fazer se calarem e mudarem de assunto imediatamente. Quando se tratava de Jeon Wonwoo... Ah, Mingyu não conseguia se controlar. Nem ele mesmo sabia o porquê.

Cuidado com a curva, os detritos podem te fazer derrapar.

— Não vão.

Em seu fone no capacete sua equipe praticamente sequer produzia qualquer ruído, exceto o essencial dito pelo treinador do Kim. Já era experiente naquela modalidade e poderia dizer que tinha uma estante muito bem abastecida de troféus e medalhas, a maioria de ouro ou prata, quase nunca bronze. Como dito mais acima; Kim Mingyu era extremamente competitivo e sua extrema competitividade o fazia um oponente forte. Mas, existia alguém a sua altura, e essa pessoa tinha nome e sobrenome bem presentes em sua rotina. Era irritante.

O 13 está na sua cola! — a voz do treinador Choi soou em seu capacete, mas Mingyu só franziu mais o cenho com a irritação crescendo.

— Eu sei, e ele vai comer poeira daqui a pouco. — grunhiu e o treinador suspirou, cansado de lidar com o Kim daquele jeito. Não via à hora daquela corrida terminar para poder descansar.

O carro 97 estava extremamente concentrado em não deixar nenhuma brecha para qualquer outro corredor lhe ultrapassar, enquanto focava no 96 que estava pouco mais a sua frente, e que logo estaria comendo sua poeira na próxima curva. Aquele momento era exclusivamente gravado por todos os ângulos de todas as câmeras disponíveis naquela pista, focando nos favoritos da torcida. O silêncio do suspense era cortado apenas pelo barulho dos motores, e vez ou outra era possível ouvir os narradores. Mas mesmo assim, ninguém prestava atenção. Faltavam poucos metros para os carros atravessarem a linha de chegada e com isso, o público se pôs de pé pela ansiedade e nervosismo, pois agora, ambos os carros 96 e 97 estavam praticamente emparelhados, vez ou outra quase sendo ultrapassados um pelo outro no primeiro lugar.

Wonwoo, o 97 ta na sua cola... — o treinador Lee o avisou pelo microfone, e se aproveitando de que ninguém poderia ver, o Jeon sorriu, olhando outra vez pelo retrovisor e conseguindo imaginar perfeitamente a careta de irritação e impaciência de Mingyu.

— Fica tranquilo, o primeiro lugar é meu. — respondeu apenas, ainda com o sorrisinho no rosto.

Pouco mais atrás, até mesmo os próprios pilotos estavam tensos para saber quem dos dois iria conseguir, nem mais importando suas posições. O verdadeiro entretenimento estava diante de seus olhos e quase podiam ver os rostos de Kim e Jeon disputando “silenciosamente” quem chegaria primeiro. Não tinha jeito, era sempre aquela mesma frase: “Não é o lugar, é a posição”, e os fãs tinham chegado naquela conclusão depois de notarem a interação constante de Kim Mingyu com Jeon Wonwoo, um sempre desafiando o outro e no final, eram o foco das competições. Perceberam o fato de que Mingyu até aceitava não estar nos primeiros lugares, desde que não estivesse abaixo de Wonwoo e aquela frase já tinha até virado uma marca de ambos. Em alguns momentos era até engraçado.

E quando enfim a hora da decisão chegou, ouviu-se uma exclamação de surpresa quase uníssona vinda dos torcedores. Por um instante, tudo parou. O pobre do Juiz tinha praticamente todos os olhos da torcida sobre si de forma tensa, julgando-o mentalmente e ansiosos para que ele desse o resultado, mas aquilo seria impossível. Mesmo seus olhos treinados não conseguiram ver com precisão quem havia cruzado a linha de chegada primeiro. Foi necessário esperar a resolução da foto, pois ambos 96 e 97 haviam cruzado a linha juntos outra vez. Os outros carros terminaram de cruzar a linha de chegada e iam desacelerando quando o resultado enfim foi concluído, e quando anunciado, o público foi à loucura. Nenhum dos corredores entendia a bagunça nas arquibancadas, por isso seus treinadores anunciavam nos fones em seus capacetes:

Jeon Wonwoo ganhou por 1 centímetro.

