História Corrompido - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens D.O, Kai, Sehun
Tags Kaisoo, Sekai, Sekaisoo, Sesoo
Visualizações 46
Palavras 944
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Um


Estupro 

Crime que consiste no constrangimento a relações sexuais por meio de violência; violação.


Assédio

Insistência impertinente, perseguição, sugestão ou pretensão constantes em relação a alguém.






Tudo começou quando meu pai convidou um amigo de trabalho para jantar lá em casa, tudo ocorreu bem, minha mãe e eu gostávamos dele, parecia ser uma boa pessoa... mas infelizmente, só parecia mesmo.


Suas visitas se tornaram frequentes e duradouras, meu pai estava adorando, seu melhor amigo estava indo em nossa casa quase todos os dias, nada parecia errado.


Um mês se passou e foi ai que tudo começou a ficar estranho, o homem passou a ir lá em casa até quando meu pai não estava, mas ninguém achou isso um problema.


Suas visitas continuaram, e para o meu azar, ficamos sozinhos pela primeira vez, recebi muitos elogios, conversamos normalmente e me arrependo muito de ter contado que não estava indo bem na escola, pois o homem não perdeu a oportunidade, falou para os meus pais que poderia me ajudar com as coisas da escola e duas semanas depois as coisas começaram a acontecer.


No meio de uma "aula", senti uma de suas mãos alisando minha perna, apenas me afastei. Aquele homem passou a querer me abraçar e fazer carinhos a todo momento, até presentes estava me dando. Ninguém estava estranhando seu comportamento e infelizmente, nem eu.


O tempo foi passando e tudo só piorando, estávamos em um jantar em minha casa, rindo de uma piada que meu pai havia feito, mas meu riso morreu assim que senti uma mão no meio de minhas pernas, o homem apenas continuou rindo e alisando o local, para meus pais tudo estava normal, eu não podia falar nada, talvez se eu falasse com ele depois aqueles carinhos estranhos pudessem acabar.


Mero engano, depois do jantar minha mãe o convidou para dormir em minha casa, chovia muito e estava tarde para o homem sair.


Uma cama foi arrumada em meu quarto para aquele monstro dormir.


Aproveitei para tomar banho enquanto ele ficava em meu quarto conversando com alguém em seu celular, estava tomando meu banho quente lentamente quando sentir uma mão tapar minha boca, aquele homem estava dentro do boxe, me prendendo na parede e me impedindo de gritar.


– Achou que ia escapar de mim? Você vem me provocando há meses, pensa que eu não vejo? – eu estava assustado, não sabia o que estava acontecendo, eu apenas havia o tratado bem, como sempre tratei todos os amigos do meu pai ou pessoas que me tratam bem. – Agora que estamos sozinhos, vou poder te dar o que você tanto quer.


Sua mão passava pelo meu corpo, apertando e alisando. Enquanto o homem se divertia, eu apenas chorava, não tinha força para me soltar e sair dali e sabia que se contasse algo, ninguém iria acreditar em mim.


Quando o homem passou a masturbar meu membro, eu percebi que aquilo não era apenas um sonho ruim, estava realmente acontecendo.


– Você é mais gostoso do que eu imaginei! Deve ser tão bom foder essa sua bundinha virgem!


Ele sabia que eu não estava gostando, então por que não parava?


Minutos pareceram horas, ele apenas desistiu depois de um tempo, eu não estava nem um pouco excitado ou algo assim. Com muita raiva, ele me deixou sozinho no banheiro, com medo e me sentindo sujo.


Demorei quase uma hora para sair do banheiro, aquele homem não estava mais lá, passei a noite toda acordado, eram quase três da manhã quando ele entrou novamente no quarto, eu estava morrendo de sono, por sorte ele também estava, então apenas entrou e se deitou, esperei que o mesmo dormisse para finalmente poder dormir.


O tempo passou e as visitas pararam por um tempo, o trabalho na empresa estava puxado, nem meu pai parava em casa e graças aos deuses, aquele homem também não.


Mais de um mês já havia se passado, era aniversário de minha mãe, todos os amigos dos meus pais foram convidados, inclusive ele...


Todos estavam na piscina, o tempo estava quente e todos desfrutavam de nossa bela piscina, eu estava escondido, de calça e casaco, não queria que ninguém visse meu corpo e nem os cortes que passaram a fazer parte de mim desde aquele dia.


Estava cansado de observar aquelas pessoas se divertindo, tentei passar despercebido por todos e felizmente consegui. Assim que cheguei em meu quarto tranquei a porta, mas infelizmente não havia percebido que aquele homem me esperava lá dentro.


– Estava se escondendo de mim? Que feio! Eu estava com tanta saudade! Que tal agora terminarmos aquilo que não conseguimos nem começar?


Tentei destravar a porta e sair correndo, mas ele foi mais rápido e me puxou. Fui arrastado até minha cama e jogado nela, a única coisa que eu conseguia pensar era em como alguém conseguia se sentir bem fazendo mal a outra pessoa, nem percebi quando comecei a chorar, apenas percebi quando aquele homem me "ameaçou".


– Eu nem comecei ainda e você já está assim? Logo logo lhe darei um motivo bem grande para chorar.


O tempo parou, não soube quando minha dor começou ou quando teve fim, apenas passei a senti-la, horas pareciam ter passado, eu não aguentava mais ser jogado contra meu próprio colchão, não tinha mais forças para tentar o agredir, elas haviam acabado assim que aquele ser me corrompeu da maneira mais violenta, cruel e dolorosa possível. Eu já começava a ficar sem ar, meu rosto estava sendo preso contra a cama para abafar meus gritos, estava prestes a desmaiar quando senti algo quente me preencher, ouvi o som de sua calça ser colocada em seu corpo e em seguida a porta do meu quarto ser fechada.


Eu apenas queria morrer, talvez agora eu tivesse coragem de tirar minha própria vida... não havia mais nada a perder mesmo.




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...