Mas o que Mingyu traduziu da verdadeira fala de seu treinador foi totalmente o oposto.

Você perdeu por 1 centímetro. — e aquilo era inaceitável.

Tinha perdido para Wonwoo mais uma vez.

Saiu do carro tão puto quanto se lembrava de ter estado outra vez, ou ao menos tentava deixar claro para as câmeras e seus fãs que estava irritado com aquilo, e que não suportava Jeon Wonwoo. Claro.

Quando ouviu aquelas palavras de seu treinador, sequer olhou para o 96 quando ele saiu de seu veículo pouco antes de si e foi ovacionado pela multidão de gente nas arquibancadas, e para melhorar tudo tacou seu próprio capacete no chão a fim de mostrar ainda mais sua irritação, seguindo marchando para longe da pista e um lugar mais tranquilo, onde sua equipe logo mais o encontraria. Ignorou os repórteres, os fãs, tudo, até mesmo o olhar de Wonwoo sobre si. E mesmo ignorado, o Jeon sorriu pequeno. Foi rápido demais e nem mesmo as câmeras conseguiram captar. Perfeito.

 

 

Já era de noite, e Mingyu só constatou aquilo quando foi obrigado a usar a lanterna de seu celular para continuar sua manutenção embaixo de seu carro. Existiam sim as luzes dentro daquelas garagens que guardavam os carros, mas não eram o suficiente para enxergar muito bem naquelas ocasiões.  E, bem, estava ali depois de ter se afastado da pista como um touro raivoso. Sua equipe tinha tentado lhe acalmar e até levar para uma noite de porre depois de todo aquele estresse, mas não conseguiram. Mingyu foi direto ao dizer que precisava ficar sozinho naquela noite e que não queria ver nenhum deles até o dia seguinte, completando que ficaria bem antes mesmo que seu treinador protestasse. No final, eles não tiveram muita escolha a não ser irem sem o Kim.

— Droga! — xingou ao que percebeu que a chave que usava estava estragando a cabeça daquele parafuso pela força o qual empregava, logo seria quase impossível removê-lo — Quem foi o idiota que apertou essa merda assim?!

Reclamava para si mesmo na tentativa de aliviar o estresse e achar uma solução. Saiu de debaixo do carro e se dirigiu às mesas e estantes que havia mais ao fundo, dispondo de ferramentas e muitos outros utensílios mecânicos, agora bagunçados pelo Kim ter utilizado alguns. Estava distraído analisando uma peça que tinha removido enquanto verificava se os parafusos estavam bem encaixados, as horas passavam e mesmo sabendo que já deveria estar em seu quarto há muito tempo, teimava em ficar ali. E, bem, secretamente ele não era o único.

Não viu quando alguém se aproximou da garagem aberta apenas na parte do carro 97, muito menos quando este permaneceu de braços cruzados e observando o Kim com um sorrisinho, até enfim decidir se pronunciar.

— Olha só quem está aqui! — a voz grossa do visitante soou, mas Mingyu sequer ergueu os olhos para vê-lo — Como vai, Segundo Lugar?

— Não enche, idiota. Se não viu, estou ocupado. — retrucou, franzindo o cenho e com as orelhas quentes pela raiva. Permanecia extremamente concentrado no que fazia, mas Wonwoo sabia como lidar.

— Você fica tão irresistível concentrado. — o mais velho soltou, vendo nitidamente quando o outro estremeceu sutilmente com o que tinha dito, mas não tirou a atenção do que ainda fazia — E quando você saiu irritado... Ah, céus, quase perdi a cabeça. — sua voz era aveludada, e se aproveitava de seu tom naturalmente rouco para desmontar o Kim com facilidade. Sabia que ele não resistia por muito tempo.

— Não deveria estar no seu quarto, Jeon? Ou comemorando com sua equipe a vitória no primeiro lugar? — respondeu mal humorado, sem tirar os olhos da peça em suas mãos e ficando de costas para onde o mais velho estava.

— Não seja assim, Gyu-ah, não deveria estar feliz por mim? — perguntou, mas obviamente tinha feito aquilo para provocar o mais novo e mesmo sem poder ver seu rosto, teve certeza de que ele revirou os olhos. Por isso, apertou o botão ao lado da entrada da porta de ferro e esta foi se fechando sozinha, diminuindo a iluminação que vinha dos postes do lado de fora, sendo agora a única fonte de luz provinda das poucas lâmpadas no teto alto. Em seguida, se aproximou a passos quase silenciosos e abraçou o Kim por trás e deixou um beijo em sua nuca, ouvindo um suspiro escapar.

— Eu ainda estou puto com você. — resmungou sem se afastar daquele abraço, mas permanecia virado para frente na tentativa de ignorar Wonwoo. Droga, se ele continuasse daquela forma Mingyu sabia que não aguentaria muito tempo.

— Desculpe bebê, eu sei que você odeia perder, mas... — aproximou o nariz do pescoço moreno, deixando um beijinho ali e vendo a derme arrepiar violentamente — Não resisto à oportunidade de te deixar irritadinho, fica uma gracinha!

— Você trapaceou! — exclamou ainda indignado, e Wonwoo afundou o nariz no pescoço cheiroso tentando esconder o sorriso em seus lábios enquanto prendia o riso sapeca — Fez aquilo de propósito só para eu ficar desconcentrado durante a corrida! — continuou se lembrando de quando — alguns minutos antes de irem para a pista — Wonwoo lhe mandou uma mensagem para que se encontrassem em um banheiro específico bem afastado dos outros e muito pouco usado, consequentemente praticamente deserto e lá o fez um boquete. E, céus, que boquete! Tinha que admitir, Jeon Wonwoo era muito habilidoso com a boca e as mãos principalmente. Mas aquilo o tinha feito perder a aposta, pois passou metade da corrida distraído e lembrando das maravilhas que as mãos de seu “rival” tinham o feito mais cedo, com a ajuda de sua imaginação fértil o fazendo fantasiar com muitas outras possibilidades.

— Não fique assim bebê, terá outras oportunidades para se vingar... Mas por agora, não vai me parabenizar? — fez charminho, sussurrando no ouvido do Kim enquanto seus lábios roçavam ali sutilmente ao pronunciar aquelas palavras. Mingyu teve de fechar os olhos para procurar sua sanidade que praticamente evaporou com aquilo e ao sentir as mãos geladas de Wonwoo tocando sua pele perto do quadril, onde sua camisa branca terminava. No entanto, seus braços permaneciam o abraçando por trás, envolvendo sua cintura. Tinha passado o dia inteiro pensando no que teria acontecido caso avançassem no que tinham iniciado no banheiro mais cedo, um segredinho só deles e das cabines solitárias, e naquele momento todos os seus pensamentos mais promíscuos voltaram com força total. Estava ferrado. Teve de colocar a peça de volta na mesa junto da ferramenta que manuseava, apoiando os braços na madeira ainda com os olhos fechados enquanto tinha Wonwoo atrás de si, o abraçando por trás e beijando seu pescoço com carinho e luxúria exalando de seus poros. Sentia as pernas amolecerem com aquele simples ato, enquanto sentia as mãos geladas irem ficando mais confiantes e adentrando sua camisa, chegando com os dedos de uma mão — que Mingyu não soube identificar qual delas naquele momento — bem perto de sua virilha, quase adentrando sua calça jeans escura enquanto passava sutilmente os dedos na pele já por baixo do cós, mas recuando e subindo pelos quadris para a cintura, apertando e amaciando a pele arrepiada.

— Você joga muito sujo, Jeon. — murmurou respirando pesadamente pela excitação que todos aqueles toques o estavam causando.

— Sabia que toda vez que me chama assim me deixa excitado? — Wonwoo deu uma mordidinha em uma parte do ombro alheio que estava descoberta, sentindo o Kim estremecer com aquilo.

— Porque, Jeon? — Mingyu provocou com um sorrisinho, abrindo minimamente os olhos e deixando-os em uma linha fina, virando minimamente o rosto para o mais velho e o encarando.

— Porque quando faz isso, está sendo um menino mal educado, e eu ainda sou mais velho que você, então terei que te punir... — Wonwoo respondeu quase entorpecido pela excitação, mostrando então o resultado daquilo tudo ao colar seus corpos ainda mais, fazendo Mingyu sentir algo o cutucando em sua bunda. Corou imediata e violentamente ao identificar sem demoras o que era, ansiando por aquilo ao mesmo tempo em que queria se fazer de difícil, levar Wonwoo até o limite. No entanto, não conseguiu se segurar e arfou quando o Jeon encaixou o próprio pênis — ainda coberto pela roupa íntima e a própria calça — em seu cuzinho necessitado, que já piscava pelos toques excitantes e ficou enlouquecido para ser preenchido quando Wonwoo simulou uma estocada. Mingyu já sentia o próprio membro apertado e desconfortável pela cueca e aquilo fora o estopim, estava pronto para explodir. Quis tacar tudo pro alto enquanto se permitia ser domado pelo mais velho mais uma vez, como acontecia toda vez que perdia para ele. Gostava de ser o ativo e sempre que ganhava do outro esta era sua recompensa, mas secretamente, somente quando era Jeon Wonwoo, amava ser o passivo. Mas seu passivo era rebelde, e o 96 amava aquilo.

O que você quer, Jeon? — perguntou num sopro com a voz arrastada, gemendo baixinho quando Wonwoo simulou outra estocada com um sorriso pervertido, levando os lábios até o ouvido esquerdo do Kim outra vez.

Eu quero foder o seu cuzinho agora, bebê, mas antes... — ao terminar de sussurrar, virou Mingyu para si — este que sentiu seu baixo ventre fisgar ao ouvir aquela frase — e o encurralou na mesa, se excitando ainda mais com os olhos meio abertos do Kim encarando seus olhos por poucos segundos, logo abaixando e permanecendo em seus lábios, com um rubor nas bochechas visível mesmo com a pouca iluminação. Com um sorriso ainda, selou seus lábios aos de Mingyu sendo retribuído imediatamente, onde começaram um ósculo necessitado e selvagem. As mãos do Jeon exploravam e apertavam cada pedacinho do tronco de Mingyu, descendo vez ou outra para as coxas roliças e a bunda redondinha e deliciosa de apertar. Enquanto isso, as mãos do Kim estavam bagunçando e se enroscando nos fios loiros, ora acariciando a nuca ora descendo para o maxilar marcado do Jeon. Ah, Mingyu amava aquela parte. Ao fundo, era possível ouvir os estalos que suas bocas faziam ao se mover, suas respirações descompassadas e o ritmo acelerado de seus corações retumbando como os carros de corrida, eufóricos e acelerados na pista.

O Kim arfou quando recebeu um aperto forte em sua cintura, tendo os lábios separados do Jeon por iniciativa do mesmo que desceu os lábios para seu pescoço, deixando selares ali e seguindo pelo ombro, ora indo até perto de sua clavícula, ora voltando pelo pescoço até seu rosto. Enquanto isso Mingyu gemia baixo e arfava perto do ouvido do Jeon, até que não aguentou mais e o puxou outra vez para outro beijo. Nisso, Wonwoo levou os braços do Kim para seu próprio pescoço e Mingyu os manteve ali, depois o Jeon segurou-o por baixo das coxas e o ergueu do chão, fazendo o mais novo tentar manter-se firme segurando-se com os braços envoltos do pescoço do mais velho e entrelaçando suas pernas na cintura do mesmo, enquanto era levado para algum lugar da garagem. Logo identificou que era uma mesa mais ao fundo — esta que era uma auxiliar e ficava quase sempre vazia — quando Wonwoo o colocou sentado ali, posicionando-se entre as pernas do mais novo e separando seus lábios em um estalo, juntando suas testas enquanto tentavam recuperar o fôlego.

— Sabe de uma coisa? — perguntou o Jeon tentando regularizar a respiração, com uma mão em cada lado da cintura do Kim e este mantendo as mãos nos ombros largos do mais velho, ouvindo Mingyu apenas murmurar “Hm” de forma ofegante para que continuasse — Eu posso trabalhar correndo com carros, mas prefiro dirigir moto.

— Isso é curioso... — o Kim sorriu ladino, acariciando a tez do pescoço do Jeon — Algum motivo em especial? Nunca andei de moto para saber como é.

— Então um dia desses eu te mostro, tenho certeza que você vai entender. — sorriu de volta, aproximando-se dos lábios bem desenhados e cheinhos do Kim outra vez, tomando-os em mais um ósculo, dessa vez molhado e relativamente lento. Era quase como uma briga para ver quem dominava, Mingyu tentava guiar o beijo em uma birra proposital, mas logo em seguida Wonwoo apertava algum ponto em seu corpo fazendo-o gemer entre o beijo, cedendo, e ser dominado outra vez. No processo, ambos se ajudavam a desfazer-se de suas roupas. A jaqueta de Wonwoo foi jogada longe, deixando a mostra sua regata branca, em seguida a blusa de mangas curtas de Mingyu, e assim que o mais novo ficou com o tronco nu, o Jeon separou o beijo e desceu a boca pela clavícula, enquanto deitava o Kim com delicadeza sobre a mesa, no processo, foi se inclinando também sobre o mais novo. Continuou descendo os beijos pela tez morena e aveludada, se deliciando com os gemidos de aprovação de Mingyu. Fez uma trilha de beijos até chegar perto na virilha, parando ao enxergar o cós da calça o impedindo de prosseguir. Olhou para frente e viu que Mingyu o encarava, por isso, apenas sorriu pervertido e tornou a desfazer os botões e o zíper da calça que o Kim usava, abaixando-a lentamente e ouvindo o mais novo resmungar alguns gemidos reprimidos pelo tecido do jeans causar um atrito contra seu pênis excitado e sensível.

— Vai logo com isso, Wonwoo! — Mingyu soltou, sabia que o Jeon o estava torturando pois gostava de tornar aqueles momentos inesquecíveis, longos e prazerosos, então sempre fazia umas gracinhas e a-do-ra-va as preliminares. Pois era ali que ele tornava a reconhecer os traços de Mingyu, cada detalhe do corpo escultural de Kim Mingyu e amava saber cada partezinha sensível ao seu toque que deixava o mais novo amolecido, à mercê de si. Por isso, quando o ouviu reclamar deu uma mordidinha perto da virilha de Mingyu, vendo-o tapar a boca para, provavelmente, impedir que o Jeon ouvisse seu gemido.

— Não seja impaciente, bebê… — pronunciou com a voz arrastada. Foi então que Wonwoo abaixou a boxer branca que Mingyu usava de uma vez só, deixando a mostra o membro duro pela excitação e expelindo pré-gozo, vermelhinho como Wonwoo se lembrava, praticamente chamando por si. O Jeon salivou só com aquela visão, terminando então de falar — A melhor parte ainda vem.

 


Notas Finais


Eaee, oq acharam?? eu curti muito escrever essa one aaa<33

Caçada de Inverno: (Meanie fresquinha também)
https://www.spiritfanfiction.com/historia/cacada-de-inverno-22676255

Espero que tenha ficado a altura, to bem mais tranquila agora que postei, só falta a @Yoongi_bts agr >< ksksksks :)

Eu tinha em mente que queria escrever muito mais, com um texto fofinho parabenizando o Wonu e o Gyu (mesmo hj seja niver do Nonu, no niver do Gyu eu n consegui fazer nada), mas acabou que é melhor ficar só pelas palavras no capitulo mesmo kskskaka

Eh isto xuxus, bom sábado pra vcs<33

Spoilerzinho:
Vem aí uma surpresinha que a @Yoongi_bts aceitou fazer, pq ela é simplesmente incrivel e maravilhosa e eh isto babys<33

Até loguinho!🤭




•Yuka


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...